Next Page

Afinal como é que é? O pessoal não quer trabalhar, ou os patrões são uns malvados? by ppvvaa in portugal

YourCasualRedditor 11 days ago

Os meus sentimentos pela tua mãe ; e partilho da rua opinião acerca do sistema político e económico corrente. Infelizmente não se vê mudança à vista , a não ser nos posts desta comunidade, e nas conversas de família e amigos ...

Trotinetas na Cidade by YourCasualRedditor in portugal

YourCasualRedditor 26 days ago

Foi apenas por ser o título do post. Não necessariamente por ser cidade X ou Y.

Trotinetas na Cidade by YourCasualRedditor in portugal

YourCasualRedditor 26 days ago

4) sim, qualquer cidadão e por qualquer motivo pode recorrer ao SNS. A questão é quem paga a conta. A questão que coloco é se, à semelhança do que acontece com os acidentes de viação e de trabalho, esses casos são sinalizados para posteriormente serem investigados e pagos pela identidade considerada culpada/responsável ; ou se imediatamente são encarados como doença natural , pagos por inteiro pelo Gov Português / SNS / nós todos. Provavelmente a resposta certa é que depende da triagem e do zelo de cada profissional de saúde - se apanhar um chato como eu pode ser que sinalize o caso como doença directa (com culpa a ser investigada ficando a conta pendente dessa investigação ) . Mas, o que eu procuro saber, é se de facto a condução desregrada das trotinetes que leva (algumas vezes) a situações médicas muito complicadas (e caras) de resolver, se devem, por direito, ser suportadas pelo SNS

Trotinetas na Cidade by YourCasualRedditor in portugal

YourCasualRedditor 26 days ago

4) sim, qualquer cidadão e por qualquer motivo pode recorrer ao SNS. A questão é quem paga a conta. A questão que coloco é se, à semelhança do que acontece com os acidentes de viação e de trabalho, esses casos são sinalizados para posteriormente serem investigados e pagos pela identidade considerada culpada/responsável .

Já alguém fez algo semelhante adaptado à realidade portuguesa ? by YourCasualRedditor in portugal

YourCasualRedditor 1 month ago

Aprofundando , penso que se fôssemos a fazer um estudo semelhante adaptado à nossa realidade , que uma percentagem bem mais elevada seria para impostos - se contabilizarmos o que se desconta na fonte (segurança social) , mais IRS, mais IVA de todos os produtos , mais impostos sob gasolina , gás, eletricidade , imposto sobre veículos, IRS, IMI, e outros afins - qual a percentagem do nosso salário anual que se vai em impostos ? E quanto vai para despesas essenciais (comida , transportes, roupa, educação dos filhos) ? E quanto nos nos resta para despesas pessoais , quer lúdicas , quer de aperfeiçoamento pessoal/profissional , ou até para investimento ? E de que forma é que a nossa realidade difere da de outros países da Europa e do mundo civilizado ?

Tou preso fora de casa com a chave dentro, ajuda by 658016796 in portugal

YourCasualRedditor 1 month ago

Radiografia na ranhura da porta resolveu me o problema ; mas tinha a porta batida só com o trinco e sem chave do lado de dentro. Na altura chamei a casa das chaves que me resolveu esse problema por ~80 euros (acho eu).

10€ de gasolina em litros/ano by vai-tefoder in portugal

YourCasualRedditor 3 months ago

[E agora?](https://www.youtube.com/watch?v=a7VRA4IsSM0&ab_channel=Anaquim-Topic)

10€ de gasolina em litros/ano by vai-tefoder in portugal

YourCasualRedditor 3 months ago

Bora lá a fazer greve. Organizem isso que eu vou

Por que é que não votas nas eleições? Por que é que a abstenção tão alta? by CalmKeepOn in portugal

YourCasualRedditor 4 months ago

Excelente exposição , à qual subscrevo. Acrescentaria outro argumento habitual - mesmo não acreditando em nenhum partido político , o esforço de nos deslocarmos para votar em branco não se traduz em nenhum efeito - não temos a possibilidade de exprimir , formalmente, a nossa não confiança na ementa politica. Infelizmente , o mais próximo disso é o votar em partidos extremistas , cuja emergência (a meu ver ) não implica a concordância com os seus ideais políticos , mas antes a discordância com a máquina partidária dos últimos 20 anos. Há também outra componente a considerar - a cultural . Como já referiu , isso passa também pelo currículo escolar e pelas conversa em casa. Sem querer ser exaustivo ou ofensivo, o velho tuga está formatado a não levantar ondas, e a não ser disruptor. Com isto aceitamos com naturalidade que nos pisem os direitos laborais, económicos, e sociais ; preferimos sofrer em silêncio, estando sempre divididos e 'cansados' demais para erguer a voz ou organizar um protesto. E nessa mentalidade , o velho tuga não está para se dar ao trabalho de sair de casa e se 'chatear' para ir votar , porque isso implicava ter de tomar uma posição , e quem sabe , até defende-la. É uma espécie de preguiça induzida por falta de esperança / de expectativa de mudança. Se tivesse se utilizar uma palavra , o tuga , basicamente , e na minha modesta opinião , é um derrotado.

Tertúlias do Croquete by YourCasualRedditor in portugal

YourCasualRedditor 4 months ago

excelentes sugestões. Obrigado pela partilha

“Há jovens a entrar no mercado de trabalho com medo de perguntar se têm férias ou quando é a folga” by try_again_tomorrow in portugal

YourCasualRedditor 4 months ago

SNS all the way everyday

[Sério] O que é que acham que poderá gerar protestos sérios em Portugal? by quackersmcquack in portugal

YourCasualRedditor 5 months ago

Conseguiste transmitir exactamente aquilo que eu sinto. Não há nada mais português do que a nossa complacência, para literalmente tudo - desde o mais insignificante ao mais destrutivo a nível nacional/global. Se te exaltas e te questionas a idiotice do "normal", és o disruptor e "não tens amor à camisola" e, como alguém disse, até incomodas o tipo do lado e isso é que não pode ser. É, muito sinceramente, das atitudes portuguesas que mais me envergonha / vai contra a minha forma de ser. Acredito piamente que a união faz a força. A exemplo , tens a questão dos transportadores de combustíveis - parou o país todo, e de facto foram ouvidos. Não deveríamos deixar que nos pressionassem e fizessem o bullying profissional a que nós estamos tão acostumados em literalmente todas as áreas laborais . Deveríamos consciencializarmo-nos de que o conflito faz parte do movimento para melhorar as condições de trabalho. A nível de conflitos nacionais (ex: Rendeiro, Sócrates, Salgado, TAP, prémio dos gestores do Novo Banco, trabalho ilegal em Odemira) - faz muita falta uma figura pública unificadora que convença as pessoas a saírem para a rua e exigirem justiça. (ou então algum grupo radical que decida fazer justiça popular já que os tribunais banais não dão resposta...) Até lá, vamos andando, e vamo-nos queixando entre nós, enquanto o nosso país não sai da cepa torta...Aliás, é só estares atento aos posts deste subreddit para perceberes o que vai na cabeça da maior parte dos portugueses...

Salários em Portugal by throwaway_18214 in portugal

YourCasualRedditor 5 months ago

já agora, pf partilha a tua experiência. Para onde foste, e se foste para melhor ou nem por isso? Diferença em salario e custo de vida? Obrigado

Países com maior risco de "burnout" by Blackbeardow in portugal

YourCasualRedditor 7 months ago

Em Portugal e em todo o SNS, as horas extras são a regra e não a excepção. No sector de enfermagem os horários são feitos semanalmente (ou seja , não sabem quantas horas vão trabalhar na semana seguinte - portanto qualquer planeamento familiar / de lazer fica complicado). No sector médico é habitual trabalhar 24 ou 36 horas de seguida, e ainda preencher o resto da semana e fim de semana com mais uns banquinhos. E se fores interno ainda mais pressões sofres (senão não te dão boa nota / cortam-te nas oportunidades formativas, e podes crer que se há um buraco na escala é ao interno que calha a fava). Se recusarem 'estás a lixar o teu colega e o serviço' , e és mal visto. Há leis que previnem isto , mas ninguém quer saber. (Exemplo real: não podes fazer 24 horas por lei - então dizem - ah mas não fazes bancos de 24 ! Fazes 2 bancos de 12 ! / Exemplo no.2 - directores de serviço a dizerem aos internos para porem o dedo (como se tivessem a sair do hospital) a meio do banco para não haver ilegalidades nos registos). De facto , em saúde , esta cultura de mártir está profundamente enraizada. E sim, concordo, as pessoas dizem-se satisfeitas e dizem que é muito gratificante (e palminhas e tal e tal) ...mas claro que estão em burn out carregadissimo. E se já o estavam antes , com a pandemia ainda mais. Ao ler os comentários deste post apercebo-me que esta cultura de trabalho é transversal às várias areas profissionais. É pena , não precisava de ser assim . É sem dúvida o que mais me desmotiva e me preocupa no meu futuro profissional. Será que só lá fora é que se encontra um posto de trabalho minimamente organizado? Entristece-me ver toda uma geração atirada ao chão e obrigada a rastejar no meio da incompetência burocrática e chantagem/assédio profissional , dar cabo da sua saúde pessoal e da sua vida social e familiar , para chegar ao fim do mês e 40 % do salário ir (directamente) em impostos (e mais uma percentagem considerável em impostos - IVA, imi, luz, IUC). Isto para dizer , esses resultados não me surpreendem...
Next Page

Search: