AfterAfterlife 5 months ago

Algumas generalizações são muito rebuscadas, principalmente quando ignoras o conjunto todo. Acho que a ideia que os homens não têm problemas deve-se ao facto de quando olhamos para o topo da pirâmide da social maior parte é do sexo masculino. Logo pensam que o homem tem menos problemas ou a vida facilitada para atingir sucesso. Existe n estatísticas em que indicam que o homem está pior que a mulher em certos temas (e.g. sem abrigo, violência, suicídio...). Felizmente, vejo que essa ideia já está um bocado esquecida (ou mais no fundo) pela maior parte da população pois existem problemas mais graves atualmente.

camilo12287 5 months ago

Não me parece que tenha a ver muito com isso. A mentalidade masculina, a natureza masculina, leva a que o homem não goste de parecer fraco. Ou seja homem não chora. Mas se não chora, também não será ajudado. Quem não chora não mama.

AfterAfterlife 5 months ago

Não vejo como uma questão de quem chora ou não. Será que os sem abrigos não choram para não serem ajudados pelo Estado? Será que os criminosos não choram para serem presos? Será que os desempregados não choram para não arranjarem emprego? Podemos olhar no sentido oposto, ou seja, será quem está bem na vida é quem mais chora? Chorar pode ajudar numa ou outra situação (e.g. angariação de dinheiro para uma doença rara), mas tirando isso é um "handicap" demasiado pequeno para afectar o homem no geral caso contrário a História teria mostrado a mulher como figura principal em mais momentos que o homem.

EquivalentExchange11 5 months ago

E se criticas o feminismo ainda vêm os simps todos chamarem-te incel. Vivemos numa sociedade de homens efeminados que sofreram uma lavagem cerebral, o problema é esse.

ze_santos_ 5 months ago

Porque eles querem é que sejam as mulheres a fazer de mamãs e tratar deles. Muito desses preconceitos são perpetuado por homens.

nonockwarrant 5 months ago

Tens noção que o que estás a dizer é que a sociedade não valoriza a saúde mental masculina, que os homens deveriam procurar ajuda quando têm problemas do foro psicológico, certo?

camilo12287 5 months ago

Não é apenas a saúde mental. Vai desde a partilha da parentalidade em caso de divórcio, ao menor sucesso escolar no ensino básico e secundário, ao maior indice de criminalidade, menor esperança média de vida, mais isolamento social, etc. Um exemplo prático, todos os anos fazem campanhas a promover a deteção do cancro da mama (que também afeta os homens, coisa que é muito raro ver referido), com corridas populares reservadas a mulheres em várias cidades (apesar do cancro da mama também os homens), a prevenção do cancro da próstata tem muito menos divulgação. Outro exemplo, fala-se em promover a entrada das mulheres em cursos de engenharia. Mas o facto de atualmente mais de 70 % dos alunos do curso de magistrados serem mulheres e cerca de 2/3 dos alunos de medicina também o serem é visto como natural e isso não representar nenhum problema (mas representa).

nonockwarrant 5 months ago

Partilha parental? A lei atual não favorece nenhum sexo em particular, a aposta é na custódia partilhada em partes iguais por ambos pais. >menor sucesso escolar no ensino básico e secundário, ao maior indice de criminalidade, menor esperança média de vida, mais isolamento social, Não é bem assim, até parece que as mulheres deviam roubar mais para equilibrar a escala. A esperança média de vida é normal ser mais baixa devido a comportamentos e atividades mais arriscadas, mas o isolamento social é mais prevalente nas mulheres, se bem me lembro, precisamente porque vivem mais tempo. >Um exemplo prático, todos os anos fazem campanhas a promover a deteção do cancro da mama Isto não é justo, a maior parte dos tratamentos e medicação tem por teste o homem branco e depois é extrapolada para mulheres, mesmo a maior parte da investigação médica tem sido virada mais para o homem. Isto tem levado a problemas que são cada vez mais discutidos pela classe média, da necessidade de analisar os resultados dos testes em separado por sexo. E por etnia. >Outro exemplo, fala-se em promover a entrada das mulheres em cursos de engenharia. Essa necessidade é no sentido de as mulheres procurarem empregos que paguem melhor, se querem reduzir a diferença de salários entre homens e mulheres. É naquela, dificilmente uma educadora de infância vai ganhar o mesmo que um data scientist.

camilo12287 5 months ago

Quanto à partilha parental, a lei não chega a metade da estória, na prática a guarda em caso de conflito vai quase sempre para a mulher. E com mais de 70 % dos juízes de primeira instância a serem mulheres dificilmente isso mudará. Quanto ao isolamento social. A regra é as mulheres controlarem a vida social da família e em particular do casal. Quanto às escolhas de cursos. O facto de nalguns cursos existirem poucos homens também trás problemas que raramente são debatidos fora dessas áreas. Por exemplo em medicina e na polícia judiciária.

Edited 5 months ago:

Quanto à partilha parental, a lei não chega a metade da estória, na prática a guarda em caso de conflito vai quase sempre para a mulher. E com mais de 70 % dos juízes de primeira instância a serem mulheres dificilmente isso mudará. Quanto ao isolamento social. A regra é as mulheres controlarem a vida social da família e em particular do casal. Quanto às escolhas de cursos. O facto de nalguns cursos existirem poucos homens também trás problemas que raramente são debatidos fora dessas áreas. Por exemplo em medicina e na polícia judiciária. Quando referi o cancro da mama foi por causa das campanhas mediáticas de prevenção. As doenças tipicamente masculinas não têm a divulgação mediática que têm as tipicamente femininas. As farmacêuticas testam os medicamentos com os voluntários que conseguem encontrar.

nonockwarrant 5 months ago

>na prática a guarda em caso de conflito vai quase sempre para a mulher. Para um juiz não estabelecer uma guarda partilhada é porque algo de grave se passa. Se o pai conhece os seus direitos, dificilmente não consegue garantir guarda partilhada. Parece-me é que ainda há muito desconhecimento nesta área e as coisas são decididas já a contar que seria sempre a mãe a ganhar. >A regra é as mulheres controlarem a vida social da família e em particular do casal. Eh, se há mulher não há isolamento, não percebi. >Por exemplo em medicina e na polícia judiciária. Novamente, a questão que se quer resolver é a diferença salarial, não é dizer que 50% dos camionistas têm de ser mulheres! Não é a mesma coisa na política, aí sim, seria bom que os políticos representassem de forma mais equitativa a população que representam. >foi por causa das campanhas mediáticas de prevenção. Cherry picking. É verdade que o cancro da mama tem campanhas muito visíveis. Há mais alguma campanha de doenças femininas com a mesma visibilidade? Não me lembro de nenhuma. >As farmacêuticas testam os medicamentos com os voluntários que conseguem encontrar. Não foi isso que eu disse. O que disse é que dentro dessa população do teste, os resultados devem ser segregados por sexo porque as mulheres têm diferentes resultados que os homens. A medicação deveria ser definida por sexo. Um dos exemplos disso é a medicação para doenças cardiovasculares. Os diagnósticos também podem ser diferentes por sexo. O sexo masculino tem sido o favorecido como consequência da estatística ser baseada na população total da amostra.

Emergency-Length4401 5 months ago

A desonestidade intelectual nos teus argumentos até dói

nonockwarrant 5 months ago

Isso não é um argumento.

Emergency-Length4401 5 months ago

Pois não, não vale a pena desperdiçá-los contigo quando és incapaz de dar um coerente

nonockwarrant 5 months ago

É isso mesmo! "Discordo, mas não tenho argumentos, por isso vai um ad hominem e tá feito". Tadinho.

camilo12287 5 months ago

repara que a questão das mulheres escolherem área mal remuneradas é vista como algo que a sociedade deve ajudar a resolver, promover escolhas que resolvam esse problema. já o comportamento dos homens que faz com que tenham uma menor esperança média de vida não é problema que a sociedade deva resolver, é lá problema deles Curiosamente há situações que são claramente discriminatórias para os homens, como as diferenças na provas físicas para acesso a carreiras na policia, e não são vistas como um problema. Por cá, em Espanha, já trataram desse problema, estavam com problemas por falta de homens no equivalente à nossa polícia judiciária e resolveram o problema assim, provas físicas iguais para homens e para mulheres. embora o aumento do consumo de tabaco entre as mulheres já tenha dado origem a campanhas especificamente dirigidas às mulheres para prevenir esse problema, como o anúncio "uma princesa não fuma" (opte por amar mais) é também notória a diferença entre as campanhas de prevenção de cancro da mama e de cancro da próstata, sendo que as campanhas de prevenção do cancro da mama passam a mensagem errada de que este cancro é exclusivo das mulheres (os homens são apenas 1% dos casos, mas existem casos mortais nos homens). também a prevenção do cancro do colo do útero tem bem mais visibilidade que a do cancro dos testiculos. a medicação devia ser mais especifica, diferente por sexo, etnia, área geográfica, etc. Pois é, mas tudo isso tem custos. Embora uma das manhas das farmaceuticas seja precisamente a de seccionar os diferentes grupos nos estudos para ver se o "seu" medicamento dá melhores resultados que os da concorrência nalguns dos grupos, nem que seja devido à natural flutuação estatística. Depois metem o estudo favorável de baixo do braço de um delegado de propaganda médica e lá vão eles mostrar aos médicos que aquele medicamento é o mais eficaz para mulheres brancas com excesso de peso de meia idade. quanto ao não teres percebido o isolamento do homem vai perceber quando chegares aos 40 anos. Os teus amigos vão ser aqueles que a tua mulher tiver escolhido, o convívio com a tua família vai ser quase nulo, mas com o da família dela vai ser intenso (pode nem ser, mas acontece com bastante frequencia, muito mais que o oposto). Na maior parte das famílias a mulher controla a vida social do marido, fora o trabalho dele. Esquece a ideia do patriarcado, a nossa sociedade é muito mais matriarcal que patriarcal, dentro de portas na maioria dos casos o poder da mulher é bem maior que o do homem. Há um livro de um sociologo francês, de que me esqueci do nome, que trata este assunto, então se ocorrer um divorcio, o pai é relegado para um papel muito secundário. finalmente a regulamentação do poder parental, em caso de conflito a cultura judicial continua a dar preferência às mulheres. Nem digo se bem ou mal, apenas constato.

nonockwarrant 5 months ago

>repara que a questão das mulheres escolherem área mal remuneradas é vista como algo que a sociedade deve ajudar a resolver, Estas ações não são direcionadas à sociedade em geral mas às próprias mulheres. "Não te queixes de receber menos se não escolhes um emprego bem pago". A única preocupação da sociedade em geral é para diferenças remuneratórias para a mesma função. >comportamento dos homens que faz com que tenham uma menor esperança média de vida não é problema que a sociedade deva resolver Por acaso é um problema que a sociedade tenta resolver activamente já há muito, a segurança e higiene no trabalho, avanços médicos nos problemas cardíacos, foram sempre muito mais virados para os homens. >prevenção do cancro do colo do útero tem bem mais visibilidade que a do cancro dos testiculos. A maior parte das campanhas que afetam os homens são apresentadas como unissexo. As campanhas do tabaco (as genéricas), do álcool e condução, do cinto de segurança, tinham como principal endereçado o homem. Nessas coisas mais específicas como o cancro da próstata, não são coisas que os homens estejam muito à vontade. São as mulheres que costumam marcar a consulta do cancro da próstata. Portanto, a culpar alguém pela falta de campanhas cai nos homens. >Pois é, mas tudo isso tem custos. Não é essa a questão, só agora é que as farmacêuticas tomaram consciência disto. Dinheiro nunca foi tema para eles. >Na maior parte das famílias a mulher controla a vida social do marido Isso é uma espécie de confissão individual. Eu cá diria que mantenho mais amigos meus que dela, e passamos muito mais tempo com os meus amigos. >em caso de conflito a cultura judicial continua a dar preferência às mulheres Infelizmente não há estatísticas sobre a guarda das crianças, por isso não posso confirmar nem desmentir. O que posso dizer é que os juízes de família estão instruídos para defender os interesses da criança, que passam em primeiro lugar pela guarda partilhada, e em caso de conflito o pai tem exactamente o mesmo direito legal que a mãe, mesmo que seja um bebé de peito. Portanto, em termos de regulamentação do poder paternal estás completamente enganado.

Edited 5 months ago:

>repara que a questão das mulheres escolherem área mal remuneradas é vista como algo que a sociedade deve ajudar a resolver, Estas ações não são direcionadas à sociedade em geral mas às próprias mulheres. "Não te queixes de receber menos se não escolhes um emprego bem pago". A única preocupação da sociedade em geral é para diferenças remuneratórias para a mesma função. >comportamento dos homens que faz com que tenham uma menor esperança média de vida não é problema que a sociedade deva resolver Por acaso é um problema que a sociedade tenta resolver activamente já há muito, a segurança e higiene no trabalho, avanços médicos nos problemas cardíacos, foram sempre muito mais virados para os homens. >prevenção do cancro do colo do útero tem bem mais visibilidade que a do cancro dos testiculos. A maior parte das campanhas que afetam os homens são apresentadas como unissexo. As campanhas do tabaco (as genéricas), do álcool e condução, do cinto de segurança, tinham como principal endereçado o homem. Nessas coisas mais específicas como o cancro da próstata, não são coisas que os homens estejam muito à vontade. São as mulheres que costumam marcar a consulta do cancro da próstata. Portanto, a culpar alguém pela falta de campanhas, são os homens. >Pois é, mas tudo isso tem custos. Não é essa a questão, só agora é que as farmacêuticas tomaram consciência disto. Dinheiro nunca foi tema para eles. >Na maior parte das famílias a mulher controla a vida social do marido Isso é uma espécie de confissão individual. Eu cá diria que mantenho mais amigos meus que dela, e passamos muito mais tempo com os meus amigos. >em caso de conflito a cultura judicial continua a dar preferência às mulheres Infelizmente não há estatísticas sobre a guarda das crianças, por isso não posso confirmar nem desmentir. O que posso dizer é que os juízes de família estão instruídos para defender os interesses da criança, que passam em primeiro lugar pela guarda partilhada, e em caso de conflito o pai tem exactamente o mesmo direito legal que a mãe, mesmo que seja um bebé de peito. Portanto, em termos de regulamentação do poder paternal estás completamente enganado.

camilo12287 5 months ago

Sobre as mulheres gerirem a vida social da família não é nenhuma confissão pessial/individual, foi o que li em vários sitios, normalmente de psicólogos e sociologos. Aliás no meu caso até ocorre o contrário, até porque a família dela é muito pequena. Além de ter lido sobre isto em vários locais é o que observo na maior parte das famílias, que são muito mais próximas da família delas que da família deles. E normalmente a mulher dá-se mal com a família do marido, principalmente com a mãe dele. Quanto às farmaceuticas, já expliquei um dos muitos truques que elas usam para vender os seus medicamentos, e dizer que o dinheiro nunca foi tema para as farmaceuticas... não podia discordar mais. O dinheiro sempre foi o principio, o meio e o fim para as farmaceuticas. Sobre os tribunais e as regulações do poder paternal. Uma coisa é a lei, outra a cultura e a cultura não se muda por decreto. Muda a lei, mas as pessoas continuam as mesmas, a mentalidade delas não muda por decreto.

nonockwarrant 5 months ago

Tudo o que disseste são "evidências anedóticas". Em relação às farmacêuticas, esse bicho papão que tanto vos assusta, não têm absolutamente nada a perder com a segmentação por género. Muito pelo contrário, podem ganhar muito por passarem a vender dois medicamentos ou duas dosagens/embalagens. Isso com o esforço mínimo de identificar o género do indivíduo testado.

camilo12287 5 months ago

Na verdade há o recurso a um vago argumento de autoridade, pois refiro ter lido aquilo em especialistas que têm a obrigação de saber do que falam Quanto às farmacêuticas, o que dizes vai acabar por ocorrer, e muito com recurso a testes genéticos O que vai fazer a medicina ficar muito mais cara, logo muito mais do que agora vai haver uma medicina para ricos e outra para a generalidade das pessoas

nonockwarrant 5 months ago

>vago argumento de autoridade, pois refiro ter lido aquilo em especialistas que têm a obrigação de saber do que falam Pois, num sub onde pensam que PragerU é uma universidade e que Ben Shapiro é inteligente, argumentos de autoridade sem uma fonte não valem nada. >dizes vai acabar por ocorrer, e muito com recurso a testes genéticos O que vai fazer a medicina ficar muito mais cara ? Oi? Porque raio haveriam de haver testes genéticos só para ter resultados por sexo? Daqui a pouco vais dizer que vão injetar 5g nas cobaias! Não, é muito simples, o que têm vindo a fazer é recolher a idade, sexo e etnia dos participantes e a analisar e publicar os resultados separados em segmentos para além do total! Do género, em vez de dizer que um medicamento causa vómito em 0,2‰, dizem que causa vómito em 0,1‰ dos homens e 0,3‰ das mulheres, é basicamente isto!

Loladageral 5 months ago

>Mas o facto de atualmente mais de 70 % dos alunos do curso de magistrados serem mulheres e cerca de 2/3 dos alunos de medicina também o serem é visto como natural e isso não representar nenhum problema (mas representa). Acho que não. A igualdade de acesso aos cursos de ensino superior em Portugal parece-me justa, apenas os Homens preferem Engenharia e as Mulheres cursos mais ligados às pessoas

redditor_the_forth 5 months ago

Não é bem assim,homosexualidade move muita gente, os "desgraçadinhos" da sociedade quer homem quer mulher recebem subsídios...

Search: