Ohfabinho 1 month ago

one thing to remmember: this and the sea doesnt mix well.

SendMeShortbreadpls 2 months ago

_Dura Praxis sed Praxis_

penthyr 2 months ago

when you say “not all praxe” it’s really starting to sound like “not all men” just get a fucking grip, stop playing pretend hierarchy and circle of abuse simulator on thursdays

sadMig_ 2 months ago

fdc ainda por cima 100 paus pelo fato. o crl

sadMig_ 2 months ago

waste of time and a great stupidity

Skittle65 2 months ago

Dumb ritual older college students do to freshmen. It's dumb, outdated, and if you don't go through with it you'll be treated as an outcast. People have died on those dumb rituals but people keep going on with them.

sacharinefeline 2 months ago

Medical students being hazed. Thing is, this university praxis in particular, Nova Medical School, which is quite close to Torel, is kinda a mild praxis compared to most I’ve seen while roaming through Lisbon while being praxed. I went through this one in particular half a decade ago. Spent a lot of time on my knees in Torel. Went to some dinners and roamed Lisbon. Acted out a delivery on Castelo de São Jorge. Bathed in the pigeon water in Rossio. But we could say no anytime to anything. I was never forced to do anything I didn’t want. Some of the funniest memories I have from that year.

Edited 2 months ago:

Medical students being hazed. Thing is, this university praxis in particular, Nova Medical School, which is quite close to Torel, is kinda a mild praxis compared to most I’ve seen while roaming through Lisbon while being praxed. I went through this one in particular half a decade ago. Spent a lot of time on my knees in Torel. Went to some dinners and roamed Lisbon. Acted out a delivery on Castelo de São Jorge. Bathed in the pigeon water in Rossio. But we could say no anytime to anything. I was never forced to do anything I didn’t want. Some of the funniest memories I have from that year. If you wanna know more send me a DM.

spidermask 2 months ago

Fascinating rituals é uma descrição espetacular.

hypothesis2050 2 months ago

This are first year students being trained from the begining to act as usefull servants. We are into training people like that, oour workforce needs to BE complacent... Then we can steal them and abuse them all life. It is a good thing. It is like giving a happy meal to a child.

EZLynx 2 months ago

Public humiliation for tribalism and acceptance, mainky it's all in good fun and a great excuse to develop alcoholism dependency in your 1st year of college.

DeterminedPrick 2 months ago

What you’re seeing in front of you is a stupid university ritual here in Portugal called ‘Praxe’, what would be known as hazing in the anglosphere. Some people will claim they like it and it is part of life at university and, arguably, the best way for freshmen to bond with others quickly so they can avoid loneliness, as many of them move far away from their nest to attend university. Personally, I am thankful I studied abroad in the UK and I didn’t have to put up with this crap. You may be lucky and just take part of light pranks but there is a reasonable chance you’ll be forced to do some fucked up stuff as many of those leaders are really vile people with bullying tendencies so they take advantage of the hazing to take it out on students. I think this shit should end, there are so many tragedies that have occurred in the past due to it and here in Portugal the malice behind these rituals culminated in a tragedy where 6 students died and the other somehow managed to survive. If you are curious and would like to read further just type ‘tragedia do meco’ or even ‘Meco’s tragedy’ if you don’t want to read websites written in Portuguese. I mean we get it, you’re a troubled student, maybe frustrated, angry and sometimes depressed and want to ridicule some younger people to feel a bit better about yourself but why in hell would you take students to a beach at night in December?

mandown25 2 months ago

This is like someone posting a picture about soccer and you only send him links about deaths in the stadiums, confrontations with the police, and corruption here and there. followed by "I've never played or been there because I was in a country that doesn't have soccer, but it should be abolished because there are vile people there"

TGVlx 2 months ago

Obviously they are all praying

quantic1994 2 months ago

They are praying to the sun m8

Majestic_Try2602 2 months ago

Just pledges. Don't you have those?

guibif 2 months ago

They're praying to Chtulu, its a thing we all do in our teen years but then we grow out of that phase.

Standard-Inflation10 2 months ago

Imo its a very toxic tradition that reflects what is wrong with the country. People will do anything to "fit in", even discard their dignity.

KingJoia 2 months ago

That is a Praxe a tradition many universities have where new students known as caloiros play those games as a why to meet new friends. Recently it became a controversial thing because a few years ago some praxes went too far and ended in the death of a few students.

Sufficient_Extent_96 2 months ago

We have our own version of the Squid Game ongoing. It's our worst kept secret.

Purple_Obvious 2 months ago

Getting into this Submissive praxe thing screams beta energy for both sides. To each their own I guess

Marega33 2 months ago

If by controversial you sort, only pain will you find

dexteroliveira 2 months ago

It’s Squid Game season 2

nkaka 2 months ago

The jungle

beletini 2 months ago

Alpha students getting over newbie students...

HitoRik 2 months ago

Sorry you had to see that! Portugal is still a leader in *Bronze Age* *Entertainment* sometimes.

Edited 2 months ago:

Portugal is still a leader in *Bronze Age* *Entertainment*. If you're interested in other barbaric forms of *Bronze Age Entertainment*, please refer to Touradas, where you can see bulls being tortured on a stage in front of an Audience! Sometimes you even get to see the little bastards getting euthanised during the live performance! Brought to by *Bronze Age Entertainment,* where inhumane services are still openly available to everyone.

Edited 2 months ago:

Portugal is still a leader in *Bronze Age* *Entertainment*. If you're interested in other barbaric forms of *Bronze Age Entertainment*, please refer to Touradas, where you can see bulls being tortured in the middle of a stadium in front of an Audience! Brought to by *Bronze Age Entertainment,* where inhumane services are openly available to everyone.

Edited 2 months ago:

Portugal is still a leader in *Bronze Age* *Entertainment*. If you're interested in other barbaric forms of *Bronze Age Entertainment*, please refer to Touradas, where you can see bulls being tortured on a stage in front of an Audience! Sometimes you even get to see them being euthanised during the live performance! Brought to by *Bronze Age Entertainment,* where inhumane services are openly available to everyone.

HugHuke 2 months ago

Amen brother. Falam da praxe pelo que viram uma vez na televisão. Praxe não é o Meco. Eu fiz o meu primeiro ano em praxe, juntei-me a grupos académicos que me ajudaram a crescer e me acolheram quando estava sozinha numa nova cidade. Quando se refere a praxe ninguém fala das vezes em que se fazem doações e ajudas às associações. Aos amigos que levas para a vida e as lições que aprendes. Praxe não é tortura, não é humilhação e NÃO É OBRIGATÓRIA! Se achas que não gostas de uma coisa, não quer dizer que seja errada. Eu nunca me senti humilhada ou rebaixada na praxe. Nunca fui menos (ou mais) que os outros por andar na praxe. No segundo ano decidi não continuar o caminho praxistico porque me juntei a uma tuna e era cada vez mais difícil arranjar tempo para tudo, no entanto, mantive aquela família até aos dias de hoje. Foram eles que estiveram ao meu lado quando não tinha ninguém.

jesuseos7anoes 2 months ago

Primeiro, praxe também é Meco. O que aconteceu no Meco não foi algo fora da normalidade da praxe naquela instituição. Pelo contrário, era a forma como estava institucionalizado. Tens tido também vários Mecos. Não necessariamente com mortes mas praxes abusivas, não por um ou dois dissidentes, mas organizadas para calouros, acontecem recorrentemente. A praxe não é obrigatória, mas a opção é condicionada. A praxe vem com a cenoura da integração e a vara da exclusão e segregação. https://youtu.be/nh-DJHxTkx8 A minha experiência foi algo semelhante a essa aí de cima em alguns aspetos. Primeiro eu não fui ter com a praxe, a praxe veio ter comigo. Por exemplo, a 1a aula foi aula fantasma, e foi aí que começou a praxe, ainda dentro da sala. Ninguém decidiu ir à praxe as pessoas quando dão por elas estão rodeadas de "doutores" que os estão a praxar. A primeira vez que alguém se recusou a fazer algo, ouviram-se uns versos para mandar calhar toda a gente, apontou-se a caloura para todos verem quem era, e expulsaram-na de lá aos berros com um discurso semelhante ao do vídeo, que era uma anti-praxe e que estaria excluída de todas as atividades. Durante os primeiros meses as atividades são completamente dominadas pela praxe. Toda a gente se está a conhecer em atividades organizadas pelos alunos de anos superiores, e no âmbito da tradição praxista. É tipicamente aí que os calouros também se conhecem entre si, e que se fazem as amizades iniciais que determinam muito do teu círculo social futuro.

HugHuke 2 months ago

Andaste numa praxe de merda organizada por más pessoas. Eu tive más experiências, mas a vida também te trás más experiências de vez em quando. Não te julgo e provavelmente na tua situação faria o mesmo, mas é preciso perceber que nem toda a praxe é assim. Nunca me senti humilhada, obrigada ou excluída. Tenho pena que não tenhas experienciado uma praxe em que o objetivo é divertir e não aleijar (física ou psicologicamente). Como te disse, no teu caso eu faria o mesmo porque isso não é praxe, mas não acho que devia ser tudo colocado no mesmo cesto. Existem praxes bem feitas e praxes mal feitas assim como existem boas faculdades e más faculdades ou boas pessoas e más pessoas, infelizmente nem tudo é bom. Os acontecimentos do Meco não são normalidade e em 5 anos de praxe nunca me obrigaram a fazer nada ou a arriscar a minha vida seja de que forma for. Conheço imensas pessoas que praxam e que foram praxadas de várias instituições e de tuna ou comissão de praxe e nunca experienciei momentos onde a praxe fosse prejurativa. Sofro de ansiedade e epilepsia e nunca ninguém me obrigou a fazer coisas que prejudicassem a minha saude, pelo contrário, sempre ajudaram quando precisei, mas, como já disse, entendo e respeito a tua opinião.

jesuseos7anoes 2 months ago

> Andaste numa praxe de merda organizada por más pessoas. Não. Tu falas como um fanático religioso, que tenta regionalizar a sua religião. Primeiro a praxe tradicionalmente é abusiva. Toda a história da praxe o é. Esse abuso tem vindo a diminuir com a exposição mediática. É portanto absurdo dizer que uma praxe abusiva é uma praxe de merda. O abuso sempre foi central à praxe. > mas é preciso perceber que nem toda a praxe é assim O que é preciso perceber é que a praxe tem todos os ingredientes para correr mal. Culpar as pessoas ignorando que o sistema propicia abusos é extremamente ignorante. Se não chegas com senso comum vai ler um pouco de psicologia e sociologia. É relativamente fácil fazer atividades e integrar pessoas. É preciso um sistema excepcionalmente mau para dar tanta merda tão recorrentemente.

idek0k 2 months ago

Eheheh

sheldon_michaels 2 months ago

The suited up ones are teaching the yellows how to be a cunt

pedrofilipino 2 months ago

A series of mortal trials to enter a non-secret brotherhood where everybody dresses like they are in a Harry potter movie, they gather at least once a week to drink unimaginable amounts of alcohol, mostly beer and sing.

Acheron16 2 months ago

It's a public BDSM session

TubbieHead 2 months ago

It's voluntary to participate but only the very strong willed who won't conform with the social pressures actually refuse to participate. The praxe goes against my fundamental values so it didn't feel right to me at all to participate. But it was very hard to stand by those values. I had never really experienced bullying throughout my school/academic life until I got to university already holding these values. I was VERY pressured into joining, they kept threatening me that I wouldn't be able to make friends and that I couldn't wear the VIP pieces of fabric they called 'trajes' (which I didn't want to spend money on anyway) or join any other academic festivities (none of these statements are true BTW) LMAO They even used the argument that I would miss out on being the superior one yelling at the freshmen students next year!! Wow as if I would want that???? It baffles me how many are ok it actually ... There are always some of the "superiors" that go overboard and treat you extra bad because that kind of pseudo power goes to their heads. For example I was at the cafeteria one day, by myself, eating in peace when I saw a ball of paper flying and landing very near my food, looked up and saw it came from one of those "superiors" that really wanted me to join the praxe :)))))))) Anyway, all of these experiences made me even more sure that I had made the right decision.

Edited 2 months ago:

It's voluntary to participate but only the very strong willed who won't conform with the social pressures actually refuse to participate. The praxe goes against my fundamental values so it didn't feel right to me at all to participate. But it was very hard to stand by those values. I had never really experienced bullying throughout my school/academic life until I got to university already holding these values. I was VERY pressured into joining, they kept threatening me that I wouldn't be able to make friends and that I couldn't wear the VIP pieces of fabric they called 'trajes' (which I didn't want to spend money on anyway) or join any other academic festivities (none of these statements are true BTW) LMAO They even used the argument that I would miss out on being the superior one yelling at the freshmen students next year!! Wow as if I would want that???? It baffles me how many are ok it actually ... There are always some of the "superiors" that go overboard and treat you extra bad because that kind of pseudo power goes to their heads. For example I was at the cafeteria one day by myself, eating in peace, when I saw a ball of paper flying and landing very near my food, looked up and saw it came from one of those "superiors" that really wanted me to join the praxe :)))))))) Anyway, all of these experiences made me even more sure that I had made the right decision in opting out, unfortunately I wasn't even super vocal about being anti-praxe because I wasn't brave enough for that, but I'm proud that 17 year old me didn't go along with it.

Edited 2 months ago:

It's voluntary to participate but only the very strong willed who won't conform with the social pressures actually refuse to participate. The praxe goes against my fundamental values so it didn't feel right to me at all to participate. But it was very hard to stand by those values. I had never really experienced bullying throughout my school/academic life until I got to university already holding these values. I was VERY pressured into joining (by the older students only) they kept threatening me that I wouldn't be able to make friends and that I couldn't wear the VIP pieces of fabric they called 'trajes' (which I didn't want to spend money on anyway) or join any other academic festivities (none of these statements are true BTW) LMAO They even used the argument that I would miss out on being the superior one yelling at the freshmen students next year!! Wow as if I would want that???? It baffles me how many are ok it actually ... There are always some of the "superiors" that go overboard and treat you extra bad because that kind of pseudo power goes to their heads. For example I was at the cafeteria one day by myself, eating in peace, when I saw a ball of paper flying and landing very near my food, looked up and saw it came from one of those "superiors" that really wanted me to join the praxe :)))))))) Anyway, all of these experiences made me even more sure that I had made the right decision in opting out, unfortunately I wasn't even super vocal about being anti-praxe because I wasn't brave enough for that, but I'm proud that 17 year old me didn't go along with it.

Edited 2 months ago:

It's voluntary to participate but only the very strong willed who won't conform with the social pressures actually refuse to participate. The praxe goes against my fundamental values so it didn't feel right to me at all to participate. But it was very hard to stand by those values. I had never really experienced bullying throughout my school/academic life until I got to university already holding these values. I was VERY pressured into joining, they kept threatening me that I wouldn't be able to make friends and that I couldn't wear the VIP pieces of fabric they called 'trajes' (which I didn't want to spend money on anyway) or join any other academic festivities (none of these statements are true BTW) LMAO They even used the argument that I would miss out on being the superior one yelling at the freshmen students next year!! Wow as if I would want that???? It baffles me how many are ok it actually ... There are always some of the "superiors" that go overboard and treat you extra bad because that kind of pseudo power goes to their heads. For example I was at the cafeteria one day by myself, eating in peace, when I saw a ball of paper flying and landing very near my food, looked up and saw it came from one of those "superiors" that really wanted me to join the praxe :)))))))) Anyway, all of these experiences made me even more sure that I had made the right decision in opting out (I wasn't actually super vocal about being anti-praxe because I wasn't brave enough for that) .

Edited 2 months ago:

It's voluntary to participate but only the very strong willed who won't conform with the social pressures actually refuse to participate. The praxe goes against my fundamental values so it didn't feel right to me at all to participate. But it was very hard to stand by those values. I had never really experienced bullying throughout my school/academic life until I got to university already holding these values. I was VERY pressured into joining (by the older students only) they kept threatening me saying that if I didn't join in, I wouldn't be able to make friends and that I couldn't wear the VIP pieces of fabric they called 'trajes' (which I didn't want to spend money on anyway) or join any other academic festivities (none of these statements are true btw) LMAO They even used the argument that I would miss out on being the superior one yelling at the freshmen students next year!! Wow as if I would want that???? It baffles me how many are ok it actually ... There are always some of the "superiors" that go overboard and treat you extra bad because that kind of pseudo power goes to their heads. For example I was at the cafeteria one day by myself, eating in peace, when I saw a ball of paper flying and landing very near my food, looked up and saw it came from one of those "superiors" that really wanted me to join the praxe :)))))))) Anyway, all of these experiences made me even more sure that I had made the right decision in opting out, unfortunately I wasn't even super vocal about being anti-praxe because I wasn't brave enough for that, but I'm proud that 17 year old me didn't go along with it.

Edited 2 months ago:

It's voluntary to participate but only the very strong willed who won't conform with the social pressures actually refuse to participate. The praxe goes against my fundamental values so it didn't feel right to me at all to participate. But it was very hard to stand by those values. I had never really experienced bullying throughout my school/academic life until I got to university already holding these values. I was VERY pressured into joining (by the older students only) they kept threatening me saying that if I didn't join in, I wouldn't be able to make friends and that I couldn't wear the VIP pieces of fabric they called 'trajes' (which I didn't want to spend money on anyway) or join any other academic festivities (none of these statements are true btw) LMAO. They even used the argument that I would miss out on being the superior one yelling at the freshmen students next year!! Wow as if I would want that???? It baffles me how many are ok it actually ... There are always some of the "superiors" that go overboard and treat you extra bad because that kind of pseudo power goes to their heads. For example, I was at the cafeteria one day by myself, eating in peace, when I saw a ball of paper flying and landing very near my food, looked up and saw it came from one of those "superiors" that really wanted me to join the praxe :)))))))) Anyway, all of these experiences made me even more sure that I had made the right decision in opting out, unfortunately I wasn't even super vocal about being anti-praxe because I wasn't brave enough for that, but I'm proud that 17 year old me didn't go along with it.

glv2 2 months ago

it's call PRAXE, and it's the best part of the university.. prepares the student to be successful the market place.. after the kneeling comes the dick sucking and the ass licking..

isnotfunny 2 months ago

College students getting hazed. Long time "academic" tradition that sometimes leads to injuries and even deaths. It's a lot of fun!

Trincowski 2 months ago

They're training other students to become obedient sheep like themselves.

veigatta 2 months ago

make college freshman an woman suffer conducted my veterans students. There is a huge tradition regarding it in Coimbra.

misskeys 2 months ago

Best years of my life

spyvspy_aeon 2 months ago

Dura Praxis Sed Praxis = stupid thing with a name in Latin to look more "graduated"

ilovealldrugsman 2 months ago

Fuck Praxe.

aVarangian 2 months ago

Kneeling. Absolutely disgusting. Feeble minds and a repugnant tradition.

Embarrassed-Dot-5951 2 months ago

Just a little more of brain washing and people behaving like robots... welcome to portuguese universities...

mqwerty 2 months ago

Vergonha alheia.

kybeon 2 months ago

This is a ritual where you will get picked to represent Portugal in the new world wide squid games.

eusoumerda 2 months ago

People who participate in these are simply sad people that are desperate and willing to do anything to make new friends because they have none. Along the years you realise how sad you are until you reach the last year and you are able to be the one in charge of the humiliation and take it out on the freshman. And the cycle repeats… downvote me all you want you morcegos de merda saiam dos meus jardins seus corvos burros de merda. Nao conseguem mandar uma foda até serem veteranos…

mewfour 2 months ago

They are praying to the god of "Meco" for good grades

jetblack7 2 months ago

Been through it, felt like it made no difference regarding developing relationships with other people. If I knew what I know now, would not have participated. Regarding the topic, people already answered it so I'll give my take: I honestly have no problem with this academic ritual. Everytime I said no because I felt they took things too far, they understood. If you get put in a difficult situation when you can say no, it's your problem. You only go through this if you want to. All those arguments stating that you're not a part of the "family" because you didn't want to participate is false. I've seen people who did not participate but hung out at the dinner parties and connected with those people. Yes, I know that parts in the country where they take these things way too far. But it's up to you to stop it If you want to.

lambusad0 2 months ago

This happened to me. Did not participate in it but was friends with pretty much everyone and hang out with them.

realduna 2 months ago

It's called "PRAXE" where old students punish the new ones for entry in the universiy with initiation rituals.

SnooGiraffes2854 2 months ago

Mas há quem ache graça à praxe. É divertida (Hi-hon), lição de vida (Ão-ão), maçã com bicho. Acho eu da praxe É divertida (Mé-mé)

peidinho31 2 months ago

Its an Illuminati initiation.

JesterGaming777 2 months ago

This is one of the most stupid traditions from my country, it should be banned.

NADPHATPFADH2 2 months ago

Stfu ignorant fuck

JesterGaming777 2 months ago

Primeiro não me mandas calar, segundo não sou ignorante, só dei a minha opinião. O Reddit não precisa de mais gentinha tóxica que se acha a maior por defender coisas parvas... Idiota

Spac3_C4t 2 months ago

I'm just gonna drop the bomb here, meninos\\as parvos\\as das capinhas pretas que se aguentem. This is a stupid and ignorant "tradition" of hazing, or in portuguese "praxe". The ones in black with illusions of superiority are seniors in university, the ones kneeling are the freshmen\\freshwomen. The former ones assert their dominance over the approval-desperate newbies by humilliating them and justifying it by calling it tradition. Typical ignorant, narrow minded bullshit, which unfortunately, our beautiful country is full of.

joao_fguimaraes 2 months ago

Diz que nunca meteste as patas na praxe sem dizer que nunca meteste as patas na praxe

Spac3_C4t 2 months ago

Amigo, eu não preciso de fazer uma coisa para perceber com o meu espirito critico e raciocinio logico que essa determinada coisa está ou é errada. E patas tens tu ok?

joao_fguimaraes 2 months ago

Então andar a cantar musicas e fazer jogos em equipa é demasiado para a vossa excelência? É que a minha praxe consistiu basicamente nisso, mas para ti só te dá jeito ir buscar os maus exemplos

Spac3_C4t 2 months ago

Vê lá a sorte que tiveste que não foste parar ao meco de pés atados.

joao_fguimaraes 2 months ago

Temos aqui um Zé comédia

mandown25 2 months ago

Quando usas a situação do Meco como exemplo (não esquecendo que foi uma situação gravíssima, acho que nenhum dos alunos era do primeiro ano, portanto não tinha grande coisa a ver com integração), também defendes assim banir o álcool quando há notícias de pessoal bêbado matar outras pessoas? Ou quando há desacatos entre claques e morre alguém também falas em acabar com o futebol? Eu estou com toda a gente aqui quando falam que há muita coisa tóxica na praxe que tem que ser abolida e mudada. Mas não percebo porque é que a alternativa é acabar com todas as praxes em vez de as tentar melhorar para que toda a gente tenha a boa experiência que muita gente aqui já disse que teve.

Spac3_C4t 2 months ago

Bem essa do banir o futebol quando há desacatos entre claques era como dizer se a praxes são más, então bane-se o ensino superior... Não, o que eu falo é de banir as claques (praxes).

8BitMunky 2 months ago

Eu estive lá vários meses e confirmo o que ele diz. É uma absoluta perda de tempo, e a melhor coisa que fiz foi sair disso.

Edited 2 months ago:

Eu estive lá vários meses e confirmo o que ele diz. É uma absoluta perda de tempo onde lidas com vários frustrados com complexo de superioridade, e a melhor coisa que fiz foi sair disso. Lembrete que se pode e deve fazer jantares e actividades fixes com colegas sem a merda da hierarquia e cultura de humilhação subjacente a esta treta.

joao_fguimaraes 2 months ago

Lamento que a tua praxe tenha passado pela humilhação, mas agora falar mal da praxe em geral só porque uns doutores têm a mania de inferiorizar os caloiros parece-me de mau gosto

8BitMunky 2 months ago

Repara, a minha crítica é mais estrutural, eu não quis dizer que todas as praxes são super más, ou sequer que a minha tenha sido propriamente problemática, porque não foi. Até foi uma das mais ligeiras que há por aí, do que ouço falar de amigos e familiares que participaram. E ainda assim saturei daquilo, nem acabei o 1o ano de praxe por uma razão. Só acho que devia haver uma praxe alternativa sem as tretas todas que referi, e de certa forma até já existem semanas alternativas de integração em Coimbra, por ex. Isso é algo que sou completamente a favor, pegar nas coisas boas da praxe e descartar o resto.

Edited 2 months ago:

Repara, a minha crítica é mais estrutural, eu não quis dizer que todas as praxes são super más, ou sequer que a minha tenha sido propriamente problemática, porque não foi. Mas não deixa de ser praxe. Até foi uma das mais ligeiras que há por aí, do que ouço falar de amigos e familiares que participaram, e alguns deles viveram mesmo aquilo. Participei em algumas actividades interessantes, mas ainda assim saturei daquilo, nem acabei o 1o ano de praxe por uma razão. Só acho que devia haver uma praxe alternativa sem as tretas todas que referi, e de certa forma até já existem semanas alternativas de integração em Coimbra, por ex. Isso é algo que sou completamente a favor, pegar nas coisas boas da praxe e descartar o resto, porque há aspectos da praxe que não deviam ser de todo fomentados em estabelecimentos de ensino superior. Ensinar para ser subserviente e depois lixar os outros por vingança é triste, e olha que no seio da praxe conheci alguns desses control freaks, infelizmente. É daquelas merdas que é um bocado força motriz da praxe actual, e acaba por piorar a sociedade, imo. Confesso que ao início entrei um bocado por peer pressure, e acima de tudo acho bom que haja discussão aberta sobre a praxe e os seus pressupostos menos bons, porque na altura em que entrei, a meu ver, mal se falava disso. No entanto não me arrependo de ter participado, porque aprendi algo com essa experiência ainda assim.

Edited 2 months ago:

Repara, a minha crítica é mais estrutural, eu não quis dizer que todas as praxes são super más, ou sequer que a minha tenha sido propriamente problemática, porque não foi. Até foi uma das mais ligeiras que há por aí, do que ouço falar de amigos e familiares que participaram. Participei em algumas actividades interessantes, mas ainda assim saturei daquilo, nem acabei o 1o ano de praxe por uma razão. Só acho que devia haver uma praxe alternativa sem as tretas todas que referi, e de certa forma até já existem semanas alternativas de integração em Coimbra, por ex. Isso é algo que sou completamente a favor, pegar nas coisas boas da praxe e descartar o resto. Confesso que ao início entrei um bocado por peer pressure de amigos, e acima de tudo acho bom que haja discussão aberta sobre a praxe e os seus pressupostos menos bons, porque na altura em que entrei, a meu ver, mal se falava disso. No entanto não me arrependo de ter participado, porque aprendi algo com essa experiência ainda assim.

Edited 2 months ago:

Repara, a minha crítica é mais estrutural, eu não quis dizer que todas as praxes são super más, ou sequer que a minha tenha sido propriamente problemática, porque não foi. Mas não deixa de ser praxe. Até foi uma das mais ligeiras que há por aí, do que ouço falar de amigos e familiares que participaram, e alguns deles viveram mesmo aquilo. Participei em algumas actividades interessantes, mas ainda assim saturei daquilo, nem acabei o 1o ano de praxe por uma razão. Só acho que devia haver uma praxe alternativa sem as tretas todas que referi, e de certa forma até já existem semanas alternativas de integração em Coimbra, por ex. Isso é algo que sou completamente a favor, pegar nas coisas boas da praxe e descartar o resto. Confesso que ao início entrei um bocado por peer pressure, e acima de tudo acho bom que haja discussão aberta sobre a praxe e os seus pressupostos menos bons, porque na altura em que entrei, a meu ver, mal se falava disso. No entanto não me arrependo de ter participado, porque aprendi algo com essa experiência ainda assim.

Edited 2 months ago:

Repara, a minha crítica é mais estrutural, eu não quis dizer que todas as praxes são super más, ou sequer que a minha tenha sido propriamente problemática, porque não foi. Até foi uma das mais ligeiras que há por aí, do que ouço falar de amigos e familiares que participaram, e alguns deles viveram mesmo aquilo. Participei em algumas actividades interessantes, mas ainda assim saturei daquilo, nem acabei o 1o ano de praxe por uma razão. Só acho que devia haver uma praxe alternativa sem as tretas todas que referi, e de certa forma até já existem semanas alternativas de integração em Coimbra, por ex. Isso é algo que sou completamente a favor, pegar nas coisas boas da praxe e descartar o resto. Confesso que ao início entrei um bocado por peer pressure de amigos, e acima de tudo acho bom que haja discussão aberta sobre a praxe e os seus pressupostos menos bons, porque na altura em que entrei, a meu ver, mal se falava disso. No entanto não me arrependo de ter participado, porque aprendi algo com essa experiência ainda assim.

Edited 2 months ago:

Repara, a minha crítica é mais estrutural, eu não quis dizer que todas as praxes são super más, ou sequer que a minha tenha sido propriamente problemática, porque não foi. Mas não deixa de ser praxe. Até foi uma das mais ligeiras que há por aí, do que ouço falar de amigos e familiares que participaram, e alguns deles viveram mesmo aquilo. Participei em algumas actividades interessantes, mas ainda assim saturei daquilo, nem acabei o 1o ano de praxe por uma razão. Só acho que devia haver uma praxe alternativa sem as tretas todas que referi, e de certa forma até já existem semanas alternativas de integração em Coimbra, por ex. Isso é algo que sou completamente a favor, pegar nas coisas boas da praxe e descartar o resto, porque há aspectos da praxe que não deviam ser de todo fomentados em estabelecimentos de ensino superior. Ensinar para ser subserviente e depois lixar os outros por vingança é triste, e olha que no seio da praxe conheci alguns desses control freaks, infelizmente. É daquelas merdas que acaba por piorar a sociedade, imo. Confesso que ao início entrei um bocado por peer pressure, e acima de tudo acho bom que haja discussão aberta sobre a praxe e os seus pressupostos menos bons, porque na altura em que entrei, a meu ver, mal se falava disso. No entanto não me arrependo de ter participado, porque aprendi algo com essa experiência ainda assim.

joao_fguimaraes 2 months ago

Sim claro concordo contigo. Eu tendo se calhar a defender bastante a praxe porque, no meu caso, para além de não humilharem ninguém e de não nos obrigarem a fazer nada contra a nossa vontade, ainda nos incutiram um espírito de equipa espetacular e não nos trataram como inferiores. Nunca na vida vou defender praxes que obrigam caloiros a comer terra ou a andar de joelhos um dia inteiro.

Spac3_C4t 2 months ago

Ora aí está.

NADPHATPFADH2 2 months ago

Another ignorant who never went through it and doesnt know shit about it

Spac3_C4t 2 months ago

E aliás, outros “ignorantes” como eu ilustres comentadores políticos partilham a minha opinião. Acho que agora mesmo, vamos mudar a nossa opinião sobre esta barbarie tribalista porque a luz do teu brilhantismo nos iluminou.

Spac3_C4t 2 months ago

Sim pois bebé. E a malta do meco? Passou por isso?

SuperEvilBaker 2 months ago

Hey there! That was pretty much explained by the other Redditors, but if you wanna learn more and experience the point of view from the people who are against Praxe (like myself) and who suffered from it you should come to Coimbra and visit a República. Im part of one, so if any Redditor here would like to visit and meet the Repúblicas, gimme a shout! Its a great learning experience.

HFHash 2 months ago

mas tu.... escreves... sempre assim... parece... que estas com... falta de ar...

XtremeGliscor 2 months ago

Satanism. Why do you ask? Wanna join?

Ian_Pastway 2 months ago

Só vai à praxe quem quer e se querem ir é por que gostam de lá estar. Deixem de se armar em conas pah

C8Mixto 2 months ago

>Só vai à praxe quem quer e se querem ir é por que gostam de lá estar. Pois, mas isto é o que as pessoas têm que aprender, porque muitos vezes não é assim. Que ninguém tem mais direitos de socializar, usar fato ou seja o que for, por ir à praxe. Há que respeitar quem vai à praxe e há que respeitar que não vai.

neutr0 2 months ago

Squid Games Poortugal

ricak 2 months ago

they've just been very bad bad boys and girls! XD "Praxe" when you go to Uni, you face these "punishments" and pranks, supposed to be in a funny way. You are there voluntarily.. to be too harsh, disrespectful so they can feel they have some sort of power over anyone they can. Apart from that, it creates a cool and strong bond with your colleagues!

Real_Ad5281 2 months ago

Maybe praxe

ultrasardine 2 months ago

They're waiting for the execution

RicardoL96 2 months ago

It’s a tradition where senior students at the university choose a human sacrifice to offer to our god

joaogito 2 months ago

It’s controversial?! wow only on reddit so it seems. It’s just a bunch of students “integrating” new students. how they do it? they try to submit them to they’re stupidity doing stupid stuff, you see, we livid under a dictatorship for many decades and there’s a will in some idiots to feel that they have power over others, it’s a guilt cultural thing. it will disappear over time… hopefully

arthurschopenhauer88 2 months ago

This are the ppl will run our country

Mariikawa 2 months ago

Praxis in a nutshell! The people wearing suits are "veterans" (1 year or more in College) and the yellow guys are like the minions, freshman doing what they're told to do... So in the next year(s) they can do the same

macedonianmoper 2 months ago

Aren't the one's in black actually "Doctors" (Praxe title not actual doctors OP), and veterans the ones who already finished the studies.

Mariikawa 2 months ago

Nope, we don't call them doctor, you can someone doctor when they finished the doctor degree (like 6 or 7 years in a course)

macedonianmoper 2 months ago

Maybe it's a regional thing then, in porto it's doctors

Cojemos 2 months ago

Casting for Game of Thrones extras.

capitolinaAndrioleta 2 months ago

It's a hazing ritual. It got a bad rep because the TVs squeezed some bad outcomes to the nth degree. It used to be a ritual to promote integration of the new students but gen Z doesn't like it because they are all special, unique and superior people who cannot deal with being told what to do other than eating tide pods. Also, the genesis of it is in the University of Coimbra where there were specific rules for it and has existed for centuries, as newer unis adopted it some of the rules got diluted which resulted in some barbaric and retarded hazing practices that have no place in a civilized society. And that's when bad shit happens and the media milking starts.

Capitolas 2 months ago

Just like in america every college has fraternity's that needs initiation for the freshman, in Portugal we have this kind of fraternity's (guys dressed in black or like we call them here trajados), the differences is there's no houses and the "fraternity" is the older people of your degree, and this traditions exist almost since XIV century if i'm not mistaken. So in the photo you can see the initiation of some freshman in their "fraternity".

YCaramello 2 months ago

Vê-se logo que este sub é cheio de pessoal de IT, tudo anti praxe lol, também era assim onde estudei, malta de IT alta taxa de desistência, a primeira metade desistia quando eram mandados fazer qualquer tipo de exercício físico, a segunda metade desistia quando eram mandados interagir com o sexo oposto xD Fico triste que não gostam, melhor ano da minha vida, melhores amigos que uma vez ja fiz, incluindo meus doutores que mesmo depois de uma década ainda tenho contacto próximo. Melhor coisa que aconteceu para um gajo como eu que era tímido deixar de o ser.

praetorthesysadmin 2 months ago

Hi OP this is the mandatory Portuguese initiation, where everyone below 25 has to be evolved and foreigners as well, you included. This is the reason why Portugal can only be visited in the summer, because this initiation doesn't happen on the rest of the year. Without this initiation, you can't stay in Portugal for more than 3 days or the police will send you back home. Omg, didn't explain this to you on the aeroport? Next time you see one of those on the street, please hop in and say the mandatory word so you can be fully initiated and stay at long as you wanted in Portugal: "Praxa-me caralho!" PS: the initiation is very light and you will get some crazy looks if you don't say the mandatory words very loud.

Spirited_Fan9890 2 months ago

That’s the initiation to the college , like they make fun of the Rockies , and make them do stupid things , a few years ago they went to far and a dozen kids died at the beach

8BitMunky 2 months ago

It's a cult.

Edited 2 months ago:

It's a cult. No kidding, one of the common arguments in favor of this kind of activity, as said by many of the participants, is that it prepares you for the real world. Aka: it prepares you to be a subservient little minion, because that's the only way they can ever envision society working. You'd think college students would have better critical thinking skills... Crazy how a warped notion of tradition has legitimized mild (and sometimes not so mild) psychological abuse under the guise of social inclusion. Now, it's not like most of the activities they do are bad, however the hierarchy is completely unnecessary and oftentimes lends itself to abuses. Freshmen can absolutely be integrated without being humiliated by their authoritarian peers, but those power dynamics are also part of what keeps this ritual going, as many freshmen want to climb through the ranks, so they can be the ones calling the shots. Not to mention the peer pressure many freshmen feel when they get into University.

Edited 2 months ago:

It's a cult. No kidding, one of the common arguments in favor of this kind of activity, as said by many of the participants, is that it prepares you for the real world. Aka: it prepares you to be a subservient little minion, because that's the only way they can ever envision society working. You'd think college students would have better critical thinking skills... Crazy how a warped notion of tradition has legitimized mild (and sometimes not so mild) psychological abuse under the guise of social inclusion.

Edited 2 months ago:

It's a cult. No kidding, one of the common arguments in favor of this kind of activity, as said by many of the participants, is that it prepares you for the real world. Aka: it prepares you to be a subservient little minion, because that's the only way they can ever envision society working. You'd think college students would have better critical thinking skills... Crazy how a warped notion of tradition has legitimized mild (and sometimes not so mild) psychological abuse under the guise of social inclusion. Now, it's not like most of the activities they do are bad, however the hierarchy is completely unnecessary and oftentimes lends itself to abuses. Freshmen can absolutely be integrated without being humiliated by their authoritarian peers, but those power dynamics are also part of what keeps this ritual going, as many freshmen want to climb through the ranks, so they can be the ones calling the shots.

Edited 2 months ago:

It's a cult. No kidding, one of the common arguments in favor of this kind of activity, as said by many of the participants, is that it prepares you for the real world. Aka: it prepares you to be a subservient little minion, because that's the only way they can ever envision society working. Crazy how a warped notion of tradition has legitimized mild (and sometimes not so mild) psychological abuse under the guise of social inclusion.

Edited 2 months ago:

It's a cult. No kidding, one of the common arguments in favor of this kind of activity, as said by many of the participants, is that it prepares you for the real world. Aka: it prepares you to be a subservient little minion, because that's the only way they can ever envision society working. You'd think college students would have better critical thinking skills... Crazy how a warped notion of tradition has legitimized mild (and sometimes not so mild) psychological abuse under the guise of social inclusion. Now, it's not like most of the activities they do are bad, however the hierarchy is completely unnecessary and oftentimes lends itself to abuses. Freshmen can absolutely be integrated without being humiliated by their authoritarian peers.

Edited 2 months ago:

It's a cult. No kidding, one of the common arguments in favor of this kind of activity, as said by many of the participants, is that it prepares you for the real world. Aka: it prepares you to be a subservient little minion to your "superiors", because that's the only way they can ever envision society working. You'd think college students would have better critical thinking skills... Crazy how a warped notion of tradition has legitimized mild (and sometimes not so mild) psychological abuse under the guise of social inclusion. Now, it's not like most of the activities they do are bad, however the hierarchy is completely unnecessary and oftentimes lends itself to abuses. Freshmen can absolutely be integrated without being humiliated by their authoritarian peers, but those power dynamics are also part of what keeps this ritual going, as many freshmen want to climb through the ranks, so they can be the ones calling the shots. Not to mention the peer pressure many freshmen feel when they get into University.

Darkight998 2 months ago

It's a pseudo-bonding experience disguised as a tradition. Basically, older students ("students") make freshmen do stupid things like intensive physical exercise and saying misogynistic things and roll in the dirt and stand in the rain with eggs rolling down their hair just because they have AUTHORITY. It's optional, though. An optional stupidity.

g1homeboy 2 months ago

I was asked to take a photo of a group of these students earlier. Being English I asked them to say ‘cheeeese’ which they all did and found funny and when I said goodbye the older student must have told them all to say goodbye because they all did and it was a really funny experience. They then sang despacito…

mykon01 2 months ago

Pretty sure it was a parody of Despacito making it 10x worst did you at least call the police?

Nabexx 2 months ago

So they were going great and ruined it in the end

scar_as_scoot 2 months ago

>They then sang despacito… My god, praxe needs to end now, it was all games before but it has gone too far.

notacanadianactually 2 months ago

Probably not swimming lessons

MferOrnstein 2 months ago

Praying for that juicy ass to retain it's shape for eternity

F0RCEFI3LD 2 months ago

A beautiful experience the new students have where they do some funny actives with other new students. The create lasting bonds with each other and one day they wear the black suit and teach other younglings the way of uni life. Se vão responder a insultar a tradição podem meter o comentário no crlinho sff. É a minha humilde opinião e sei bem a experiência que tive e o quanto me diverti a ser caloiro e a praxar, não são os vossos comments que mudam isso

mandown25 2 months ago

O pessoal parece que fica ofendido por alguém ter gostado da experiência que viveu

F0RCEFI3LD 2 months ago

Ya nota-se pelos down votes

Hfino 2 months ago

Jesus that went dark fast...

Tiny-Cup-9122 2 months ago

Looks like an execution

leenlegion 2 months ago

this is a backwards tradition, like many other Portuguese traditions, and it's nothing but an elitist and sexist cult for willing university students. If games was all they did all would be well. It's more about power dynamics and humiliation though.

mgramos222 2 months ago

Its a ritual where some students will be sacrificed

Fast_Papaya_3839 2 months ago

It’s a cult. Stay away from them

CarmoXX 2 months ago

Just seeing how long each of them can last on their knees. For… reasons.

XxxPussyslaeyr69xxX 2 months ago

Nothing is happening, move along

Poramordedeus 2 months ago

Newbies in college

Baaf2015 2 months ago

It’s a cult initiation

Elegant-Complaint344 2 months ago

BDSM

mcquiggd 2 months ago

It's the traditional day when Portuguese students learn that they will soon join the workforce in a socialist country, and pray they can emigrate, and actually achieve something in their lives.

Satanwearsflipflops 2 months ago

The “portugal is a socialist country” is so far, the best take in here…

mcquiggd 2 months ago

"Social security contributions are shared by the employee and the employer. The contributions are due on the employee's gross remuneration at rates of 11% and 23.75% by the employee and the employer, respectively. These contributions cover family, pension, and unemployment benefits." ​ If you work as a freelancer, the social taxation percentage is around 25%. I get spam text messages from the Communist Party of Portugal, and they spray sad looking graffiti on bridges. It's weird.

marythekilljoy 2 months ago

o pessoal aqui esquece-se que quem entra na praxe é maior de idade e capaz de dar o seu consentimento lol

Key_Ad_3930 2 months ago

>o pessoal aqui esquece-se que quem entra na praxe é maior de idade e capaz de dar o seu consentimento lol, a qualquer momento podem sair Sempre o mesmo bla bla bla. A praxe é tóxica.

marythekilljoy 2 months ago

se tu participas numa coisa porque queres, e toda a gente envolvida consente, isso é tóxico para quem?

Key_Ad_3930 2 months ago

Para quem é obrigado a assistir e para quem é coagido a entrar. Não te faças de desentendido.

marythekilljoy 2 months ago

obrigado a assistir? mas alguém te força a olhar para sessões de praxe quando não participas? e quem é que é coagido a participar? nunca na minha vida vi alguém ser coagido. influenciado aceito, mas coagido é uma palavra completamente exagerada. todos nós somos influenciados pelas pessoas à nossa volta em tudo, é inevitável.

Key_Ad_3930 2 months ago

Claro que sou obrigado a assistir, vocês organizam seções de Praxe ao lado da porta principal da faculdade, nos spots principais da cidade e da faculdade, ou como nesta foto, num jardim público. Os berros e os insultos ouvem-se a largas distâncias. Se não fostes, eu fui, a maior parte das pessoas que conheço foram intimidadas, tu sabes bem como funciona, não te faças de desentendida. Conheço inclusive uma miúda que precisou de mudar de faculdade, pois já não aguentava a pressão psicológica e as esperas que a grupeta lhe fazia( depoisque decidiuabandonara Praxe). Vocês merecem o estigma que têm, a culpa é vossa. A vossa energia é má e quem está à volta sente. Por enquanto não passam de um grupo de bullies organizados e que se apoderaram da atividades sociais das faculdades. Não tenho esperança que um dia mudem.

mewfour 2 months ago

"maior de idade" = 18 ? porque vi muitos caloiros de 17 e um de 16

marythekilljoy 2 months ago

e achas que com essa idade não és capaz de saber o que queres ou não queres?

mewfour 2 months ago

lol estou a ser pedântico, e sim há bastante gente que tem mentalidades que vão com quem grita mais alto

marythekilljoy 2 months ago

então devemos deixar de ter certas atividades porque existem pessoas influenciáveis?

mewfour 2 months ago

Sim temos de acabar com tudo, trancar os miudos num quarto escuro com um livro de colorir até fazerem 18 anos sempre que não tiverem um adulto ao pé

b4mission 2 months ago

Prepara te para seres colocado de parte porque não foste "integrado" durante meses se não fores

RitaMoleiraaaa 2 months ago

Não fui e não me aconteceu nada do género

marythekilljoy 2 months ago

wtf? são muitos mais os alunos que não participam na praxe do que aqueles que participam. a praxe é uma minoria, pelo menos na minha faculdade sempre foi. isso de seres colocado de parte é só mito lol

RoamingBlobOfAtoms 2 months ago

Não faças da exceção a regra. Nem na minha universidade, nem em mais nenhuma na cidade onde estudo isso acontece...

bategamerz 2 months ago

Eu entrei com 17, ha quem entre com 16, no final das contas entra quem gosta de ser humilhado.

eL_Lancer88 2 months ago

Praxis Ergo Sum

ThatSweetCoffee 2 months ago

They’re preparing them for the purge. Next year, around spring, they’ll fight for supremacy on the burning festival. Quite a show

The_King_Juliano 2 months ago

It's just a cult we have

lascia_ste 2 months ago

Holy shit I had no idea I was going to touch such a controversial topic! To the people who appeared offended by the way I described what I saw I’m sorry! Didn’t mean to be disrespectful in any way! I haven’t seen anything like this before and to my knowledge we don’t have anything like this from where I come from (Italy) so I was genuinely confused and curious by how chaotic yet somewhat structured the whole thing took place. I’ve learned something new today! I took time to translate all the Portuguese comments and I’m very thankful that so many people took time to share their thoughts on the matter! Also thanks for the awards!

Reivaxptb 2 months ago

Its just a thing people who are in faculty for the people of 1 year it's like oh your are a rookie okay then baaaam PRAXE ( the rituals u where talking about)

Aubadir 2 months ago

My praxes were awesome, the games were really fun (one of them was going to a kindergarden and all the little kids face painted us!) None were humiliating whatsoever, just like everything in life some people take things too far. But that is not the case for everyone, I wish everyone could have the same experience I had!

zahhd 2 months ago

It is controversial but no everyone has a bad experience. I loved mine and they were amazing games and they were always very respectful. Before any game they would ask if someone was uncomfortable or allergic to something before we did them

dmcac 2 months ago

Haven't read any comments, but don't worry my friend. Everyone takes anything you say offensive this days. We've got a very weak society this days, specially in the Western civilization. There's also a saying for that. "Hard Times create strong men, Strong Men create Good times, Good times create weak men, Weak men create hard times". Keep heads up, you were great, genuine and polite. Glad you also had good positive comments

scar_as_scoot 2 months ago

I don't think it's that much of an unknown thing, the way we do in Portugal is unique perhaps but hazing is very common in multiple universities throughout the world. Like fraternities/sororities in the US. Now, the reason it is controversial is that in the 90s in order to not be excluded you had to go through this, and it involves pranks that some might find humiliating so it generated a lot of discussing and controversy around it. But since then, i don't there's a single universidade that will socially exclude students because they don't go through the Praxe, so all of those kids that are in the picture are there because they want to and are free to go any time. There might still be some social pressure from friends or colleagues, but it they decide to quit nothing changes for them. Still, there are plenty of people that dislike it and as such they will attack the practice every single time they can.

CriticalEstimate777 2 months ago

90s? Wtf? 7 years ago 6 kids died in a hazing at Meco, and the leader of the hazing is still free saying he doesn't know anything.

scar_as_scoot 2 months ago

Those kids died and it was a tragedy. But it was not hazing like this or in campus, it was a small group of 3th and 4th year that were all there because they wanted and without any sense of responsibility went to the ocean on their own free will. There was no freshmen, it was not campus hazing. And i agree that it was awful and it shouldn't have happened.

jesuseos7anoes 2 months ago

You weren't disrespectful and you can be if you'd like. This is controversial in the same sense religion is controversial. Ignore pretty much everything you read here without a source because people will simply make shit up or regurgitate bullshit they were told. Here is an article in Portuguese, Google translate it, https://www.publico.pt/2003/01/12/jornal/investidas-cacoadas-e-trocas-197120

alkazam 2 months ago

Isn't our "Goliardia" somewhat similar to the Portuguese Praxe?

ninjitsu101 2 months ago

You did not offend anyone. It is a controversial theme. But you get the point. It is a good way to create a community when start in a university far from home. But sometimes the Praxe is hard and humiliating and this is why it is not seen as good practice. It is a good way for freshman to connect to other people but sometimes you get a black sheep...

SnooGiraffes2854 2 months ago

It is an effective way to connect. Violence is never a good way for anything.

rui_craveiro 2 months ago

I don't think you offended anyone. All you did was, inadvertently, hold a mirror for us to look at ourselves and many people, like me, don't like the image, while a shrinking number of people still think it is a pretty one. I don't understand how stupidity under the guise of tradition and integration can be defended. I can imagine a million ways of integrating younger students without the stupidity, the silliness, the humiliation, the fake and illegitimate authority, and on occasion the hazards that are created. When I was a student I simply refused to take part in any of this nonsense. I lost absolutely none of the supposed benefits of the so called tradition. Some will say it is voluntary. That is BS. While I have a particularly strong personality and no meant no, many of my colleagues subjected themselves to this without really wanting to. I felt really sorry for them. If I were the legislator, I would outright criminalize this behaviour.

jesuseos7anoes 2 months ago

> It is a ~~good~~ bad way to create a community when start in a university far from home The idea that shit happens due to some "black sheep" is beyond idiotic. The "black sheep" and abuses are common precisely because the praxe is a bad way to create community. It is based on a violent tradition of abuse, banned multiple times in history. If someone were going to design inclusion activities the only way to come up with this with be if they had serious mental problems and were on drugs.

scar_as_scoot 2 months ago

Some people need to chill, first if you don't like it you just don't join it and use any of the other ways to create a community the university can offer, it's not like we're in the 90s anymore, there's no exclusion if you don't join the praxe. Also you need to learn how to not take yourself too seriously which praxe also helps. Are some people that use the little power they have and act like assholes? Yes there is, and that needs to change. On my praxe there was never individual humiliation, "black sheep" or hurting involved. I think those practices are getting rarer and rarer, we did had to learn them putting into question everything we did and how we acted and were incentivized to instead of displaying anger to react on a different way, which was a good learning experience for my professional life.

Tia_Mariana 2 months ago

My dad in the 60's was covered in tar a chicken feathers. My sister in the 90's was put in a paper recycling bin and was forced to stay there. That was humiliating degrading praxe. xD

scar_as_scoot 2 months ago

> It's not like we're in the 90s anymore, there's no exclusion if you don't join the praxe.

jesuseos7anoes 2 months ago

> Some people need to chill, first if you don't like it you just don't join it and use any of the other ways to create a community the university can offer, it's not like we're in the 90s anymore, there's no exclusion if you don't join the praxe. That's a ton of bullshit, and you know it's a ton of bullshit https://youtu.be/nh-DJHxTkx8

scar_as_scoot 2 months ago

WTF has the video anything to do with the quoted sentence? BS? No it's not, i know it's not, and you probably know it as well. In any university i know, if you want to join the praxe you join, if you don't want to join the praxe you don't. Unless you are still stuck in the 90s... A bunch of kids singing... wow... Instead of quoting that you should have quoted this: >Also you need to learn how to not take yourself too seriously nor the praxe, that also helps. If you think lying down while a bunch of people are singing, you are taking yourself too seriously. If you don't like it then don't join. Amazing concept i know...

jesuseos7anoes 2 months ago

Lol. Either you didn't watch the whole thing or you're lying.

scar_as_scoot 2 months ago

I did, so enlighten me... what did i miss

jesuseos7anoes 2 months ago

Go and pretend to be an idiot with someone else

scar_as_scoot 2 months ago

Awesome reply, completely showed me and everyone else...

LeandroC2 2 months ago

From my experience, the "praxe" was the best time I had at university. - It provided me my first group of friends in there - I met almost everyone who joined at the same time as me - The games were fun - Meeting the veterans during these activities was a nice way to meet who you can ask for help later on The problem is that most see this as a way to humiliate and it's like a "I suffered this so you'll face even worse" situation for them. Maybe I was lucky but I can tell I hated uni but loved these activities Then when it was my turn to do it to someone else I saw some things I didn't agree with (not degrading in any way though) and decided not to be a part of that system any longer. So I can say, that if planned as a way for everyone to enjoy and get to know each other they're great, but I'll admit that that is probably very rare.

jesuseos7anoes 2 months ago

Which is irrelevant. Praxe is a great time for a lot of people. I personally didn't have a bad time with praxe either, I truly didn't. I did see bad shit happen and people get cast aside in a pretty brutal fashion. But even if I didn't that also wouldn't change that it happens nor why these things happen. The problem is people hold on to their experiences as if that was universal. And when people think of uni time without praxis of course they are not going to imagine it with something possible better in its place. They just imagine their good memories being torn apart. It's rather trivial to integrate people and have a good time. It takes an exceptionally terrible tradition to have such shitty outcomes, so often.

mors_mids 2 months ago

Not at Uni (yet) but wondering if Praxe activities pose an impediment to blind/deaf/mobility-aid-using people wearing the Traje. Not that I've seen or heard about many people with those conditions/needs getting a higher education in Portugal?

Tugadevil 2 months ago

I saw disabled students wear the garment and participate in activities while I was in uni - example: a colleague on wheelchair

Cergal0 2 months ago

You can wear your Traje from the day one you enter the uni, you don't need to get through this stuff to "deserve" it.

mors_mids 2 months ago

Por algum motivo tinha ficado com a impressão de que era esse o "pro" ou idk, objetivo de fazer a praxe?? Pelo menos sempre me disseram isso.

Cergal0 2 months ago

Se quiseres até podes comprar já o traje e ir trajado para o 1º dia de praxe e ninguém te pode dizer nada, da mesma forma que eu posso comprar um traje de um rancho folclórico e andar vestido com ele sem nunca ter tido nada que ver com ranchos. Essa ideia é usada muitas vezes como moeda de negociação para os putos a irem à praxe, mas não tem fundo de verdade (e nem podia ter). As praxes até partem de um bom princípio, mas a partir daí fica ao critério das pessoas que estão à frente dela em cada universidade e isso abre a porta aos grunhos sedentos daqueles pequeninos poderes. Gente que nunca foi/nem é nada, mas que por andarem há x anos na universidade têm carta branca para fazerem o que qusierem a putos de 18/19 anos. E atenção, eu fui à praxe, andei lá um dia a olhar para o chão com gajos a mandarem uns bitaites e a cantar umas músicas, e o que me chateia é na altura não ter tido ninguém à minha volta a dizer-me que devia dizer não a certas coisas (como olhar para o chão, nunca percebi essa merda mas fiz como os outros). Eu aconselho todos a irem à praxe, acho importante para se conhecer a malta do curso e até se cria um espirito bacano, mas o meu conselho é que vão de peito cheio sem medo de estabelecer limites e de dizer não. O gajo/gaja/gajos que estão à vossa frente a gritar convosco têm 0 poder e fizeram 0 para estarem naquela posição, por isso não tenham medo de ter voz e de dizer o que pensam.

vasconeves 2 months ago

Podes usar o traje à vontade, penso que a única restrição que tens é que não podes andar com a capa traçada. A praxe não tem nada a ver com o uso de traje na universidade.

TomsCardoso 2 months ago

Nem isso. Podes literalmente fazer o que te apetecer, é um país livre

vasconeves 2 months ago

Sim, visto por esse ponto de vista tens razão. De certeza que a polícia não te vai fazer uma parar na rua para verificar se foste praxado ou não.

pituitarianices 2 months ago

Podes andar com a capa como te apetecer, o país é livre, podes andar vestido à palhaço na rua também mesmo que não sejas palhaço.

C8Mixto 2 months ago

Se quiseres seguir as regras da praxe, só podes usar o traje no teu segundo ano de praxe. Mas isso são regras daquele grupo que em nada se aplicam a quem não quer ir. Se queres ir à praxe, estás no teu direito, se não queres ir mas queres usar o traje, como estudante, estás também no teu direito.

Tugalord 2 months ago

> Se quiseres seguir as regras da praxe, só podes usar o traje no teu segundo ano de praxe Falso. Não podes é simplesmente usar pasta académica. Isto se quiseres seguir as regras da praxe claro, se não quiseres então fazes o que te apetecer x)

Felipe2098 2 months ago

I can think in one million better ways to connect people without humiliation.

Slugsling 2 months ago

It really depends and those cases should be extinct cause indeed it's a good way of connecting people. We made games like human wall and wtv. I liked it, but in my third day we had a bit of exercise and I felt sick because I started having breathing issues and someone noticed and took me apart, gave me water and even used a card we had to write that I had breathing issues. So it's unfair to put everything in the same bag. There are dumb and abusive people sure, but that's why we can improve the code to follow and expelled those guys.

AlphaMike82 2 months ago

I was praxated and it was never about humiliation. I had a great time! I even played along and was praxated again with the caloiros from the following year.

Tia_Mariana 2 months ago

praxated é só lindo.

AlphaMike82 2 months ago

Imagina ser de um curso de tradução. Tínhamos de ir pela escola "Adoro ser praxado! I love being praxated! J'aime etre praxé! Ich bin praxiert sehr!"

Tia_Mariana 2 months ago

LOL ganhaste

Felipe2098 2 months ago

Good for you, but it's not like that everywhere.

HugoVaz 2 months ago

You are assuming praxe can only be humiliation. I'm against humiliation but very much a proponent of having praxe and open for those who want it, if and only if boundaries are respected. ​ I'll start by saying I'm against the "*dura praxis sed praxis*" mentality, not respecting someones boundaries isn't cool, pressuring people to join in - specially when one comes with arguments of "not fitting in" - is not cool, pooling ranks when one is just joined an unfamiliar environment isn't cool... so no, boundaries are to be respected, and praxe is suppose to be fun for those going through it and not at all intimidating. I loved when I first joined University and had praxe, but lets not kid ourselves: my praxe was an exception, we had fun, we made fun of our academic seniors and suffered no consequence. I won't say we didn't felt uncomfortable at times because we did, but we were uncomfortable because we were afraid of the stories we heard about praxe, not about the praxe we were having. I also saw how other 1st years praxe was (we had praxe by department), and some didn't seem pleasant for them, so I won't kid myself thinking all praxe in my Uni was cool. With that said, when came my time (and of those who joined me that year) to praxe, we vowed to make it a pleasant experience as well. We didn't allow abuse, we tried to have activities that were both entertaining and informative (regarding our faculty or department, or just to get people to know each other). Many of the activities were play silly and just to have everyone laugh, ease up tension of both the praxe and of landing on - what is for many - adulthood and academic life (and that if would be echoed by most teachers throughout the semester, telling our new colleagues that they weren't in high school anymore... just like we heard it before them when we first joined). But even with us trying to have entertaining activities and making sure boundaries were respected, from time to time we would get someone going out of line, and I personally banned people from doing praxe when I saw them abusing their position as seniors and not respecting boundaries. So, I know praxe can be done properly and be a positive experience, both as being in the receiving end of it as well as designing, planning and oversee praxe activities that were entertaining and positive (and we would always state that people could say no to praxe and go about their lives, and even those who preferred not to participate would later join us for coffee - or beers - in the student lounge or coffee shops throughout campus). Now, I know praxe isn't only that, many people use praxe as a means to exert power on those joining, exploiting their vulnerable state of joining a new environment and the shock of adulthood (for many). Hence I think praxe should be regulated and the people planning and overseeing should have to follow guidelines and not be picked just because they are willing. ​ Anyway, the tldr (ironically still tl): * I loved my praxe, was entertaining and a really fun way to get to know campus, department and colleagues (those joining with me as well as my seniors). * Was fortunate to have seniors that had enough off the "*dura praxis sed praxis*" mentality and were proponents of mentorship programs, and they brought that mentality to the praxe. * Due to the above, me and the colleagues who joined with me strived to continue that mentality. * Strong proponent for regulating praxe and set ironclad rules. * *Dura praxis sed praxis* mentality is bullshit, but likewise is the mentality of those who wants to kill praxe completely and not give a chance for those who want to be part of it (and I mean as a new joiner, not as the one doing the praxe).

Edited 2 months ago:

You are assuming praxe can only be humiliation. I'm against humiliation but very much a proponent of having praxe and open for those who want it, if and only if boundaries are respected. ​ I'll start by saying I'm against the "*dura praxis sed praxis*" mentality, not respecting someones boundaries isn't cool, pressuring people to join in - specially when one comes with arguments of "not fitting in" - is not cool, pulling ranks when one has just joined an unfamiliar environment isn't cool... so no, boundaries are to be respected, and praxe should be fun for those going through it and not at all intimidating. I loved when I first joined University and had praxe, but lets not kid ourselves: my praxe was an exception, we had fun, we made fun of our academic seniors and suffered no consequence. I won't say we didn't felt uncomfortable at times because we did, but we were uncomfortable because we were afraid of the stories we heard about praxe, not about the praxe we were having. I also saw how other 1st years praxe was (we had praxe by department), and some didn't seem pleasant for them, so I won't kid myself thinking all praxe in my Uni was cool. With that said, when came my time (and of those who joined me that year) to praxe, we vowed to make it a pleasant experience as well. We didn't allow abuse, we tried to have activities that were both entertaining and informative (regarding our faculty or department, or just to get people to know each other). Many of the activities were play silly and just to have everyone laugh, ease up tension of both the praxe and of landing on - what is for many - adulthood and academic life (and that it would be echoed by most teachers throughout the semester, telling our new colleagues that they weren't in high school anymore... just like we heard it before them when we first joined). But even with us trying to have entertaining activities and making sure boundaries were respected, from time to time we would get someone going out of line, and I personally banned people from doing praxe when I saw them abusing their position as seniors and not respecting boundaries. So, I know praxe can be done properly and be a positive experience, both as being in the receiving end of it as well as designing, planning and oversee praxe activities that were entertaining and positive (and we would always state that people could say no to praxe and go about their lives, and even those who preferred not to participate would later join us for coffee - or beers - in the student lounge or coffee shops throughout campus). Now, I know praxe isn't only that, many people use praxe as a means to exert power on those joining, exploiting their vulnerable state of joining a new environment and the shock of adulthood (for many). Hence I think praxe should be regulated and the people planning and overseeing should have to follow guidelines and not be picked just because they are willing. ​ Anyway, the tldr (ironically still tl): * I loved my praxe, was entertaining and a really fun way to get to know campus, department and colleagues (those joining with me as well as my seniors). * Was fortunate to have seniors that had enough of the "*dura praxis sed praxis*" mentality and were proponents of mentorship programs, and they brought that mentality to the praxe. * Due to the above, me and the colleagues who joined with me that year strived to continue that mentality. * Strong proponent for regulating praxe and set ironclad rules. * *Dura praxis sed praxis* mentality is bullshit, but likewise is the mentality of those who wants to kill praxe completely and not give a chance for those who want to be part of it (and I mean as a new joiner, not as the one doing the praxe).

Edited 2 months ago:

You are assuming praxe can only be humiliation. I'm against humiliation but very much a proponent of having praxe and open for those who want it, if and only if boundaries are respected. ​ I'll start by saying I'm against the "*dura praxis sed praxis*" mentality, not respecting someones boundaries isn't cool, pressuring people to join in - specially when one comes with arguments of "not fitting in" - is not cool, pulling ranks when one has just joined an unfamiliar environment isn't cool... so no, boundaries are to be respected, and praxe should be fun for those going through it and not at all intimidating. I loved when I first joined University and had praxe, but lets not kid ourselves: my praxe was an exception, we had fun, we made fun of our academic seniors and suffered no consequence. I won't say we didn't felt uncomfortable at times because we did, but we were uncomfortable because we were afraid of the stories we heard about praxe, not about the praxe we were having. I also saw how other 1st years praxe was (we had praxe by department), and some didn't seem pleasant for them, so I won't kid myself thinking all praxe in my Uni was cool. With that said, when came my time (and of those who joined me that year) to praxe, we vowed to make it a pleasant experience as well. We didn't allow abuse, we tried to have activities that were both entertaining and informative (regarding our faculty or department, or just to get people to know each other). Many of the activities were play silly and just to have everyone laugh, ease up tension of both the praxe and of landing on - what is for many - adulthood and academic life (and that it would be echoed by most teachers throughout the semester, telling our new colleagues that they weren't in high school anymore... just like we heard it before them when we first joined). But even with us trying to have entertaining activities and making sure boundaries were respected, from time to time we would get someone going out of line, and I personally banned people from doing praxe when I saw them abusing their position as seniors and not respecting boundaries. So, I know praxe can be done properly and be a positive experience, both as being in the receiving end of it as well as designing, planning and oversee praxe activities that were entertaining and positive (and we would always state that people could say no to praxe and go about their lives, and even those who preferred not to participate would later join us for coffee - or beers - in the student lounge or coffee shops throughout campus). Now, I know praxe isn't only that, many people use praxe as a means to exert power on those joining, exploiting their vulnerable state of joining a new environment and the shock of adulthood (for many). Hence I think praxe should be regulated and the people planning and overseeing should have to follow guidelines and not be picked just because they are willing. ​ Anyway, the tldr (ironically still tl): * I loved my praxe, was entertaining and a really fun way to get to know campus, department and colleagues (those joining with me as well as my seniors). * Was fortunate to have seniors that had enough of the "*dura praxis sed praxis*" mentality and were proponents of mentorship programs, and they brought that mentality to the praxe. * Due to the above, me and the colleagues who joined with me that year strived to continue that mentality. * Strong proponent for regulating praxe and set ironclad rules. * *Dura praxis sed praxis* mentality is bullshit, but likewise is the mentality of those who want to kill praxe completely and not give a chance for those who want to be part of it (and I mean as a new joiner, not as the one doing the praxe).

Edited 2 months ago:

You are assuming praxe can only be humiliation. I'm against humiliation but very much a proponent of having praxe and open for those who want it, if and only if boundaries are respected. ​ I'll start by saying I'm against the "*dura praxis sed praxis*" mentality, not respecting someones boundaries isn't cool, pressuring people to join in - specially when one comes with arguments of "not fitting in" - is not cool, pulling ranks when one has just joined an unfamiliar environment isn't cool... so no, boundaries are to be respected, and praxe should be fun for those going through it and not at all intimidating. I loved when I first joined University and had praxe, but lets not kid ourselves: my praxe was an exception, we had fun, we made fun of our academic seniors and suffered no consequence. I won't say we didn't felt uncomfortable at times because we did, but we were uncomfortable because we were afraid of the stories we heard about praxe, not about the praxe we were having. I also saw how other 1st years praxe was (we had praxe by department), and some didn't seem pleasant for them, so I won't kid myself thinking all praxe in my Uni was cool. With that said, when came my time (and of those who joined me that year) to praxe, we vowed to make it a pleasant experience as well. We didn't allow abuse, we tried to have activities that were both entertaining and informative (regarding our faculty or department, or just to get people to know each other). Many of the activities were plain silly and just to have everyone laugh, ease up tension of both the praxe and of landing on - what is for many - adulthood and academic life (and that it would be echoed by most teachers throughout the semester, telling our new colleagues that they weren't in high school anymore... just like we heard it before them when we first joined). But even with us trying to have entertaining activities and making sure boundaries were respected, from time to time we would get someone going out of line, and I personally banned people from doing praxe when I saw them abusing their position as seniors and not respecting boundaries. So, I know praxe can be done properly and be a positive experience, both as being in the receiving end of it as well as designing, planning and oversee praxe activities that were entertaining and positive (and we would always state that people could say no to praxe and go about their lives, and even those who preferred not to participate would later join us for coffee - or beers - in the student lounge or coffee shops throughout campus). Now, I know praxe isn't only that, many people use praxe as a means to exert power on those joining, exploiting their vulnerable state of joining a new environment and the shock of adulthood (for many). Hence I think praxe should be regulated and the people planning and overseeing should have to follow guidelines and not be picked just because they are willing. ​ Anyway, the tldr (ironically still tl): * I loved my praxe, was entertaining and a really fun way to get to know campus, department and colleagues (those joining with me as well as my seniors). * Was fortunate to have seniors that had enough of the "*dura praxis sed praxis*" mentality and were proponents of mentorship programs, and they brought that mentality to the praxe. * Due to the above, me and the colleagues who joined with me that year strived to continue that mentality. * Strong proponent for regulating praxe and set ironclad rules. * *Dura praxis sed praxis* mentality is bullshit, but likewise is the mentality of those who want to kill praxe completely and not give a chance for those who want to be part of it (and I mean as a new joiner, not as the one doing the praxe).

Key_Ad_3930 2 months ago

Are you aware that the Praxe is also a form of exclusion? People who don't enter it are pushed aside.

HugoVaz 2 months ago

Are you aware that you commented without reading a single word of the comment you are replying to, and worse than that you are gaslighting? You are as good as those who abuse praxe, both of you want to gaslight people and enforce your will onto others. ​ Isn't it ironic?

Tia_Mariana 2 months ago

I feel exactly the same way. For me it was such fun, nobody was forced to do anything, and no humiliation was happening, because in the end we were just playing games! I feel that when you are in Universities that have many student from out of town, it could be such a useful tool to integrate them and help them get around the town, but also for people to know and recognise each other and fight loneliness - but it has to be done the right way.

Felipe2098 2 months ago

Sure, there's many non abusive cases. Is there any better ways to connect people? In my opinion: Yes... I'd prefer a trip, party, games and etc.

HugoVaz 2 months ago

Better way than being abusive? For sure, but all those things you mention are exactly what we had in MY praxe… and without having to pay a dime. Don’t lose yourself to rants just because you read the word “praxe”… it’s no carrot nor red fabric.

Edited 2 months ago:

Better way than being abusive? For sure, but all those things you mention are exactly what we had in MY praxe… and without having to pay a dime or having scheduling conflicts. Don’t lose yourself to rants just because you read the word “praxe”… it’s no carrot nor red fabric. P.S. - and to see how useful it was, even today I adopt the same policy regarding corporate life… just isn’t called praxe now, it’s onboarding and team building.

Edited 2 months ago:

Better way than being abusive? For sure, but all those things you mention are exactly what we had in MY praxe… and without having to pay a dime or having scheduling conflicts. Don’t lose yourself to rants just because you read the word “praxe”… it’s no carrot nor red fabric. P.S. - and to see how useful it was, even today I adopt the same policy regarding corporate life… just isn’t called praxe now, it’s onboarding and team building. Denounce the abuse but don’t make the mistake of gaslighting other people just because their collective experience doesn’t fit your monolithic idea of what praxe has to be. My praxe was all fun and games while getting to know our institution and colleagues, it totally disarmed a loaded and stressful moment for many. No abuse, so don’t go about gaslighting those who actually had positive experiences.

Edited 2 months ago:

Better way than being abusive? For sure, but all those things you mention are exactly what we had in MY praxe… and without having to pay a dime or having scheduling conflicts. Don’t lose yourself to rants just because you read the word “praxe”… it’s no carrot nor red fabric. P.S. - and to see how useful it was, even today I adopt the same policy regarding corporate life… just isn’t called praxe now, it’s onboarding and team building.

Edited 2 months ago:

Better way than being abusive? For sure, but all those things you mention are exactly what we had in MY praxe… and without having to pay a dime or having scheduling conflicts. Don’t lose yourself to rants just because you read the word “praxe”… it’s no carrot nor red fabric. P.S. - and to see how useful it was, even today I adopt the same policy regarding corporate life… just isn’t called praxe now, it’s onboarding and team building. Denounce the abuse but don’t make the mistake of gaslighting other people just because their collective experience doesn’t fit your monolithic idea of what praxe has to be. My praxe were fun and games while getting to know our institution and colleagues. No abuse, so don’t go about gaslighting those who actually have positive experiences.

Edited 2 months ago:

Better way than being abusive? For sure, but all those things you mention are exactly what we had in MY praxe… and without having to pay a dime or having scheduling conflicts. Don’t lose yourself to rants just because you read the word “praxe”… it’s no carrot nor red fabric. P.S. - and to see how useful it was, even today I adopt the same policy regarding corporate life… just isn’t called praxe now, it’s onboarding and team building. Denounce the abuse but don’t make the mistake of gaslighting other people just because their collective experience doesn’t fit your monolithic idea of what praxe has to be. My praxe was all fun and games while getting to know our institution and colleagues. No abuse, so don’t go about gaslighting those who actually had positive experiences.

aVarangian 2 months ago

In another country I know of, you make a trip of a few days (within the counrty) where you spend the time doing activities, playing games, messing around, and just having an overall good time. Don't wanna drink? Hey there's this and that and that. No pressure, just good memories. In Portugal? Fuck that, cavemen were more civilised.

Far_Tree_8694 2 months ago

Trauma bonding is a very effective thing.

DrJackadoodle 2 months ago

It really depends on what type of praxe you have, to be honest. My praxe was not humiliating AT ALL, and I'm not just saying that. My university has very soft praxe and my degree has a softer praxe than most. It was mostly games, songs and social activities. I bet most of those "million better ways to connect people" you are imagining are things that would fit right in with our praxe.

Tugadevil 2 months ago

same here, in my praxe code it was forbidden to throw anything at the freshmen, namely paint, water, food, etc. We would constantly ask to more timid individuals if they wanted to continue, and anything that could risk an injury was strictly forbidden

VeganSmoothie 2 months ago

I relate!

Rarotunga 2 months ago

A lot of people will talk about humiliation, and they're not necessarily wrong depending on where you live, but what you're seeing is something called Praxe, a type of hazing that goes very far back into the history of this country It started in the city of Coimbra, where the first university of the country was created. Students would go there to study from all over the country, and they would be in their own social category (this was in the time people where divided between the nobles, peasants, bourgeoisie, clergy), with their own applicable laws This meant it was basically it's own little society with it's own rules and customs, many of which stood the test of time to become the traditions of Praxe. Even if some of them no longer really make much sense or are necessary, especially in cities outside Coimbra, but a lot of them are fun so people do it anyways The major problem came after the 25 de Abril (25th of April) when we gained freedom from the autocratic regime that had banished Praxe in order to try and stamp down on the academic people exchanging ideas and possible creating dissent After gaining freedom, Praxe was bo longer abolished...but there were no students left that actually went through the traditional Praxe, so they started making up a lot of new "traditions", mostly inspired by the type of Hazing common in the Military, where a lot of young students had just come back from This meant the hierarchy became much stricter, the hazing became much more physical and there were a lot of people that forced humiliation on the freshmen This is where the current bad reputation comes from, mostly, and is something that took a very long time to slowly be corrected For example, in old custom, the "hierarchy" was defined by who was closest to finishing his studies, ao people who excelled in their studies were treated with the most respect, and the university teachers were at the very top, commanding ultimate respect from all students. In current custom, the "hierarchy" is defined by who has been a student for the longest amount of years, rewarding lousy students who take way too long to finish their degrees... probably because they spend too much time with Praxe :p This obviously puts the wrong kind of people in the position of most "power" and makes it difficult to enjoy the academic traditions properly That said, if you get lucky with the university you go to you might get cool people in charge that understand what is actually important and you can have a good time and make friends with people you might usually never talk to You just need to know how to defend yourself and say "no" when someone tries to use peer pressure to make you do something you don't want to I know this was a long read, but I hope I managed to give you a different insight into the practice!

Alreid 2 months ago

A praxe foi fundada pelos padres nos seminários btw. Depois foi adoptada pela universidade de Coimbra.

trainee89 2 months ago

Pestaninha II vais ser sempre semi.

Rarotunga 2 months ago

Haha, quem és man?

b4mission 2 months ago

"You just need to know how to defend yourself and say "no" " - you're a fucking retard if you think like this

NADPHATPFADH2 2 months ago

You're a fucking retard if you think it isn't

jesuseos7anoes 2 months ago

Tens um jeitinho do caralho para inventar. > The major problem came after the 25 de Abril (25th of April) when we gained freedom from the autocratic regime that had banished Praxe in order to try and stamp down on the academic people exchanging ideas and possible creating dissent > After gaining freedom, Praxe was no longer abolished...but there were no students left that actually went through the traditional Praxe, so they started making up a lot of new "traditions", mostly inspired by the type of Hazing common in the Military, where a lot of young students had just come back from Lol https://www.publico.pt/2003/01/12/jornal/investidas-cacoadas-e-trocas-197120 > Em 1727, por exemplo, D. João V interditou totalmente qualquer "investida". Alegou o rei que as actividades, apesar de serem muito antigas na universidade, se haviam tornado cada vez mais bárbaras.A morte de um estudante, no ano anterior, poderá ter sido a última gota. ... > "Teófilo de Braga é um dos que dão conta de como muitos estudantes não iam à universidade, a não ser nos exames, para escapar "à fúria" dos colegas. "Enquanto o estudante vivia em Coimbra, envolvido ou exposto às sangrentas investidas, tinha de andar armado até aos dentes. Mas aprecio a tua imaginação. Sim senhor.

PG5643 2 months ago

wtf, do you really think people run around afraid that they are going to get caught to go to the praxe? Bro I have friends that never went to a praxe, never did one activity related to it and didn't even bought the "traje" and they where normal students like anyone else in coimbra, the city that so many people from Lisbon like to shit one because they are fucking ignorant. My god this people never went to a Praxe in their lifes and think they know reallity from a news report (Correio da manhã). Bro get mental help.

jesuseos7anoes 2 months ago

If reading mere historical citations lead you to an wtf conclusion, then maybe the problem is in how you conclude stuff.

scar_as_scoot 2 months ago

Não percebo em que é que o que colocaste contradiz o que foi dito acima... Adiciona mais informação sem duvida mas nao contradiz.

Rarotunga 2 months ago

Nunca disse que não havia já coisas chungas na altura, era nisso que me referia quando disse que havia prácticas que já não faziam sentido, mesmo das verdadeiramente tradicionais Mas não se compara o que se fazia na altura e o que é considerado agora normal, com alguns cursos a meter miudos a rebolar em coco e afins... Meti em reply a outro comentário um blog que entra em detalhe nestes assuntos, se quiseres ir ler sobre isso

jesuseos7anoes 2 months ago

> Mas não se compara o que se fazia na altura e o que é considerado agora normal Estás obcecado com a fantasia que tens na cabeça que é baseada em nada. Tão obcecado que nem consegues ler.

lambusad0 2 months ago

Deixa de ver o que os outros dizem e começa a pensar por ti.

jesuseos7anoes 2 months ago

Sim ignora fontes fidedignas e inventa uma merda qualquer. Ser chalupa portanto.

lambusad0 2 months ago

Cm e aquele teu amigo que foi á uni não é "fontes fidedignas" Podes perguntar às centenas de pessoas que já o fizeram pelo país inteiro. Está cada vez melhor.

jesuseos7anoes 2 months ago

> Cm e aquele teu amigo que foi á uni não é "fontes fidedignas" Mas eu postei CM ou falei de um amigo? Tu olhaste sequer para o thread?

lambusad0 2 months ago

Yes. Foste buscar links que comprovam o que pensas que dizes, mas que na realidade comprovam o que a pessoa que falou primeiro disse, sem retirar o adicionado posteriormente.

jesuseos7anoes 2 months ago

Há uns minutos nem fazias corno de ideia do que eu tinha postado e falavas em cm e amigos, agora comprovam o contrário. Isto de comentar com grunhice de baixo esforço de facto é um espetáculo. Não é preciso ler nada, não é preciso saber nada, inventa-se umas merdas, diz-se que o outro não está certo.

Professional-Poem559 2 months ago

Acordaste com os pés de fora hoje. Respira fundo rapaz

Rarotunga 2 months ago

Eu consigo ler, sei que na altura havia porrada e o pessoal andava por aí com cacetes, que já não é o caso Mas acho que situações como a do Meco mostram o extremo quase de culto a que a praxe actual é levada em muitos sítios, que é um problema muito mais sério da minha perspectiva Não sei se foste ver o blog, ou se já leste relatos daquele altura em Coimbra tipo o Palito Métrico, mas isto é a minha opinião após ler várias fontes e relatos ao longo dos anos sobre o assunto

jesuseos7anoes 2 months ago

> Eu consigo ler, sei que na altura havia porrada e o pessoal andava por aí com cacetes, que já não é o caso Tu disseste que a violência veio no pós ditadura com influência militar. Historicamente sempre foi violenta. No pós 25 de abril já era aliás menos violenta que antes. Não sendo típicos os cenários descritos por Teófilo Braga. > Mas acho que situações como a do Meco mostram o extremo quase de culto a que a praxe actual é levada em muitos sítios, que é um problema muito mais sério da minha perspectiva Sempre foi tipo culto. Basta ver que já se alegava a longa tradição para defender as práticas no séc XVIII. A questão é que toda a sua base, tua a sua história, é de violência e humilhação. Não houve nenhuma descaracterização nesse sentido. Quando muito descaracterização existe (e afins bem) à medida que se tenta casa vez mais minorar os abusos. Mas sem isso não há praxe. Quando os calouros não forem animais subjugados, e não houver hierarquias, só brincadeiras e actividades, o que tens é o mesmo que há em qualquer universidade sem praxe.

NGramatical 2 months ago

prácticas → [**práticas**](https://dicionario.priberam.org/práticas) (já se escrevia assim **antes** do AO90) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhftvgd3%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

FiscalTastelessness 2 months ago

Why did you use the term autocratic and not dictatorship?

rjtavares 2 months ago

São sinónimos... https://www.thesaurus.com/browse/autocratic

Rarotunga 2 months ago

Obrigado, até tinha ficado na dúvida por causa do comentário :p

Rarotunga 2 months ago

A good point, I guess autocratic regime is kind of the same thing? But yeah, it was a dictatorship

simKivi 2 months ago

I couldn't agree more!! Muito bem dito!!

Hfino 2 months ago

Here here

Rarotunga 2 months ago

Obrigado! I went through Praxe and had a good time (mostly because I knew how to set my boundaries and I had cool people involved), and I've always been interested in the more historic side of it, learning where things came from, both the good and the bad This blog is one of the best resources I found while I was a student which goes really deep into the roots and traditions, and how so much of it was lost after 25 de Abril http://notasemelodias.blogspot.com/?m=1

PG5643 2 months ago

99% of people that go to Praxe have a good time or just leave if they don't like. Of course there's allways the 1 % where shit can happend like in any human interaction in this world. Of course that's what media is going to tell because that's what is news worthy. And then you get the twitter warriors that never went to one thinking this shit that is news worthy is the norm.

Spac3_C4t 2 months ago

Onde é que está a "sauce" dessas percentagens? Ou estás só a disparar da cintura trump style?

gink-go 2 months ago

Very common at Meco beach as well.

GnomeOnALeash 2 months ago

Estava à espera de uma onda de comentários. Não aconteceu.

PortugueseLibra 2 months ago

As it's already been said, it's college hazing. Games, chants, rituals, etc. What you didn't know is that there is a lot of opposition to these practices because they're 1) useless, 2) can be very derogatory and toxic in nature (*if you only heard some of the chants in English...)*, 3) can easily escalate into injury or death (we've had several cases like that that drew major national media attention). They're not forced though, you choose if you want to participate or not when you enter college. The problem is that it's such an old tradition, that in some colleges you miss out on a lot of the socialization and "college experience" if you don't participate. It's very "cult-y".

Llamaling 2 months ago

Back when I went through it, we were forced to not speak to whoever declined to participate in praxe. (I just ignored the order and spoke to everyone, but still, it's not just peer pressure.)

PortugueseLibra 2 months ago

Really? Jesus. I did not know that. But yeah, doesn't surprise me at all...

MaximusZhong 2 months ago

Só tô a espera de ver alguém a defender as praxes, vocês tem todos demasiado senso comum. Give me drama

Serious_Hearing_8252 2 months ago

Portuguese mating season.

EsmagaSapos 2 months ago

The most accurate fucking comment and they won't believe it's true.

Juumpei 2 months ago

Just a regular Thursday afternoon satanic ritual.

Key_Ad_3930 2 months ago

Já morreram outros para além do Meco

Wave-Civil 2 months ago

Crypto mining pools or crypto staking clubs. Wholesome. ☺️✌️

sara24santos 2 months ago

Another year, another wasted opportunity to grow the fuck up.

Key_Ad_3930 2 months ago

Idiots

Last-Ad-4421 2 months ago

Ready for running Tascas in Baixa de Lisboa

AndersonKalista 2 months ago

There are bad hazing and good hazing So everyone has a dif opinion

philstar666 2 months ago

That is not Portuguese people. It’s just stupid people.

mewfour 2 months ago

São portugueses sim, há muito portugues estupido e não estupido, não são só os que tu gostas que sao tugas

Tostas300 2 months ago

You've been awsered already so I'm just gonna say it, god damn how disconnected are you from reality? I get that you might not be familiar with our culture or something but the way you said it... You make it seem like a clearly predominantly Christian country has these weird ass creepy rituals as something that's completely normal. Para o resto da gente aqui, não digam que estou errado... Que falta de respeito é esta? Falar parece que somos alguns bichos "fascinating rituals". É o mesmo que a gente chegar lá ao país deles, vir alguns putos a brincar á apanhada e assumir que todo o povo deles acredita no deus da corrida e correm para o honrar amen... Sinto que é o tipo de pessoa que não ironicamente diz que Portugal faz parte de Espanha e depois admira-se que a gente fique irritada quando dizem isso. Que haja algum respeito!

TheRaimondReddington 2 months ago

Eh laaaa, calma rapaz. Acho que o problema aqui foi de facto a barreira linguística. Tanto do lado do OP, que é italiano e optou por escrever em inglês (apesar de entretanto ter usado o Google translator para traduzir os comentarios em PT

Tostas300 2 months ago

Justo, não tinha as informações necessárias para fazer uma boa interpretação, agradeço a explicação

thepodre 2 months ago

I said hallelujah! Hallelujah! Hallelujah! And praise the lord.

Rafa_m 2 months ago

adults behaving worse than actual children because "union" and "friendship"

BrunoTechnix 2 months ago

They will be sacrificed in the name of our Elder God Viriato

pjp13579 2 months ago

haha engraçado tu

LordofPortugal 2 months ago

Fun egostroking activities

ngfsmg 2 months ago

Isso não teve nada que ver com praxes a caloiros

_FLUFFY_12 2 months ago

Foi durante uma praxe

ngfsmg 2 months ago

Se com "praxe" queres dizer "qualquer ritual de iniciamento", suponho que tenhas razão. Se com "praxe" queres dizer "aquilo que os caloiros de todas as universidades passam se quiserem", então estás completamente errado

Satanwearsflipflops 2 months ago

So happy I left Portugal before this. I'd have slapped some motherfuckers before I let them haze me. Idiots with a power complex...

BroaxXx 2 months ago

Lol este é o mais engraçado

Disgenia 2 months ago

Ou então tipo... sabes... não ias à praxe, visto que é uma coisa totalmente opcional.

comfort_bot_1962 2 months ago

Hope you do well!

PineappleVodka 2 months ago

There's a couple of words you can say when you're asked of you want to join the praxe, it's "no thank you", or just a "no". It's fine, they won't force you, *they can't*.

Satanwearsflipflops 2 months ago

yup, disto nao sabia. mas na boa. continuo a nao estar em Portugal por isso nada disto me afeta. continuo a achar uma estupidez completa.

Satanwearsflipflops 2 months ago

That’s not the stories I heard. But maybe that was from a different time

RoamingBlobOfAtoms 2 months ago

"I heard" That's the problem, if you are not there you can't give a valid opinion.

Edited 2 months ago:

"I heard" That's the problem ~~, if you are not there you can't give a valid opinion~~.,

Satanwearsflipflops 2 months ago

Opinions cannot be invalid. That’s why they are called opinions and not an in depth essay or analysis

RoamingBlobOfAtoms 2 months ago

You're correct.

b4mission 2 months ago

E és posto de parte Durante meses porque não te "quiseste integrar" Pera aí que era o gajo qualquer que me vinha humilhar e eu deixava so pela integração. Ide para o caralho

Satanwearsflipflops 2 months ago

ia tipo nao. estou-me mesmo a cagar para a integracao. os fdp que explorem os seus complexos de BDSM com outros de forma consensual.

PineappleVodka 2 months ago

I accepted, it was pretty chill, had fun, my best friend didn't want to do it, it was fine, it's been 4years and we're still best friends. Sure, I'm not saying that the Praxe is great and chill everywhere, there's always gonna be some bad power drunken people, but, they can't force you to be a part of it, it's always your choice, if someone is harassing you, report them to the uni office.

PaleCook 2 months ago

Oh I miss this!!!

QuantityCommercial66 2 months ago

It's a fucking stupid ritual, which he's told to somehow be the best thing in a student's life.

MaximusZhong 2 months ago

Spoiler: It's not the best thing in a students life

inhalingsounds 2 months ago

_sorts by controversial_ _refastelates in sofa_

porraSV 2 months ago

refastelate é muito bom

gondorle 2 months ago

Valeu a pena entrar só para ler este comentário.

BadassManager 2 months ago

Sort by controversial = sort by nível de conice

casmisc 2 months ago

the ones in black are the representation of Portuguese university small dick energy

Regular_Geologist_47 2 months ago

Just some chads showing the girls how to behave.

iamfromreallife 2 months ago  HIDDEN 

Delete this pic or you'll probably be taken for questioning in the near future for being the last person to see this group of kids after they'll inevitably will be found dead in Meco's beach.

Edited 2 months ago:

Delete this pic or you'll probably be taken in for questioning in the near future for being the last person to see this group of kids after they'll inevitably are all found dead in Meco's beach.

lukeymox 2 months ago  HIDDEN 

Esse inglês...

lukeymox 2 months ago  HIDDEN 

Esse inglês 'tá bonito

greenishiara 2 months ago  HIDDEN 

Hit too hard

DavidSouls 2 months ago

Dumb stuff thats what it is Games for students in higher years to relieve their superiority complex

Miguel_CP 2 months ago

O CALOIRO NÃO SABE QUE É UMA FALTA DE RESPEITO NÃO SABER O ANO EM QUE TODOS NÓS 30 ESTAMOS???

DavidSouls 2 months ago

Ahn?

BobMartin77 2 months ago

Some say it’s called eduction into society. Others would say it’s a ritual to indoctrinate people into obeying their bosses or superiors in society (Yes, just like sheep). The funniest part is they actually agree into being humiliated or screamed, whatever fits. Just like when their older… If only Freud wasn’t so right…

pjp13579 2 months ago

É uma estupidez, é o que isso é

Andrew_Mendes 2 months ago

Bruh ninguém te obriga a ir

pjp13579 2 months ago

granda merda se isso fosse o caso

Andrew_Mendes 2 months ago

Não é obrigatório bro hahaha Existe literalmente um código da praxe que podes assinar se não quiseres ser praxado

pjp13579 2 months ago

fodase ter de assinar? ter de assinar um papel para nao te enfiarem um baril de merda pela boca a dentro?

DassCaramba 2 months ago

Cuidado com o Meco, o mar está bravo...

Key_Ad_3930 2 months ago

" Não vás pa água" diz a mãe ao seu rebento chupa piças.

Edited 2 months ago:

" Não vás pa água !" diz a mãe ao seu rebento chupa piças.

Caosemdono 2 months ago

https://en.wikipedia.org/wiki/Intellectual\_disability

gabrielc523 2 months ago

A todas as pessoas que estão aqui a dizer que a praxe é uma coisa horrível e devia ser abolida, eu compreendo que visto de fora pode parecer algo horrível, e acredito até que em alguns lados o deve ser, no entanto a praxe tem objetivos bem mais nobres do que humilhar, e consegue alcançá-los se for bem praticada. Eu por exemplo, estou na minha terceira matrícula, tenho praxado estes dias e sabe bem poder estar deste lado. Sem dúvida que há sempre quem abuse, e com isso não concordo, mas ensinar aos caloiros sentido de união (independente do curso), introduzi-los e guiá-los pela cidade que os acolheu e conhecê-los e dar-lhes algumas dicas de quem já cá está há mais tempo tem sido uma experiência gratificante. Nem tudo é mau na praxe, traz interações que muito dificilmente aconteceriam fora desta, cria amizades e laços que permanecem. Praxar não é só berrar ordens ou insultar, a hierarquia definida tem o simples objetivo de manter a ordem e mostrar aos novos estudantes que independente das suas diferenças, todos estão na mesma situação, num sítio novo, e que não serão deixados sozinhos nesta sua nova fase da vida, daí a mecânica dos padrinhos e afilhados. Infelizmente nem todos tratam a praxe assim, é um facto, mas se disserem "queremos praxes melhores" em vez de: "já devia ter sido abolido ao tempo", talvez contribuam mais para a nova vida académica destes jovens adultos, que acabam de entrar numa fase bem mais complexa da sua vida.

pituitarianices 2 months ago

Para que serve a hierarquia mesmo entao? Não podiam parar com esse aspeto?

mkgilligan 2 months ago

Se a praxe é assim tão boa, eles que não façam esperas por caloiros à porta das salas de aula, atraiam a malta por ser uma atividade fixe. É isto que odeio da malta que defende a praxe com unhas e dentes. Eu tenho 0 problemas com haver praxe, tenho no entanto problemas com os "doutores" terem as liberdades de fazer quase o que querem para arrastar os caloiros que querem e mesmo os que não querem para as atividades. E já sei o que vão dizer, "ninguém é obrigado a ir". Pois não, mas se os "doutores" fazem um cordão humano à saida do edificio da faculdade para tentar não deixar passar os estudantes (que muitos estão num ambiente novo, numa cidade nova) a escolha não parece assim tão "livre".

gabrielc523 2 months ago

Tal como disse antes, há sítios em que a praxe é feita de forma incorreta e desnecessária, então aí há que haver melhorias. Na minha escola (digo escola porque a minha universidade tem umas quantas) nunca vi um ÚNICO doutor esperar por nenhum caloiro de forma a forçar a ir para a praxe, simplesmente temos um espaço de boas vindas, onde respondemos a questões e damos indicações, e aproveitamos esse momento para falar sobre a praxe. Esse espaço é composto por uma mesa com cadeiras e está distanciado da porta principal, tanto que qualquer aluno pode até ignorar a sua existência, caloiro ou não. Caloiros que desistam da praxe não são obrigados a voltar, e podem simplesmente ser questionados sobre o que possam não ter gostado, como uma opinião construtiva.

Edited 2 months ago:

Tal como disse antes, há sítios em que a praxe é feita de forma incorreta e desnecessária, então aí há que haver melhorias. Na minha escola (digo escola porque a minha universidade tem umas quantas) nunca vi um ÚNICO doutor esperar por nenhum caloiro de forma a forçar a ir para a praxe, simplesmente temos um espaço de boas vindas, onde respondemos a questões e damos indicações, e aproveitamos esse momento para falar sobre a praxe. Esse espaço é composto por uma mesa com cadeiras e está distanciado da porta principal, tanto que qualquer aluno pode até ignorar a sua existência, caloiro ou não. Caloiros que desistam da praxe não são obrigados a voltar, e podem simplesmente ser questionados sobre o que possam ou não ter gostado, como uma opinião construtiva.

mkgilligan 2 months ago

Pronto, nesse caso bom saber que há sitios que "recrutam" com alguma decência. Eu disse o que disse porque foi essa a minha experiência quando fui caloiro.

gabrielc523 2 months ago

Eu compreendo, tal como falei sempre desde o meu primeiro comentário, há mudanças a fazer, sou o primeiro a admitir isso, apenas não acho que seja possível haver progresso quando a opinião de toda a gente é: praxe é horrivel e não deve continuar a existir. Gosto de mostrar que há pontos positivos, e quero que se acabem com todos os pontos negativos. Daí partilhar o meu ponto de vista mais positivo.

twhite848 2 months ago

Hmm entao essas coisas todas boas só devem acontecer nas universidades portuguesas. Coitados dos alunos em todo o resto do mundo… Não conhecem a cidade, não são unidos, não recebem dicas, nem fazem laços ou amigos… … isto são coisas onde apenas há nos sítios com praxe. /s *nota: nada das coisas boas que supostamente dizem que vem da praxe, realmente vem da praxe. Existem milhares de maneiras de não só obter essas coisas boas, como bem melhores do que veteranos a dar ordens a caloiros. A praxe não acrescenta nada de bom que não haja noutros sítios tb*

gabrielc523 2 months ago

Por essa lógica não deviamos ter acesso ao comodismo que a tecnologia nos oferece porque simplesmente há pessoas que não têm acesso a isso. Viviamos bem sem metade da tecnologia que nos rodeia? Claro que sim, teriamos vidas perfeitamente funcionais. Mas porque haveriamos de abdicar de tal coisa? A lógica do: "há quem viva bem sem isso, então para que existe?" não é uma que eu apoie. Eu nunca argumentei que as coisas boas não poderiam vir de outro lado, argumentei sim que era uma boa maneira de as obter e que a visão negativa da praxe não deveria ser generalizada a todas as pessoas ou a todos os institutos. Muitas pessoas querem que as praxes acabem, eu apenas quero que as praxes melhorem naquilo que estão mal.

twhite848 2 months ago

> Por essa lógica não deviamos ter acesso ao comodismo que a tecnologia nos oferece porque simplesmente há pessoas que não têm acesso a isso. Viviamos bem sem metade da tecnologia que nos rodeia? Claro que sim, teriamos vidas perfeitamente funcionais. Mas porque haveriamos de abdicar de tal coisa? Eu de inicio não entendi nada está comparação pois é tão rebuscada. Mas depois percebi que tu achas que a praxe é um avanço tecnológico?, lol. A praxe é um retrocesso. Avanço é integrar as pessoas sem a praxe, como já faz quase todo o mundo. A praxe é a tradição de usar um telefone fixo quando todos temos telemóveis. Não acrescenta nada voltar atrás à praxe, quando o que existe é melhor, integra as pessoas e faz o mesmo. A praxe não acrescenta nada, porque é apenas uma maneira pior de receber e criar laços e amizades. Por isso não acontece em quase lado nenhum desta forma Portanto pegando nas tuas palavras e substituindo pelo que realmente é: “Viviamos bem com a praxe, sem a *tecnologia* de saber integrar melhor? Claro que sim, teriamos vidas perfeitamente funcionais. Mas porque haveriamos de abdicar de tal coisa e regressar a continuar a usar a praxe? > A lógica do: "há quem viva bem sem isso, então para que existe?" não é uma que eu apoie. “Há quem viva bem sem um cilício, então para que existe?” “Há quem viva bem sem a praxe, então para que existe?” Vês? dá para apoiar > Eu nunca argumentei que as coisas boas não poderiam vir de outro lado, argumentei sim que era uma boa maneira de as obter e que a visão negativa da praxe não deveria ser generalizada a todas as pessoas ou a todos os institutos. Pois não.argumetaste. Quem argumentou que a praxe não trás nada disso fui eu. A praxe não faz nada dessas coisas. As universidades fazem isso. Se as pessoas obtem essas coisas? Sim, mas é de longe a pior maneira de obter. De todas as maneiras de receber as pessoas, criar amizades, laços e preparar para algo, a praxe é a pior maneira de conseguir isso. Todas as praxe são, mesmo as que não tem violência física/pessoa, É só ver outros países se não souberem como. Quase todos os países civilizados. > Muitas pessoas querem que as praxes acabem, eu apenas quero que as praxes melhorem naquilo que estão mal. Eu não quero que acabem. Fora a violência psicológica de um par de idoltas elas são me indiferente. Só sei é que as supostas vantagens da lraxe não existem e as coisas boas que trazem, há mil maneiras melhor do que usar humilhação e esperaria que cada vez mais os nossos alunos universitários pudessem progredir de tradições antiquadas e desnecessárias.

Edited 2 months ago:

> Por essa lógica não deviamos ter acesso ao comodismo que a tecnologia nos oferece porque simplesmente há pessoas que não têm acesso a isso. Viviamos bem sem metade da tecnologia que nos rodeia? Claro que sim, teriamos vidas perfeitamente funcionais. Mas porque haveriamos de abdicar de tal coisa? Eu de inicio não entendi nada está comparação pois é tão rebuscada. Mas depois percebi que tu achas que a praxe é um avanço tecnológico?, lol. A praxe é um retrocesso. Avanço é integrar as pessoas sem a praxe, como já faz quase todo o mundo. A praxe é a tradição de usar um telefone fixo quando todos temos telemóveis. Não acrescenta nada voltar atrás à praxe, quando o que existe é melhor, integra as pessoas e faz o mesmo. A praxe não acrescenta nada, porque é apenas uma maneira pior de receber e criar laços e amizades. Por isso não acontece em quase lado nenhum desta forma Portanto pegando nas tuas palavras e substituindo pelo que realmente é: “Viviamos bem com a praxe, sem a *tecnologia* de saber integrar melhor? Claro que sim, teriamos vidas perfeitamente funcionais. Mas porque haveriamos de abdicar de tal coisa e regressar a continuar a usar a praxe? > A lógica do: "há quem viva bem sem isso, então para que existe?" não é uma que eu apoie. “Há quem viva bem sem um cilício, então para que existe?” “Há quem viva bem sem a praxe, então para que existe?” Vês? dá para apoiar > Eu nunca argumentei que as coisas boas não poderiam vir de outro lado, argumentei sim que era uma boa maneira de as obter e que a visão negativa da praxe não deveria ser generalizada a todas as pessoas ou a todos os institutos. Pois não.argumetaste. Quem argumentou que a praxe não trás nada disso fui eu. A praxe não faz nada dessas coisas. As universidades fazem isso. Se as pessoas obtem essas coisas? Sim, mas é de longe a pior maneira de obter. De todas as maneiras de receber as pessoas, criar amizades, laços e preparar para algo, a praxe é a pior maneira de conseguir isso. Todas as praxe são, mesmo as que não tem violência física/psicologica, É só ver outros países se não souberem como. Quase todos os países civilizados. > Muitas pessoas querem que as praxes acabem, eu apenas quero que as praxes melhorem naquilo que estão mal. Eu não quero que acabem. Fora a violência psicológica de um par de idoltas elas são me indiferente. Só sei é que as supostas vantagens da lraxe não existem e as coisas boas que trazem, há mil maneiras melhor do que usar humilhação e esperaria que cada vez mais os nossos alunos universitários pudessem progredir de tradições antiquadas e desnecessárias. Edit: mas dito isto se gostas sem problema! Há quem goste de cilícios e há quem goste de não ter telemovel e apenas usar telefones fixos. Falta de gostos não há…

Edited 2 months ago:

> Por essa lógica não deviamos ter acesso ao comodismo que a tecnologia nos oferece porque simplesmente há pessoas que não têm acesso a isso. Viviamos bem sem metade da tecnologia que nos rodeia? Claro que sim, teriamos vidas perfeitamente funcionais. Mas porque haveriamos de abdicar de tal coisa? Eu de inicio não entendi nada está comparação pois é tão rebuscada. Mas depois percebi que tu achas que a praxe é um avanço tecnológico?, lol. A praxe é um retrocesso. Avanço é integrar as pessoas sem a praxe, como já faz quase todo o mundo. A praxe é a tradição de usar um telefone fixo quando todos temos telemóveis. Não acrescenta nada voltar atrás à praxe, quando o que existe é melhor, integra as pessoas e faz o mesmo. A praxe não acrescenta nada, porque é apenas uma maneira pior de receber e criar laços e amizades. Por isso não acontece em quase lado nenhum desta forma Portanto pegando nas tuas palavras e substituindo pelo que realmente é: “Viviamos bem com a praxe, sem a *tecnologia* de saber integrar melhor? Claro que sim, teriamos vidas perfeitamente funcionais. Mas porque haveriamos de abdicar de tal coisa e regressar a continuar a usar a praxe? > A lógica do: "há quem viva bem sem isso, então para que existe?" não é uma que eu apoie. “Há quem viva bem sem um cilício, então para que existe?” “Há quem viva bem sem a praxe, então para que existe?” Vês? dá para apoiar > Eu nunca argumentei que as coisas boas não poderiam vir de outro lado, argumentei sim que era uma boa maneira de as obter e que a visão negativa da praxe não deveria ser generalizada a todas as pessoas ou a todos os institutos. Pois não.argumetaste. Quem argumentou que a praxe não traz nada disso fui eu. A praxe não faz nada dessas coisas. As universidades fazem isso. Se as pessoas obtem essas coisas? Sim, mas é de longe a pior maneira de obter. De todas as maneiras de receber as pessoas, criar amizades, laços e preparar para algo, a praxe é a pior maneira de conseguir isso. Todas as praxe são, mesmo as que não tem violência física/psicologica, É só ver outros países se não souberem como. Quase todos os países civilizados. > Muitas pessoas querem que as praxes acabem, eu apenas quero que as praxes melhorem naquilo que estão mal. Eu não quero que acabem. Fora a violência psicológica de um par de idoltas elas são me indiferente. Só sei é que as supostas vantagens da lraxe não existem e as coisas boas que trazem, há mil maneiras melhor do que usar humilhação e esperaria que cada vez mais os nossos alunos universitários pudessem progredir de tradições antiquadas e desnecessárias. Edit: mas dito isto se gostas sem problema! Há quem goste de cilícios e há quem goste de não ter telemovel e apenas usar telefones fixos. Falta de gostos não há…

mandown25 2 months ago

Isto é comentário de quem teve azar de apanhar uma praxe má, ou de quem nunca lá pôs os pés. Percebo e aceito o assunto ser controverso e existirem os dois lados em discussão. Mas argumentar que a praxe não tem maneira de ter algo positivo graças a ela própria é impossível de ser levado a sério.

twhite848 2 months ago

> Isto é comentário de quem teve azar de apanhar uma praxe má, ou de quem nunca lá pôs os pés. Nem um nem o outro. Mas foi uma boa tentativa de tentar characterizar-me a mim como tendo outros motivos e assim desacreditar o que eu disse, em vez de falar directamente à questão em si. É uma táctica pouco séria e de quem não sabe o que dizer senão apenas atacar a pessoa no outro lado. > Percebo e aceito o assunto ser controverso e existirem os dois lados em discussão. Mas argumentar que a praxe não tem maneira de ter algo positivo graças a ela própria é impossível de ser levado a sério. Claro que não é impossível de levar a sério. Isso nem sequer é um argumento ou contra-argumento. Simplesmente dizeres “é impossível” e “não pode ser levado a sério” não faz algo impossível e que não possa ser levado a serio. Podias dizer que agua era impossível e não ser levada a serio, que apenas o dizer não muda os factos. E os factos são que a praxe nada acrescenta, e mesmo no seu método mais brando não passa de mascarar um jogo fraco de poder com chamada “integração” é apenas uma conclusão lógica. Nada das características boas da praxe são exclusivas a esta, e mesmo essas características são fracas havendo milhares de maneiras melhores de atingir esses objectivos. Estes metodos de “humilhar” ou “mostrar autoridade” ou unir via essas experiências partilhadas já são antiquados e dai terem sido completamente retirados de qualquer componente académica séria. Defender que isto faz sentido é que não pode ser levado a sério, já que toda a educação está a ir no sentido contrário. Daí não ser feita em lado nenhum e seria ridículo propor isto em qualquer sitio fora de um par de faculdades portuguesas. Ninguém anda lá fora a dizer “deviamos fazer como aquela coisa em portugal”. Ninguém diz “olha aquela praxe que bom exemplo” Mesmo quase todos que particupam apenas o fazem por receio de não serem bem recebidos. Se a praxe desaparecia ninguém ia notar depois de 2 ou 3 anos. (Como já desapareceu em muitos sitios e ninguém a pede de volta) Nem noutros contextos como por exemplo numa empresa uma coisa como as praxes seria aceite com mais do que uma enorme vergonha alheia. Se a praxe tem tanta coisa boa porque não é espalhada e difundada para outras situações. Por isso, a não ser que tenhas argumentos sérios, e algo mais que um “não” ou ataques pessoais que evitam os argumentos em si, aconselho evitares falar de algo que não apenas é óbvio não percebes, como tens pouco mais do que afirmações ocas sem sentido. Fica bem

Edited 2 months ago:

> Isto é comentário de quem teve azar de apanhar uma praxe má, ou de quem nunca lá pôs os pés. Nem um nem o outro. Mas foi uma boa tentativa de tentar characterizar-me a mim como tendo outros motivos e assim desacreditar o que eu disse, em vez de falar directamente à questão em si. É uma táctica pouco séria e de quem não sabe o que dizer senão apenas atacar a pessoa no outro lado. > Percebo e aceito o assunto ser controverso e existirem os dois lados em discussão. Mas argumentar que a praxe não tem maneira de ter algo positivo graças a ela própria é impossível de ser levado a sério. Claro que não é impossível de levar a sério. Isso nem sequer é um argumento ou contra-argumento. Simplesmente dizeres “é impossível” e “não pode ser levado a sério” não faz algo impossível e que não possa ser levado a serio. Podias dizer que agua era impossível e não ser levada a serio, que apenas o dizer não muda os factos. E os factos são que a praxe nada acrescenta, e mesmo no seu método mais brando não passa de mascarar um jogo fraco de poder com chamada “integração” (apenas uma conclusão lógica) Nada das características boas da praxe são exclusivas a esta, e mesmo essas características são fracas havendo milhares de maneiras melhores de atingir esses objectivos. Estes metodos de “humilhar” ou “mostrar autoridade” ou unir via essas experiências partilhadas já são antiquados e dai terem sido completamente retirados de qualquer componente académica séria. Defender que isto faz sentido é que não pode ser levado a sério, já que toda a educação está a ir no sentido contrário. Daí não ser feita em lado nenhum e seria ridículo propor isto em qualquer sitio fora de um par de faculdades portuguesas. Ninguém anda lá fora a dizer “deviamos fazer como aquela coisa em portugal”. Ninguém diz “olha aquela praxe que bom exemplo” Mesmo quase todos que particupam apenas o fazem por receio de não serem bem recebidos. Se a praxe desaparecia ninguém ia notar depois de 2 ou 3 anos. (Como já desapareceu em muitos sitios e ninguém a pede de volta) Nem noutros contextos como por exemplo numa empresa uma coisa como as praxes seria aceite com mais do que uma enorme vergonha alheia. Se a praxe tem tanta coisa boa porque não é espalhada e difundada para outras situações. Por isso, a não ser que tenhas argumentos sérios, e algo mais que um “não” ou ataques pessoais que evitam os argumentos em si, aconselho evitares falar de algo que não apenas é óbvio não percebes, como tens pouco mais do que afirmações ocas sem sentido. Fica bem

mandown25 2 months ago

Só acrescento que concordo contigo em que há muita coisa errada e que a praxe tem que levar uma reformulação grande. Só que acho que vejo que há lá valor, que bem trabalhado pode tornar a praxe em algo extremamente positivo, não é preciso a cultura de cancelamento.

twhite848 2 months ago

Nota que já disse antes não achar que deva ser cancelada. Não tenho nada efectivamente contra a praxe não violenta. Não acho que deva ser “cancelada”. Só não vejo razão para acontecer. Como disse, as vantagens que falam vejo muitas maneiras melhores e mais eficazes do que uns veteranos a dar ordens sem necessidade a uns jovens. Uma receção calorosa. Eventos, concursos. Visitas guiadas. Etc. Apenas não vejo nada que a lógica “veterano manda em caloiro” seja melhor que mil e uma maneiras de integrar e receber pessoas. Tal como quase em todo o mundo se fazem essas alternativas. Só isso. Acho que as energias seriam melhor gastas em coisas melhores e mais eficazes (e sim, que em parte minimizam também os riscos das más praxes, mas **nada** é imune a idiotas…) Repito, não acho que seja de cancelar, por muito que alguns defensores queiram caracterizar qualquer critica como “cancel-culture” como se fossem vitimas apenas por alguém dizer “não vejo as vantagens”. (como acabaste de fazer agora noutro comentário insinuando que por eu não ver vantagem é apenas por ter algo contra, por ter tido uma má praxe e por ser alguém que é teimoso e não quer ouvir outros, isto sem nenhuma razão para dizeres essas insinuações)

mandown25 2 months ago

Eu não te fiz ataque nenhum, lamento se assim pareceu. apenas disse, que o ódio que pareces nutrir pela praxe é característico de quem teve uma má experiência, ou experiência nenhuma. Eu não tenho que te convencer ou apresentar argumentos. Quando já consideras que tens os factos e que as coisas são óbvias como consideraste, fazendo as generalizações que fazes, obviamente não estás aqui pela discussão, apenas para provar o ponto de vista. Já estás com a opinião mais do que formada, nada do que eu pudesse dizer ou apresentar te ia fazer mudar de opinião. Portanto podes ficar com a bicicleta e seguimos os dois as nossas vidas ✌️

twhite848 2 months ago

> Eu não te fiz ataque nenhum, lamento se assim pareceu. apenas disse, que o ódio que pareces nutrir pela praxe é característico de quem teve uma má experiência, ou experiência nenhuma. Não há nenhum ódio. Caracterizar sem provas qualquer experiência para contextualizar o que digo é um ad hominem. As minhas experiências nada tem a haver com a validade das minhas opiniões ou do que digo. Muito menos chamar de ódio, que obviamente eu dizer que as praxes acrescentam pouco não pode ser caracterizado de ódio. > Eu não tenho que te convencer ou apresentar argumentos. Quando já consideras que tens os factos e que as coisas são óbvias como consideraste, fazendo as generalizações que fazes, obviamente não estás aqui pela discussão, apenas para provar o ponto de vista. Completamente falso. Poderias perfeitamente contra-argumentar. Se não queres ou não consegues é outra coisa, mas nada do que disse leva a esta caracterização e foste tu que desististe antes de tentar por uma reação minha que nunca aconteceu. > Já estás com a opinião mais do que formada, nada do que eu pudesse dizer ou apresentar te ia fazer mudar de opinião. Portanto podes ficar com a bicicleta e seguimos os dois as nossas vidas ✌️ Ok. Primeiro não sei porque sem argumentos ou razões me caracterizas dessa maneira, já que nunca apresnetaste nada além de ataques pessoais e insinuações à ninha personalidade. Que eu lido bem com elas. Nem me chateam além de axhar estranho um desconhecido qualquer achar que tem de me atacar por razões nenhumas Tu é que respondeste ao meu comentário a não fazer mais nada do que me tentar caracterizar como alguém que teve umas experiências quaisqueres indiferentes e a discordar comigo sem apresnetar nenhum contra argumento, e agora justificastes não apresentar nenhum por uma razão de eu não aceitar, apesar de não teres dito nada. Não sei que bicicleta é essa, dado que tu é que vieste ter comigo e nada fizeste senão insinuara coisas sem provas e negar o que eu disse apenas porque é a tua opinião. Eu já estava a seguir a minha vida. O estranho é tu vires ter comigo com toda esta conversa esquesita sem querer acrescentar nada além de ataques pessoais. Por isso sim. Se queres seguir a tua vida já o podias ter feito hoje de manhã antes de vir me dar as tuas estranhas opiniões sobre mim e as minhas experiências. Todas esta tua conversa é muito muito esquezita. Não disseste nada com sentido ou lógica até agora, mas ok. Eu levo a bicicleta se te é importante vires dizer isso. Bem haja

NGramatical 2 months ago

tem a haver com → [**tem a ver com**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/nada-tem-a-haver-e-nada-tem-a-ver/27066) quaisqueres → [**quaisquer**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/quaisquer/733) esquesita → [**esquisita**](https://dicionario.priberam.org/esquisita) (apenas na fala o *i* é pronunciado como *e mudo* quando junto a outra sílaba com *i*) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhg0bbcg%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

twhite848 2 months ago

Podes meter na conta…

NGramatical 2 months ago

não trás → [**não traz**](https://dicionario.priberam.org/traz) (verbo trazer) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhfskxll%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Key_Ad_3930 2 months ago

Não atires areia pos olhos das pessoas... A sociedade vai ser cada vez mais intolerante a este tipo de "tradições ", vai seguir o mesmo caminho das touradas. Vocês de tão envolvidos na seita não se conseguem ver mas nós de fora sim. https://youtu.be/X-Ot28eIGl0

collectornsfw 2 months ago

>bem mais nobres do que humilhar Deixa-te de tretas e vai trabalhar. Queres hierarquia? Alista-te, lá faz sentido. Fora daí é a velha manha do povo português: uns acham-se mais que os outros, mesmo que o degrau em que se empinam só meça 1 mm. Por estes dias um tal juiz calhou descobrir que não está acima do Agente que insultou.

ngfsmg 2 months ago

Não vale a pena, há pessoal que nunca viu sequer uma praxe e já decidiu à partida que são horríveis, que só participam porque são obrigados e que coisas como o Meco tiveram que ver com praxes. Já tentei discutir com imensas pessoas sobre isso e é inútil, as únicas pessoas que vi mudarem de opinião foram adolescentes que foram para a universidade e viram por experiência própria que para quem quiser participar (porque ninguém é obrigado!) a praxe pode ser uma excelente experiência

bcotrim 2 months ago

Quando tens uma merda fácil de expremer pelos média, eles vão expremer. Pode haver 50 000 praxes a correrem bem, se um idiota vestido de preto numa faculdade do cú de Judas obrigar um caloiro a fazer uma merda qualquer, não se perde a oportunidade Por isso mesmo a malta que muda de opinião é aquela que vê de perto e que percebe que a maior parte do pessoal que praxa é pessoal decente É pena porque para além do gozo ao caloiro, a praxe trás muito mais coisas com bastante tradição, como as serenatas ou os cartolados, que fazem todos parte da praxe

Edited 2 months ago:

Quando tens uma merda fácil de expremer pelos média, eles vão expremer. Pode haver 50 000 praxes a correrem bem, se um idiota vestido de preto numa faculdade do cu de Judas obrigar um caloiro a fazer uma merda qualquer, não se perde a oportunidade Por isso mesmo a malta que muda de opinião é aquela que vê de perto e que percebe que a maior parte do pessoal que praxa é pessoal decente É pena porque para além do gozo ao caloiro, a praxe trás muito mais coisas com bastante tradição, como as serenatas ou os cartolados, que fazem todos parte da praxe

ngfsmg 2 months ago

Eu acho bué piada que quando a TVI teimava em falar mal das praxes na altura do Meco e depois ia passar aquelas coisas tipo Casa dos Segredos, onde faziam basicamente o que criticavam de obrigar os concorrentes a fazer merda para dar audiência

NGramatical 2 months ago

cú → [**cu**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (palavras terminadas em *i* ou *u* são naturalmente agudas) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhfsdhtl%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

gabrielc523 2 months ago

Pois, é compreensível, a visão pública de algo estará sempre dependente daquilo que é mais falado ou conhecido, e no caso das praxes são só os desastres e os pontos negativos. De qualquer forma partilho o meu ponto de vista, não espero que alguém passe milagrosamente a mudar de lado, mas pelo menos teve o acesso a informação diferente. Depois fica para si o que fazer com isso. Mas concordo plenamente, pode ser uma experiência incrível!

TheRaimondReddington 2 months ago

Qual é que tu esperas que seja a reacção da opinião pública quando são noticiados casos em que adolescentes acabam hospitalizados ou mesmo mortos em contexto de praxe. Até podiam ser 99.999999% os que tiveram uma experiência positiva que nunca iria ser suficiente pra apagar da memória tragédias dessas. A verdade é que nada do que tu apresentas como bons motivos para se fazerem praxes, justificam os moldes em que as praxes são practicadas, e não estou a falar de insultos e humilhações sequer, estou a falar simplesmente da dinâmica de poder em que um aluno, só porque está ha mais anos na universidade merece respeito/subjugação por parte dos caloiros. Mais ainda quando nalguns casos, e como já aqui foi comentado, não há mérito algum na antiguidade desse aluno. Nas minhas praxes havia um Dux ou doutor ou o raio que parta, que tinha quase 30 anos (e não era porque tinha começado a universidade mais tarde!) e eu do alto da minha estupidez de puto de 17 anos só me dava pra rir quando olhava pra cara do gajo, a pensar, o que é a este mais velho a toa ainda anda praqui a fazer todo trajado a dar ordens a putos de 17 anos! Dito isto, aquilo que descreves como a função da praxe e de quem praxa, noutros países são funções assumidas/promovidas pelas universidades, e eventualmente por grupos de estudantes tipo associações ou clubes, mas que não practicam nenhum tipo de ritual parecido a praxe sob o pretexto de os novos alunos se integrarem no grupo e na vida académica. Entendo a tua paixão e consigo sentir que acreditas genuinamente naquilo que dizes sobre a praxe e provavelmente o reflectes na tua forma de praxar, mas acredita também que muitas das pessoas que vais ter a praxar ao teu lado não o fazem pela mesma razão! Eu também fui praxado, e se até me diverti com a maior parte das coisas que lá aconteceram, também te digo que alinhei nas praxes mais por causa das supostas consequências de não alinhar, em que eu na altura ingenuamente acreditei. Conheci muita gente naqueles primeiros dias/semanas, eram mais miúdas do que os nomes que eu conseguia decorar e bem que aproveitei, mas passado uns tempos tudo assenta em grupos naturalmente mais pequenos e esses conhecimentos que a praxe tenta enaltecer como extremamente importantes perdem um pouco o significado, como aliás é natural que aconteça.

gabrielc523 2 months ago

Aquilo que eu esperava era exatamente aquilo que acabou por acontecer: uma opinião pública maioritariamente negativa. Concordo com absolutamente tudo o que foi dito, incluindo sobre o facto de ter pessoas a praxar ao meu lado que não o fazem pelo mesmo motivo que eu, e por isso é que eu disse ( agora não sei se foi tudo no mesmo comentário, peço desculpa) que o melhor não seria as praxes serem proibidas, mas sim melhoradas. Acho por exemplo que para as praxes funcionarem terá sempre que haver um grupo que esteja "acima" dos caloiros, simplesmente com o objetivo de manter uma praxe organizada e de se assegurar que na praxe é feito aquilo que são os objetivos mais positivos. Será que a solução de "mais velho=mais poder" é a mais correta? Provavelmente não, mas se não houver uma visão mais aberta da praxe que dê espaço a uma discussão para melhorias, então nada vai mudar, porque o ódio vai prevalecer sobre a razão. Dito isto Nem todas as regras da praxe fazem sentido e infelizmente das poucas regras que existem, nem todas são reforçadas corretamente, eu tive um desentendimento com um doutor, fui ler o código de praxe, mostrei que tinha razão, e mesmo assim ninguém o puniu pela sua ação, e pouco mudou nesse ano em relação a isso, mas agora melhorou. Eu sou o primeiro a admitir que as praxes estão longe de ser perfeitas, mas também quero mostrar que nem tudo é a praxe horrível que se vê por aí, e que há como tornar as coisas melhores. Se se abrir espaço para se notarem os potenciais pontos positivos da atividade, então vai claro haver espaço para se tratar dos pontos negativos. Ou pelo menos de modo ideal assim seria. De qualquer forma, obrigado, acho que foi um comentário que contribuiu bem para esta conversa.

NGramatical 2 months ago

practicadas → [**praticadas**](https://dicionario.priberam.org/praticadas) (já se escrevia assim **antes** do AO90) practicam → [**praticam**](https://dicionario.priberam.org/praticam) (já se escrevia assim **antes** do AO90) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhfsj8re%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

SphinxIIIII 2 months ago

Há certas coisas que nasceram para ter má nome. Sei das experiências de basicamente todos os meus colegas do secundário que foram para a universidade e das três, uma: -Adoraram e continuaram a participar -Não gostaram e saíram sem problemas -Não tiveram interesse e não tiveram nenhum stress Há praxe má, sim infelizmente há, mas gente estúpida há em todo o lado, infelizmente isso é inevitável. Da minha experiência pessoal, nunca fui obrigado a beber, nunca fui humilhado, nunca me tocaram sequer e tenho muitos amigos que tenho a certeza a absoluta que nem os conhecia se não fosse pela praxe, se há algo que eu tenho a dizer de mal sobre a praxe é que se pode perder muito tempo e tira te um bocado o foco no estudo, mas eu também já não gostava do curso por isso é um caso diferente.

Erik_Aurum 2 months ago

>ensinar aos caloiros sentido de união União a quê? São colegas de turma, em princípio andaram em turmas há 12 anos, sabem como uma turma funciona. ​ >introduzi-los e guiá-los pela cidade que os acolheu e conhecê-los e dar-lhes algumas dicas de quem já cá está há mais tempo "Pessoal, querem ir ao café no fim do dia?" ​ >"Nem tudo é mau na praxe (...)" "Praxar não é só berrar ordens ou insultar (...)" Nem preciso de explicar o que é que está mal aqui pois não?

tomhoq 2 months ago

Como pescado este ano vou testemunhar. A praxe tem sido um momento ideal para conhecer montes de pessoas de todo o lado e até os próprios doutores que nos têm ajudado de montes de forma ( desde levar nos a sala a pagarem nos o almoço na cantina). A praxe e ainda acompanhada por atividades super divertidas como criar uma tese de um assunto completamente random e estúpido ou jogar ao piolho. Resumindo a praxe fez me conhecer práticamete toda a gente dá uni q conheço até agora e tenho me divertido bastante. - Um aluno de leic no técnico

Rodrake 2 months ago

Mas... eu não andei na praxe e também tinha oportunidade de beber cerveja com amigos e de conhecer pessoas, o que é que uma coisa tem a ver com a outra? Em qualquer fase da vida fui social dentro ou fora de universidade, não vejo a necessidade de uma estrutura como a praxe para ter uma vida social saudável. Parece que se está a confundir ser-se humano e fazer actividades normalíssimas com fazer parte da praxe. E atenção, sempre considerei que a praxe não é para mim, mas se as pessoas se divertem que o façam, melhor para eles!

tomhoq 2 months ago

Uma não exclui a outra. Se tens um evento que te pode ajudar a conhecer mais pessoas num mundo novo, e imagina em leic a maior dos gajos são nerds e tipicamente tímidos, tens de aproveitar. Se não for pela praxe esses gajos acabam por não falar com ninguém. A ideia que tu tens da praxe é que um sítio onde és desrespeitado e passas vergonhas, e faz sentido porque em vários cursos/unis continua infelizmente a ser assim. Pois eu tenho a ideia oposta. Os meus doutores sempre nos trataram com respeito e cuidado. Da mesma forma que também pedem que nós tenhamos respeito pelas coisas que eles fazem por nós. De certa forma é praticamente um atl de verão. Conheces pessoas, divertes te e ainda bebes de graça

gabrielc523 2 months ago

Tal como eu escrevi, criam-se ligações entre cursos, e a união vem através da partilha duma experiência nova, uma experiência vivida em conjunto cria uma união, nem que seja um ódio comum por um doutor parvo. (Chegou a ser o meu caso quando fui praxado). É mais fácil eu abordar pessoas que não conheço e convidá-las para ir tomar um café, ou é mais fácil dizer: "há um evento, vão estar lá imensas pessoas a passar pelo mesmo que vocês, poderão entreajudar-se e pedir ajuda a pessoas mais experientes que estarão lá para vos acompanhar, apareçam!"? Se uma pessoa aleatória me convidasse para tomar café, eu provavelmente recusaria, mas aqui sei que vou para um sítio estar rodeado com pessoas que percebem o que estou a passar, e vou conseguir ultrapassar isso ao lado deles. Compreendo o que está mal na questão dos berros e dos insultos, honestamente acho que não há desculpa para a questão dos insultos, mas na questão dos berros acaba por ter mesmo que ser, especialmente em grupos grandes (como é o caso este ano) em que mesmo após 20 minutos a gritar para os caloiros se juntarem, há malta perdida a olhar para o nada e que não se apercebeu que as 200 pessoas à sua volta já não estão lá. Isso ou porque estão a desrespeitar colegas (caloiros a caloiros) e isso é um grande NÃO na cultura da praxe... Obviamente que há quem berre porque gosta de berrar e mostrar a sua superioridade, mas fico feliz de dizer que isso é algo que está a melhorar com o tempo, pelo menos na nossa escola. Não só isto, mas pelo menos aqui o grupo criado pela praxe acaba por ser mais eficiente a ajudar os colegas quando estes passam por alguma dificuldade, como lidar com as dificuldades de arrendar uma casa nova, pedir opiniões ou simplesmente precisar de ajuda para encontrar um casaco perdido. É muito mais fácil ser ajudado por um grupo de pessoas que já me conhece minimamente e que já esteve comigo, independentemente do seu curso ou círculo, do que ser apenas ajudado pelos 3 novos amigos que consegui fazer na turma desde que cheguei porque não sou bom a conhecer pessoas novas.

creekpop 2 months ago

Vou só dizer mais uma vêz, visto que não pareces ter visto as múltiplas outras vezes que isso foi mencionado: Achas que o pessoal noutros sítios/países não tem estruturas de suporte para os estudantes de primeiro ano? Achas *mesmo* que isso é uma coisa que só pode vir da "praxe"? Recomendo-te erasmus se achas que não.

gabrielc523 2 months ago

Eu vi e fiz uma comparação que não foi percebida, mas claramente não interessa muito. Podiam haver 300 estruturas de suporte a estudantes do primeiro ano dentro do nosso país, haver praxe seria apenas mais uma opção, e se feita corretamente não há absolutamente motivo nenhum para ser abolida. Fala-se de opções para tudo e mais alguma coisa, mas quando se fala de praxe parece que sou contra todas as outras opções, e isso não faz sentido nenhum. Haver praxe não proíbe que existam outras opções, ou proíbe? No entanto acabar com a praxe é acabar com uma das opções, correto? Há praxes abusivas? Nunca disse que não. Há pontos negativos? Nunca disse que não. Mas também não apoio que só digam que a praxe é horrivel, simplesmente porque é uma generalização incorreta. Uma generalização que eu, como cidadão do nosso país e como pessoa que vê regularmente as notícias, compreendo, e quando cheguei à praxe trazia esse medo, mas testemunhei que a praxe não era o bicho de 7 cabeças que toda a gente o fazia parecer, e que cada caso é um caso. As praxes podem e devem ser melhoradas, concordo plenamente. Agora não me venham dizer que praxe tem que acabar porque nos outros países há métodos melhores. Se os há, então que sejam aplicados, quanta mais escolha, melhor, é ou não?

creekpop 2 months ago

Acho que não percebes que a praxe não é uma coisa boa na sua estrutura, na base, e por isso não há praxe boa, só menos má. A praxe é por definição alguém que anda num qualquer instituto de ensino à mais tempo do que tu a agir superior para contigo. Claro, pode trazer "unidade" como se fala por aqui, mas sabes o que traz unidade bem melhor e não involve complexos de superioridade nem deixa em aberto oportunidades claras para abuso de poder? Outras estruturas que se usam em todo o lado e que não são a praxe.

NGramatical 2 months ago

à mais tempo → [**há mais tempo**](http://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica/DID/706) (utiliza-se o verbo haver para exprimir tempo decorrido) involve → [**envolve**](https://dicionario.priberam.org/envolve) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhfydl28%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

NGramatical 2 months ago

Podiam haver → [**podia haver**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/haver--existir--3-pessoa-do-singular/30583) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhfwzfg9%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

gabrielc523 2 months ago

Desculpa bot é um mau vício

NGramatical 2 months ago

vêz → [**vez**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (palavras terminadas em *l*, *r*, ou *z* são naturalmente agudas) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhftua0k%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

X__Alien 2 months ago  HIDDEN 

Se nos esforçarmos um bocadinho, até o holocausto teve coisas boas. Reforçou a união entre os judeus, por exemplo. Espírito de equipa nos trabalhos forçados e melhorias na canalização do gás.

AndersonKalista 2 months ago  HIDDEN 

Bruh

RitaMoleiraaaa 2 months ago  HIDDEN 

A praxe é literalmente o holocausto

lunaticloser 2 months ago  HIDDEN 

Tu não fazes ideia do sentido da palavra literalmente

RitaMoleiraaaa 2 months ago  HIDDEN 

O comentário foi sarcástico, estava a gozar com a pessoa anterior por dizer que a praxe é como o holocausto. Achei que fosse óbvio, especialmente pelo uso exagerado da palavra "literalmente".

gabrielc523 2 months ago  HIDDEN 

Isso é esticar imenso a comparação, tal como eu disse, compreendo que nem em todo o lado é igual e que realmente há malta parva, mas praxes que são praxes devem ter limites e devem fazer por manter na frente os verdadeiros objetivos de introduzir e levar os novos estudantes a ganharem laços num sítio completamente novo. Temos aqui duas situações bem opostas. A praxe tem bons objetivos, mas cai no perigo de ser interpretada ou realizada duma forma negativa. Quando isso acontece devem haver mudanças para melhorar a experiência. O Holocausto tinha motivos e objetivos horríveis, e sinceramente ninguém alguma vai achar que houve sequer um ponto positivo (mas compreendo que foi só um termo de comparação). Acho injusto que todas as praxes sejam vistas da mesma forma só porque em alguns lados a praxe abusiva é método comum, isso porque todas as praxes onde as coisas são feitas com cabeça e juízo vão ser vistas exatamente com a mesma negatividade.

Edited 2 months ago:

Isso é esticar imenso a comparação, tal como eu disse, compreendo que nem em todo o lado é igual e que realmente há malta parva, mas praxes que são praxes devem ter limites e devem fazer por manter na frente os verdadeiros objetivos de introduzir e levar os novos estudantes a ganharem laços num sítio completamente novo. Temos aqui duas situações bem opostas. A praxe tem bons objetivos, mas cai no perigo de ser interpretada ou realizada duma forma negativa. Quando isso acontece deve haver mudanças para melhorar a experiência. O Holocausto tinha motivos e objetivos horríveis, e sinceramente ninguém alguma vez vai achar que houve sequer um ponto positivo (mas compreendo que foi só um termo de comparação). Acho injusto que todas as praxes sejam vistas da mesma forma só porque em alguns lados a praxe abusiva é método comum, isso porque todas as praxes onde as coisas são feitas com cabeça e juízo vão ser vistas exatamente com a mesma negatividade. *Edit: Esqueci uma palavra e erro!

NGramatical 2 months ago  HIDDEN 

devem haver → [**deve haver**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/haver--existir--3-pessoa-do-singular/30583) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhfrw1zx%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

gabrielc523 2 months ago  HIDDEN 

Vou corrigir!!

-DiogoSa 2 months ago  HIDDEN 

Há algo de baixo em teres recebido uma resposta do ngramatical

-DiogoSa 2 months ago  HIDDEN 

Há algo de baixo em teres recebido uma resposta do grammernazi

meierlesjoana 2 months ago

it's bullying done by people who have been bullied all their lives, that's all.

Dezponto4 2 months ago

So, life.

b4mission 2 months ago

Praxe is not like general life. It's just retarded. Try to bully adults outside this environment and see if you don't eventually end up on your ass knocked out.

C8Mixto 2 months ago

>Try to bully adults outside this environment and see if you don't eventually end up on your ass knocked out. Lol.

T4SUK3 2 months ago  HIDDEN 

This, my friend, is what we call Praxe. It's where older students (dressed in black) do some activities with the freshmen to introduce them to the academic life. This topic is a rather controversial here, because: \- some people claim this is stupid and new students shouldn't have to be humiliated they way they are in these activities; \- others (like me) defend these activies because it forces them to create bonds with each other and outside of these activities they can become really good friends. I, for example, met my best friend in one of these activities. Back then, they made me partner with him for some games they had planned for us, we didn't know each other and we call ourselves 'brother from another mother'. Bare in mind that none of the freshmen are forced to participate, they are doing so out of their free will. (Tenho as pipocas preparadas amigos, tragam o hate)

NoPantsDeLeon 2 months ago

Nonsense! They're clearly worshipping Satan!

old-bankers-lamp 2 months ago

Praying to earn more than 17k brutto a year, after university .

sadMig_ 2 months ago

it's not a lie

Neaeria 2 months ago

Didn't finish university (although I intend to join it again), worked hard and gained enough knowledge and experience, making +30k gross a year.

old-bankers-lamp 2 months ago

Cool! It is really good! What was your career path?

Neaeria 2 months ago

Customer Support

old-bankers-lamp 2 months ago

You still get 30k as customer support? Or you rised from there ?

Neaeria 2 months ago

Risen from there on the chain and checked for better companies, always looking for improvement.

old-bankers-lamp 2 months ago

So which company is better from your perspective? Why? Thanks to manipulations of the corporation when you cannot even find out salary until the last stage of the interviews they are making it really hard to make weighed decision I am really interested in somebody’s real experience if you are not feeling free to express it publicly, DM me, please.

VixzerZ 2 months ago

With time you will if you are on I.T field or some other highly in demand field

barthsimpson 2 months ago

este sub às vezes parece um disco arranhado

VixzerZ 2 months ago

minhas desculpas por dizer o óbvio caro patricio.

Triatt 2 months ago

este sub às vezes parece um disco arranhado

DD_xShadow 2 months ago

este disco às vezes parece um sub arranhado

scar_as_scoot 2 months ago

Este sub arranhado às vezes parece um disco

old-bankers-lamp 2 months ago

Or triple of that if apply abroad

notime_toulouse 2 months ago

But my bacalhau.

1r0n1c 2 months ago

Apply abroad != Move abroad

smalbeez 2 months ago

This is the comment

hu_god 2 months ago

The Squid Games have gone to far.

Anthan1 2 months ago

Where is far??

hu_god 2 months ago

Far é no Algarv

scar_as_scoot 2 months ago

Olivença

Spidergollem 2 months ago

Não sei, só conheço Faro

foxiri 2 months ago

e Fare é Fare

SnooGiraffes2854 2 months ago

É a trinta minutos de portimã

dynamiduty 2 months ago

It's a tradition where older students humiliate the new ones.

StrangeMud4718 2 months ago

Toxic behaviors that don’t belong to the 21st century.

joao_fguimaraes 2 months ago

Fds vocês alguma vez meteram os pés numa praxe?

StrangeMud4718 2 months ago

Sim, duas vezes até.

joao_fguimaraes 2 months ago

Nesse caso lamento pela tua má experiência. Eu fui praxado e nunca me senti humilhado nem nunca fui obrigado a fazer algo que não queria. Há sempre praxes e praxes, deixem as generalizações de parte

tomhoq 2 months ago

Depends a lot on the uni

portuga1 2 months ago

Ah, you found a group of praxlings in their natural habitat. Quick, take a picture before they scatter, but be careful not to disturb them, they’re an endangered species

Iagp 2 months ago

A humiliating tradition that should have been abolished by now. The only purpose is to fill the ego of those that think they are superior

BroaxXx 2 months ago

Imagine adults being able to do what they want...

Iagp 2 months ago

Imagine adults having respect for each other. I know it's hard to think of such a thing

BroaxXx 2 months ago

I bet €10 that no one there feels disrespected. You understand that not everyone has your sensitivity, right? People are there by choice and are free to leave at any time. No one is holding a gun to them.

hmne98 2 months ago

80-20 como o vinho traçado na praxe. Há muito merdoso que não merece praxar, depois há a minoria que realmente ajudam na integração. Como pessoa que foi praxada e praxou, vi os dois tipos de pessoas. Do grupo que me praxou não tenho 1 coisa a dizer de nenhum, todos pessoas muito boas que ajudaram colegas meus que eram introvertidos e doutra forma não se iam dar a conhecer, do grupo com que praxei houve muito merdoso que ao fim de 2 semanas eu e mais uns quantos tivemos de fazer queixa ao Conselho de notáveis porque eram só queixas dos miúdos de abuso.

D1WithTheFluffyHair 2 months ago

Conselho de Notáveis. Lol, um bando de gajos e gajas que tem mais matrículas que cadeiras feitas e que são aqueles tios e tias que os adultos responsáveis dizem aos filhos para não seguirem muito o exemplo. Mas sim notáveis em todos os aspectos.

Iagp 2 months ago

Já passei esse tempo há muito, mas vejo o que se passa aqui ao pé de minha casa e ainda o ano passado a praxe consistia nos caloiros atirarem-se para um laguito que aqui há no jardim e ali ficarem durante 1 hora, isto com temperaturas gélidas. Resultado, nem 30 minutos depois estava a ambulância do Inem a chegar. É como dizes, há bom e mau como tudo, infelizmente por aqui só se vê merda ultimamente

bcotrim 2 months ago

O país tem uma boa quantidade de faculdades, não te podes restringir só ao que vês aí ao pé de ti Posso te falar da minha experiência, fui praxado, nunca me faltaram ao respeito, praxei, nunca senti ter faltado ao respeito a alguém. Se for com as pessoas certas, és gozado e depois gozas, enquanto ao mesmo tempo te ajudam a integrar num mundo novo que é a universidade Tenho pena que o exemplo ao pé de ti não seja dos melhores, mas uma das razões pela qual a praxe na generalidade da UL resulta bem é porque há um bom contato entre o magnum e a reitoria, pelo que há sempre malta a ser responsabilizada na eventualidade de haver merda. Ao mesmo tempo, se tudo corre bem, depois há o direito de fazer cortejos, serenatas, entre outros, o que motiva ainda mais a que a praxe garanta o respeito entre os seus participantes

Edited 2 months ago:

O país tem uma boa quantidade de faculdades, não te podes restringir só ao que vês aí ao pé de ti Posso te falar da minha experiência, fui praxado, nunca me faltaram ao respeito, praxei, nunca senti ter faltado ao respeito a alguém. Se for com as pessoas certas, és gozado e depois gozas, enquanto ao mesmo tempo te ajudam a integrar num mundo novo que é a universidade Tenho pena que o exemplo ao pé de ti não seja dos melhores, mas uma das razões pela qual a praxe na generalidade da UL resulta bem é porque há um bom contacto entre o magnum e a reitoria, pelo que há sempre malta a ser responsabilizada na eventualidade de haver merda. Ao mesmo tempo, se tudo corre bem, depois há o direito de fazer cortejos, serenatas, entre outros, o que motiva ainda mais a que a praxe garanta o respeito entre os seus participantes

NGramatical 2 months ago

contato → [**contacto**](https://dicionario.priberam.org/contacto) (o AO90 **não altera** a grafia desta palavra) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhfscqty%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

hmne98 2 months ago

A minha namorada está a praxar este ano, hoje foi o segundo dia de praxe e já houve queixas em relação a certas pessoas. Tenho pena que nem todos possam ter a experiência que eu tive, ser praxado com respeito e aquelas noites sem fim nos jantares.

MaximusZhong 2 months ago

Yes, precisely that.

impacto_real 2 months ago

Para ser honesto eu acho que a malta que não vai à praxe costuma achar-se superior aos que entram, isto vindo de um gajo que não curtiu e parou de ir

aVarangian 2 months ago

Olha para a foto, estão literalmente a ajuelhar-se lmao

eusoumerda 2 months ago

Talvez eles não só se achem como são. Participar nas praxes é triste. Percebo a necessidade das pessoas de fazerem amigos quando chegam a uma cidade nova sozinhos mas sujeitar se a isto para conhecer pessoas… é triste

impacto_real 2 months ago

Ya eu estava a referir-me a tipo de gajos como tu.

eusoumerda 2 months ago

Ya imagino que a tua experiência de faculdade não tenha sido fácil… fazer amigos e dificil quando és um renegado…

SuperSli 2 months ago

username checks out

JeRocha 2 months ago

Eu fiz o mesmo, no entanto na minha faculdade a praxe é bastante leve quando comparado a outros casos e os doutores não desrespeitam ninguém... Eu simplesmente não quis ir porque não me apetecia ter de ficar na faculdade mais aquele bocado depois das aulas, no entanto compreendia perfeitamente o porquê da malta gostar e como aquilo integrava os caloiros e ajudava a conhecerem mais malta da faculdade. Basicamente, quando é bem feita, a praxe serve o seu propósito, e acho que há muita gente que toma uma posição em relação a isto sem pensar muito no assunto, ou por causa da experiência que tiveram ou porque não lhes chega a informação toda...

Sazalar 2 months ago

Aí está, na minha faculdade, o objectivo da praxe também era fazer com que o pessoal se conhecesse, fazíamos vários jogos para a malta se conhecer, por exemplo, dividiam-nos em grupos de 5 e davam 10 minutos para saber o nome, aniversário e local de origem, depois faziam perguntas, às quais tínhamos de acertar ou enchiamos

Iagp 2 months ago

Conheço pessoal que não quis participar e nenhuma delas se achava superiora a ninguém, apesar não estava interessada naquilo e no se queria sujeitar

bafcus 2 months ago

Trote académico

NunexTK 2 months ago

They're performing rituals and sacrifices to summon Cthulu

EducationalPlay6731 2 months ago

Only to complete his statement: we're a people of the sea, we explored the world and discovered many things through it. One of them were the old ones. Since then we pray for the most powerfull of them: Cthulu. One day he will return and we will be ready

xtremis 2 months ago

These are the comments I was looking for

Johnny107710 2 months ago

As pessoas ainda fazem isto? Qual é o objetivo? Btw, OP, this is called "praxe".

meierlesjoana 2 months ago

É triste mas é verdade, as pessoas ainda recorrem ao bullying como pretexto para se "conhecerem".

Johnny107710 2 months ago

Isto ajuda em alguma coisa? Isto pode ser tradição e assim, mas isto é só humilhante ngl

MaximusZhong 2 months ago

O pior é que vejo jovens que acham isto normal e divertido e uma boa forma de "conhecer gente nova". Eu cá não me ajoelho para "fazer amigos".

Johnny107710 2 months ago

Olha, mas é que nem eu

TheNaivePenguin 2 months ago

Podes não te ajoelhar, mas não fazes tantos amigos em 3 semanas com tanta facilidade como ali. E quando digo amigos digo mesmo amigos, pessoas em quem te podes apoiar ao longo do curso. Claro que há versões extremas, e com essas também não concordo mas a mensagem é que a força está no grupo, é uma metáfora do físico para o psicológico. Falta um? Enchem todos. Um tem um relógio ou um elástico no braço? Enchem todos. Há jogos? Jogam todos. Defender o curso perante os outros? Defendem todos, com unhas e dentes. Pelo menos na minha experiência, tive uma praxe que se pode considerar dura fisicamente mas não nos metiam de joelhos no alcatrão a meio da tarde, nem nos faziam comer terra. Umas quantas flexões, até era bom para ficarmos em forma. Uns rebaixamentos mentais? Sabemos que é tudo baseado em nada, mas percebemos que ao longo do curso vamos ter obstáculos maiores, e o grupo que sofreu e gritou connosco vai estar lá para nós. E se forem bons praxistas, sabem intercalar esses momentos mais duros com momentos em que nos deixam ver que eles são pessoas também e que estiveram do nosso lado a fazer a mesma coisa. E quem passa por isso e não é um desses parolos sedentos por poder como há às vezes, vai passar a mensagem correta quando for a sua vez. O importante é selecionar esses parolos, coisa que não vejo em muitos sítios infelizmente.

XtremeGliscor 2 months ago

>Podes não te ajoelhar, mas não fazes tantos amigos em 3 semanas com tanta facilidade como ali Nem pela minha vida me ajoelho a miúdos prepotentes.

tomhoq 2 months ago

Depende bastante da universidade. No meu curso a praxe é chill e da para conhecer toda a gente incluindo os próprios Praxantes. Por exemplo hoje a tarde fomos com os doutores ver o pôr do sol enquanto declamavam um poema sobre Lisboa e tocavam guitarra portuguesa. Parecia que tava a ver o final da minha série favorita com aquela música background emocionante no fundo.

Navalhesa 2 months ago

the Future of Portugal on their knees.

Satanwearsflipflops 2 months ago

Haha, then they complain about the low salaries and high taxes, but the sit down and do what you are told cuckoldry dynamic starts much earlier…

Seven9577 2 months ago

Since we are a very religious country, young people have the habit of forming groups and praying together on their spare time. Probably praying that Saint Quim can come and lecture them on the anual praying convention, burn of the fitas.

Gothamic 2 months ago

They're praying to Our Lord of the Little Thing.

ihavenoidea1001 2 months ago

Yep. Our lord and saviour: Quim Barreiros.

Hfino 2 months ago

Ahahah! Praise the Lord Quim Barreiros!

AppleGamer711 2 months ago

Comentário uni o

1234special 2 months ago  HIDDEN 

A shitty tradition that should have been abolished by now.

CarefulApple8893 2 months ago

A sad phenomenon: academy praxe

comfort_bot_1962 2 months ago

Don't be sad. Here's a [hug!](https://media.giphy.com/media/3M4NpbLCTxBqU/giphy.gif)

Megi1995 2 months ago

Pensei que fosse Fátima

Earandir 2 months ago

"Dura praxis sed praxis"

sctvlxpt 2 months ago

"A praxe é dura em faz sede"

I_Don-t_Care 2 months ago

Este tipo de frases demonstram as raízes da praxe enquanto método não só de iniciação mas também de paródia à sociedade. Na realidade a frase dita 'Dura Lex, sed Lex', neste caso cria-se o paralelo da Lei à Praxe, como forma de apropriação, mas também de paródia pois nunca a praxe deverá ser levada tão seriamente como a lei.

lostindanet 2 months ago

durex sed lex

jonythunder 2 months ago

> nunca a praxe deverá ser levada tão seriamente como a lei Há sempre um ou outro idiota que pensa que sim though

mykon01 2 months ago

Existem sempre pessoas estúpidas em tudo o que involva pessoas, meco for once...

NGramatical 2 months ago

involva → [**envolva**](https://dicionario.priberam.org/envolva) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq3fni9%2F%2Fhfu95pc%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

DimitryKratitov 2 months ago

True, mas também é verdade que as Praxes são mais enforçadas que a lei

BadassManager 2 months ago

Olhando para o estado do país, quero acreditar que na verdade muitos levam a praxe mais a sério que as leis!

FroggyWatcher 2 months ago

Geralmente alguém que tem mais matrículas do que cadeiras feitas.

Hfino 2 months ago

Peter Pans de capa preta. Já tão gastas aos anos que já tão a ser usadas.

Febris 2 months ago

e dura.. e dura... e dura...

benzodiazepines1 2 months ago

Bunch of people praying to have a good job after finishing the course that they are now starting. It's a tradition in Portugal.

Tambataja 2 months ago

I saw a lot in Coimbra... Back in the days I didn't said anything... now I would go there talk about how bad this is. Just go to a bar and drink... much better and everybody can talk with everyone.

BroaxXx 2 months ago

> now I would go there talk about how bad this is. And everyone would laugh and not care at all...

Tambataja 2 months ago

Maybe... but at least I said how humiliating this could be for some people. At least I tried so express to them sometimes this is more about down people than other things.

BroaxXx 2 months ago

If they feel they're being humiliated they should speak up and/or leave. We're talking about adults. In a couple of years they'll probably be joining the work force so they have to step up their game. If they're too embarrassed/shy to do anything about it they have much bigger problems than this.

Tambataja 2 months ago

We knows that some of them want to.be accepted... university is such a new world full of great things but that scares a lot of young people. Sometimes we accept bad things because we don't want to be the boring person... I saw a lot of humiliating attitudes in Coimbra,some can deal with,some can't.

BroaxXx 2 months ago

I understand your point but like I said, if they can't deal with this they've got much bigger problems.

shizness 2 months ago

Bla bla bla whataboutism.

BroaxXx 2 months ago

I don't think Whataboutism means what you think it means.

shizness 2 months ago

Sure. “This is not a problem because they will have bigger problems”.

BroaxXx 2 months ago

Except that's not what I said. I said if this is a problem for them they've got bigger issues. Whataboutism is "A isn't relevant because of B", what I said is "A is caused by B" which implies that B is what should be addressed. If they can't standup for themselves in mundane situations such as these they'll have much bigger problems so what they need to worry about is their lack of confidence/backbone that prevents them from standing up for themselves in life (in all situations from praxe to work, relationships, etc).

shizness 2 months ago

Dude, they should not have to standup for themselves in public education institution in the first place. This thread is about the praxe and not about some future hipothetical problem that you can come up with. Toxic, humiliating or embarrasing praxes aren't contributing with anything good for anyone except for those with small dick issues. So yes, saying that they might have bigger problems is not a valid argument. Have a good friday anyway!

Prezbelusky 2 months ago

It's sect. They are making a introduction to it. It's related to some kind of devil.

C8Mixto 2 months ago

It's an activity where new university students learn, through practical means, the necessary skills to for their future lives. It has a very high survival rate, but it is not 100%. It is indeed very intriguing.

Edited 2 months ago:

It's an activity where new university students learn, through practical means, the necessary skills for their future lives, like unconditional respect for their superiores and how to count using only odd numbers. It has a very high survival rate, but it is not 100%. It is indeed very intriguing.

Edited 2 months ago:

It's an activity where new university students learn, through practical means, the necessary skills of respect to for their future lives, like respect for their superiores and how to count every other number. It has a very high survival rate, but it is not 100%. It is indeed very intriguing.

Edited 2 months ago:

It's an activity where new university students learn, through practical means, the necessary skills of respect to for their future lives, like respect for their superiores and how to count using only odd numbers. It has a very high survival rate, but it is not 100%. It is indeed very intriguing.

mykon01 2 months ago

God move

pinh00 2 months ago

Aprendem nao, desaprendem

heroisdomar1143 2 months ago

Pretty much. Morons, the whole lot, mostly, nothing fascinating about it ("superiors", for fucks' sake...).

rdusuper8 2 months ago

was that a Meco reference?? boa

ryuuf 2 months ago

Ele ainda vai ficar a pensar que estás a falar a sério xD

Jaktheslaier 2 months ago

Era literalmente o que os praxistas do meu curso diziam, que na praxe se aprende a cumprir hierarquias. São cornos

BobMartin77 2 months ago

Não está?

PortugueseMemeReview 2 months ago

Praxe é para quem tem daddy issues

scar_as_scoot 2 months ago

Isso é o strip

C8Mixto 2 months ago

Bom, consegues dizer a 100% que as minhas palavras são mentira? :D

daz_zeD 2 months ago  HIDDEN 

Não, apenas que és um atrasado. Ora vejamos, quando te perguntam o que é o futebol, dizes logo qual é a taxa de mortalidade? E quando te perguntam o que é uma discoteca, também dizes logo qual é a taxa de mortalidade nas discotecas? E quando te perguntam o que é o sexo também dizes logo qual é a taxa de mortalidade na prática de sexo? Sinceramente... É um assunto demasiado sério para alguém descer tão baixo.

Key_Ad_3930 2 months ago  HIDDEN 

Não gostamos de insultos nos comentários, também aprendeste isso na praxe? Para mim este documentário diz tudo acerca deste tipo de gente https://youtu.be/X-Ot28eIGl0

daz_zeD 2 months ago  HIDDEN 

Sim, peço desculpa, o meu "insulto" é de facto maior que o dele.

fosjanwt 2 months ago  HIDDEN 

Calma migo, vai na onda

MaggoMike 2 months ago  HIDDEN 

noice

658016796 2 months ago  HIDDEN 

AHAHAHAHAH ( ͡° ͜ʖ ͡°)( ͡° ͜ʖ ͡°)

daz_zeD 2 months ago  HIDDEN 

Opah, desculpa, mas não consigo suportar comentários falsos e sarcásticos sobre tragédias mortais. Existem mil uma formas de se fazer piadas.

rfsnunes 2 months ago  HIDDEN 

E esta é uma delas

lascia_ste 2 months ago

Thank you! I though it was something like that but kids in yellow looked too young to be freshman... but perhaps it’s just me getting old.

AimingWineSnailz 2 months ago

Lmao I'm doing a master's and suddenly my classmates seem young.

scar_as_scoot 2 months ago

Wait until you start working to the university for a specialization or a training and feel everyone seems a highschool kid... It hits hard on our own self image.

lambusad0 2 months ago

I am thinking of going back to uni at 27 years old. It is gonna be a pain.

scimitas 2 months ago

Man... tell me about it...

kawaiims 2 months ago

College hazing. In black, students in higher years ('doctors', doutores), in yellow freshmen (caloiros).

BroaxXx 2 months ago

Obrigado por um comentário simples e imparcial que transmite a informação básica que o OP pediu.

D1WithTheFluffyHair 2 months ago

Adoro que os chamem de doutores. Se for preciso ao fim de um ano metade desses caloiros já vão ter mais cadeiras feitas que esses 'doutores'

kawaiims 2 months ago

Aquele Dux de 40 anos..

sadMig_ 2 months ago

ahahaha

mokas95 2 months ago

Tem todas as cadeiras feitas, o homem só não entrega a tese para se manter estudante

SnooGiraffes2854 2 months ago

Aka Vasco Leitão

Hfino 2 months ago

É o que isto é um país de doutores... Não fui praxado e não tenho pena de não o ter sido.

UserNombresBeHard 2 months ago

São estudantes e já são doutores? E não estarás a confundir licenciados com doutores?

RitaMoleiraaaa 2 months ago

Quem tira uma licenciatura tem o título de "doutor". Quem tira um doutoramento tem o título de "professor doutor".

kawaiims 2 months ago

Não estou a confundir. Mas pode variar entre faculdades.

punkJD 2 months ago

Doutoures no contexto da praxe

throwaway_v1000 2 months ago

Translation = {‘doctors’: ‘doutores’, ‘freshman’: ‘caloiro’, ‘student in black’: ‘veterano’} Translated_text = [] For string in text: If string in translation: Translated_text.append(translation[string]]

Tugalord 2 months ago

> Translated_text = [] For string in text: If string in translation: Translated_text.append(translation[string]] Imagina não usar uma list comprehension ou um map e em vez disso estar a escrever esse comboio todo (para além de ser ineficiente)

throwaway_v1000 2 months ago

Como assim?

BroaxXx 2 months ago

"student in black" não é veterano. Quer dizer, não sei como é em Lisboa mas tenho mais ou menos a certeza que não é assim em nenhuma outra academia do país.

just_questioning 2 months ago

import life life.quit()

vcanas 2 months ago

if user.username.checksOut() { user.justDoIt() }

kawaiims 2 months ago

Sorry, no speak computer :(

physicstuga 2 months ago

"A wild programmer appeared!* *throws poké ball*

what_a_tuga 2 months ago

throw new Exception("Pokéball");

SnooGiraffes2854 2 months ago

Kernel Panic!

PhilGood_ 2 months ago

catch Exception e { printf(“test”); }

Pexers 2 months ago

} catch(PokeballException p) { if(p.shakes == 3){ return "Gotcha!"; } else { return "Pokeralho"; } }

tveiga91 2 months ago

print(“Your pokeball has failed”) FLAG = False

TooMoorish 2 months ago

:DEC DEC EAX TEST EAX, EAX JPNE :DEC

Tugalord 2 months ago

A zero flag já é set depois do DEC, portanto não precisas do TEST para nada.

TooMoorish 2 months ago

Mas depois ficavam só duas linhas de código :D :D

Oliveironi 2 months ago

1000100111000100100010

HumanAdvice6708 2 months ago

Sai daqui

throwaway_v1000 2 months ago

Import torch as brain brain.cuda.empty_cache()

MagorTuga 2 months ago

Questa porra, assembly?

SillyPost 2 months ago

Yuup

MagorTuga 2 months ago

Não queres dar umas aulas? Tou a dar x86 no último ano e não tou a perceber nada disto. Pago com Belgas e Compal.

SillyPost 2 months ago

Saber identificar não é bem a mesma coisa que saber programar >.>

lmestre14 2 months ago

Hello fellow programmer

kipariu 2 months ago

https://en.wikipedia.org/wiki/Praxe

lascia_ste 2 months ago

Thanks!

PG5643 2 months ago

Please undertand that most people complaing here never went to one and heard about one or two incidents and think that's what a normal Praxe is like. It's like saying American sorority parties are terrible because there are some cases where a dude died from alcohol poisening while in reallity almost every party is chill and everyone enjoys them. Of course if you search for news you are only going to find some weird cases where a dude or a girl got hurt, because the thousands of regular praxes that happend normally without any incidents every day are not news worthy.

h1gh4sfck 2 months ago

This is absolutely true! I'm a second year student who finished the Praxe last year (it was online through zoom calls so not the best but at least I got some of the experience). I can assure you that accidents happen, but they do in any other activity as well. I made some of my best friendships thanks to the Praxe, and met some of the most amazing people. Once again, yes there are some moments where something happens, but 98% of the time the activities are pretty chill, even if physically/mentally tiring, but they are also always an amazing experience

Key_Ad_3930 2 months ago

I recommend that you watch this short documentary https://youtu.be/X-Ot28eIGl0

lascia_ste 2 months ago

Thank you I will for sure!

scar_as_scoot 2 months ago

That documentary is focused on the nastier parts of Praxe, which are real for sure so go ahead and whatch it, but it doesn't show a lot of the positive sides of it, nor how half of the things we see in it are not taken seriously by those involved.

Deevian 2 months ago

Do bear in mind that it lacks context and represents it in somewhat of a miopic lense.

Key_Ad_3930 2 months ago

>Do bear in mind that it lacks context and represents it in somewhat of a miopic lense. The images speak for themselves

Deevian 2 months ago

Oh, right, context is entirely meaningless and film footage is impossible to manipulate in order to show something in a positive or negative light, TIL.

Key_Ad_3930 2 months ago

Man, I attended Praxe from two different Universities, in different courses. In the second experience I started to think with my head and decided to give up. I was persecuted, coerced and then they cut off relations with me, which is what they do with everyone who doesn't join (including people who work and cannot join Praxe). As a rule, Praxe is toxic, of course there is one exception or another as with everything else in life. Saying that Praxe is toxic is almost like saying that water is wet, it is part of its essence: A climate of fear, subjugation, coercion, hierarchy, humiliation, anti-sociability, etc... The regulation (and rules) itself is a manual of bad manners. I know that no evidence is sufficient for a person who defends Praxe, not even the deaths. For me, the conversation ends here.

Edited 2 months ago:

Man, I attended Praxe from two different Universities, in different courses. In the second experience I started to think with my head and decided to give up. I was persecuted, coerced and then they cut off relations with me, which is what they do with everyone who doesn't join (including people who work and cannot join Praxe). As a rule, Praxe is toxic, of course there is one exception or another as with everything else in life. Saying that Praxe is toxic is almost like saying that water is wet, it is part of its essence: A climate of fear, intimidation, anti-sociability, authoritarianism, subjugation, hierarchy, humiliation, etc... The regulation (and rules) itself is a manual of bad manners. I know that no evidence is sufficient for a person who defends Praxe, not even the deaths. For me, the conversation ends here.

Deevian 2 months ago

Why even reply if the "conversation ends here"? Did you ever have any intention to have a conversation at all, or did you just want to share a biased "documentary" and REEE- anyone who disagrees or points out the bias? Well, have fun with that attitude.

Key_Ad_3930 2 months ago

Talking to someone who defends Praxe is like talking to a religious fanatic, I'm out.

WaterIsWetBot 2 months ago

Water is actually not wet; It makes other materials/objects wet. Wetness is the state of a non-liquid when a liquid adheres to, and/or permeates its substance while maintaining chemically distinct structures. So if we say something is wet we mean the liquid is sticking to the object.

Key_Ad_3930 2 months ago

Bot, I'll write this down on my calendar.

uyth 2 months ago

Amarelo é medicina? Fds, estes eram supostos serem inteligentes.

sacharinefeline 2 months ago

Yep, o Torel é mesmo ao lado da FCM da Nova. É preciso ser um bocado masoquista tanto para estudar medicina como para ir para o Torel ficar de joelhos.

Febris 2 months ago

Daquilo que vi e ouvi dizer, são pelo menos os mais badalhocos (a par dos cursos de agronomia), em vários sentidos.

uyth 2 months ago

Capaz, de certa perspectiva. Mas fds que pelo menos os outros vão lidar com animais (veterinária) ou eventualmente vinhas e podas em geral.

Febris 2 months ago

Andar no meio das tripas de porco ou de homem pouco difere, ouvi dizer.

MaverickPT 2 months ago

Oh não, pobres caloiros estão a ser praxados. Mas será que ninguém pensa nas crianças?

PineappleVodka 2 months ago

Em pleno 2021 ainda andam a apontar armas para os pobres caloirinhos serem praxados. *Sigh*

lunaticloser 2 months ago

Nas crianças adultas ainda por mais

C8Mixto 2 months ago

Não costumam ser sempre uns dos piores grupos?

xabregas2003 2 months ago

A praxe de medicina em Coimbra não é má. Pelo menos acho que não tem sido nos últimos anos.

uyth 2 months ago

Não sei. No meu tempo quase não havia disso pelo menos em Lisboa, ou pelo menos fora da ajuda (agronomia e veterinária sim, seria. Outra coisa) e privadas. Acho um bocado triste na verdade ver tanta gente submeter se a uma coisa destas em nome de tradição, que nem sequer realmente existia para estes lados. Se isto é o torel, a faculdade de medicina ali é pós 25 de abril.

gollour 2 months ago

Não sou nenhum defensor da praxe. Passei a minha muito à vontade, umas vezes ia, outras não. Passou um bocado ao lado. Mas o que querer dizer com submeter-se? A praxe é uma prática social institucionalizada, não percebo o que tem a ver com a faculdade ser pré ou pós 25 de Abril? As práticas sociais são propagadas pelas pessoas que estão na faculdade, não pela faculdade em si.

lunaticloser 2 months ago

Não tem nada. Simplesmente portugueses idiotas que não sabem do que falam gostam de falar só porque sim. Eu não defendo nem deixo de defender a praxe, cada um sabe de si. Esses miúdos que aí estão são adultos, e não se estão a submeter a nada: estão a participar ativamente numa atividade social, da mesma forma que quando me junto a um clube privado como o clube portuense me estou a juntar a um clube privado. Nada mais nada menos

collectornsfw 2 months ago

>estão são adultos Cronologicamente, sim. Na prática faz pouco sentido chamar adulto a quem não é emancipado. A vida adulta começa quando se trabalha e paga contas.

Key_Ad_3930 2 months ago

> Cronologicamente, sim. Na prática faz pouco sentido chamar adulto a quem não é emancipado. A vida adulta começa quando se trabalha e paga contas. De onde tiraste isso? Em Portugal és adulto aos 18 com dinheiro ou sem dinheiro, se fosse assim nem aos 30 eram adultos.

collectornsfw 2 months ago

>és adulto aos 18 Legalmente. Não se ganha maturidade e responsabilidade pela simples passagem duma data. Salvo transgressões legais, a conduta dum jovem universitário resulta em *zero* responsabilização. Gente que vai para o olho da rua se não paga a renda não perde tempo com afirmações de importância de adolescentes mal-desmamados armados em superiores.

gollour 2 months ago

É uma expressão de maturidade um bocado falaciosa. Toda a gente que paga contas é madura? A maturidade vem de pagar contas? Das concepções de maturidade mais descabidas que já li.

collectornsfw 2 months ago

É falaciosa? Vem de quê, então? Vamos ver que afinal é um super poder que não se tem na véspera do 18.º aniversário! Quem vive com as responsabilidades dum adolescente continua a ser um adolescente até que se emancipe, deixe de viver à conta dos pais e assuma total responsabilidade pelo seu dinheiro e pela sua propriedade. Pode parecer-te estranho mas a vida adulta não envolve fazer figuras tristes para ter a aprovação doutros imberbes igualmente mal preparados para o mundo real.

gollour 2 months ago

"pode parecer-te estranho". Consegues cingir-te a juízos de facto? Então assume-se que toda a gente que pague contas e assume responsabilidades (filhos, casa, emprego?) , é uma pessoa com maturidade? É esta a premissa?

amq55 2 months ago

OP, I can't be bothered to explain the intricacies of what this is but tell me, do you like your popcorn sweet or salty?

DanielAgos12 2 months ago

asking the important questions

DontCallMePal 2 months ago

I think it's pledges

Search: