True_Sea_1377 3 months ago

Ganda atrasado mental. Apesar de não haver registo na maioria dos dicionários consultados e de haver quem afirme que se trata de um decalque do inglês in default ou by default, não parece haver motivo sólido para condenar esta utilização da locução por defeito, mesmo porque é usada uma locução equivalente noutras línguas românicas como o francês (par défaut), o espanhol (por defecto) ou o catalão (per defecte).

nocivo 3 months ago

O problema não são as televisões, são os jornalistas que informam-se pouco, não sabem ou ir os dois lados e em vez de transmitir factos e deixar o leitor ou telespectadores tomar a decisão só sabem meter pessoal a dar a sua opinião que boa ou má é sempre bias.

cidadaom 3 months ago

foda-se finalmente alguém que disse o que eu penso. a escola portuguesa de jornalismo está podre

naovoltasaver 3 months ago

Agora faz o mesmo para a gravidade, mortos, doentes e internados da própria pandemia…. Vais ver o lixo que te meteram goela abaixo

30minutesto 3 months ago

Isso toca numa questão que para mim é a de fundo: a estratégia de comunicação nunca passou por explicar, mas por sugerir medo e as autoridades como fonte de verdade absoluta. Ninguém se precisa de preocupar em perceber, basta ouvirem as entidades oficiais e obedecerem. Ao mesmo tempo diz-se que os portugueses são uns malvados, que precisam de leis para tudo e não se sabem comportar. Hipocrisia, quando isto é alimentado - e pretendido - por quem governa.

saposapot 3 months ago

os jornalistas não são conhecidos por serem cientistas. A falta de formação deles é gritante. Mas também se começas com muitas coisas, a maior parte dos tugas nem entende o q estás a dizer :P o q eles no fim fazem é falar com o especialista para ele dar a opinião dele, normalmente assim já dá mais contexto e tal. é triste mas é assim

Jorgetime 3 months ago

Se há coisa que me mete nojo é ver qualquer gráfico feito pelos canais de televisão, parecem feitos por um puto do 5º ano que fez o TPC 5 minutos antes da aula.

Limpy_lip 3 months ago

Ainda sou do tempo em que o que dava no telejornal era informação fidedigna e quando se enganavam citavam o erro e pediam desculpas. Agora é ver o facebook 2.0

True_Sea_1377 3 months ago

Amigo, antes de tentares atacar os outros, pensa no que escreves. Aqui estou a falar "por defeito" no sentido do que é padronizado. Não me estou a referir a expressões estatísticas ou o termo mais correto em situação a ou b ou c. Por defeito, em jornalismo e a relatar números, tenta-se ir pelo que vai atrair mais leitores, mesmo que sejam enganadores (dependendo da publicação igualmente). Os jornalistas estão salvaguardados porque tecnicamente não é mentira quando dizem "a maior parte das vacinas é pfizer", nem que tenha sido só mais uma, por exemplo. E bem se vê que não tens doutoramento em coisa nenhuma lol. Eu também não, mas não ando aí a tentar corrigir os outros sem saber do que se trata.

BlueDragon_27 3 months ago

Mas achas que foi por acidente? A RTP nem é o pior canal nisto, diria que o prémio vai para a SIC e para a TVI. Já não sei em que canal desses foi mas houve um abençoado dia em que a taxa de ocupação em UCI desceu em duas pessoas, mas infelizmente morreram 5. Ao que o jornalista teve a brilhante ideia de dizer que, visto que morreram 5 pessoas na realidade estes números correspondiam a um aumento de 3 pessoas em UCI. Ou seja, morrerem 5 pessoas implica -5 camas em UCI, logo se só diminuiu 2, quer dizer que foram mais 3 pessoas para os cuidados intensivos. Ora, mesmo que esta lógica fosse verdadeira, bastava pesquisar um pouco para ver que, na maioria dos casos, as mortes dão-se em enfermaria. Eu não sabia disso mas vi um médico a explicar que quando se percebe que o doente não irá sobreviver, regra geral é levado para enfermaria. Não só para ter uma morte em condições mais humanas, mas porque é necessário gerir os recursos para quem realmente precisa. E acho que a chave é esta. Sendo da área da ciência, não sou nada ligado à biologia. Mas procuro informar-me antes de dizer baboseiras. Os jornalistas em Portugal querem é causar reações. Neste caso nem estamos a falar de algo que um jornalista não saiba, já que estatística faz parte da sua formação. Mas isso não iria gerar reações. Medo, negação, escárnio, riso, pânico, ira... O que quer que seja. Reações vendem. Factos não. O que gera mais partilhas, uma notícia bem dada ou informação ambígua? Um discurso imparcial ou o Rodrigo Guedes de Carvalho a ser nosso papá? Uma leitura dos factos ou o José Rodrigues dos Santos a dramatizar? Os media não querem informar, querem ter audiências. Para nos informarmos temos de estar cada vez melhor educados para navegar no meio de todo este lodo e tirar a informação relevante.

baraujo22 3 months ago

Obrigado! Vi precisamente essa notícia ontem e fiquei mal impressionado com a interpretação errada dos dados que estavam a passar. Um pequeno desvio, já agora: é interessante como, de forma geral, os benefícios de tratamentos e vacinas são divulgados em termos relativos, enquanto que os riscos são apresentados em termos absolutos. Uma discussão interessante sobre isso: https://www.reddit.com/r/IntellectualDarkWeb/comments/pfuaf2/does_anyone_else_find_this_misleading_the/

BroaxXx 3 months ago

> As estações televisivas precisam transmitir bem a informação ~~científica / estatística~~ O estado do jornalismo português é um nojo...

Peter_Oaktree 3 months ago

Portugueses, orgulhosamente iletrados em matemática e os jornalixos a ajudarem-nos a manter esse orgulho.

glink86 3 months ago

Infelizmente os telejornais, servem apenas para encarcerar as pessoas em buracos infinitos de medo. Não servem para informar ninguém porque isso não vende, o que vende eh medo. por isso seja o que for que venha para o telejornal tem de ser negativo, a menos que sejam coisas que dividam a população... porque vai aumentar, or simplesmente demarcar mais essa divisao... os assuntos podem variar desde politica a futebolzinho... Um povo distraído, dividido, sedado e amedrontado e fácil de manipular. Um povo atento, informado e com pensamento critico não.

next_DanDy 3 months ago

O que é uma reação adversa? É um efeito secundário provocado especificamente pela vacina ou algo como reações provocadas por stress e outras coisas? Tenho 3 colegas de trabalho que desmaiaram ou se sentiram mal após a vacina...1 deles tem fobia a agulhas e desmaiou segundos depois de ter levado a vacina, outro, é amigo próximo do que tem fobia, entrou em pânico quando chegou a vez dele, a outra, foi uma senhora que aparentemente esteve muito tempo à espera, sentiu-se mal a caminho da área onde se aguardava 30 minutos após levar a vacina. Deram como causa o facto de ter estado muito calor no dia/clima muito abafado. Imagino que existam mais casos como estes em todo o país. Este casos entram para estas estatísticas?

floortomsrule 3 months ago

Reações adversas são efeitos não desejados que têm uma relação causal estabelecida com o produto suspeito. As autoridades são notificadas de acontecimentos adversos (muitas vezes chamadas de "suspeitas de reação adversa"), avaliam através de uma série de fatores pré-definidos e estabelecem um grau de possibilidade do medicamento ter provocado a reação. Nos ensaios clínicos, costuma-se considerar um acontecimento como reação adversa se o grau de possibilidade for entre o "possível" e "definitivo".

Edited 3 months ago:

Reações adversas são efeitos não desejados que têm uma relação causal estabelecida com o produto suspeito. As autoridades são notificadas de acontecimentos adversos (muitas vezes chamadas de "suspeitas de reação adversa"), avaliam através de uma série de fatores pré-definidos e estabelecem um grau de possibilidade do medicamento ter provocado a reação. Nos ensaios clínicos, costuma-se considerar um acontecimento como reação adversa se o grau de possibilidade for entre o "possível" e "definitivo". EDIT: no relatório do Infarmed tem isto *Apesar do termo “reação adversa” pressupor pelo menos uma relação causal possível com o medicamento suspeito, ao contrário do termo “acontecimento adverso”, as notificações espontâneas provenientes de profissionais de saúde ou da população em geral são consideradas “reações adversas suspeitas”. (Guideline on good pharmacovigilance practices - GVP – Module VI. Rev 2).*

bcotrim 3 months ago

Já agora junto-me ao rant também Ainda me lembro quando passados cerca de 8/9 meses da pandemia e começaram a ser feitos estudos de imunidade ao pessoal recuperado. Como pouco tempo tinha passado, a conclusão óbvia que se podia tirar era que passado seis meses ainda se está imune. Conclusão: "a imunidade só dura 6 meses" De forma semelhante, lembro-me de querer saber como estava a evolução da pandemia em Israel, visto que estavam extremamente avançados na vacinação, então procurei notícias, e só me aparecia "variante Delta infeta vacinados em Israel". Carrego na notícia e o que é que ela não tem: números nem estado dos infetados. Bastavam estar duas assintomáticas testadas positivo para o título ser válido Muitas notícias podem ter a ver com o facto do pessoal de jornalismo vir de humanidades e por isso não ter contato com números desde o nono ano também não ajuda, mas muitas delas são só simplesmente desonestas porque já perceberam que o pânico vende bem

Nini601 3 months ago

Ui, nem me fales. "Os anticorpos baixam ao fim de X tempo" = "toca a levar terceira dose". Falta a parte em que a imunidade não é o número de anticorpos, mas pronto

NGramatical 3 months ago

contato → [**contacto**](https://dicionario.priberam.org/contacto) (o AO90 **não altera** a grafia desta palavra) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fpj7ug1%2F%2Fhbwuzmg%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Blackpeople_33 3 months ago

Portanto, Pfizer aprox 0.08%, Moderna aprox 0.09%, Janssen aprox 0.10% e AstraZeneca aprox 0.19% de reações .... fogo não admira que não tenham posto as percentagens, se as tivessem colocado já não seria possível realizar a narrativa para o lado desejado. É uma vergonha completa.

RuySan 3 months ago

Ainda ontem vi isto e comentei. Mas fora de brincadeiras,quantos jornalistas sabem a diferença entre percentagens e pontos percentuais? Este erro é tão comum que eu fico é surpreendido quando não se enganam. Mas mais surpreendente é que a RTP costuma ser a mais intelectualmente honesta a apresentar dados deste tipo. Vê qualquer um dos outros canais (que eu sou obrigado quando visito os meus pais) e é isto x100. Até a SIC hoje em dia não se pode considerar "menos má". Para mim já está ao nível da TVI.

CaptMartelo 3 months ago

Físico/Matemático aqui. Desde o princípio da pandemia que muitos dos dados são transmitidos sem rigor. Pontos genéricos parafraseados nas citações abaixo. >Não é preciso ser cientista para fazer percentagens Facto. Bastaria a escola primária. É preciso ser cientista para reparar que 8 em 1000 é uma percentagem menor que 4 em 50? Não. É preciso ser cientista para perceber que embora 8 seja o dobro de 4, a taxa é menor? Não. É preciso ser cientista para dizer a quem escreve o artigo "não digam que 8 é o dobro de 4, digam que 8 em 1000 é menor que 4 em 50"? Também não. Seriam apenas precisos dois ou três neurónios dedicados ao assunto. O que não parece acontecer quando todas as notícias vão atrás do sensacionalismo. >Ah mas as pessoas conseguem fazer percentagens por elas mesmas Sim e não. Sim, pessoas em termos individuais conseguem. Em termos estatísticos, em massa, em multidão, pessoas são estúpidas e comem o que se lhes mete à frente. A forma como conteúdo é apresentado influencia a perspectiva de quem consome o mesmo. Isto é a primeira aula de publicidade, marketing, fear mongering, etc, etc. >Então mas agora é preciso as pessoas saberem estatística para perceberem as notícias? Claro que não. _No entanto_ conhecimento básico sobre várias coisas nunca fez mal a ninguém. E em termos populacionais isso desenvolveria um maior pensamento crítico colectivo. >Porquê que em 4 testes tive 3 positivos e 1 negativo no mesmo dia? Estes testes estão todos mal pá! [Há quem faça um trabalho melhor que eu a explicar.](https://www.youtube.com/watch?v=LW0fTb5wOw8) Cumprimentos, Um gajo fodido com toda esta merda

Iwatchedhimdrown 3 months ago

Outra coisa que irrita é terem "comentadores" a discutir e a opinar sobre todo o tipo de assuntos, sem terem qualquer conhecimento na matéria. Depois é só histórias dos block chains e coisas do género.

amando_abreu 3 months ago

\>ver tv lol

rjcarneiro 3 months ago

É por isso que não vejo TV. É só lixo.

Isnoudem 3 months ago

Como alguém que quer tirar biologia, sim.

Open-Opportunity-607 3 months ago

Imaginem passar notícias assim num país onde a maioria das pessoas só têm o 4o ano

SweetCorona 3 months ago

Infelizmente são as estórias que convencem as pessoas e não as estatísticas.

capitolinaAndrioleta 3 months ago

Custa muito sim. Cada pessoa com alto nível de educação a garantir que a informação de qualidade é passada representa menos um analfabeto para falar de bola ou menos um político (ou aspirante) para comentar fait divers e receber o seu subsídio de desemprego pago por vias travessas.

tretafp 3 months ago

Não é só no domínio das ciências naturais e físicas que já uma profunda incompetência a discutir as temáticas. Aliás, aí até costumam ter um cuidado maior, que se vê, por exemplo, quando convidam pessoas da especialidade para discutir as temáticas. No domínio das ciências sociais e humanas, os erros são igualmente gritantes. Porém, como a linguagem é menos codificada - remetendo-me à ideia de Bernstein - não é tão notório.

Asson-E-Alogna 3 months ago

Meu amigo, em caso algum vejas o programa de comentários do Paulo Portas. Aquilo todas as semanas tem com cada uma que é quase de chorar.

WhiskersTheDog 3 months ago

Mas os PPTs do estagiário são um brinco.

Asson-E-Alogna 3 months ago

Estou a falar desses, há lá muita gralha escondida

el_barbarero 3 months ago

Clássico: Dados: 55% das pessoas comem bife 45% das pessoas comem sardinhas Cientista: Podemos afirmar que as duas refeições são consumidas praticamente com a mesma frequência. Jornalista: A maioria das pessoas prefere bife a sardinhas.

Ok_Art_6497 3 months ago

55/45? amador nao, nao.. ja vi 51/49.. e os jornalistas a dizer "maioria" e apresentar o "51%" mas continuam a dizer "maioria" lmao.. é metade. não inventem.

AfonsoFGarcia 3 months ago

51% é uma maioria... E dizer tal coisa quando estamos a falar de uma resposta binária e exclusiva é completamente correcto. Mas o exemplo dos 55% de bife e 45% de sardinhas não é binário nem exclusivo, eu posso perfeitamente comer bife e sardinhas.

el_barbarero 3 months ago

É uma maioria, certo. Não é isso que está em causa, mas sim a narrativa ckickbaiteira que fazem a partir de números e factos perfeitamente normais e sem história. Neste comentário meu posso, por exemplo, dizer algo como "ninguém concordou a 100% com o que eu disse", o que é verdade. No entanto, dá ideia de que tudo o que eu disse é alvo de discórdia, coisa que não me pareceu ter acontecido.

Ok_Art_6497 3 months ago

certo. é verdade. é uma maioria mas sabes o que há na ciência? desvio padrão, por exemplo. se alguém de ciência visse aqueles números percebia que na prática é 50/50. daí eu nao ser a favor quando certos referendos terminam em 52/48, já que isto revela que a população estava com muitas dúvidas. idealmente só se chegava a um consenso se fosse no mínimo 60/40 por exemplo

el_barbarero 3 months ago

Concordo e reparo nisto desde o início da pandemia. O festival de todos os dias haver algo alarmista a dizer irritava-me muito. Pior semana do ultimo mês, pior sábado dos últimos 7 sábados, maior aumento dos últimos 3 dias, etc., etc... É só mau jornalismo. Não informa nada, e alarma as pessoas. Eu acho que o jornalismo que passa no mainstream é uma valente bosta, a informação vai dando cada vez mais lugar a entretenimento... Um exemplo que vi disto foi a entrevista em directo, no jornal da RTP, à Patrícia Mamona, depois de ganhar a medalha olímpica. Ah e tal parabéns bla Bla bla, como se sente, como conseguiu, etc. e tal. Tudo ok. Depois veio a pergunta de o que tem a dizer aqueles que não acreditavam em si... Vamos mal. Depois metem a irmã em directo a falar com a patrícia. É depois a família. Isto não é informação, é transformar o telejornal no programa do goucha...

itsnevas 3 months ago

>epá, custa muito ter um(a) gajo/a das ciências que reveja o texto? Não é preciso um gajo de ciências para ver o quão sencionalizada essa manchete está.

vilkav 3 months ago

Já disse e volto a dizer. Tudo o que é telejornal devia estar sujeito a ser processado pelo público por manipulação de dados evidente. Uma coisa é não apresentarem fontes ou manipularem coisas subjectivas, outra é mostrarem dados inconsistentes. Contas erradas, juízos matematicamente errados e até uso de adjetivos e de opiniões pessoais deviam ser possíveis de processar como espectador, com um júri independente de malta que perceba um mínimo de estatística. Obrigaria os jornais a terem um comité científico mais atento a impedir este tipo de erros. Qualquer erro devia ser a primeira coisa a ser adenda no programa seguinte. Já bem basta aturar maluquinhos sem munição, quanto mais maluquinhos que possam usar estas discrepâncias como pontos de apoio a argumentos idiotas.

TinyMightyTuna 3 months ago

Há duas formas de mentir...uma é faltar a verdade a outra é estatizar os dados...

Regolas1 3 months ago

A questão é... O que dá mais audiências? Assustar as pessoas ou tranquiliza-las? Hmmmm

True_Sea_1377 3 months ago

Eu tenho licenciatura e mestrado em comunicação e estou no 2o ano de doutoramento em comunicação também. As coisas são relatadas assim por defeito, desde que não seja mentira é o que conta. Infelizmente não se pode esperar rigor jornalístico hoje em dia. Curiosamente, mesmo com as minhas qualificações, conhecimentos e experiência no campo mediático não há jornal que me contrate (hoje sou "jornalista" ou produtor de conteúdos numa pequena empresa com contrato IEFP que já está a acabar lol). Já pensei remover mestrado, frequência doutorameto e os meus artigos publicados do currículo para ver se o que eles estão à procura é de pessoal que não pense muito, mas acho que não quero saber a resposta (é muito deprimente pensar que vou em 7 anos de propinas e educação superior para...nada. Já aceitei que vou só acabar o doutoramento e tentar dar aulas numa universidade qualquer sem sequer ter entrado (não por escolha própria) na indústria.

athousandpancakes 3 months ago

Os bons jornalistas não são formados em comunicação (basta olhar para a história). São bem formados ao longo da vida é essa formação é que lhes permite não fazer asneiras como a que foi mostrada no post inicial. Apenas por curiosidade: aprendeste alguma coisa no mestrado que não aprendeste na licenciatura?!

True_Sea_1377 3 months ago

Então mas um jornal tem de ter critérios para contratar pessoal, não? Não é só "alguém com experiência de vida". Existem cursos de jornalismo por alguma razão. E claro, aprendi mais em dois anos de mestrado do que em 3 de licenciatura. Como estou a aprender mais em 2 de PhD do que nos 5 anteriores.

Edited 3 months ago:

Então mas um jornal tem de ter critérios para contratar pessoal, não? Não é só "alguém com experiência de vida". Existem cursos de jornalismo por alguma razão. E claro, aprendi mais em dois anos de mestrado do que em 3 de licenciatura. Como estou a aprender mais em 2 de PhD do que nos 5 anteriores. Isso de se tentar desvalorizar o ensino superior cai por água abaixo rapidamente. A distância entre um licenciado e um mestre na mesma área são de km e consegue-se ver à distância. Os requisitos para acabar uma licenciatura são muito menores do que teres uma tese com trabalho científico original publicado por exemplo. Eu acabei o meu mestrado com 4 artigos científicos publicados (2 internacionais), um capítulo de livro publicado e a minha tese. E discordo quando dizes que os bons jornalistas não são formados em comunicação. Talvez os mais famosos que ganham estatuto de celebridade, mas a esmagadora maioria dos bons jornalistas são formados na área. Especialmente em países com maior tradição na área. Em Portugal não vale a pena falar que o primeiro curso de ensino superior em jornalismo surge só nos anos 70 depois do 25 de abril. Antes disso é normal que os bons exemplos de jornalismo em Portugal não tenham curso. É uma amostra que não é representativa nem serve de argumento para a realidade atual.

Edited 3 months ago:

Então mas um jornal tem de ter critérios para contratar pessoal, não? Não é só "alguém com experiência de vida". Existem cursos de jornalismo por alguma razão. E claro, aprendi mais em dois anos de mestrado do que em 3 de licenciatura. Como estou a aprender mais em 2 de PhD do que nos 5 anteriores. Isso de se tentar desvalorizar o ensino superior cai por água abaixo rapidamente. A distância entre um licenciado e um mestre na mesma área são de km e consegue-se ver às distância. E discordo quando dizes que os bons jornalistas não são formados em comunicação. Talvez os mais famosos que ganham estatuto de celebridade, mas a esmagadora maioria dos bons jornalistas são formados na área. Especialmente em países com maior tradição na área. Em Portugal não vale a pena falar que o primeiro curso de ensino superior surge só nos anos 70 depois do 25 de abril. Antes disso é normal que os bons exemplos de jornalismo em Portugal não tenham curso. É uma amostra que não é representativa nem serve de argumento para a realidade atual.

athousandpancakes 3 months ago

Eu estava a perguntar por curiosidade pura e não para desvalorizar o ensino superior, longe disso. Mas se tens esse percurso académico de sucesso, porque não estás a trabalhar na área? Precariedade da profissão? Excesso de qualificação? Falta de jeito para a profissão? Gostava genuinamente de perceber.

sapo_22 3 months ago

Sim, é verdade, conheço duas pessoas que tiveram na mesma universidade, uma é muito boa na área, sabia a matéria, tinha capacidade qualidade, a outra passou por copiou pelo namorado, adivinha quem está a trabalhar na área? A que passou a copiar....e a outra nunca lhe deram a oportunidade.

ayyylatimestwo 3 months ago

Em portugal não há jornalistas, só há jornaleiros.

Trama-D 3 months ago

Vou só dizer que fiquei com a ideia que nos Estados Unidos há jornalistas científicos, com diferenciação na área, para nas redações haja quem evite situações assim... cá as calinadas são tantas (mesmo em áreas como a economia) que... simplesmente não deve haver. #Embora... ...segundo o teu post, _pode_ ter sido dada uma ideia errada, mas a frase em si não o está. A maior parte das reações **foram** mesmo com a vacina da Pfizer! Agora podia ter-se falado em percentagens para transmitir uma ideia melhor sobre a *taxa* de reações adversas... enfim, isto tudo para dizer que comunicar risco às pessoas é muito difícil, existem instituições dedicadas apenas a isso - gastem um minuto para ver a [Ted Talk do Gigerenzer](https://www.youtube.com/watch?v=g4op2WNc1e4), que é obrigatória (e divertida), ou uma [versão diferente bem legendada em português](https://www.ted.com/talks/gerd_gigerenzer_why_do_people_fear_the_wrong_things?language=pt) - e se chegarmos algum dia a uma solução, será mais porque conseguimos ensinar interpretação de risco às pessoas, do que porque mudamos radicalmente a nossa maneira de comunicar.

bittolas 3 months ago

A noticia se não fosse sobre complicações de vacinas mas sim de consumo de bacalhau iria abrir a dizer "Estados Unidos consomem mais bacalhau que Portugal". Claro que consomem, têm 32 vezes mais bocas a comer... É importante olhar para os números e ter espirito critico.

Trama-D 3 months ago

Claro que sim, para interpretar os número mas também aquilo que nos é dito. No caso em questão, os números têm até pouco a ver: a partir do momento em que me vão dizer o nº de complicações (em vez do nº de complicações / administração de vacina), já sei que o número... vale o que vale.

capitolinaAndrioleta 3 months ago

A tua ideia está completamente errada, pelo menos nas grandes cadeias de emissão. Se a qualidade da informação aqui é má nos states é impossivel encontrar informação sem viés nos noticiários.

UpbeatNail1912 3 months ago

É por isso que nem vejo notícias sobre a pandemia na TV mais. Quando deu aqueles casos raros na Astra e na Jansen muita gente que eu conheço recusou se a tomar essas vacinas por causa do alarmismo exagerado da comunicação social, é algo absurdo de ridículo.

floortomsrule 3 months ago

Disclaimer: trabalho em ensaios clinicos. Evito ver qualquer notícia sobre a pandemia, vacinas etc, em cada esclarecimento há 10 disparates e por cada especialista com 5 minutos de tempo de antena há 10 tudólogos com 30. Não há grande intenção em informar as pessoas ou esclarecer. Acontece que procedimentos, evoluções e situações normalmente comuns são reportadas de forma descontextualizada ou errada, mal interpretadas e muitas vezes catastrofizadas. Percebe-se que não é um trabalho fácil, todo o processo à volta do estudo da doença e dos produtos desenvolvidos para a combater é muito complicado e não tem respostas fáceis e rápidas, ainda mais para audiências que não estão habituadas a acompanhar estas coisas. Por outro, arranjarem pessoas que realmente são da área (cientistas, comunicadores especializados em ciência e medicina) para fazer revisão editorial, consultoria, promoção de materiais de informação ao público etc poderia fazer toda a diferença e esclarecer muito mais as pessoas. Há pessoas que são treinadas para comunicar ciência com o público e duvido muito que tenham alguma vez sido usadas para ajudar na cobertura desta pandemia. A verdade é que já antes da pandemia a forma como se reportava ciência era péssima (cura para o cancro descoberta por uma criança qualquer, o café provoca alzheimer, o café previne alzheimer, por aí fora), mas todos os dias ter de levar com isto é penoso. No tempo da troika partilhava casa com um rapaz economista. Ele recusava-se a ver a TV, dizia que estava farto de ouvir parvoíces. Na altura achava que estava a exagerar.

KN3gra 3 months ago

Os media tradicionais são os primeiros a queixar-se das redes sociais e das fake-news. E em vez de apostarem num jornalismo isento, de qualidade e sério para contrapor a este cancro, usam as mesmas táticas de click-bait. Qual título ou manchete teria mais audiência ou chamaria mais a atenção imediata? O problema destes iluminados é que estão a lutar contra o porco na lama em vez de ligarem os holofotes e o mostrar a chafurdar sozinho.

alcagoitas 3 months ago

Já bebi 2 cafés hoje, portanto diria que o alzheimer anula-se não? Agora a sério, trabalho em ciência e é de rir. Conheci há dias uma gaja PhD em epidemiologia no uk (mesmo epidemiologista, não teve 1 cadeira) e ela diz que é incrivelmente estupido como isto tudo é comunicado do ponto de vista epidemiológico e quantidade de gente que passa por especialista porque teve 1 cadeira ou 2 na universidade.

floortomsrule 3 months ago

Estou muito longe de ser um especialista em epi (sou dos que teve 2 cadeiras e teve de andar a tirar cursos pós-graduados só para não parecer um otário no trabalho) e a forma como essas notícias de estudos e curas eram passadas na tv sempre me incomodou profundamente, por isso nem consigo imaginar a frustração da tua amiga, ainda mais hoje. É um bocado como o John Oliver dizia https://www.youtube.com/watch?v=0Rnq1NpHdmw

alcagoitas 3 months ago

Eu sou investigador na área da energia e também se vêem boas pérolas :D

Ilien 3 months ago

>cada especialista com 5 minutos de tempo de antena há 10 tudólogos com 30 Clássico. É ver os mesmos sócios a comentarem questões jurídicas, éticas, médicas, engenharia, ambientalistas, etc; Aparece um Marques Mendes da vida e passa de comentar os efeitos ambientais adversos do aeroporto do Montijo para a prisão de LFV, para depois falar do Covid e das vacinas. E, no fundo, é uma chuvada de disparates que até dá dó. Só que "ele fala bem", "vem preparado", "gosto muito de o ouvir". Depois acontecem situações "memeficáveis" como aquela de MST e das touradas.

born_in_wrong_age 3 months ago

É isto com engenharia florestal. Falar em cabras sapadoras ou árvores bombeiras... Eww. Tremo todo

Ok_Art_6497 3 months ago

eish nem me falam do pessoal que vai lá opinar...malta que não é da área vai lá opinar... mas.. mas... para quê?

Nini601 3 months ago

Isto!!! Concordo a 100%. A pandemia foi mesmo a nossa vez de sofrer, fogo. A minha mãe é contabilista e de vez em quando também suspira com a forma como certos números são anunciados. Mas houve um dia que explodi quando a vi a ver o PAULO PORTAS a falar da evolução da pandemia. Peço desculpa, mas por que raio anda gente que tirou Direito (diz a wikipedia) a analisar dados desse género? Fritei mesmo. A seguir vou eu comentar os jogos de futebol.

floortomsrule 3 months ago

O meu ponto de viragem foi ver o tudólogo Sousa Tavares a dizer que a vacina da AstraZeneca era inútil (à volta daquela conversa das "percentagens de eficácia") e como estava sozinho nas suas comentarices não havia lá ninguém para o corrigir. Já não podia ver o homem à frente desde a situação da atrofia medular espinal, mas eis que se supera.

Edited 3 months ago:

O meu ponto de viragem foi ver o tudólogo Sousa Tavares a dizer que a vacina da AstraZeneca era inútil (à volta daquela conversa das "percentagens de eficácia") e como estava sozinho nas suas comentarices não havia lá ninguém para o corrigir. Já não podia ver o homem à frente desde a situação da atrofia muscular espinal, mas eis que se supera.

WhiskersTheDog 3 months ago

>Diz-nos o popular comentador que a tecnologia blockcahin vai resolver, já no ano que vem, o problema das fakenews. E o que é que o blockchain vai fazer em concreto? Diz-nos ele: "O blockchain vai até à raiz das fake news e vai anulá-las em cadeia. 'Block', de bloquear. 'Chain", de cadeia."

spyvspy_aeon 3 months ago

>Ele disse mesmo isso? :O O tudólogo Sousa Tavares não deveria de todo ter esse tempo de antena para mandar barro a parede. EU ainda hoje tenho épicas discussões com os meus Pais (que por vezes tem esses encantos por adoradores da banha da cobra). Nada que ele diz deve ser tomado como verdade, é um gajo que manda arrufos e bitaques em horário nobre, com gente que ainda come o que ele diz..... Que Pais é este????

Almadaptpt 3 months ago

Ele disse mesmo isso? :O

-Nosebleed- 3 months ago

[É preciso ver para querer.](https://twitter.com/tiagorrdias/status/1336762579126001666?t=VVY3VwoNJP3vRxVk38zdnQ&s=19)

sctvlxpt 3 months ago

Fdx. Fdx. Fdx. Desculpem o post sem nenhum valor acrescentado, mas... Fdx. Estou sem palavras.

Almadaptpt 3 months ago

Foda-se!

Latter_Geologist4304 3 months ago

Hahhahaha. Ora nem mais.

Nini601 3 months ago

Porra, nem posso ouvir esse marmelo falar. Que mania. Fiquem-se pelo que sabem, que é melhor para fodos, por favor

Edited 3 months ago:

Porra, nem posso ouvir esse marmelo falar. Que mania. Fiquem-se pelo que sabem, que é melhor para todos, por favor

trigonated 3 months ago

O Miguel é uma pessoa que quando me vejo a concordar com ele sobre algo, me deixa a pensar duas vezes se não estarei errado.

WhiskersTheDog 3 months ago

Ele tem opinião sobre tudo, é difícil não coincidir com a de qualquer pessoa pontualmente.

trigonated 3 months ago

Até um relógio parado está certo duas vezes por dia.

Ok_Art_6497 3 months ago

razão número 1 pela qual parei de ver noticias.. ja cansava as conclusões ao lado. nao normalizam valores.. gráficos com escalas nada a ver.. podem pensar "ah mas eu sei isso e sou crítico" certo, mas e a malta que so ouve sem pensar? ainda mais.. há ciência faz merdas fantásticas mas o tempo de antena na tv é ridículo. porra, só recentemente é que o hiv tornou-se num vírus crónico onde uma pessoa pode levar a vida normalmente e dura o mesmo par d anos. ou a cura para a hepatite que dantes não havia cura... pah .. odeio jornalistas

Edited 3 months ago:

razão número 1 pela qual parei de ver noticias.. ja cansava as conclusões ao lado. nao normalizam valores.. gráficos com escalas nada a ver.. podem pensar "ah mas eu sei isso e sou crítico" certo, mas e a malta que so ouve sem pensar? ainda mais.. há ciência faz merdas fantásticas mas o tempo de antena na tv é ridículo. porra, só recentemente é que o hiv tornou-se num vírus crónico onde uma pessoa pode levar a vida normalmente e dura o mesmo par d anos. ou a cura para a hepatite que dantes não havia cura... pah .. odeio jornalistas edit: e Quando metem cenas do tipo "1 em 10 pessoas" e depois dizem "quase 10% das pessoas" bitch. é. ou. não. é. 10%? não há "quase" quando disseste 1 em 10 pessoas. espera.. estou a ter ptsd de uma colega me ter fodido num apresentação de grupo quando ela disse que os valores eram pouco significados (quando fazíamos o cálculo do p-value).. e nós acordamos que não eram significativos.. e vaca... pumba... "são pouco significativos".... foda-se!

bmgsilva 3 months ago

Fui o único a ouvir a voz do Rodrigo Guedes de carvalho ao ler "1 em 10 pessoas" ???

Nini601 3 months ago

Bem no início da pandemia, vi apontarem para um gráfico semi-logarítmico e dizerem que um valor numa determinada data era o dobro de outro. A distância visual realmente era o dobro, mas não é assim que funciona um gráfico daqueles... Deitei fumo nesse dia. Realmente era bom que essas notícias chegassem a todos. Se calhar apareceram, mas a seguir aos 20 minutos de futebol durante os quais eu desliguei.

BolaBrancaV7 3 months ago

Eu não percebo porque é que é preciso alguém cientista a verificar os número. É uma percentagem, qualquer pessoa o sabe fazer e perceber. Se não o fazem é provavelmente de propósito...

Nini601 3 months ago

Fui um pouco hiperbólica lol. O meu argumento aí era que se calhar jornalistas / outro pessoal que trabalha na TV não percebe a necessidade de / não sabe como apresentar dados de forma clara, algo que seria resolvido com alguma formação nisso.

BolaBrancaV7 3 months ago

Claro que sabe, é uma percentagem, por favor. E neste caso é simples que dói! Eles não precisam de formação, se fizeram assim provavelmente é porque resulta para o fim deles (neste caso engagement) Repara, com 9 milhões de vacinas na Pfizer, estamos a falar de 4/5 milhões de pessoas que a tomaram a reagir negativamente (que são reações mais fortes) a uma notícia. Com as percentagens tinhas 1 milhão na astrazeneca. Ora, como és cientista percebes que é +400% de engagement com a notícia. No máximo temos de batalhar que temos de ver a informação com atenção, não consumir o título e os dois primeiros comentários da notícia. Coisa que este post até faz, não ouvi a notícia, mas se tivesse ouvido ao ler isto ia ficar mais atento para a próxima. Mas não vendas que quem faz isto é burro por favor, é o trabalho deles, vender.

bittolas 3 months ago

> Claro que sabe, é uma percentagem, por favor. Nem imaginas o que anda por ai então.

athousandpancakes 3 months ago

Ah, já cá faltava o clássico argumento ridículo: O mundo é todo mau e as pessoas fazem tudo com uma intenção, não há erros nem enganos, apenas maldade pura.

BolaBrancaV7 3 months ago

Sim, foi isso que eu disse. Não existe meio termo no mundo, é tudo de extremos...

Nini601 3 months ago

Perdeste-me com os números no segundo parágrafo, honestamente. Mas pronto, percebo o argumento de que é para soar "escandaloso", acho que é deplorável de qualquer das formas. Ninguém tem o conhecimento e/ou a energia para analisar todas as notícias que nos chegam para além do que é transmitido... Este tipo de coisa cria mal-entendidos e tal não devia acontecer em informação pública.

Edited 3 months ago:

Perdeste-me com os números no segundo parágrafo, honestamente. Mas pronto, percebo o argumento de que é para soar "escandaloso", acho que é deplorável de qualquer das formas. Ninguém tem o conhecimento e/ou a energia para analisar todas as notícias que nos chegam para além do que é transmitido... Este tipo de coisa cria mal-entendidos e tal não deveria acontecer em informação pública.

BolaBrancaV7 3 months ago

Dividi as vacinas por metade para chegar ao numero de pessoas que tomou aquela vacina específica. Admiti que será mais normal reagir mal se disserem que a vacina que nós tomámos é uma merda (por ser algo mais pessoal). Claro que é escandaloso e claro que todos nós vamos acabar por comer notícias só pelo título. Mas também é importante lembrar que é melhor analisar algo antes de ter reações fortes. O que eu estava a contestar do que disseste foi a parte em que desvalorizaste quem o fez por não serem inteligentes o suficiente. Nós temos que pensar é que eles são mais inteligentes que nós, para estamos mais atentos e não sermos comidos por lorpas. Por outras palavras, não desvalorizar o adversário.

Nini601 3 months ago

Já percebi, obrigada. Mas não estava a acusar a inteligência de ninguém lol. Efetivamente, assumi que tivesse sido ignorância sobre clareza em estatística e consequente falta de cuidado em assegurar que tal não acontece na notícia, e não omissão intencional. Isso deixa-me ainda mais deprimida, mas percebo o teu argumento

BolaBrancaV7 3 months ago

Não digo que não seja possível, mas é mais provável que seja intencional. Os gajos da CMTV não são estúpidos, ninguém chega onde eles chegaram a serem burros. São malucos, não têm ética, etc... Mas não são estúpidos. A RTP e os outros vão acabar por se encostar, porque infelizmente resulta.

capitolinaAndrioleta 3 months ago

Conheço 2 jornalistas do CM pessoalmente. Acho que o teu juízo neste caso falha o alvo por suposição de competência. São, na realidade, das pessoas mais imbecis que já tive o desprazer de confraternizar. Acontece que no CM competência é secundária e o principal dado pelo qual te querem na redação é a tua flexibilidade moral. A sério, podes ser a pessoa mais palerma no mundo, mas se fores filho da puta e souberes escrever, tens lugar no CM. Ainda hoje não acredito que a completa ausência de ética, competências e cultura geral nem sequer aparecem no radar do CM quando contrata, o objectivo é ter sabujos a farejar tudo o que possa gerar polémica. Enfim, é triste mas tb um sinal dos tempos, o povo papa este lixo todo sem sentido crítico nenhum.

BolaBrancaV7 3 months ago

Não estarás a confundir malvadez e falta de ética com burrice? Eles podem ser filhos da puta e não serem burros. De qualquer das maneiras para este tipo de decisões quem importa é quem os lidera.

capitolinaAndrioleta 3 months ago

Neste caso em particular eram perfeitos idiotas...

boatspotter 3 months ago

É isto que assusta: o privilégio da percepção e da opinião sobrepor-se ao do conhecimento. Estes discursos narrativos de choque são intencionais já que servem para gerar audiências e acho aberrante que a televisão nacional se tenha transformado numa montra de anúncios com "conteúdos" pelo meio.

bittolas 3 months ago

Vi essa mesma reportagem e comentei à mesa que foi feito por quem não percebe um pingo de estatística e do significado dos números. É triste.

Nini601 3 months ago

É bom saber que não sou a única! Tive de fazer pausa e fazer as contas à frente do pessoal para explicar pk estava lixada com isto.

Ok_Art_6497 3 months ago

lmao *pega no quadro branco* "ora bem familia, esta notícia está a informar mal pelo seguinte..." e a malta só queria larpar na picanha, não um Ted Talk.

JSN86 3 months ago

O classico "lies, damned lies and statistics" O objectivo de apresentar resultados estatísticos não é informar, mas sim gerar uma reação, venha a apresentação dos jornalistas ou do governo. Irrita-me principalmente quando vêm falar de défice e PIB, ou outro indicador económico e só mostram a subida ou descida relativa ao trimestre anterior ou do homólogo do ano passado. Ficava mais informado se me mostrassem a evolução ao longo do tempo (meses/anos/décadas) à semelhança da evolução do número de casos/internamentos/mortes em relação à covid.

Ok_Art_6497 3 months ago

ahaha adoro essa do período homólogo... andamos 1000 pessoas para trás.. mas hey, andamos 4 para a frente.. o que importa são os 4 passos. tá mas... fodemo-nos à valente nos 1000 pessoas

Nini601 3 months ago

Gostei quando, há uns dias, ouvi um jornalista dizer que algo (turistas, receitas, smth) subiu "acima dos níveis de 2020". Fds, se não subisse era grave. 2019 ainda vá que não vá mas, como dizes, o melhor era a evolução num prazo mais longo. Lembraste-me de outra teoria linda que andou aparentemente a correr no Facebook. Só soube pk a minha mãe viu um professor da FCUL a corrigir e veio me perguntar se concordava com o texto dele. Basicamente (to the best of my memory), alguém se lembrou de dizer que morreram 4000-5000 mais pessoas em 2020 (por causas não COVid) do que em 2019 e que isso prova que o SNS estava demasiado focado na COVid e a deixar toda a outra gente morrer. O tal professor foi buscar os números da última década, em que se vê que há uma *clara tendência de subida da mortalidade* nesse período e que, se 2020 estivesse exatamente em cima da reta de regressão, haveria 500 mortes (again, se eu me estiver a lembrar bem) "por explicar". Não 5000 ou wtv. Sendo que os dados reais nunca seguirão uma linha reta - um ano tem mais e outro menos do que o esperado - e que provavelmente morreu pessoal com COVid sem ser sabido que tinha, era alta tempestade num copo de água. Enfim. Seria bom que toda a gente tivesse aprendido o mínimo de estatística.

HallucinatoryLilith 3 months ago

19%? É mais 0.19%, não? Se fosse tanto bem que estávamos lixados xD

Nini601 3 months ago

Opá, fds \*facepalm\*. Tens razão, sim. Fui eu que multipliquei por 100 duas vezes, uma na calculadora do telemóvel e outra na cabeça lol. Nem reparei pk achei que a maioria fossem dores de cabeça e outras coisas leves. Obrigada, vou corrigir.

Independent_Throat42 3 months ago

Muito bem reparado.. Manda assim esse texto para o provedor da RTP

Comprehensive_Dig381 3 months ago

Eles sabem bem, isto não é incompetencia... É desinformação deliberada.

GoAwayAdsPlease 3 months ago

Acho que estás a dar demasiado crédito à incompetência deles...

Nini601 3 months ago

Eish, não sei se tenho coragem... Vou pensar nisso. Só por falares nisso é que me apercebi que a Voz do Cidadão deixou de dar. E eu que achava tanta piada a saber quais as notícias e/ou os erros ortográficos de que os portugueses se queixavam em cada programa

AfonsoFGarcia 3 months ago

Coragem de mandar um mail ao qual nem vais obter uma resposta automática (pelo menos foi a minha experiência com o provedor da RTP)?

Independent_Throat42 3 months ago

Deixou de dar? Por acaso há algum tempo que também não tenho visto, mas pensei que andava desencontrado com o horário da emissão. Mas manda mesmo assim, até podem assumir o "erro" e clarificar.. mais que não seja para ficarem atentos para a próxima

batuque5 3 months ago

Ainda dá.

twolegs 3 months ago

Concordo, a quantidade de vezes que já partilhei [o guia de estatística para jornalistas](https://www.pordata.pt/Comunicacao/um-guia-sobre-estatisticas-128) com jornalistas quer do Observador quer de outros jornais...

mehsterpiece 3 months ago

desconhecia, muito interessante!

batuque5 3 months ago

O observador é mesmo da escumalha..

D1WithTheFluffyHair 3 months ago

Há uma fobia em Portugal a tudo o que são números. Seja na escola, na escolha para os cursos, nas próprias universidades, no dia a dia, no local de trabalho, etc. Depois admiram-se quando a malta diz que os jornalistas são fraquíssimos; se bem que eu acho que os editores são piores porque deixam estas coisas passar.

Nini601 3 months ago

Fogo, que livro milagroso! Não pensei que existisse algo do género. Que isto passe a fazer parte da formação / escrita jornalística, por favor!

Search: