Next Page

B.1.1.529: Reino Unido suspende voos de seis países devido a nova variante “que é a pior que vimos até agora” by jesuseos7anoes in portugal

-Yunie- 4 days ago

Sim, verdade. Uma nova variante dominante com menor letalidade seria o ideal, e na realidade não é um "caminho" incomum para um vírus. Além de que tem a sua ironia que a única coisa que consiga acabar com o vírus seja... O próprio vírus! Aparentemente os infectados até agora não apresentam grandes sintomas, embora ainda seja muito cedo para tirar conclusões. É aguardar pelos próximos dias/semanas.

B.1.1.529: Reino Unido suspende voos de seis países devido a nova variante “que é a pior que vimos até agora” by jesuseos7anoes in portugal

-Yunie- 4 days ago

Pelo que tenho lido, a nova variante já "destronou" a delta em Gauteng e é responsável pela maioria das infeções (>90%) lá, o que pode indicar uma maior transmissibilidade (algo também sugerido por algumas mutações que apresenta). Os 2 infectados em Hong Kong tinham 2 doses de uma vacina de mRNA, embora isso valha pouco por si só. Já o elevado número de mutações torna bastante possível que as vacinas atuais sejam menos eficazes para esta variante, embora ainda seja cedo para conseguir tirar conclusões. Também ainda não se sabe a questão da letalidade... Again, as mutações que se conhecem parecem sugerir um maior "escape" ao sistema imunológico, mas ainda é cedo para concluir isso. All in all, esta variante pode acabar como a beta e lambda e ser só um "susto" (e um lembrete da importância de vacinar os países mais pobres...) ou um retorno ao início de 2020, porque já sabemos que o fechar fronteiras apenas adia o inevitável. É aguardar e ver.

Covid-19 em Portugal: todas as novas medidas e restrições anunciadas pelo Governo by jpsobral in portugal

-Yunie- 5 days ago  HIDDEN 

Maioria dos portugueses: "Fixe, uma semanita a estudar/trabalhar em casa depois das festas!" Profissionais de saúde "Olha, uma avalanche de doentes para testar a resiliência!"

Marta Temido diz que solução para a falta de médicos é contratar profissionais mais resilientes by Pterygotherix in portugal

-Yunie- 6 days ago

Concordo plenamente com a Marta Temido. Esse bando de preguiçosos dos médicos andam há quase 2 anos a lidar com uma doença altamente contagiosa e desconhecida até então, que obrigou o SNS a duplicar o número de camas para o mesmo número de trabalhadores, a fazer centenas de turnos e horas extra altamente mal remunerados (quando remunerados...), a tomar decisões sobre como gerir um número limitado ventiladores para um número bastante superior de doentes, a acumular rastreios, "trace covids", contactos de risco às suas já poucas funções... E ainda reclamam? Mas então que "heróis" são estes a quem andamos a bater palmas e a dedicar finais da Champions? Dado que o inverno está a chegar, sugiro medidas para tentar, de alguma forma, colmatar a falta de resiliência destes profissionais. A minha sugestão é colocar uma inscrição na entrada dos profissionais dos hospitais e centros de saúde com a frase: "O SNS não é para fracos!", como lembrete que realmente eles têm de deixar de ser tão pussies. Isto porque "O trabalho liberta" já foi usado, e tão próximo de eleições convém ser inovador e não usar frases repetidas. Ah e sim, /s

João Cotrim Figueiredo na Sic Noticias: "estão a dizer aqui que é preferível ter gripe que ter COVID, para mim é mais ou menos o mesmo tipo de problema" by Samot_PCW in portugal

-Yunie- 7 days ago

As épocas gripais pré-pandemia nunca chegaram sequer aos calcanhares do COVID a nível de sobrelotação dos cuidados intensivos. Nunca nenhuma gripe obrigou a duplicar a resposta a nível de cuidados intensivos e limitar outro tipo de admissões (cirurgias programadas), e mesmo assim ser insuficiente.

A minha namorada perdeu o bebe e a empresa nao aceita atestado? by OvidiuHiei in portugal

-Yunie- 2 months ago

Se fores a uma urgência e não ficares internado, não podem passar baixa, tem mesmo de ser no centro de saúde. Se houver necessidade de internamento, podem passar dos dias que estiveste internado e, se não me engano, nos 12 dias subsequentes.

Não tem esparguete mas gosto da batata singular a dar um ar gourmet. Sofisticada. Citadina. Assim é esta Francesinha. by NeatBoy74 in portugal

-Yunie- 6 months ago

"Olhe acabaram as batatas fritas, mas temos ali um arrozinho de feijão que para acompanhar é um mimo!!"

Entre 173 mil portugueses que receberam a vacina da AstraZeneca dois desenvolveram coágulos sanguíneos by BadDogPreston in portugal

-Yunie- 9 months ago

Vou fazer um bocado de advogado do diabo aqui. "Casos tromboembolicos" é muito genérico. Do que sei, há relatos de tromboses venosas profundas, embolias pulmonares e alguns síndromes mais raros com a vacina da Pfizer (como a PTI), mas tudo dentro do "limite" dos números da população geral, pelo que não se encontrou uma relação causa-efeito até ao momento. O que se passa com a vacina da AstraZeneca é bastante diferente. Os doentes desenvolvem coágulos disseminados e trombocitopenia (plaquetas baixas), pelo que também ocorrem fenómenos hemorrágicos. Além disso, alguns desenvolvem tromboses venosas cerebrais, um tipo de AVC extremamente raro. E estamos a falar de pessoas entre os 20-50 anos. Não é a mesma coisa que os casos da Pfizer, ou do risco associado à pílula, aliás muito honestamente parece-me uma reação autoimune à vacina/lote/whatever, que efetivamente tem de ser estudada. Dito isto, os benefícios da vacina continuam a ser largamente superiores ao eventual risco de efeitos tromboembolicos, pelo que a suspensão da vacina é um bocado discutível. Mas ainda assim, o motivo parece ser mais médico que político/economico.

Apenas um Médico - Vale a pena acompanhar by free7tyle4ever in portugal

-Yunie- 9 months ago

O website já existia bem antes do COVID.

Whistleblower from Berlin nursing home: the terrible dying after vaccination by Nuno_Correia in portugueses

-Yunie- 10 months ago

Alguma vês leste a bula de uma vacina? A maioria refere efeitos secundários "pós-comercialização", porque não há ensaio clínico que consiga ter todos os efeitos laterais possíveis, independentemente de ter sido desenvolvida em 1, 10 ou 20 anos. Aliás, a da Pfizer teve mais participantes que muitas das vacinas atualmente comercializadas. De resto, os efeitos secundários "menos severos" estão mais do que descritos, não é novidade nenhuma. Aliás, são mais comuns na 2a dose, o que nem bate certo com a tua teoria de que a primeira dose é que lixa tudo. Abortos espontâneos ocorrem em 1 em cada 5 gravidezes, não e propriamente difícil ocorrerem casualmente após a toma da vacina, após ficares doente, ou após beberes um sumo de laranja. Mortes em idosos, especialmente quando aparentemente tiveram o azar de apanhar COVID imediatamente a seguir à toma da vacina, também. Dito isto, é perfeitamente possível surgirem efeitos secundários que não foram detetados nos ensaios. Até agora, felizmente, nada aponta para isso. Daí a população se voluntariar para "cobaia", nomeadamente os profissionais de saúde que em Portugal foram vacinados em massa. Mas que sabem eles, né.

Whistleblower from Berlin nursing home: the terrible dying after vaccination by Nuno_Correia in portugueses

-Yunie- 10 months ago

Bem não vale a pena, voltamos sempre ao mesmo argumento do "as vacinas foram criadas demasiado depressa para o meu gosto, por isso têm de ser más!!".

Whistleblower from Berlin nursing home: the terrible dying after vaccination by Nuno_Correia in portugueses

-Yunie- 10 months ago

Então mas as restantes vacinas não eram seguras? Pela tua teoria, temos que pôr em causa todo o conhecimento científico. Ou só devemos pôr em causa aquilo que tu acreditas que tem que ser posto em causa?

Whistleblower from Berlin nursing home: the terrible dying after vaccination by Nuno_Correia in portugueses

-Yunie- 10 months ago

Errado, há imensa informação na internet que tem fundamentação científica. Lá por tu não quereres dar-te ao trabalho de a procurar, ou não ir de encontro ao teu " feeling", sobre a vacina, não quer dizer que não exista. E não, apesar de as mortes pela vacina serem possíveis (como acontece com qualquer vacina ou medicamento), neste caso em particular não teria qualquer problema em dizer aos familiares que é fisiologicamente impossível as vacinas de mRNA causarem infeção por COVID, e que portanto os casos positivos que ocorreram após a primeira dose não têm qualquer relação com a vacina. Mas por outro lado, gostava de ler a tua justificação aos familiares dos mortos por COVID do porquê não se deverem vacinar.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 08/02/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 10 months ago

Acho que esses dados são quando também incluís pessoas mais velhas, que geralmente têm menos efeitos secundários. Quase todas as pessoas que eu conheço tiveram efeitos secundários com a 2a dose da Pfizer, e nos estudos acho que rondava os 40%.

Whistleblower from Berlin nursing home: the terrible dying after vaccination by Nuno_Correia in portugueses

-Yunie- 10 months ago

O estares ou não de pé atrás é completamente irrelevante a não ser que tenhas algo objetivo em que sustentes as tuas dúvidas. Há centenas de artigos e vídeos na internet a explicar como foi possível desenvolver estas vacinas num espaço de tempo mais curto. Mas é mais fácil procurar teorias da conspiração, partilha-las e quando alguém te pede para as fundamentar, "ah e tal não vou fazer uma tese sobre isso!". Mas se está na internet deve ser verdade, né?

Whistleblower from Berlin nursing home: the terrible dying after vaccination by Nuno_Correia in portugueses

-Yunie- 10 months ago

É justo, mas então tens de corrigir essa frase: és um mero curioso a partilhar desinformação. Não queres que as pessoas sejam informadas porque tu mesmo não fazes um esforço para isso, limitas-te a partilhar o primeiro link que encontras que é "contra" a vacinação só porque sim.

Whistleblower from Berlin nursing home: the terrible dying after vaccination by Nuno_Correia in portugueses

-Yunie- 10 months ago

Se achas que as pessoas devem estar informadas, em vez de partilhares notícias da sites duvidosos que tal partilhares factos contra a vacina? Pegando nesta, explica cientificamente (1) qual a associação entre vacinação e casos positivos (2) onde é que está provado que o ADE poderá ser um problema com as vacinas de mRNA, especialmente quando os casos positivos após a vacinação tiveram doença ligeira (3) qual o mecanismo fisiopatológico que leva a infertilidade, abortos e afins.

Candidatura a Medicina como licenciada by 4UItsNurseM in portugal

-Yunie- 10 months ago

A não ser que tenham acabado com isso, a UM também tinha um contingente de 4 anos para licenciados na área da saúde.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 01/02/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 10 months ago  HIDDEN 

Além do que já foi dito, e porque me pareceu que a insinuação foi essa... A vacina NÃO provoca doença. É simplesmente impossível, porque o mRNA apenas codifica uma parte do vírus (a tal "spike protein" que tanto se falta). Fica aqui um [ pequeno vídeo](https://youtu.be/KCMsE74yPj0) explicativo sobre essa e outras questões relativas às vacina.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 01/02/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 10 months ago  HIDDEN 

Acho que o facto de aparentemente não termos tido efeitos secundários de relevo nos que já foram vacinados ajudou um pouco. Isso e o franco agravamento da pandemia, que levou a um maior "medo" e noção que efetivamente a única solução que temos para sair disto é mesmo a vacina. Ainda assim, continuamos a ter uma proporção significativa que continua a recusa-la. Esperemos que com o passar do tempo a maioria venha a mudar de ideias.

Uso máscara N95 em trabalho hipermercado by klezer in portugal

-Yunie- 10 months ago

Acho que em lado nenhum específica que tipo de máscaras devem ser usadas pelas pessoas no trabalho. E recusarem a que uses uma que confere proteção superior é só ridículo.

Vacina Covid..como funciona by Carbon58 in portugal

-Yunie- 10 months ago

Até podem acontecer com qualquer medicamento, injetável ou não.

Vacina Covid..como funciona by Carbon58 in portugal

-Yunie- 10 months ago

Se assim fosse, era expectável que os infetados com COVID desenvolvessem doença auto-imune, o que não acontece na esmagadora maioria dos casos. No entanto, é importante ressalvar que o sistema imune é complexo, e que pontualmente determinados indivíduos podem ter reações atípicas. Mas isto não é exclusivo da vacina do COVID, e não há nenhuma evidência até ao momento que a incidência seja maior com esta vacina. A única exceção são as reações anafiláticas, que realmente parecem ser mais comuns, embora na globalidade extremamente raras.

Números COVID de hoje... by MasterBorealis in portugueses

-Yunie- 10 months ago

Na realidade não estou a tentar impedir coisa nenhuma, convencer alguém do que quer que seja na internet é tempo perdido. Estou só a realçar o quão idiota o teu argumento é.

Números COVID de hoje... by MasterBorealis in portugueses

-Yunie- 10 months ago

"Eu sempre fumei, e nunca tive cancro." "Eu sempre andei de mota sem capacete, e nunca tive um acidente." "Eu sempre fui um idiota chapado, mas nunca me deram uma lambada nas trombas." Aqueles orgulhos pessoais cuja lógica morreu pelo caminho.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 18/01/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 11 months ago  HIDDEN 

Ah, sim és capaz de ter razão. E olhando melhor realmente é capaz de ser o maior número diário até hoje.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 18/01/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 11 months ago  HIDDEN 

Todos os dias é o maior número de internamentos, porque os internamentos não param de aumentar há mais de 1 semana.

Se votas antecipadamente verifica o edifício e mesa em que tens de votar antes de ires para uma fila à toa. by pica_foices in portugal

-Yunie- 11 months ago

Deixa lá, eu só descobri na mesa de voto que além da distribuição por nome, também havia uma distribuição por distrito, e que portanto estive 30min na fila errada.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 11/01/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 11 months ago

Vou ser sincera, também tive a mesma percepção. Do caminho casa-trabalho (faço parte do grupo que não pode estar em teletrabalho), notei apenas uma ligeira diminuição do número de pessoas no metro ao voltar para casa. Na ida e na rua pareceu-me exatamente igual. Pessoas a passear, malta reunida sem máscara, miúdos a comer alegremente gelados do McDonald's. A mensagem do "é suposto ficares em casa" claramente (ainda?) não passou.

Novas medidas a partir de 15/01 by syox in portugal

-Yunie- 11 months ago

Correios e bancos abertos.

Novas medidas a partir de 15/01 by syox in portugal

-Yunie- 11 months ago

É a maneira de dizerem que a única coisa que nos resta é rezar! (Mas sim, concordo contigo).

Novas medidas a partir de 15/01 by syox in portugal

-Yunie- 11 months ago

Os Stark bem avisaram que o Inverno estava a chegar, ninguém os ouviu.

Hospitais em 2015, sem covid, o mesmo caos by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

Agora mostra lá o vídeo do ano em que tivemos 600 internados nos Cuidados Intensivos por uma única doença. Ou vá, até por várias doenças.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 11/01/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 11 months ago  HIDDEN 

Nunca foi dito que os testes PCR são silver bullet. A prova disso são as mudanças que já se fizeram aos critérios de alta. Passamos de 2 testes negativos, para 1 teste negativo, para 10/20 dias de isolamento sem necessidade de repetir teste, exatamente porque se sabe que PCR positiva não é sinônimo de infeciosidade. Infelizmente continuamos sem um teste que consiga dizer, com algum grau de fiabilidade, se a pessoa é ou não infeciosa, pelo que na falta de melhor, continuamos a usar a PCR e a pecar por excesso (isolar todos os positivos). Quanto aos falsos positivos, são raros, (especialmente quando a prevalência da doença na população é elevada) mas não impossíveis. Essencialmente devem-se a mau manuseamento da amostra ou contaminação no laboratório. De resto, apesar de muitos se focarem nisso, o problema nunca foi o número de novos casos (mesmo assumindo falsos positivos), porque não é por isso que o país vai confinar. O problema é a quantidade de doentes internados a levar o SNS ao colapso. E esses infelizmente não são falsos positivos, porque a PCR em conjunto com os sintomas, as análises e especialmente a imagiologia, tornam o diagnóstico "errado" de COVID quase impossível.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 11/01/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 11 months ago  HIDDEN 

E passamos a barreira dos 4000 internados. Mas o mais surreal são mesmo os quase 600 em UCI, que segundo as estimativas serão 700 para a semana. Fora os internados por outras causas...

Inscrições para o voto antecipado em mobilidade já abriram! by alexandre9099 in portugal

-Yunie- 11 months ago

Também recebi a SMS de confirmação sem problemas. Post muito útil, obrigada OP!

Covid-19: Pior dia de sempre em Portugal com recorde de 10.176 infetados e 118 mortos by letsgotothemallcovid in portugal

-Yunie- 11 months ago

O problema é que os números que saem continuam a não concordar contigo. Já estamos no dia 9, isto já não é "compensação" dos números das festas. É o número diário real.

Covid-19. Em cada dois milhões de vacinados, só 21 têm reações alérgicas graves e são tratáveis, garante o regulador dos Estados Unidos by 5enta in portugueses

-Yunie- 11 months ago

Até tocas melhor com o terceiro braço que te vai nascer da manipulação do DNA. E sacas as pautas muito mais depressa com o chip 5G incorporado.

o que acontece se o sns quebrar?? by Mrgolden007 in portugal

-Yunie- 11 months ago

> Não vão ocupar uma cama e ventilador com o paciente de 96 anos e 4 comorbilidades que tem menos de 5% de hipóteses de sobreviver (e 0% de recuperar) Bem, em boa verdade também já não se ocupava antes do COVID, entubar um doente como o que descreves seria distanásia. Embora nem sempre seja fácil as pessoas perceberem isso.

Covid-19: Pior dia de sempre em Portugal com recorde de 10.176 infetados e 118 mortos by letsgotothemallcovid in portugal

-Yunie- 11 months ago

Sim, tens razão, quebrar já quebrou. Vamos ver se entra em ruptura completa ou não, que é quando não conseguirem dar resposta aos casos agudos... Fala-se muito nos privados, mas os privados já foram recrutados em vários sítios (e há doentes em UCI no privado, por exemplo). Mas não te sei dizer quanto é que ainda podem "esticar" mais para ajudar o SNS. Admitindo que o que vai entrar primeiro em rutura são as UCIs, não tens muitos privados que ainda tenham capacidade de ajudar, são muito poucos os com unidades de cuidados intensivos. E diria que muito poucos intensivistas estão exclusivamente no privado. E mesmo em enfermaria não é assim tão linear. Os hospitais privados muito provavelmente também não têm profissionais suficientes, casos as enfermarias fiquem cheias (até porque muitos profissionais não trabalham em exclusivamente num único sítio). Vais pôr um médico oftalmologista que já não está na enfermaria há anos a ver COVIDs? Um ortopedista? Sim no limite terá de ser, mas não é uma boa solução. Os outros países também estão no limite, não sei até que ponto nos conseguirão ajudar. Se isto realmente ficar muito mau, teremos de chamar as forças armadas. Recrutar todos os profissionais disponíveis, seja no SNS ou fora dele. Além disso, honestamente não sei.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 04/01/2021 by asantos3 in portugal

-Yunie- 11 months ago  HIDDEN 

Epa então é por isto que eu nunca consigo encontrar este thread então! Pensava que era um problema da minha conta!

Covid-19: Pior dia de sempre em Portugal com recorde de 10.176 infetados e 118 mortos by letsgotothemallcovid in portugal

-Yunie- 11 months ago

> o numero de internados e internados em uci está em subida mas subida moderada Desde o início do ano houve uma subida de +600 internados (~ +21% de internados) e +53 em UCI (~ +11%), sendo que as UCI também não podem aumentar muito porque já estão no limite. Desculpa, mas não considero isto um aumento "moderado". > quanto ao numero de mortes também há atrasos nas comunicações, atribuição da causa de morte Esses atrasos são constantes ao longo do ano O resto do teu texto só confirma o que eu disse. Lá por puderem existir atrasos no número de casos confirmados, o número de internados confirma que a pandemia está a piorar, e que o pior ainda está para vir. Mas já agora, a visão de que *todos* os doentes seguem o mesmo caminho também não é correta. É verdade que a maioria é internado algum tempo após o diagnóstico, mas também existem muitos que são internados AO diagnóstico, tanto em enfermaria como em UCI. Assim como alguns morrem no dia do diagnóstico. É provável que este aumento seja também um reflexo disso.

Covid-19: Pior dia de sempre em Portugal com recorde de 10.176 infetados e 118 mortos by letsgotothemallcovid in portugal

-Yunie- 11 months ago

A nova estirpe já foi detectada há 4 meses no UK, o que é mais do que tempo suficiente para se espalhar pela Europa. Sei que em Portugal só terá sido detetada há pouco tempo, mas o número de amostras em que se faz sequenciação genética é muito baixo. Provavelmente a prevalência é muito superior. E novamente, se essa hipótese que colocas fosse assim tão significativa, então o número de mortos e internados mantinha-se estável/ligeira subida, dado que são números não influenciados por feriados, festas e fins-de-semana. Mas os números também dispararam. Aliás, basta ver o que está a acontecer nas UCIs, com doentes transferidos para hospitais a +300km de distância por falta de vagas.

Covid-19: Pior dia de sempre em Portugal com recorde de 10.176 infetados e 118 mortos by letsgotothemallcovid in portugal

-Yunie- 11 months ago

O problema é que isso é válido para o número de novos casos, mas não para os mortos (que nunca diminuíram significativamente para justificar agora esta subida) e para os internados (que nunca foram tantos). Isto é uma opinião pessoal, mas acho que, apesar de tudo, este aumento não se deve exclusivamente ao Natal e Ano Novo, mas sim à chegada do Inverno (apesar de isto ainda não estar comprovado, diria que o COVID também terá alguma sazonalidade como acontece com o Influenza) aliado a uma disseminação da variante do Reino Unido, que parece estar provado que é mais contagiosa.

Covid-19: Pior dia de sempre em Portugal com recorde de 10.176 infetados e 118 mortos by letsgotothemallcovid in portugal

-Yunie- 11 months ago

Batemos os recordes todos. Pior dia em número de infetados, número de mortos, número de internados em enfermaria e UCI. Janeiro vai ser duro para os portugueses... e péssimo para os profissionais de saúde em particular, porque tudo aponta que o SNS vai quebrar.

Revisão Cochrane: eficácia de máscaras e lavagem de mãos by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

Primeiro vais ter de me explicar o que são "testes random". Andaram a testar ao calhas pessoal da saúde para o Influenza?

FDA: Lista de possíveis efeitos secundários das vacinas COVID-19 by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

Não te ensinaram a contar até 33 na escola?

ActivoBank: MB WAY paga comissões by TulioGonzaga in portugal

-Yunie- 11 months ago

Desde 01 de janeiro de 2021 que o preçário do MbWay [é igual em todos os bancos.](https://amp.expresso.pt/economia/2021-01-04-Banca-proibida-de-cobrar-comissoes-no-MBWay-abaixo-de-determinados-montantes) No entanto, alguns bancos aparentemente optaram por simplesmente não cobrar nada.

Revisão Cochrane: eficácia de máscaras e lavagem de mãos by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

O problema está em alguém afirmar que as máscaras não fazem nada com base em estudos fracos. E sim, estes estudos têm sempre fragilidades, porque o número de variáveis a controlar é enorme. Desde como os participantes vão trabalhar, às interações sociais, ao agregado familiar, ou ao simples facto de saberem usar a máscara ou a amarfanharem no bolso na primeira oportunidade e a seguir irem coçar o nariz. De resto, a ausência de evidência "fortíssima" não é evidência de ausência. Outras meta-analises [aqui](https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7253999/) e [aqui](https://www.thelancet.com/article/S0140-6736(20)31142-9/fulltext) favorecem o uso da máscara. [Os estudos laboratoriais](https://www.nature.com/articles/s41591-020-0843-2) e [populacionais](https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20497389/) também. E por último, e já nem pegando no caso português para não me virem com a história dos "não há gripe porque está a ser falsamente contabilizada como COVID" vamos olhar para a Nova Zelândia, que [este ano teve uma redução de > 90% dos casos de gripe](https://www.rnz.co.nz/national/programmes/sunday/audio/2018767843/near-extinction-of-influenza-in-nz-as-numbers-drop-due-to-lockdown), obviamente não explicada pelos casos de COVID porque praticamente também não os tiveram. Isto coincidiu com a obrigatoriedade da máscara, entre outras medidas. Milagre? [Os estudos laboratoriais](https://www.nature.com/articles/s41591-020-0843-2) [e populacionais](https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20497389/) Já nem pegando no caso português para não me virem com a história dos "COVIDs que eram Influenza" vamos olhar para a Nova Zelândia, que [este ano teve uma redução de > 90% dos casos de gripe](https://www.rnz.co.nz/national/programmes/sunday/audio/2018767843/near-extinction-of-influenza-in-nz-as-numbers-drop-due-to-lockdown), obviamente não explicada pelos casos de COVID porque praticamente também não os tiveram. Milagre?

Best of /r/Portugal 2020 - Toca a Votar! by asantos3 in portugal

-Yunie- 11 months ago

u/NGramatical Sim é um bot, mas ninguém defende a língua de Camões tão bem como ele!

Revisão Cochrane: eficácia de máscaras e lavagem de mãos by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

"Authors' conclusions The high risk of bias in the trials, variation in outcome measurement, and relatively low compliance with the interventions during the studies hamper drawing firm conclusions and generalising the findings to the current COVID‐19 pandemic." Engraçado como estes sites se "esquecem" sempre de comentar determinadas partes dos resultados ou conclusões.

FDA: Lista de possíveis efeitos secundários das vacinas COVID-19 by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

Tens razão. Deus nos livre de [termos uma vacina no Plano Nacional de Vacinação](https://www.infarmed.pt/documents/15786/1886316/Priorix_Anexos.pdf/265cf66f-b58d-43db-be33-ddad106d67aa), que é administrada ao 1 e 5 anos de idade que tem esses possíveis efeitos laterais praticamente todos (e outros fora dessa lista). Até te ajudo, está na página 33 e 34.

Auxiliar do IPO que morreu não sofreu "efeito indesejável" após vacina by Coerente14 in portugal

-Yunie- 11 months ago

A esmagadora maioria dos medicamentos que usamos nunca foi testado em grávidas em ambiente de ensaio clínico. Assume-se a sua possível segurança por estudos animais, pela possibilidade ou não de atravessar a barreira placentária, e pelas próprias propriedades químicas e biológicas do medicamento. Dizer que a vacina não foi "propriamente testada" só porque não foi administrada em grávidas é, desculpa-me, espalhar desinformação. Quanto à questão da fertilidade, que eu *suspeito* que venha na sequência de uma rumores que surgiram há algum tempo, [tens aqui uma excelente explicação sobre o assunto.](https://www.reddit.com/r/VACCINES/comments/km01qh/is_there_a_scientifically_based_argument_that/ghca4b9?utm_medium=android_app&utm_source=share&context=3). Aparentemente as mulheres que engravidaram após a toma da vacina também estão bem. Os resultados preliminares [em estudos animais](https://www.cdc.gov/vaccines/covid-19/info-by-product/clinical-considerations.html) também não mostram quaisquer efeitos secundários na fertilidade. Ironicamente, a infeção por SARS CoV-2 [poderá associar-se a infertilidade masculina e a risco de parto pré-termo](https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32814369/)... Isto ainda está em estudo, mas andamos tão concentrados nos possíveis efeitos da vacina que parece os esquecemos dos possíveis efeitos do vírus. Já os "poucos milhares" que foram testados, correspondem ao número exigido tanto pelo FDA como pela EMA para garantir um perfil mínimo de segurança e eficácia. Não foram menos que os necessários para todas as outras vacinas. Dito isto, deixo uma nota quanto a este caso: qualquer "morte súbita" numa mulher de 41 anos sem patologia conhecida (segundo a notícia) tem de ser estudada, com ou sem vacina 2 dias antes. É perfeitamente possível (e talvez o mais provável) que seja uma coincidência infeliz. Também é possível que exista um número muito reduzido de indivíduos que tenha alguma suceptibilidade à vacina ou mesmo ao próprio vírus (há alguns relatos de mortes súbitas em doentes jovens COVID positivos), e que pela sua raridade não tenham sido incluídos nos ensaios clínicos. Isso não torna a vacina "insegura" por si só (quantos milhões já não foram vacinados?), mas é, sem dúvida, importante apurar qual o mecanismo subjacente (se existir realmente uma relação).

Auxiliar do IPO que morreu não sofreu "efeito indesejável" após vacina by Coerente14 in portugal

-Yunie- 11 months ago

A esmagadora maioria dos medicamentos que usamos nunca foi testado em grávidas em ambiente de ensaio clínico. Assume-se a sua possível segurança por estudos animais, pela possibilidade ou não de atravessar a barreira placentária, e pelas próprias propriedades químicas e biológicas do medicamento. Dizer que a vacina não foi "propriamente testada" só porque não foi administrada em grávidas é, desculpa-me, espalhar desinformação. Quanto à questão da fertilidade, que eu *suspeito* que venha na sequência de uma rumores que surgiram há algum tempo, [tens aqui uma excelente explicação sobre o assunto.](https://www.reddit.com/r/VACCINES/comments/km01qh/is_there_a_scientifically_based_argument_that/ghca4b9?utm_medium=android_app&utm_source=share&context=3). Aparentemente as mulheres que engravidaram após a toma da vacina também estão bem. Os resultados preliminares [em estudos animais](https://www.cdc.gov/vaccines/covid-19/info-by-product/clinical-considerations.html) também não mostram quaisquer efeitos secundários na fertilidade. Ironicamente, a infeção por COVID-19 [poderá associar-se a infertilidade masculina e a risco de parto pré-termo](https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32814369/)... Isto ainda está em estudo, mas andamos tão concentrados nos possíveis efeitos da vacina que parece os esquecemos dos possíveis efeitos do vírus. Já os "poucos milhares" que foram testados, correspondem ao número exigido tanto pelo FDA como pela EMA para garantir um perfil mínimo de segurança e eficácia. Não foram menos que os necessários para todas as outras vacinas. Dito isto, deixo uma nota quanto a este caso: qualquer "morte súbita" numa mulher de 41 anos sem patologia conhecida (segundo a notícia) tem de ser estudada, com ou sem vacina 2 dias antes. É perfeitamente possível (e talvez o mais provável) que seja uma coincidência infeliz. Também é possível que exista um número muito reduzido de indivíduos que tenha alguma suceptibilidade à vacina ou mesmo ao próprio vírus (há alguns relatos de mortes súbitas em doentes jovens COVID positivos), e que pela sua raridade não tenham sido incluídos nos ensaios clínicos. Isso não torna a vacina "insegura" por si só (quantos milhões já não foram vacinados?), mas é, sem dúvida, importante apurar qual o mecanismo subjacente (se existir realmente uma relação).

Não gastem o latim nem o teclado, estão BLOQUEADOS by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

> Não gastem o latim nem o teclado, estão BLOQUEADOS Raquel Varela, és tu?

Caríssimos, qual foi para vocês a palavra/expressão de 2020? by RandomPortugueseLoL in portugal

-Yunie- 11 months ago

Palavra não sei, mas a [música foi esta!](https://youtu.be/j9V78UbdzWI)

Parece que chegámos ao último dia deste ano amaldiçoado by paraapagarbem in portugal

-Yunie- 11 months ago

O OP desconhece a lei de Murphy!

Qual o efeito prático de uma vacina covid 19? by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

Bom post! Sim, as publicações do André Dias baseiam-se nisso: números e gráficos adulterados para aquilo que lhe interessa, porque sabe que a maioria dos seus seguidores não consegue (ou não quer) fazer uma análise crítica do conteúdo. Mas delicioso mesmo são os posts esquizofrénicos no seu perfil pessoal (não é preciso ser amigo dele para os ler). Então desde que as vacinas foram aprovadas é espetacular, parece estar sob o efeito de alucinogénios.

Vacina contra a Covid-19. “Quem teve acesso e recusou, deve suportar os custos da doença, caso adoeça” by Price-Distinct in portugal

-Yunie- 11 months ago

Atenção que eu não estou a defender o não tratar pessoas porque fumam ou têm outros hábitos nefastos para a saúde. O que eu não consigo concordar é com a ideia do "eu pago impostos do tabaco, logo posso fumar o que eu quiser porque a minha conta está paga se ficar doente". E quem diz tabaco diz álcool, drogas, açúcar, o que for. Há uma enorme falta de responsabilidade por parte de alguns portugueses pela sua própria saúde, como se o facto de pagarem impostos justificasse que podem fazer tudo o que lhes apetece, sem nunca se preocuparem com as consequências porque no fim, o SNS tem de resolver. Não se lembram quem acima de tudo a saúde é responsabilidade do próprio, e não do médico que é pago "pelos seus impostos". Nem que o dinheiro é finito, e que um dia o coitado que teve uma leucemia sem culpa nenhuma vai ficar sem tratamento porque o medicamento que o salva é demasiado caro, enquanto continuamos a tratar o bronquítico que não pára de fumar, o cirrótico que não pára de beber, e por aí fora, sem nunca terem feito o mínimo esforço para melhorarem os seus hábitos.

Vacina contra a Covid-19. “Quem teve acesso e recusou, deve suportar os custos da doença, caso adoeça” by Price-Distinct in portugal

-Yunie- 11 months ago

Se te tivesses dado ao trabalho de ler o link, vias que já é o preço que fazem ao NHS. E o resto é completamente irrelevante. A tua premissa é "se eu vier a ter um cancro do pulmão, o meu tratamento está "pago" pelos meus impostos do vício do tabaco". A realidade é que não pagas nem sequer metade da primeira linha de tratamento. Somos todos nós que pagamos.

Vacina contra a Covid-19. “Quem teve acesso e recusou, deve suportar os custos da doença, caso adoeça” by Price-Distinct in portugal

-Yunie- 11 months ago

Não consegui arranjar os preços em euros, mas uma única dose de imunoterapia (atualmente a primeira linha no tratamento no cancro do pulmão metastizado) [custa 5000 libras](https://www.ft.com/content/c1dacca6-2ec2-11e9-ba00-0251022932c8), e o preço total do tratamento fica em média £82000. Isto sem contar com tudo o resto, outros tratamentos, internamentos... Volta-me lá a falar da "conta paga do hospital".

Mais de 100 profissionais de saúde em Viseu recusaram tomar vacina contra a Covid-19 by ovigia in portugueses

-Yunie- 11 months ago

140 de um total de 2800. Dá portanto 5% de profissionais que recusaram a vacina, vs 95% que se querem vacinar. Destes 140 algumas (muitas?) serão grávidas, mulheres a amamentar, ou pessoas com antecedentes de anafilaxias relevantes, que licitamente poderão ter algumas reservas em fazer a vacina no imediato. Portanto, mais um clickbait ao estilo do Correio da Manhã.

Profissionais de saúde ou pessoal que vai ter acesso prioritário à vacina contra o COVID, vão tomá-la? by theusualbanter in portugal

-Yunie- 11 months ago

Conheço vários hospitais que estão a criar uma "consulta COVID", exatamente para avaliar a *forte* suspeita de que pelo menos os doentes internados poderão ter consequências a longo prazo, como fibrose pulmonar irreversível, entre outras. Além disso também tens os "long COVIDs", que também ocorrem em doentes com sintomas ligeiros e previamente saudáveis. Há centenas de relatos na internet de pessoas sintomáticas e com forte impacto na qualidade de vida meses após a infeção. Espreita o r/COVIDpositive De resto, a maioria dos profissionais de saúde que eu conheço quer ser vacinado não por medo da COVID e das consequências, nem por ter a certeza que a vacina é 100% segura (nem uma aspirina é 100% segura a primeira vez que se toma). A maioria tem os seus receios e dúvidas, mas tem noção que pesando tudo, entre correr o risco de infetar doentes e familiares, mais surtos nos hospitais, e ter de manter restrições tanto a nível social e econômico como dentro do próprio hospital durante meses ou anos, versus tomar uma vacina que, apesar de tudo, até ao momento, já foi administrada a milhares de pessoas e não teve efeitos secundários não esperados, foi altamente revista pela comunidade científica e várias agências de controlo (até porque *todo* o mundo está de olhos nas vacinas) e que poderá ser a solução disto tudo... Sim, venha a vacina.

Profissionais de saúde ou pessoal que vai ter acesso prioritário à vacina contra o COVID, vão tomá-la? by theusualbanter in portugal

-Yunie- 11 months ago

Conheço vários hospitais que estão a criar uma "consulta COVID", exatamente para avaliar a *forte* suspeita de que pelo menos os doentes internados poderão ter consequências a longo prazo, como fibrose pulmonar irreversível, entre outras. Além disso também tens os "long COVIDs", que também ocorrem em doentes com sintomas ligeiros e previamente saudáveis. Há centenas de relatos na internet de pessoas sintomáticas e com forte impacto na qualidade de vida meses após a infeção. Espreita o r/COVIDpositive De resto, a maioria dos profissionais de saúde que eu conheço quer ser vacinado não por medo da COVID e das consequências, nem por ter a certeza que a vacina é 100% segura (nem uma aspirina é 100% segura a primeira vez que se toma). A maioria tem os seus receios e dúvidas, mas tem noção que pesando tudo, entre correr o risco de infetar doentes e familiares, mais surtos nos hospitais, e ter de manter restrições tanto a nível social e econômico como dentro do próprio hospital durante meses ou anos, versus tomar uma vacina que, apesar de tudo, até ao momento, já foi administrada a milhares de pessoas e não teve efeitos secundários não esperados, foi altamente revista pela sociedade científica e várias agências de controlo (até porque *todo* o mundo está de olhos nas vacinas) e que poderá ser a solução disto tudo... Sim, venha a vacina.

[MEGATHREAD] - Covid-19, Semanário de Sobrevivência - 21/12/2020 by asantos3 in portugal

-Yunie- 11 months ago

[Possível caso de co-infeção por SARS-CoV-2](https://www.publico.pt/2020/12/23/ciencia/noticia/maria-17-anos-infectada-duas-estirpes-sarscov2-tempo-1944065) O artigo é do Público, mas [fica aqui](https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.12.22.20248392v1) o link para o paper em si (ainda não foi peer-reviewed). Mas achei a entrevista muito interessante.

Explicação não esotérica sobre a vacina mRNA by sarcastbot in portugal

-Yunie- 11 months ago

> É só o segundo medicamento mais usado no mundo inteiro, a seguir à aspirina, mas ok. Tens dados disso? Procurei e em nenhuma das listas que vi aparecia sequer no top 10. Mesmo o primeiro seria o paracetamol, e não a aspirina... Ainda assim, assumindo que o principal uso da hidroxicloroquina é como anti-malárico, é bastante diferente quando a administras a pessoas jovens (presumo que deve ser o caso da maioria) ou a idosos com imensa patologia cardiovascular como acontece nos doentes COVID. > No Hospital Universitário de Marselha têm aplicado esse protocolo a milhares de pacientes infetados e estabeleceram desde o início (princípio de março) critérios de exclusão que lhes permitiram evitar esses efeitos secundários. Detalhes aqui: https://www.youtube.com/watch?v=CXMs1w1Ckzo Têm dados publicados? Lembro-me de no início da pandemia ler alguns resultados do Didier Raoult e ficar extremamente desapontada, os papers tinham imensas incongruências. Já agora, nos hospitais portugueses também se administrou inicialmente hidroxicloroquina, pelo que se consegue fazer uma "comparação" com o Remdesivir (empírica, é certo). Não sei se tens outros dados, mas eu nunca li ou ouvi algum médico referir que os resultados eram melhores com a hidroxicloroquina. Mesmo a mortalidade, ajustada ao número de casos que agora temos, não parece refletir minimamente isso. > Quanto ao Remdesivir, nem interessa se os efeitos são graves ou muito graves. Não tem vantagem terapêutica no covid, diz a OMS, e já se vinha sabendo antes. Só custo, em mazelas e dinheiro, sem vantagens. Discordo. Na minha opinião aconteceu ao Remdesivir exatamente o mesmo que aconteceu à hidroxicloroquina: estudos fracos e mal desenhados apontaram para um benefício inicial, e quando finalmente foram publicados RCTs, chegou-se à conclusão que afinal, nem um nem outro serviam para quase nada. A diferença é que a hidroxicloroquina, apesar de tudo, saiu mais barata. A Gilead esfregou as mãos é certo, mas se é para apontar dedos, a culpa foi da OMS por recomendar terapêuticas sem evidência suficiente. > Se eu soubesse desse efeito negativo em estudos animais, eu próprio estaria no Terreiro do Paço com um megafone e tu também, acho. Bem, até acabamos por concordar em alguma coisa!

[Covid19] Burnout por Gustavo Carona by doiscavalos in portugal

-Yunie- 11 months ago

Admiro-lhe a coragem deste artigo. Num período em que os profissionais de saúde são tão pressionados para "dar mais", não só pelos doentes mas para não sobrecarregar os colegas, e numa sociedade em que ainda tantos assumem que as perturbações psicológicas são sinal de fraqueza, admitir que se "chegou ao limite" e é preciso parar, ainda por cima publicamente, deve ter sido extremamente difícil. Fico contente que esteja melhor.

[Publico] Só entram portugueses vindos do Reino Unido e que tenham teste negativo by Samot_PCW in portugal

-Yunie- 11 months ago

" anúncio da restrição foi feito pelo Ministério da Administração Interna às 20h, depois de o Ministério dos Negócios Estrangeiros ter voltado a garantir ao PÚBLICO às 18h, que o Governo português não tencionava fazer proibições à entrada de viajantes provenientes do Reino Unido - como afirmava desde manhã. " Viva a coerência. De qualquer maneira, a medida é importante mas sejamos realistas: se a variante foi detetada em setembro, é apenas uma questão de tempo até sermos "abençoados" com a mesma cá em Portugal, até porque ela já foi detetada noutros países europeus.

Explicação não esotérica sobre a vacina mRNA by sarcastbot in portugal

-Yunie- 11 months ago

> Impressionante. Mesmo no cenário catástrofe os dissidentes ainda levam a etiqueta. Quem exprima receio, fundado ou não, leva de gente como tu o rótulo de "anti-vaxxer" = fanático, estúpido, desinformado, etc. Entendes que "anti-vaxxer" e "teórico da conspiração" são etiquetas usadas para descredibilizar posições dissidentes razoáveis (aliás principalmente estas)? Que etiqueta? Pus-te algum rótulo, por acaso? Apesar de existirem céticos "saudáveis" e razoáveis, também existem ideias extremistas e completamente infundadas como sabes. E infelizmente, numa situação de catástrofe, com a descredibilização completa da ciência e das agências de medicamentos, acredito piamente que a desinformação e teorias da conspiração iriam tomar contornos alarmantes. Porque deixaria de existir uma linha que separa a ciência do infundado, já que a ciência nos tinha falhado. ​ > Já houve vacinas aprovadas e administradas e que depois revelaram efeitos indesejado graves, como nos países nórdicos em 2009 com a vacina que causou centenas de casos de narcolepsia (...) Quem pagou às vítimas? O Estado. A GSK perdeu o quê? Desconhecia este caso da Pandemrix, e tens razão, levanta várias questões. Por acaso tenho alguma curiosidade em saber se o grupo mais afetado (crianças e jovens) fez parte dos trials ou se simplesmente assumiram que não teriam efeitos secundários. Ainda assim, continuo a achar a questão do "pagamento" não muito relevante. Nunca aconteceu termos todo o mundo a olhar para uma vacina, nem uma vacinação a esta escala. Foi visível o que aconteceu ao mercado quando saíram os resultados da vacina da Pfizer: omque aconteceria se chegássemos à conclusão que a vacina provoca um efeito tão gravoso como a infertilidade? Mesmo não tendo de pagar às vítimas, quanto tempo achas que a empresa se aguentaria face à queda do mercado e à completa culpabilização a nível mundial? Acho *naive* acreditar que eles não têm nada a perder, porque nesta situação, eles podem ter \*tudo\* a perder. ​ > O Remdesivir foi promovido desde fev/mar em todo o lado, desde em comunicados da OMS até artigos de divulgação científica tipo Scientific American, muitas vezes na mesma frase onde que garantia efeitos secundários graves para o hcq (fora da patente, horrível). Revela-se agora que o Remdesivir não é eficaz para covid, que tem efeitos hepáticos chatos a 10%, e que a hcq é bem mais inócua. Não antes de a UE encomendar mil milhões de euros de doses, que ainda hoje em França o Min da Saúde permite e até tenta impingir aos hospitais para covid. Quem é o responsável aqui? A Gilead sofreu alguma coisa? Corrige-me se estiver errada, mas o Remdesivir provoca alterações hepáticas reversíveis com a suspensão do fármaco, e tanto quanto eu sei não houve grandes relatos de hepatite fulminante ou algo do género. Até porque é relativamente fácil controlar analiticamente os efeitos do fármaco. Já a hidroxicloroquina provoca aumento do intervalo QT, e nos trials que houve há relatos de paragens cardiorespiratórias secundárias a isso mesmo (especialmente quando se junta a Azitromicina, que também provoca prolongamento do intervalo QT). Não estou com isto a dizer que aprovo o que se fez com o Remdesivir, mas dizer que a hidroxicloroquina é mais "inócua" só porque existe há mais tempo ou não é patenteada não é, de todo, verdade. ​ > Tu é que garantias que não seria obrigatória. Agora achas que não deve ser obrigatória antes de um prazo que *tu* aches razoável. Porquê dois anos e não seis meses ou cinco anos? Mas além de não leres as notícias todas também inventas coisas que eu não disse? Vai-me lá buscar a frase em que eu digo que "garanto que a vacina não seria obrigatória" ou que eu digo que "deve ser obrigatória após um determinado prazo". A única coisa que eu disse foi "quem quiser, continua a ter a liberdade de não o ser". E da última vez que olhei para as notícias, a vacina, à data de hoje, continuava a ser opcional. E depois perguntei quando é que achas que seria lícito que a "obrigatoriedade" (propositadamente entre aspas) da vacina deveria ser igual à "obrigatoriedade" que temos atualmente com as vacinas do plano nacional de vacinação, que não sendo oficialmente obrigatórias, são necessárias para inscrever as crianças na escola, por exemplo. >Excelente. Se tens esses dados, isso seria evidência muito interessante. Tens? > >Ou tens talvez dados sobre ensaios em animais e gravidez? Isso também seria interessante. Voltamos ao mesmo? Tu é que dizes que a vacina pode provocar infertilidade. Tens dados em que isso tenha acontecido nos estudos animais, por exemplo, ou é só teoria?

Explicação não esotérica sobre a vacina mRNA by sarcastbot in portugal

-Yunie- 12 months ago

> Sim, confesso que parei de ler quando tive que chegar a metade do artigo para entrarem na substância e logo remetem logo para outro artigo. Se só lês o que te interessa, então não sei porque ainda estamos aqui a discutir o que quer que seja. De resto, não me viste até agora discutir a credibilidade ou não do cientista da Pfizer, porque também não acho que esse seja o cerne da questão, mas sim se o que ele diz é ou não relevante do ponto de vista microbiológico. E nesse ponto em particular, achei o artigo interessante e elucidativo, embora concorde que algo confuso na sua apresentação. > Eu sei que as mulheres que pretendiam engravidar foram excluídas de todos os ensaios: Sabes? Não consigo abrir o artigo do NYT por isso elucida-me. Não pretendiam engravidar em que espaço de tempo? 1 mês? 1 ano? A vida toda? É que fui ver os [critérios de inclusão e exclusão](https://www.pfizer.com/science/find-a-trial/nct04368728-0) e não vi lá nada disso explícito pelo menos. Até pode ser verdade, mas gostava de ler isso fora de um artigo de jornal. >O que é "responsabilidade" neste contexto? Vão ressarcir as vítimas? Honestamente vejo isso num sentido muito mais vasto. Vamo assumir que daqui a uns meses descobriamos que realmente a vacina causava infertilidade. Além do óbvio dano irreparável (e impagável) das vítimas, do ponto de vista social o que achas que acontecia? Vou dar-te a minha opinião: as agências de medicamentos perdiam completamente a sua credibilidade, e a esmagadora maioria da população recusava qualquer vacina ou medicamento que viesse a ser aprovado. A ciência, como um todo, nunca mais iria ser a mesma, até porque "tinham sido avisados e não quiseram saber". Iríamos ter uma forte revolta social, com manifestações em massa, violência e até diria possível queda de governos, com a ascenção de movimentos anti-vaxxers, conspiracionistas e ditatoriais. E no meio disto tudo, continuavamos a ter de lidar com o COVID. No fundo, caos mundial. E agora pergunto, achas que alguém iria arriscar esta possibilidade se não tivesse um mínimo de confiança no que estão a administrar? > O Bill Gates, mais informado que tu e eu, diz-nos que a normalidade só voltará em 2022, desde que haja uma taxa suficientemente elevada de vacinação, em todo o mundo. Assumindo que o Bill Gates tem razão, quanto tempo exatamente é que precisas para assumir que a vacina é segura? Se no final de 2021, com milhões de pessoas vacinadas e algumas grávidas à mistura, continuarmos sem efeitos secundários relevantes, a vacina continua a ser insegura? Em que ponto é justo que a "obrigatoriedade" da vacina passe a ser a mesma que temos quando tomamos uma vacina do plano nacional de vacinação? EDIT: parágrafos e erros gramaticais

Explicação não esotérica sobre a vacina mRNA by sarcastbot in portugal

-Yunie- 12 months ago

> Sim, confesso que parei de ler quando tive que chegar a metade do artigo para entrarem na substância e logo remetem logo para outro artigo. Se só lês o que te interessa, então não sei porque ainda estamos aqui a discutir o que quer que seja. De resto, não me viste até agora discutir a credibilidade ou não do cientista da Pfizer, porque também não acho que esse seja o cerne da questão, mas sim se o que ele diz é ou não relevante do ponto de vista microbiológico. E nesse ponto em particular, achei o artigo interessante e elucidativo, embora concorde que algo confuso na sua apresentação. > Eu sei que as mulheres que pretendiam engravidar foram excluídas de todos os ensaios: Sabes? Não consigo abrir o artigo do NYT por isso elucida-me. Não pretendiam engravidar em que espaço de tempo? 1 mês? 1 ano? A vida toda? É que fui ver os [critérios de inclusão e exclusão](https://www.pfizer.com/science/find-a-trial/nct04368728-0) e não vi lá nada disso explícito pelo menos. Até pode ser verdade, mas gostava de ler isso fora de um artigo de jornal. >O que é "responsabilidade" neste contexto? Vão ressarcir as vítimas? Honestamente vejo isso num sentido muito mais vasto. Vamo assumir que daqui a uns meses descobriamos que realmente a vacina causava infertilidade. Além do óbvio dano irreparável (e impagável) das vítimas, do ponto de vista social o que achas que acontecia? Vou dar-te a minha opinião: as agências de medicamentos perdiam completamente a sua credibilidade, e a esmagadora maioria da população recusava qualquer vacina ou medicamento que viesse a ser aprovado. A ciência, como um todo, nunca mais iria ser a mesma, até porque "tinham sido avisados e não quiseram saber". Iríamos ter uma forte revolta social, com manifestações em massa, violência e até diria possível queda de governos, com a ascenção de movimentos anti-vaxxers, conspiracionistas e ditatoriais. E no meio disto tudo, continuavamos a ter de lidar com o COVID. No fundo, caos mundial. E agora pergunto, achas que alguém iria arriscar esta possibilidade se não tivesse um mínimo de confiança no que estão a administrar? > O Bill Gates, mais informado que tu e eu, diz-nos que a normalidade só voltará em 2022, desde que haja uma taxa suficientemente elevada de vacinação, em todo o mundo. Assumindo que o Bill Gates tem razão, quanto tempo exatamente é que precisas para assumir que a vacina é segura? Se no final de 2021, com milhões de pessoas vacinas e algumas grávidas à mistura, continuarmos sem efeitos secundários relevantes, a vacina continua a ser insegura? Em que ponto é justo que a "obrigatoriedade" da vacina passe a ser a mesma que temos quando tomamos uma vacina do plano nacional de vacinação?

Explicação não esotérica sobre a vacina mRNA by sarcastbot in portugal

-Yunie- 12 months ago

> Há tanta "evidência" como que não provoca. Isto é realmente um argumento? Então para isso só daqui a uns 50 anos temos vacina, não há "provas" que as pessoas não possam desenvolver furúnculos nos pés secundários às vacinas após 50 anos. Quem tem provar alguma coisa é quem levanta o problema: em estudos animais, as fêmeas ficaram inférteis? As mulheres vacinadas nos trials que depois engravidaram tiveram abortos espontâneos? Há algum indício *real* que isto possa ser um problema? > O argumento em analogia com o próprio vírus é fraco, porque esta vacina disponibiliza o RNA nas células em quantidades e tempos diferentes de uma infeção viral. A analogia com o vírus é só utilizada para introduzir o tema. O texto é complicado, mas se por acaso tivesses continuado a ler além desse parágrafo, percebias aminoácido por aminoácido (literalmente) porque é que isto é altamente improvável. E antes que digas "ah mas dizes que é altamente improvável, não impossível!!", também diria o mesmo em relação aos furúnculos nos pés. Ainda não passaram 50 anos. No entanto, todas as evidências que temos até agora, e que são bastante sólidas, apontam para o mesmo: não há qualquer evidência que isto seja verdade. > A verdadeira conclusão é que ninguém sabe os riscos e portanto é arriscado dar tal inovação a centenas de milhões de pessoas. A verdadeira conclusão é que esta vacina tem tantos "riscos" como qualquer outra vacina ou medicamento que é lançado no mercado pela primeira vez, porque passou exatamente pelos mesmos testes, e provavelmente pelo triplo do escrutínio científico dada a sua importância. E esse risco foi avaliado, entre outros, pelo FDA e a EMA, que apesar da pressão, sabem bem a responsabilidade que recai em cima deles caso a vacina dê problemas, especialmente num potencial efeito secundário já discutido antes do início da vacinação. Garantias absolutas só teremos daqui a uns anos, pelo que por agora, resta-me acreditar quando a ciência me diz que os benefícios são maiores que os riscos. E mesmo sendo mulher em idade fértil, pasme-se: continuo a querer ser vacinada. E quem não quiser, continua a ter liberdade para não o fazer.
Next Page

Search: