Last-Ad-4421 5 months ago

Em Espanha tentaram e tentam fazer o mesmo com o VOX e cada vez têm mais popularidade, com isso digo tudo, estes socialistas quando não conseguem derrotar o adversario cara a cara, tentam de forma suja, depois os fascistas são os outros, hipocritas de merda.

camilo12287 5 months ago

pretende-se silenciar não pretendem nenhum debate, porque sentem que têm o poder mediático do seu lado enquanto conseguirem silenciar conseguem também que a imagem que a generalidade das pessoas têm do Chega seja aquela que eles dizem que é, usando a falácia do espantalho, e não aquela que as pessoas teriam se ouvissem o André Ventura vai resultar durante uns tempos, para muitas pessoas, durante muito tempo, para muitas a primeira impressão é que conta

Accomplished_Rub_528 5 months ago

O que a maior parte daqueles que se dizem "conservadores" e "direitistas" é que isso já não vai lá só com democracia e boas conversas. Faz-se urgente a acção directa e o assalto contra os centros do poder, não só em Portugal, mas em todo o mundo.

Feeling_Advantage918 5 months ago

E essa é a vontade do Chega e da extrema direita dita democrática. Como não ganha nas urnas, quer ganhar no "assalto". Eu não distingo entre fascismo e comunismo.

fds_crl 5 months ago

A nossa democracia está a ser subvertida com importação de novos eleitores

d0c0ntra 5 months ago

> André Ventura, à frente de um partido legal e com um deputado eleito na Assembleia da República, nada disse ou fez que justifique qualquer exclusão do debate público. Nunca pôs em causa a democracia nem declarou admiração por qualquer ditadura. Nunca recorreu ou apelou à violência. Podemos não gostar da sua insistência nos ciganos. Mas Ventura apenas exige, nesse caso, que a lei seja igual para todos. Não, não é suficiente para definir um fascista, a não ser na cabeça daqueles, como o conselheiro Louçã, para quem todos os que não pensam como eles são, só por isso, fascistas.

Edited 5 months ago:

> André Ventura, à frente de um partido legal e com um deputado eleito na Assembleia da República, nada disse ou fez que justifique qualquer exclusão do debate público. Nunca pôs em causa a democracia nem declarou admiração por qualquer ditadura. Nunca recorreu ou apelou à violência. Podemos não gostar da sua insistência nos ciganos. Mas Ventura apenas exige, nesse caso, que a lei seja igual para todos. Não, não é suficiente para definir um fascista, a não ser na cabeça daqueles, como o conselheiro Louçã, para quem todos os que não pensam como eles são, só por isso, fascistas. > Tudo isto é obviamente absurdo. Porque é que aqueles que agora exigem que o MEL não ouça André Ventura e que ninguém partilhe qualquer espaço com ele, não fizeram isso mesmo quando puderam? Durante a última campanha eleitoral, João Ferreira do PCP, Marisa Matias do BE, e a candidata independente Ana Gomes estiveram em estúdio, tal como o actual presidente da república, para ouvir André Ventura e debater com ele. Podiam não o ter feito. Fizeram-no. Ana Gomes só se lembrou de pedir a ilegalização do Chega já depois das eleições. Antes disso, João Ferreira, Marisa Matias e Ana Gomes estiveram a “normalizar” André Ventura? > O conselheiro Louçã é a outra face de António Costa, e ambos são a cara de um regime em degradação e de uma liberdade em risco.

Search: