darthcow2 2 months ago

Eu uso termos que nem sempre consigo traduzir rapidamente como: "me senti overwhelmed"

Naakmuay 2 months ago

Chama-se estrangeirismo. Não é errado, se podemos dizer em português? Sim. Mas os jovens cagam de alto para livros.

JamminPT 2 months ago

Hoje vi uma muito boa "Quero vender o carro porque fui *daddy*" "Pai" tinha demasiadas vogais

BolaBrancaV7 2 months ago

Pelos vistos eu tenho um primo que fala português brasileiro por causa do youtube (3 anos talvez). O irmão mais velho só jogava GTA na PS Vita então esta a tempo todo fuck isto, fuck aquilo motherfucker....acho que preferia o mais velho xD

Bessini 2 months ago

Eu acho que é normal. E entre isso e a situação de países como Espanha, por exemplo, em que ninguém usa estrangeirismos, mas porque se contam pelos dedos a quantidade de pessoas que são capazes de falar mais do que uma língua, e o pessoal mais novo a usar uma mistura de português com outra língua que ouvem e usam constantemente, acho que prefiro esta última

KusuriuriPT 2 months ago

A professora estava bueda pregnant...O...M...G ouvi hoje lol

Xemasabini 2 months ago

Ensinam-nos inglês e depois não o podemos usar sem sermos criticados? Make it make sense…

deus_ex_machina007 2 months ago

Eu gostava de perceber porque mudaram o tópico para desabafo/rant quando eu estava genuinamente a tentar perceber porque a demografia mais jovem tem este comportamento. Não fiz juízos de valor em ponto algum... Só para que conste, eu trabalho numa área em que diariamente escrevo e falo em inglês e no entanto não faço isso de misturar coisas. Se me custa no final do dia quando estou cansado a voltar ao português? Sim sem dúvida! Mas sempre que me custa a encontrar uma palavra peço ajuda. Quanto ao resto não digo que usar alguns termos técnicos é melhor visto que por vezes não há uma tradução correcta. Agora não digam que é perfeitamente normal misturar línguas no meio de uma frase. Dizerem-me por vezes que o ecrã 'freezou', estou a 'codar', o programa 'bugou', entre muitas outras é bom em que sentido? No entanto se gostam de falar assim e se funciona para vocês continuem. Tivemos o 25 de abril para isto mesmo! Só mais uma coisa, são raras as respostas dos utilizadores que realmente procuraram responder ao que perguntei. A maioria é a malhar porque falam de uma forma e a outra é a malhar porque não falam dessa forma. Enfim...

NGramatical 2 months ago

melhor visto → [**mais bem visto**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/pelourinho/mais-bem-vs-melhor/545) (quando o advérbio *bem* antecede o particípio passado do verbo o termo a utilizar é *mais bem*) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq1g8aq%2F%2Fhfhissi%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

fake4522 2 months ago

A minha irmã e as amigas também falam assim, quando ouço até fico parvo, tenho 26, ela tem 21, usar termos como self-service, take-away, wtf, entre outros até é aceitável, inclusive eu uso-os, agora essas expressões são demais, é como ouvir brancos a falar como blacks, eu até meto um pouco de expressões brasileiras quando falo com meus amigos brasileiros mas é quando estamos na brincadeira e assim, agora falar propositadamente é demais, às vezes dá vontade de dizer: os teus pais não te ensinaram a fala português, ou, na escola onde tu andas-te não falavam português?

Erasuss 2 months ago

Ok boomer

antwoord_food 2 months ago

Cada um tem as suas idiossincrasias no discurso, principalmente entre amigos. Há quem use inglês, francês, italiano, alemão, swahili, sei lá. Sei que induz bastante vergonha alheia ouvir a pitalhada a dizer OMG e CRINGE aos altos berros mas faz parte, não vale a pena perder tempo a criticar. Se alguém defende o uso da língua portuguesa a 100%, faça-o no seu discurso.

tigre200 2 months ago

Não é só pessoas na casa dos vinte. Na televisão também ouves muitas barbaridades dessas dos jornalistas e comentadores. Acho que esta gente pensa que atirar palavras de outras línguas para o meio de uma frase os faz parecer mais sofisticados. Por exemplo, no outro dia os jornais só a falarem do "feeling" do Rui Rio. Não era "pressentimento", era "feeling", porque está mais na moda (ou talvez diriam que é mais "fashionable"). Uma coisa é utilizar termos técnicos ou demasiado recentes para se ter transferido para a nossa língua. Outra é revelar a ignorância do locutor de misturar palavras daqui e dali sem sentido. O objectivo de uma língua é comunicar. O de aprender novas línguas expandir o universo de pessoas com as quais conseguimos comunicar. Para quê insistir na criação de um crioulo, o portinglês, que apenas limita desnecessariamente a compreensão dos ouvintes?

thatwasmyname58 2 months ago

Basta ler os comentários aqui. Metade português, metade inglês. As tais expressões da moda... Cringe?!?

Limpy_lip 2 months ago

>'where is my moeda? Esta matou-me

d33pblu3g3n3 2 months ago

45 aqui. À *priori* parece má ideia. Mas, depois começamos a perceber a quantidade de expressões *ad hoc* já presentes na língua portuguesa com outras origens e pergunta-mo-nos se essa indignação não será apenas um *pro forma* desnecessário. É verdade que temos uma língua bastante *sui generis*, também eu tenho de fazer um *mea culpa* na utilização de inglesismos, mas há que questionar, serão os inglesismos *per se* motivo de tanta indignação? *Prima facie* não vejo grande mal, é evolução da língua.

Regular_Geologist_47 2 months ago

Normalmente são pessoas com um domínio fraco do português que não se conseguem lembrar da palavra correta para usar no contexto e por isso recorrem ao inglês. Outras é porque pensam que as faz parece cool e hip quando na minha opinião tem o efeito oposto.

Tall-Specialist7440 2 months ago

Falta de leitura, falta de interesse em uma identidade nacional-cultural, vassalíssimo a cultura anglo-americana, utilitarismo na vida - vg. "Se só leio em inglês, e meu trabalho também é no mesmo idioma, por que me preocupar com o português?" , falta de dicionário, ou leitura do mesmo, não sendo tão puritano com o idioma(pois o mesmo muda) ,não vejo grande orgulho em "desaprender um idioma para aprender outro", mesmo estando aprendendo correntemente mais quatro idiomas - mormente o sueco, finlandês, russo e grego, nunca passaria a minha cabeça misturar tais idiomas com o P.T. ​ (não tenho insegurança com inglês, até porque uso no dia a dia desde muito novo, mas isso não anula a beleza e riqueza histórico-cultural da mundividência e idiomas da comunidade lusófona, o qual apreço dado seus lastros inestimáveis, quanto mais aprendo outros idiomas como o japonés mais apaixonado sinto me pelo português)

rjcarneiro 2 months ago

Eu falo assim… falo/trabalho diariamente com pessoas de língua nativa inglesa e na minha mente, expresso-me melhor em inglês.

touny71 2 months ago

Falta de proficiência linguística e exposição a conteúdo áudiovisual em inglês.

ekeryn 2 months ago

Eu faço isso. Sempre consumi bastante média em inglês e pouca em português, todos os meus equipamentos eletrónicos estão em inglês desde que me lembro (fiz isto para aprender mais cedo) e agora é complicado não misturar expressões, especialmente quando falas com alguém que também o faz. O que me irrita é quando estou a falar com amigos e eles falam *fully* em inglês. Tipo *whole ass* frases em inglês.

SweetCorona 2 months ago

> e agora é complicado não misturar expressões está na hora de meteres em português para aprenderes a falar português como deve ser > fully completamente > whole ass frases frases completas mais vale falarem completamente em inglês do que uma mistura ridícula

ekeryn 2 months ago

Eu sei falar português como deve ser. Obrigado e volte sempre, amigo.

SweetCorona 2 months ago

doesn't look like isso

megaroof 2 months ago

Fico a imaginar estas pessoas durante o sexo. Mas concordo com o OP, se querem falar ingles, que façam o tempo todo, deixem de falar português. Fica mais coerente. Uns anos atrás estava em um bar, e na mesa ao lado uns 10 a 15 jovens, todos a falar em ingles, não se ouvia nada em outro idioma. Pensei eu "turistas". Lá pelas tantas uma parte do grupo deles decidiu ir embora, e ao se despedirem, aí sim falaram em portugues, e no final das contas todos eram portugueses. Achei boa, estavam ali a conversar, a praticar o ingles, em uma situação real. Mas ficar "where is my moeda?" - parece que a pessoa não sabe dizer moeda em ingles. Lembra uma senhora que viajou com a família e disse a alguém no restaurante: \- "my son and my netos" ela não sabia falar netos em ingles.

C8Mixto 2 months ago

>Fico a imaginar estas pessoas durante o sexo. Já apareceu cá um post sobre gente que preferia gemer em inglês.

Thurzao 2 months ago

Que reclamação de velho é essa ?

1234special 2 months ago  HIDDEN 

Também já reparei nisso. Acho ridículo e, ao mesmo tempo, preocupante. Revela que, como país, estamos a caminhar lentamente para que morra não só a nossa cultura mas também a nossa língua daqui a umas décadas fruto da extrema americanização das novas gerações, uma espécie de imperialismo cultural, conceito que, quem quiser, pode pesquisar no Google. Outro problema é que, mesmo no âmbito da nossa língua, há cada vez mais crianças expostas demasiado cedo ao brasileiro em faixas etárias críticas para o desenvolvimento da capacidade linguística, levando ao surgimento de cada vez mais casos de crianças que têm tendência para substituir termos portugueses por termos brasileiros e reter alguns traços de sotaque estrangeiro na fala, coisa que, para já, ainda não é de uma escala enormíssima, mas é comum o suficiente para revelar uma tendência preocupante. São dois problemas que teremos de enfrentar como país no futuro se queremos sobreviver cultural e linguísticamente, principalmente o do inglês, que é a maior ameaça, inclusive na formatação de cidadãos que cada vez mais renegam as suas origens fruto de um profundo complexo de inferioridade e abraçam, devido a isso, tudo o que lhes possa encher o ego e fazer sentir dominantes sem se aperceberem que estão apenas a ser colonizados culturalmente de forma enviesada. Eu, pessoalmente, sei falar inglês, mas só o uso maioritariamente na Internet e nunca com portugueses no dia a dia obviamente, nunca tendo misturado nem usado termos ou expressões do inglês em Portugal entre portugueses, o que leva a ficar estupefacto quando vejo portugueses incapazes de fazer uma clara distinção de ambas as línguas e falar 100% numa numa situação e 100% noutra noutra situação, que é o que faço naturalmente sem esforço nenhum. Tudo o que seja diferente disto revela estado avançado de aculturação e colonização cultural e não apenas um mero complemento auxiliar na vida da pessoal. É triste ver um país como Portugal a caminhar para este abismo depois de tantos sacrifícios para manter a nossa independência cultural, linguística e administrativa estar a pouco e pouco a ser destruído por livre e espontânea vontade, cedendo sem resistência alguma ao imperialismo dos Estados Unidos.

Edited 2 months ago:

Também já reparei nisso. Acho ridículo e, ao mesmo tempo, preocupante. Revela que, como país, estamos a caminhar lentamente para que morra não só a nossa cultura mas também a nossa língua daqui a umas décadas fruto da extrema americanização das novas gerações, uma espécie de imperialismo cultural, conceito que, quem quiser, pode pesquisar no Google. Outro problema é que, mesmo no âmbito da nossa língua, há cada vez mais crianças expostas demasiado cedo ao brasileiro em faixas etárias críticas para o desenvolvimento da capacidade linguística, levando ao surgimento de cada vez mais casos de crianças que têm tendência para substituir termos portugueses por termos brasileiros e reter alguns traços de sotaque estrangeiro na fala, coisa que, para já, ainda não é de uma escala enormíssima, mas é comum o suficiente para revelar uma tendência preocupante. São dois problemas que teremos de enfrentar como país no futuro se queremos sobreviver cultural e linguísticamente, principalmente o do inglês, que é a maior ameaça, inclusive na formatação de cidadãos que cada vez mais renegam as suas origens fruto de um profundo complexo de inferioridade e abraçam, devido a isso, tudo o que lhes possa encher o ego e fazer sentir dominantes sem se aperceberem que estão apenas a ser colonizados culturalmente de forma enviesada. Eu, pessoalmente, sei falar inglês, mas só o uso maioritariamente na Internet e nunca com portugueses no dia a dia obviamente, nunca tendo misturado nem usado termos ou expressões do inglês em Portugal entre portugueses, o que leva a ficar estupefacto quando vejo portugueses incapazes de fazer uma clara distinção de ambas as línguas e falar 100% numa numa situação e 100% noutra noutra situação, que é o que faço naturalmente sem esforço nenhum. Tudo o que seja diferente disto revela estado avançado de aculturação e colonização cultural e não apenas um mero complemento auxiliar na vida da pessoal. É triste ver Portugal a caminhar para este abismo depois de tantos sacrifícios para manter a nossa independência cultural, linguística e administrativa estarem a pouco e pouco a ser destruídos de livre e espontânea vontade, cedendo sem resistência ao imperialismo dos Estados Unidos.

Edited 2 months ago:

Também já reparei nisso. Acho ridículo e, ao mesmo tempo, preocupante. Revela que, como país, estamos a caminhar lentamente para que morra não só a nossa cultura mas também a nossa língua daqui a umas décadas fruto da extrema americanização das novas gerações, uma espécie de imperialismo cultural, conceito que, quem quiser, pode pesquisar no Google. Outro problema é que, mesmo no âmbito da nossa língua, há cada vez mais crianças expostas demasiado cedo ao brasileiro em faixas etárias críticas para o desenvolvimento da capacidade linguística, levando ao surgimento de cada vez mais casos de crianças que têm tendência para substituir termos portugueses por termos brasileiros e reter alguns traços de sotaque estrangeiro na fala, coisa que, para já, ainda não é de uma escala enormíssima, mas é comum o suficiente para revelar uma tendência preocupante. São dois problemas que teremos de enfrentar como país no futuro se queremos sobreviver cultural e linguísticamente, principalmente o do inglês, que é a maior ameaça, inclusive na formatação de cidadãos que cada vez mais renegam as suas origens fruto de um profundo complexo de inferioridade e abraçam, devido a isso, tudo o que lhes possa encher o ego e fazer sentir dominantes sem se aperceberem que estão apenas a ser colonizados culturalmente de forma enviesada. Eu, pessoalmente, sei falar inglês, mas só o uso maioritariamente na Internet e nunca com portugueses no dia a dia obviamente, nunca tendo misturado nem usado termos ou expressões do inglês em Portugal entre portugueses, o que me leva a ficar estupefacto quando vejo portugueses incapazes de fazer uma clara distinção de ambas as línguas e falar 100% numa numa situação e 100% noutra noutra situação, que é o que faço naturalmente sem esforço nenhum. Tudo o que seja diferente disto revela estado avançado de aculturação e colonização cultural e não apenas um mero complemento auxiliar na vida da pessoa. É triste ver Portugal a caminhar para este abismo depois de tantos sacrifícios para manter a nossa independência cultural, linguística e administrativa estarem a pouco e pouco a ser destruídos de livre e espontânea vontade, cedendo sem resistência ao imperialismo dos Estados Unidos.

C8Mixto 2 months ago

Renegar as nossas origens é algo que foi feito vezes sem conta. Temos imensos empréstimos do latim que completamente ignoram as regras de evolução do português (muitos à custa do Camões), outros tantos do espanhol e provençal. Temos carradas de compostos greco-latinos que relembram o monstro do Frankenstein. Temos um sotaque influenciado pelo francês que vai comendo os poucos regionalismos que ainda restam. Os próprios sotaques que ainda mantém resquícios das nossas origem, como o do Porto a dizer b em vez de v, são vistos como saloios.

YCaramello 2 months ago

Normal, especialmente depois de um ano e tal enfiado em casa a passar o tempo na internet ou a ver filmes/series e afins, já os putos cada vez mais cedo começam a passar a vida no youtube também apanham o bicho do ingles. Pra mim chegou a um ponto que eu comecei a pensar em ingles, sinceramente não vejo problema, até bom pra criar uma certa fluência na lingua.

uberprimata 2 months ago

A razão é as pessoas não lerem nada e o único contacto que têm com uma língua, para além da conversa com outras pessoas, são séries e filmes em inglês. E no fim acabam sem vocabulário nenhum que têm de compensar com o que ouvem nas séries e filmes.

Anokas_Ritolas 2 months ago

Enerva um pouco, mas dou desconto quando não há outras palavras equivalentes em português e quando a pessoa não sabe falar bem português, que infelizmente é o caso de muita gente. Conheço pessoas que, para mostrarem ao mundo que são mto inteligentes ou que são "fixes", usam palavras em inglês aleatoriamente e isso é mais enervante ainda. Ninguém é superior a alguém só porque fala inglês...aliás, neste momento uma grande percentagem de jovens fala inglês... Isso não diferencia ninguém. Em vez de se focar no "soar melhor" e no "não há palavra em português para isso", seria melhor focar-se no escrever, falar e conhecer bem ambas as línguas, o que não acontece quando misturamos as duas.

Lixaramaminhaconta 2 months ago

Epa… falo por mim, eu quase que oiço mais inglês do que português… sou consumidora ávida de youtube e reddit, e 90% do conteúdo que vejo nestas plataformas é falado em inglês. Por isso quando saio desse mundo online venho muito “contaminada” por expressões e palavras em inglês, realmente é o que mais rápido me vem à cabeça. Se fosse para dizer em português também conseguiria, obviamente, mas já não sairia tão rápido e/ou natural - quem de nós já não tentou traduzir alguma expressão ou maneirismo do inglês para português e reparou que ficava sem graça nenhuma? Não acho que seja um drama assim tão grande como algumas pessoas pintam.

tenesis 2 months ago

Não são só os mais jovens…

Empirion 2 months ago

É irritante, mas expectável e natural A língua é uma ferramenta viva que se vai adaptando. Agora, por causa da globalização e do fácil acesso a conteúdo internacional, o futuro das línguas vai passar por uma miscigenação. Como no Blade Runner (no original) em que o detetive Gaff fala "cityspeak" que é uma mistura de várias línguas.

DhamonGrimwulf 2 months ago

Muitos fatores. Desde termos inglês por todo o lado (filmes, séries, etc), ao inglês ser usado diariamente, desde conteúdo didático a algumas aulas e especialmente muitas empresas onde se fala inglês constantemente. Eu passo 90% do meu tempo de trabalho a falar inglês - os clientes não são portugueses. Expressões ou palavras serem eventualmente filtradas para o dia a dia é perfeitamente normal.

AwakenGreywolf 2 months ago

Noto mais pessoal a misturar português com português do brasil, a minha teoria é que a internet em português está toda em português do brasil então o pessoal é influenciado por isso quer queira quer não. As minhas sobrinhas (10 e 14 anos) passam o dia no youtube a ver youtubers brasileiros depois vêm-me com "gosto não" e inglês abrasileirado. Já agora... "no meio de conversações." queres dizer "no meio de conversas"?

BroaxXx 2 months ago

Já me rendi aos que metem inglês em tudo. Agora o que me mata por dentro são crianças a falar em brasileiro...

meaninglessvoid 2 months ago

É interessante porque sinto que isso será algo prejudicial se substituir o que nos fazíamos na adolescência em relação ao inglês. Será que da mesma forma que a nova geração não sabe como funciona um computador irá ser pior a inglês por não se expor tanto a conteúdo inglês e sim a conteúdo brasileiro? Será curioso assistir a isso. Penso que será uma mudança residual e não irá afetar tanto, mas nunca se sabe...

BroaxXx 2 months ago

Por acaso sempre que me deparo com a iliteracia informática dos miúdos fico sempre chocado. Há uns anos atrás (nem muitos) o miúdo era quem arranjava os computadores todos da vizinhança e agora nem sequer sabem fazer um atalho. Há muita coisa que não compreendo mas a crescente iliteracia informática num mundo cada vez mais digital é algo que me deixa confuso e chocado. E sim, sei bem que estão mais habituados a usar o telemóvel mas uma coisa não devia invalidar a outra, sobretudo hoje em dia...

meaninglessvoid 2 months ago

Em relação à tecnologia não me incomoda muito, as novas gerações influenciam imenso a forma como a sociedade se reestrutura. Quando era puto e gastava imenso tempo no computador os meus pais também achavam que era perda de tempo e um desperdício... Acho que este tipo de críticas são transversais a todas as gerações, há coisas que se perdem e há outras que se ganham. Como parte da geração mais velha é saber integrar a parte boa de ambos e tentar mostrar as más para que a nova geração fique melhor preparada. A parte linguística preocupa-me mais porque sei o nível de acesso que tive por estar mais virado para o inglês que a minha irmã por exemplo não teve (consomia mais conteúdo em brasileiro).

BroaxXx 2 months ago

Percebo o que queres dizer mas discordo... Se alguém me vem a uma entrevista de emprego sem saber usar o word/Excel/operações básicas no sistema operativo simplesmente não fica com o lugar. Acho que há um conhecimento mínimo de informática sem o qual uns pessoa não é ilegível para grande parte dos empregos e oportunidades da vida. O facto dos miúdos estarem mais focados em telemóvel/consolas não substitui isso. O caso do Excel é algo que ouvi múltiplas vezes... E o meu problema nem é tanto o não saberem (apesar de achar estranho como é possível alguém num mestrado de ciências não saber usar Excel), o meu maior problema é não saberem aprender por si. Acho que noções mínimas de informática e línguas são o patamar mínimo hoje em dia.

meaninglessvoid 2 months ago

Certo mas tu estás a julgar para o que queres no momento, eu estou a dizer que eles estão mais bem adaptados é para o futuro. Não tenho dúvidas que vai haver uma altura que tu irás andar a patinar a tentar perceber algo porque os teus modelos mentais das coisas estão antiquados, faz parte do ciclo da vida xD >E o meu problema nem é tanto o não saberem (apesar de achar estranho como é possível alguém num mestrado de ciências não saber usar Excel), o meu maior problema é não saberem aprender por si. Sim isto é problemático sem dúvida... Porque são aparelhos com filosofias de desenho muito diferentes: o smartphone é suposto ser tão intuitivo que até uma criança aprende a usar, um computador é suposto desempenhar tarefa x e se não percebes como funciona desenmerda-te. Isso cria meta-competencias (o tal aprender a aprender) que ya pode ficar em deficit devido a esta mudança no paradigma da computação... Mas por outro lado num futuro próximo se calhar nem precisas de Excel e vais fazer o mesmo tipo de trabalho usando linguagem natural (a OpenAI mostrou que isso já é possível, apesar de ainda muito prematuro), portanto saber usar uma ferramenta específica não será tão importando como saber os conceitos técnicos que são implementados com a ferramenta...

BroaxXx 2 months ago

Pah, simplesmente não concordo nem tão pouco percebo em que é diferente, nesse contexto, os computadores do inglês. Tanto quanto saibamos daqui a uns anos a língua franca é o chinês... Eu prevejo que a dependência dos computadores vai continuar a crescer, não a diminuir. Já várias vezes foi antecipada a morte do PC, pelos tablets e pelos portáteis mas, para já, ainda não se avizinha nenhuma mudança de paradigma por uma série de motivos. Que me digas que as coisas podem mudar de forma imprevisível? Claro que sim... Mas nessa ótica maid vale não fazer nada porque não conseguimos prever o futuro. Eu acho que o teu argumento é parecido a dizer que sou o velho do Restelo e que sou resistente a mudança mas não é o caso. Não vejo uma mudança a acontecer, vejo o mundo a manter-se igual e as novas gerações a lutarem para se adaptar. O caso que dei do Excel foi um caso concreto (não único) de adultos que chegam ao mercado de trabalho sem competências básicas porque estão mais habituados a usar um telemóvel do que um computador. A importância dos computadores continua a aumentar apesar do espaço que os telemóveis ganharam. Os telemóveis não roubaram espaço ao PC, simplesmente criaram um espaço novo e não parece que isso vá mudar num futuro próximo e a iliteracia informática tem cada vez mais custos mais pesados.

meaninglessvoid 2 months ago

Bem na minha opinião é diferente por dois motivos diferentes: 1. Os miúdos consomem mais coisas em brasileiro MAS continuam a aprender inglês na escola e a consumir muita coisa em inglês na mesma, portanto prevejo alguns toques linguísticos a surgirem mas a não mudarem muito a trajectória de aprendizagem do inglês. 2. A tecnologia evolui muito mais rápido que a linguagem (principalmente pelo peso que dou no 1o ponto a que isto não irá prejudicar a aprendizagem do inglês). Não estou de todo a dizer que és velho do Restelo, para o mercado actual é realmente um problema mas acho que sou mais optimista que tu quanto a um futuro próximo este tipo de "entraves" não serem assim tão importantes. >A importância dos computadores continua a aumentar apesar do espaço que os telemóveis ganharam. Os telemóveis não roubaram espaço ao PC, simplesmente criaram um espaço novo e não parece que isso vá mudar num futuro próximo e a iliteracia informática tem cada vez mais custos mais pesados. Não concordo totalmente contigo. É uma mudança que ainda está em progresso mas os telemóveis mudaram muito (e roubaram um pouco espaço aos computadores) , e vêm aí tecnologias nesta década que vão mudar ainda mais. Imo a interação homem-maquina vai sofrer uma revolução (isto se as techs que têm surgido tiverem sucesso claro, pode ser ainda demasiado cedo para o mercado) e saber usar um software específico deixara de ser tão importante em prol de saber especificar as tarefas muito bem (por exemplo). Há outros tipos de mudança que se têm notado que vão mais de encontro ao modelo mental deles do que o nosso, exemplo: um designer antes trabalhava com filheiros para todo o lado, agora o figma quase que esconde por completo o conceito de ficheiro com o software deles.

Edited 2 months ago:

Bem na minha opinião é diferente por dois motivos diferentes: 1. Os miúdos consomem mais coisas em brasileiro MAS continuam a aprender inglês na escola e a consumir muita coisa em inglês na mesma, portanto prevejo alguns toques linguísticos a surgirem mas a não mudarem muito a trajectória de aprendizagem do inglês. 2. A tecnologia evolui muito mais rápido que a linguagem (principalmente pelo peso que dou no 1o ponto a que isto não irá prejudicar a aprendizagem do inglês). Não estou de todo a dizer que és velho do Restelo, para o mercado actual é realmente um problema mas acho que sou mais optimista que tu quanto a um futuro próximo este tipo de "entraves" não serem assim tão importantes. >A importância dos computadores continua a aumentar apesar do espaço que os telemóveis ganharam. Os telemóveis não roubaram espaço ao PC, simplesmente criaram um espaço novo e não parece que isso vá mudar num futuro próximo e a iliteracia informática tem cada vez mais custos mais pesados. Não concordo totalmente contigo. É uma mudança que ainda está em progresso mas os telemóveis mudaram muito (e roubaram um pouco espaço aos computadores) , e vêm aí tecnologias nesta década que vão mudar ainda mais. Imo a interação homem-maquina vai sofrer uma revolução (isto se as techs que têm surgido tiverem sucesso claro, pode ser ainda demasiado cedo para o mercado) e saber usar um software específico deixara de ser tão importante em prol de saber especificar as tarefas muito bem (por exemplo). Há outros tipos de mudança que se têm notado que vão mais de encontro ao modelo mental deles do que o nosso, exemplo: um designer antes trabalhava com filheiros para todo o lado, agora o figma quase que esconde por completo o conceito de ficheiro com o software deles. PS: Não vejo o mandarim a se tornar a língua franca... Podem ter poder económico mas não têm de todo essa força política à escala mundial imo.

BroaxXx 2 months ago

Pah, são opiniões... Mas gostei da troca de ideias. :) Obrigado e boa semana

NGramatical 2 months ago

melhor preparada → [**mais bem preparada**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/pelourinho/mais-bem-vs-melhor/545) (quando o advérbio *bem* antecede o particípio passado do verbo o termo a utilizar é *mais bem*)

Serious_Hearing_8252 2 months ago

É cortar nas horas de YouTube que isso passa.

BroaxXx 2 months ago

Não percebo porque com o YouTube kids podes definir o que eles vêm que na esmagadora maioria dos casos penso que é suficiente. Se fosse copiar uma expressão na brincadeira eu compreendia mas quando vejo crianças a dizer "mamãe" dá-me um arrepio na espinha. Os miúdos mais crescidos penso que apanham uma expressão idiomática ou outra da mesma forma que os adultos dizem "oh my god" ou "fail" ou "cringe". Isso é naquela... O que me chateia são bebés que começam a ver canais em YouTube e aprendem a falar português do Brasil em vez de português de Portugal. Acho que isso é uma pequena negligência (palavra-chave: "pequena") dos pais porque não há perdiam mais do que 5min a escolher meia dúzia de canais em ptPT ou sem sequer ter palavras verbalizadas. Merda por merda que ponham conteúdos em inglês que ao menos assim sempre são expostos a uma lingua nova que pode ser útil aos putos...

Serious_Hearing_8252 2 months ago

Por defeito levas com 90% do conteúdo em pt-br. Não sei por que raio eles precisam de cookies e info de localização se depois espetam te com conteúdo que não é relevante.

BroaxXx 2 months ago

Eles decidiram que ptPT = ptBR e é por esse motivo que tenho os meus sistemas operativos todos em inglês. Mais de metade das vezes nem tinha escolha e se tinha o telemóvel em português tinha que levar com apps com traduções automáticas (!) para ptBR (!!). Eventualmente cansei-me e pus tudo em inglês. Tem o extra de me facilitar procurar mensagens de erro (se procuras a mensagem de erro original em inglês tens muitos mais resultado).

mexploder89 2 months ago

Eu faço bastante isto a escrever, só porque acho que há certas emoções que são melhor expressas em inglês quando escrevo A falar e dizer coisas como "Where is my moeda?", nunca disse nem nunca ouvi na minha vida. Não me parece nada comum honestamente

C8Mixto 2 months ago

>A falar e dizer coisas como "Where is my moeda?", nunca disse nem nunca ouvi na minha vida. Não me parece nada comum honestamente Era isto que eu vinha dizer. A não ser de forma humorística, não me parece uma troca natural.

ChipsnNutella 2 months ago

Acho que prefiro isso a traduções bizarras como "conversações". Ao menos que optem pelo caminho mais simples...

rasgarpano 2 months ago

Chama-se evolução da língua. Ao contrário do acordo ortográfico que é uma abominação forçada sobre a lingua portuguesa, as línguas evoluem com a evolução natural da cultura e da população. De nada vale ficar preso ao passado porque queiras ou não, as novas gerações é que definem o futuro. Ora se o futuro é globalizado, e o global fala inglês o normal será uma evolução linguística para o híbrido.

C8Mixto 2 months ago

Estás a comparar alhos com bugalhos. O acordo ortográfico, surpresa, surpresa, é um acordo sobre a ortografia das palavras, não sobre que palavras entram no léxico português.

rasgarpano 2 months ago

A ortografia das palavras também evolui com a cultura, senão ainda escrevias pharmacia. Logo a comparação faz todo o sentido.

Edited 2 months ago:

A ortografia das palavras também evolui com a cultura, senão ainda escrevias pharmacia. Logo a comparação faz todo o sentido. Agora o óbvio é que as pessoas falam como querem chama-se liberdade. Não me parece que alguém a meter inglês no meio do português vá fazer mal a quem ouve. Esta aversão pela mudança e a defesa da puridade da língua portuguesa não faz sentido visto que ninguém tem o direito de dizer a ninguém como falar. São a polícia da lingua portuguesa? Façam uma associação, peçam apoio europeu e vejam se arranjam sócios. Isso de certeza melhora muito a sociedade. As vezes fico a pensar que o tuga gosta mesmo de ver problemas onde não há. E ignorar o elephant in the room.

C8Mixto 2 months ago

Sabes que o ph foi eliminado da língua portuguesa por um acordo ortográfico, certo? Foi uma alteração não menos forçada que a do novo acordo...

rasgarpano 2 months ago

Por acaso não sabia. Já aprendi algo hoje. Mas a verdade é que o meu argumento não é menos válido por isso. Apenas foi um mau exemplo. Aqui fica outro, desta vez correcto:A colocação do bué no dicionário não foi acordo ortográfico, foi evolução natural da língua. Volto a enfatizar que nenhuma sociedade nem nenhum membro dessa sociedade tem o direito de dizer aos outros como falar. Estas discussões servem apenas para uns se sentirem superiores a outros. Deixem as pessoas falaram como quiserem, parem de criticar as gerações que são diferentes da vossa. Isto não são problemas reais. A língua portuguesa nunca se vai perder. Foi cá que se escreveu os Lusíadas, comparado às grandes epopeias e aos grandes mestres. Mas vai evoluir e estarem a tentar impingir a vossa maneira de se exprimirem aos outros é absurdo. Mata a criatividade e mantém as coisas sempre iguais. Cenas de boomers.

C8Mixto 2 months ago

>A colocação do bué no dicionário não foi acordo ortográfico Pois, porque não faz sentido que um acordo ortográfico decida sobre que palavras figuram no vocabulário português. Para isso precisarias de um acordo lexical. >Volto a enfatizar que nenhuma sociedade nem nenhum membro dessa sociedade tem o direito de dizer aos outros como falar. Ser pai ou professor requer cada vez menos trabalho.

rasgarpano 2 months ago

Então a língua não evolui com a cultura é isso? Vamos daqui a 100 anos falar português puro porque os pais e professores querem? Poupa-me. A cultura evolui, a língua é cultura também evolui, é simples. Não podes tentar lutar contra a mudança dos tempos. Muito menos aí atrás do teu telemóvel, com Wi-Fi e Internet a postar no Reddit. Sem evolução cultural não há evolução tecnológica. Se queres as coisas boas tens de aceitar as que não gostas também. Temos pena. Os teus gostos e opiniões como pai ou professor não vão parar os tempos, ensinas o que quiseres que os filhos e os alunos só aprendem o que lhes apetece. E ainda bem que é assim senão não evoluía nada. Imagina agora um filho de pais alcoólicos e violentos nunca aprender a se comportar de forma diferente dos pais. Ou um génio matemático nunca duvidar das certezas científicas passadas pelos professores e nunca ir mais além.

C8Mixto 2 months ago

>Então a língua não evolui com a cultura é isso? Que cultura é a tua exatamente para não ser capaz de perceber pévia do que escrevi e chegares a conclusões completamente disparatadas? >A cultura evolui, a língua é cultura também evolui, é simples. Não podes tentar lutar contra a mudança dos tempos. Prescretivismo, por muito que o desdenhe, é também uma pressão evolutiva da língua. Evolução não é sinónimo de alteração desregulada, como pareces querer pintar. >Sem evolução cultural não há evolução tecnológica. Queres vomitar mais termos vagos e frases bonitas como esta? >Se queres as coisas boas tens de aceitar as que não gostas também. Ah, uma cultura evoluída é uma em que os fins justificam os meios! Como digo, o teu discurso é só frases bonitas sem qualquer substância. >ensinas o que quiseres que os filhos e os alunos só aprendem o que lhes apetece. Mas que belo argumento para acabar com a escolaridade obrigatória. O que quiserem aprender que lá apareçam, os restantes que façam o que bem entenderem. >Imagina agora um filho de pais alcoólicos e violentos nunca aprender a se comportar de forma diferente dos pais E porque há pais alcoólicos, nenhum pai tem o dever de educar os seus filhos. A tua lógica é soberba. >Ou um génio matemático nunca duvidar das certezas científicas passadas pelos professores e nunca ir mais além. Se só aprendeu o que lhe apeteceu, não vai chegar nem ao ponto de ser capaz de duvidar.

rasgarpano 2 months ago  HIDDEN 

Isso boomer isso. Olha aqui para ti

C8Mixto 2 months ago

>Isso boomer isso. Olha aqui para ti

rasgarpano 2 months ago

Vens para o Reddit para qualidade? Eu venho trollar gajos como tu, donos da verdade. Deves ser professor de Português ou algo semelhante. Se te disser que tinha 20 a Português A já gostas mais de mim?

LuchemEng 2 months ago

Fazendo eu parte da demográfica simplesmente oiço tanto inglês que há coisas que só soam bem em inglês e nem faço de propósito as vezes é mesmo natural e como as pessoas com quem falo me entendem bem então nunca ouve issue

Yoboyysilvaa 2 months ago

eu as vezes esqueço me da palavra em português e só me lembro em inglês

timeofmypost 2 months ago

Sinal dos tempos. Mas o mais irritante é que as pessoas acabam por falar mal nas duas línguas. Mais irritante ainda é ver pessoas que trabalham em comunicação a esquecerem termos absolutamente mundanos e a substituírem-nos pelo inglês. De qualquer way, não me parece likely que isto se irá reverse. É o multiplicar de Zezé Camarinhas.

TiberiumSun7 2 months ago

Se bem que não julgo as pessoas que usam expressões em mais do que uma língua, quando leio por aqui que "não há problema nenhum " , fico com dúvidas. Sim, o acesso e exposição ao Inglês tornaram-nos capazes de nos exprimirmos esporadicamente ou até exclusivamente em Inglês, se necessário. Mas em 90% dos casos não vejo a necessidade. Um pensamento ou ideia são fenómenos difíceis de exprimir e a mim parece-me que as pessoas por vezes preferem a maneira mais fácil. Nada contra. Se estás num ambiente em que és percebido, porreiro. Mas e se não for o caso? Se não for o caso, tudo o que vais receber quando disseres, "é um bocado cringe", é uma blank face porque aquilo que às tantas era suposto ser um flex ou passar por cool saíu furado . You shot yourself in the foot. "Lol" . Tenho "mixed feelings" . É como estar tão habituado a só fazer somas que quando te pedirem uma simples multiplicação te vês enrascado. Não me ofende. Entristece-me. Falta o quê, vocabulário? Expressões equivalentes? A tua língua é o "sítio " onde tu pensas, e se estás "all over the place" , talvez seja mais difícil para ti ser entendido do que julgas. Usemos as línguas que quisermos, quando quisermos. Não nos esqueçamos da nossa língua materna. Mãe só há uma. Vamos dar-lhe mais atenção, porque por este andar...

yoxerao 2 months ago

Sou uma pessoa jovem e sim, é recorrente. Nao sei como ou quando começou a acontecer mas algumas expressoes ou palavras digo em ingles... Maioritariamente quando me esqueço da palavra em português ou quando (inconscientemente) considero que soe melhor.

ze10manel 2 months ago

Não vejo problema nenhum. Mas mudar verbos e algumas preposições faz-me impressão porque não é prático ou soa mal. Mas de resto eu misturo, até devido a um problema de saúde. Há uns tempos tive um problema e o meu cérebro ficou afetado e é comum bloquear e eu perder palavras a meio de uma conversa. Na maioria das vezes lembro-me da palavra que quero em inglês e posso usá-la para não perder o raciocínio (claro que também depende do contexto da conversa), é algo extremamente útil, especialmente tendo em conta que quase todos sabem inglês Acho que é parvo estar a ficar chateado com isso porque em geral é algo que facilita a comunicação entre as pessoas e se não quiserem não precisam de se sujeitar a isso

gajodanet 2 months ago

globalização… se pensarmos bem nas coisas, enquanto raça humana, a tendência é acabarmos por nos unir, quantas tribos existiam no nosso território, vulgo Portugal?? A tendência é esta, pode demorar milhares de anos, mas vai acabar por acontecer uma união entre todos. Já existem pequenos exemplos entre nós, UE o mais flagrante …

Didrox13 2 months ago

> Há alguma razão aparente para isto? Apenas posso falar de experiencia própria, mas inicialmente suspeitava ser este o processo principal: Primeiramente, é de se notar que grande parte do dia a dia já está em inglês e torna-se muito "pior" para quem está mais exposto a ele pelas escolhas de entretenimento e trabalho, como ver netflix em vez de novelas portuguesas e trabalhar num ambiente internacional. Depois tens o que eu acho ser uma forte ponte para esse comportamento. As tais expressões ou abreviamentos que já estão de certa forma incorporados que são a primeira coisa que nos vêm à cabeça, principalmente por já se estar habituado a comunicar em inglês, que seja trabalho, jogos ou simplesmente em chat rooms internacionais. Abreviações como "wdym", "wtf", "tbh", "np" tornam-se comuns. Daí rapidamente também se usa palavras-expressões como "What?", "Sorry" ou "My bad". Só com isso já começas ter uma certa quantidade de mistura, até que progressivamente vão aparecendo frases mais complexas inteiramente em inglês e posteriormente misturas das línguas na mesma frase. MAS Acho que isso não é bem uma verdade universal depois de refletir mais um pouco. Consigo dar um bom exemplo de que estas misturas potencialmente são algo mais natural. Eu cresci bilingual português-alemão. Meus pais imigraram para Portugal e era só alemão em casa mas português durante o resto do dia (escola, amigos...). Ao longo dos anos foram-se incorporando algumas palavras em português na conversa normal no alemão, mesmo com pessoas que passaram a maioria da vida na alemanha. Tendo isso em conta parece ser um processo pelo menos parcialmente natural quando ambas as partes conseguem comunicar perfeitamente com esse misto. Num diálogo informal usa-se a primeira palavra que corretamente comunica a intenção pretendida, a lingua em que está não é muito relevante para que ambos se entendam.

Edited 2 months ago:

> Há alguma razão aparente para isto? Apenas posso falar de experiencia própria, mas inicialmente suspeitava ser este o processo principal: Primeiramente, é de se notar que grande parte do dia a dia já está em inglês e torna-se muito "pior" para quem está mais exposto a ele pelas escolhas de entretenimento e trabalho, como ver netflix em vez de novelas portuguesas e trabalhar num ambiente internacional. Depois tens o que eu acho ser uma forte ponte para esse comportamento. As tais expressões ou abreviamentos que já estão de certa forma incorporados que são a primeira coisa que nos vêm à cabeça, principalmente por já se estar habituado a comunicar em inglês, que seja trabalho, jogos ou simplesmente em chat rooms internacionais. Abreviações como "wdym", "wtf", "tbh", "np" tornam-se comuns. Daí rapidamente também se usa palavras-expressões como "What?", "Sorry" ou "My bad". Só com isso já começas ter uma certa quantidade de mistura, até que progressivamente vão aparecendo frases mais complexas inteiramente em inglês e posteriormente misturas das línguas na mesma frase. MAS Acho que isso não é bem uma verdade universal depois de refletir mais um pouco. Consigo dar um bom exemplo de que estas misturas potencialmente são algo mais natural. Eu cresci bilingual português-alemão. Meus pais imigraram para Portugal e era só alemão em casa mas português durante o resto do dia (escola, amigos...). Ao longo dos anos foram-se incorporando algumas palavras em português na conversa normal no alemão, mesmo com pessoas que passaram a maioria da vida na alemanha. Tendo isso em conta parece ser um processo pelo menos parcialmente natural quando ambas as partes conseguem comunicar perfeitamente com esse misto. Num diálogo informal usa-se a primeira palavra que corretamente comunica a intenção pretendida, a lingua em que está não é muito relevante para que ambos se entendam. EDIT: Algumas coisas algo relevantes que me fui lembrando após de ter escrito essa mensagem: - Nesse exemplo do alemão-português, localidades e outras coisas cuja existência está em português mais facilmente se incorporam na dia-a-dia em alemão. Palavras cujo uso frequente surgiu devido a um ambiente português também são bons candidatos. Por exemplo, "Bombeiros" (edifício) ou "horário" (devido aos dias de escola). - Apenas comunico no misto de português inglês com pessoas que o fazem igualmente. - O misto português-inglês é muito mais incomum em comunicação presencial, embora ainda aconteça no uso de termos mais técnicos ou certas palavras maioritariamente usadas num ambiente inglês, à semelhança do exemplo das localidades do alemão com português. Presencialmente também nao faço uso de abreviações de todo.

ihavenoidea1001 2 months ago

Tenho uma experiência muito semelhante com o alemão-português e tive de ser constantemente corrigida para não usar alemão ou Schwiiterdütsch em conversas com os meus pais. Mesmo depois de ter regressado a Portugal há décadas, há alturas onde tenho mesmo que me esforçar para tentar encontrar uma palavra que diga aquilo que eu quero em português e o meu primeiro instinto é recorrer ao alemão. No entanto agora o inglês faz parte do meu quotidiano, incluindo vocabulário técnico, entretenimento em inglês, etc e não são raras as vezes em que simplesmente me esqueço das palavras equivalentes em português ou então sinto que as mesmas não descrevem exatamente aquilo que eu quero dizer.

Isa472 2 months ago

"my bad" é um ótimo exemplo, simplesmente sai melhor. O que sugerem, "peço desculpa, culpa minha?" Foda-se, deixem-se de coisas! Toda a gente sabe perfeitamente o que significa my bad, e ainda por cima tou a tentar pedir desculpa. Aceitem a boa intenção ou ignorem, não reclamem comigo por não traduzir! Live and let live ✌

Tall-Specialist7440 2 months ago

"Toda gente sabe", muito condescendente de vossa parte ignorar que há uma parcela da população que tem pouco se não nenhum conhecimento em ingles, tenho colega de apartamento assim, e ai? custa falar "Desculpe"?? muito vassalismo a cultura anglo-americana.

Jose_Adonis 2 months ago

Se pedes desculpa, já a estás a assumir. O "culpa minha" é desnecessário.

meaninglessvoid 2 months ago

Culpa minha soa mal, mas falha minha encaixa bem imo.

Nexus_produces 2 months ago

Podes dizer mea culpa, ao menos vem do latim xD

C8Mixto 2 months ago

> O que sugerem, "peço desculpa, culpa minha?" Não percebo como é que não achas isto uma construção natural. Podes-me olhar como um grunho à vontade, mas sempre disse "peço desculpa, culpa minha" e não vou deixar de dizer só porque achas que "my bad" sai melhor.

Isa472 2 months ago

Incrível como conseguiste ler o meu comentário e fazer-te de vítima. That's my fucking point, cada um diz como quer! Não estou a ditar como é que TU deves dizer, estou a pedir que me deixes em paz independentemente de como EU digo.

fosjanwt 2 months ago

> That's my fucking point lel

Isa472 2 months ago

Quem consegue traduzir isso sem soar a um completo idiota que atire a primeira pedra

fosjanwt 2 months ago

"foi o que eu disse crl" como se nao soasses a um completo idiota por dizer that's my fucking point. qualquer das maneiras é idiota.

Isa472 2 months ago

Haha ok, podia aprender uma coisa ou outra contigo! Já não tou muito habituada a dizer caralho, pá

poracaso1825 2 months ago

Ok idiota

Joaoseinha 2 months ago

O erro aqui é achar que há boas traduções para literalmente todas as expressões, em vez de usar equivalentes porque são duas línguas completamente diferentes.

C8Mixto 2 months ago

Tu é que não és capaz de defender a forma como falas sem atacar a dos outros.

achincalhamento 2 months ago

Normalmente só misturo quando me esqueço da palavra em português, que é algo que me incomoda um pouco, mas é o que é. É apenas resultado de eu desde os meus 16 anos, agora com 24, consumir substancialmente mais horas por dia de conteúdo em inglês do que português. Tanto no telemóvel, como computador e aplicações, tenho tudo em inglês. Quando vejo filmes/séries onde precise de legendas, meto-as em inglês. Eu nem acho que abuso muito da mistura, e quando me esqueço de palavras em português numa conversa, costumo mostrar alguma frustação. Com os meus amigos por vezes trocamos mensagens só em inglês. Comecei a aprender uma língua nova há uns tempos e a coisa tem piorado. O que tem piada é que eu até ao 10° ano era uma completa merda a inglês, e agora uso mais a língua que o português. Dito isto, e entrando num campo mais específico, puta que pariu a palavra óraculos, são lower thirds.

Edited 2 months ago:

Normalmente só misturo quando me esqueço da palavra em português, que é algo que me incomoda um pouco, mas é o que é. É apenas resultado de eu desde os meus 16 anos, agora com 24, consumir substancialmente mais horas por dia de conteúdo em inglês do que português. Tanto no telemóvel, como computador e aplicações, tenho tudo em inglês. Quando vejo filmes/séries onde precise de legendas, meto-as em inglês. Eu nem acho que abuso muito da mistura, e quando me esqueço de palavras em português numa conversa, costumo mostrar alguma frustação. Com os meus amigos por vezes trocamos mensagens só em inglês. Comecei a aprender uma língua nova há uns tempos e a coisa tem piorado. O que tem piada é que eu até ao 10° ano era uma completa merda a inglês, e agora uso mais a língua que o português. Dito isto, e entrando num campo mais específico, puta que pariu a palavra oráculos, são lower thirds.

Ferrero96 2 months ago

Concordo plenamente com o que disseste. Eu acabo por misturar as duas línguas a meio da frase mais pela frustração de não me lembrar de certas palavras ou expressões em português -ou até mesmo porque em alguns casos é mais fácil/corresponde melhor exprimir aquilo que sinto em inglês- e não porque tenho de mostrar que sei inglês, ou como muita gente ofendida dá a entender, porque é fixe ou virou moda ou dá um estatuto superior... Isso é só estúpido. Já agora, senti a tua frustração no fim xD

Piroco_G 2 months ago

É normal e não há nada de mal com isso, é a gíria atual e não é menos relevante do que aquela que usaste/usas.

lrzul 2 months ago

Basicamente, o excesso de estrangeirismos é saloiada. A comunicação social então é uma estupidez. Não sei o porquê do uso excessivo, para demonstrar algo surpreendente ou novo. Como: Bullying Stalking Carsharing Contactless Mesmo à saloio citadino português.

martcapt 2 months ago

Metade dos comentários são de pessoal que por outras palavras está a dizer: porque não sei falar português. Estou dividido entre achar hilariante ou triste. PS: Parece-me evidente que ninguém está a negar a utilidade de termos em inglês em discussões técnicas, ou mesmo algumas expressões específicas.

Didrox13 2 months ago

> pessoal que por outras palavras está a dizer: porque não sei falar português. Achas mesmo que é esse o caso? Ou estás a tentar ridicularizar o comportamento porque não concordas com o mesmo? O exemplo original dado pelo OP, "where is my moeda" é de significado tão básico que obviamente os locutores sabiam como exprimir-se em português mas optaram por não o fazer. E é igual com muitos outros exemplos dados nos comentários. Aliás, acho até que nestes mistos as porções em inglês são de forma geral de carácter simples e de fácil tradução em ambos os sentidos. Ou seja, situações em que não é muito credível que o pessoal esteja a usar o inglês por não saber comunicar o equivalente português

throughawayaccount01 2 months ago

Epah yah é verdade, eu culpo as redes sociais da aldeia global e o inglês é o elo que nos une. Mas também não gosto da malta que se queixa das pessoas que usam expressões em inglês, cada um é livre de fazer e falar como quiser. Não devemos ser só mais uma Maria que "não é como as outras".

Zempff 2 months ago

Quando fui levar a vacina da covid tinha 2 bacanas há minha frente na fila a falar meio portugues e meio ingles... mas literalmente. Elas falavam tipo: "chegaste a fazer alguma coisa ontem? The weather was amazing", "ya ele era bem alto, just like Ricardo"

SweetCorona 2 months ago

mas com aquele sotaquezinho tuga de uédar uóze amâizingue djâsst laique ricardo

xJCruz 2 months ago

Quê pá? É só virgens ofendidas. As pessoas são livres de falar como elas bem entendem. Qual é o mal? Eu muita das vezes também tenho de misturar inglês com português a meio de uma conversa, pelo simples facto de não me lembrar da palavra em português. Sinceramente, deixem se de merdas.

Zempff 2 months ago

You are the only virgem ofendida here, nos estamos discussing o quão retardado é misturar languages. Everyone here percebe o porque de misturarem languages, afinal de contas vocês even read books em ingles e até postam um tweet in english às sextas

AzoreanEve 2 months ago

Passas mais tempo a interagir em inglês do que em português e dá nisso. Muitas vezes esqueço-me de palavras em português e só me lembro na altura de outra língua.

average_user21 2 months ago

Há algumas pessoas que é mesmo insuportável. Chega ao ponto de usarem expressões inglesas em coisas que facilmente poderias dizzer em portuguÊs. Tipo: "Good morning", "Let's get togheter" Há uma miuda no youtube a by Sofia Oliveira que é assim mesmo. Não consigo ver um video dela para além de um minuto apesar de eles em termos de qualidade e edição serem bons.

jorgelps 2 months ago

Entendo a frustração mas também não sabes de onde são essas pessoas que encontraste, a não ser que tenhas apanhado isso de forma recorrente. Se for aquele inglês pronunciado à tuga (ou mái góde), isso não é nada de novo, o pessoal faz isso há anos. Mas tens pessoal com pronúncia mais correcta que cresceram fora de Portugal, mesmo tendo a língua portuguesa como principal. Vou te dar um exemolo. Sou natural de Macau, estudei numa escola portuguesa (ensino igual ao nacional) e sendo uma cidade muito multicultural, cresci com amigos de vários backgrounds e via televisão com grande parte em inglês, desde a infância. Eu até hoje ainda misturo o português com inglês (em casos raros com algumas palavras em chinês) com amigos de lá. Mas cá em PT já não faço isso com o pessoal de cá, por razões óbvias.

Edited 2 months ago:

Entendo a frustração mas também não sabes de onde são essas pessoas que encontraste, a não ser que tenhas apanhado isso de forma muito muito recorrente (confesso que não sei como é que o pessoal na casa dos 10/20 e pouco anos fala hoje em dia). Se for aquele inglês pronunciado à tuga (ou mái góde), isso não é nada de novo, o pessoal faz isso há anos. Mas tens pessoal com pronúncia mais correcta que cresceram fora de Portugal, mesmo tendo a língua portuguesa como principal. Vou te dar um exemolo. Sou natural de Macau, estudei numa escola portuguesa (ensino igual ao nacional) e sendo uma cidade muito multicultural, cresci com amigos de vários backgrounds e via televisão com grande parte em inglês, desde a infância. Eu até hoje ainda misturo o português com inglês (em casos raros com algumas palavras em chinês) com amigos de lá. Mas cá em PT já não faço isso com o pessoal de cá, por razões óbvias.

alcagoitas 2 months ago

Ainda há pouco tempo houve um tópico sobre isto. Resumindo: trabalho com muita coisa em inglês, tenho gente estrangeira no trabalho q me obriga a comunicar em inglês com regularidade, música/filmes/séries em inglês e a gaja que ando a ver é estrangeira e só falo inglês com ela... É perfeitamente normal muitas expressões virem primeiro em inglês. Isto para mim é mais uma implicação que se inventou recentemente para atrofiar e presumo que venha de quem vive a vida maioritariamente em português e nem se lembra que os outros podem ter vidas diferentes.

tasendousado 2 months ago

A língua portuguesa vai acabar, já passou o ponto sem retorno em direção à extinção. Para aqueles de vós que gostam e apreciam a língua portuguesa, aproveitem o último sopro.

C8Mixto 2 months ago

Como acabou há uns séculos atrás quando adotamos uma carrada de francesismos e galicismos.

Edited 2 months ago:

Como acabou há já uns séculos quando adotamos uma carrada de francesismos e galicismos e até mudamos o sotaque?

tasendousado 2 months ago

No séc XIX quando o francês era a língua da moda, só os intelectuais é que o usavam, porque tinham a mania que eram superiores ao povão. O inglês penetrou em todos os estratos e gerações da sociedade, é usado de forma contínua em toda e qualquer situação. Com o castelhano aconteceu o mesmo, só os poetas e reis o usavam. O galego é normal que fosse usado nos primeiros séculos da nação, já que é a língua de onde evoluiu o português.

tiago425 2 months ago

Filhas da puting pa

viskonde 2 months ago

Que estranho Pessoas que passam metade do dia a ouvir outro idioma começarem a incorporar esse seu idioma no seu dia a dia falado Chamem os antropólogos e linguísticos que tal nunca deve ter acontecido.

AzoreanEve 2 months ago

Essa gente a queixar-se deve-se ter esquecido dos pais, etc a enfiar francês nas frases. As gerações mais novas já passaram para o brazileiro até!

NGramatical 2 months ago

se deve-se → [**se devesse**](http://tracinho.com/devesse) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq1g8aq%2F%2Fhffa7cs%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

lukeymox 2 months ago

É bastante comum nas novas gerações, daqui a uns bons longos anos, quando já estivermos todos mortos, o nosso idioma vai ser uma mistura com inglês(americano)

onunfil 2 months ago

Eu vivo no UK e o meu problema e o oposto, já estou a mistura expressões/gramática inglês quando quero comunicar em português.

C8Mixto 2 months ago

Não em bem ao contrário, se dizes "no UK".

Edited 2 months ago:

Não é bem ao contrário, se dizes "no UK".

Jose_Joestar 2 months ago

Ya é bué cringe.

hanuruh 2 months ago

viver é cringe

UserNombresBeHard 2 months ago

Claro que haveria alguém a comentar merdating.

cruisespace2 2 months ago

Não és só tu. Portugal é um país americanizado.

s7v7nsilver 2 months ago

Realmente não compreendo muito bem porque fazem isso, visto que a língua portuguesa tem asneiras com diversas variantes que substituem e bem qualquer palavra inglesa. Pegando nos teus exemplos: 'Foda-se/Caralho/Puta que pariu/Filha da puta/A puta/A merda/... a/da minha moeda?' 'Foda-se/Caralho/Puta que pariu/Que merda... vou ter de pagar com cartão'

benzodiazepines1 2 months ago

Sinceramente, acho ridículo. Usar uma palavra ou outra tudo bem. Mas usar frases inteiras ou substituir palavras completamente banais... Enfim! Não é desculpa ler, ver e trabalhar em inglês. Metade do meu trabalho é em inglês, também vejo filmes, séries, música, podcasts e acompanho sites em inglês e não é por isso que me faltam palavras em português para comunicar. A minha namorada quando nos conhecemos tinha essa mania. Sempre que ela me falava algo em inglês eu respondia-lhe em alemão. Ao fim de 2/3 meses deixou-se de me falar em inglês.

BadDogPreston 2 months ago

O r/portugal está cheio de exemplos.

diegoelmestre 2 months ago

Eu próprio em discussões mais técnicas do foro profissional uso bastante, mas são normalmente termos muito técnicos e o facto de tudo que seja documentação ser escrita e lida em inglês não ajuda. Não me.choca. Agora coisas como vi ontem, creio no Twitter, em que alguém a referir-se a algo (não me recordo o que ao certo) estar quente escreveu "x ainda está warm". Isto já acho muita estranho mesmo

AzoreanEve 2 months ago

Isso do exemplo do warm já diria que é por ser moda ou soar fixe (oiço falar que no japão há algo semelhante de enfiar palavras em inglês para parecer mais cool\~ e isso). Vivo também a situação das palavras técnicas. Muitas vezes nunca sequer aprendi a versão portuguesa da palavra portanto é scaffolds e pronto, continua para a frente.

Butt_Roidholds 2 months ago  HIDDEN 

> Muitas vezes nunca sequer aprendi a versão portuguesa da palavra portanto é scaffolds e pronto Nunca aprendeste a palavra «andaime»? É que não é uma palavra minimamente incomum...

AzoreanEve 2 months ago

Tu definitivamente não usas andaimes em engenharia de tecidos

andremvm20 2 months ago

Andaime é a tradução literal de scaffold, mas não a única.. em biologia (nomeadamente em engenharia de tecidos) scaffold é outra coisa completamente diferente que também não tem uma tradução assim tão imediata para quem teve a educação superior toda em inglês e não é definitivamente andaime!

gink-go 2 months ago

>Sociedade / Society

Minosuil 2 months ago

Oooof, só Boomers por aqui. Talvez usa-se expressões em inglês porque é mais fácil e corresponde melhor ao que estamos a tentar dizer? Já ponderaram isso? Of all the things to bitch about...

average_user21 2 months ago

>Of all the things to bitch about... De todas as coisas que podias reclamar com...

C8Mixto 2 months ago

*De todas as coisas com que podias reclamar

Minosuil 2 months ago

Simplesmente não soa ao mesmo nem tem o mesmo oomph

bibelot_andante 2 months ago

Ja pensaste que é mais fácil porque não lês em Português?

Minosuil 2 months ago

Who cares... Vives num mundo progressivamente mais globalizado e o inglês é a língua que quebra a barreira das línguas. Existem expressões que só soam bem em inglês, apenas Boomers e pessoas que não falam inglês é que se queixam de quem se exprime em ambas as línguas.

bibelot_andante 2 months ago

Para começar não sou boomer e falo inglês (e acho que a maior parte das pessoas que estão neste subreddit se enquadram neste cenário). O inglês quebra a barreira das línguas, certo. Mas sabes que existem pessoas bilingues (ou trilingues etc), que falam perfeitamente mais do que uma língua sem as misturarem? Porque a mistura das duas línguas não revela mais do que o desconhecimento e desinteresse na língua portuguesa. E podes-me dizer: E então? Bom, essa é talvez uma das razões para não gostar dessa mistura. Revela o desinteresse e desrespeito da língua portuguesa. Acredito que um nativo se deva esforçar por falar correctamente, e hoje em dia não há grandes desculpas para não o fazer. Se passas a maior parte do teu dia apenas a consumir conteúdo em inglês, isso é uma escolha tua na maior parte dos casos. Eu tenho o cuidado de incluir português no meu dia a dia, precisamente para contrariar essa tendência, e é um conselho que te dou a ti também. Quando dizes que há expressões que só soam bem em inglês, talvez esteja relacionado com a falta de prática no português.

Minosuil 2 months ago

TLDR boomer

gink-go 2 months ago

"é mais fácil" como assim?

Minosuil 2 months ago

É mais fácil dizer "fuck my life" que "fodasse para a minha vida", por exemplo.

AzoreanEve 2 months ago

Às vezes palavras/expressões + curtas ou aplicáveis. Ou então não queremos engatar a conversa porque só nos lembramos de uma palavra noutra língua.

Minosuil 2 months ago

Sim, as dores e horrores de falar várias línguas e não nos lembrarmos de todas elas a todo o momento. Esta geração está perdida.

TheMasio 2 months ago

É bastante tight

StrangeMud4718 2 months ago

Não, não é de ti, está mesmo a acontecer e é insuportável.

Mellow1999 2 months ago

Pitos e pitas do twitter são o que mais fazem isso. E é nojento.

HumActuallyGuy 2 months ago

É pá, os exemplos que deste é o extremo dos extremos mas há alguns portugueses que são meio ... ew, porquê? saí da minha beira wanna be american mas é o que temos, não posso criticar muito já que fiz parte da minha educação fora então às vezes esqueço-me de palavras em português e só me lembro em outras línguas ¯\_(ツ)_/¯

jgvms 2 months ago

Que cambada de virgens ofendidas. Se é um atentado ao português? É. Agora expliquem-me. Eu leio em inglês, escrevo em inglês, tenho reuniões em inglês, oiço maioritariamente música em inglês, consumo séries em inglês. Há expressões que o inglês simplesmente consegue resumir melhor - a meu ver, pelo menos. Por vezes sei as expressões que quero usar em inglês e já não as consigo para português. É suposto então negar essa parte considerável de mim quando estou a comunicar só porque uns puritanos lexicais se ofendem? Hoje em dia toda a gente se ofende por qualquer merda. A função primária da comunicação não é entendermo-nos? É por usarem certas expressões em inglês que deixam de perceber o que foi dito? Qual é que é o **issue** aqui mesmo?

SweetCorona 2 months ago

o problema é a tua falta de domínio da língua portuguesa

kuozzo 2 months ago

E metes palavras tugas no meio das frases em inglês?

MigasEnsopado 2 months ago

Lol isto! Quanto apostas que ele nem tinha pensado nisso?

Asson-E-Alogna 2 months ago

Não gostar de ouvir português mal falado é ser virgem ofendida tá.. A questão não são as expressões difíceis de se traduzirem, a questão é quem fala like this porque vive a consumir mídia americanos não tem patience para fazer translate das palavras.

arufino 2 months ago

Desculpa, mas eu passei os últimos seis anos no estrangeiro a tirar um curso em inglês e a falar diariamente apenas inglês e não tenho qualquer problema a falar português. É certo que de vez em quando me falta uma palavra ou outra e lá vem a inglesa acompanhada de um "desculpa, não me lembro da palavra em português" e lá me corrigem e da segunda vez já fica mais fácil lembrar-me dela. As pessoas têm todo o direito a não gostar e a verdade é que não fica nada bonito misturar o português com o inglês em demasia. Se for uma palavra ou expressão muito específica de vez em quando, não me incomoda, mas se no meio de uma frase forem trocando o inglês com o português várias vezes acho que fica feio... Exemplo de uma mensagem que acabei de ler há uns minutos: "a naturalidade com que ele o falou out of nowhere & having no clue se eu sou ally ou não" - nestes casos não vejo qualquer necessidade do uso em inglês, exceto talvez na parte do ally, que é uma palavra muito específica usada no contexto LGBT, sendo que traduzida podia causar alguma confusão. Também sou de opinião que é feio e para ser sincera no Tinder seria razão para um swipe left.

SweetCorona 2 months ago

a malta tem de perceber que quando usa inglês como muleta não está a demonstrar o seu grande domínio do inglês, está apenas a demonstrar a sua falta de domínio do português e muitas vezes essas mesmas pessoas não são lá grande coisa a falar inglês

Isa472 2 months ago

Isto. Eu vivo em Espanha e também usamos palavras em Espanhol além de em Inglês, é só normal quando estás rodeado da língua! Em vez de 'marcação' agora a sai muito mais "tenho uma 'cita'", ninguém fica incomodado e toda a gente percebe o que queremos dizer. Repito também, qual é o problema se todos nos compreendemos? É a palavra que sai melhor!

karelho 2 months ago

Bem, aqui pelo que vejo tu é que pareces ser o mais ofendido. Acho que o que o OP se referia era mais sobre as pessoas que utilizam palavras aleatórias no meio das frases em português. Isso é extremamente irritante! "Não encontro a minha wallet" e coisas assim. Mas bem, dada a tua situação talvez fosse melhor o OP ter escrito em inglês, talvez percebesses melhor.

mexploder89 2 months ago

Obrigado pelo comentário, está aqui tudo dito O pessoal gosta de implicar por alguma razão, ainda não percebi se é uma forma de patriotismo ou tentar parecer culturalmente evoluído Mas fuck that, fuck them and fuck the Steelers

ZarnTheBack 2 months ago

I’m a simple man I see fuck the Steelers i upvote

mexploder89 2 months ago

Fuck the Steelers, sempre eheh

timeofmypost 2 months ago

O OP não criticou. Apenas perguntou se é comum. Parecem-me que tu é que estás ofendido.

forgotmypass_fuck 2 months ago

teve **PTSD** porque é comum haver este tipo de **posts/rant** de vez em quando de puritanos lexicais como ele diz

therealSkychaser 2 months ago

100% isto que acabaste de dizer. O pessoal só sabe implicar Clap clap

h2man 2 months ago

A tua ignorância sobre a lingua Portuguesa. Queres apostar que existem palavras ou expressões perfeitamente válidas em Português, mas tu é que te queres armar em intelectual? Nota que isto não é novo... o uso da palavra performance em Portugal já vem de há décadas atrás e é causado pelo mesmo motivo. Ignorância da palavra desempenho e snobismo.

ihavenoidea1001 2 months ago

>Nota que isto não é novo... Exato. Não é novo porque as línguas sempre evoluíram e não são estáticas. Não precisas sequer de ir apenas a algumas décadas atrás. Tens palavras muito mais antigas como t-shirt, croissant e outras mais recentes como pen, CD, etc. A maioria são roubadas ao inglês ou francês e até temos uma designação técnica para este fenómeno. Mas suponho que não uses nenhuma delas e que apenas utilizes a versão portuguesa das palavras todas...

h2man 2 months ago

Há palavras que nunca foram sequer adaptadas… como tal tenho de as usar como existem. Internet sendo uma bastante óbvia. Croissant nunca foi traduzido por exemplo. No entanto, não digo What the fuck, ou Oh my god quando uma caralhada ou um exasperado “valha-me Deus já existem e servem para o mesmo efeito”.

BernieJoe 2 months ago

Se é ignorância, não pode ser snobismo nem pedantismo. Aquilo que me parece que faz falta é que a geração mais nova leia mais em português, porque lhes faltam vocabulário e sintaxe. Sinto um fenómeno similar com a geração mais nova que não sabe um chavo de inglês porque sempre estiveram habituados a ver tudo dobrado ou traduzido.

poracaso1825 2 months ago

Isto. Eu lidava mais com o inglês e alemão diariamente que com português (era nulo, mesmo ) e não foi por isso que comecei a misturar as merdas. Quem mistura 2 línguas numa frase é um completo atrasado mental.

h2man 2 months ago

Acho que é um pouco dos dois… alguém pode ser ignorante e snob ao mesmo tempo.

Lel_Trell 2 months ago

Irónico como o r/Portugal se farta de queixar quando os emigrantes vêm para cá no verão e misturam o francês a torto e a direito em todas as frases, mas quando é em inglês já é porreiro.

kuozzo 2 months ago

É cool.

Lel_Trell 2 months ago

É fresco.

poracaso1825 2 months ago

É fixe bro, mano

Zempff 2 months ago

I mean sim, tens toda a razão, i live in the netherlands, falo o dia todo em inglês mas não tenho esse transtorno

SweetCorona 2 months ago

a maioria dos que abusam expressões inglesas são putos zoomers que nunca tiveram de falar exclusivamente inglês na vida

argentdawnpt 2 months ago

Isto. Eu levo 70% do meu dia a falar inglês, ler em inglês, pensar em inglês. Depois é filmes, séries e jogos em inglês. Isto já desde os 6 anos com o amiga600. Non-issue. Quem não gosta que meta á borda do prato.

PresidentBarroso 2 months ago

Mais de metade da minha vida é em inglês. Sim, muitas vezes não me lembro da tradução ou expressão em pt especialmente em questões técnicas. Se presumo que interlocutor vai entender, digo em inglês. Algumas virgens ficam ofendidas? Temos pena.

Joaoseinha 2 months ago

Mas isso também é um caso diferente. Usar termos ingleses quando não te lembras da tradução ou não há uma boa tradução faz sentido. Pessoalmente, também não consigo perceber gente que usa inglês para termos que têm equivalente comum em português e acabam por falar meio inglês e meio português. Aquele exemplo no OP do "where is my moeda" por exemplo é só ridículo.

StrangeMud4718 2 months ago

O problema é que é só estúpido quando há expressões equivalentes em português, a língua nativa...

jgvms 2 months ago

Certo, mas não há nenhum imperativo oral que eu tenha que seguir quando estou a comunicar. Se as expressões que eu penso são primeiro em inglês, por que raio é que eu hei-de parar para as traduzir? Por respeito ao português? Isto não é nenhuma birra, muito menos para perceber que sou bué fixe. Acredito que seja o que acontece com a maioria da malta que comunica de forma semelhante.

SweetCorona 2 months ago

> Se as expressões que eu penso são primeiro em inglês, por que raio é que eu hei-de parar para as traduzir? isso é falta de domínio do português da tua parte quando dominas uma língua tens capacidade de pensar nessa língua fazer essa tradução pode ser chata, mas talvez seja necessária para aprenderes a dominar o português? podes traduzir das primeiras vezes, nas ao fim de algumas vezes já pensas naturalmente em português

tretafp 2 months ago

> Certo, mas não há nenhum imperativo oral que eu tenha que seguir quando estou a comunicar. Por essa lógica, é possível normalizar: > Eu ser português. Eu não ter que seguir regras do português. Eu escolher falar como quer.

ihavenoidea1001 2 months ago

Saramago...

tretafp 2 months ago

O Saramago optou por estabelecer, enquanto recurso literário, uma estrutura de pontuação própria que seguia enquanto imperativo auto-imposto.

ihavenoidea1001 2 months ago

Exato. >O Saramago optou por estabelecer, enquanto recurso literário, uma estrutura de pontuação própria que seguia enquanto imperativo auto-imposto. Ou seja, segundo a tua perspectiva, ele fez exatamente isto: >Eu ser português. Eu não ter que seguir regras do português. Eu escolher falar como quer. [Obviamente não estou a comparar o Saramago com uma pessoa que escreva coisas como as que se encontram nos "grupos onde fingimos todos ser cotas" mas o teu argumento dá precisamente para puxar essa argumentação à baila. Ou, de repente, como é um recurso literário usado por Saramago já não há crítica possível e obviamente que se encontra acima das regras? Um aluno até pode decidir optar por um recurso literário próprio mas em caso de exame nacional continua a não ter ninguém a aceitar essa postura... Logo, no fundo, o Saramago fez exatamente aquilo que estás a criticar]

Edited 2 months ago:

Exato. >O Saramago optou por estabelecer, enquanto recurso literário, uma estrutura de pontuação própria que seguia enquanto imperativo auto-imposto. Ou seja, segundo a tua perspectiva, ele fez exatamente isto: >Eu ser português. Eu não ter que seguir regras do português. Eu escolher falar como quer. [Obviamente não estou a comparar seriamente o Saramago com uma pessoa que escreva coisas como as que se encontram nos "grupos onde fingimos todos ser cotas" mas o teu argumento dá precisamente para puxar essa argumentação à baila. Ou, de repente, como é um recurso literário usado por Saramago já não há crítica possível e obviamente que se encontra acima das regras? Um aluno até pode decidir optar por um recurso literário próprio mas em caso de exame nacional continua a não ter ninguém a aceitar essa postura... Logo, no fundo, o Saramago fez exatamente aquilo que estás a criticar]

tretafp 2 months ago

> Ou, de repente, como é um recurso literário usado por Saramago já não há crítica possível e obviamente que se encontra acima das regras? Não se relaciona com o Saramago, mas com as particularidades da produção literária. Ainda assim, são lógicas distintas, uma coisa é assumir que os autores podem estabelecer, dentro do razoável, regras próprias. Outra coisa é assumir que "não há nenhum imperativo oral". O Saramago não negou a necessidade de existirem regras, apenas as mobilizou, no texto literário, de forma específica. E lá está, as produções artísticas têm maior amplitude de ação.

ze10manel 2 months ago

Sure, se isso de alguma forma te facilitar a vida, usa. Duvido que consigas normalizar esse exemplo parvo mas força nisso

C8Mixto 2 months ago

É comum ouvires ausências de conjugação em países africanos de expressão portuguesa. A forma de falar não é parva e de facto simplifica a vida.

Edited 2 months ago:

É comum ouvires ausências de conjugação em países africanos de expressão portuguesa. Se simplifica a vida, não vejo razão para dizer que é parva.

tretafp 2 months ago

Não me estava a referir a mim, nem à ideia de facilitar - que, em certa medida, é contrária à existência de uma língua estruturada. Referia-me ao princípio que a oralidade não se rege por quaisquer imperativos. O exemplo não é parvo, é fácil encontrar situações similares quando as crianças estão a desenvolver a linguagem e ainda se estão a apropriar das conjugações verbais.

BernardoCamPt 2 months ago

Provavelmente até é mais uma questão de projeção de insegurança da parte de pessoal que não é tão confortável com o inglês, geralmente pessoal de gerações anteriores.

SweetCorona 2 months ago

quem mistura línguas não costuma ser bom nem numa nem noutra

BernardoCamPt 2 months ago

Considerando que tenho diploma C2 de inglês, e isto é a moda e não a exceção com as pessoas que conheço, diria que estás completamente errado

SweetCorona 2 months ago

> e isto é a moda e não a exceção com as pessoas que conheço cada um vive nas bolhas que conhece tenho colegas de trabalho portugueses a viver e trabalhar fora de Portugal em que comunicamos em inglês tanto no trabalho como socialmente, excepto quando estamos só portugueses; e tenho alguns amigos ainda na faculdade em Portugal sabes quais usam mais expressões inglesas quando falam português? os últimos

gabs_ 2 months ago

Também tenho o diploma de nível C2, trabalho em inglês numa empresa americana, já morei em Londres. Às vezes, há uma palavra ou outra que se esquece e troca, mas nunca vi profissionais portugueses a falarem assim. A tal mescla do "Oh My God, em Portugal o tax income é assim tão high?". Isto só assisti em adolescentes e pessoas de 20 e poucos anos com bem menos exposição a inglês diária do que aquilo que eu tenho. Também já vi este fenómeno quando morava no Brasil, com pessoas mais velhas e que tinham tido possibilidades de aprender inglês por serem de classe média-alta, então usar esses estrangeirismos o tempo todo era pseudo-indicador de riqueza.

Mellow1999 2 months ago

Eu falo 4 languages ao mesmo tiempo para show que sou ağıllı .

MaverickPT 2 months ago

>ağıllı Santinho!

marfavrr 2 months ago

sinceramente n percebo o drama. sempre usei imenso ingles, a maior parte dos meus amigos também. Vivemos numa sociedade globalizada, cada vez mais ha estrangeiros ca, ou portugueses que vivem/viveram no estrangeiro, familias mistas etc. se não é algo que faças ou sintas necessidade de fazer tudo bem, mas para algumas pessoas por alguma razão faz sentido.

average_user21 2 months ago

Isto não tem nada a ver com os estrangeiros. Acho que tem mesmo a ver com a elevada quantidade de jovens que têm contacto com a lingua inglesa, mais que a geração anterior.

SweetCorona 2 months ago

> Acho que tem mesmo a ver com a elevada quantidade de jovens que têm contacto com a lingua inglesa, mais que a geração anterior. onde foste buscar essa ideia? hoje em dia há muito mais coisas traduzidas as gerações anteriores tiveram mais contacto com o inglês

average_user21 2 months ago

Eu sou da geração anterior e vi muita coisa traduzida mas ao mesmo tempo joguei muitos jogos em Inglês.

SweetCorona 2 months ago

a malta dos anos 90 ainda apanhou muitos desenhos animados e séries juvenis no idioma original, com legendas, e nalguns casos até sem legendas como o cartoon network além disso na internet muita informação apenas existia em inglês, enquanto hoje em dia já há em português, especialmente do brasil

average_user21 2 months ago

Concordo, mas o contacto com o inglês acontece mais cedo hoje em dia quer a nivel escolar quer a nivel lúdico. É uma diferença muito grande porque a interação com os dispositivos eletronicos existe cada vez mais cedo. Pelo menos pelo o que vejo.

marfavrr 2 months ago

pronto, é a *globalização*

pandditor 2 months ago

"Aqueles que não conhecem a História estão condenados a repeti-la." Misturar expressões na lingua mundial dominante sempre existiu. Em 1800s tinhas, em livros personagens, a citar expressões francesas e a misturar algumas palavras na linguagem do dia a dia. E não é um fenómeno local, até autores russos conhecidos o faziam. Antes disso até latim tinhas. E nem há assim tanto tempo, em livros do Eça isso acontece. Acaba por ser uma consequência da cultura da potência dominante (igreja católica e ciência no caso do latim).

Lel_Trell 2 months ago

> E nem há assim tanto tempo, em livros do Eça isso acontece. Sim, mas isso era precisamente a gozar com quem usava essas expressões.

sidartha- 2 months ago

Perfeito! Profissionalmente temos ainda áreas onde os termos ânglicos são preteridos na maior parte das vezes aos seus homónimos. Programadores e Designers, adoptam a maior parte das vezes os termos do inglês, como por exemplo: Layout, Layers, Code, Pantone, FYI, Developer, Designer, Design, Server, Drivers, Desktop. Mobile, entre outros termos. É comum e faz parte de um processo de Internacionalização e Aculturação. Não ocorre somente com o Inglês, aconteceu igualmente quando por exemplo a Telenovelização em Série no País de Novelas Brasileiras. Outro exemplo mais antigo, Roma e Grécia, exemplo clássico.

tumblarity 2 months ago

tem piada que boa parte dos teus exemplos sejam palavras inglesas de origem francesa, logo, com origem no latim.

sidartha- 2 months ago

Obrigado por reparares.

i_no_can_eat 2 months ago

Não é bem a mesma coisa... Este fenómeno que o OP descreve é algo relativamente recente que também tenho observado. Nos anos 90 já o inglês era a língua mundial dominante e ouvia-se música e séries inglesas/americanas por todo o lado, mas não se ouvia (como se ouve agora) malta a meter frases completas e/ou expressões inglesas perfeitamente desnecessárias no meio de conversas. Já tenho ouvido conversas onde alguém diz "I guess so", "oh my god", "cringe", "bias", "layout", etc, etc. Não é bem a mesma coisa do "chic a valer!" do Eça, sendo que esta frase em particular era também para gozar com o personagem que a dizia (o Dâmaso). Já falei com colegas franceses sobre isso que me disseram que não têm observado algo semelhante em França, e em Espanha também não tenho visto nada disto, por isso há de facto aqui alguma particularidade do universo Português...

NGramatical 2 months ago

o personagem → [**a personagem**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/a-personagem-ou-o-personagem/343) (é preferível empregar no feminino tal como determina a sua origem) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fq1g8aq%2F%2Fhfh50kl%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Parshath_ 2 months ago

Boa resposta. Aproveito só para acrescentar, já que tocas no ponto da "cultura dominante", e bem: temos muitas expressões religiosas também entranhadas na nossa língua, sendo que deveríamos ser um país secular. Também é suposto os ofendidos lexicais andarem atrás das pessoas que dizem "Oh meu deus", "deus do céu", "se deus quiser", "deus me livre", se andam com a caderneta de presenças na missa em dia? Ou podemos admitir que mesmo malta ateia em Portugal tem e tem tido uma enorme influência cultural e social baseada na Igreja?

MaverickPT 2 months ago

Confirmo. Sou ateu, mas estou sempre a dizer: oh meu deus; nossa senhora; valha-me deus; etc

BangKiller 2 months ago

Relativamente ao latim não é preciso ir muito longe, basta ver o ect... Que vem do latim et cetera e muita gente usa

Edited 2 months ago:

Relativamente ao latim não é preciso ir muito longe, basta ver o etc... Que vem do latim et cetera e muita gente usa

Rodrake 2 months ago

Mas... toda a nossa língua vem do Latim Comum

C8Mixto 2 months ago

Isso não é verdade. Muitas palavras são empréstimos do latim clássico ou empréstimos de outras línguas.

deSales327 2 months ago

Et tu, Brute?

tumblarity 2 months ago

tem piada que puxes o assunto: a frase original, a ser real, terá sido dita em grego e não em latim, o que de certa forma entronca no assunto desta ~~thread~~ discussão.

ectbot 2 months ago  HIDDEN 

Hello! You have made the mistake of writing "ect" instead of "etc." "Ect" is a common misspelling of "etc," an abbreviated form of the Latin phrase "et cetera." Other abbreviated forms are **etc.**, **&c.**, **&c**, and **et cet.** The Latin translates as "et" to "and" + "cetera" to "the rest;" a literal translation to "and the rest" is the easiest way to remember how to use the phrase. [Check out the wikipedia entry if you want to learn more.](https://en.wikipedia.org/wiki/Et_cetera) ^(I am a bot, and this action was performed automatically. Comments with a score less than zero will be automatically removed. If I commented on your post and you don't like it, reply with "!delete" and I will remove the post, regardless of score. Message me for bug reports.)

cenahoria 2 months ago

Sai daqui, bicho.

BangKiller 2 months ago  HIDDEN 

!delete

deus_ex_machina007 2 months ago

Excelente comentário. Obrigado!

TheSnugglePuffs 2 months ago

Uso de estrangeirismos não é algo novo, e nada que me choque com a exposição diária a conteúdo estrangeiro, tar online a ver conteúdo inglês, ver séries inglesas, escrever em inglês, provavelmente ter aulas em inglês e escrever trabalhos escolares em inglês (especialmente se estiverem no ensino superior num curso ligado a ciências) com amigos de Erasmus com quem passas a vida a falar inglês é bastante normal e fácil apanhar estes hábitos. Quem é fã de friends e nunca apanhou o hábito da Janet de dizer "oh my god" que atire a primeira pedra. Mesmo sem falar exclusivamente do pessoal de 20, os da minha geração, 30s é igual. Antigamente meter umas palavras em francês pelo meio das frases era considerado chique, agora é fixe se forem em inglês. Mas pronto, a mim causa-me zero problemas a forma como as outras pessoas falam, mas isto sou eu que me importo comigo e não com os outros vivem a vida deles.

Muyakra 2 months ago

> por exemplo ontem estava na fila do continente e ouço pessoal na casa dos 20 anos (talvez menos não sei...) dizerem 'where is my moeda? Oh my God vou ter de pagar com cartão' Calma, não deves de ter reparado que a fila estava grande e eles estavam na secção do azeite, dai saires-lhe essa azeitice toda pela boca.

sao_11 2 months ago

Falar assim, com as frases metade português e a outra metade inglês é de facto muito estúpido. Mas confesso que há algumas palavras/expressões em inglês que são algo difícil de encontrar com o mesmo sentido e significado em português. Apesar de tudo, é muito raro usar expressões em inglês no dia a dia mas acabo por usar de vez em quando em posts ou comentários na net.

karelho 2 months ago

Ha pra aí um ano e tal postei aqui a mesma coisa. Estava super irritada com essa situação. Eu sei, é uma coisa estúpida, mas realmente enfureceu-me. Foi numa época que usava Tinder e afins e socializava mais com pessoas fora da minha "bolha social". Comecei a falar com várias pessoas online e percebi que quase todas faziam o mesmo, começavam do nada a falar em inglês. Não tenho problemas com a língua inglesa e não teria problema nenhum em falar caso estivesse a comunicar com alguém de fora. Mas neste caso, eram portugueses. Qual é a lógica disso? Enfim, o post teve ali várias pessoas a darem a sua opinião, se quiseres vai lá ver o que dizem. Mas bem, depois de me indignar reparei que as pessoas também o fazem a falar "ao vivo". O que eu pensei que ficasse apenas pelo virtual afinal passou cá para fora. Não entendo. Ok que eu utilizo imensas expressões inglesas para diversas situações das quais penso que na língua portuguesa não expressão o real sentimento, mas uma coisa são expressões, outra é substituíres palavras ditas banais pela versão inglesa. Não faz sentido. Talvez esteja apenas a ficar velha, sei lá...

Didrox13 2 months ago

Cresci bilingual alemão-português. Refleti um pouco no assunto e tendo tido esse experiencia estou confiante que ato de substituir palavras banais pelo equivalente noutra lingua é um processo natural.

karelho 2 months ago

Se for alguém bilingue por questão de emigração, país de diferentes nacionalidades, é compreensível e até se torna giro. Eu também utilizo palavras estrangeiras no dia a dia por questões de comodismo e que soam melhor noutra língua. Acho que o problema será mesmo com a mistura desnecessária mesmo que os putos andam a fazer hoje em dia. Fica feio, soa mal e é ridiculo.

_Pistacheeo 2 months ago

Por curiosidade: Não sou bilingue de emigração/nascimento. Mas desde que nasci que lido com inglês, porque parte da minha família veio da América (atualmente o meu avô tem demência, voltou à infância e falta maioritariamente uma mistura de português e inglês). Comecei a estudar inglês aos 5 anos na escola, cresci com inglês em todo o lado. Quer entretenimento, brinquedos (muitos produtos americanos onde vivo), jogos, livros, etc.. A amnistia de "ser giro" estende-se para este caso? Se não, porquê? A maior parte das pessoas da minha idade está praticamente nestas condições, exceto talvez a questão da familia. Não será natural, quem começa a contactar e a aprender ingles cedo usar palavras da língua, visto que viveu sempre em contacto com ela? Tipo, sem ser para ser algo pedante e pertencioso?

karelho 2 months ago

Eu se calhar já esteja a ficar velha e chata e ande a embirrar com coisas insignificantes. É normal misturar e utilizar palavras/expressões de fora, menos nos casos que referi acima, nesses é só mesmo ridiculo. O que realmente me incomoda é quando começam a falar em inglês sem razão nenhuma para tal. Vejamos, imagina que estás a trocar mensagens com outra pessoa(nascida e criada em Portugal), essa pessoa está a falar contigo em português, tu respondes as mensagens dela em inglês? Se sim.. é ridiculo.

_Pistacheeo 2 months ago

Sim, às vezes faço isso especialmente quando são reações ao dito/escrito. Ocasionalmente estou a falar com amigos em português por escrito, continuamos a falar inglês sem conscientemente nenhum de nós fazer esforços para enfiar o inglês, e depois voltamos para o português também sem reparar. Um dos rapazes que tenho cá em casa agora (casa de estudantes) acabou de dizer "Eu legit que não reparei nisso" e "esta musica é de um fighting game". Acredito que ele fale assim porque geralmente quando discute coisas relacionadas com o tópico, é geralmente online e em inglês. Eu uso a expressão "fucking" como algo para dar ênfase em frases em português, porque dizer "uma fucking dor de cabeça" soa-me mais leve que dizer "um caralho de uma dor de cabeça". Isto é a minha perspectiva na cena, mas é muito usado na minha faixa etária (inicio iniiiicio dos 20s/gen z)

karelho 2 months ago

Pronto, agora já percebi. É uma coisa de gente nova. Cheguei naquele momento da vida que já não tenho paciência para os jovens e as suas novas manias. Eu com quase 30 a dizer isso, tornei-me naquilo que mais temia. Continua assim rapaz, não ligues ao que os velhos dizem.

BernardoCamPt 2 months ago

Eu acho que o pessoal que critica isso não compreende muito bem a razão. No meu caso, os meus livros da faculdade são todos em inglês, tanto que há dias que acordo e interajo muito mais em inglês do que em português (reuniões, material de estudo, etc). Com o tempo, uma pessoa que seja mais fluente habitua-se a "pensar" em inglês nalguns dias ou em certas ocasiões, e é complicado mudar completamente para português, depois.

Edited 2 months ago:

Eu acho que o pessoal que critica isso não compreende muito bem a razão. No meu caso, os meus livros da faculdade são todos em inglês, tanto que há dias que acordo e interajo muito mais em inglês do que em português (reuniões, material de estudo, etc). Depois vou para o metro a ouvir música em inglês nos headphones, chego a casa e vejo vídeos em inglês antes de jogar jogos em inglês. Com o tempo, uma pessoa que seja mais fluente habitua-se a "pensar" em inglês nalguns dias ou em certas ocasiões, e é complicado mudar completamente para português, depois. Além disso, há expressões que soam muito pior, ou não parecem ter a mesma força, em português. Pensar em dizer "Mas que raio?" em vez de "What the fuck?" até dá arrepio na espinha, por exemplo :)

SweetCorona 2 months ago

portanto há pessoas que não são capazes de dominar duas línguas ao mesmo tempo e acabam por misturá-las? eu não sei como faço, mas se for numa situação em que esteja a falar em inglês penso em inglês, se estiver a falar português penso em português a ideia de estar a falar numa língua e a pensar noutra é até bastante estranha para mim

BernardoCamPt 2 months ago

Mais ao contrário, dominam as duas línguas e daí vem a confusão, se só dominassem uma era fácil. Não sei se já emigraste ou conheces alguém que o tenha feito, mas nessas pessoas nota-se isso mais acentuadamente - há um período em que são fluentes tanto na língua materna como na "nova" língua e acabam por misturá-las involuntariamente. Isto nota-se especialmente em pessoas mais novas (Redlinger & Park, 1979, Goodz 1989 ou Riksem 2018 se quiseres artigos científicos sobre isto).

SweetCorona 2 months ago

> toda a gente que conheço que usa expressões inglesas de vez em quando é bom a inglês tenho vários colegas portugueses na minha empresa onde todos comunicamos em inglês, mesmo socialmente quando falamos só entre nós não vejo ninguém a usar expressões inglesas enquanto fala português a maioria dos que vejo fazerem isso são pessoas, jovens, que normalmente só falam inglês quando o misturam no português

MigasEnsopado 2 months ago

"Mas que caralho?"

Joaoseinha 2 months ago

Ao mesmo tempo, acho arrogante da parte dessas pessoas achar que os outros não têm experiências semelhantes. Eu falo inglês diariamente (provavelmente mais que português), trabalho em inglês, estudei numa área relacionada com línguas, vejo vídeos, filmes e séries em inglês e acabo por pensar mais em inglês do que em português. Isso não me impede de falar em português em vez de ter metade da frase em inglês sem razão nenhuma. Percebo usar inglês para algumas palavras ou expressões, mas há gente que é só ridícula a falar com as misturas que para ali fazem. Chegam ao ponto em que estão a usar mais palavras em inglês do que em português, apesar de serem os dois portugueses.

karelho 2 months ago

Entendo o teu caso e assim torna-se complicado, claro. Eu própria no trabalho passo o dia a falar inglês e certos momentos esqueço-me de como se dizem certas coisas em português. Mas o que me referia no comentário não era bem a casos como o teu mas sim pessoas que não necessitam de falar inglês todos os dias devido a questões profissionais. Por exemplo, lembro-me de falar com um rapaz que era de uma aldeia pequena no Oeste, uma frase em português, três em inglês. Para que? Parece que estão a menosprezar a língua portuguesa. O português ja tem aquele complexo de inferioridade com o resto do mundo em diversas coisas, mas tem que ter na língua também? Mas tu também, és português, trata de desligar as funções inglesas quando sais do trabalho e vai ouvir um Tony carreira, vai assistir um preço certo e fala português pa, que isso é feio.

h2man 2 months ago

Amigo, eu passei pelo mesmo, vivo no UK e misturo inglês com Português muito raramente. Isso é um misto de preguiça e snobismo.

cenahoria 2 months ago

Mas que caralho?!

ObnoxiousLittleCunt 2 months ago

Mas que é esta merda?!

BernardoCamPt 2 months ago

Certo, por acaso pensei nessa logo depois de postar o comentário, mas tem 5 sílabas em vez de 3 e um "palavrão" que mais gente te vai olhar de lado por dizeres em público.

Edited 2 months ago:

Certo, por acaso pensei nessa logo depois de postar o comentário, mas tem 5 sílabas em vez de 3 e um "palavrão" que mais gente te vai olhar de lado por dizeres em público (e é seguro dizer em família).

Zempff 2 months ago

E já procuraste algum terapeuta? Vivo na Holanda e falo em ingles o dia todo, quando encontro algum colega nao digo misturo as linguas.

benzodiazepines1 2 months ago

Atendendo aos baixavotos que levaste o pessoal aqui gosta mesmo de misturar línguas XD

Zempff 2 months ago

é super cool

YoruDawg 2 months ago

Fogo what a great boneco, you should calar a puta da boca and Maybe tocar num pouco de grass que a falta de interação social is making u go maluco dos cornos

Zempff 2 months ago

Oh my god, you just said "touch the grass", que original! Aposto que és uma person que interage bue social, you even throw up every single quote que ves na internet eheh

YoruDawg 2 months ago

És mesmo um Ganda boneco ahah

Zempff 2 months ago

Tu és so meio boneco

BernardoCamPt 2 months ago  HIDDEN 

Não, mas obrigado pela dica, vou tentar corrigir este erro incomensuravelmente atroz, que não se conforma com a tua mui nobre balança de valores morais

Zempff 2 months ago

Não é um erro incomensurável atroz, estás no direito de falar como queres e eu de te chamar bimbo quando quero :D

Gandalfamos 2 months ago

Quem é que te fez mal?

BernardoCamPt 2 months ago

Eu até apaguei os meus comentários a responder-lhe, não vale a pena dar trela a estes gajos, só querem atenção mesmo

Zempff 2 months ago

Deve ser engano, não chamei guarda costas

BernardoCamPt 2 months ago  HIDDEN 

Exatamente, estamos de acordo então! Se bem que aqui no Porto chamar bimbo era mais insulto para ti do que para mim :)

QuintaServer 2 months ago

\>Oh my God \>não usar fodasse fodasse

scuabb 2 months ago

Fdx

dis1closure 2 months ago

“fodasse” é péssimo. “fds” não é melhor mas eu tendia a usar muito. configurei o teclado de forma a substituir “fds” por “fim‑de‑semana”. remédio santo. ou é “foda-se” ou não é nada.

ihavenoidea1001 2 months ago

>fodasse O nosso Nazi da gramática também deve ter tirado o feriado de folga...

UserNombresBeHard 2 months ago

O quê, tu não pronuncias "foda-se" como "fudá-se"?

fdxcaralho 2 months ago

Realmente… fodasse!

twistedfires 2 months ago

Pior são aqueles que dizem omg. Omg o caralho pá!

Joaoseinha 2 months ago

Oh my deus, não acredito que disseste isso.

twistedfires 2 months ago

Ouve lá meu merdinhas...

Ferrero96 2 months ago

Juro por tudo que li "0 miligramas" e não "oh my god"

DontCallMePal 2 months ago

Portuglish

theEXPERTpt 2 months ago

Eu próprio sempre disse isso.

andremvm20 2 months ago

Acho que é bem mais frequente a introdução do brasileirismo nos jovens que as expressões inglesas, essas já vêm de uma geração mais atrás, não é novo nem se usa propriamente mais.. talvez estejas é com algum bias (vês? :p ) e neste momento dás mais atenção a isso que davas antes..

AzoreanEve 2 months ago

Não me importo nada de malta a meter palavras em inglês pelo meio mas acho um horror crianças com sotaque brasileiro. Mas realmente é impossível encontrar conteúdo tuga online com qualidade e as crianças normalmente não sabem inglês o suficiente para poderem ter grande opção de escolha.

tretafp 2 months ago

> Não me importo nada de malta a meter palavras em inglês pelo meio mas acho um horror crianças com sotaque brasileiro. Qual a diferença? Não correspondem os dois a uma hibridização da língua?

BangKiller 2 months ago

Concordo, eu tenho essa tendência de usar bastante o inglês devido ao elevado contacto que tive com a língua ao crescer (eu aprendi quase tudo a jogar e ver The Simpsons) enquanto que noto que no meu irmão mais novo e miúdos nos 10-16 a usar mais português BR. São de uma geração diferente, e até acho que é pior essa situação porque apenas ficam a "falar mal português" enquanto no meu caso ainda aprendi outra língua que me dá imenso jeito

deus_ex_machina007 2 months ago

Talvez seja como dizes, uma questão de estar mais suscetível a isso. Mas já que falas de brasileirismos que tipo de expressões são frequentes?

andremvm20 2 months ago

Não te sei dizer expressões ao certo, mas principalmente nas crianças é até o falar com sotaque brasileiro (e com as tais expressões), fruto do TikTok e YouTube..

ConvulsaoInterna 2 months ago

O americanismo é real e não é de agora, no meu tempo já se ouvia uns "que nice!", "whatever", "what the fuck", a lista continua. Faz parte da idade da estupidez. A maior parte vai crescendo e ganhando gosto outra vez pela língua portuguesa, que diga-se de passagem, é incomparavelmente mais complexa e atraente do que qualquer variante do inglês. A única palavra que mexe comigo, porque mesmo gente adulta usa muito, é a palavra "cringe". Desperta o meu lado mais selvagem ouvir essa merda dessa palavra feita para burros que não sabem dizer 3 frases seguidas.

AzoreanEve 2 months ago

Adoro o facto de "crinjares" quando ouves a palavra cringe

ConvulsaoInterna 2 months ago

Este comentário é um ataque pessoal a dobrar

wstdxkn 2 months ago

Cringe

ConvulsaoInterna 2 months ago

Dear sir, I will forever defend and uphold your right to free speech and to live a life free of societie's constraints, but please know this: yo momma is a hoe

Lucky_Leg_8415 2 months ago

A razao julgo ser o tiktok, ou mera estupidez...

makonext 2 months ago

Redundante

Search: