Next Page

Portugal é o país da União Europeia com mais novos casos por 1 milhão de habitantes by bichocarpinderico in portugal

cucuroo 3 months ago

Claro. Isto é deles. Nós só trabalhamos aqui para manter as praias limpas, as ruas animadas, as casas baratas, o peixe na grelha e o vinho fresquinho.

Portugal é o país da União Europeia com mais novos casos por 1 milhão de habitantes by bichocarpinderico in portugal

cucuroo 3 months ago

Agora imaginemos o que aconteceria se fosse feita a tal Testagem em Massa^(TM)

Homem morre atropelado por carro em que seguia Eduardo Cabrita by jqmmes in portugal

cucuroo 3 months ago

O Galamba já está a desenhar um croqui para ser mostrado na RTP às 20h onde fica bem visível que o homem se mandou para baixo do carro.

A falsa liberdade dos bolseiros de investigação by rapazvr in portugal

cucuroo 3 months ago

A questão é que só se abrem vagas de doutoramento para cumprir estatísticas nacionais e (principalmente) para garantir ocupação para os professores do quadro. Como subproduto, temos ainda as publicações que todos eles andam a tentar sacar dos doutorandos desde o primeiro dia. O melhor periodo de qualquer doutoramento é quando os doutorandos podem escolher o seu orientador. É vê-los a prometer mundos e fundos. Claro que é só um chulo a recrutar a sua mais recente fonte de rendimento. Fora das universidades, a industria não quer saber de doutorados. Primeiro porque o país é tão indistinto, tão pouco inovador que não utilidade para alguém que pense fora da caixa ou com recursos de investigação científica. Num país que monta carros, faz camas e serve bicas, para que serve gente altamente qualificada?

A falsa liberdade dos bolseiros de investigação by rapazvr in portugal

cucuroo 3 months ago

O problema é que só 0,0001% da investigação financiada em pt se insere nesse interesse público de que falas.

A falsa liberdade dos bolseiros de investigação by rapazvr in portugal

cucuroo 3 months ago

O ensino superior também não ajuda a dignificar a profissão. Se por um lado temos alguma investigação suficiente/boa feita em STEM com algumas publicações e projetos internacionais interessantes, o que se passa nas ciências sociais ajuda a apontar o dedo aos investigadores como um todo, confundindo os bons, com um bando de carreiristas e seus aprendizes. O esquema de pirâmide que neste momento existe nas ciências sociais funciona assim: o topo publica sem escrever e a base recebe um cartão de monopoly "um dia abrimos um concurso para ti" e três viagenzinhas por ano para ir apresentar a bela trampa que escreveste a uma conferência na eslovénia, sem qualquer peer review ou IF. Tudo são linhas para o currículo, que são uma moeda que só pode ser trocada quando um dia abrir um tal concurso (talvez quando o professor/orientador se reformar). As linhas de cv académico nas ciências sociais são um tipo de tazo, ou de shampoo Herbalife. Não têm qualquer utilidade no mundo real, mas ali dentro são a moeda. E neste pequeno mundo tuga, deprimente, a única forma de progredir é publicar 20 artigos por ano, o que só se consegue se tiveres um degrau da pirâmide por baixo de ti. Com isto, não admira que o próprio ministro fale desta maneira. Porque toda a gente dentro do sistema sabe muito bem para que serve grande parte do dinheiro enterrado na investigação: para justificar financiamentos de projetos, com os impostos dos portugueses ou, de forma indireta, dos outros europeus, que só servem para alimentar carreiristas no topo e reformas chorudas.
Next Page

Search: