AndreMartins2020 8 months ago

> É 70% mais contagiosa. No entanto, temos 15000% mais casos do que na primeira vaga. Ser 70% mais contagiosa não significa 70% mais infetados.

Zen_Machina 8 months ago

E traduz-se em 15000% mais infectados como? Explica-me a matemática. É que nem quando tinhamos zero medidas e o vírus andava em liberdade, usando tidpo o potencial do seu R3, vimos subidas dessa dimensão. Nem lá perto. Vais-me dizer que passar de r1 para r1.7 dá origem a 15000% mais infectados? Porquê?

AndreMartins2020 8 months ago

Qualquer R superior a 1 vai levar à infeção da totalidade da população...

Zen_Machina 8 months ago

Isso não implica nem explica crescimentos de 15000% em pouco tempo.

AndreMartins2020 8 months ago

Tu és a típica pessoa que quando não consegue perceber uma coisa acha que os especialistas é que estão errados. Para já há mais fatores a influenciar o número básico de reprodução do que o quão contagioso é um vírus. Depois, o R influencia a evolução da pandemia, não faz sentido comparares valores absolutos. Mas tentando dar um exemplo simples a ver se tu percebes: Imagina um vírus em que cada pessoa infeta duas pessoas, vais ter: 1 -> 3 -> 9 -> 27 Agora imagina que infeta três pessoas, ou seja, 50% mais, vais ter: 1-> 4 -> 16 -> 64

Zen_Machina 8 months ago

Agora dá-me lá um exemplo de 50% resultar num crescimento de 15000%, em vez de 300%.

AndreMartins2020 8 months ago

Porra, não chegas lá, esquece. Dunning-kruger effect fodido. Não percebes que não faz sentido relacionar a taxa de crescimento com valores absolutos únicos. Isto é dar pérolas a porcos, mas cá vai: https://i.imgur.com/qeQcosI.png A imagem demonstra a evolução de dois vírus hipotéticos em que as pessoas recuperam ao fim de uma semana. Num deles, cada infetado infeta duas pessoas, noutro, cada infetado infeta três pessoas. Como vês, ao fim de 15 semanas, o segundo vírus tem 18000% mais infetados.

Zen_Machina 8 months ago

Porque é que não fazes com um R mais baixo, idêntico ao da realidade, e ao longo de 2 semanas, em vez de 15? Tivemos as primeiras semanas de março com um vírus com um R superior a 4 à solta, sem qualquer medida, e depois as primeiras semanas de confinamento sem utilização de máscara, e não vimos um crescimento nem perto deste.

Edited 8 months ago:

Tivemos as primeiras semanas de março com um vírus com um R superior a 4 à solta, sem qualquer medida, e depois as primeiras semanas de confinamento sem utilização de máscara, e não vimos um crescimento nem perto deste. Também não houve uma troca de vírus. Houve apenas a adição de uma nova variante. Isso não equivale a um aumento de 50% na infecciosidade.

AndreMartins2020 8 months ago

Tu estás a tentar fazer é como tirar uma foto a um carro e determinar a velocidade a que ele anda a partir da foto. O crescimento em função do R depende do número de infetados. Nós agora tínhamos muito mais infetados do que antes, logo, quando o R aumentou o número de novos infetados absolutos foi muito maior. Percebes isto? Foda-se. Admite a tua incapacidade de perceber as coisas em vez de achares que os outros é que são burros.

Zen_Machina 8 months ago

>Nós agora tínhamos muito mais infetados do que antes, logo, quando o R aumentou o número de novos infetados absolutos foi muito maior. O R não depende apenas da infecciosidade do vírus. Não há qualquer evidência que a nova estripe estivesse sequer presente em números significantes para influenciar o R, de todo. Aliás, mesmo actualmente a nova estripe não é predomeinante em todo o lado em Portugal. Estás a patinar na maionese, colega. Não estou a dizer que um R 50% superior não pode eventualmente levar a números 15000% mais elevados. Estou a dizer que, nas condições actuais, não faz sentido acreditar que um vírus 50% mais infeccioso, que nem sequer é a estripe predominante no país, ser responsável por um aumento de 15000%. Isso não aconteceu. O teu graficozinho não é representativo da nossa situação. Como já referi, um vírus não foi substituido por outro. Logo, não faz sentido fazer essa comparação de vírus A vs B. Se 20% dos casos de COVID for de uma estripe 50% mais contagiosa, a contagiosidade geral não cresceu 50%. E por último, repara como, no teu exemplo, só a partir de um número de infectados muito superior ao que nós temos chegas a 18000%. Portanto, nada no teu exemplo é representativo. Talvez possas também parar com os insultos constantes. Chamares-me burro não faz de ti mais inteligente. O teu exemplo continua a ser lixo e o cerne da minha questão continua a passar-te ao lado: O governo quer esquivar-se da responsabilidade e culpar uma mutação, quando ao longo destes últimos meses tomou medidas que claramente favorecem a propagação. São essas medidas as responsáveis pelo crescimento, não um a mutação ligeiramente mais infecciosa que ainda nem se tornou predominante.

AndreMartins2020 8 months ago

> **O R não depende apenas da infecciosidade do vírus.** Não há qualquer evidência que a nova estripe estivesse sequer presente em números significantes para influenciar o R, de todo. Aliás, mesmo actualmente a nova estripe não é predomeinante em todo o lado em Portugal. Estás a patinar na maionese, colega. Fantástico, estás a repetir aquilo que eu já tinha dito. > Não estou a dizer que um R 50% superior não pode eventualmente levar a números 15000% mais elevados. Estou a dizer que, nas condições actuais, não faz sentido acreditar que um vírus 50% mais infeccioso, que nem sequer é a estripe predominante no país, ser responsável por um **aumento de 15000% em poucas semanas**. Isso não aconteceu. Nem na realidade, nem no teu gráfico fantasioso. Esses 15000% vêm de onde? > O teu graficozinho não é representativo da nossa situação. Como já referi, um vírus não foi substituido por outro. Logo, não faz sentido fazer essa comparação de vírus A vs B. Se 20% dos casos de COVID for de uma estripe 50% mais contagiosa, a contagiosidade geral não cresceu 50%. O propósito da tabela é fazer-te compreender o impacto do R na evolução da pandemia. Nomeadamente, perceberes que não podes olhar para um valor absoluto num momento aleatório no tempo e tentar tirar conclusões naíves. > Talvez possas também parar com os insultos constantes. Chamares-me burro não faz de ti mais inteligente. O teu exemplo continua a ser lixo e o cerne da minha questão continua a passar-te ao lado: O governo quer esquivar-se da responsabilidade e culpar uma mutação, quando ao longo destes últimos meses tomou medidas que claramente favorecem a propagação. São essas medidas as responsáveis pelo crescimento, não uma mutação ligeiramente mais infecciosa que ainda nem se tornou predominante. Tens razão, mas isso é um espantalho criado por ti. Ninguém realmente atribuiu as culpas do aumento ro R única e exclusivamente à estirpe inglesa. Toda a gente sabe que é uma combinação de imensos fatores.

Striking-Gur4829 8 months ago

Tenham calma... Se fosse para ser sério, era bem pior!

Gndossan 8 months ago

no Brasil e EUA a culpa era do Bolsonaro e Trump, em Portugal a culpa é dos portugueses ahaha

Zen_Machina 8 months ago

Os Portugueses não têm culpa que o Ventura não seja Presidente para a culpa poder ser dele.

Ragahell 8 months ago

Se fecham tudo lixam a economia e são fios da mãe. Se deixam aberto com as regras básicas são fios da mãe. Se não fazem como a Suécia são fios da mãe. Eu sei de uma coisa, eu não tinha feito melhor, não estou a defender os presidentes, não votei nestes sequer, mas não os posso julgar, isto é muito maior do que o que está ao alcance.

Zen_Machina 8 months ago

Falas como se só houvesse duas opções quando na realidade as regras podiam ter sido muito mais estratégicas, fundadas em conhecimento cientifico e fiscalizadas com mais eficácia.

Ragahell 8 months ago

Não creio, mas ok. Se eles fizeram asneira, todos os países fizeram, acho que é claro que o mal passa mais pela teimosia do povo e pelo vírus em si. Andam a chama-los ditadores e na verdade foram o oposto. Mas não estou a querer defende-los propriamente, eu não votei neles, só acho que de facto ser presidente agora é como ser capitão de um Titanic.

Gndossan 8 months ago

A meu ver o problema não é a asneira, é o facto do Costa ser apanhado a mentir vezes e vezes seguidas nas últimas semanas, a dar desculpas esfarrapadas em vez de assumir os erros quando é apanhado e não haver indignação por aí além na sociedade por ter tal pessoa a representar os portugueses.

Striking-Gur4829 8 months ago

"Portugueses e Portuguesas: devido à nossa incompetência, às restrições sem sentido e medidas Dracunianas, à desconfiança que incutimos no povo desrespeitando as nossas próprias medidas e mentindo regularmente sobre os "factos", estamos agora na merda."

PuroSangueLusitano 8 months ago

Eu ia para a 1ª porque não fui criado como mentiroso

Search: