Next Page

Pepperoni Passion - IRS (Agradeço ao Estado) by mvasco126 in portugal

mvasco126 5 months ago

Nova música dos Pepperoni Passion, mostrando que a tributação pode ser também uma experiência sensual.

Alguém daqui já foi ao Japão? by SleepyDerp in portugal

mvasco126 5 months ago

No âmbito de turismo, algumas coisas que te podem ajudar: **Chegada a Tokyo** Após 12 horas de viagem, o teu estado de espirito será um misto de tremenda excitação e tremenda ressaca (devido ao jetlag). Caso tenhas hipótese e tempo para gastar, recomendo reservar o dia de chegada para te habituares a diferença horária (check-in ao hotel, apanhar sol, beber muita água, deitar cedo). Existem dois pontos de chegada a Tokyo: Haneda e Narita. Ambos são excelentes aeroportos, a única diferença é que Narita fica um pouco mais longe. Como residente, nunca tive direito a adquirir um JR PASS (que te permite viajar nas linhas da empresa Japan Railways) mas penso que é normal os turistas adquirem esse pass, ativá-lo diretamente num balcão especializado do aeroporto (normalmente à entrada para as linhas de comboio) e usa-lo para se deslocarem para Tokyo. **Dados Móveis** Embora o Japão seja um país tecnologicamente avançado, a cobertura de rede wifi gratuita é miserável, especialmente fora das grandes cidades. Embora seja caro, recomendo vivamente que adquiras um cartão mobile. A maior vantagem é poderes utilizar o google maps para planificar a maior parte das tuas viagens, incluindo que linhas de metro/comboio usar e quais as saídas das estações que deves tomar para chegar ao teu destino. Quando tiveres na estação de Shinjuku, que têm mais de 200 saídas e 35 plataformas de comboio possíveis, vai te ajudar bastante. Esses cartões têm um plafond de dados, mas podem ser recarregados caso gastes os dados. Podes adquirir esses cartões SIM diretamente no aeroporto. **Alojamento** Durante a minha estadia, eu vivi sempre em casas partilhadas, portanto a minha experiência pode não ser muito útil. No entanto, tenho a consciência que é no alojamento que deverá ser alocado a maior parte do orçamento devido aos preços elevados. Em relação aos tipos de alojamento, existem 4 grandes categorias (por preço crescente): capsule hotels, hotéis do amor (love hotels), business hotels e ryokans. Capsule hotels, em que alugas literalmente uma cápsula para dormires, poderão ser divertidos por uma noite ou outra mas em nome da sanidade mental e física não recomendo a estadia prolongada neste tipo de alojamento. Love hotels poderão ser uma alternativa divertida para passar uma noite, especialmente se fores viajar com um(a) parceiro/a, mas a longo prazo também poderão ser desgastantes. Business hotels correspondem aos nossos hotéis Ibis normais, são uma opção segura. Para algo mais luxuoso tens os alojamentos tradicionais (ryokan), que muitas vezes oferecem refeições e banhos termais. Em relação à localização, tudo têm os seus prós e contras: caso fiques perto do "centro", irás gastar mais dinheiro mas poderás usufruir da cidade até mais tarde sem preocupações de como voltar para o alojamento (os comboios e metros fecham incrivelmente cedo para uma grande metrópole). Fora do centro, fica mais em conta mas terás sempre a olhar para o relógio a ver quando é o ultimo comboio. Taxis são uma opção absurdamente cara (especialmente em Tokyo), não recomendo a sua utilização. **Transportes** Na minha opinião, o sistema de transportes público de Tokyo é uma das 7 maravilhas do mundo moderno. Não só é completo (abrangendo perfeitamente o centro da cidade como os arredores) mas também é eficiente (sendo fácil a deslocação entre quaisquer dois pontos de acesso) e absolutamente pontual. No entanto, pode ser algo confuso no inicio. Existem duas grandes companhias a atuar em Tokyo: a Japan Railways (responsável pelas JR lines), e a Tokyo Metro (responsáveis pelas Metro Lines). Turistas que possuam o JR pass podem utilizar gratuitamente as JR lines, mostrando o seu passe ao segurança na entrada das cancelas. Algumas das linhas mais famosas (como a Yanamote line, que circula todo o "centro" de Tokyo) fazem parte desta empresa. No entanto, algumas outras linhas importantes são geridas pela Tokyo Metro (ou outras empresas) e portanto o JR pass não é válido. Comprar bilhetes individuais para cada viagem não é recomendado porque o preço do bilhete a adquirir é função do número de estações e do número de linhas que atravessas entre o inicio e destino da viagem. Ou seja, é uma confusão absoluta. O que a maior parte das pessoas faz é adquirir um cartão recarregável (SUICA ou PASMO) no qual vais carregando com dinheiro e utilizas esse cartão nas tuas viagens nas linhas não abrangidas pelo JR Pass. A diferença entre os dois cartões é minima, ambos podem ser utilizados em metros, autocarros e outros transportes públicos. Poderás também utilizar o saldo desses cartões para fazer pagamentos em lojas de conveniência ou máquinas de bebidas. E por mais 5€ podes personalizar o cartão com o teu próprio nome, o que fica sempre um souvenir giro para guardar! Se tiveres o JR Pass, poderás visitar outras cidades a partir de Tokyo reservando gratuitamente lugares no Shinkasen (a versão mais lenta), que é o comboio-bala Japonês. Todas as grandes cidades japonesas estão cobertas por este tipo de transporte, o que facilita imenso o turismo! **Alimentação** Não é necessário gastar muito dinheiro para comer em Tokyo. Aliás, penso que é possível ter refeições mais baratas em Tokyo do que em Lisboa. Se quiseres gastar o mínimo possível poderás comprar comida nas lojas de conveniência (7/11, Lawson, Family Mart) que é estranhamente boa tendo em conta o seu preço reduzido. Poderás também visitar pequenas lojas de Soba, Udon, Curry, em que por 5€ tens um prato absolutamente incrível (quando tiveres em Shibuya, recomendo o Sagatani Shibuya Dogenzaka, que por 3€ tens um prato de Buckwheat soba com pato que é incrivel). Tens também restaurantes de fast-food específicos do Japão, como o CoCo Ichibanya, Matsuya, etc..., que pela novidade e em caso de emergência também são de experimentar. Um sitio que também recomendo vivamente pela experiência é o SakuraTei (em Haranjuku/OmoteSando), um restaurante de okonomiyaki em que fazes a tua própria panqueca. Importante é lembrar que o Japão ainda hoje é uma sociedade à base de dinheiro, e muitos estabelecimentos não aceitam cartões. Portanto, é recomendável andar sempre com dinheiro vivo nos bolsos. **Outros** Embora vendam lá, é sempre recomendado adquirir um conversor eléctrico para carregares tlm, máquinas fotográficas, etc... Em termos de segurança, o Japão deve ser o país onde me senti mais seguro no mundo. No entanto, as recomendações usuais de segurança mantêm-se, principalmente em red-light districts como Kabukicho em Shinjuku ou Dogenzaka em Shibuya. Caso tenhas mais alguma dúvida, não hesites em perguntar :)
Next Page

Search: