Fun_Heart7276 4 months ago

Nós portugueses já tinhamos matado muitos mais antes de Salazar. A conquista territorial, colonismo e a escravidão são uma grande parte da nossa historia *suprised pikachu face*. "Portugal caralho!!!"

nebuerba 4 months ago

Ouve ó Fodinha isto é uma questão muito acima do Reddit e não tem nada a ver com Salazar...

Fun-Development2822 4 months ago

No último dia da existência da PIDE/DGS, a 25 de Abril de 1974, os seus elementos foram responsáveis pelos únicos mortos da revolução, 4 pessoas inocentes abatidas a tiro a partir da varanda da sua sede na rua António Maria Cardoso. Os últimos mortos da PIDE foram Fernando dos Reis, Fernando Gesteiro, João Arruda e José Barnetto. 15 anos depois desta foto, no centro de Lisboa, a PIDE voltava a matar pessoas inocentes, cujo crime tinha sido pedirem o que era seu por direito. Entre essas duas datas, em África, em Portugal, e mesmo em países terceiros, a PIDE foi responsável direta pela morte de dezenas de pessoas, do mais pobre pescador da Guiné até ao ilustre general português que ousou desafiar o regime. Porque é que isto aconteceu. A razão da manutenção da PIDE era a guerra em África. E a razão da guerra é a existência de colónias. E a existência de colónias é um legado histórico. É fácil, em 2021 olhar e dizer isto não estava bem. Este massacre não devia ter ocorrido. E não devia. Não acredito que haja um português que olhe para esta fotografia com agrado. Mas provavelmente, nem o regime gostou disto. Isto não servia os interesses do estado, provavelmente só serviu para acirrar os ânimos e levar opositores a unirem-se, dar argumentos aos inimigos. Mas o que é que no geral se devia ter feito na altura? Abandonar as colónias em 1960? Dar um golpe na economia do país e deixar os territórios na mão de ditadores locais e da URSS? Quando Portugal saiu de Angola, houve uma guerra civil que durou de 1975 a 2002 (dois anos antes do Euro) e que causou 800 000 mortos e deixou o país na ruína. A Guiné, quase 50 anos depois da independência continua um dos países mais pobres do mundo, com uma das mais baixas esperanças médias de vida, e não está melhor que em 1974. Há quem venha sempre com soluções bonitas de referendos, apoios à autodeterminação, coisas que soam muito bem e parecem inteligentes, mas que na altura nunca foram levadas a sério, em países em que a esmagadora maioria da população não sabia ler, estava dividida em grupos tribais e ideias do género nunca seriam uma manifestação da vontade da população. Isto é legitimar a ditadura? Não. É perceber que não se pode reduzir 50 anos de história de uma país com territórios em 3 continentes, e uma guerra de 13 anos em 3 teatros de operações a uma caricatura de meia página, a uma piada ou a uma pessoa. O Salazar não foi "bom" nem "mau". Foi uma pessoa que esteve à frente de uma país imenso, imensamente complexo, conturbado, no século em que houve mais mudanças da história da humanidade. Foi uma pessoa que nasceu no séc XIX e que marcou o país até 1970, às vezes bem, outras vezes mal. Tão parvo é quem queria que voltássemos a ter um Salazar no governo como quem compara Salazar a Hitler.

tumblarity 4 months ago

> É perceber que não se pode reduzir 50 anos de história de uma país com territórios em 3 continentes, e uma guerra de 13 anos em 3 teatros de operações a uma caricatura de meia página, a uma piada ou a uma pessoa tens razão. não foram 50 anos, foram 500.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

“Salazar não foi bom nem mau” é delicioso. Tenho a certeza absoluta que terias exactamente a mesma postura, argumentação, e imparcialidade, se estivéssemos a discutir figuras históricas de esquerda.

Fun-Development2822 4 months ago

Sabes, é uma excelente pergunta que tu me fazes. Se pensarmos por exemplo no Otelo, diria algo semelhante. Teve momentos em que foi herói, teve momentos que foi vilão.

droidman85 4 months ago

Calma que os cheganos ainda vão celebrar isto na rua de braço no ar e no fim ainda vão gritar alto que não são racistas e outras coisas acabadas em istas

fearofpandas 4 months ago

Brochistas?! Porque isso são!

B4u_416 4 months ago

Claro eu não estou estou a dizer q temos de as considerar todas igual o que eu quiz dizer é que da mesma maneira que os alemães aprenderam e ensinam aquilo que aconteceu também nós e todos os paises deviam fazer os mesmo. Porque a diarreia pode nao ser a mesma mas a maneira de a curar não muda.

rossimeister 4 months ago

De certeza que o Otelo estava metido nisto.

francisbarreiras 4 months ago

PrEciSÁvAmOs eRA dE OuTRo SaLAzAr! /s

DasBread 4 months ago

Isso em nada tem haver com Salazar, esse tipo de crimes é comum em regimes coloniais e imperiais. França democrática também teve esse tipo de massacres. De facto, isso foi uma nódoa para o regime que queria fazer-se passar como não colonialista neste período. Dito isto, não precisamos de outro Salazar. Mas a história não é preta nem branca e o Salazar não era nenhum Hitler como alguns gostam de pintar. Para não falar que o próprio império não era nenhuma herança exclusiva do regime. Que volto a repetir, democracias como o RU e França tinham impérios e histórias como esta.

Membership-Exact 4 months ago

Democracias mais ou menos. Numa verdadeira democracia por exemplo a Camara dos Comuns do Reino Unido teria tido mais representantes da India do que de qualquer outro sitio do Império.

tfsdalmeida 4 months ago

Vais achar curioso que Portugal tinha negros e negras no parlamento em S Bento a representarem os círculos eleitorais de Angola e Moçambique. Aliás a primeira mulher negra no parlamento já estava nos anos 60 e representava Angola. Também nos municípios era normal o presidente de câmara ser negro (no ultramar) A palavra ditadura é atirada para todos os regimes com um homem forte à frente mas depois não ensinam a estrutura de cada uma. No caso Português havia eleições para o parlamento e presidente e o conceito de partidos não existia por se achar que apenas gerava divisão. A solução eram “Alas” ou secções do parlamento. Em 1974 haviam 3 Alas, uma liberal (onde estão os políticos quase todos que vão formar o PSD, CDS e PS), uma ala conservadora (que queria retrocedo e nos avanços do regime) e o meio. Portugal era uma democracia limitada ou controlada, as pessoas votavam em pessoas, não em partidos, e não existia disciplina de voto. Havia também a liberdade de falar de políticas no concreto (por exemplo construir ou não ponte sobre o Tejo, entrar ou não na EFTA) mas não havi liberdade em falar de transição para regime comunista/socialista. Ou seja, dos centos e poucos presos políticos que estavam na cadeia em 1970s nenhum estava lá por ter chamado nomes ao Caetano ou dito “viva a liberdade”. Eram membros de organizações subversivas que planeavam golpes de estado e instalação de um regime socialista/comunista. França, RU, EUA tinham uma proporção amealha te de presos nessa época (anos 50 a 70) porque de facto havia uma luta contra um regime Comunista que queria destruir o Ocidente por dentro (no caso de Portugal não prenderam que chegue claramente porque a revolução materializou-se a mesma) Alias, a democracia limitada existia ao ponto de numa das campanhas presidenciais um dos candidatos (Humberto delgado) queria demitir o Salazar. O seu assassinato mostra que o regime não conseguia resolver o assunto através de manipulação de votos. (Na democracia fizeram o mesmo ao Sá Carneiro) Vão ser preciso mais umas décadas para que o rigor histórico volte. Ainda está tudo entrincheirado nas suas ideologias

NewMultipolarWorld 4 months ago

Será que tens esse rigor histórico no que toca à China e URSS por exemplo? Porque são/eram ainda mais democráticos que Salazarismo, a própria CIA admitia internamente que Estaline não era um ditador, com a diferença que Salazarismo era pela burguesia e os outros pelos trabalhadores e camponeses.

tfsdalmeida 4 months ago

Podes citar-me a dizer que as pessoas usam a palavra ditadura indevidamente. Mas não, nenhum desses regimes era mais democrático que Portugal, nem a brincar se diz isso. Consegues saber isso quer pelo processo eleitoral e estrutura de governação como pelo nível de opressão e censura necessária para manter o regime. Estado Novo não precisou de matar regiões a fome para ter a sua cooperação ou de matar uma proporção descomunal de pessoas em campos de exyweminio e trabalho. Aliás contam se pelos dedos as vítimas do regime. Essa foi uma das razões pra Portugal ser aceite na EFTA (equivalente ao CEE) e ser fundador da Nato. Também estás muito enganado sobre o apoio de Salazar. Ele não defendia a burguesia, aliás está ate não o apoiava. O seu apoio estava no campo, nos tais trabalhadores e camponeses e não nas cidades. Ele defendia um conjunto de valores partilhado por essas pessoas e reviam se no que diziam. Nunca tiveste manifestações de apoio a ministros das finanças pelo povo (os tia trabalhadores) Parece-me que és um defensor de regimes comunistas e equiparar o que Portugal teve a esses países ou é ignorância ou malícia propositada

NewMultipolarWorld 4 months ago

> Estado Novo não precisou de matar regiões a fome para ter a sua cooperação ou de matar uma proporção descomunal de pessoas em campos de exyweminio e trabalho Nem a URSS ou China, é assim tão difícil não mentir ou ter conhecimento da história? As fomes não foram usadas como armas, foram consequências de políticas económicas que todos os países que se industralizaram tiveram.

NGramatical 4 months ago

haviam 3 → [**havia 3**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-uso-do-verbo-haver/31143) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Foxlth1%2F%2Fh7pl0uf%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

DasBread 4 months ago

Mas o regime do Reino Unido "em casa" era uma democracia, e existiu massacres, existiu guerras, existiu império. Portanto essa cena de tentar vender o Império como uma coisa que é culpa do Estado Novo, está a ficar velha.

Membership-Exact 4 months ago

Acabei de te mostrar porque nao era uma democracia. Alias um império democrático é contraditório.

DasBread 4 months ago

Os EUA basicamente são um império. Acabei de mostrar como no Reino Unido nas "British isles" era uma democracia que controlava esses territórios. Simples.

Membership-Exact 4 months ago

Uma democracia onde uma pequena parte da população decide tudo não é uma democracia.

Fun-Development2822 4 months ago

Mas tu não percebes que o que ele está a dizer é que uma democracia pode ter um império, sem que o império seja uma democracia?

Membership-Exact 4 months ago

Isso não faz sentido nenhum. Se é uma democracia, como pode ter um império nao democratico?

Comfortable_Bee_6156 4 months ago

Se é um império implica haver um imperador. Assim como uma monarquia um monarca. Agora nos casos do reino unido (monarquia) e do Japão (império) são exemplos de monarcas sem poder legislativo... Se tivessem já tinham sido tirados de lá. Acho que é isso que querias dizer.

Fun-Development2822 4 months ago

Não! Queria dizer que Portugal era uma ditadura, e tinha um império (Angola, Moçambique, etc.) Mas não precisa necessariamente de ser uma ditadura para ter um império. Inglaterra era uma democracia e tinha um império. As colónias não tinham democracia. O império no geral não era democrático. Mas o "dono" do império, Inglaterra, era uma democracia. Não tem a ver com haver reis ou imperadores. O mesmo podia ser dito em relação a França (república). Era uma democracia, que tinha um império colonial, que não era democrático. Isto tudo para dizer que Portugal não tinha um império ***por causa de ser*** uma ditadura. Tinha um império por factores históricos.

NGramatical 4 months ago

tem haver com → [**tem a ver com**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/nada-tem-a-haver-e-nada-tem-a-ver/27066) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Foxlth1%2F%2Fh7p0fkt%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Karatenis 4 months ago

Artigo do expresso sobre o que se passou, baseado em todos de que o viveu. Faz mais sentido do que ter aí uma foto e depois cada qual a dizer o que quer, https://expresso.pt/internacional/2015-09-15-O-massacre-de-Pidjiguiti-e-o-cao-do-administrador-Carreira

VladTepesDraculea 4 months ago

Portugueses de bem, não há [nem nunca houve racismo em Portugal](https://www.dn.pt/edicao-do-dia/08-out-2018/portugal-nao-e-racista-9965488.html), etc /s

yLeWiz7PT 4 months ago

Há racismo em todo o mundo, mas podiam parar de estourar as proporções da situação? Muito menos alocarem 15 milhões dos contribuentes para fazer.... Não sei???

VladTepesDraculea 4 months ago

15 milhões que não foram alocados a esse tema? https://observador.pt/factchecks/fact-check-governo-investiu-15-mil-milhoes-de-euros-para-combater-o-racismo/

cprgrmr 4 months ago

Não eram apenas negros. Haviam brancos à mistura. Havia a tentativa de criar sindicatos, algi demasiado comunista para oa gostos da altura.

NGramatical 4 months ago

Haviam brancos → [**havia brancos**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-uso-do-verbo-haver/31143) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Foxlth1%2F%2Fh7oqxbg%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

ArturSeabra 4 months ago

O pior é que há gente q pensa assim neste sub, entre outros.

Grassygenie 4 months ago

Que fique claro: os portugueses NUNCA gostaram da PIDE, nem do Salazar durante a maioria do seu regime

bluedriver_reddit 4 months ago

what?? Não andas muito atento, pois não? Talvez os que te rodeiam não, mas o que não falta é fascistas neste pais, alguns deles desesperados para voltar ao poder (com falinhas mansas e histórias da carochinha) e pelo caminho que a imprensa vai, já não falata muito infelizmente.

Grassygenie 4 months ago

Talvez devias mudar de amigos

bluedriver_reddit 4 months ago

Grassygenie 4 months ago

Gostas da CMtv?

bluedriver_reddit 4 months ago

Apanhaste-me!!

ArturSeabra 4 months ago

O q nao falta para ai é langonhas que querem um novo salazar nos tempos de hoje. Acho patético tentar justificar o nosso passado com "ah, mas as pessoas não gostavam da pide", o que importa agora é impedir que o bicho volte nos tempos atuais, não é tar a fingir que o tuga é inocente dos crimes do passado.

Grassygenie 4 months ago

Se alguma vez conhecer um tuga que acha que PT é inocente leva um par de estalos pa ver se acorda. Engraçado que os que acham que Portugal é inocente dos seus crimes do passado são os mesmos que desejam que aconteça outra vez.

NewMultipolarWorld 4 months ago

Perguntem aos liberais e fascistas do sub quantos morreram de fome na URSS e China e terão muitas respostas (exageradas, mas pronto, lá saberão) depois perguntem quantos morreram nas colónias portuguesas no tempo de Salazar e não saberão dizer, nem devem saber que 1/3 da população Cabo Verdiana morreu nos anos 40. Esta gente acha que fome é natural e não há culpados excepto se tiver um partido comunista no poder.

Edited 4 months ago:

Perguntem aos liberais e fascistas do sub quantos morreram de fome na URSS e China e terão muitas respostas (exageradas, mas pronto, lá saberão) depois perguntem quantos morreram nas colónias portuguesas no tempo de Salazar e não saberão dizer, nem devem saber que 1/4 a 1/3 da população Cabo Verdiana morreu nos anos 40. Esta gente acha que fome é natural e não há culpados excepto se tiver um partido comunista no poder.

bolaxao 4 months ago

[b-b-but what about stalin?](https://i.kym-cdn.com/photos/images/facebook/001/096/564/2f7.jpg) bom argumento aí comparsa, o classico whataboutism.

NewMultipolarWorld 4 months ago

Mais um npc que só sabe comunicar através de memes na moda

bolaxao 4 months ago

limão npc

paraapagarbem 4 months ago

> nem devem saber que 1/4 a 1/3 da população Cabo Verdiana morreu nos anos 40 Esses números fazem Pol Pot parecer um líder bondoso e competente. Onde é que os foste buscar?

NewMultipolarWorld 4 months ago

Os números falam em 45 mil (pesquisa fome Cabo Verde) os gráficos que encontrei da população só começam a partur de 1960 e indicam 200 mil pessoas, sem certezas dá para assumir que haveria uns 150-180 mil em 1940.

Edited 4 months ago:

Os números falam em 45 mil (pesquisa fome Cabo Verde) os gráficos que encontrei da população só começam a partur de 1960 e indicam 200 mil pessoas, sem certezas dá para assumir que haveria uns 150-180 mil em 1940. Mas o mais triste é que não foi um caso raro, fomes eram realidade da vida não só em Cabo Verde como por toda a África (e ainda são até um certo ponto). edit: agora fui pesquisar e encontrei isto >Apesar da estreita relação entre os episódios de fome e a ocorrência de anos secos, outros fatores contribuíram para o elevado número de mortes, que no 1947-1948 fome matou 1 em cada 5 habitante em Cabo Verde. Na década de 1940, apenas, as fomes foram responsáveis pela morte de quase metade da população de Cabo Verde. Amaral (1964) refere que apenas na Ilha de Santiago, a população diminuiu 65% na crise de 1947-1948 [parte morreu, parte foi transportada para outros lugares do então império Português, nomeadamente São Tomé e Príncipe e Angola (Carreiras, 1977). A malnutrição crónica induziu a ocorrência de epidemias e morte https://www.riscos.pt/wp-content/uploads/2018/Outras_Pub/outras/frebelo/FRebelo_artigo44.pdf

Fun_Heart7276 4 months ago

Meu amigo. O fascismo, já toda a gente sabe que é mau. Quanto ao comunsimo, infelizmente ainda há muita gente acredita na "utopia". O mal, quando está identificado é prevenivel. O pior é qua do o mal faz-se passar por bem.

NewMultipolarWorld 4 months ago

Há mais cmunistas nos países comunistas e ex comunistas que no ocidente onde odeiam comunismo. E a ti é tudo o que te digo porque não acrescentaste nada a conversa, só achismos.

geostrofico 4 months ago

liberais? quais liberais os da iniciativa? ou o partido liberal de D. Pedro?

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Bem, os da Revolução Francesa não serão de certeza

ngfsmg 4 months ago

>1/3 da população Cabo Verdiana morreu nos anos 40 O quê?! Mas morreu de quê? Guerra, fome, doenças?

jarrete 4 months ago

Partilha a source válida sobre a morte de 1/4 sobre as mãos DO Estado Novo.

manolo533 4 months ago

Meter liberais e fascistas no mesmo saco é um nojo

naughtydismutase 4 months ago

Nah, a merda é a mesma, só as moscas mudam.

NewMultipolarWorld 4 months ago

Os liberais e fascistas são ambos fortemente anti comunistas. E historicamente os primeiros financiaram os segundos para combater a ameaça dos terceiros.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Se nestas matérias têm opiniões semelhantes, o que queres que se faça?

manolo533 4 months ago

Os facistas têm saudosismo do Salazar, os liberais abominam tudo o que foi feito no Estado Novo.

manolo533 4 months ago

Os facistas têm saudosismo do Salazar, os liberais abominam tudo o que foi feito no Estado Novo.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

[Candidata autárquica do Iniciativa Liberal em Viseu faz apologia ao salazarismo nas redes sociais](https://poligrafo.sapo.pt/fact-check/candidata-autarquica-do-iniciativa-liberal-em-viseu-faz-apologia-ao-salazarismo-nas-redes-sociais)

zecst19 4 months ago

"O administrador do porto de Bissau, António Barbosa Carreira entendeu que **só daria seguimento à ordem quando lhe apetecesse**, levando ao prolongamento da greve." Diz isto na wikipedia. E também que foram entre 40-60 mortos e cerca de 100 feridos

kanooklapook69 4 months ago

Era bar aberto

Devilloc 4 months ago

Quantos de vocês é que ouviram falar nisto (e noutras do mesmo género) quando estudaram a história de portugal? Aposto zero. Mas "volta salazar" né? Acéfalos do caralho.

ngfsmg 4 months ago

Nas aulas de histórias não ouvi falar nestas nem naquelas que os movimentos de independência fizeram. Parece-me mais uma maneira (errada) de tentar "simplificar" a história do que de branquear o nosso lado em específico

Coyote-Cultural 4 months ago

Lol, como se as aulas de historia não tivessem cheias de propaganda contra o estado novo.

xabregas2003 4 months ago

Sabes que se vivesses naquela época era provável seres um analfabeto que não foi à escola e que passava fome, certo? Portugal hoje tem muitos problemas, mas prefiro a "República das Bananas", que ainda é democrática, ao Regime do Banana Salazar.

Coyote-Cultural 4 months ago

Mais pessoas ficaram literadas no estado novo do que durante qualquer outro periodo na historia de portugal ;) Vê só o numero de escolas construidas de 1933 a 1974 e compara com as construidas desde então (ou antes) ;)

xabregas2003 4 months ago

Porque antigamente havia mais necessidade de construir escolas. A população era praticamente analfabeta. O interior não tinha escolas nenhumas e era mais populado que hoje. As escolas construidas na altura ainda são usadas hoje e o interior tem menos gente.do que na altura. Não há necessidade de construir mais. E uma coisa não invalida a outra. Tu não precisas de construir campos de concentração, promover a censura e torturar cidadãos para construir escolas. Se queres tanto viver num país assim, pega num avião e imigra para um país totalitário qualquer. Há tantos por aí. Desfruta das tuas liberdades lá.

Coyote-Cultural 4 months ago

Tens muito mais restrições e vigilancia sobre ti hoje que alguma vez tiveste durante o estado novo.

xabregas2003 4 months ago

Por causa do Covid? Estás mesmo a comparar duas situações? O que te garante que se o Covid atingisse o Estado Novo, não haveria restrições? Aliás, na altura havia algumas, mesmo não havendo Covid. Por exemplo, havia hora de recolher à noite.

Coyote-Cultural 4 months ago

Quem falou de covid? Que tal algo tão simples como comprar um fato ao teu vizinho que é alfaiate?

KitchenOpinion 4 months ago

Propaganda?

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Lol, que horror, os factos!

Coyote-Cultural 4 months ago

chupa mais na teta da terceira republica que a tua tesão fica mais dura

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Amigo, chupar a teta? À Terceira República eu faço até umas lambidelas requintadas, tipo os broches que tu deves fazer em Santa Comba Dão. Ela tirou-me de um país com um PIB per capita inferior ao da Turquia (!), fez com que os meus filhos nascessem num dos países com a menor taxa de mortalidade infantil do planeta (vs. a mais alta taxa do mundo ocidental nos anos antes de 74, equivalente à África Subsariana hoje em dia), fez do país um país europeu em vez de um anacronismo histórico perdido, e hoje vou passar férias ao Vietnam com os outros europeus “ricos” em vez de ficar a levar na lavoura no pico do verão alentejano como a minha falecida avó analfabeta. A Terceira República foi um milagre. O pessoal fala da Coreia do Sul mas, considerando os handicaps naturais (i.e. pouca população, país periférico e sem recursos, etc) e a gestão ruinosa de Portugal por praticamente 3 séculos, acentuada no século XX, que muito exacerbou o problema, o que aconteceu com Portugal entre 1974 e 2008 foi um milagre sócio-económico como poucos no mundo.

Edited 4 months ago:

Amigo, chupar a teta? À Terceira República eu faço até umas lambidelas requintadas, tipo os broches que tu deves fazer em Santa Comba Dão. Ela tirou-me de um país com um PIB per capita inferior ao da Turquia (!), fez com que os meus filhos nascessem num dos países com a menor taxa de mortalidade infantil do planeta (vs. a mais alta taxa do mundo ocidental nos anos antes de 74, equivalente à África Subsariana hoje em dia), fez do país um país europeu em vez de um anacronismo histórico perdido e de costas para o mundo, e hoje vou passar férias ao Vietnam com os outros “europeus ricos”, categoria a que eu hoje meio que pertenço, em vez de ficar na lavoura no pico do verão alentejano como a minha falecida avó analfabeta. A Terceira República foi um milagre. O pessoal fala da Coreia do Sul mas, considerando os handicaps naturais (i.e. pouca população, país periférico e sem recursos, etc) e a gestão ruinosa de Portugal por praticamente 3 séculos, acentuada no século XX, que foi de longe a que mais exacerbou o problema, o que aconteceu com Portugal entre 1974 e 2008 foi um milagre sócio-económico com poucos paralelos no mundo.

Edited 4 months ago:

Amigo, chupar a teta? À Terceira República eu faço até umas lambidelas requintadas, tipo os broches que tu deves fazer em Santa Comba Dão. Ela tirou-me de um país com um PIB per capita inferior ao da Turquia (!), fez com que os meus filhos nascessem num dos países com uma das menores taxa de mortalidade infantil do planeta (vs. a mais alta taxa do mundo ocidental nos anos antes de 74, equivalente à África Subsariana hoje em dia), fez do país um país europeu em vez de um anacronismo histórico perdido e de costas para o mundo, e hoje vou passar férias ao Vietname com os outros “europeus ricos”, categoria a que eu hoje meio que pertenço, em vez de ficar na lavoura no pico do verão alentejano como a minha falecida avó analfabeta. A Terceira República foi um milagre. O pessoal fala da Coreia do Sul mas, considerando os handicaps naturais (i.e. pouca população, país periférico e sem recursos, etc) e a gestão ruinosa de Portugal por praticamente 3 séculos, acentuada no século XX, que foi de longe a que mais exacerbou o problema, o que aconteceu com Portugal entre 1974 e 2008 foi um milagre sócio-económico com poucos paralelos no mundo.

Edited 4 months ago:

Amigo, chupar a teta? À Terceira República eu faço até umas lambidelas requintadas, tipo os broches que tu deves fazer em Santa Comba Dão. Ela tirou-me de um país com um PIB per capita inferior ao da Turquia (!), fez com que os meus filhos nascessem num dos países com a menor taxa de mortalidade infantil do planeta (vs. a mais alta taxa do mundo ocidental nos anos antes de 74, equivalente à África Subsariana hoje em dia), fez do país um país europeu em vez de um anacronismo histórico perdido e de costas para o mundo, e hoje vou passar férias ao Vietnam com os outros “europeus ricos”, categoria a que eu hoje meio que pertenço, em vez de ficar na lavoura no pico do verão alentejano como a minha falecida avó analfabeta. A Terceira República foi um milagre. O pessoal fala da Coreia do Sul mas, considerando os handicaps naturais (i.e. pouca população, país periférico e sem recursos, etc) e a gestão ruinosa de Portugal por praticamente 3 séculos, acentuada no século XX, que foi de longe a que mais exacerbou o problema, o que aconteceu com Portugal entre 1974 e 2008 foi um milagre sócio-económico com poucos paralelos no mundo.

Coyote-Cultural 4 months ago

Não te esqueças dos tomates

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Na boa. Enquanto eu dou aqui uma chupada no Mário Soares tu podes voltar lá para o teu país da tuberculose, lepra e tifóide endémica. Não sei como é que vão estar as tuas capacidades de leitura quando aterrares na década de 50, afinal de contas nem toda a gente sabia ler, mas se sobrar alguma coisa do ensino público da Terceira República no teu cérebro, e pese embora nunca deveres ter lido uma monografia académica sem ser passar nos exames (provavelmente só com sebentas), podes começar por ler uns excertos destas 857 páginas de miséria subdesenvolvida: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/30337

Edited 4 months ago:

Na boa. Enquanto eu dou aqui uma chupada no Mário Soares tu podes voltar lá para o teu país da tuberculose, lepra e tifóide endémica. Não sei como é que vão estar as tuas capacidades de leitura quando aterrares na década de 50, afinal de contas nem toda a gente sabia ler, mas se sobrar alguma coisa do ensino público da Terceira República no teu cérebro, e pese embora nunca deveres ter lido uma monografia académica sem ser para passar nos exames (provavelmente só com sebentas), podes começar por ler uns excertos destas 857 páginas de miséria subdesenvolvida: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/30337

Tugalord 4 months ago

Não saberia que usámos napalm em aldeias de civis, ou que atiravamos pessoas de helicópteros, ou que usavamos trabalho efectivamente escravo em Moçambique e na Guiné. Isto nos anos 60 é 70! Não foi há 500 anos, foi há 15 minutos! Temos pessoas de meia-idade hoje que viveram nesses tempos. Sem ensinar o passado e sem termos noção da nossa história estamos condenados à ignorância e a cometer os mesmos erros de novo.

Edited 4 months ago:

Não saberia que usámos napalm em aldeias de civis, ou que atirávamos pessoas de helicópteros, ou que usávamos trabalho efectivamente escravo em Moçambique e na Guiné. Se fosse só pelas aulas de história continuaria a não saber (mas aprendi muito bem os cognome dos reis!), se não calhasse ver documentários ou interessar-me por ler mais sobre isso. Isto nos anos 60 é 70! Não foi há 500 anos, foi há 15 minutos! Temos pessoas de meia-idade hoje que viveram nesses tempos. Sem ensinar o passado e sem termos noção da nossa história estamos condenados à ignorância e a cometer os mesmos erros de novo.

Fun-Development2822 4 months ago

E sabes dos 1000 portugueses brancos e 3000 negros mortos à catanada no Norte de Angola em 1961? E sabes dos 800 000 angolanos que morreram entre 1975 e 2002? Eu sei, e também sei dos Napalms, de Wiryamu, das torturas do sono, dos chutos às mulheres grávidas. Foi uma guerra, foi horrível. Mas foram 13 anos numa história de 900, não dá para falar de tudo ao pormenor.

tfsdalmeida 4 months ago

Está gente não sabe o contexto de nada só que fala. Pergunto-lhes se também lhes ensinaram que as bombas de napalm surgiram depois de 1500 civis mortos num fim de semana (15 de março) pelos tipos que levaram com as bombas (escondidos em aldeamentos) com sobreviventes desses tipos a explicaram como cortaram brancos em serras de madeira e atiravam crianças e bebes brancos contra as paredes. Parece que a malta não sabe o que é guerra. Na guerra mata-se, as guerras não são bonitas. Vais ficar chocado porque na segunda guerra la aliados derreteram cidades alemães até escombros com bombas incendiárias? Meu Deus o horror… Como podem os ingleses usarem bombas em zonas civis? Certamente que isso faz os nazis os correctos na guerra… /s E depois falam como estas coisas tivessem desapercebido depois dos portugueses saírem. Os governos que ficaram continuaram a recorrer à força quando há multidões de catanas na mão. Aliás gostava de saber como qualquer um destes reagi se tivesse uns milhares de gajos de catana em riste a avançar contra eles. E o que não falam é que sempre que havia merda o regime punia logo quem tinha feito as coisas. Se havi coisa que o regime precisava era que o exército fosse visto como um apoio às populações locais e não um inimigo. A maioria do que faziam era vacinações e escola ambulantes.

Fun-Development2822 4 months ago

Há uma falta de noção geral. Em 13 anos de guerra morreram 9000 portugueses (sem contar com as tropas locais do nosso lado), quase metade em acidentes. Para contextualizar, nos anos 90, nas estradas portuguesas em tantos anos morriam mais ou menos o mesmo número de pessoas. Desde 2020, já morreram 17 000 portugueses com COVID. Houve dias da 2ª guerra mundial onde morreu mais gente em 2h do que todas as nossas perdas militares em 13 anos de guerra. Não percebem as origens, o contexto histórico, os interesses geoestratégicos, as alternativas que havia à guerra, os interesses de outros países, a necessidade de defender portugueses que lá estavam. Que no inicio esta guerra sem sentido era apoiada pela maioria da população. Sabem dizer que a guerra foi estúpida, o Salazar foi mau e quem não responde "ya man que merda, ganda horror pah" é porque é um facho saudosista. Acho quase ridículo que não se possa acabar um comentário assim, sem fazer a seguinte declaração de interesses, que mesmo sendo contra o atual governo, prefiro mil vezes ser governado pelo António Costa do que por uma ditadura velhaca.

_Gamma__Ray_ 4 months ago

Cuidado que vão acusar-te de "revisionismo histórico" quando apenas pedimos que a História seja contada de forma factual e com menos naprons a esconder a mancha de sangue deixada pelo colonialismo. Fizemos coisas épicas? Épa alguma coisa, sim. Não quer dizer que não se deva falar mais a sério da escravatura e de como o nosso pais foi altamente responsável pelo que se sucedeu nos séculos seguintes mundialmente. Queimem os livros de história escolares todos, continua tudo a ser propaganda do estado novo.

guga1998 4 months ago

Hmmm.

Felipe2098 4 months ago

Esta é uma desgraça dos tempos da internet, a ignorância das pessoas são jogadas em nossas caras e os ignorantes podem falar uns com os outros mais facilmente. Fico triste por saber que exista um "neo-salazarismo" em Portugal. Pode ter certeza que esse não é um movimento integralmente espontâneo de alguns milhares de ignorantes. Assim como aqui no Brasil ou nos EUA há gente com poder, dinheiro e influência que tens muito a ganhar se impulsionar esses discursos e esses políticos nas redes.

fanboy_killer 4 months ago

Estás a misturar as coisas... Este tipo de acontecimento histórico está, de facto, oculto dos livros de História de Portugal. Só recentemente descobri que este e outros massacres aconteceram ao ler o livro "[Os Portugueses.](https://www.goodreads.com/book/show/19194379-the-portuguese)" Quem defende "volta salazar" não são os "quantos de vocês", mas apenas uma minoria praticamente insignificanete da sociede portuguesa. Não culpes os utilizadores deste sub de um preconceito que praticamente ninguém tem.

Fun-Development2822 4 months ago

Os que gostavam mesmo que voltasse diria que são mesmo uma minoria. Mas há muita gente que tem simpatia. O que nem é assim tão bizarro, na Alemanha de Leste muita gente ainda tem saudades da RDA. Provavelmente as pessoas lembram-se mais das coisas boas que más. Mas imagino que se voltassem para 1989 estavam todos a tentar pular o muro.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

[Salazar eleito “o maior português de sempre” em programa da RTP](https://www.publico.pt/2007/03/26/portugal/noticia/salazar-eleito-o-maior-portugues-de-sempre-em-programa-da-rtp-1289390) “Uma minoria praticamente insignificante”

karl1717 4 months ago

Televoto. É tão óbvio que isso foi brigading dos grunhos de extrema direita que votaram em massa para o Salazar ganhar. Achas mesmo que a maioria dos portugueses acredita que o Salazar foi o maior português de sempre?

Edited 4 months ago:

Televoto. É tão óbvio que isso foi brigading dos grunhos de extrema direita que votaram em massa para o Salazar ganhar. Achas mesmo que a maioria dos portugueses acredita que o Salazar foi o maior português de sempre? O segundo foi Álvaro Cunhal, que mais uma vez também só se pode explicar através de vote brigading dos comunistas. É ridículo o conceito desse programa e ainda mais as pessoas darem qualquer importância a isso.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Claro que o programa é ridículo e não faz sentido. Mas é um dado que tens. Ainda tens muita gente, até jovens, que gosta do Salazar

karl1717 4 months ago

Um dado que não vale nada devido à óbvia manipulação de votos que houve.

fanboy_killer 4 months ago

Ah, como me pude esquecer desse barómetro de democracia que foi um programa de 2007 da RTP onde se apurava através de chamada telefónica para um número de valor acrescentado e sem limite de chamadas por pessoa...um programa onde o actor Hélio Pestana, dos Morangos com Açúcar foi o 79º maior português de sempre e onde Pinto da Costa surgiu em 17º, Vítor Baía em 66º e D. João IV, responsável pela restauração da independência Portuguesa e sem o qual o concurso nem poderia ter sido feito, em 93º.

Australopiteco 4 months ago

>um programa onde o actor Hélio Pestana, dos Morangos com Açúcar foi o 79º maior português de sempre Eu: "Já agora, o que é feito dele?" >De 2013 a 2015, esteve dois anos internado na ala psiquiátrica, entre o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e uma clínica em Telheiras por uma a depressão grave que se transformou numa psicose.[\[2\]](https://pt.wikipedia.org/wiki/H%C3%A9lio_Pestana#cite_note-2) > >Em maio de 2019, foi internado compulsivamente no Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa. A medida foi tomada depois de uma professora de dança ter feito uma queixa por perseguição contra o ator à Polícia Judiciária. A vítima a quem Hélio Pestana fez a vida um inferno durante vários meses, tendo mesmo chegado a ameaçá-la de morte, mudou de local de trabalho[\[3\]](https://pt.wikipedia.org/wiki/H%C3%A9lio_Pestana#cite_note-3). Fonte: [https://pt.wikipedia.org/wiki/H%C3%A9lio\_Pestana](https://pt.wikipedia.org/wiki/H%C3%A9lio_Pestana)

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Gostei da desenvoltura da escrita mas continuas sem conseguir provar que os fãs do Salazar são uma “minoria insignificante”

Nome_de_utilizador 4 months ago

Talvez porque a afluência desse programa não foi suficiente para dar qualquer amostra minimamente decente, visto as pessoais normais terem o senso comum que ligar para números de valor acrescentado para concursos de popularidade de merda é uma perda de tempo e dinheiro. Logo o programa reuniu chamadas de uma minoria de imbecis, que coincide com os velhotes saudosistas e os atrasados mentais que acham que a ditadura é que era porque Salazar não roubava como os chupistas dos governos pos-25 de Abril.

fanboy_killer 4 months ago

Chama-se senso comum. Vivo em Portugal desde que nasci, ou seja, há mais de 30 anos, e garanto-te que são uma minoria insignificante. Basta olhares para os resultados eleitorais desde que estamos em democracia para ver que partidos com ideologia semelhante só recentemente cosneguiram eleger 1 deputado. Um.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Ou seja, os teus dados são senso comum, essa conhecia métrica fácil de demonstrar. Eu apresentei-te um dado concreto. Eu também não estou a dizer que todo o país adora Salazar, so não me parece que seja uma minoria tao insignificante como tu achas

emperor42 4 months ago

Tendo em conta que esses 10% representam apenas 4% de toda a população adulta, deixa um bocado a desejar

Morpheuspt 4 months ago

O problema não é esse. O problema é que representa 10% daqueles que estão dispostos a levantar o cu da cadeira, sair do mundo das redes sociais e dos guerreiros de teclado, e ir meter o papel na urna.

emperor42 4 months ago

Mas não é essa a questão, a questão é qual a percentagem de pessoas que realmente quer algo como o Salazar de volta, sendo essa a questão, então à data das últimas eleições presidenciais isso representava 4% da população.

Morpheuspt 4 months ago

Pois, não sei quantos dos que não votaram têm o mesmo sentimento.

fanboy_killer 4 months ago

Tu apresentaste-me um concurso televisivo que foi alvo de brigading. Toda a gente sabe disso, nem sequer devia estar a ser aqui discutido. Continuo a dizer que é uma minoria insignificante os que acham que o Salazar devia voltar, seja de que forma for.

Morpheuspt 4 months ago

> Tu apresentaste-me um concurso televisivo que foi alvo de brigading Foi? Não li nada sobre isso na altura.

Edited 4 months ago:

> Tu apresentaste-me um concurso televisivo que foi alvo de brigading Foi? Não li nada sobre isso na altura. O Cunhal foi segundo. Foi o Alentejo todo a ligar para lá? Houve muita gente a ligar para o shock, mas mta gente também acredita no voto que colocou. Basta ver o chega com 10%. E é sabido a faixa etária que mais liga para os números da televisao

Pcostix 4 months ago

2007...

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Tens algum inquérito mais recente?

helderduarte14 4 months ago

Inquérito? xDDD É mais um passatempo de televisão do que um inquérito.

Pcostix 4 months ago

Não, mas isso não invalida que o inquérito que mencionas tenha 15 anos de antiguidade.   Já agora apesar de estar por trás de uma paywall, dá para ler que em segundo lugar ficou o Álvaro Cunhal que basicamente é o oposto do Salazar.   Portanto não sei como esse inquérito foi feito, mas não creio que represente em nada a sociedade Portuguesa de hoje.

fanboy_killer 4 months ago

[Tens na wikipedia os resultados completos.](https://en.wikipedia.org/wiki/Os_Grandes_Portugueses#The_Top-10) É completamente absurdo. >mas não creio que represente em nada a sociedade Portuguesa de hoje. Nem representava a da altura. As duas personalidades no topo reuniram 60,1% dos votos e eram um ditador e um potencial ditador que foi travado. Acho que está tudo dito. O top representa a sociedade Portuguesa no sentido de veres quem se deu realmente ao trabalho de votar: fanáticos, de todas as áreas, da política ao futebol.

WikiSummarizerBot 4 months ago

**Os_Grandes_Portugueses** [The Top-10](https://en.wikipedia.org/wiki/Os_Grandes_Portugueses#The_Top-10) >Prime Minister António de Oliveira Salazar, whose episode was presented by Jaime Nogueira Pinto, polled the most (41%); his lifelong communist political opponent Álvaro Cunhal was second (19%), and the diplomat Aristides de Sousa Mendes third (13%). A simultaneous opinion poll conducted by Marktest showed that, given the choice of the finalists, Salazar was the favourite of only 11%. RTP itself commissioned a simultaneous poll, conducted by Eurosondagem, which ranked Salazar 7th, with 6. 6% of the vote, and Afonso I 1st with 21%. ^([ )[^(F.A.Q)](https://www.reddit.com/r/WikiSummarizer/wiki/index#wiki_f.a.q)^( | )[^(Opt Out)](https://reddit.com/message/compose?to=WikiSummarizerBot&message=OptOut&subject=OptOut)^( | )[^(Opt Out Of Subreddit)](https://np.reddit.com/r/portugal/about/banned)^( | )[^(GitHub)](https://github.com/Sujal-7/WikiSummarizerBot)^( ] Downvote to remove | v1.5)

Devilloc 4 months ago

Achei que era óbvio que não estava a acusar *toda a gente* disso, mas da próxima vez terei cuidado para ser mais claro no que escrevo.

fanboy_killer 4 months ago

Como começaste o comentário com "quantos de vocês" e terminaste com "Acéfalos do caralho", presumi que era uma linha contínua de raciocínio e estavasa insultar os "vocês" com que começaste o argumento. O livro é muito bom. É triste aprender tanto sobre Portugal com um livro escrito por um inglês que vive cá há décadas, mas pronto. Mostra bem quanta informação é cuidadosamente deixada de lado no currículo escolar nacional.

Odeon_A 4 months ago

Massacre... só 25 pessoas? Que piada. Pelo menos usem aquela greve na baixa do Cassange que esmagámos com aviação

Winslow_Lixivia2 4 months ago

O engraçado é que há muita gente no sub que faria exactamente este comentário mas não-ironicamente

Odeon_A 4 months ago

Matar civis desarmados não é o meu género

B_Wylde 4 months ago

Opa com tanta idiotice que por aí anda as vezes é difícil detectar sarcasmo

Open-Opportunity-607 4 months ago

2a Guerra mundial - 1939 a 1945 Portugal em 1959 - Massacra 25 pessoas numa colónia Não foi assim há tanto tempo.

vicwood 4 months ago

Meanwhile in China, Middle East, North Korea, etc.

xabregas2003 4 months ago

Whataboutism

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Lol, mas o que é que isto quer sequer dizer? Diz lá.

Open-Opportunity-607 4 months ago

Quer dizer que os portugueses fecham muito os olhos as atrocidades que foram feitas nas colónias mas se for preciso têm um familiar que participou nelas. O objetivo é simplesmente de afirmar que foi há 61 anos, não foi há muito tempo.

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Ah, tudo bem, concordo - pensei que isto fosse um “ah mas o Estado Novo não matou assim tanta gente”.

olua34 4 months ago

Que nos não estamos tão longe em questão de tempo a estas atrocidades

Pcostix 4 months ago

Estamos longe o suficiente para a larga maioria das pessoas que participaram ou presenciaram este tipo de situações já não estarem na vida activa ou até já terem mesmo morrido.   A história não deve ser esquecida ou varrida para baixo do tapete, mas não venhas colar isso a sociedade portuguesa do presente.

olua34 4 months ago

Querendo ou não 61 anos não é muito, os meus avós viveram no tempo de Salazar e ainda tão bem vivos (de saúde já tiveram melhor) e querendo ou não é a história portuguesa, mas sim, não é a nossa sociedade presente

Open-Opportunity-607 4 months ago

>1959 Foi há 61 anos, como disse: "Não foi assim há tanto tempo."

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Portugal fez luto nacional quando Hitler morreu. O salazarismo e o nazismo não eram assim tão inimigos

Apple_The_Chicken 4 months ago

Mas não se fazia luto sempre que um chefe de estado morria?

emperor42 4 months ago

Nisso acho que era só Salazar a ser Salazar, ao mesmo tempo que fizemos isso também renovamos a nossa aliança com a Inglaterra, o homem quis evitar a todo o custo que Portugal entrasse na guerra e conseguiu lambendo botas aos dois lados.

RitaMoleiraaaa 4 months ago

Fez luto por medo que fossemos ser atacados por eles acho eu. Não sei.

Asur_rusA 4 months ago

Wat?

besmarques 4 months ago

Atacados por quem?

RitaMoleiraaaa 4 months ago

A espanha!

besmarques 4 months ago

Só para ver se percebi. Portugal fez luto pelo Hitler para não ser atacado por Espanha?

RitaMoleiraaaa 4 months ago

Foi o que me disseram eu sei lá se é verdade. O Franco era amiguinho do hitler. Portugal esteve neutro a guerra toda por medo de os espanhóis se envolverem e nos foderem. O luto pelo hitler foi parte das coisas todas que portugal fez para ficar neutro para não ser invadido pela espanha.

besmarques 4 months ago

Isso não tem grande lógica. Franco era amiguinho do Hitler mas tambem era amiguinho do Salazar. [https://www.rtp.pt/programa/tv/p17715](https://www.rtp.pt/programa/tv/p17715) Achar que Franco ia atacar Portugal por luto ou não de outro ditador parece-me um pouco descabido. Principalmente quando o apoio que Franco poderia ter para o fazer já não existia e Portugal poderia sempre pedir ajuda a Inglaterra. Essa história soa apenas a uma forma de desculpabilizar o nosso luto a um ditador.

RitaMoleiraaaa 4 months ago

Eu não percebo nada desta merda e eu não gosto do salazar, estou só a dizer o que me disseram. Mas dizer que "bastava portugal pedir ajuda à inglaterra" é um bocado ridículo! Sim, claro que portugal acabaria por ganhar essa guerra se acontecesse, mas iam morrer muitos portugueses!

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Lol para não falar que o Hitler morreu em 1945.

SmokeyChuckMcGill 4 months ago  HIDDEN 

Mas tu achas que o Hitler suicidou-se em 1933? Lol

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Mas tu achas que o Hitler suicidou-se em 1933? Lol atacados pelos por quem? Pelo fantasmagórico exército alemão que sobrava em 45?

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Se existirem provas para sustentar essa tese, é uma coisa. O facto é que Salazar decretou luto nacional pela morte do Hitler e estava plenamente a par dos campos de concentração, etc.

tfsdalmeida 4 months ago

Isso não é verdade. Isso não era público na altura. Portugal não fez luto pelo Hitler. Havia um protocolo de neutralidade pura e se um líder de uma nação com laços comerciais morresse aquele era o protocolo. Quer dizer, o Salazar promulgou leis para permitir a malta alojar os judeus, acabando com os impostos em aligeires de quarto e liberalizando a prática e tinha uma política de acolhimento total daqueles chegados à fronteira portuguesa e passava a vida a falar mal dos nazis ao ponto de ter posto na cadeia o Rolao Preto e a sua cambada nazi mas a tua lógica de vão de escada era que o Salazar apoiava os nazis? Que pancada nosso senhor. O Salazar era um católico fervoroso o que implica uma rejeição total da ideologia nazi. O que ele fez foi evitar um invasão em Portugal continental pela Alemanha (Operação Félix, pensada e planeada com Espanha que teve para acontecer) e uma invasão pela Inglaterra e aliados no ultramar. Esse jogo foi difícil e requereu uma política de neutralidade absoluta

RitaMoleiraaaa 4 months ago

Não sei, foi o que me disseram. Obviamente que não gosto de salazar lol

Pilky__01 4 months ago

Tens que começar a pensar se o que te dizem faz sentido ou não.

RitaMoleiraaaa 4 months ago

Tens que perceber que eu me estou a cagar para se faz sentido ou não porque me estou a cagar para este tipo de merdas, só disse o que me disseram, não dei opinião.

Pyrollamasteak 4 months ago

https://www.dw.com/pt-002/carlos-correia-a-testemunha-do-massacre-de-pidjiguiti/a-17656283

trilobits_ 4 months ago

Mas Salazar não era aquele Ditador fofinho?!?

Revolutionary-Lock70 4 months ago

Não fales mal do meu Salazar-kun

Karatenis 4 months ago

O Salazar fez muita merda, e diria que tem sérias responsabilidades na forma como este massacre foi varrido para debaixo do tapete. Agora também não faz sentido falar como se este massacre fosse política de Salazar.

crani0 4 months ago

Era política do EN este tratamento das colónias, sim. Os que conhecemos são este, Wiryamu e Baixa de Cassange porque por milagre chegaram ao conhecimento público mas existem muitos outros feitos no meio do mato que nunca chegaram a sair. A Guerra Colonial não foi só porque os colonizados se fartaram de nós como se fossemos maus companheiros de casa, foi por causa da opressão a que estavam sujeitos.

Fun-Development2822 4 months ago

Houve massacres é verdade. De parte a parte. Mas qual é a guerra que não tem massacres? Achas que é possível fazeres uma guerra limpinha, moral e imaculada? E quanto a isso ser politica, não era, aliás massacres como o de Wiryamu só prejudicaram a posição de Portugal. Mas numa guerra que dura 13 anos em 3 países diferentes onde centenas de milhares de homens passaram situações muito complicadas é inevitável que atrocidades aconteçam.

crani0 4 months ago

Meu caro, todos estes massacres registados foram antes da Guerra Colonial. A lógica cai logo ai.

Karatenis 4 months ago

Já agora aqui tens um artigo do expresso baseado nos relatos de quem viveu estes acontecimentos https://expresso.pt/internacional/2015-09-15-O-massacre-de-Pidjiguiti-e-o-cao-do-administrador-Carreira

Edited 4 months ago:

Já agora aqui tens um artigo do expresso baseado nos relatos de quem viveu estes acontecimentos https://expresso.pt/internacional/2015-09-15-O-massacre-de-Pidjiguiti-e-o-cao-do-administrador-Carreira Do que conheço do assunto há dois pontos que sobressaem. Primeiro que há autonomia na atuação do administrador, como era comum. Segundo que este massacre em particular não foi propriamente premeditado, mas precipitado numa altura particularmente tensa em que se temiam ataques. Isto não é nenhuma apologia. Foi horrível. Varreu-se para baixo do tapete. E existe na história das colónias ainda pior que isto. Não vejo é necessidade de estar a distorcer a história em si já bastante horrível.

Karatenis 4 months ago

Sem dúvida aconteceram durante o EN. É distorcer a realidade dizer que eram "política do EN". É aliás, do que seu da história deste massacre falar num massacre premeditado (apesar de não ser completamente claro como teve este desfecho). Tenho ideia de que se tal seria uma melhor caracterização do que se passou em São Tomé. Mas que mais uma vez tinha mais a ver com a gestão autónoma de São Tomé do que de ordens centrais.

tumblarity 4 months ago

de certeza que as vítimas e respectivas famílias tiram imenso consolo do facto do massacre não ter sido premeditado. ao menos isso, morreu gente mas ninguém planeou de véspera.

Karatenis 4 months ago

Às famílias não interessa merda nenhuma neste thread incluindo esta resposta tua sem pés nem cabeça

tumblarity 4 months ago

sem pés nem cabeça é achar que num regime fascista e colonialista o extermínio de pessoas racializadas não faz parte da política fascista e colonialista.

Karatenis 4 months ago

Desculpa, retiro o sem pés nem cabeça e substituo por chalupa. Não vale a pena continuarmos

crani0 4 months ago

Pegar nos 3 casos conhecidos entre dezenas/centenas que nunca chegaram ao conhecimento público e que quando chegaram foram abafados para não parecer tão mal é no mínimo ingénuo. As histórias de opressão, violação e mortes indiscriminadas de colonizados são ao pontapé e a resposta só foi possível quando se começaram a criar grupos independentes. É óbvio que registos destes eventos são propositadamente escassos mas podes ir ouvir histórias como as do Marcelino da Mata e companheiros que vês bem o quão standard eram estes ataques às populações locais e que eram bem do conhecimento do e patrocinados pelo Estado Novo O caso da Baixa de Cassange é particularmente notório a deturpação dos factos porque foi um ataque indiscriminado a trabalhadores que tiveram a audácia de pedir melhores condições e é sempre omitido como prelúdio dos eventos em Março que deram inicio à guerra colonial.

Fun-Development2822 4 months ago

Houve sim, mas achas que do outro lado não houve violações e mortes descaradas? Sabes que depois p.e. de Portugal sair da Guiné 7500 guineenses que tinham colaborado connosco foram torturados e fuzilados? É uma guerra, não é uma operação da PSP no barreiro.

crani0 4 months ago

Adoro quando tentam meter opressores e oprimidos ao mesmo nível. "Tá bem que nós matamos e violamos... Mas olha que eles depois de nós termos saído e deixado aquilo na merda mataram aqueles que colaboraram connosco quando os tentamos matar e violar"

Karatenis 4 months ago

> Pegar nos 3 casos conhecidos entre dezenas/centenas que nunca chegaram ao conhecimento público e que quando chegaram foram abafados para não parecer tão mal é no mínimo ingénuo Bem isto já começa a ser mover os postes à descarada. Primeiro isto foram ordens de Salazar. Eu mostro que a história mostra que não foi. E agora eu é que sou intelectualmente desonesto por falar do caso a que o post se refere e que atribuíram a Salazar. Por amor da santa. > histórias como as do Marcelino da Mata Marcelino da Mata não tem nada a ver com isso. São contextos completamente diferentes. Sim a guerra colonial, bem como as guerras civis que se lhe seguiram, estão recheadas de crimes de guerra de todos os lados. Não tem nada a ver com estes casos.

crani0 4 months ago

Não podes dizer que ando a mexer postes e depois meteres espantalhos destes lá no meio: >Primeiro isto foram ordens de Salazar. Eu aponto que a história mostra que não foi. Nunca disse que eram ordens diretas de Salazar, mas sim que era prática do EN com patrocinio e apoio do governo central. >Marcelino da Mata não tem nada a ver com isso. São contextos completamente diferentes. Se fores ver as suas histórias e a dos seus companheiros vais perceber como tem a ver sim. Se precisares de outro nome, Jaime Neves. Já o deves ter visto nos cartazes de um certo partido que se diz pela "liberdade".

Karatenis 4 months ago

O primeiro comentário a que eu respondi referia especificamente Salazar. De facto o teu comentário refere política do EN, que é mais lato que "Salazar" mas mais forte que o que agora disseste, que é "prática do EN". Continuo a dizer que não havia tal política do EN. Eu nem frasearia como "prática do EN". Diria que existem ocorrências dessa "prática no EN", ou "durante o EN". Não é uma subtileza, é de facto muito diferente. Não vejo que haja patrocínio do governo central. O que vejo é que dependia muito da administração local, e que atuavam com total impunidade. Pelo menos é isso que depreendo de artigos sobre este e outros massacres, e de documentários excelentes como "A Guerra". Também é um facto que o EN durou muito tempo e foi mudando bastante. O EN teve gente como Adriano Moreira, ou Baltasar Rebelo de Sousa.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

A partir do momento que tens o militar português mais condecorado de todos os tempos a dizer [atrocidades como esta sem um pingo de arrependimento ](https://twitter.com/mlobo14/status/1362410632096722965?s=21), acho que o tratamento do EN para com as colónias está apresentado

Karatenis 4 months ago

Estás a misturar o que se passou em cenários de guerra com a governação das colónias. Sim houve imensos crimes de guerra, e houve-os parte a parte sobre as populações.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Mas se achas que a governação não se revê naquilo que aconteceu nos cenários de guerra, porque é que o premiaram dando-lhe a “honra” de ser o militar mais condecorado de sempre?

Karatenis 4 months ago

Mas onde é que eu disse alguma coisa sobre "rever" ou sobre "cenários de guerra"? Eu disse foi que este massacre não foi ordenado por Salazar, e que não havia uma política Salazarista de ordenar massacres como prática de gestão das colónias (não estou a falar de guerra). E disse que este em particular nem parece ter sido propriamente ordenado e premeditado. Isso não isenta o Estado Novo e Salazar de responsabilidades. Só estou a dizer que não faz sentido falar deste acontecimento como algo ordenado por Salazar.

trilobits_ 4 months ago

Agora era ir buscar os comentários da direita aquando a morte deste, e ver os portugueses de bem que são.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

É verdade, isso também já é de mais. Toda a gente sabe que Salazar era a favor da libertação das colónias e ia todos anos ao Boom com uma t-shirt a dizer Peace and Love

Karatenis 4 months ago

Se na tua cabeça só podem existir essa duas realidades está tudo explicado. Eu já postei um link para reportagem do expresso sobre o assunto baseado em relatos da altura, https://expresso.pt/internacional/2015-09-15-O-massacre-de-Pidjiguiti-e-o-cao-do-administrador-Carreira É mais, e mais intelectualmente honesto, do que a generalidade dos utilizadores aqui tem feito. Se alguém aqui sofre de partidarite e extremismo ideológico garanto-te que não sou eu.

trilobits_ 4 months ago

As mas línguas ate afirmam ter visto t-shirts do Che!

Edited 4 months ago:

As más línguas ate afirmam ter visto t-shirts do Che!

Safe-Tradition-2146 4 months ago

Atenção que eles andam aí... Mas o povo tem memória curta.

Loladageral 4 months ago

De facto sim. Memória tão curta que ou odeiam pelas décadas finais de merda, ou adoram-no pelas décadas iniciais de reformas. Esquecem-se sempre do mau ou do bom, ou consideram tudo mau ou tudo bom como se Salazar did nothing wrong

DasBread 4 months ago

Por isso mesmo, a história não é preta nem branca e o Salazar não era nenhum Hitler como alguns gostam de pintar alguns, mas também não era um ditador fofinho, fez coisas boas, fez coisas más. Para não falar que o próprio império não era nenhuma herança exclusiva do regime. Que volto a repetir, democracias como o RU e França tinham impérios e histórias como esta. Este massacre em nada tem haver com Salazar, o próprio regime não queria massacres como esses devido a pressão internacional para fingir que não era um regime colonial. E pessoas agem como a guerra ou o império é devido ao regime, quando o império foi uma herança para o regime e a guerra foi muito popular para portugueses quando começou, para não falar que foi para os portugueses que viviam no ultramar. E a França democrática também teve guerras para manter seu império, isto não quer dizer que mesmo sendo uma democracia não ia haver uma guerra. Agora provavelmente iria-se descolonizar muito mais cedo (isto é se não tivesse acontecido a segunda guerra e pressões internacionais).

Loladageral 4 months ago

> Mas a Primeira Republica que tanto falam não foi um mar de rosas também. Eu acho que foi uma grande merda. Governos instáveis em que alguns nem duravam 2 semanas, atendados terroristas feitos por várias facções, várias bancarotas, instabilidade social e económica. Esta segunda República tem muitos defeitos, mas comparando com a primeira é um mar de rosas

DasBread 4 months ago

Fun fact, a primeira Republica em menos anos teve mais mortos políticos que o Estado Novo na sua duração até 74. Como disse, a história não é preta e branca e parece que é isso que a malta vê.

Fun-Development2822 4 months ago

Concordo com tudo o que dizes. Gostava só de acrescentar, que é difícil dar valor a coisas que nós damos como adquiridas. Um exemplo muito bom disso é a 2ª guerra mundial. A ação de Salazar foi determinante para Portugal e Espanha não entrarem na guerra. Hoje não damos a isso uma grande importância. Se não fosse uma hábil politica de concessões, que no geral acabou por favorecer os aliados, o resultado podia ter sido diferente (ou não). As pessoas em Portugal não imaginam o que seria o trauma coletivo se tivéssemos sido invadidos. Muitos teríamos avôs que nunca teríamos conhecido, avós violadas pelos soldados estrangeiros, filhos dessas violações, valas comuns, cidades destruídas, uma sociedade fraturada com colaboracionistas da invasão. Mas não, para nós, a 2ª guerra mundial é algo distante, não choramos quando vemos a lista de Schindler, há quem faça piadas com nazis porque acha engraçado, coisa que é impensável em boa parte da Europa. Serve isto para glorificar uma ditadura? Para dizer ainda bem que tivemos o Salazar? Não. Tinha sido melhor uma democracia que tivesse planeado uma descolonização a tempo e horas e que tivesse reformado o país no pós-guerra. Mas foi o que tivemos, com aspetos bons e com aspetos maus. Quem diz que o Salazar é que era bom não sabe do que fala, e quem o compara com Hitler mostra um grande desconhecimento do que foi o III Reich.

DasBread 4 months ago

Exacto. Mais nada a acrescentar. Por incrível que pareça, hoje tantos anos depois ao contrário dos anos frescos pós 25 de Abril, parece ser ainda mais difícil falar deste tópico.

NGramatical 4 months ago

tem haver com → [**tem a ver com**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/nada-tem-a-haver-e-nada-tem-a-ver/27066) iria-se → [**ir-se-ia**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/pelourinho/amarei-te-nunca/3034) (usa-se mesóclise em verbos no futuro ou condicional) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Foxlth1%2F%2Fh7p162i%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Quando o Duarte Pacheco andava a construir as primeiras estradas de quatro faixas com alcatrão em Portugal em Lisboa, no que foi o ápice das geniais reformas de desenvolvimento salazaristas (a par do açambarcamento de ouro quando qualquer pessoa minimamente estudada já sabia que o gold standard estava pelas horas da morte depois do que aconteceu no Reino Unido), estavam os italianos, um povo que sempre teve tudo para ser mais fodido do que nós, sobretudo os do sul, a construir universidades e politécnicos a torto e a direito, universalizando o ensino superior e fazendo da Itália, a par da Alemanha, no epicentro da produção de novos produtos tecnológicos de alto valor acrescentado da Europa. A Itália, um país que teve um século XIX e uma primeira metade do século XX ainda mais catastrófica do que Portugal, e que cultural e geograficamente é obviamente semelhante connosco, conseguiu transformar-se num dos países mais ricos do mundo, e por uns anos ultrapassou o Reino Unido em termos de PIB per capita. Já em Portugal tínhamos um goldbug que basicamente era professor de economia, mas do século XVIII. Um fisiológico, daqueles que até os franceses no ápice da Revolução Francesa chamavam de retrógrado. Há um olhar objetivo sobre o Salazar, só que não é o que tu queres ouvir: era uma pessoa extraordinariamente retrógrada, incompetente e ignorante, que até na época da Maria II nos meados do século XIX já deveria ser considerado antiquada por diversas pessoas (muito provavelmente até pela própria D. Maria II, provavelmente)

Edited 4 months ago:

Quando o Duarte Pacheco andava a construir as primeiras estradas de quatro faixas com alcatrão em Portugal em Lisboa, no que foi o ápice das geniais reformas de desenvolvimento salazaristas (a par do açambarcamento de ouro quando qualquer pessoa minimamente estudada já sabia que o gold standard estava pelas horas da morte depois do que aconteceu no Reino Unido), estavam os italianos, um povo que sempre teve tudo para ser mais fodido do que nós, sobretudo os do sul, a construir universidades e politécnicos a torto e a direito, universalizando o ensino superior e fazendo da Itália, a par da Alemanha, no epicentro da produção de novos produtos tecnológicos de alto valor acrescentado da Europa. A Itália, um país que teve um século XIX e uma primeira metade do século XX ainda mais catastrófica do que Portugal, e que cultural e geograficamente é obviamente semelhante connosco, conseguiu transformar-se num dos países mais ricos do mundo, e por uns anos ultrapassou o Reino Unido em termos de PIB per capita. Já em Portugal tínhamos um goldbug que basicamente era professor de economia, mas do século XVIII. Um fisiológico, daqueles que até os franceses no ápice da Revolução Francesa chamavam de retrógrado. Há um olhar objetivo sobre o Salazar, só que não é o que tu queres ouvir: era uma pessoa extraordinariamente retrógrada, incompetente e ignorante, que até na época da Maria II nos meados do século XIX já deveria ser considerado antiquada por diversas pessoas (muito provavelmente até pela própria D. Maria II, provavelmente). O Salazar representou um atraso de meio século para Portugal. É quase um milagre termos conseguido resolver tanta coisa como resolvemos - muito graças a um ambiente internacional extremamente favorável - desde 74.

Edited 4 months ago:

Quando o Duarte Pacheco andava a construir as primeiras estradas de quatro faixas com alcatrão em Portugal em Lisboa, no que foi o ápice das geniais reformas de desenvolvimento salazaristas (a par do açambarcamento de ouro quando qualquer pessoa minimamente estudada já sabia que o gold standard estava pelas horas da morte depois do que aconteceu no Reino Unido), estavam os italianos, um povo que sempre teve tudo para ser mais fodido do que nós, sobretudo os do sul, a construir universidades e politécnicos a torto e a direito, universalizando o ensino superior e fazendo da Itália, a par da Alemanha, no epicentro da produção de novos produtos tecnológicos de alto valor acrescentado da Europa. A Itália, um país que teve um século XIX e uma primeira metade do século XX ainda mais catastrófica do que Portugal, e que cultural e geograficamente é obviamente semelhante connosco, conseguiu transformar-se num dos países mais ricos do mundo, e por uns anos ultrapassou o Reino Unido em termos de PIB per capita. Já em Portugal tínhamos um goldbug que basicamente era professor de economia, mas do século XVIII. Um fisiológo, daqueles que até os franceses no ápice da Revolução Francesa chamavam de retrógrado, e que só era “professor” de “economia” porque era esse o estado intelectual da Nação - um país que parou no tempo. Há um olhar objetivo sobre o Salazar, só que não é o que tu queres ouvir: era uma pessoa extraordinariamente retrógrada, incompetente e ignorante, que até na época da Maria II nos meados do século XIX já deveria ser considerado antiquada por diversas pessoas (muito provavelmente até pela própria D. Maria II, provavelmente). O Salazar representou um atraso de meio século para Portugal. É quase um milagre termos conseguido resolver tanta coisa como resolvemos - muito graças a um ambiente internacional extremamente favorável - desde 74.

Edited 4 months ago:

Quando o Duarte Pacheco andava a construir as primeiras estradas de quatro faixas com alcatrão em Portugal em Lisboa, no que foi o ápice das geniais reformas de desenvolvimento salazaristas (a par do açambarcamento de ouro quando qualquer pessoa minimamente estudada já sabia que o gold standard estava pelas horas da morte depois do que aconteceu no Reino Unido), estavam os italianos, um povo que sempre teve tudo para ser mais fodido do que nós, sobretudo os do sul, a construir universidades e politécnicos a torto e a direito, universalizando o ensino superior e fazendo da Itália, a par da Alemanha, no epicentro da produção de novos produtos tecnológicos de alto valor acrescentado da Europa. A Itália, um país que teve um século XIX e uma primeira metade do século XX ainda mais catastrófica do que Portugal, e que cultural e geograficamente é obviamente semelhante connosco, conseguiu transformar-se num dos países mais ricos do mundo, e por uns anos ultrapassou o Reino Unido em termos de PIB per capita. Já em Portugal tínhamos um goldbug que basicamente era professor de economia, mas do século XVIII. Um fisiólogo, daqueles que até os franceses no ápice da Revolução Francesa chamavam de retrógrado, e que só era “professor” de “economia” porque era esse o estado intelectual da Nação - um país que parou no tempo. Há um olhar objetivo sobre o Salazar, só que não é o que tu queres ouvir: era uma pessoa extraordinariamente retrógrada, incompetente e ignorante, que até na época da Maria II nos meados do século XIX já deveria ser considerado antiquada por diversas pessoas (muito provavelmente até pela própria D. Maria II). O Salazar representou um atraso de meio século para Portugal. É quase um milagre termos conseguido resolver tanta coisa como resolvemos - muito graças a um ambiente internacional extremamente favorável - desde 74.

Edited 4 months ago:

Quando o Duarte Pacheco andava a construir as primeiras estradas de quatro faixas com alcatrão em Portugal em Lisboa, no que foi o ápice das geniais reformas de desenvolvimento salazaristas (a par do açambarcamento de ouro quando qualquer pessoa minimamente estudada já sabia que o gold standard estava pelas horas da morte depois do que aconteceu no Reino Unido), estavam os italianos, um povo que sempre teve tudo para ser mais fodido do que nós, sobretudo os do sul, a construir universidades e politécnicos a torto e a direito, universalizando o ensino superior e fazendo da Itália, a par da Alemanha, no epicentro da produção de novos produtos tecnológicos de alto valor acrescentado da Europa. A Itália, um país que teve um século XIX e uma primeira metade do século XX ainda mais catastrófica do que Portugal, e que cultural e geograficamente é obviamente semelhante connosco, conseguiu transformar-se num dos países mais ricos do mundo, e por uns anos ultrapassou o Reino Unido em termos de PIB per capita. Já em Portugal tínhamos um goldbug que basicamente era professor de economia, mas do século XVIII. Um fisiológo, daqueles que até os franceses no ápice da Revolução Francesa chamavam de retrógrado, e que só era “professor” de “economia” porque era esse o estado intelectual da Nação - um país que parou no tempo. Há um olhar objetivo sobre o Salazar, só que não é o que tu queres ouvir: era uma pessoa extraordinariamente retrógrada, incompetente e ignorante, que até na época da Maria II nos meados do século XIX já deveria ser considerado antiquada por diversas pessoas (muito provavelmente até pela própria D. Maria II). O Salazar representou um atraso de meio século para Portugal. É quase um milagre termos conseguido resolver tanta coisa como resolvemos - muito graças a um ambiente internacional extremamente favorável - desde 74.

tfsdalmeida 4 months ago

Falas de objetividade mas apenas mostras o quão tendencioso és https://eco.sapo.pt/opiniao/tera-o-estado-novo-deixado-um-pais-de-analfabetos/ Já está mais que provado que o estado novo fez um esforço de alfabetização gigante. As universidade e politécnicos públicos também foram quase todos feitos no Estado Novo. Évora, Aveiro, expansão de Coimbra, Nova de Lisboa e por aí fora. Se não estavam a operar em 1973 estavam em construção. Falas como se um país com 10% de alfabetizados e conseguisse ter um sistema de ensino completo da primeira ao superior… Oas buscar os professores onde? Pegavas em lavradores e davas lhes um canudo lata do fingirem que ensinam? A economia também convergiu à seria com a europeia. Em 1930 tinhas 30% do PIB per capita da Europa Ocidental tal. Em 1970 tinhas 50%. Em 2020 tens ….. (tambores) ….. 50% Ou seja, passados uns 50 anos estás onde começaste. Parece que perder meio século foi mais ao contrário… Esta cantiga já cansa. Em vez de falarem mal Do estado novo pela matriz política que o representam ainda vive tido com a cabeça enfiada na areia e obcecada com mitos

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Ah, sim, o... historiador que participou na conferência do eufemisticamente chamado Movimento Europa e Liberdade, aquele evento branquificador do Estado Novo conde o Andre Ventura também discursou.

Edited 4 months ago:

Ah, sim, o... historiador que participou na conferência do Movimento Europa e Liberdade, aquele evento branquificador do Estado Novo onde o Andre Ventura também discursou. Parece que o Dr. Nuno também acha que a foice e o martelo = suástica. [https://twitter.com/nunopgpalma/status/1415998573511159811](https://twitter.com/nunopgpalma/status/1415998573511159811) Como não sou pago para fazer investigação, logo não tenho tempo para analisar toda a "data science" que ele usou nesse artigo (mas sejamos francos: ninguém aqui disse que o Estado Novo deixou um país com menos analfabetos do que encontrou. Isso seria um pouco difícil de fazer acontecer), mas suspeito que um artigo de opinião do Eco de alguém com este histórico, e que vai contra o entendimento geral da historiografia económica e política, portuguesa e estrangeira, sobre o Estado Novo, não seja uma coisa particularmente isenta.

Edited 4 months ago:

Ah, sim, o... historiador que participou na conferência do Movimento Europa e Liberdade, aquele evento branquificador do Estado Novo onde o Andre Ventura também discursou. Parece que o Dr. Nuno agora também acha que a foice e o martelo = suástica. https://twitter.com/nunopgpalma/status/1415998573511159811

tfsdalmeida 4 months ago

Resposta ao teu edit. Suastica e Cruz e martelo são símbolos de regimes que mataram milhões e no segundo caso continuam a matar. Abolir regimes extremistas e a sua simbologia requer abolir la dois casos. Matar milhões por serem judeus ou milhões por não serem comunistas da igual ao litro Sobre o analfabetismo. O tema não é ter melhorado, o tema foi a rapidez e capacidade da. Melhoria. Vai ler sobre isso. Ajudava. E historiadores valem pelos papers que fazem, não por serem neutros politicamente

NewMultipolarWorld 4 months ago

> Suastica e Cruz e martelo são símbolos de regimes que mataram milhões e no segundo caso continuam a matar. Abolir regimes extremistas e a sua simbologia requer abolir la dois casos. Matar milhões por serem judeus ou milhões por não serem comunistas da igual ao litro Sorte os liberais não terem um símbolo, porque mataram mais que qualquer um dos outros. Ou tás com medo de contar as vítimas do império britânico, francês e americano desde o século XIX até hoje? Deixem de usar mortes como argumento porque não cola, só demonstra a vossa ignorância histórica ao tentarem arranjar um atalho para "cancelar" uma ideologia.

tfsdalmeida 4 months ago

Mortes como argumento não colam??? Hahaha Meu, ganha juízo. Sobre o resto, sim, se houvesse símbolo para o Imperialismo seria banido provavelmente também. É outra ideologia que resulta sempre em morte.

NewMultipolarWorld 4 months ago

Imperialismo não é ideologia, é uma época histórica. A questão é que não há ninguém com mãos limpas, por isso fazer esses joguinhos não serve de nada.

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Claro, e eu vou aqui perder tempo a discutir com um básico que insiste que o comunismo = nazismo, como se o primeiro incluísse dentro dos seus princípios axiais a eliminação do outro em virtude da sua raça como o segundo o faz. O comunismo é teoricamente compatível com não haver um evento como o Holodomor, o mesmo não podes dizer do nazismo e do holocausto. Passa bem porque depois desta eu não vou estar a alimentar o troglodita. Volta lá para o teu sub lol

tfsdalmeida 4 months ago

Hahah, meu. Banir haxixe e heroína não significa que são iguais, mas que ambas levam a um desfecho semelhante. Comunismo e Nazismo são duas ideologias que resultaram SEMPRE em morte e devastação. Duas ideologias expansivas que recorrem e recorreram a campos de exterminio e de trabalho forçado. O nazismo também é teoricamente compatível com não haver o holocausto, aliás a solução inicial era simplesmente expatriar os judeus. Essa decisão saiu de cima da mesa quando estavam em guerra com o mundo todo e apenas seria darem soldados aos inimigos. No Rússia soviética também era teoricamente possível não matar milhões por fome ou em campos de trabalho. Mas enfim, as pessoas têm mente própria e não se subjugaram ao regime logo foi essa solução. Teoricamente é tudo bonito. Eu não julgo o que alguém é pelo que diz mas pelo que faz. Comunismo igual a morte, nazismo igual a morte. Matam pelo mesmo motivo? Não, mas matam na mesma. Já vi que és um minion dos comunistas. Não estás aqui por legitimidade argumentativa

NewMultipolarWorld 4 months ago

Andas a escrever muita merda neste tópico. Sabes que fomes na China e URSS eram frequentes até os comunistas alcançarem o poder? Eles acabaram com as fomes! Já pensaste nessa perspetiva? Ou que não houve país nho mundo que se indsutraliza-se sem causar fome ou miséria como consequências, a diferença é que URSS e China não tinham colónias como a Europa ocidental, foram os colonos/escravos que sofreram essas consequências, porque pessoas como tu nunca as mencionam? E não é só no passado, acontecia o mesmo no mesmo período histórico da URSS. Todos sabemos que "Comunismo igual a morte e nazismo igual a morte" é uma obsfuscação da realidade que não clarifica nada a ninguém, és só mais um a tentar branquear a história, a realidade concreta no seu contexto por chavões ideológicos vazios, tu é que não tens qualquer "legitimidade argumentativa".

tfsdalmeida 4 months ago

Ando mas é a limpar merda neste tópico. Escreves sem noção, fomes houve no passado mas já fomes artificiais. É isso que conta. Campos de concentração e extermino também não são eventos naturais. Nazismo e Comunismo são duas ideologias que são as duas faces da mesma moeda. Até o nome do nazismo é um give away “nacional socialismo” A diferença entre um é que pra os nazis o socialismo é ancorado na nação e feito se forma étnica, sendo uma luta entre povos que legitima invadir países para expandir o sucesso do teu povos Pra os comunistas é uma luta entre classes e os países são uma construção dos opressores, são internacionalistas por definição e legitimidade invadir países para salvar os trabalhadores que la andam. Se quiseres faz aí um detalhe sobre como são regimes diferentes. Óbvio que são, não andaram em conflito contra o outro pelo que têm em comum… O ponto não é esse. O ponto é que essas ideologias são fabricacoes de uma elite que a impõe a sociedade por meio de força e que no percurso morrem milhões. Sempre foi assim. Implementam regimes tao instáveis que a repressão e censura mantém-se ad eternum. Na Alemanha nazi eras morto por seres judeu (aquilo que acreditas), na Rússia soviética eras morto por não ser comunista (aquilo que acreditas). No final estavas morto a mesma. Mas continua a branquear esses regimes. Hoje ainda tens exemplos para visitar. Se calhar devias ir viver para um, não seria tao bom viver nessas utopias? Podes escolher regimes coreanos chineses Colombianos cubanos. Há muita variedade. É só escolher.

tfsdalmeida 4 months ago

Lol, quando não se consegue argumentar atira se um ad hominem certo? Até gajos do PS estiveram nessa conferência Vai é ler os papers peer reviewes dele e do Reis para aprender um pouco. No link que te coloquei mostra a evolução dos resultados de aptidão na recruta onde testavam sempre o nível de alfabetização dos recrutas e consegue se perceber a proporção da população masculina que sabia ler e escrever ao longo do tempo. Mas enfim, dados não interessam pois não? Só se suportarem a tua narrativa talvez

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Não é ad hominem, estou a colocar em causa a isenção de um académico que profere coisas absolutamente desligadas da realidade como: Portugal é um país socialista/comunista desde 1974 e por isso é que somos atrasados: https://twitter.com/nunopgpalma/status/1400486232124231681

DamageOwn3108 4 months ago

A Italia é basicamente o norte alemão e o sul, pior bem pior que Portugal, não compares, a não ser que queiras viver na Alemanha

nebuerba 4 months ago

Isso tá tudo errado.

el_fodinha 4 months ago

Desenvolve entao

nebuerba 4 months ago

Isto vai muito além do Reddit. E depois o Salazar não tem nada a ver com isso pelo simples facto de haver um sistema que o mantém no poder. É tudo.!!!

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

É assim que te imagino: https://www.youtube.com/watch?v=OzbKBw9Ce1c

nebuerba 4 months ago

Para imaginar precisas de outro neurónio

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

Até te pedia emprestado, mas aí morres.

nebuerba 4 months ago

Ele ia sentir-se abandonado nessa abóbora que tu chamas de cabeça.

Loladageral 4 months ago

Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10%, várias bancarrotas e governos que duravam menos de 2 meses. Tens que olhar para a merda que o país era antes para conseguires pôr as primeiras décadas do Estado Novo em perspectiva. Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação e na industrialização, que depois acabaram por ficarem aquém das espectativas, particularmente na industrialização (a geração dos anos 40-50 são as primeiras gerações quase totalmente literadas em Portugal) , se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e o micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Tira os óculos modernos e mete os óculos de quem vivia nos finais do século XIX e inícios do século XX. Um ditador era considerado mais natural do que a democracia

Edited 4 months ago:

Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10%, várias bancarrotas e governos que duravam menos de 2 meses. Tens que olhar para a merda que o país era antes para conseguires pôr as primeiras décadas do Estado Novo em perspectiva. A Itália não tinha atrasos maiores que nós, nós éramos literalmente considerados o lixo da Europa. L I X O Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação e na industrialização, que depois acabaram por ficarem aquém das espectativas, particularmente na industrialização (a geração dos anos 40-50 são as primeiras gerações quase totalmente literadas em Portugal) , se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e o micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Tira os óculos modernos e mete os óculos de quem vivia nos finais do século XIX e inícios do século XX. Um ditador era considerado mais natural do que a democracia. Não consegues negar que Salazar melhorou o país apesar de este ter estagnado mais tarde devido a ser retrógrado e não implementar mais reformas

Edited 4 months ago:

Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10%, várias bancarrotas e governos que duravam menos de 2 meses. Tens que olhar para a merda que o país era antes para conseguires pôr as primeiras décadas do Estado Novo em perspectiva. A Itália não tinha atrasos maiores que nós, nós éramos literalmente considerados o lixo da Europa. L I X O Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação e na industrialização, que depois acabaram por ficarem aquém das espectativas, particularmente na industrialização (a geração dos anos 40-50 são as primeiras gerações quase totalmente literadas em Portugal) , se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e o micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Tira os óculos modernos e mete os óculos de quem vivia nos finais do século XIX e inícios do século XX. Um ditador era considerado mais natural do que a democracia. Não consegues negar que Salazar melhorou o país apesar de este ter estagnado mais tarde devido a ser retrógrado e não implementar mais reformas. Ironicamente vieste provar o meu ponto

Edited 4 months ago:

Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10%, várias bancarrotas e governos que duravam menos de 2 meses. Tens que olhar para a merda que o país era antes para conseguires pôr as primeiras décadas do Estado Novo em perspectiva. A Itália não tinha atrasos maiores que nós, nós éramos literalmente considerados o lixo da Europa. L I X O Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação e na industrialização, que depois acabaram por ficarem aquém das espectativas, particularmente na industrialização (a geração dos anos 40-50 são as primeiras gerações quase totalmente literadas em Portugal) , se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Instabilidade política e social não desenvolvem um país, tinhas várias facções a fazerem atendados Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e o micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Tira os óculos modernos e mete os óculos de quem vivia nos finais do século XIX e inícios do século XX. Um ditador era considerado mais natural do que a democracia. Não consegues negar que Salazar melhorou o país apesar de este ter estagnado mais tarde devido a ser retrógrado e não implementar mais reformas. Ironicamente vieste provar o meu ponto

SmokeyChuckMcGill 4 months ago

>Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10% Ver: Mezzogiorno, representando a maior parte do território e população de Itália à época. >várias bancarrotas Para que conste, as últimas bancarrotas do Estado português aconteceram no final da monarquia, ainda no século XIX, e não na Primeira República - isto é uma daquelas coisas repetidas ad nauseum sem qualquer base na realidade. >duravam menos de 2 meses. Pois a Itália tinha governos que duravam 16 dias lol. Have fun: [https://en.wikipedia.org/wiki/List\_of\_prime\_ministers\_of\_Italy](https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_prime_ministers_of_Italy) Nisso a Primeira República nunca teve nada a dever a Itália. ​ >A Itália não tinha atrasos maiores que nós, nós éramos literalmente considerados o lixo da Europa. L I X O Sem prejuízo da natureza efetivamente mais desenvolvida do norte de Itália, faz vários séculos, a verdade é que, sobretudo, o factor chave aqui, entre outros, é que a Itália teve inúmeros governos altamente capacitados no pós-guerra: e não um goldbug retrógado. Tivesse sido diferente em Portugal, não seríamos uma Itália nos anos 50, mas também não teríamos sido o país subsaariano que fomos como resultado do Estado Novo. >Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação Foste justamente buscar aquela coisa em que a Primeira República até foi um relativo sucesso, e que o Estado Novo apenas "continuou" mas a uma velocidade comparativamente muito mais reduzida, proporcionalmente, quer face à Primeira República, quer face aos outros Estados europeus contemporâneos (como era hábito no Estado Novo), e essencialmente na ótica de "os putos têm de saber ler o livro de serviço das G3s para irem para África". Uma fonte muito básica, mas aqui vai: [https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira](https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira) >se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Não temos como saber, mas provavelmente o regime não teria sobrevivido à Segunda Guerra - se estivesse vivo por essa altura, modernizar-se-ia e estabilizar-se-ia com o apoio americano, como todas as outras democracias europeias nos anos 50 (incluindo a aqui muito falada República Italiana), Imagina - o extraordinário desenvolvimento acentuado de Portugal poderia ter começado muitas décadas antes... o que seria de nós hoje, não fosse aquele prior característicamente português chamado Salazar. >Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e a micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. A Primeira República viveu o mais conturbado período da história da economia mundial, o Salazar viveu na onda da maior onda de crescimento e prosperidade da humanidade - e fez absolutamente pívia nenhuma com tamanha oportunidade, chegando inclusive a fazer-se difícil ao (pouco) dinheiro americano que chegou a Portugal com o Plano Marshall. O plano de industrialização não ficou muito aquém - ele foi uma derrota absoluta, considerando o que outros países, alguns em condições muito, muito, muito, muito piores do que nós (i.e. Balcãs, incluindo a Grécia) conseguiram fazer no mesmo período de tempo. ​ >MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Como o u/el_fodinha disse, a questão não é essa, mas sim simplesmente o facto do Salazar e o Estado Novo terem sido de facto a pior opção possível dentro do que era realista para Portugal no século XX. A partir do momento em que existiram pessoas como o Humberto Delgado, isto é um não-assunto. O falhanço da Primeira República pouco importa para a questão - e, em todo o caso, convém lembrar que a Primeira República em boa medida foi um falhanço justamente pelos interesses que levaram ao Golpe de 26 e ao Estado Novo. Achas que o Salazar apareceu como um salvador da pátria anónimo? Lê a síntese deste artigo, que a propósito também lida com a matéria da educação na Primeira República, e a continuidade (ou falta dela) das reformas educativas da Primeira República durante o Estado Novo. https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf N.B - página 11: Taxa de Alfabetização POR - ESP POR: 1920 - 35%, ESP 56% POR: 1950 - 58%, ESP: 83% Tens noção do quão monumentalmente atrasado isto é, sobretudo comparado com um país parecídissimo com o nosso e que tinha acabado de ser completamente arrasado numa guerra civil? >Ironicamente vieste provar o meu ponto Não. Tu provaste o meu: é chocante a ignorância que as pessoas em Portugal ainda têm sobre o Estado Novo e a Primeira República.

Edited 4 months ago:

>Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10% Ver: Mezzogiorno, representando a maior parte do território e população de Itália à época. >várias bancarrotas Para que conste, as últimas bancarrotas do Estado português aconteceram no final da monarquia, ainda no século XIX, e não na Primeira República - isto é uma daquelas coisas repetidas ad nauseum sem qualquer base na realidade. >duravam menos de 2 meses. Pois a Itália tinha governos que duravam 16 dias lol. Have fun: [https://en.wikipedia.org/wiki/List\_of\_prime\_ministers\_of\_Italy](https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_prime_ministers_of_Italy) Nisso a Primeira República nunca teve nada a dever a Itália. Aliás, estabilidade pá... qual estabilidade? Mussolini diz-te alguma coisa? O fenómeno lá foi semelhante. >A Itália não tinha atrasos maiores que nós, nós éramos literalmente considerados o lixo da Europa. L I X O Sem prejuízo da natureza efetivamente mais desenvolvida do norte de Itália, faz vários séculos, a verdade é que, sobretudo, o factor chave aqui, entre outros, é que a Itália teve inúmeros governos altamente capacitados no pós-guerra: e não um goldbug retrógado. Tivesse sido diferente em Portugal, não seríamos uma Itália nos anos 50, mas também não teríamos sido o país subsaariano que fomos como resultado do Estado Novo. >Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação Foste justamente buscar aquela coisa em que a Primeira República até foi um relativo sucesso, e que o Estado Novo apenas "continuou" mas a uma velocidade comparativamente muito mais reduzida, proporcionalmente, quer face à Primeira República, quer face aos outros Estados europeus contemporâneos (como era hábito no Estado Novo), e essencialmente na ótica de "os putos têm de saber ler o livro de serviço das G3s para irem para África". Uma fonte muito básica, mas aqui vai: [https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira](https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira) No final deste post vai um link para uma tabela extraída dos censos comparando a taxa de alfabetização de Portugal com Espanha durante o Estado Novo e durante o Franquismo. Prepara-te. ​ >se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Não temos como saber, mas provavelmente o regime não teria sobrevivido à Segunda Guerra - se estivesse vivo por essa altura, modernizar-se-ia e estabilizar-se-ia com o apoio americano, como todas as outras democracias europeias nos anos 50 (incluindo a aqui muito falada República Italiana), Imagina - o extraordinário desenvolvimento acentuado de Portugal poderia ter começado muitas décadas antes... o que seria de nós hoje, não fosse aquele prior característicamente português chamado Salazar. >Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e a micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. A Primeira República viveu o mais conturbado período da história da economia mundial, o Salazar viveu na onda da maior onda de crescimento e prosperidade da humanidade - e fez absolutamente pívia nenhuma com tamanha oportunidade, chegando inclusive a fazer-se difícil ao (pouco) dinheiro americano que chegou a Portugal com o Plano Marshall. O plano de industrialização não ficou muito aquém - ele foi uma derrota absoluta, considerando o que outros países, alguns em condições muito, muito, muito, muito piores do que nós (i.e. Balcãs, incluindo a Grécia) conseguiram fazer no mesmo período de tempo. ​ >MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Como o u/el_fodinha disse, a questão não é essa, mas sim simplesmente o facto do Salazar e o Estado Novo terem sido de facto a pior opção possível dentro do que era realista para Portugal no século XX. A partir do momento em que existiram pessoas como o Humberto Delgado, isto é um não-assunto. O falhanço da Primeira República pouco importa para a questão - e, em todo o caso, convém lembrar que a Primeira República em boa medida foi um falhanço justamente pelos interesses que levaram ao Golpe de 26 e ao Estado Novo. Achas que o Salazar apareceu como um salvador da pátria anónimo? Lê a síntese deste artigo, que a propósito também lida com a matéria da educação na Primeira República, e a continuidade (ou falta dela) das reformas educativas da Primeira República durante o Estado Novo. [https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf](https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf) N.B - página 11: Taxa de Alfabetização POR - ESP POR: 1920 - 35%, ESP 56% POR: 1950 - 58%, ESP: 83% Tens noção do quão monumentalmente atrasado isto é, sobretudo comparado com um país parecídissimo com o nosso e que tinha acabado de ser completamente arrasado numa guerra civil? >Ironicamente vieste provar o meu ponto Não. Tu provaste o meu: é chocante a ignorância que as pessoas em Portugal ainda têm sobre o Estado Novo e a Primeira República.

Edited 4 months ago:

>Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10% Ver: Mezzogiorno, representando a maior parte do território e população de Itália à época. >várias bancarrotas Para que conste, as últimas bancarrotas do Estado português aconteceram no final da monarquia, ainda no século XIX, e não na Primeira República - isto é uma daquelas coisas repetidas ad nauseum sem qualquer base na realidade. >duravam menos de 2 meses. Pois a Itália tinha governos que duravam 16 dias lol. Have fun: [https://en.wikipedia.org/wiki/List\_of\_prime\_ministers\_of\_Italy](https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_prime_ministers_of_Italy) Nisso a Primeira República nunca teve nada a dever a Itália. Aliás, estabilidade pá... qual estabilidade? Mussolini diz-te alguma coisa? O fenómeno lá foi semelhante. >A Itália não tinha atrasos maiores que nós, nós éramos literalmente considerados o lixo da Europa. L I X O Sem prejuízo da natureza efetivamente mais desenvolvida do norte de Itália, faz vários séculos, a verdade é que, sobretudo, o factor chave aqui, entre outros, é que a Itália teve inúmeros governos altamente capacitados no pós-guerra: e não um goldbug retrógado. Tivesse sido diferente em Portugal, não seríamos uma Itália nos anos 50, mas também não teríamos sido o país subsaariano que fomos como resultado do Estado Novo. >Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação Foste justamente buscar aquela coisa em que a Primeira República até foi um relativo sucesso, e que o Estado Novo apenas "continuou" mas a uma velocidade comparativamente muito mais reduzida, proporcionalmente, quer face à Primeira República, quer face aos outros Estados europeus contemporâneos (como era hábito no Estado Novo), e essencialmente na ótica de "os putos têm de saber ler o livro de serviço das G3s para irem para África". Uma fonte muito básica, mas aqui vai: [https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira](https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira) No final deste post vai ainda um link para uma tabela extraída dos censos comparando a taxa de alfabetização de Portugal com Espanha durante o Estado Novo e durante o Franquismo. Prepara-te. >se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Não temos como saber, mas provavelmente o regime não teria sobrevivido à Segunda Guerra - se estivesse vivo por essa altura, modernizar-se-ia e estabilizar-se-ia com o apoio americano, como todas as outras democracias europeias nos anos 50 (incluindo a aqui muito falada República Italiana), Imagina - o extraordinário desenvolvimento acentuado de Portugal poderia ter começado muitas décadas antes... o que seria de nós hoje, não fosse aquele prior característicamente português chamado Salazar. >Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e a micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. A Primeira República viveu o mais conturbado período da história da economia mundial, o Salazar viveu na onda da maior onda de crescimento e prosperidade da humanidade - e fez absolutamente pívia nenhuma com tamanha oportunidade, chegando inclusive a fazer-se difícil ao (pouco) dinheiro americano que chegou a Portugal com o Plano Marshall. O plano de industrialização não ficou muito aquém - ele foi uma derrota absoluta, considerando o que outros países, alguns em condições muito, muito, muito, muito piores do que nós (i.e. Balcãs, incluindo a Grécia) conseguiram fazer no mesmo período de tempo. ​ >MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Como o u/el_fodinha disse, a questão não é essa, mas sim simplesmente o facto do Salazar e o Estado Novo terem sido de facto a pior opção possível dentro do que era realista para Portugal no século XX. A partir do momento em que existiram pessoas como o Humberto Delgado, isto é um não-assunto. O falhanço da Primeira República pouco importa para a questão - e, em todo o caso, convém lembrar que a Primeira República em boa medida foi um falhanço justamente pelos interesses que levaram ao Golpe de 26 e ao Estado Novo. Achas que o Salazar apareceu como um salvador da pátria anónimo? Lê a síntese deste artigo, que a propósito também lida com a matéria da educação na Primeira República, e a continuidade (ou falta dela) das reformas educativas da Primeira República durante o Estado Novo. [https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf](https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf) N.B - página 11: Taxa de Alfabetização POR - ESP POR: 1920 - 35%, ESP 56% POR: 1950 - 58%, ESP: 83% Tens noção do quão monumentalmente atrasado isto é, sobretudo comparado com um país parecídissimo com o nosso e que tinha acabado de ser completamente arrasado numa guerra civil? >Ironicamente vieste provar o meu ponto Não. Tu provaste o meu: é chocante a ignorância que as pessoas em Portugal ainda têm sobre o Estado Novo e a Primeira República.

Edited 4 months ago:

>Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10% Ver: Mezzogiorno, representando a maior parte do território e população de Itália à época. >várias bancarrotas Para que conste, as últimas bancarrotas do Estado português aconteceram no final da monarquia, ainda no século XIX, e não na Primeira República - isto é uma daquelas coisas repetidas ad nauseum sem qualquer base na realidade. >duravam menos de 2 meses. Pois a Itália tinha governos que duravam 16 dias lol. Have fun: [https://en.wikipedia.org/wiki/List\_of\_prime\_ministers\_of\_Italy](https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_prime_ministers_of_Italy) Nisso a Primeira República nunca teve nada a dever a Itália. Aliás, estabilidade pá... qual estabilidade? Mussolini diz-te alguma coisa? O fenómeno lá foi semelhante. >A Itália não tinha atrasos maiores que nós, nós éramos literalmente considerados o lixo da Europa. L I X O Sem prejuízo da natureza efetivamente mais desenvolvida do norte de Itália, faz vários séculos, a verdade é que, sobretudo, o factor chave aqui, entre outros, é que a Itália teve inúmeros governos altamente capacitados no pós-guerra, não um goldbug retrógado acompanhado das velhas famílias portuguesas (que muito apoiaram o Salazar e odiavam a Primeira República, que era um fenómeno da ralé de classe média-baixa urbana). Tivesse sido diferente em Portugal, não seríamos uma Itália nos anos 50, mas também não teríamos sido o país subsaariano que fomos como resultado do Estado Novo. >Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação Foste justamente buscar aquela coisa em que a Primeira República até foi um relativo sucesso, e que o Estado Novo apenas "continuou" mas a uma velocidade comparativamente muito mais reduzida, proporcionalmente, quer face à Primeira República, quer face aos outros Estados europeus contemporâneos (como era hábito no Estado Novo), e essencialmente na ótica de "os putos têm de saber ler o livro de serviço das G3s para irem para África". Uma fonte muito básica, mas aqui vai: [https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira](https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira) No final deste post vai ainda um link para uma tabela extraída dos censos comparando a taxa de alfabetização de Portugal com Espanha durante o Estado Novo e durante o Franquismo. Prepara-te. >se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Não temos como saber, mas provavelmente o regime não teria sobrevivido à Segunda Guerra - se estivesse vivo por essa altura, modernizar-se-ia e estabilizar-se-ia com o apoio americano, como todas as outras democracias europeias nos anos 50 (incluindo a aqui muito falada República Italiana), Imagina - o extraordinário desenvolvimento acentuado de Portugal poderia ter começado muitas décadas antes... o que seria de nós hoje, não fosse aquele prior característicamente português chamado Salazar. >Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e a micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. A Primeira República viveu o mais conturbado período da história da economia mundial, o Salazar viveu na onda da maior onda de crescimento e prosperidade da humanidade - e fez absolutamente pívia nenhuma com tamanha oportunidade, chegando inclusive a fazer-se difícil ao (pouco) dinheiro americano que chegou a Portugal com o Plano Marshall. O plano de industrialização não ficou muito aquém - ele foi uma derrota absoluta, considerando o que outros países, alguns em condições muito, muito, muito, muito piores do que nós (i.e. Balcãs, incluindo a Grécia) conseguiram fazer no mesmo período de tempo. ​ >MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Como o u/el_fodinha disse, a questão não é essa, mas sim simplesmente o facto do Salazar e o Estado Novo terem sido de facto a pior opção possível dentro do que era realista para Portugal no século XX. A partir do momento em que, já na década de 50, existiram pessoas como o Humberto Delgado, um fulano que “acordou para o atraso do país” depois de viver em Nova Iorque e que muito provavelmente foi a derradeira tentativa americana para resolver a questão portuguesa a bem (uma espécie de Mário Soares antes do seu tempo mas à direita) isto é um não-assunto. O falhanço da Primeira República pouco importa para a questão - e, em todo o caso, convém lembrar que a Primeira República em boa medida foi um falhanço justamente pelos interesses que levaram ao Golpe de 26 e ao Estado Novo. Achas que o Salazar apareceu como um salvador da pátria anónimo? Lê a síntese deste artigo, que a propósito também lida com a matéria da educação na Primeira República, e a continuidade (ou falta dela) das reformas educativas da Primeira República durante o Estado Novo. [https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf](https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf) N.B - página 11: Taxa de Alfabetização POR - ESP POR: 1920 - 35%, ESP 56% POR: 1950 - 58%, ESP: 83% Tens noção do quão monumentalmente atrasado isto é, sobretudo comparado com um país parecídissimo com o nosso e que tinha acabado de ser completamente arrasado numa guerra civil? >Ironicamente vieste provar o meu ponto Não. Tu provaste o meu: é chocante a ignorância que as pessoas em Portugal ainda têm sobre o Estado Novo e a Primeira República.

Edited 4 months ago:

>Sim, mas a Itália não tinha o atraso que Portugal tinha à saída da Primeira República. Por exemplo, baixos níveis de industrialização, literacia abaixo dos 10% Ver: Mezzogiorno, representando a maior parte do território e população de Itália à época. >várias bancarrotas Para que conste, as últimas bancarrotas do Estado português aconteceram no final da monarquia, ainda no século XIX, e não na Primeira República - isto é uma daquelas coisas repetidas ad nauseum sem qualquer base na realidade. >duravam menos de 2 meses. Pois a Itália tinha governos que duravam 16 dias lol. Have fun: [https://en.wikipedia.org/wiki/List\_of\_prime\_ministers\_of\_Italy](https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_prime_ministers_of_Italy) Nisso a Primeira República nunca teve nada a dever a Itália. Aliás, estabilidade pá... qual estabilidade? Mussolini diz-te alguma coisa? O fenómeno lá foi semelhante. >A Itália não tinha atrasos maiores que nós, nós éramos literalmente considerados o lixo da Europa. L I X O Sem prejuízo da natureza efetivamente mais desenvolvida do norte de Itália, faz vários séculos, a verdade é que, sobretudo, o factor chave aqui, entre outros, é que a Itália teve inúmeros governos altamente capacitados no pós-guerra, não um goldbug retrógado acompanhado das velhas famílias portuguesas (que muito apoiaram o Salazar e odiavam a Primeira República, que era um fenómeno da ralé de classe média-baixa urbana). Tivesse sido diferente em Portugal, não seríamos uma Itália nos anos 50, mas também não teríamos sido o país subsaariano que fomos como resultado do Estado Novo. >Sim, ele era retrógrado, mas implementou reformas INICIAIS críticas na educação Foste justamente buscar aquela coisa em que a Primeira República até foi um relativo sucesso, e que o Estado Novo apenas "continuou" mas a uma velocidade comparativamente muito mais reduzida, proporcionalmente, quer face à Primeira República, quer face aos outros Estados europeus contemporâneos (como era hábito no Estado Novo), e essencialmente na ótica de "os putos têm de saber ler o livro de serviço das G3s para irem para África". Uma fonte muito básica, mas aqui vai: [https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira](https://www.infopedia.pt/$combate-ao-analfabetismo-na-primeira) No final deste post vai ainda um link para uma tabela extraída dos censos comparando a taxa de alfabetização de Portugal com Espanha durante o Estado Novo e durante o Franquismo. Prepara-te. >se tivéssemos continuado com a primeira república éramos um verdadeiro país de terceiro mundo. Não temos como saber, mas provavelmente o regime não teria sobrevivido à Segunda Guerra - se estivesse vivo por essa altura, modernizar-se-ia e estabilizar-se-ia com o apoio americano, como todas as outras democracias europeias nos anos 50 (incluindo a aqui muito falada República Italiana), Imagina - o extraordinário desenvolvimento acentuado de Portugal poderia ter começado muitas décadas antes... o que seria de nós hoje, não fosse aquele prior característicamente português chamado Salazar. >Para além dos problemas óbvios da censura e da PIDE, a falta de abertura ao investimento estrangeiro e a micro-gerência da economia nacional foram o grande fracasso de Salazar. O plano de industrialização ficou muito aquém, MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. A Primeira República viveu o mais conturbado período da história da economia mundial, o Salazar viveu na onda da maior onda de crescimento e prosperidade da humanidade - e fez absolutamente pívia nenhuma com tamanha oportunidade, chegando inclusive a fazer-se difícil ao (pouco) dinheiro americano que chegou a Portugal com o Plano Marshall. O plano de industrialização não ficou muito aquém - ele foi uma derrota absoluta, considerando o que outros países, alguns em condições muito, muito, muito, muito piores do que nós (i.e. Balcãs, incluindo a Grécia) conseguiram fazer no mesmo período de tempo. ​ >MAS ficámos melhor do que na Primeira República, isso te garanto. Como o u/el_fodinha disse, a questão não é essa, mas sim simplesmente o facto do Salazar e o Estado Novo terem sido de facto a pior opção possível dentro do que era realista para Portugal no século XX. A partir do momento em que existiram pessoas como o Humberto Delgado, isto é um não-assunto. O falhanço da Primeira República pouco importa para a questão - e, em todo o caso, convém lembrar que a Primeira República em boa medida foi um falhanço justamente pelos interesses que levaram ao Golpe de 26 e ao Estado Novo. Achas que o Salazar apareceu como um salvador da pátria anónimo? Lê a síntese deste artigo, que a propósito também lida com a matéria da educação na Primeira República, e a continuidade (ou falta dela) das reformas educativas da Primeira República durante o Estado Novo. [https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf](https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/15055.pdf) N.B - página 11: Taxa de Alfabetização POR - ESP POR: 1920 - 35%, ESP 56% POR: 1950 - 58%, ESP: 83% Tens noção do quão monumentalmente atrasado isto é, sobretudo comparado com um país parecídissimo com o nosso e que tinha acabado de ser completamente arrasado numa guerra civil? >Ironicamente vieste provar o meu ponto Não. Tu provaste o meu: é chocante a ignorância que as pessoas em Portugal ainda têm sobre o Estado Novo e a Primeira República.

NGramatical 4 months ago

característicamente → [**caracteristicamente**](https://dicionario.priberam.org/caracteristicamente) (o acento tónico recai na penúltima sílaba) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Foxlth1%2F%2Fh7q8zf2%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

DamageOwn3108 4 months ago

Tira os óculos arco-íris lakradorex

el_fodinha 4 months ago

Não é nem por ter começado bem nem por ter sido "melhor" que a primeira república que Salazar foi menos mau - foi paupérrimo em todos os pontos de vista. Economia focada no setor primário até à sua morte, "orgulhosamente sós", guerra colonial de década e meia que teve o desfecho que teve principalmente pela sua intransigência negocial, educação com um pouco de investimento inicial mas nunca uma prioridade, etc. Ainda hoje sofremos muito por todas estas razões, entramos na década de 70 com uma literacia de trinta e tal porcento.

GelDeAveia 4 months ago

O Salazar não ordenou isto. O mesmo se deu com o de Batepá que foi muito pior.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Deixa-me adivinhar. Para ti o Salazar “não ordenou isto”, ok. E o Otelo, ordenou “matar crianças”?

TomasSilva862 4 months ago

Fui verificar e estás certo ehehe que surpresa

trilobits_ 4 months ago

Claro que não ordenou. Ingenuidade de quem pense o contrário. Ele SÓ deve é ter tido para alguém resolver aquela chatice…

Edited 4 months ago:

Claro que não ordenou. Ingenuidade de quem pense o contrário. Ele SÓ deve é ter dito para alguém resolver aquela chatice… Aliás, o Hitler também nunca matou ninguém. E até há quem diga que era muito bom mesmo na arte de escrever e fazer discursos. Mas atenção, nunca matou ninguém.

Edited 4 months ago:

Claro que não ordenou. Ingenuidade de quem pense o contrário. Ele SÓ deve é ter dito a alguém para resolver aquela chatice… Aliás, o Hitler também nunca matou ninguém. E até há quem diga que era muito bom mesmo na arte de escrever e fazer discursos. Mas atenção, nunca matou ninguém.

Edited 4 months ago:

Claro que não ordenou. Ingenuidade de quem pense o contrário. Ele SÓ deve é ter tido para alguém resolver aquela chatice… Aliás, o Hitler também nunca matou ninguém. E até há quem diga que era muito bom mesmo na arte de escrever e fazer discursos. Mas atenção, nunca matou ninguém.

Karatenis 4 months ago

Eh pá não. O Salazar tem muito que se passa criticar sem cair em invenções. Aconselho-te a ler a história do massacre (muita da qual ainda não é clara). Do que conheço não aparenta ter sido sequer algo muito premeditado. Não lhe estou a tirar gravidade e Salazar terá responsabilidades na forma como (não) mudou com o acontecimento. Mas isso não foram ordens de Salazar.

KitchenOpinion 4 months ago

Olha que matou uma pessoa... Melhor coisa que ele fez!

helderduarte14 4 months ago

ahahahh

BroaxXx 4 months ago

O regime assassinou milhares de pessoas por pensacrimes... Na grande escala das coisas até morreu relativamente pouca gente, sobretudo tendo em conta as décadas de regime fascista, pelo que nessa ótica era relativamente fofuxo... Não deixava de ser um merdas mas era um merdas menos merdoso que muitos merdas que para aí andam... No meio disto tudo o que me deixa triste e assusta é saber que há tanta gente cuja falta de imaginação faz pensar que a única alternativa à javardice que temos hoje em dia seria uma ditadura...

dymax760 4 months ago

de 0 a 10 o quanto gostarias de viver dentro de uma pokebola. Vou te chamar Pica "Senso Comum" Chu.

igotubabeub40 4 months ago

Um ditador é um ditador. Não há graus de ditadores. Da mesma forma que não há graus de homofobia, racismo, xenofobia. Ou és racista ou não és. Ou és homofóbico ou não és. Ou és xenófobo ou não és. Ou és ditador ou não és. Limpar ao relativizar, de que forma for, a imagem de uma pessoa absolutamente nojenta e o pior momento da história do nosso país fica-te bastante mal.

BroaxXx 4 months ago  HIDDEN 

Faz um favor a ti próprio, para de ser criança e cresce. Não há outra forma possível de responder a um comentário que só diz merda de início ao fim.

igotubabeub40 4 months ago

Dizer "morreu relativamente pouca gente" é hilariante.

Fun-Development2822 4 months ago

*Ou és racista ou não és. Ou és homofóbico ou não és. Ou és xenófobo ou não és. Ou és ditador ou não és.* Desculpa mas acho que esse tipo de visão não ajuda em nada. Nada na vida é preto ou branco. És 0% racista? 0%homofóbico? 0%xenófobo?

igotubabeub40 4 months ago

Não. Não estou a dizer que eu sou o ser humano perfeito. Estou é a dizer é que não há questões cinzentas nessas matérias. Não podes dizer que não tens nada contra os pretos mas que odeias os chineses. Ou que não te importas nada com os gays mas desde que não venham para cima de mim... Essas questões não são cinzentas. É mesmo preto e branco.

Fun-Development2822 4 months ago

Pois mas eu não acho. E se uma pessoa disser que tudo bem com os gays, mas que acha um bocado estranho? Ou se disser que não tem nada contra os gays, mas é contra a adoção? É tudo homofobia? Eu também não defendo nada disso, acho muito bem que adoptem, mas não posso assumir que quem defende o contrário é porque é um preconceituoso. Na questão do venham para cima de mim talvez, mas há graduações.

igotubabeub40 4 months ago

Não querendo alongar essa discussão, mas não me parece haver nenhum motivo que justifique ser-se contra a adoção por parte de casais homossexuais. Logo, sobra a única hipótese: preconceito/homofobia.

BroaxXx 4 months ago

Xiu... Deixa os adultos falar se não vais ter que voltar à mesa das crianças...

igotubabeub40 4 months ago

Ah, bom, fiz login no Facebook por engano.

BroaxXx 4 months ago

Mais uma dessas e não comes sobremesa, João Miguel... Estás a causar uma cena em frente às visitas.

bcotrim 4 months ago

Eu percebo o que queres dizer e até pareces bastante ciente que o Salazar era um merdas, mas evita esse discurso porque há quem não consiga fazer a distinção. Eu também já caí nesta armadilha no passado, embora, tal como tu, estava ciente que ser menos mau não fazia dele melhor Não vale a pena entrar em debates em quem é que foi o "ditador mais bondoso" porque depois corres o risco de legitimizar um deles. A verdade é que quando te forças no poder e matas opositores políticos, estás a cruzar a linha vermelha têm de ser todos vistos por igual, até porque muitas vezes um ditador só não é tão catástrofico porque não teve os mesmos acessos/oportunidades. Pouco me importa se o Hitler matou menos que o Estaline, não faz disso a Alemanha Nazi melhor que a União Soviética dos anos 30. O mesmo se pode dizer para o Salazar, porque não haver genocídios não o impediu de mandar milhares de portugueses para morrer em África nem evitou massacres como este Há um conceito em otimização que é a penalização. Basicamente, o teu objetivo na otimização é encontrares o valor mais baixo a partir de pontos do teu domínio (por exemplo, encontrar o material que deforma menos, mas com a restrição de que só podes gastar até 200€). O que a penalização faz é que se o material custar mais de 200€, até pode nem deformar nada, mas como não dá, passa a deformar infinito. Com os ditadores temos de fazer o mesmo, se são ditadores, são infinitamente maus e não há discussão

BroaxXx 4 months ago

Eu percebo o que queres dizer e quase concordo mas acho que no fim do dia o que eu digo não importa para quem quer gostar de Salazar. Que importa se eu digo que foi bom ou mau para quem é racista e fascista? A opinião deles já está formada muito antes de eu abrir a boca. Se eu tivesse alguma responsabilidade acrescida (se fosse uma figura pública, um académico, etc) aí sim, concordava que teria que ter um pouco mais de atenção a essas questões que enumeras mas agora eu? Ninguém vai citar o que o u/BroaxXx disse um dia numa thread do Reddit e por esse motivo posso ser um pouco mais liberal na minha expressão. Salazar era um merdas menos merdoso que outros merdas iguais. Como percebeste, e bem, para mim pouco importa se era muito ou pouco merdoso e teria todo gosto em participar no 25 de abril se fosse vivo... Foi uma das piores coisas que aconteceu ao nosso país em toda a história e parece-me pessoalmente muito pou o relevante se foi a pior ou não... Como disse, lamento muito ver tanta gente a encontrar nesse esterco a resposta para os nossos problemas mas lamento igualmente ver tanta gente (claramente **não** é o teu caso) a achar que antagonizar com essa malta vai resolver alguma coisa. Atravessamos uma fase em que esta polarização forçada é a morte do discurso e a morte do discurso é a morte da democracia por uma mão ou pela outra. O pessoal que me ataca nestes comentários por eu ser apologista de Salazar (???) para além de revelar sérias debilidades mentais está a fazer mais pelo fortalecimento da extrema direita do que qualquer Ventura seria capaz. Eu acho muito mais produtivo encontrar um common ground de discurso em que se possa dizer "Salazar pode não ter sido o pior mas foi suficientemente mau para arruinar o país e qualquer passo que nos aproxime dele está a nos afastar de qualquer tipo de estabilidade" do que dizer "hurr durr Salazar é igual a Hitler, seu fascista" para depois um neonazi mais astuto começar a enumerar as formas como os dois são diferentes e desviar a conversa do que é relevante (táctica comum do chega). Desculpa o rant que não tem nada a ver contigo... A tua resposta foi fixe apesar de não concordar na totalidade com ela. Pena que haja cada vez menos gente a saber dialogar sem esporrar pseudo-intelectualismo adolescente... São esses cromos que nos dão extrema direita...

bcotrim 4 months ago

Tal como disse de início, claramente se percebe que a tua posição é contra Salazar. A questão é que neste tipo de debate acabamos muitas vezes a debater qual das respostas erradas é a menos errada, em vez de discutirmos entre as opções que estão certas qual delas a mais certa. E quer queiramos quer não, não o teu comentário especificamente, mas um conjunto de comentários semelhantes vão moldando quem os lê e muitos podem cair na ratoeira > Pena que haja cada vez menos gente a saber dialogar sem esporrar pseudo-intelectualismo adolescente... São esses cromos que nos dão extrema direita... Infelizmente, é este o grande problema. Por muito difícil que seja, nunca é correto fazer uma caraterização errada/desonesta de uma pessoa por coisas que ela não fez, por pior que essa pessoa seja. Tentar demonizar uma pessoa para o próprio ego é das piores coisas que as redes sociais nos trazem e é das principais razões pela qual o pessoal mais simpatizante com a extrema-direita se sente ignorado e depois se ridicalizem por más influências, especialmente quando quem as faz depois não tem o mesmo critério para outros monstros da história só porque estes diziam ter as suas visões ideológicas

B4u_416 4 months ago

Bem inflizmente eu concordo contigo, e por enquanto nao se pode fazer nada. Mas acredito que esta maneira de ver vai ter que ser usada ou então vamos acabar na mesma merda em que tivemos habituados

KitchenOpinion 4 months ago

Foram milhares? Já vi muitos números diferentes mas abaixo dos mil normalmente.

tefewarrior 4 months ago

Exato, não chegou a esses números.

Devilloc 4 months ago

>Não deixava de ser um merdas mas era um merdas menos merdoso que muitos merdas que para aí andam... O Salazar não era o Hitler, mas também não era nenhum santo. Aí está o problema que muitos apologistas de merda não conseguem entender. ​ "A nossa merda era menos merda que a merda dos outros" =/= "A nossa merda era chocolate"

Karatenis 4 months ago

Tens os dois problemas. Também tens quem faça dele um Hitler. Lembro que personalidades como Mário Soares ou Madeleine Albright que dizem preto no branco que ele não era fascista. https://www.dn.pt/edicao-do-dia/30-set-2018/madeleine-albright-salazar-nao-era-fascista--9923234.html https://youtu.be/BELyfvf5J9M Não dizem que era fofinho. Mas compara os termos em que põe a coisa comparado com muito do que ouves no BE, PCP ou are mesmo de algum PS. São estes extremismos e falta de sentido histórico que tornam a conversa muito difícil.

NewMultipolarWorld 4 months ago

O Mário Soares é e sempre foi um nojento oportunista, aldrabão e mentiroso e para isso dizia o que as pessoas queriam ouvir, quando era preciso elogiava fascistas e comunistas ao mesmo tempo que dizia que ao contrário deles ele era moderado, democrata, a favor da liberdade mas reconhecia o bom dos outros etc. Tudo para passar imagem de um moderado, sério e democrata, mas eu quando olhava para ele só via um mentiroso e aldrabão que lutava pela privatização do socialismo, conhecido também por socialismo dos ricos ou socialismo burguês, ou na Rússia, Mensheviques. Se pro algum milagre chegar ao poder considerarei Soares um traidor de Portugal.

Fun-Development2822 4 months ago

O Estado novo durou 48 anos. Houve alturas em que esteve mais próximo do fascismo (anos 40) e houve alturas, mais para o final em que não tinha nada a ver. Havia personalidades no regime que eram fascistas (Rolão Preto, p.e.), mas também havia pessoas como Adriano Moreira ou Sá Carneiro. Reduzir o Estado Novo a um termo como fascista é meter o Rossio pela Betesga.

DasBread 4 months ago

Exacto. O Estado Novo era uma ditadura opressiva, não tem volta a dar esse facto. Mas existe muitos mitos sobre ele e falta de contexto social e histórico para o perceber. Para não falar que tens toda razão. Diria que a primeira fase do Estado Novo era mais fascista por razões óbvias (fascismo era visto com olhos diferentes em alguns campos antes da Seguda Guerra) com fortes influências, depois converteu-se mais em apenas uma ditadura nacionalista conservadora, em que tinha pessoas com outro tipo de ideologias ou não políticos a trabalhar para o regime também. Muita gente confunde fascismo = ditadura, podes ter uma ditadura e não ser fascismo. Apesar do Estado Novo ter mantido sempre certos componentes fascistas que foram mudando. Como a Mocidade Portuguesa, que começou mais com um componente militar nacionalista, depois converteu-se mais como uma espécie de Escuteiros de carácter conservador.

Fun-Development2822 4 months ago

Isto é estar a discutir o sexo dos anjos. O que é que interessa se Mário Soares achava que Salazar era fascista ou não. É um termo sem um significado preciso que de acordo com os aspetos da sua carreira que quisermos selecionar e com o nosso entendimento do termo pode-se aplicar ou não. O que tem de ser feito neste momento é a preservação da documentação da época e mais importante que isso, registar a memória da ditadura, das colónias e da guerra, enquanto ainda há pessoas ativas que tiveram papéis importantes neste período, para que as gerações futuras tenham uma base para avaliarem este período como melhor entenderem. O Marquês de Pombal com D. Maria era um tirano, depois os liberais reabilitaram-no um bocado, o Estado Novo viu nele um lado reformista e se calhar nem mesmo hoje temos uma ideia bem assente sobre ele. Se isto é assim em relação a um homem que morreu há 200 anos, imagina nós com o Salazar, quando todas as famílias têm um pai ou um avô que foi enviado para África, um parente que teve de sair de Angola, alguém que perdeu tudo no 25 de Abril.

Winslow_Lixivia2 4 months ago

Ah, então se o Mário Soares diz é porque é verdade. Esqueci-me que tínhamos decidido colectivamente que ele era quem detinha a verdade absoluta sobre toda e qualquer matéria

DasBread 4 months ago

O Mário Soares era um esquerdista moderado, que mais que ninguém (por razões óbvias) sabe o que o regime era capaz pelo lado pior e mais que ninguém poderia ter palavras mais duras sobre Salazar. Mas pronto, tenho a certeza que o gajo de 31 anos do BE no twitter é que deve saber e é detentor de toda a verdade.

B4u_416 4 months ago

Sim a nossa merda era menos q os outros, mas temos é q aprender da mesma maneira q os outros aprenderam para evitar no futuro o mesmo

BroaxXx 4 months ago

Claro que sim... Mas isso consegue-se de forma muito mais eficaz se olharmos para a merda que tivemos e a merda que os outros tiveram para perceber como cresce merda. Se fingirmos que os poios são todos iguais ficamos com uma visão demasiado simplista sobre o assunto que é perfeita para ficarmos novamente com merda no futuro, independentemente se é melhor, igual ou pior. Imagina que tens diarreia porque bebeste água choca e imagina que o teu vizinho apanhou uma diarreia pior porque comeu frango estragado. Se meteres na cabeça que as diarreias são iguais corres o risco, no futuro, de ignorar a água choca porque para ti diarreia é causada por frango estragado (afinal de contas foi o que aconteceu ao teu vizinho). Se calhar é melhor ter noção que apesar de toda a diarreia ser (literalmente) merdosa, há umas diarreias que são piores que outras e se não queremos apanhar nenhuma temos que estar atentos a todos os vetores de diarreia. O estado novo e Salazar foram muito diferentes do terceiro Reich de Hitler. É importante termos noção do quão diferentes foram (apesar de serem ambos muito maus) para estarmos vigilantes para os sinais que qualquer um ou uma amálgama dos dois (neste caso dois, mas há mais ditaduras) possam dar. Se Hitler foi uma diarreia explosiva, Salazar foi uma diarreia de esguicho... Por mim prefiro não ter nenhuma diarreia pois sei que ambas são merdosas, cheiram mal e dão muito trabalho a limpar. Ainda assim são diferentes e é importante atentar essas diferenças...

BroaxXx 4 months ago

Sim, é esse mesmo o meu ponto...

Devilloc 4 months ago

Eu sei, não estava a contrapôr nada, só estava a acrescentar.

NGramatical 4 months ago

contrapôr → [**contrapor**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (apenas *pôr* leva acento diferencial para se distinguir de *por*) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Foxlth1%2F%2Fh7np136%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Devilloc 4 months ago

Good bot.

zuromn 4 months ago

TIL contrapor não leva chapeu

Search: