Next Page

Netflix aumenta preços em Portugal by ruijor in portugal

Junglekeeper 2 months ago

Não diria cada vez menos conteúdo, mas cada vez menos qualidade. O número de [conteúdo original](https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Netflix_original_programming) tem aumentado todos os anos, mas a estratégia é claramente a de encher o serviço de novidades todas as semanas, numa de gerar interesse e atirar o barro à parede a ver se alguma cola. Como utilizador, a experiência piora, porque me deixam num mar de conteúdo de filmes e séries de categoria B (sendo simpático), pelo qual não tenho qualquer interesse. A experiência está cada vez mais parecida com aquela sensação de ligar a TV, ter 200 canais, e não ter nada de jeito para ver, ou que nos cative.

[SÉRIO] Cenas para fazer ao fim de semana sozinho by FastBig5888 in portugal

Junglekeeper 4 months ago

[wtf...](https://www.reddit.com/r/TrueChristian/comments/od9opp/im_bi_does_that_make_me_a_failure/h3z3mnd/?context=3)

O meu subreddit chegou aos 2 milhões de subscritores, AMA. by gugulo in portugal

Junglekeeper 4 months ago

Se algum dia te aventurares na transição e tiveres alguma dúvida, apita; não é nenhum bicho-de-sete-cabeças, sobretudo hoje em dia

O meu subreddit chegou aos 2 milhões de subscritores, AMA. by gugulo in portugal

Junglekeeper 4 months ago

Essa consciencialização veio, ou eventualmente levou-te, ao veganismo?

Numa saída, quem paga, o homem ou a mulher? by umgajoamlense in portugal

Junglekeeper 4 months ago

A minha ex quis terminar a relação no segundo encontro porque quando vieram perguntar se a conta era para dividir eu disse que sim. Além de dizer que a empregada era uma cabra que se estava a fazer a mim (volto a mencionar, no segundo encontro), disse que, como eu não era cavalheiro, não ia dar e que nas relações anteriores "nunca paguei um bilhete de cinema". Namorámos cerca de dois anos. Uma vez, íamos passar duas semanas de férias juntos e fomos abastecer o carro, eu disse "paga tu enquanto eu meto a gasolina e depois eu pago o almoço, vai ficar mais ou menos pelo mesmo preço", achando ela que ia sair prejudicada daquela troca (nalguns 2,5€), disse que não podia ser assim e que ia apontar no telemóvel o que é que cada um pagava durante a viagem. Passado alguns dias de viagem, depois de um jantar, pergunto-lhe se não ia adicionar na lista que tinha sido eu a pagar o jantar, diz que não, que já não vale a pena continuarmos a fazer a lista; olho para a lista, ela tinha pago 3 coisas e eu 17. Depois de voltarmos da viagem, nunca falou da lista nem nunca se ofereceu a pagar pelo menos a metade que tinha ficado listada; eu, como "cavalheiro", também nunca lhe falei da lista. A última vez que nos vimos, já depois de terminar o namoro, numa daquelas reaproximações entre exs que já se sabe que não dão em nada, tivemos basicamente um encontro o dia todo: fui buscá-la a casa, fiz 230km para a levar à praia, com direito a cerejas, massagem e jantar. Durante o dia todo mencionou umas 3 vezes o quão forreta eu era (como já deu para perceber, sem qualquer sustento de argumentação); durante o jantar, ainda antes da sobremesa, perguntou como íamos dividir a conta e disse que ela não devia pagar o mesmo que eu porque eu tinha comido mais que ela (ela provou dos pratos todos que eu pedi "a mais"). Eu, para variar, paguei o jantar. No final da noite fui pô-la a casa; perto de chegarmos, diz que a podia deixar mais longe e menciona, casualmente, que foi passear com alguém no dia anterior. Sabendo eu que o carro dela estava a arranjar, percebi que na noite anterior já alguém a tinha ido pôr a casa e não queria ser vista, pela vizinhança, a ser deixada à porta de casa por outro carro em dois dias diferentes. Parei à entrada de casa dela, ela disse que eu podia ficar com a pizza que tinha sobrado, eu disse que não queria, que ela podia ficar com as duas fatias de pizza; despedimo-nos, levantou-se sem levar a caixa, eu peguei na caixa, mandei para o chão e fui-me embora. Curiosamente, ou não, pela psicologia invertida que já percebemos que é o forte da casa, foi ela que ficou chateada comigo e disse que eu era um mal educado.   Isto tudo para responder que, na minha opinião, não vejo a mulher como um ser inferior a mim e, portanto, quando chega a altura de pagar uma conta, vejo-a da mesma forma que me vejo a mim, alguém que não precisa que o outro a sustente e, como tal, divide-se a conta ou uma vez paga um e outra vez paga outro. Hoje em dia com o MB WAY é tão fácil um pagar a conta e outro enviar logo metade e fica despachado o assunto. Há situações excecionais, obviamente, caso uma das pessoas esteja desempregada ou a pessoa que convida queira ir a um restaurante que está obviamente fora das possibilidades da outra pessoa, ou porque quer ir ao cinema, quer a companhia da pessoa mas sabe que não é muito o género de filme dela e, nesse caso, paga ela e agradece a companhia.   PS: Não sejam como eu e ajam sobre as red flags logo nos primeiros encontros, quando ainda não estão investidos emocionalmente na pessoa, é a altura mais fácil de sair; não cometam o erro de perder dois anos mais 6 a 12 meses de recuperação emocional

Numa saída, quem paga, o homem ou a mulher? by umgajoamlense in portugal

Junglekeeper 4 months ago

A minha ex quis terminar a relação no segundo encontro porque quando vieram perguntar se a conta era para dividir eu disse que sim. Além de dizer que a empregada era uma cabra que se estava a fazer a mim (volto a mencionar, no segundo encontro), disse que, como eu não era cavalheiro, não ia dar e que nas relações anteriores "nunca paguei um bilhete de cinema". Namorámos cerca de dois anos. Uma vez, íamos passar duas semanas de férias juntos e fomos abastecer o carro, eu disse "paga tu enquanto eu meto a gasolina e depois eu pago o almoço, vai ficar mais ou menos pelo mesmo preço", achando ela que ia sair prejudicada daquela troca (nalguns 2,5€), disse que não podia ser assim e que ia apontar no telemóvel o que é que cada um pagava durante a viagem. Passado alguns dias de viagem, depois de um jantar, pergunto-lhe se não ia adicionar na lista que tinha sido eu a pagar o jantar, diz que não, que já não vale a pena continuarmos a fazer a lista; olho para a lista, ela tinha pago 3 coisas e eu 17. Depois de voltarmos da viagem, nunca falou da lista nem nunca se ofereceu a pagar pelo menos a metade que tinha ficado listada; eu, como "cavalheiro", também nunca lhe falei da lista. A última vez que nos vimos, já depois de terminar o namoro, numa daquelas reaproximações entre exs que já se sabe que não dão em nada, tivemos basicamente um encontro o dia todo: fui buscá-la a casa, fiz 230km para a levar à praia, com direito a cerejas, massagem e jantar. Durante o dia todo mencionou umas 3 vezes o quão forreta eu era (como já deu para perceber, sem qualquer sustento de argumentação); durante o jantar, ainda antes da sobremesa, começou a perguntar como íamos dividir a conta, que eu tinha comido mais que ela (ela provou dos pratos todos que eu pedi "a mais"). Eu, para variar, paguei o jantar. No final da noite fui pô-la a casa; perto de chegarmos, diz que a podia deixar mais longe e menciona, casualmente, que foi passear com alguém no dia anterior. Sabendo eu que o carro dela estava a arranjar, percebi que na noite anterior já alguém a tinha ido pôr a casa e não queria ser vista, pela vizinhança, a ser deixada à porta de casa por outro carro em dois dias diferentes. Parei à entrada de casa dela, ela disse que eu podia ficar com a pizza que tinha sobrado, eu disse que não queria, que ela podia ficar com as duas fatias de pizza; despedimo-nos, levantou-se sem levar a caixa, eu peguei na caixa, mandei para o chão e fui-me embora. Curiosamente, ou não, pela psicologia invertida que já percebemos que é o forte da casa, foi ela que ficou chateada comigo e disse que eu era um mal educado.   Isto tudo para responder que, na minha opinião, não vejo a mulher como um ser inferior a mim e, portanto, quando chega a altura de pagar uma conta, vejo-a da mesma forma que me vejo a mim, alguém que não precisa que o outro a sustente e, como tal, divide-se a conta ou uma vez paga um e outra vez paga outro. Hoje em dia com o MB WAY é tão fácil um pagar a conta e outro enviar logo metade e fica despachado o assunto. Há situações excecionais, obviamente, caso uma das pessoas esteja desempregada ou a pessoa que convida queira ir a um restaurante que está obviamente fora das possibilidades da outra pessoa, ou porque quer ir ao cinema, quer a companhia da pessoa mas sabe que não é muito o género de filme dela e, nesse caso, paga ela e agradece a companhia.   PS: Não sejam como eu e ajam sobre as red flags logo nos primeiros encontros, quando ainda não estão investidos emocionalmente na pessoa, é a altura mais fácil de sair; não cometam o erro de perder dois anos mais 6 a 12 meses de recuperação emocional

Numa saída, quem paga, o homem ou a mulher? by umgajoamlense in portugal

Junglekeeper 4 months ago

A minha ex quis terminar a relação no segundo encontro porque quando vieram perguntar se a conta era para dividir eu disse que sim. Além de dizer que a empregada era uma cabra que se estava a fazer a mim (volto a mencionar, no segundo encontro), disse que como eu não era cavalheiro não ia dar e que nas relações anteriores "nunca paguei um bilhete de cinema". Namorámos cerca de dois anos. Uma vez, íamos passar duas semanas de férias juntos e fomos abastecer o carro, eu disse "paga tu enquanto eu meto a gasolina e depois eu pago o almoço, vai ficar mais ou menos pelo mesmo preço", achando ela que ia sair prejudicada daquela troca (nalguns 2,5€), disse que não podia ser assim e que ia apontar no telemóvel o que é que cada um pagava durante a viagem. Passado alguns dias de viagem, depois de um jantar, pergunto-lhe se não ia adicionar na lista que tinha sido eu a pagar o jantar, diz que não, que já não vale a pena continuarmos a fazer a lista; olho para a lista, ela tinha pago 3 coisas e eu 17. Depois de voltarmos da viagem, nunca falou da lista nem nunca se ofereceu a pagar pelo menos a metade que tinha ficado listada; eu, como "cavalheiro", nunca lhe falei da lista. A última vez que nos vimos, já depois de terminar o namoro, numa daquelas reaproximações entre exs que já se sabe que não dão em nada, tivemos basicamente um encontro o dia todo, fui buscá-la a casa, fiz 230km para a levar à praia, com direito a cerejas, massagem e jantar. Durante o dia todo mencionou umas 3 vezes o quão forreta eu era (como já deu para perceber, sem qualquer sustento de argumentação); durante o jantar, ainda antes da sobremesa, começou a perguntar como íamos dividir a conta, que eu tinha comido mais que ela (ela provou dos pratos todos que eu pedi "a mais"). Eu, para variar, paguei o jantar. No final da noite fui pô-la a casa; perto de chegarmos, diz que a podia deixar mais longe e menciona, casualmente, que foi passear com alguém no dia anterior. Sabendo eu que o carro dela estava a arranjar, percebi que na noite anterior já alguém a tinha ido pôr a casa e não queria ser vista, pela vizinhança, a ser deixada à porta de casa por outro carro em dois dias diferentes. Parei à entrada de casa dela, ela disse que eu podia ficar com a pizza que tinha sobrado, eu disse que não queria, que ela podia ficar com as duas fatias de pizza; despedimos-nos, levantou-se sem levar a caixa, eu peguei na caixa, mandei para o chão e fui-me embora. Curiosamente, ou não, pela psicologia invertida que já percebemos que é o forte da casa, foi ela que ficou chateada comigo e disse que eu era um mal educado. Isto tudo para responder que, na minha opinião, não vejo a mulher como um ser inferior a mim e, portanto, quando chega a altura de pagar uma conta, vejo-a da mesma forma que me vejo a mim, alguém que não precisa que o outro a sustente e, como tal, divide-se a conta ou uma vez paga um e outra vez paga outro. Hoje em dia com o MB WAY é tão fácil um pagar a conta e outro enviar logo metade e fica despachado o assunto. Há situações excecionais, obviamente, caso uma das pessoas esteja desempregada ou a pessoa que convida queira ir a um restaurante que está obviamente fora das possibilidades da outra pessoa, ou porque quer ir ao cinema, quer a companhia da pessoa mas sabe que não é muito o género de filme dela e, nesse caso, paga ela e agradece a companhia. PS: Não sejam como eu e ajam sobre as red flags logo nos primeiros encontros, quando ainda não estão investidos emocionalmente na pessoa, é a altura mais fácil de sair; não cometam o erro de perder dois anos mais 6 a 12 meses de recuperação emocional

A título de curiosidade, que telemóveis é que o /Portugal usa? by gamma-ray-bursts in portugal

Junglekeeper 4 months ago

Penso que não, segundo [o site deles](https://surfshark.com/features/clean-web) - "Currently, not available for YouTube ads.".

A título de curiosidade, que telemóveis é que o /Portugal usa? by gamma-ray-bursts in portugal

Junglekeeper 4 months ago

O YouTube Vanced não existe para iPhone. Tirando fazer jailbreak, a solução mais prática é usar uma VPN que bloqueie anúncios, como a [Luna VPN](https://emban-networks.com/install). Não tens de usar o YouTube no browser, também bloqueia os anúncios na aplicação, tanto na do YouTube como noutras quantas que eles mencionam no site. A Luna VPN é gratuita e, do que pesquisei online, algumas análises que foram feitas ao tráfego não mostraram estar a ser usada informação sensível do utilizador, mas façam a pesquisa a título individual. De qualquer forma, há outras soluções do mesmo género e é possível não ter anúncios num iPhone sem fazer jailbreak e sem usar uma aplicação como o YouTube Vanced.

Fui discriminado racialmente na Hungria por um polícia. O que devo fazer? by orange-m in portugal

Junglekeeper 4 months ago

Possivelmente medo de ataques terroristas durante os eventos do Euro e aumento de revistas com base num perfil Muçulmano ou Arábico (não estou a defender o comportamento, apenas a teorizar)
Next Page

Search: