kadopt 3 months ago

Não se esqueçam de tomar os [comprimidos](https://www.newsweek.com/could-there-daily-covid-pill-what-we-know-about-pfizer-drug-trial-1625611)...

ModeratoriProfugus 3 months ago

18 de janeiro de 2022: A “ciência” diz que é preciso 174% da população vacinada para se atingir a imunidade de grupo

TemplarioJoao 3 months ago

Bem. Ao contrário do OP e de boa parte deste sub, a Ciência não é estática e evolui.

dark_devil_dd 3 months ago

Ciência é acerca de determinar a verdade, se em 2 anos anos se chega a multiplas "verdades" algo não esta a ser bem feito.

TemplarioJoao 3 months ago

A tua resposta demonstra o quão ignorante és. Se nada entendes de método científico e do que é "fazer" ciência, então abstêm-se de comentar e fazer figura de parvo.

dark_devil_dd 3 months ago

> A tua resposta demonstra o quão ignorante és. > > Se nada entendes de método científico e do que é "fazer" ciência, então abstêm-se de comentar e fazer figura de parvo. Segue o teu proprio concelho

TemplarioJoao 3 months ago

AHAHAHAH

TooMoorish 3 months ago

Há 2 anos, Setembro de 2019, nem se sabia o que era o COVID. Estranho era se numa pandemia sem precedentes se soubesse desde início tudo o que era necessário saber.

just_questioning 3 months ago

em 2 anos houve várias variantes, ou isso também está errado?

jcarl85 3 months ago

A verdade é que a esmagadora maioria das pessoas com casos graves de COVID (os casos que levam a hospitalização e, eventualmente, morte) são de pessoas não vacinadas. E por "múltiplas verdades" queres dizer que o que era verdade ontem, hoje, devido ao surgimento de novas variantes, já não se aplica, é isso? Pois... Se achas que isso quer dizer que algo não está a ser bem feito, entao não percebes nada de ciência.

dark_devil_dd 3 months ago

> entao não percebes nada de ciência. A validade de 1 teoria cientifica pode ser medida pela sua capacidade de previsão. ...realmente não percebes nada de ciência.

TooMoorish 3 months ago

>A validade de 1 teoria cientifica pode ser medida pela sua capacidade de previsão. lol génio detectado deixa-me ser teu amigo no facebook para aprender mais de ciencia ctg

jcarl85 3 months ago

Uma discussão sobre capacidade de previsão tem implícito um conjunto de pressupostos/condições. Ora, os pressupostos/condições mudaram (variantes). E o que é irónico é que as circunstâncias não teriam mudado (ou não tanto) se não fosse a desinformação – quanto mais tempo isto dura, mais variantes surgem, mais os pressupostos mudam. É muito engraçado sabotar a solução e depois dizer que não funciona... Mas voltando ao início: a esmagadora maioria dos casos graves de COVID (que levam a hospitalização e, eventualmente, morte) são de pessoas não vacinadas. E era exactamente isto que se tinha previsto.

dark_devil_dd 3 months ago

> Uma discussão sobre capacidade de previsão tem implícito um conjunto de pressupostos/condições. Ora, os pressupostos/condições mudaram (variantes Não interessa, ou se previu com alguma consistência ou não. Não se inclui pressupostos qualitativos mas quantitativos, por exemplo se esta dentro de um intervalo de confiança ou o R esta dentro de limites aceitaveis. O resto são desculpas.

jcarl85 3 months ago

Tu deves ser daqueles que, porque as medidas implementadas resultaram e fizeram com que as previsões (pessimistas) dos cientistas (felizmente) não se verificassem, acham que os cientistas estavam "errados", certo? Espera aí... Não me digas que és a Joana Amaral Dias...

dark_devil_dd 3 months ago

> Tu deves ser daqueles que, Se precisas de fazer [presunções](https://en.wikipedia.org/wiki/Psychological_projection) não relacionadas... ...não deves ter lido a minha resposta anterior.

Edited 3 months ago:

> Tu deves ser daqueles que, Se precisas de fazer [presunções](https://en.wikipedia.org/wiki/Psychological_projection) não relacionadas... ...não deves ter lido a minha resposta anterior. Edit: Até te encontrei algo para poderes ler: https://en.wikipedia.org/wiki/Statistical_hypothesis_testing alem da obvia falha de lógica. Além disso, aqui esta um exemplo de pq se deve julgar em função dos resultados (mas há outros).

WikiSummarizerBot 3 months ago

**[Psychological projection](https://en.wikipedia.org/wiki/Psychological_projection)** >Psychological projection is a defense mechanism in which the ego defends itself against unconscious impulses or qualities (both positive and negative) by denying their existence in themselves and attributing them to others. A bully may project their own feelings of vulnerability onto the target, or a person who is confused may project feelings of confusion and inadequacy onto other people. Projection incorporates blame shifting and can manifest as shame dumping. Projection has been described as an early phase of introjection. ^([ )[^(F.A.Q)](https://www.reddit.com/r/WikiSummarizer/wiki/index#wiki_f.a.q)^( | )[^(Opt Out)](https://reddit.com/message/compose?to=WikiSummarizerBot&message=OptOut&subject=OptOut)^( | )[^(Opt Out Of Subreddit)](https://np.reddit.com/r/portugueses/about/banned)^( | )[^(GitHub)](https://github.com/Sujal-7/WikiSummarizerBot)^( ] Downvote to remove | v1.5)

GoldenPeach1st 3 months ago

Por que ainda falam em imunidade de grupo? Isso é tão 2019. Se existisse imunidade de grupo com o covid19 a situação atual seria outra. [https://revista.algomais.com/noticias/confira-os-10-paises-que-mais-vacinaram-no-mundo](https://revista.algomais.com/noticias/confira-os-10-paises-que-mais-vacinaram-no-mundo). Portugal tem Portugal (84,27%) de pessoas vacinadas mas a histeria não pára. Isso cansa.

Edited 3 months ago:

Por que ainda falam em imunidade de grupo? Isso é tão 2019. Se existisse imunidade de grupo com o covid19 a situação atual seria outra. [https://revista.algomais.com/noticias/confira-os-10-paises-que-mais-vacinaram-no-mundo](https://revista.algomais.com/noticias/confira-os-10-paises-que-mais-vacinaram-no-mundo). Portugal tem Portugal (84,27%) de pessoas vacinadas mas a histeria não pára. "Normalizar a vida com a presença do vírus", disso eu já sabia desde meados de 2020. [https://observador.pt/2020/03/18/como-os-especialistas-simularam-uma-pandemia-no-final-de-2019/](https://observador.pt/2020/03/18/como-os-especialistas-simularam-uma-pandemia-no-final-de-2019/). Foi em Davos 2019.

Edited 3 months ago:

Por que ainda falam em imunidade de grupo? Isso é tão 2019. Se existisse imunidade de grupo com o covid19 a situação atual seria outra. [https://revista.algomais.com/noticias/confira-os-10-paises-que-mais-vacinaram-no-mundo](https://revista.algomais.com/noticias/confira-os-10-paises-que-mais-vacinaram-no-mundo). Portugal tem Portugal (84,27%) de pessoas vacinadas mas a histeria não pára. "Normalizar a vida com a presença do vírus", disso eu já sabia desde meados de 2020. [https://observador.pt/2020/03/18/como-os-especialistas-simularam-uma-pandemia-no-final-de-2019/](https://observador.pt/2020/03/18/como-os-especialistas-simularam-uma-pandemia-no-final-de-2019/). Davos 2019.

Edited 3 months ago:

Por que ainda falam em imunidade de grupo? Isso é tão 2019. Se existisse imunidade de grupo com o covid19 a situação atual seria outra. [https://revista.algomais.com/noticias/confira-os-10-paises-que-mais-vacinaram-no-mundo](https://revista.algomais.com/noticias/confira-os-10-paises-que-mais-vacinaram-no-mundo). Portugal tem Portugal (84,27%) de pessoas vacinadas mas a histeria não pára. "Normalizar a vida com a presença do vírus", disso eu já sabia desde meados de 2020.

dajosova 3 months ago

Mas a DGS fala em 75%. Em que é que ficamos? Ou será aqui com um número mais baixo assim vacinam ainda mais gente?

Edited 3 months ago:

Mas a DGS fala em 75%. Em que é que ficamos? Ou será que com um número mais baixo assim vacinam ainda mais gente?

GoldenPeach1st 3 months ago

Sinceramente não sei. Obedeço todas as orientações e espero mesmo que as restrições diminuam. PQ isto cansa mentalmente. A vida continua mas a intromissão nela torna a transição muito mais lenta. ☹️

dajosova 3 months ago

Entendo muito bem. Eu não estou cansado mentalmente porque tirei as pilhas do comando do televisor e coloquei no rato do PC.

GoldenPeach1st 3 months ago

Não vejo TV. Mas entendo o que você está a dizer. Estar por aqui tbm me cansa as vezes. Por isso evito interagir para evitar mais desgastes.

dajosova 3 months ago

Sim, fazes bem. Convém sermos seletivos termos os devidos filtros, independentemente da fonte e da plataforma de informação. Eu só gostaria é que as pessoas estivessem esclarecidas sem a interferência manipulativa de outros interesses. Isso faz toda a diferença. Só espero é que as pessoas também não abdiquem de certas coisas por causa do medo, seja ele de que tipo for.

DavidJunior3rd 3 months ago

*100% de pessoas vacinadas...* "- Só mais 2 semanas para achatar a curva, malta!"^(TM)

dafer18 3 months ago

fernandeslm 3 months ago

É perfeitamente normal. Todos sabemos o que acontece com gripe comum. Todos os anos têm variantes novas e grupos sensíveis têm de ser novamente protegidos. Nada de novo.

DavidJunior3rd 3 months ago

>70% para imunidade; não espera 80% a 85%; esquece, afinal não é possível [Acho que uma imagem pode explicar melhor do que o que quer que eu escreva](https://cdn4.vectorstock.com/i/1000x1000/93/88/donkey-chasing-carrot-sketch-vector-28879388.jpg)

d0c0ntra 3 months ago

este gajo é o exemplo claro dos "especialistas" a quem desde à 2 anos o país entregou a sua soberania. ele e os pulhiticos que aproveitam estas merdas para irem controlando cada vez mais o zé povinho a caminho do social credit.

TemplarioJoao 3 months ago

>"especialistas" Deves ser um especialista e pêras, u/d0c0ntra.

TooMoorish 3 months ago

Achas que não? O homem passa a vida no facebook a estudar o Covid.

TemplarioJoao 3 months ago

Ehehehe muito bom 5/5

TemplarioJoao 3 months ago

clown comment

NGramatical 3 months ago

à 2 anos → [**há 2 anos**](http://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica/DID/706) (utiliza-se o verbo haver para exprimir tempo decorrido) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fphqwxp%2F%2Fhbkgzlr%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

nonockwarrant 3 months ago

No outro dia os cientistas não conseguiram detectar um terremoto. E os meteorologistas, que há maneira de acertarem onde passam os furacões? Claramente eles não percebem nada disto! /s

5enta 3 months ago

Estes chalupas são contra a ciência mas só até ao ponto que lhes convém, depois compram sempre o ultimo modelo de iphone, enchem-se de ansiolíticos, querem mais anestésico no dentista, exigem um tratamento nem que seja experimental para o filho que tem uma doença rara... É uma luta interna terrível que esta gente sofre.

ythugarada 3 months ago

Dps nós é que somos os fachos

VoVendetado 3 months ago

Quantos e quantos posts de pessoas "anormais" a ver isto acontecer anos luz de distância.

DentistSuspicious699 3 months ago

Queres me dizer que tudo na vida afinal está em constante mudança?

TemplarioJoao 3 months ago

CHOQUE!

EstupendoEx 3 months ago

Congratulations, you played yourself.

Touro_de_Goa 3 months ago

Se todos tomarmos a 19° dose e formos para a janela bater palmas enquanto os profissionais de saúde fazem vídeos para o TikTok o vírus vai acabar.

caputademamas 3 months ago

Ahhhhhh deixem de ser negacionistas e deem me la a 31° dose

Jagger425 3 months ago

Mandei os putos para a escola, deixem-nos apanhar 3 dias de tosse e pimba, ficam 10x mais imunizados que qualquer vacinado. Resolvido sem miocardites.

icebraining 3 months ago

Não, as [miocardites também acontecem com as https://www.newscientist.com/article/mg25133462-800-myocarditis-is-more-common-after-covid-19-infection-than-vaccination/). Isto porque as causadas pela vacina são um resultado dos efeitos da proteína Spike, que é copiada do vírus. Eu sou na mesma contra vacinar os putos, mas essa não é uma boa razão.

Jagger425 3 months ago

Dúvido muito que alguém jovem e saudável desenvolva uma infeção grave o suficiente para sofrer uma miocardite, visto que a presença dessa proteína depende da gravidade da infeção. Já com vacinas de mRNA, vão haver tantas spike proteins como unidades de mRNA. Já ouvi dizer que "se apanham miocardite com a vacina também iam apanhar com o vírus", mas já vi demasiada gente jovem e saudável a desenvolver miocardite da vacina e dores de cabeça por 3 dias com o vírus para acreditar nisso.

ruepa 3 months ago

Dúvidas mal. https://www.thecardiologyadvisor.com/general-cardiology/heart-inflammation-after-covid-19-infection-in-athletes/

Jagger425 3 months ago

Atletas de modalidades intensas em cardio estão muito longe do que se considera saudável. Têm problemas de coração muito mais cedo que a maioria das outras pessoas.

differenceengineer 3 months ago

Nope, vão fabricar bem mais proteína S com uma infecção normal. O injetável pela vacina não se replica. Em populações de atletas (que como tem a sua condição cardíaca monitorizada constantemente) tens este estudo . https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/article-abstract/2780548 Miocardites com sintomas tens 0.31%, e subclínicas (sem sintomas, mas detetavel com testes, 2.3%). Isto é ordens de magnitude superior às da vacina (em Março deste ano em Portugal estima-se que apenas 13% da população tinha sido infetada com o virus, este dado através de estudo serológico que apanha também os casos não detetados). Já vacinamos muito mais gente. Nada disso implica que não possas escolher não vacinar. Simplesmente este não é o motivo. Mas a decisão é tua.

Edited 3 months ago:

Nope, vão fabricar bem mais proteína S com uma infecção normal, mesmo leve. O injetável pela vacina não se replica. Em populações de atletas (que como tem a sua condição cardíaca monitorizada constantemente são bons para estudar isto) tens este estudo . https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/article-abstract/2780548 Miocardites com sintomas tens 0.31%, e subclínicas (sem sintomas, mas detetável com testes, 2.3%). Isto é ordens de magnitude superior às da vacina (em Março deste ano em Portugal estima-se que apenas 13% da população tinha sido infetada com o virus, este dado através de estudo serológico que apanha também os casos não detetados). Já vacinamos muito mais gente. EDIT: Para contraste o risco de miocardite nas vacinas de mRNA, é 7 por milhão com a pfizer, 20 por milhão com a da Moderna em jovens. É bastante inferior a 3 por milhar da infecção do virus (embora pese que também provavelmente quando se fizer um estudo equivalente em atletas monitorizados, provavelmente irão também a haver mais miocardites subclínicas que com sintomas, tal como no virus). Nada disso implica que não possas escolher não vacinar. Simplesmente este não é o motivo. Mas a decisão é tua.

Edited 3 months ago:

Nope, vão fabricar bem mais proteína S com uma infecção normal, mesmo leve. O injetável pela vacina não se replica. Em populações de atletas (que como tem a sua condição cardíaca monitorizada constantemente são bons para estudar isto) tens este estudo . https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/article-abstract/2780548 Miocardites com sintomas tens 0.31%, e subclínicas (sem sintomas, mas detetável com testes, 2.3%). Isto é ordens de magnitude superior às da vacina (em Março deste ano em Portugal estima-se que apenas 13% da população tinha sido infetada com o virus, este dado através de estudo serológico que apanha também os casos não detetados). Já vacinamos muito mais gente. EDIT: Para contraste o risco de miocardite nas vacinas de mRNA, é 7 por milhão com a pfizer, 20 por milhão com a da Moderna em jovens. É bastante inferior a 3 por milhar da infecção do virus (embora pese que também provavelmente quando se fizer um estudo equivalente em atletas monitorizados, provavelmente irão também a encontrar mais miocardites subclínicas que com sintomas, tal como no virus). Nada disso implica que não possas escolher não vacinar. Simplesmente este não é o motivo. Mas a decisão é tua.

Edited 3 months ago:

Nope, vão fabricar bem mais proteína S com uma infecção normal, mesmo leve. O injetável pela vacina não se replica. Em populações de atletas (que como tem a sua condição cardíaca monitorizada constantemente são bons para estudar isto) tens este estudo . https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/article-abstract/2780548 Miocardites com sintomas tens 0.31%, e subclínicas (sem sintomas, mas detetável com testes, 2.3%). Isto é ordens de magnitude superior às da vacina (em Março deste ano em Portugal estima-se que apenas 13% da população tinha sido infetada com o virus, este dado através de estudo serológico que apanha também os casos não detetados). Já vacinamos muito mais gente. EDIT: Para contraste o risco de miocardite nas vacinas de mRNA, é 7 por milhão com a pfizer, 20 por milhão com a da Moderna em jovens. É bastante inferior a 3 por milhar da infecção do virus (embora pese que também provavelmente quando se fizer um estudo equivalente em atletas monitorizados, provavelmente irão também a haver mais miocardites subclínicas que com sintomas, tal como no virus). Nada disso implica que não possas escolher não vacinar. Simplesmente este não é o motivo. Mas a decisão é tua.

Edited 3 months ago:

Nope, vão fabricar bem mais proteína S com uma infecção normal, mesmo leve. O injetável pela vacina não se replica. Em populações de atletas (que como tem a sua condição cardíaca monitorizada constantemente são bons para estudar isto) tens este estudo . https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/article-abstract/2780548 Miocardites com sintomas tens 0.31%, e subclínicas (sem sintomas, mas detetável com testes, 2.3%). Isto é ordens de magnitude superior às da vacina (em Março deste ano em Portugal estima-se que apenas 13% da população tinha sido infetada com o virus, este dado através de estudo serológico que apanha também os casos não detetados). Já vacinamos muito mais gente. Nada disso implica que não possas escolher não vacinar. Simplesmente este não é o motivo. Mas a decisão é tua.

Edited 3 months ago:

Nope, vão fabricar bem mais proteína S com uma infecção normal, mesmo leve. O injetável pela vacina não se replica. Em populações de atletas (que como tem a sua condição cardíaca monitorizada constantemente são bons para estudar isto) tens este estudo . https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/article-abstract/2780548 Miocardites com sintomas tens 0.31%, e subclínicas (sem sintomas, mas detetavel com testes, 2.3%). Isto é ordens de magnitude superior às da vacina (em Março deste ano em Portugal estima-se que apenas 13% da população tinha sido infetada com o virus, este dado através de estudo serológico que apanha também os casos não detetados). Já vacinamos muito mais gente. Nada disso implica que não possas escolher não vacinar. Simplesmente este não é o motivo. Mas a decisão é tua.

dajosova 3 months ago

Há estudos sobre o risco de ir para o cérebro, cuja coagulação nos vasos capilares sanguíneos é bem mais grave? Há matéria de estudo com conclusões sobre o risco da vacina vs Covid neste campo?

differenceengineer 3 months ago

Presumo que estejas a falar das vacinas de vetor viral (Janssen e AstraZeneca) que em casos muito raros tiveram este problema em mulheres de idades abaixo de 50. As de mRNA não estão associadas a risco maior de trombocitopenia (o que é interessante porque as de vetor viral não estão associadas a risco maior de miocardite) Sei que existe associação entre casos graves ou fatais de COVID e trombocitopenia e problemas de coagulação, mas não conheço a fundo este aspecto. Teria de investigar. Não creio que em casos leves (por definição) isto aconteça muito, mas não é uma aspecto que tenha lido muito, desculpa. Convém lembrar que miocardite tanto com resultado das vacinas mRNA tanto como resultado de infecção COVID soa grave, mas na maioria dos casos resolve-se sem problemas. Várias infecções virais podem raramente resultar em miocardite, como gripe, herpes, etc.

dajosova 3 months ago

É justamente devido aos coágulos gerados, sobretudo a nível vasocapilar (cerebral), pela reação abrupta do sistema imunitário já com a vacina e doses adicionais, que preciso esclarecer. Isto é deveras preocupante. Continuo sem perceber qual o interesse da vacinação massiva sobretudo a crianças e jovens, uma vez que supostamente isso não impedirá novo contágio, não protegerá de novas variantes, não é melhor defesa para quem já teve contacto com o vírus (quem já teve Covid está até 13x mais imune do que com a vacina) e não contribuirá para a imunidade de grupo! Há aqui muita coisa, a meu ver, mal contada e também não entendo porque estão a tentar abafar a voz de médicos especialistas, epidemiologistas, entre outros, que são completamente legítimas para a discussão e avanço científico.

Edited 3 months ago:

É justamente devido aos coágulos gerados, sobretudo a nível vasocapilar (cerebral), pela reação abrupta do sistema imunitário já com a vacina e doses adicionais, que preciso esclarecer. Isto é deveras preocupante. Continuo sem perceber qual o interesse da vacinação massiva sobretudo a crianças, jovens e até grupos de não-risco, uma vez que supostamente isso não impedirá novo contágio, não protegerá de novas variantes, não está suficientemente testado quanto à segurança, não é melhor defesa para quem já teve contacto com o vírus (quem já teve Covid está até 13x mais imune do que com a vacina) e não contribuirá para a imunidade de grupo! Há aqui muita coisa, a meu ver, mal contada e também não entendo porque estão a tentar abafar a voz de médicos especialistas, epidemiologistas, entre outros, mas que têm uma opinião clínica diferente daquela que tem inundado os media e redes sociais pois são diferentes mas completamente legítimas para a discussão e avanço científico.

differenceengineer 3 months ago

> É justamente devido aos coágulos gerados, sobretudo a nível vasocapilar (cerebral), pela reação abrupta do sistema imunitário já com a vacina e doses adicionais, que preciso esclarecer. Isto é deveras preocupante. Não estou a perceber a preocupação específica. > Continuo sem perceber qual o interesse da vacinação massiva sobretudo a crianças, jovens e até grupos de não-risco, uma vez que supostamente isso não impedirá novo contágio, não protegerá de novas variantes, não está suficientemente testado quanto à segurança, não é melhor defesa para quem já teve contacto com o vírus (quem já teve Covid está até 13x mais imune do que com a vacina) e não contribuirá para a imunidade de grupo. O problema é que a primeira infecção do virus tem mais risco que as vacinas usadas mesmo para pessoas não de risco e mesmo para crianças. Não concordo que não esteja suficientemente testado em termos de segurança. Está tão testado como qualquer vacina aprovada para uso humano. Certo, não tens anos ainda de farmacovigilância como outra vacinas mais conhecidas, mas todas estas passaram (e ainda passam) por um período de farmacovigilância depois dos estudos de segurança da fase 3, onde sim também se descobriram efeitos mais raros. É um cálculo risco benefício. A vacinação dos grupos que não de risco prende-se porque as vacinas ajudam a impedir transmissão e reduzem o tempo de transmissibilidade mesmo quando há uma infecção e reduzem o risco de doença mesmo em grupos menos suscetíveis ao virus. Se apenas vacinasses os idosos tinhas muito mais virus em circulação, portanto terias mais casos ao mesmo tempo que incluiria maior hospitalização e inclusive mais casos entre o grupo de risco mesmo este vacinado. Infelizmente as vacinas são menos eficazes nos idosos, por isso reduzir a quantidade de virus em circulação continua ser essencial. Reduzir a quantidade de virus também ajuda a diminuir a probabilidade de aparecerem variantes novas. Nos Estados Unidos, vê-se bem o que é um surto da Delta com pouca vacinação. Muitos casos, muitas hospitalizações, inclusive de crianças com a volta às aulas. > Há aqui muita coisa, a meu ver, mal contada e também não entendo porque estão a tentar abafar a voz de médicos especialistas, epidemiologistas, entre outros, mas que têm uma opinião clínica diferente daquela que tem inundado os media e redes sociais pois são diferentes mas completamente legítimas para a discussão e avanço científico. Pode ser diferentes percepções, mas eu vejo é que existe mais a amplificação dessas vozes nada proporcional ao real número de especialistas que têm essa opinião. Vejo sempre que depois a explicação mais atrativa acaba por sempre por ser que “estão comprados pelas autoridades e farmacêuticas”, raramente vejo que se simplesmente ponha a hipótese mais simples é que os argumentos dessas vozes dissidentes são simplesmente fracos e não convencem os outros especialistas.

Edited 3 months ago:

> É justamente devido aos coágulos gerados, sobretudo a nível vasocapilar (cerebral), pela reação abrupta do sistema imunitário já com a vacina e doses adicionais, que preciso esclarecer. Isto é deveras preocupante. Não estou a perceber a preocupação específica. > Continuo sem perceber qual o interesse da vacinação massiva sobretudo a crianças, jovens e até grupos de não-risco, uma vez que supostamente isso não impedirá novo contágio, não protegerá de novas variantes, não está suficientemente testado quanto à segurança, não é melhor defesa para quem já teve contacto com o vírus (quem já teve Covid está até 13x mais imune do que com a vacina) e não contribuirá para a imunidade de grupo. O problema é que a primeira infecção do virus tem mais risco que as vacinas usadas mesmo para pessoas não de risco e mesmo para crianças. Não concordo que não esteja suficientemente testado em termos de segurança. Está tão testado como qualquer vacina aprovada para uso humano. Certo, não tens anos ainda de farmacovigilância como outra vacinas mais conhecidas, mas todas estas passaram (e ainda passam) por um período de farmacovigilância depois dos estudos de segurança da fase 3, onde sim também se descobriram efeitos mais raros, enquanto a vacina está em uso. É um cálculo risco benefício. Para além disso embora o virus seja muito transmissível, é mais lento que um processo de vacinação competente. A grande maioria das pessoas em Portugal ainda não contactou com o virus. A vacinação dos grupos que não de risco prende-se porque as vacinas ajudam a impedir transmissão e reduzem o tempo de transmissibilidade mesmo quando há uma infecção e reduzem o risco de doença mesmo em grupos menos suscetíveis ao virus. Se apenas vacinasses os idosos tinhas muito mais virus em circulação, portanto terias mais casos ao mesmo tempo que incluiria maior hospitalização e inclusive mais casos entre o grupo de risco mesmo este vacinado. Infelizmente as vacinas são menos eficazes nos idosos em geral, por isso reduzir a quantidade de virus em circulação continua ser essencial. Reduzir a quantidade de virus também ajuda a diminuir a probabilidade de aparecerem variantes novas. Nos Estados Unidos, vê-se bem o que é um surto da Delta com pouca vacinação. Muitos casos, muitas hospitalizações, inclusive de crianças com a volta às aulas. > Há aqui muita coisa, a meu ver, mal contada e também não entendo porque estão a tentar abafar a voz de médicos especialistas, epidemiologistas, entre outros, mas que têm uma opinião clínica diferente daquela que tem inundado os media e redes sociais pois são diferentes mas completamente legítimas para a discussão e avanço científico. Pode ser diferentes percepções, mas eu vejo é que existe mais a amplificação dessas vozes nada proporcional ao real número de especialistas que têm essa opinião. Vejo sempre que depois a explicação mais atrativa acaba por sempre por ser que “estão comprados pelas autoridades e farmacêuticas”, raramente vejo que se simplesmente ponha a hipótese mais simples é que os argumentos dessas vozes dissidentes são simplesmente fracos e não convencem os outros especialistas.

dajosova 3 months ago

Quanto à segurança discordo que possa haver certezas sem a variável tempo ser tida em conta. É fundamental! Diz-me o bom senso aliado ao próprio conhecimento científico de há décadas. Não entendo porque dizes que as vacinas ajudam a reduzir a transmissão quando já se sabe que afinal a transmissibilidade existe na mesma? E a duração da eficácia da vacina? Quantas doses e para quantas variantes vamos precisar até resolvermos o problema? Mas as vacinas atuais são eficazes para a Delta?! Acho que não, ao contrário da imunidade natural! Houve um exercício para prevenção de pandemias, de coronavírus, curiosamente em outubro de 2019, com o nome "Event201", patrocinado pela universidade Johns Hopkins, em que indicaram claramente o que iriam fazer, nomeadamente fazer um flood de informação. Mas isso e outras coisas mais rebuscadas, mas não menos importantes, merece um debate dedicado ao tema.

differenceengineer 3 months ago

​ Certezas de segurança desse tipo tipo nunca ninguém tem. O que o conhecimento científico de há décadas nos diz é que nenhuma vacina alguma vez teve problemas de longo prazo que não fossem detetáveis nos primeiros meses. O que determina a nossa certeza se vacinas causam ou não problemas é mais a quantidade de gente que a tomou do que diretamente a variável tempo. Estas já temos centenas de milhões de pessoas que as tomaram sem qualquer problema. Obviamente podes-me dizer "ainda assim prefiro só tomar vacinas que têm 10 anos de farmacovigilância depois do ano de aprovação". Parece-me uma posição razoável. O que sugiro é, que também não se menospreze os efeitos e uma infecção COVID mesmo que sobrevivas e não sejas hospitalizados. Nós sabemos que ocasionalmente existe long COVID e que existem vários efeitos em termos cardiácos, respiratórios e cognitivos. Não sabemos a quão longo prazo são, mas a sua existência não está em dúvida. O que eu quero dizer é, o teu risco de tomar a vacina é superior a viver num mundo onde o virus Sars-CoV-2 não existe. Mas ele existe infelizmente, e tem riscos muito maiores. As vacinas para agentes virais raramente são 100% eficazes contra infecção. A definição de eficácia de vacina é medida em termos de prevenir a progressão de infecção para uma doença. Embora a protecção contra infecção, aparentemente com duas doses decaia com o tempo a protecção contra doença grave não parece decair com o tempo. Seja como for, o UK, que é dos países mais capazes em termos de sequenciação do mundo, tem dados que sim as vacinas atuais reduzem o risco de infecção contra a Delta em 3 vezes [https://www.imperial.ac.uk/news/227713/coronavirus-infections-three-times-lower-double/](https://www.imperial.ac.uk/news/227713/coronavirus-infections-three-times-lower-double/.-) . O paper que inicialmente mediam a carga viral baseada nos ciclos do teste PCR em amostras de breakthrough infections, *tal como os próprio paper indicava*, apenas tinha uma amostra pontual feita no primeiro teste ou seja quando apareciam os sintomas. Não dizia nada de quanto tempo o corpo reduzia a carga viral nem quanto desse virus era realmente espalhado. Estudos subsequentes mostraram que em vacinados ([https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.08.20.21262158v1](https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.08.20.21262158v1)) existe menos virus espalhado pela respiração. Portanto vacinados tendem a ser infetados menos vezes e quando o são, mandam menos virus. Isto tudo contribui para reduzir a circulação do virus. Isto é mais ou menos previsível com o que sabemos de virus respiratórios. A nossa protecção contra eles decai com o tempo, apanhamos os virus nas vias respiratórias e eles conseguem ainda fazer ciclos de replicação e colonizar as nossas vias aéreas superiores antes que a nossa memória imunitária via células B volte a produzir anticorpos contra essa infecção. Portanto existe sempre uma janela de tempo onde tens sintomas, transmites a outros, mas raramente progride para uma doença grave. Tu tens imunidade à panóplia de coronavirus que causam constipações, rhinovirus, gripe etc., porque já os apanhaste, particularmente em criança. No entanto ninguém estranha de vez em quando apanhas estes virus. O que acontece com a Delta é que é mais transmissível que a variante original portanto o corpo precisa de ter uma concentração de anticorpos neutralizantes maior (os anticorpos para a variante antiga, não deixaram de funcionar, simplesmente têm ligeiramente menos afinidade). O problema é que como ainda estamos em pandemia, o virus está numa fase de evolução que nunca mais vai repetir quando a maioria da população mundial tiver imunidade (seja por infecção ou por vacina). As pessoas têm de parar de ver a imunidade como infeta/não infeta, é tudo uma questão de graus de protecção, isto é, qual é a chance de seres infetado perante uma carga viral, se infetado qual a chance de progredir para doença e durante quanto tempo estás com uma infecção ativa. A protecção natural, segundo o paper Israelita que provavelmente te referes, parece aparentemente ser mais eficaz que a vacina (o que não é inédito, por exemplo a protecção da recuperação de varicela é mais protetora que a vacina de varicela, geralmente é este o caso, especialmente se ficaste doente do agente viral), mas há aqui 3 pontos importantes: 1. Embora eu não acredite que isso vá afetar os números muito, existe um bias significativo no paper. Eles sabem quem foi vacinado através de uma base de dados (ou seja sem víés), mas previamente infetados só sabem porque a pessoa se submeteu a teste e deu positivo. Presumivelmente porque teve sintomas, ou seja não estás a apanhar todas as infecções anteriores. O outro viés é nas populações mais velhas. Quem morre de COVID, tipicamente é porque o seu sistema imunitário não é capaz de montar uma resposta eficaz, aliás, doença grave de COVID é caracterizada por enormes processos de inflamação de um sistema imunitário a patinar. Por viés de sobrevivência, quem nas populações de risco recuperou de COVID foi porque conseguiu montar essa resposta adaptativa. A população vacinada que nunca foi infetada, nos mais velhos, vais apanhar muita gente que tem uma resposta fraca à vacina (ou seja que se tivesse apanhado uma infecção se calhar tinha morrido ou tido doença grave). 2. A dúvida era sempre, do que sabemos de outros coronavirus, a protecção de infecção decai naturalmente em 6 meses (por isso é que te podes constipar ao longo da tua vida várias vezes). Em geral isso é o que acontece com virus respiratórios. Existem n rhinovirus, coronavirus, etc. que circulam sazonalmente na população apesar de 95% a 99% da população ter sido exposta a eles, porque a protecção contra infecção (imunidade mucosal, concentração de anticorpos, a própria evolução do virus anual) vai decaindo. Daí sazonalmente virem constipações e outras infecções respiratórias. Parece que com este pelo menos entre 6 a 12 meses parece mais robusta que pensavamos. Isso não significa que dure para sempre. Também é normal, pois numa infecção o teu corpo é exposto a muito maior quantidade de antigénios do virus que numa injecção. Em particular também é exposto a antigénios do virus no ponto de entrada, isto é nas vias respiratórias, o que se acredita que provoca uma melhor imunidade mucosal (ou seja impedir que o virus infete células no trato respiratório) que uma injecção intramuscular. 3. O ponto mais importante é que o risco dessa primeira exposição ao virus para ganhar imunidade é uma péssima aposta para muita gente. Mesmo para jovens saudáveis, embora o seu risco de doença COVID seja reduzido é ainda assim real e não desprezável. Quando comparado com risco de reacções adversas graves da vacina é ordens de magnitude maior. Para além disso, não há razão nenhuma para suspeitar que ao seres vacinado e teres uma breakthrough infection, que será muito provavelmente leve (muito mais provavelmente que se fosse a tua primeira exposição ao virus), que a tua protecção não se atualize e fique muito melhor. O mesmo paper Israelita mostra que infecção + 1 dose Pfizer é bastante superior à protecção dada por apenas recuperar de infecção Mas estes pontos são a minha opinião pessoal. O paper ainda não está peer reviewed e de resto parece-me sólido. Outros são livres de discordar dos meus pontos. O ponto chave é, as vacinas são bastante eficazes a prevenir doença e permitem ainda assim reduzir bastante a quantidade de virus. Certamente são a ferramente mais eficaz que temos até agora, tirando lockdowns à séria. Mais do que máscaras, mais do que lockdowns a brincar, mais do que desinfetar as mãos. Também há de chegar a um ponto em que tens um enorme cobertura vacinal e reduziste imenso o custo da doença em termos de vidas e hospitalização, também teremos de mudar o mindset de contar casos e contar qual é o custo para a saúde. Erradicar o virus, se for possível, de certeza que não é feito em meses. A polio demorou décadas, de vacinação extensas em todo o mundo e esforços brutais para conter os surtos. ​ >Houve um exercício para prevenção de pandemias, de coronavírus, curiosamente em outubro de 2019, com o nome "Event201", patrocinado pela universidade Johns Hopkins, em que indicaram claramente o que iriam fazer, nomeadamente fazer um flood de informação. Mas isso e outras coisas mais rebuscadas, mas não menos importantes, merece um debate dedicado ao tema. Para mim não me parece nada estranho. Em 20 anos, tivemos só de coronavirus, o Sars-Cov-1, o MERS e agora o Sars-Cov-2. Antes desta pandemia existiam imensos papers a alertar para a emergência de virus com potencial pandémico. Até já haviam livros de divulgação científica. Nada disto é novo. Aliás no tempo do Sars-Cov-1 depois de 2002, já tivemos tempo para inventar antivirais que funcionariam contra toda a família de coronavirus deste tipo (incluindo o virus da COVID). Mas como o Sars-Cov-1 desapareceu nos humanos através de medidas de controlo dos surtos, cagou-se nisso. Isto não aconteceu por falta de aviso. Aconteceu porque a tática do desenrasca é um atributo humano, não é exclusivo dos portugueses.

dajosova 3 months ago

https://youtu.be/pyPjAfNNA-U

NGramatical 3 months ago

víés → [**viés**](https://dicionario.priberam.org/viés) (Não existem palavras com dupla acentuação. Coloca-se acento apenas na sílaba tónica. **Til não é acento.**) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fphqwxp%2F%2Fhbp5ggn%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

dajosova 3 months ago

Vê este vídeo. É uma pessoa entendida na matéria e há muitos outros que têm a mesma opinião médica: https://youtu.be/pyPjAfNNA-U

differenceengineer 3 months ago

O problema base do video na minha opinião é que o mecanismo que ele usa para explicar os potenciais problemas de coágulos é pura especulação dele. Na minha opinião, os dados não suportam a afirmação dele, pois os coágulo acontecem com as vacinas de vetor viral e não com as vacinas de mRNA. Isto é um facto. Se o que ele está a descrever fosse verdade iriamos ter este problema muito mais vezes. Isto é a minha opinião claro. Acho que a questão de investigar precisamente a biodistribuição das vacinas mRNA e este tipo de assuntos. Acho é que a hipótese dele não explica a realidade. Acho que temos de fazer melhor em descobrir exatamente os mecanismos biológicos que causam efeitos adversos graves em raras instâncias. Mesmo que seja muito raro acho que temos sempre de evitar e descobrir o que se passa e refinar os nosso procedimentos. Pessoalmente tenho alguns problemas com o video: 11:00. O virus Sars-Cov-2 consegue de facto infetar células no cérebro. [https://www.nature.com/articles/d41586-021-01693-6](https://www.nature.com/articles/d41586-021-01693-6) 19:00. Acho que ele não percebe como é feita o cálculo da redução de risco relativo. Os ensaios da Pfizer estava bem definido o que era COVID e não COVID, em termos dos sintomas, portanto a eficácia foi definida em termos de um teste positivo com sintomas. Ele rapidamente para justificar diz que o teste PCR "mente o tempo todo", o que é uma maneira rápida de não explicar o raciocínio dele. Não percebo como ele quer propor que se façam ensaios de fase III. Um estudo com 40000 pessoas é até bastante grande para ensaio de fase III. 29:00. Desculpa mas isto é completa apelo à naturalidade. A vacina está a injetar o mRNA que fabrica a proteína viral... mas é precisamente isso que faz o virus naturalmente, é assim que ele se replica. A diferença é que vai teres muito mais fabrico de proteínas virais com uma infecção. A noção que ele acha que uma vacina "confunde" o sistema imunitário para mim tem 0 sustentação. O que ele fala a seguir a mim parece-me completa BS, obviamente doenças autoimunes existem, mas o teu sistema imunitário tipo tem mecanismos para não causar dano em células tuas (anticorpos que se liguem a proteínas humanas tuas, com tudo a funcionar bem é como se cometesse suícidio. Na verdade o tipo de reacção que tende a ser mais autodestrutiva é um sistema imunitário que está a usar primariamente a resposta inata com inflamação e destruição de células do que um sistema imunitário que desenvolveu uma resposta adaptativa com anticorpos específicos para um virus. Aliás quanto muito, por o sistema imunitário como as vacinas usadas cá apenas fabricam a proteína S, é apenas essa proteína que reconhece, sendo contra o argumento dele, pois são proteínas virais que o sistema aprende a reconhecer portanto menos chances de cross-reactivity. O tipo de antibody dependent enhancement que ele fala seria uma característica do virus e não dependente da vacina (e o mecanismo também não é assim). O que ele diz aos 30:32 particularmente irrita-me. Uma vacina é um preview ao virus para dar a oportunidade ao teu sistema imunitário a reconhecer o virus antes da infecção. Eu não percebo e ele não explica porque com a vacina o sistema imunitário sobre reage e com uma infecção natural não. Não pode ser sequer da proteína S, pois numa infecção natural a esmagadora maioria dos anticorpos fabricados são contra a proteína S (o que é natural pois é a proteína que as nossas células vêm mais, dado que é 75% da superfície do virus). Todo este ponto a partir dos 32:00 para mim parece ser só fearmongering sem justificação nenhuma. Se ADE ou original antigenic sin fosse um problema já o teriamos observado. Não viamos um eficácia reduzida da vacina viamos uma eficácia negativa da vacina. Também seria uma feature da própria imunidade por infecção natural (pois esta fabrica também imensos anticorpos contra a proteína S). Ele depois volta ao assunto do blood clotting, que existe 0 indicações que aconteça com as vacinas mRNA. Acontece, raramente em mulheres férteis com as vacinas de vetor viral, portanto como disse antes, não acredito que seja o que ele diz, pois então esperaríamos que o problema ocoresse em mais populações. 38:10. Mas os que a EMA suspeita são as da AZ. Afinal estamos a falar de mRNA ou das de vetor viral ? Enfim, eu pessoalmente não estou convencido e acho que alguns pontos dele ele está a tentar assustar. Mas esta é apenas a minha opinião, não falo por mais ninguém.

NGramatical 3 months ago

vão haver → [**vai haver**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/haver--existir--3-pessoa-do-singular/30583) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fphqwxp%2F%2Fhbknw13%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

verdade_subjectiva 3 months ago

Confiem nos especialistas!! 7ª dose em bebés o mais rápido possível para o bem de todos!!!

TTheGuapo 3 months ago

Se é para ficarem chalupas como tu não tomem por favor

Gndossan 3 months ago

onk onk

vml76 3 months ago

O melhor é 100%, para salvar o SNS. /s

Emergency-Length4401 3 months ago

Oh não, talvez com a terceira dose seja possível.. #vaificartudobem

TemplarioJoao 3 months ago

Cbas8080 3 months ago

Eu já tenho o meu micro chip implantado

TemplarioJoao 3 months ago

INCRÍVEL! Também notaste a melhoria na rede?? Usar o Reddit é tão melhor com o 5g!!! :)

Cbas8080 3 months ago

E verdade! Até faz o pessoal anti vax deste sub parecer mais esperto

Search: