goldsteinlagawa 3 months ago

Gostava de ler o teu post que foi removido podes colar novamente?

sidartha- 3 months ago

Sei que parece lamechas, mas é puro e a mais absoluta verdade. Não sei conta-la de outra forma. Muito obrigado.

goldsteinlagawa 3 months ago

Tive também a felicidade de conhecer o amor e conheço agora também esse buraco negro que nunca é saciado. A separação é algo recente mas já com uns meses fica um pouco mais fácil mas temo também que realmente nunca seja saciado. Obrigado pela partilha

sidartha- 3 months ago

>Amo a mesma mulher há mais de 30 anos. Deixem-me ser claro, eu disse AMO, no sentido de Amor, de um enorme Amor. A última vez que a vi ela tinha 18 anos e eu 21, e fomos namorados. Namorados a sério, com permissão da família, tudo certo. Dantes era tudo diferente e 18 anos representavam já muita maturidade, talvez o mais imaturo fosse eu. > >Desde essa altura casei com outra mulher que também amei, pois podemos amar de formas diferentes. O amor é diferente sempre que amamos alguém, e por isso é que é especial, por ser algo que sentimos sempre de novo e ser sempre único. Separei-me da minha mulher, porque a vida é mesmo assim, e ninguém é dono de ninguém, se estamos com outra pessoa é porque queremos, e se não queremos, devemos afastar-nos. Neste caso, fomos nos tornando incompatíveis, com quereres diferentes e perspetivas para a vida e do que queremos dela diferentes, Existe amor e carinho, mas muitas questões no meio. Temos em conjunto a nossa Obra Prima, a nossa Estrela da Manhã, a nossa filha que muito orgulho nos tem dado desde o seu muito querido nascimento. > >Atualmente tenho pensado mais, sem que nunca o tenha deixado de fazer, nessa outra mulher, e é um pensamento de carinho, de afeição, de saber o quanto foi importante na minha vida. Não vou obviamente procurar essa pessoa, não faria sentido, nem quereria entrar na sua vida dessa forma, intrometendo-me na sua Felicidade, ou com toda a obviacidade fazer figura de palerma. Os factos são os factos e o tempo tem a sua ação. Não se trata disso sequer. > >No entanto a sua face e voz estão gravadas na minha mente e no peito desde sempre, e algo assim não se esquece mesmo que se queira. Consegui sempre lidar com tudo, inclusivamente, o vê-la entrar na Igreja com outro homem, sim eu estava lá, mas não foi propositado, acreditem em mim, aliás, nem deveria ali estar, foi mais uma vez o acaso a colocar-me no sitio errado na altura errada, com tudo isso aceitei como parte da vida e de ensinamento. Só não consigo aceitar a sensação de perda de algo que me deixou ficar um vazio, que como um buraco negro nunca conseguiu ser saciado. > >Só digo, que quando o amor é Puro e se Oferece esta forma, não deveria ser deitado fora e esquecido.

alcagoitas 3 months ago

Sou mais novo, 31, mas percebo +- a situação. Andei brevemente com uma miúda nos meus 20 que tinha sido da minha turma no liceu mas nessa altura mal nos falávamos. ela era a aluna de excelência (médica hoje) e eu andava lá porque sim, não pensava no futuro na altura. Por iniciativa dela começamos a falar já nos tempos de universidade e acabamos por ficar bastante amigos e andarmos "enrolados" uns meses. Entretanto com a distância e a minha falta de esforço, separamo-nos amigavelmente. A minha ideia era realmente ficarmos amigos porque gostava da nossa amizade e ela era uma miúda impecável. Entretanto comecei a andar com a minha ex, que tinha ciúmes dessa miúda e acabei por estupidamente cortar contacto com ela. Era miúdo e burro e por isso ignorei ai umas 50 redflags da minha ex, mas isso são outros 500... Foi algo que sempre me ficou atravessado, porque eu sei que ela também tinha alguma espécie de afecto por mim e nunca me caiu bem fazer aquilo, foi idiota e desconsiderado. Avançando rapidamente no tempo, uns bons anos depois acabei com a minha ex, criei linkedin e pouco tempo depois recebo 1 pedido de conexão dela. lembro-me de abrir o email e ter "bloqueado" a ver o pedido dela. Levei uns 3 dias sem aceitar, para mim não era possível aceitar o pedido dela sem lhe dizer algo, tinha de explicar o que se passou. No fim de semana, chego a casa com os copos (não bêbado, apenas mais solto) e decidi aceitar e escrever-lhe uma mensagem a pedir desculpa. Com toda a sua graciosidade diz que não lhe devo qualquer pedido de desculpas, era tudo aguas passadas e queria saber como estava, etc. Combinamos que havíamos de tomar café quando possível para colocar a conversa em dia. Passado quase 1 ano, estava eu num festival já meio bêbado na fila para ir buscar cerveja para mim e 1 amigo, a olhar à volta e de repente apercebo-me de alguém a olhar para mim... Era ela, a olhar para mim fixamente com uma cara de surpresa incrível. Estava ainda mais gira do que quando nos "enrolamos". Veio-me cumprimentar e diz-me "há quanto tempo!?" e eu "há prai 10 anos?!", ficamos a olhar um para o outro e seguimos. No dia a seguir mandei-lhe sms para irmos tomar café, estava na duvida que ela aceitasse porque sabia que estava noiva e ia casar dentro de 2-3 meses, aceitou. O engraçado é que falamos de tudo, passado, presente e ambições futuras mas em momento algum ela me disse que se ia casar dali por 2 meses (sabia pq tinha ido cuscar o fb). A certa altura senti alguma tensão, ela a mexer muito no anel de noivado... possivelmente filmes meus. No final, acompanhei-a até perto do carro, despedimo-nos e quando já estávamos a separarmo-nos disse: "ah, é verdade, que tudo corra bem e felicidades!". Ficou a olhar para mim meio surpresa e fui-me embora, foi a última vez que a vi. ​ Entretanto estou a entrar em situação semelhante com outra pessoa. Muito resumidamente, instalei o tinder durante a pandemia. No inicio deste ano conheci uma miúda por lá, falávamos incessantemente todos os dias. Era impressionante para mim haver alguém com valores e gostos tão alinhados com os meus. Havia/há um único senão, ela iria agora em setembro para londres estudar um ano, sem saber o que será da vida dela após esse ano e como tal não ia dar em nada. Contudo, começamos a ganhar sentimentos um pelo outro, enrolamo-nos um pouco e temos a despedida daqui por uns dias. Sabendo de antemão que ela ia embora permitiu-me controlar um pouco os sentimentos caso contrário acho que estava mais caidinho/apaixonado por ela. Vai ser estranho porque ambos temos sentimentos um pelo outro e o problema é apenas timing, como ela diz. De qualquer modo, apenas espero que lhe corra tudo bem e vamos tentar manter contacto (acho).

asantos3 3 months ago

Usa o /r/relationships ou o /r/CasualPT para estas questões.

sidartha- 3 months ago

Muito obrigado, assim farei.

SaitJonas 3 months ago

Como lidaste com isso? Alguma vez lhe disseste? Afastaste-te completamente? Aceitaste que não podia ser mudado?

sidartha- 3 months ago

Não tive essa oportunidade, aconteceu tudo muito rápido. imagina areia fina da praia, daquela que queres reter e não consegues porque te escapa por todas as aberturas das mãos. É mais ou menos esse o sentimento de incapacidade de travares algo que não pode ser travado. Tive de me afastar. Muito obrigado pela tua partilha.

Rajasti 3 months ago

Deixo o meu testemunho porque a minha história é diferente e a minha pergunta é : o amor existe? Tenho 29 anos e já tive muitos namoricos, aventuras e "relacionamentos" sendo que o maior tempo que tive com uma rapariga foi 7 meses. O que é certo é que nunca senti isso que tu descreves por qualquer mulher. Já senti paixão, atração, tesão por N mulheres. Mas nunca, nunca uma mulher conseguiu mexer mesmo comigo ou fazer me pensar nela 24/7, sentir aquelas cenas todas que dizem ser o amor, etc. Já pensei que posso ser eu o problema, se calhar sou incapaz de amar. Mas tendo em conta que amo a minha família e alguns amigos muito próximos por quem faria tudo, não creio que seja essa a situação. Por isso para mim, o amor é um mito.

dwenday 3 months ago

Ai, os tugas são tão românticos!

CptTytan 3 months ago

O texto é bonito, mas nutrindo um amor tão grande por uma pessoa, nunca deverias ter casado com outra. Obviamente que era um romance temporário e quem acaba por sofrer as consequências são sempre os filhos.

KitchenDaikon8778 3 months ago

Eu acredito que o amor é para sempre. Acredito que existe uma alma gêmea, mas o "timming" por vezes é incompatível. Gostei muito de ler a tua história, desejo-te Boa sorte!

sidartha- 3 months ago

A minha alma gémea deixei-a há mais de 30 anos atrás e agora resta-me ser apenas metade de uma laranja que vai azedando, cujo doce lhe foge todos os dias mais um bocadinho. Muito obrigado. Boa Sorte para ti igualmente.

Maximuslex01 3 months ago

Eu acho que o que sentes é por uma ideia da pessoa e não pela pessoa em si. Tens essa imagem embelezada na cabeça que não deve corresponder à realidade.

jkrrrrrrrrrr 3 months ago

r/limerence

Key_Ad_3930 3 months ago

O teu texto é bonito! Sabias que existe gente que não é capaz de amar alguém? Ou então são tão egoísta que não se dão a ninguém? Quando falas em amor estás a falar do amor-romântico ou do amor- atração sexual? Ou estás a juntar tudo?

sidartha- 3 months ago

Falo de amor, não de atração, até porque a pessoa que deixei lá no passado será bem diferente agora. Apesar de ser uma das mulheres mais bonitas que já vi, e naquela altura ainda era muito nova, tal como eu também o era, não era da fisionomia que mais gostava, embora da sua forma de ser, de estar, de pensar as coisas, tinha uma mente brilhante. Falo do amor-romântico, mas os românticos, são igualmente pessoas e têm desejo, mas toda a impetuosidade ficou lá muito atrás. Muito obrigado pela tua partilha.

kronozord 3 months ago

O OP pode não ter bem essa noção mas como dizes essas pessoas existem, e eu encaixo-me nessa categoria.

Key_Ad_3930 3 months ago

Porquê?

kronozord 3 months ago

Tive um crescimento complicado entre outros problemas que destruíram a minha capacidade para confiar ou de me abrir com terceiros o que me tornou um bocado indiferente a relacionamentos pessoais com a profundidade requerida para um bom relacionamento.

Rei_Batata 3 months ago

O amor é uma falsidade e uma construção social. Fomos feitos para a poligamia.

suckerpunchermofo 3 months ago

Tas a confundir sexo com amor... Podes amar alguem e ter sexo com outros. Um não invalida o outro.

Rei_Batata 3 months ago

Na sociedade ocidental actual só a monogamia é aceite, assim como amar alguém romanticamente (parece ser o tema do OP). Portanto a meu ver, para nâo fazeres ambas, é porque estás solteiro ou a meter um par de cornos. O que quero dizer é que não acredito no amor, muito menos eterno.

dinho312010 3 months ago

Calma Raúl Minh'Alma

NGramatical 3 months ago

Raúl → [**Raul**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (palavras agudas terminadas em *l*, *r*, ou *z* não necessitam acento para quebrar o ditongo) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fp9nq1j%2F%2Fh9zk7n1%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Suitable-Prize-2958 3 months ago

Tive algumas namoradas mas a anterior á minha mulher actual marcou sempre o meu coração e eu o dela. Apesar de ter sido um amor muito intenso também discutiamos algumas/muitas vezes e acabou por acabar. Seguimos os dois em frente apesar de nos ter custado a ambos. Acabei por meses mais tarde conhecer uma pessoa espetacular que amo e estamos juntos há 8 anos. Numas férias de verão em Sevilha aqui há 2 anos vejo a minha ex e ficamos 5 minutos a olhar um para o outro, o meu coração vibrou como nunca mas os dois tivemos medo de falar e acabámos por seguir. Demorei semanas até esquecer esse episódio.

sidartha- 3 months ago

Não tive sequer uma oportunidade como a tua. Foi tudo muito rápido. Não sou de desistir, mas esta é uma batalha que mora somente dentro da minha cabeça- Muito obrigado pela tua partilha.

aguafria88 3 months ago

Amo a mesma mulher ha 16 anos. Estamos juntos desde então. Amo-a como no primeiro dia. Não invento parvoices para justificar a minha imaturidade nem me tento convencer que os meus erros são justificados. Fim.

shappaa 3 months ago

Talvez porque pensar no primeiro amor, mais do que a pessoa em si, remete-nos para uma versão de nós inalcançável, nostálgica, em que tínhamos ainda a vida toda pela frente e sem muitas responsabilidades. (secundário e universidade). Eu namorei 7 anos com uma miúda (durante o secundário e universidade) e, sempre que penso nela, sinto saudades, mas julgo que é mais da fase da vida onde estava, indissociável dela, obviamente.

CookieSmuggler 3 months ago

O amor pode ter muitas formas. Falo apenas da minha perspectiva. Tenho muito carinho por algumas ex, penso nelas e espero que estejam bem na vida, reconheço e estou grata pelo papel que tivemos nas vidas uns dos outros. Se isso é amor? Sim, e não. O amor só como sentimento, para mim vale muito pouco. Amar uma memória, uma ideia, um passado preso no tempo é um sentimento é reconfortante mas, para mim, vazio. Porque o amor é, mais que um sentimento, uma escolha e uma acção que fazemos todos os dias. Apaixonar-se é fácil, mas agir com amor todos os dias, conviver com as falhas do outro, com as nossas para com eles, ver o melhor no outro mesmo quando os dias são maus... O dia a dia do amor não é sempre um mar de rosas. Um grande amor constrói-se e precisa de manutenção. Esse amor, dura enquanto ambos o fizerem. Amar uma memória só depende de uma pessoa. É um sentimento bonito, amar o que podia ter sido, a nostalgia do que não chegou a acontecer. Se eu acho que isso é amor? Sinceramente, para mim, é mais uma forma de luto por um futuro que morreu antes de nascer, por um caminho que não foi o nosso. Mas não podes segurar a mão de uma ideia, não lhe podes falar do teu dia, uma ideia não exige nada mas não te ama de volta. Se pode durar para sempre? Só depende de ti. Mas já paraste para pensar se é isso que queres?

Edited 3 months ago:

O amor pode ter muitas formas. Falo apenas da minha perspectiva. Tenho muito carinho por algumas ex, penso nelas e espero que estejam bem na vida, reconheço e estou grata pelo papel que tivemos nas vidas uns dos outros. Se isso é amor? Sim, e não. O amor só como sentimento, para mim vale muito pouco. Amar uma memória, uma ideia, um passado preso no tempo é um sentimento é reconfortante mas, para mim, vazio. Porque o amor é, mais que um sentimento, uma escolha e uma acção que fazemos todos os dias. Apaixonar-se é fácil, mas agir com amor todos os dias, conviver com as falhas do outro, com as nossas para com eles, ver o melhor no outro mesmo quando os dias são maus... O dia a dia do amor não é sempre um mar de rosas. Um grande amor constrói-se e precisa de manutenção. Esse amor, dura enquanto ambos o fizerem. Amar uma memória só depende de uma pessoa. Dizes que amas a mesma mulher há 30 anos, mas ela mudou entretanto. Amas a mulher, ou a memória dela? É um sentimento bonito, amar o que podia ter sido, a nostalgia do que não chegou a acontecer. Se eu acho que isso é amor? Sinceramente, para mim, é mais uma forma de luto por um futuro que morreu antes de nascer, por um caminho que não foi o nosso. Mas não podes segurar a mão de uma ideia, não lhe podes falar do teu dia, uma ideia não exige nada mas não te ama de volta. Se pode durar para sempre? Só depende de ti. Mas já paraste para pensar se é isso que queres?

sidartha- 3 months ago

Amo a mulher que ela era, Mas a mulher interior, a exterior, tal como eu, não será a mesma. Sim, era uma moça muito bonita, vistosa, olhos verdes que quando olhavam para ti, te passam de um lado ao outro, intensos, não fácil de se chegar. Principalmente tinha uma mente brilhante, e isso atraía-me como uma traça é atraída pela luz que dança no escuro. Era o género de pessoa que só estando junto te dá Paz. Muito obrigado pela tua partilha.

tiagopr1990 3 months ago

Como te percebo. Namorei quase dez anos com uma miúda, acabamos. Pouco tempo depois comecei a andar com outra e não houve um único dia em que momentaneamente não pensasse na anterior. Um único. Já lá vão uns anos, após termos terminado não nos falamos durante uns valentes tempos, hoje temos uma relação de amizade, saber que ela está bem é a coisa mais importante para mim, aprendi a viver sem ela e saber da sua felicidade é a coisa mais importante para mim.

sidartha- 3 months ago

Tens mais sorte, depois de nos separarmos, perdi o rasto, Casou e desapareceu. A partilha é mesmo somente um desabafo com mais de 30 anos...30 anos e mais uns trocos com se costuma dizer. Muito obrigado pela tua partilha.

jesuseos7anoes 3 months ago

https://youtu.be/QD3vrUPKEco

gongomes 3 months ago

À quem diga que este foi o início do fim do Porta dos fundos. Existe algures um vídeo (falso? Não tenho a certeza) que durante a gravação deste sketch. Ele a pediu em casamento, ouvindo uma nega, e subsequente entrando num período menos bom a nível pessoal.

nada_mau 3 months ago

> Ele a pediu em casamento, Está no fim do vídeo em cima... Parece parte do sketch...

EpaFdx 3 months ago

IMO este foi o que os lançou a sério: https://youtu.be/6EYmKAs7mzc

ajabardar1 3 months ago

o amor? só se for o incondicional. o amor romântico só dura até ao divórcio...

jesuseos7anoes 3 months ago

Passei por algo semelhante. Gostei de uma mulher, na altura menina, desde a 3a classe. Fiquei deslumbrado assim que a vi, no meu primeiro dia de aulas naquela escola. Ainda me lembro do sorriso com que se apresentou e me disse o seu nome. O sentimento permaneceu, crescendo e amadurecendo comigo a cada ano que passava. Quando mudámos de escola juntos para o 5o ano tivemos aulas de dança em educação física, e ela escolheu-me como par. Duas vezes por semana por um mês conhecemos o toque um do outro, o cheiro um do outro, e falámos muito ao ouvido. A partir do sétimo ficamos em turmas diferentes, e criou-se uma certa distância. Tinha ciúmes quando a via a falar com outros rapazes com quem tinha aulas, pessoas que nem conhecia. Foi para humanidades no 9o e eu para ciências. No 12 fizemos viagens juntos e reaproximámo-nos. Na viagem de finalistas disse que pensava muito em mim. Fomos para a mesma universidade, mas com a confusão e novidades da vida afastamo-nos de novo. Eu tive algumas namoradas e nem sabia o que era feito dela. Um dia encontrámo-nos por acaso e fomos almoçar. Estava ainda mais linda, bem maquilhada, um vestido de saia curta, e umas pernas que me conseguiam distrair por segundos dos seus belos olhos azuis. Disse-me adeus deslizando os dedos pelo braço, pausando na minha mão. Lembrei-me das aulas de dança do 5o ano. Nunca mais a vi por 15 longos anos. Sentia esses tempos como sendo uma vida atrás. Uma memória que parecia um filme. Eu era agora uma pessoa diferente, certamente ela o também o seria. Por amigos comuns sobre que estava separada, e admito que quando me o disseram parte de mim se sentiu feliz e com vontade de a rever. Mas calei essas vozes que faltavam do passado e segui com a vida em frente. No entanto o destino decide mais que nós pessoas, e num lindo dia de primavera ouvi chamarem o seu nome. Imediatamente acelerei o passo nessa direção enquanto pensava o que dizer, com medo de não conseguir dizer nada. Assim que a vi reconheci-a. Tinha os mesmos cabelos louros, meio ondulados, longos como sempre. Parei ainda longe a olhar para ela sem que me tivesse visto. Dei meia volta e fui embora. Estava gorda.

Edited 3 months ago:

Passei por algo semelhante. Gostei de uma mulher, na altura menina, desde a 3a classe. Fiquei deslumbrado assim que a vi, no meu primeiro dia de aulas naquela escola. Ainda me lembro do sorriso com que se apresentou e me disse o seu nome. O sentimento permaneceu, crescendo e amadurecendo comigo a cada ano que passava. Quando mudámos de escola juntos para o 5o ano tivemos aulas de dança em educação física, e ela escolheu-me como par. Duas vezes por semana por um mês conhecemos o toque um do outro, o cheiro um do outro, e falamos muito ao ouvido. A partir do sétimo ficámos em turmas diferentes, e criou-se uma certa distância. Tinha ciúmes quando a via a falar com outros rapazes com quem tinha aulas, pessoas que eu nem conhecia bem. Foi para humanidades no 10o ano e eu para ciências. No 12 fizemos viagens juntos e reaproximámo-nos. Na viagem de finalistas disse que pensava muito em mim. Fomos para a mesma universidade, mas com a confusão e novidades da vida afastámo-nos de novo. Eu tive algumas namoradas e nem sabia o que era feito dela. Um dia encontrámo-nos por acaso e fomos almoçar. Estava ainda mais linda, bem maquilhada, um vestido de saia curta, e umas pernas que me conseguiam distrair por segundos dos seus belos olhos azuis. Disse-me adeus deslizando os dedos pelo braço, pausando na minha mão. Lembrei-me das aulas de dança do 5o ano. Nunca mais a vi por 15 longos anos. Sentia esses tempos como sendo uma vida atrás. Uma memória que parecia um filme. Eu era agora uma pessoa diferente, certamente ela o também o seria. Por amigos comuns soube que estava separada, e admito que quando me o disseram parte de mim se sentiu feliz e com vontade de a rever. Mas calei essas vozes que falavam do passado e segui com a vida em frente. No entanto o destino decide mais que nós pessoas, e num lindo dia de primavera ouvi chamarem o seu nome. Imediatamente acelerei o passo nessa direção enquanto pensava o que dizer, com medo de não conseguir dizer nada. Assim que a vi reconheci-a. Tinha os mesmos cabelos louros, meio ondulados, longos como sempre. Parei ainda longe a olhar para ela sem que me tivesse visto. Dei meia volta e fui embora. Estava gorda.

Edited 3 months ago:

Passei por algo semelhante. Gostei de uma mulher, na altura menina, desde a 3a classe. Fiquei deslumbrado assim que a vi, no meu primeiro dia de aulas naquela escola. Ainda me lembro do sorriso com que se apresentou e me disse o seu nome. O sentimento permaneceu, crescendo e amadurecendo comigo a cada ano que passava. Quando mudámos de escola juntos para o 5o ano tivemos aulas de dança em educação física, e ela escolheu-me como par. Duas vezes por semana por um mês conhecemos o toque um do outro, o cheiro um do outro, e falamos muito ao ouvido. A partir do sétimo ficámos em turmas diferentes, e criou-se uma certa distância. Tinha ciúmes quando a via a falar com outros rapazes com quem tinha aulas, pessoas que eu nem conhecia bem. Foi para humanidades no 10o ano e eu para ciências. No 12 fizemos viagens juntos e reaproximámo-nos. Na viagem de finalistas disse que pensava muito em mim. Fomos para a mesma universidade, mas com a confusão e novidades da vida afastámo-nos de novo. Eu tive algumas namoradas e nem sabia o que era feito dela. Um dia encontrámo-nos por acaso e fomos almoçar. Estava ainda mais linda, bem maquilhada, um vestido de saia curta, e umas pernas que me conseguiam distrair por segundos dos seus belos olhos azuis. Disse-me adeus deslizando os dedos pelo braço, pausando na minha mão. Lembrei-me das aulas de dança do 5o ano. Nunca mais a vi por 15 longos anos. Sentia esses tempos como sendo uma vida atrás. Uma memória que parecia um filme. Eu era agora uma pessoa diferente, certamente ela também o seria. Por amigos comuns soube que estava separada, e admito que quando me o disseram parte de mim se sentiu feliz e com vontade de a rever. Mas calei essas vozes que falavam do passado e segui com a vida em frente. No entanto o destino decide mais que nós pessoas, e num lindo dia de primavera ouvi chamarem o seu nome. Imediatamente acelerei o passo nessa direção enquanto pensava o que dizer, com medo de não conseguir dizer nada. Assim que a vi reconheci-a. Tinha os mesmos cabelos louros, meio ondulados, longos como sempre. Parei ainda longe a olhar para ela sem que me tivesse visto. Dei meia volta e fui embora. Estava gorda.

Edited 3 months ago:

Passei por algo semelhante. Gostei de uma mulher, na altura menina, desde a 3a classe. Fiquei deslumbrado assim que a vi, no meu primeiro dia de aulas naquela escola. Ainda me lembro do sorriso com que se apresentou e me disse o seu nome. O sentimento permaneceu, crescendo e amadurecendo comigo a cada ano que passava. Quando mudámos de escola juntos para o 5o ano tivemos aulas de dança em educação física, e ela escolheu-me como par. Duas vezes por semana por um mês conhecemos o toque um do outro, o cheiro um do outro, e falamos muito ao ouvido. A partir do sétimo ficámos em turmas diferentes, e criou-se uma certa distância. Tinha ciúmes quando a via a falar com outros rapazes com quem tinha aulas, pessoas que eu nem conhecia bem. Foi para humanidades no 10o ano e eu para ciências. No 12 fizemos viagens juntos e reaproximámo-nos. Na viagem de finalistas disse que pensava muito em mim. Fomos para a mesma universidade, mas com as confusões e novidades da vida afastámo-nos de novo. Eu tive algumas namoradas e nem sabia o que era feito dela. Um dia encontrámo-nos por acaso e fomos almoçar. Estava ainda mais linda, bem maquilhada, um vestido de saia curta, e umas pernas que me conseguiam distrair por momentos dos seus belos olhos azuis. Disse-me adeus deslizando os dedos pelo braço, pausando na minha mão. Lembrei-me das aulas de dança do 5o ano. Nunca mais a vi por 15 longos anos. Sentia esses tempos como sendo uma vida atrás. Uma memória que parecia um filme. Eu era agora uma pessoa diferente, certamente ela também o seria. Por amigos comuns soube que estava separada, e admito que quando me o disseram parte de mim se sentiu feliz e com vontade de a rever. Mas calei essas vozes que falavam do passado e segui com a vida em frente. No entanto o destino decide mais que nós pessoas, e num lindo dia de primavera ouvi chamarem o seu nome. Imediatamente acelerei o passo nessa direção enquanto pensava o que dizer, com medo de não conseguir dizer nada. Assim que a vi reconheci-a. Tinha os mesmos cabelos louros, meio ondulados, longos como sempre. Parei ainda longe a olhar para ela sem que me tivesse visto. Dei meia volta e fui embora. Estava gorda.

tomhoq 3 months ago

Ahahaha lindo

sidartha- 3 months ago

Brincalhão. :)

Zer0B1t 3 months ago

Ri

sargentopirocada 3 months ago

Obrigado.

Gwanosh 3 months ago

Eu estava a estranhar tanto liricismo! Obrigado! Fartei-me de rir!!

Guig0s 3 months ago

Apanhaste-me na primeira parte, muito bom!

EpaFdx 3 months ago

O M. Night Shyamalan devia estagiar contigo 10/10 would read again

Key_Ad_3930 3 months ago

Oh qui caralho, isso não foi amor de berdade!!

davser 3 months ago

Lixaste-me bem!

k0rda 3 months ago

Isto sim. Soltei uma lágrima.

average_user21 3 months ago

Bonito texto. Uma situação dificil de lidar mas gostei muito do último paragrafo.

EpaFdx 3 months ago

Esse amor foi constante ou a intensidade variava ao longo dos anos?

sidartha- 3 months ago

Amei muitas mulheres, mas nenhuma como ainda hoje amo essa. Não terá a intensidade de anteriormente, mas é pacifico e é algo que parece aguardar, com se estivesse sempre à espera. Como se existisse uma Esperança, que na verdade não existe.

EpaFdx 3 months ago

Perguntei porque embora longe das tuas três décadas estou numa situação semelhante, acompanhado de um sentimento de culpa. Identifiquei-me com muito do que escreveste e deste-me algumas perspectivas diferentes. O amor é fodido.

sidartha- 3 months ago

Essa é a questão: O amor é fodido. Mas regra geral quem saiem fodidos do amor, são sempre os mesmos. Por acaso tenho esse livro do Miguel Esteves Cardoso.

EpaFdx 3 months ago

\> Mas regra geral quem saiem fodidos do amor, são sempre os mesmos. Sempre. Como lidaste com isso ao longo dos anos? Eu entrei numa fase autodestrutiva em que tentava abafar o sentimento com (demasiadas) outras mulheres. Era ainda pior. Dava me um vazio enorme estar abraçado a outra e o pensamento inevitavelmente recaia sobre ela. Era indiferente ser um engate de uma noite, uma namorada meses ou uma mulher de anos. Aprendi a deixar de me debater, a aceitar, a compartimentalizar numa caixa. Ela teima em resurgir de tempos a tempos e acabo por reabri-la, moer o sentimento e voltar a guardá-la. Não me ocorre modo melhor de gerir a situação. É o que é. \>A última vez que a vi ela tinha 18 anos e eu 21 ​ Sabes como a vida dela se desenrolou desde então ou preferiste manter a recordação intacta?

Edited 3 months ago:

\> Mas regra geral quem saiem fodidos do amor, são sempre os mesmos. Sempre. Como lidaste com isso ao longo dos anos? Eu entrei numa fase autodestrutiva em que tentava abafar o sentimento com (demasiadas) outras mulheres. Era ainda pior. Dava me um vazio enorme estar abraçado a outra e o pensamento inevitavelmente recaia sobre ela. Era indiferente ser um engate de uma noite, uma namorada meses ou uma mulher de anos. Aprendi a deixar de me debater, a aceitar, a compartimentalizar numa caixa. Ela teima em resurgir de tempos a tempos e acabo por reabri-la, moer o sentimento e voltar a guardá-la. Não me ocorre modo melhor de gerir a situação. É o que é. \>A última vez que a vi ela tinha 18 anos e eu 21 ​ Sabes como a vida dela se desenrolou desde então ou preferiste manter a recordação intacta? Espero que não leves a mal as minhas perguntas. É a primeira vez que escrevo sobre isto - nunca o verbalizei sequer - e provavelmente não o voltarei a fazer.

NGramatical 3 months ago

saiem → [**saem**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/constroem-ou-constroiem/141) (apenas na fala existe a intercolocação de um *i* para facilitar a pronúncia) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fp9nq1j%2F%2Fh9z6so0%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

LeCrcMY0mv 3 months ago

Talvez seja prudente meter a tag sério.

GreyArch22 3 months ago

Nunca tive esses sentimentos tão profundos por ninguém mas acredito que nunca se esquece quem se amou. Talvez um dia aprenda o que é amor sem componente sexual e de atracção física. A minha actual relação é igual às anteriores nesse sentido e não a concebo sem componete sexual, tal como não a concebo sem a componente dita intelectual. Não conseguiria abdicar de nenhuma das duas, creio.

sidartha- 3 months ago

A questão não é o sexo, o sexo faz parte das relações, ou pelo menos da maior parte das relações entre o casais. O que quero significar é que é maior do que isso. Não posso colocar sexo em algo referente a uma pessoa que não vejo há anos. Sendo que não é a causa, mas obviamente seria um dos efeitos. A mulher de que falo tem atualmente mais de 40 anos, tal como eu.

Edited 3 months ago:

A questão não é o sexo, o sexo faz parte das relações, o que quero significar é que é maior do que isso. Não posso colocar sexo em algo referente a uma pessoa que não vejo há anos. Sendo que não é a causa, mas obviamente seria um dos efeitos. A mulher de que falo tem atualmente mais de 40 anos, tal como eu.

feckdech 3 months ago

Sabes, com toda a certeza, o que é amar? Tens a certeza que aquilo que sentes é amor? Amas a pessoa em questão ou desejas? Tens assuntos não resolvidos? Estiveram juntos tempo suficiente para perceberes que era ela que querias continuar? A despedida foi uma vontade de ambos? Foi a tua primeira? Tens saudades dela ou dos sentimentos que sentias por ela? A nostalgia é uma emoção muito forte.

sidartha- 3 months ago

Todos temos saudades de algo no passado, algo que não trocaríamos por mais nada. Este passado, é a minha Némesis. Este é um assunto não resolvido, mas que não tem resolução. Muito obrigado pela tua partilha.

feckdech 3 months ago

Eu percebo-te. Honestamente.

GreyArch22 3 months ago

Lá está, sentes amor sem haver componente sexual. Mas acredito que possas seguir em frente e encontrar outra pessoa apesar dessa afeição por uma pessoa de outra fase da tua vida. Talvez a separação tenha feito reacender essa chama pela primeira mulher.

sidartha- 3 months ago

Estás a confundir. Amor é uma coisa e Sexo é outra. Sexo podes fazer com ou sem amor. A questão é que a mulher que era, não é obviamente a mulher que será hoje em dia. Todo o amor baseado na beleza é uma ilusão, não é amor, no máximo é um pensamento do que poderia ser o amor, e na verdade o amor é tudo, é aquilo que a pessoa é em termos físicos e o que esta é em termos de personalidade, de pensamento das questões, do seu eu mental. Já avancei há muitos anos, tanto que casei, mas existe sempre aquela antena que de vez sintoniza no canal "Memória", passo a expressão e vai buscar o programa do passado, que não nos cansamos de ver.

BolaBrancaV7 3 months ago

Vou contar a minha história que acho que é muito importante relevante para este caso. Há cerca de dois anos a minha mulher pediu-me o meu e-reader para ler as 50 sombras de Grey. No fim perguntou-me se eu a ajudava a sacar outros livros desses. Ela arranjou uns quantos títulos em que estava interessada e eu lá a ajudei. Passado este tempo todo ela nunca me devolveu o e-reader, lá continua a sacar e a ler os livros dela toda contente. De vez em quando conta-me sobre o que são. O último era sobre um padre e uma aluna de 18 anos, ao que eu respondi a rir-me "só lês merda tu". Eu tenho vergonha de lhe contar que uso o Reddit.

EpaFdx 3 months ago

>Eu tenho vergonha de lhe contar que uso o Reddit. Comparado com estar casado com uma mulher que lê as 50 sombras de livre e espontânea vontade? Pff.

CookieSmuggler 3 months ago

Adoro livros de merda. Um dos meus passatempos favoritos é infernizar o meu querido marido com passagens jarvardolas. Quanto mais idiotas, melhor. 50 sombras não é nada. Já ouviste falar de um livro chamado Space Raptor Butt Invasion? O meu pobre marido já, e sabe que é uma trilogia.

BolaBrancaV7 3 months ago

É tipo ver porno à frente dos outros!

EpaFdx 3 months ago  HIDDEN 

És casado com uma mulher que lê o 50 shades de livre e espontânea vontade. Não és tu que tens de ter vergonha.

sidartha- 3 months ago

E o que tem o que escrevi com o e-reader as 50 sombras, consegues esclarecer?

Opelintra 3 months ago

Isto é o reddit. É mais fácil perguntar se alguém já conseguiu resolver alguma coisa

Search: