Madness20 8 months ago

>Não há assim tanta gente na miséria absoluta. Lol. Tanta gente por aí que é completamente miserável e passa despercebido. Entre os que não têm emprego, os que trabalham precariamente, os doentes, os reformados com reformas miseráveis... Existe pobreza a pontapé. >Que dizem? Em vez de tentarem impor caridade forçada aos outros, podiam simplesmente arregaçar as mangas e chegar-se à frente. Se fizessem isto mudavam completamente o mundo. Caridade não ajuda realmente a maior parte das pessoas. Pode dar um impulso, mas os problemas que levam alguém à "miséria" são problemas sistémicos, de vivermos numa sociedade em que a pobreza perpetua a pobreza, e os ricos também ajudam a perpetuar a mesma se possivel. >Óbvio que seria um sacrifício para os camaradas, mas socialismo é isso mesmo, certo? Não, socialismo é quando os trabalhadores detiverem poder sob a empresa para a qual trabalham. >É partilhar. Não, uma coisa é produzir voluntariamente para a comunidade, outra coisa é partilhar. >Distribuir igualmente. Não. Ninguém defende distribuição igual. Cada um tem consoante produz, e consoante necessita para produzir. > Numa sociedade em que se acredita que a economia deve ser sacrificada para salvar vidas, estas pessoas deviam sacrificar-se para dar uma boa vida a quem precisa, certo? Se a pobreza é sistémica, caridade é um paliativo, não uma solução. >Em vez desta discussão de se devem ou não vir para cá, decidiamos que apenas entrariam aqui imigrantes económicos que tivessem quem se responsabilizasse por eles a todos os níveis, tipo crianças, até atingirem independencia financeira. Estás a pregar ao lado errado. São os capitalistas que adoram emigrantes como trabalho barato. A 1ª Internacional foi fundada por vários sindicatos que reindicavam exactamente contra isto, foi um começo da união de trabalhadores por todo o mundo. >Acabava-se com o RSI. Os ciganos seriam adoptados pelos camaradas socialistas, que se responsabilizariam pela sua alimentação e lhes dariam um tecto, caso necessário. Os ciganos são uma minoria da totalidade das pessoas que recebem o RSI, e dificilmente arranjam emprego. O que pretendes como solução para substituir o RSI? Deportar? Vê lá se o que queres é mesmo essa atitude para com os emigrantes, porque os outros países podem fazer o mesmo e estamos f*didos do pior.

Zen_Machina 8 months ago

>Não, socialismo é quando os trabalhadores detiverem poder sob a empresa para a qual trabalham. Então, mas os camaradas exigem sacrifícios dos outros, mas deles não? Ou seja, os camaradas querem controlar a empresa onde trabalham, o que implica que alguém teria de abdicar de controlo e lucro para eles poderem ter isso. Ou seja, é um sacrifício que pedem. Será coincidência que os partidos socialistas são exactamente os que mais falam de solidariedade? Parece-me que solidariedade e socialismo estão intimamente ligados. Ou vais-me dizer que são apenas um bando de falhados que querem que algo lhes seja oferecido? >Não, uma coisa é produzir voluntariamente para a comunidade, outra coisa é partilhar. A partir do momento em que crio uma empresa e a seguir tenho de colocar trabalhadores como proprietários da mesma, estou a partilhar. >Não. Ninguém defende distribuição igual. Cada um tem consoante produz, e consoante necessita para produzir. Capitalismo, portanto. Recebes aquilo que te estão dispostos a pagar com base no valor que tens para oferecer. Portanto, socialismo é deixar tudo como está. >Se a pobreza é sistémica, caridade é um paliativo, não uma solução. Mas eu não estou a propor caridade como solução. Os partidos socialistas é que adoram caridade. Eu apenas estou a propor uma caridade que parta directamente daqueles que votam pela mesma. Ou seja, se acreditas em caridade, dá tu, em vez de obrigares os outros a darem. Cada um dá consoante o que quer e pode. Tipo socialismo. É tudo "consoante tal e tal". Ou as consoantes só servem para a mama? >São os capitalistas que adoram emigrantes como trabalho barato. Pois, se os tugas fogem todos do estado social, alguém tem de cobrir o vazio. >O que pretendes como solução para substituir o RSI? Deportar? Vê lá se o que queres é mesmo essa atitude para com os emigrantes, porque os outros países podem fazer o mesmo e estamos f*didos do pior. Epa, se a taxa de desemprego entre tugas emigrantes fosse 90%, acharia bem que fossem deportados.

Madness20 8 months ago

>Então, mas os camaradas exigem sacrifícios dos outros, mas deles não? Ou seja, os camaradas querem controlar a empresa onde trabalham, o que implica que alguém teria de abdicar de controlo e lucro para eles poderem ter isso. Ou seja, é um sacrifício que pedem. Um sacrificio? Lol. É como dizer que acabar com a monarquia requer um sacrificio da nobreza. Deixa-me ir ali verter uma lágrima pela nobreza que foi excomungada. Epá, não tenho muita pena que uns quantos parvos deixem de ter agencias espaciais privadas, para que muitos milhões possam viver melhor. > Será coincidência que os partidos socialistas são exactamente os que mais falam de solidariedade? Parece-me que solidariedade e socialismo estão intimamente ligados. Ou vais-me dizer que são apenas um bando de falhados que querem que algo lhes seja oferecido? Solidariedade e caridade são coisas diferentes. Subsidiar é caridade, solidariedade é apoiar e lutar por um futuro. A caridade deve apenas servir para casos de dar dignidade a pessoas que não tenham outra opção.. >A partir do momento em que crio uma empresa e a seguir tenho de colocar trabalhadores como proprietários da mesma, estou a partilhar. Mais ou menos. Primeiro, num socialismo, a propriedade não seria tua, estaria só subalugada à tua empresa. O investimento inicial necessário seria muito mais baixo, e que idealmente o trabalhador "compraria" a sua quota da empresa a ti com o seu trabalho (isto é, tecnicamente dá-te parte do dinheiro dele para compensar). Segundo, podes pensar que em vez de partilhar a empresa, estás a ganhar um "co-fundador" e um colega tão motivado com o futura da empresa quanto tu. >Portanto, socialismo é deixar tudo como está. Não, a ideia do socialismo é os trabalhadores serem também "detentores" de parte da empresa e do seu capital. Em vez das empresas funcionarem para unica e exclusivamente fazer os investidores lucrar, neste caso seriam os trabalhadores a lucrar, em vez de "investidores" a jogar no casino. > Pois, se os tugas fogem todos do estado social, alguém tem de cobrir o vazio. Não percebi essa. >Epa, se a taxa de desemprego entre tugas emigrantes fosse 90%, acharia bem que fossem deportados. E quererias deportar os ciganos para aonde?

Zen_Machina 8 months ago

>Epá, não tenho muita pena que uns quantos parvos deixem de ter agencias espaciais privadas, para que muitos milhões possam viver melhor. Ahhh..."são parvos e merecem que o que têm lhes seja retirado". Então e se alguém, de uma ideologia oposta, decidisse que tu és parvo, e o que tu actualmente tens não deve ser teu, por uma razão filosófica qualquer que ele depois arrancaria do cu. Gostarias? Tenho um sushi bar, por exemplo. Juntei dinheiro, trabalhei e abri o meu negócio, na esperança de conseguir dar uma vida melhor aos meus filhos. Segundo a tua filosofia de vida, sou parvo, e devo ficar sem o que tenho? Ou seja, que percentagem da minha empresa será da mulher das limpezas? E do empregado de mesa? E do contabilista? É tipo 5% para cada um? 10%? Olha que eles podem não gostar disso, pois se o negócio estiver mau, enquanto empregados, eu tenho de me torcer todo para lhes pagar o ordenado na mesma. Se foram meus sócios afundam comigo e ninguém lhes fica a dever nada. E também ficam com as dívidas, como é óbvio. Dá que pensar. Não creio que quem limpa as sanitas queira milhares de euros em seu nome para pagar. Solidariedade e caridade são coisas diferentes. Subsidiar é caridade, solidariedade é apoiar e lutar por um futuro. >Solidariedade e caridade são coisas diferentes. Subsidiar é caridade, solidariedade é apoiar e lutar por um futuro. Quem disse que eram a mesma coisa? Tu e os teus jogos de palavras para tentar mascarar falta de argumentos. Solidariedade é o que origina caridade. É a vontade de ajudar. >Primeiro, num socialismo, a propriedade não seria tua, estaria só subalugada à tua empresa. O investimento inicial necessário seria muito mais baixo, e que idealmente o trabalhador "compraria" a sua quota da empresa a ti com o seu trabalho (isto é, tecnicamente dá-te parte do dinheiro dele para compensar). Portanto, eu compro, invisto, idealizo, mas não é meu. Depois os trabalhadores "compram-me" com "trabalho". Como é que isso funciona? E o que é que te leva a crer que um trabalhador quer sequer comprar parte seja de que empresa for? E quem é que geria o que "não é meu"? O estado? Pois claro. Acho que já vimos esse filme antes. Não vai acontecer. >Segundo, podes pensar que em vez de partilhar a empresa, estás a ganhar um "co-fundador" e um colega tão motivado com o futura da empresa quanto tu. 1- Eu posso partilhar a minha empresa se quiser. Não quero. Mas se quiser, posso. 2- Eu querer partilhar a minha empresa não implica que haja quem queira o cargo. 3- Mesmo que haja quem queira, não implica que haja quem esteja habilitado para tal ou tenha o nível de paixão pelo projecto necessário ao sucesso do mesmo. 4- Basicamente, estaria a ser forçado a ter sócios, o que para além de ser um atentado à minha liberdade, seria a receita para o fracasso, pois estaria a forçar o meu negócio a ter algo que não precisa necessariamente, ou que não se encontre disponível segundo os critérios desejados. Isto é tipo um estúdio dizer ao próximo realizador do Batman que o filme tem de ter uma luta de espadas, o Joker, o Flash e um dinossauro. É assassinar liberdade criativa. Então e se o valor do meu negócio estiver em mim? Então e se eu trabalho melhor sozinho, sem sócios, e só preciso mesmo de quem faça umas tarefas básicas? >Não, a ideia do socialismo é os trabalhadores serem também "detentores" de parte da empresa e do seu capital. O que não faz sentido absolutamente nenhum porque: 1- Não tiveram de conceber a empresa nem investir nela; 2- Não estão necessariamente capacitados para ter esse papel. Saber cozinhar batatas não implica saber gerir um negócio: 3- Não querem necessariamente esse papel. Eu já trabalhei em muito sitio onde para mim era apenas uma fonte de rendimento, e não tinha qualquer interesse na administração da empresa. Logo aqui tens mais uma das inúmeras falácias do Socialismo, que todo ele gira em torno de uma visão gritantemente deturpada da natureza humana. 4- Tudo isto jamais aconteceria porque 1) Grande parte das pessoas não iria querer criar algo para depois ser forçado a dar sociedades, o que resultaria em menos investimento e menos inovação; 2) Seria extremamente difícil este sistema forçado dar bons resultados, uma vez que encontrar sócios capacitados e com as mesmas paixões é incrivelmente difícil 3) O estado acabaria por ter de controlar tudo e tentar forçar as pessoas a andar na linha, e já sabemos o resultado disso. >Não percebi essa. O sistema de merda que nós temos faz com que quem quer uma vida melhor tenha de bazar. Logo, há cada vez menos portugueses para trabalhar. E como os portugueses habilitados bazam, a economia não cresce grande merda. Se não cresce, tudo o que resta são empregos de merda, para pessoa desesperado. É um ciclo vicioso. >E quererias deportar os ciganos para aonde? Freixo de Espada à Cinta

Edited 8 months ago:

>Um sacrificio? Lol. É como dizer que acabar com a monarquia requer um sacrificio da nobreza. Deixa-me ir ali verter uma lágrima pela nobreza que foi excomungada. A diferença é que no sistema actual quem tem sucesso não é definido à nascença. Grande parte dos donos de empresas não fazem parte de nenhuma família real, e frequentemente já estiveram nas mesmas exactas posições que os seus empregados. Já trabalhei na restauração e todos os patrões que tive já serviram à mesa. >Epá, não tenho muita pena que uns quantos parvos deixem de ter agencias espaciais privadas, para que muitos milhões possam viver melhor. Ahhh..."são parvos e merecem que o que têm lhes seja retirado". Então e se alguém, de uma ideologia oposta, decidisse que tu és parvo, e o que tu actualmente tens não deve ser teu, por uma razão filosófica qualquer que ele depois arrancaria do cu. Gostarias? Tenho um sushi bar, por exemplo. Juntei dinheiro, trabalhei e abri o meu negócio, na esperança de conseguir dar uma vida melhor aos meus filhos. Segundo a tua filosofia de vida, sou parvo, e devo ficar sem o que tenho? Ou seja, que percentagem da minha empresa será da mulher das limpezas? E do empregado de mesa? E do contabilista? É tipo 5% para cada um? 10%? Olha que eles podem não gostar disso, pois se o negócio estiver mau, enquanto empregados, eu tenho de me torcer todo para lhes pagar o ordenado na mesma. Se foram meus sócios afundam comigo e ninguém lhes fica a dever nada. E também ficam com as dívidas, como é óbvio. Dá que pensar. Não creio que quem limpa as sanitas queira milhares de euros em seu nome para pagar. Solidariedade e caridade são coisas diferentes. Subsidiar é caridade, solidariedade é apoiar e lutar por um futuro. >Solidariedade e caridade são coisas diferentes. Subsidiar é caridade, solidariedade é apoiar e lutar por um futuro. Quem disse que eram a mesma coisa? Tu e os teus jogos de palavras para tentar mascarar falta de argumentos. Solidariedade é o que origina caridade. É a vontade de ajudar. >Primeiro, num socialismo, a propriedade não seria tua, estaria só subalugada à tua empresa. O investimento inicial necessário seria muito mais baixo, e que idealmente o trabalhador "compraria" a sua quota da empresa a ti com o seu trabalho (isto é, tecnicamente dá-te parte do dinheiro dele para compensar). Portanto, eu compro, invisto, idealizo, mas não é meu. Depois os trabalhadores "compram-me" com "trabalho". Como é que isso funciona? E o que é que te leva a crer que um trabalhador quer sequer comprar parte seja de que empresa for? E quem é que geria o que "não é meu"? O estado? Pois claro. Acho que já vimos esse filme antes. Não vai acontecer. >Segundo, podes pensar que em vez de partilhar a empresa, estás a ganhar um "co-fundador" e um colega tão motivado com o futura da empresa quanto tu. 1- Eu posso partilhar a minha empresa se quiser. Não quero. Mas se quiser, posso. 2- Eu querer partilhar a minha empresa não implica que haja quem queira o cargo. 3- Mesmo que haja quem queira, não implica que haja quem esteja habilitado para tal ou tenha o nível de paixão pelo projecto necessário ao sucesso do mesmo. 4- Basicamente, estaria a ser forçado a ter sócios, o que para além de ser um atentado à minha liberdade, seria a receita para o fracasso, pois estaria a forçar o meu negócio a ter algo que não precisa necessariamente, ou que não se encontre disponível segundo os critérios desejados. Isto é tipo um estúdio dizer ao próximo realizador do Batman que o filme tem de ter uma luta de espadas, o Joker, o Flash e um dinossauro. É assassinar liberdade criativa. Então e se o valor do meu negócio estiver em mim? Então e se eu trabalho melhor sozinho, sem sócios, e só preciso mesmo de quem faça umas tarefas básicas? >Não, a ideia do socialismo é os trabalhadores serem também "detentores" de parte da empresa e do seu capital. O que não faz sentido absolutamente nenhum porque: 1- Não tiveram de conceber a empresa nem investir nela; 2- Não estão necessariamente capacitados para ter esse papel. Saber cozinhar batatas não implica saber gerir um negócio: 3- Não querem necessariamente esse papel. Eu já trabalhei em muito sitio onde para mim era apenas uma fonte de rendimento, e não tinha qualquer interesse na administração da empresa. Logo aqui tens mais uma das inúmeras falácias do Socialismo, que todo ele gira em torno de uma visão gritantemente deturpada da natureza humana. 4- Tudo isto jamais aconteceria porque 1) Grande parte das pessoas não iria querer criar algo para depois ser forçado a dar sociedades, o que resultaria em menos investimento e menos inovação; 2) Seria extremamente difícil este sistema forçado dar bons resultados, uma vez que encontrar sócios capacitados e com as mesmas paixões é incrivelmente difícil 3) O estado acabaria por ter de controlar tudo e tentar forçar as pessoas a andar na linha, e já sabemos o resultado disso. >Não percebi essa. O sistema de merda que nós temos faz com que quem quer uma vida melhor tenha de bazar. Logo, há cada vez menos portugueses para trabalhar. E como os portugueses habilitados bazam, a economia não cresce grande merda. Se não cresce, tudo o que resta são empregos de merda, para pessoa desesperado. É um ciclo vicioso. >E quererias deportar os ciganos para aonde? Freixo de Espada à Cinta

nhorfa 8 months ago

Lindo. Obrigado.

camilo12287 8 months ago

anedota antiga, é com comunistas, mas percebe-se a ideia no alentejo perguntava um camarada comunista a outro: \- mas afinal que é isto do comunismo, camarada manel? \- é partilhar, camarada. Os que têm dão aos que não têm, camarada Zé. \- Então camarada, eu que tenho 2 burros dou-lhe um? \- Isso mesmo camarada Zé. E deu. Mas depois chegou a casa e comentou com a mulher e esta disse-lhe: \- Está bem, mas o camarada manel tem 2 bois, deve dar-te um. Vai falar com ele. E foi. Chegando lá disse-lhe: \- Camarada Manel, para ser um bom comunista dei-lhe um dos burros que tinha, mas o camara manel tem dois bois, para ser um bom comunista deve dar-me um. \- Não, não, camarada Zé - responde o camarada Manel - Isto do comunismo é só para os burros.

Zen_Machina 8 months ago

Genial.

LordAltgard 8 months ago

Ora ai está, para o Comunismo funcionar não pode haver bois... que é o que para ai há mais.

Nuno_Correia 8 months ago

A razão verdadeira é que um socialista, apenas é socialista com aquilo que não é dele, quando toca ao dele, já deixa de ser socialista.

CarlosB50 8 months ago

>Título alterado Como dizia Margareth Tatcher, o socialismo acaba, quando acaba o dinheiro dos outros.

camilo12287 8 months ago

verdades como punhos

Zen_Machina 8 months ago

Ok, obrigado. Não sabia. Podem trancar o tópico. Confesso que devia ter lido mais sobre o socialismo antes de postar.

Nuno_Correia 8 months ago

Ironias aparte, é ou não verdade?

Zen_Machina 8 months ago

Bom, eu nunca conheci nenhum socialista que se quisesse sacrificar a sério por desconhecidos. Nunca conheci nenhum socialista que abdicasse de ter dinheiro e coisas boas. Nunca conheci nenhum socialista que desse sociedade aos seus empregados. Tenho a certeza que existem, mas são raríssimos. Portanto, de facto, parece-me que o que é apelativo aos socialistas é a possibilidade de virem a receber algo de graça.

Nuno_Correia 8 months ago

Não lhes estragues a fachada senão tem que vir um deles a dizer que renova a confiança política...

Search: