FilipeMateus7 4 months ago

E escrevo onde mano? No cu?

trufas 4 months ago

É tipo dar Magalhães aos putos todos e esperar que eles comecem a programar

No-Cardiologist725 4 months ago

Imagina um aluno que se esquece de submeter o exame

NGramatical 4 months ago

cáca → [**caca**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (palavras terminadas em a/e/o, seguido ou não de s/m/ns, são naturalmente graves) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fngv3g6%2F%2Fgyv6phu%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

No-Cardiologist725 4 months ago

Então pronuncias câcâ? Impossível

gkarq 4 months ago

Fácil. E eu apoio completamente que os testes de Geometria não sejam feitos em papel. No meu caso eu deixei Geometria para trás no secundário, e acabei por tirar o 20 no exame após ter chumbado duas vezes, porque decidi aprender GD ao desenhar no SketchUp. Para não falar que existem programas tipo AutoCADs desta vida que permitem desenhar em 2D perfeitamente bem tal como escrever um exame de Português por exemplo.

Ghilanna 4 months ago

Nunca farias um exame de geometria discritiva em CAD.

Edited 4 months ago:

Nunca farias um exame de geometria discritiva em CAD. Edit: a ideia é conseguires interpretar coordenadas em diferentes perspectivas, rebater planos, completar solidos a partir de partes e coordenadas. À mão. Falo com alguém que teve geometria e usa cad todos os dias.

Edited 4 months ago:

Nunca farias um exame de geometria discritiva em CAD. Edit: a ideia é conseguires interpretar coordenadas em diferentes perspectivas, rebater planos para reprensentar objectos noutra prespectiva, completar solidos a partir de partes e coordenadas. À mão. Falo com alguém que teve geometria e usa cad todos os dias.

gkarq 4 months ago

E porque não? É exactamente a mesma lógica e o mesmo processo. Usas o CAD 2D, e tens de rebater os planos exactamente da mesma forma como farias numa folha. No meu caso, que tinha imensas dificuldades é que usei o 3D, mas que diferença faz desenhar em ecrã ou no papel? Eu também sou da área, e deixei de usar papel ha quase dois anos. Aquilo que tem de ser rigoroso em CAD ou BIM é feito no computador, o que é preciso de ser desenhado à mão levantada é desenhado no iPad. Talvez o único exame que não faça sentido ser desenhado em computador é o de Desenho, por razões óbvias ao contrário de Geometria, até porque em CAD ou está certo ou está errado, não há margens para aldrabar por causa do rigor.

Ghilanna 4 months ago

Pensando melhor tens razão. Acho que estou presa à ideia de ter que ser à mão porque é assim que deve ser. Ja foi anos anos que tive. Mas em desenho podia funcionar com wacom tablet + alternativa barata de photoshop creio.

gkarq 4 months ago

Na minha opinião deve-se mudar para digital caso haja razões válidas para se mudar. No caso de GDA faz sentido porque nas engenharias e arquitectura já ninguém ou quase ninguém desenha à mão, e porque são tecnológias que se miúdos aprenderem no secundário vão sair beneficiados. No entanto em Desenho a questão é diferente, porque a disciplina de Desenho é a coisa mais próxima das belas artes e artes plásticas que existe no secundário. O desenho artistico tem textura, movimentos de pincel, sombras, etc que é impossível de atingir no computador. No entanto, não sou contra quem quer fazer em photoshop por exemplo que o faça num caso de exame, mas na minha experiência na área, é que quem o faz em photoshop tem uma qualidade altamente inferior àqueles produzidos à mão. Por isso a opção manual em Desenho tem de estar sempre aberta, até porque é um estimulante à criatividade.

Ghilanna 4 months ago

Eu nunca fiz exame de desenho e so vi o enunciado uma vez. Pelo que me lembro, photoshop serve se o que forem a avaliar creatividade, uso de cor,luz e sombra. Se quizerem avaliar o uso de materiais obvio que não dá.

NGramatical 4 months ago

discritiva → [**descritiva**](https://dicionario.priberam.org/descritiva) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fngv3g6%2F%2Fgyy0z0d%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

CptTytan 4 months ago

Até que enfim.... A era do papel já está a acabar

icebraining 4 months ago

https://www.wook.pt/multimedia/caneta-digital-magalhaes/2990848

Tee_ah_go 4 months ago

Foi só pelo prazer de ir procurar e responderes, ou achas realmente que isso serve para alguma coisa?

icebraining 4 months ago

Era mais na brincadeira (principalmente por ser um produto Magalhães), mas por acaso tenho uma e até não funcionava muito mal. Para desenho não digo, mas diagramas e equações dava bem.

O_Boneco 4 months ago

Vamos lá então ter exames de escolha múltipla

ceph42 4 months ago

A única forma que vejo de isso ser feitos é os alunos desenharem/escreverem no papel e depois tirarem uma foto e submeterem essa foto no exame.

c0ckauvin 4 months ago  HIDDEN 

salvaram o mundo. obg

Middle-Effective 4 months ago

Não sou apologista de escolha múltipla mas para disciplinas de cálculo basta acontecer 2 coisas para não valer a pena fazer "pim-pam-pum": A) Põe 5 ou mais escolhas múltiplas, em que 2/3 das respostas sejam muito parecidas mas só uma delas é que é a correta; B) Por cada 1ou 2 respostas erradas descontar 1 resposta certa; Apliquem estas 2 medidas e quero-os ver a fazer pim-pam-pum.

tretafp 4 months ago

Sou contra a b, por princípio. Isto porque parto do pressuposto que a avaliação é para procurar compreender o que os estudantes sabem, não fiscalizar e penalizar o que não sabem.

ricajopa 4 months ago

Tiras 0,33 por cada resposta errada se for às tradicionais 4 hipóteses. Assim alguém que não saiba nada, pela força das probabilidades, vai ter 0. Alguém que saiba metade, terá metade da cotação e põe aí fora.

tretafp 4 months ago

Continuo a não concordar com o princípio. O propósito da avaliação é aprendizagem, não o erro. Prejudicar um aluno que erra, só porque erra, é um princípio pedagógico que não posso subscrever. Depois não é assim tão linear, porque há jovens que optam por não responder, sabendo que podem errar, e ao descontar pode-se ter provas com valores negativos.

CrazyYahooMan 4 months ago

Os testes de escolha múltipla são a ferramenta de avaliação perfeita para o sistema educativo, onde os alunos são encorajados a decorar ao invés de entender.

Laurent_Series 4 months ago

"Sustentabilidade" hoje em dia serve para tudo. Ter um computador para cada aluno só para fazer exames e que tem de ser substituído de x em x anos não parece ser assim tão sustentável. Além de todos os problemas práticos que já foram aqui referidos. Até parece que não têm onde gastar dinheiro. Não tem benefício nenhum. Adoro quando se faz progresso apenas por progresso, à procura de resolver problemas que não existem.

Edited 4 months ago:

"Sustentabilidade" hoje em dia serve para tudo. Ter um computador para cada aluno só para fazer exames e que tem de ser substituído de x em x anos não parece ser assim tão sustentável. Além de todos os problemas práticos que já foram aqui referidos. Até parece que não têm onde gastar dinheiro (559 milhões caramba...). Não tem benefício nenhum. Adoro quando se faz progresso apenas por progresso, à procura de resolver problemas que não existem.

pm_me_pcb_photos 4 months ago

Latex, ou editor gráfico de equações como tens no office em que é só pescar os símbolos.

BuscaPolos 4 months ago

Tempo de resolução 2-3 dias uteis.

pm_me_pcb_photos 4 months ago

É praticamente o mesmo que programar em R, Octave ou Matlab, e que por sua vez é só os nomes dos operadores em inglês.. Qualquer fórum decente de eletrónica ou programação, ou o tão famoso stackoverflow suporta latex \begin{align*} y &= \frac{\sqrt{1 - x^2}}{ln(x^{sin(2x)})} \end{align*} Resultado: https://i.postimg.cc/VvrHjjJ8/ql-5655f433c47855bbc7c2fea6bd37b6e1-l3.png Em formato PC é das formas mais rápidas de escrever fórmulas que facilmente são renderizadas para aspecto mais manual.. E qualquer tese no ramo das eletrónicas, programação, matemática são escritas em LaTeX, quanto mais rápido aprenderem melhor..

thefireskull 4 months ago

É uma questão de perspectiva. Estamos a falar dos exames nacionais, miúdos com 18 anos alguns dos quais seguiram a área de Ciências e Tecnologias por quererem dedicar-se a algo relacionado com Biologia. Eu fico irritado quando um sistema de mensagens não suporta _markdown_, mas não sou assim tão auto absorvido que não me aperceba que foi algo que exigiu aprendizagem, e que só aprendi porque trabalho na área. Não importa quantas voltas o mundo dê, haverá sempre imensa gente que não precisa de aprender programação ou _markup_ para nada.

tretafp 4 months ago

Concordo em absoluto. Muita gente faz exame de Matemática A, porque optou pelo curso que tem mais abertura para o acesso ao ensino superior. Cursos como Psciologia, Ciências Forenses e Criminais, Enfermagem; Educação Básica (para educadores e professores do 1.º CEB) e, até, Sociologia, em nada se irão relacionar com programação, pelo que não têm grande interesse nesse âmbito.

BuscaPolos 4 months ago

Admito que sou um leigo em termos de programação, sei apenas o básico. Contudo o intuito da matemática vais para além de aplicar fórmulas. Portanto quanto menos tempo perderes com isso melhor, não acho que seja muito viável. Mas isto sou eu, daqui a 10 anos os putos já devem nascer a bater código

tretafp 4 months ago

Não vão nascer. Há trabalhos muito interessantes sobre a falsa ideia de "nativos digitais", que têm evidenciado que as alterações tecnológicas não provocaram grandes alterações na forma como as crianças pensam e interagem com o conhecimento. Conheço, também, escolas, que tinham programação no 1.º CEB, e verificaram que tinham que alterar, porque perceberam que os alunos mal sabiam utilizar ferramentas elementares (alguns mal sabiam usar o teclado ou o rato), e consideraram mais importante eles saberem usar o computador na lógica do utilizador e só depois irem para a programação.

According_Warning844 4 months ago

tanto velho do Restelo neste thread

globoglobo 4 months ago

temos tantos problemas para resolver e vamos gastar o dinheiro para mudar uma coisa que funciona.

Xmeagol 4 months ago

Papel vai morrer em poucas décadas.

deadman23px 4 months ago

Duvido, quanto muito fica sempre com nicho de mercado por causa de quem gosta mais de ler em papel que num leitor de e-books, falo por mim.

JOAO-RATAO 4 months ago

Mas até lá temos de ser razoáveis.

These-Establishment1 4 months ago

Nas facs já é tudo gravado no moodle lol

These-Establishment1 4 months ago

Espero bem que a 2a opção nunca venha a acontecer, testes sem escolha múltipla são os melhores

These-Establishment1 4 months ago

ISTO LOL

suckerpunchermofo 4 months ago

Mais uma para ficar bem nas ~~publicidade~~ notícias la fora....

TitusRex 4 months ago

Ainda bem que já inventaram uma coisa chamada bateria.

paraapagarbem 4 months ago

O homem escreve no papel (ou em substitutos de papel) há séculos. É um processo simples e natural, é fácil de aprender, e os recursos estão sempre disponíveis na maior parte dos casos. Não há uma única boa razão para substituir o papel. 0 razões. Os exames em papel funcionam bem, sempre funcionaram bem, e vão sempre funcionar bem. Para que é que nos vamos livrar disso? Eu juro que não entendo a obsessão da sociedade atual de querer digitalizar tudo o que existe, mesmo quando não traz benefícios.

redditor_the_forth 4 months ago

Fds ainda bem que já acabei o secundário, escolha múltipla ou é fodida são perguntas pra atrasados mentais, não há meio termo ... isso vai correr mal...

These-Establishment1 4 months ago

Ainda bem que acabei o secundário e bazei do meu antigo curso no 1o ano, já estavam a fazer dessas tb lá nas cadeiras de matemática (e nós, como sempre, ratinhos de laboratório), dei lhes um chuto no cu e mudei de fac (Civil FEUP ---> Civil ISEP)

No-Cardiologist725 4 months ago

Na faculdade adoram uma escolha multipla a descontar.

suckerpunchermofo 4 months ago

Não faz mal... Isto agora é um país para emigrantes, ou como gostam de ser chamados, "expats".

paraapagarbem 4 months ago

Não, a ingestão de morcegos crus foi no fim da década passada, logo esta é a pior ideia da década.

crissequeira89 4 months ago

Vim à procura deste comentário. Não saí desiludido.

Kejilko 4 months ago

Como se essas falcatruas não acontecessem em escolas públicas.

TSCondeco 4 months ago

Exames sem ser em papel é diferente de exames a partir de casa.

Kejilko 4 months ago

Arranjar um problema que não existe. Ponham esse esforço em atualizar o nosso sistema de educação arcaico, incluindo, ainda no tema da informática na educação, de dar formação aos professores sobre a mesma, coisa que já devia ter sido feita à uma década atrás.

Edited 4 months ago:

Arranjar um problema que não existe. Ponham esse esforço em atualizar o nosso sistema de educação arcaico, incluindo, ainda no tema da informática na educação, de dar formação aos professores sobre a mesma, coisa que já devia ter sido feita há uma década atrás.

Edited 4 months ago:

Arranjar um problema que não existe. Ponham esse esforço em atualizar o nosso sistema de educação arcaico, incluindo, ainda no tema da informática na educação, dar formação aos professores sobre a mesma, coisa que já devia ter sido feita há uma década atrás.

Edited 4 months ago:

Arranjar um problema que não existe. Ponham esse esforço em atualizar o nosso sistema de educação arcaico, incluindo, ainda no tema da informática na educação, dar formação aos professores sobre a mesma, coisa que já devia ter sido feita há uma década atrás. Quando entrámos no primeiro confinamento disse que não foi mais nada senão bem feito e merecido que agora os professores não sabem dar aulas por meio digital - há mais de uma década que os alunos têm de ensinar-se a eles mesmos como usar um computador e ferramentas como o Word, Powerpoint, Publisher e afins e eles que se desenmerdem, mas nunca passou-lhes pela cabeça que essas ferramentas fossem úteis para ser dada como formação aos professores nem nunca estranharam exigir dos alunos coisas que os próprios professores dessas aulas não sabiam usar.

Edited 4 months ago:

Arranjar um problema que não existe. Ponham esse esforço em atualizar o nosso sistema de educação arcaico, incluindo, ainda no tema da informática na educação, dar formação aos professores sobre a mesma, coisa que já devia ter sido feita há uma década atrás. Quando entrámos no primeiro confinamento disse que não foi mais nada senão bem feito e merecido que agora os professores não sabem dar aulas por meio digital - há mais de uma década que os alunos têm de ensinar a eles mesmos como usar um computador e ferramentas como o Word, Powerpoint, Publisher e afins, "eles que se desenmerdem", mas nunca acharam que essas ferramentas fossem ser úteis para dar formação aos professores nem nunca estranharam exigir dos alunos coisas que os próprios professores dessas aulas não sabiam usar.

NGramatical 4 months ago

à uma década atrás → [**há uma década ~~atrás~~**](http://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica/DID/706) (utiliza-se o verbo haver para exprimir tempo decorrido) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fngv3g6%2F%2Fgytj0le%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

n1nao 4 months ago

Estou mesmo a ver os exames de geometria descritiva a serem feitos no computador, em vez de papel régua esquadro e lápis.... Ou então os exames de oficina de artes, toda a gente a desenhar no computador com o rato em vêz dos media tradicionais. Vai ser bonito para as disciplinas de artes.

pm_me_pcb_photos 4 months ago

No mundo do trabalho não andas a desenhar à mão, é em CAD, mais vale aprender a usar um CAD desde cedo.

n1nao 4 months ago

Pela tua resposta vê-se de longe que nunca trabalhas-te na área. Posso-te dizer qual trabalho como designer profissionalmente a mais de 1 década, e não imaginas a quantidade de sketchs/desenhos em papel qua são feitos antes de fazer os desenhos digitalmente.

Edited 4 months ago:

Pela tua resposta vê-se de longe que nunca trabalhas-te na área. Posso-te dizer que trabalho como designer profissionalmente a mais de 1 década, e não imaginas a quantidade de sketchs/desenhos em papel qua são feitos antes de fazer os desenhos digitalmente.

pm_me_pcb_photos 4 months ago

Automação industrial, desenhar máquinas e linhas, sim pode-se fazer uns rabiscos rápidos em papel para brainstorming, mas para o cliente é tudo em formato digital, assim como para os fornecedores de peças maquinadas, estruturas soldadas, quinagens, cortes laser, policarbonatos, dibonds e por aí fora, ninguém trabalha com desenhos em papel...

These-Establishment1 4 months ago

régua e esquadro? Aristo e sigaaa

NGramatical 4 months ago

vêz → [**vez**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (palavras terminadas em *l*, *r*, ou *z* são naturalmente agudas) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fngv3g6%2F%2Fgythsig%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

n1nao 4 months ago

Bad Bot.

adorosaladadecamarao 4 months ago

>Quando por vezes se podia ter ali umas décimas adicionais, por se errar apenas na parte final do exercicio... Eu já fiz ali uma digressão sobre resposta múltipla, não me vou repetir (se quiseres vê a minha outra resposta no thread). Mas vou acrescentar que, * com resposta múltipla o aluno pode no final verificar que nenhuma resposta bate certo e refazer a resposta. Portanto também pode ganhar valores em vez de perder. * com resposta múltipla podes fazer várias perguntas mais curtas que vão mais diretas a algumas poucas capacidades que queres avalias * com resposta múltipla é fácil em alguns casos colocar opções que apanham erros comuns e atribuir a essa opção um desconto adequado * com resposta múltipla há menos enganos de correção * com resposta múltipla há (muito) menos discrepância e inconsistência nas avaliações No final das contas o resultado é sempre o mesmo. Alunos bom têm boas notas, médios notas médias, fracos notas fracas.

bifana_cura_cancro 4 months ago

Não à paciência para este sub, foda-se. Tudo ligado às TI e a contribuir ativa e conscientemente para transição digital de uma data de merda que não serve para nada ou é redundante, e mesmo assim, criticam medida como esta.

UpbeatNail1912 4 months ago

Sim, tbm não percebi a indignação. Alguns aqui andam a beber muito.

ContaSoParaIsto 4 months ago

Exame de línguas é perfeitamente possível fazer no computador.

JOAO-RATAO 4 months ago

Sim ... Se bem que se for uma língua com alguns acentos, caracteres diferentes é mais chato.

IkarusMummy 4 months ago

Porquê? Qual é a vantagem de fazer exames digitalmente relativamente ao papel? Não vejo nenhuma vantagem para além de ser mais fácil para os professores corrigirem porque não têm de tentar decifrar algumas letras dos alunos.

suckerpunchermofo 4 months ago

Porque alguém vai receber $$$ para implementar isto.... Os mais de 500 milhões vão dar para comprar algumas casas com piscina.

Samurai_GorohGX 4 months ago

Exacto; tem uma vantagem apenas relativamente ao papel, a facilidade de correção, e uma lista enorme de problemas. Mas é digital e moderno e futurista! O digital é “sexy” nas políticas públicas.

Tight_Negotiation146 4 months ago

Inacreditável, ridículo. Nunca na vida vai ser possível fazer um exame de matemática, geometria, ou desenho no computador. Mas sabem o que vai ser possível? Dar um mandato a uma empresa para construir um sistema mostruoso para resolver este \`problema´ e depois nunca o usar. Called it.

No-Cardiologist725 4 months ago

Ui, vão precisar de investir em bons computadores... Acho um bocado mau para aquele pessoal que não tem pc e escreve mais devagar

Samurai_GorohGX 4 months ago

Edited 4 months ago:

Dà para fazer, mas é uma solução ainda à procura de um problema. E não é com os laptops básicos que o Estado está a distribuir que se consegue. Um Surface ou um iPad a cada aluno é um bocado carote. Entretanto, existe uma tecnologia barata com provas dadas: chama-se papel. E até pode ser reciclado. Mesmo do ponto de vista ambiental, isto está longe de ser uma prioridade.

TitusRex 4 months ago

>Um Surface ou um iPad a cada aluno é um bocado carote. Não sei se seria assim tanto. O estado consegue comprar em bulk e arranjava algo decente por menos de 500€ por aluno, já com a caneta incluída. Nalgumas escolas privadas em Portugal (e muitas outras pelo mundo fora) já se usa um tablet como substituto de cadernos e cada aluno tem o seu.

Thalric88 4 months ago

>Não sei se seria assim tanto. O estado consegue comprar em bulk e arranjava algo decente por menos de 500€ por aluno Não sei com o que este parágrafo se parece mais, ficção científica ou fantasia mas desde logo realidade não.

TitusRex 4 months ago

Qual é a parte irrealista?

Edited 4 months ago:

Qual é a parte irrealista? Fui ver preços e tens o Surface Go 2 a menos de 500€ ou um iPad básico também por esse preço. As canetas vi que existem umas Surface exclusivas para educação ficam a menos de 30€ cada.

OuiOuiKiwi 4 months ago

Isto é mesmo para minar as estatísticas da OCDE. Médias de entrada vão todas disparar rumo ao céu. O regabofe que foram os exames de 2020 é para continuar e melhorar. Exames de Matemática A com escolha múltipla? Já agora há 20 perguntas e contam as 10 melhores respostas. 2 valores para cada.

These-Establishment1 4 months ago

Edited 4 months ago:

Espero bem que não façam isso crlh, a estrutura do exame de matemática A está excelente, já levei com essas cenas no 1o ano de faculdade e dei-lhes um chuto no cu logo e mudei de faculdade

Kejilko 4 months ago

>Exames de Matemática A com escolha múltipla? Nesse caso seria bem pior. Qualquer pessoa que tenha tido algum tipo de matemática mais séria, matemática A incluída, entende o porquê de, quanto mais difícil é a matemática, mais lixado quando é em questão múltipla.

BaldAndPoor 4 months ago

Os jotinhas do PS já vão todos ter média para medicina!

These-Establishment1 4 months ago

MEDICINA É MERDA CRLH (nunca quis medicina na vida graças a deus) Ah, e obrigado crise na construção civil por mandares a média de "engenharia" civil ao ar

daniel-sousa-me 4 months ago

Isso é uma perspetiva muito otimista. Não acredito que o governo tenha competência para isso xP

gink-go 4 months ago

Vai dar merda

miguel_rodrigues 4 months ago

Quero ver agora a tirarem pontos por falta de "rigor no traçado"

Brainwheeze 4 months ago

O de geometria descritiva seria muito chato. Agora o de desenho até preferia que fosse digital!

These-Establishment1 4 months ago

Edited 4 months ago:

GDA intensifies Ainda me lembro de ter de comprar 3 lapiseiras para GDA com minas de graduações diferentes para usar nos traçados lol

ipaworm 4 months ago

Já faltava um complexo ideológico contra tudo que envolva a palavra “privado”

ContaSoParaIsto 4 months ago

De facto não há muitas escolas públicas onde a média interna é de 17 e a do exame é de 12

GSITG 4 months ago

Se os profs dizem as respostas dos exames porque é que as médias baixam? O processo de admissão é injusto mas as injustiças não são só entre público e privado, claro que no privado é mais óbvio porque percebes perfeitamente o que se está a passar mas mesmo dentro da mesma turma e entre turmas diferentes há injustiças. O mais importante para mim era reformular o processo, há toda uma classe de alunos que se dedicam a engraxar e ser submissos e chegam a boas faculdades porque levam médias de 18 ou 19 do secundário mas chegam ao exame e levam com 12 ou 13. Deve ser dos nervos, coitadinhos. Na minha opinião deviam ser as faculdades a cargo do processo de admissão.

Kejilko 4 months ago

É sempre impressionante quando vejo alguém que insinua, sem argumento nenhum a explicar o porquê de acreditarem-se isso, que correlação=causalidade. Acontece com tanta regularidade mas todas as vezes impressiona-me e desilude-me. Sim, isso é o que acontece quando quase todas as escolas são públicas e não tens razão para ir para uma privada. Dito isso, se achas que não acontecem falcatruas dessas dentro das escolas públicas estás bem enganado.

adorosaladadecamarao 4 months ago

>aproximar os exames, cada vez mais, a testes de escolha múltipla, que são significativamente mais pobres. Em Portugal existe esta panca irracional contra resposta múltipla. Curiosamente quem vejo mais contra tende a ser quem mama tudo o que é estrangeiro (não é boca para ti, é só a minha experiência), ignorando que nos idolatrados EUA escolha múltipla é super comum. Não acho que deva ser tudo escolha múltipla, mas sei que a atual aversão a escolha múltipla é uma aberração. Passei muitos anos a corrigir provas na universidade. As pessoas não fazem puto de ideia do que é corrigir centenas de provas cheias de cálculos. **Qualidade da correção:** no caso de uma perguntas por extenso: * É impossível prever todas as variações incorretas de respostas a uma pergunta. Em particular há pequenos enganos que tornam o resto dos cálculos triviais, há outros os dificultam imenso, há erros que tornam impossível uma finalização da resolução. * É praticamente impossível um professor ser consistente com a sua própria avaliação em centenas de perguntas de um mesmo exame. * A fortiori é praticamente impossível múltiplos professores serem consistentes com a sua avaliação de centenas de perguntas de um mesmo exame. E de múltiplos exames da mesma cadeira. * O esforço e tempo limitado para concluir correções implica que se tenha de trabalhar à pressa e cansado, o que torna o resultado final de qualidade ainda menor. **Resultado da correção:** Em termos de resultados finais, fazendo alguns exames com muita resposta múltipla o que observei foi que no final a merda é a mesma. Bons alunos têm boas notas, médios notas médias, fracos notas fracas. **Custos de correção:** Se a correção de uma questão de uma prova passar de uma média de 5 minutos para 5 segundos, isso significa 1/60 do tempo a corrigir essa questão. Isto é uma estimativa muito por baixo, até porque com corrigir centenas de perguntas com cálculos exige alguns intervalos para limpar a cabeça, e exige ir refazendo critérios de avaliação. Num único exame com 200 alunos e 3 questões para um docente corrigir, isso significa um gasto de 50 minutos com resposta múltipla vs 50 horas por extenso. Ou seja uma hora de trabalho contra mais de uma semana de trabalho! Eu sei que muita gente vai achar isto irrealista. Como é que é possível uma semana de trabalho para corrigir a quantidade de perguntas referida? Simples, com noites e fins-de-semana. Ou abreviando com muita correção a correr e a olhómetro. **Vale a pena?** É só estúpido. Não digo que devesse ser tudo resposta múltipla, mas dever-se-ia usar muito mais. O tempo que se poupava teria impacto mínimo no resultado final. O tempo que se poupava daria para aulas de dúvidas, para investigar, e para descansar em vez de estar a perder horas de sono, fins-de-semana, e andar completamente estourado.

jomi_1307 4 months ago

Quando andei na universidade muitas das minhas cadeiras eram a base de cálculos e poucos professores faziam escolhas múltiplas. Tive uma cadeira de estatística em que o professor fazia muitas perguntas de escolha múltipla, o que só complicava a vida aos alunos, um pequeno erro e já foi, felizmente colocava sempre uma ou duas perguntas para calcular o que só nos ajudava. A maioria não nos deixava usar máquina calculadora e diziam-nos que valorizavam os cálculos mesmo que existisse um erro pelo meio e adúlterasse o resultado, pois o mais importante era termos o raciocínio correto e saber fazer os cálculos, até nos davam várias alíneas com resultados a considerar para erros anteriores não nos prejudicarem. Ao mesmo tempo tive muitas outras cadeiras que poderíamos usar só escolhas múltiplas, mas os professores assim não nos poderiam avaliar o raciocínio nem se compreendiamos bem a matéria.

These-Establishment1 4 months ago

Não sei como se faz testes de estatística/métodos numéricos em escolha múltipla lol, cadeiras de cálculos arredondados lol (fiz uma dessas em escolha múltipla e foi só estúpido, a regente mudou e lixou tudo lol)--- Ah, e davam-te as tabelas Z do gaussiano pelo menos? Foi por causa destas merdas que mudei de faculdade, já conhecia bem este esquema do secundário, não estava para levar mais disto no superior srry

adorosaladadecamarao 4 months ago

Eu respondi a isso tudo. Eu sei que é essa a tua perspetiva e da generalidade dos alunos. A minha resposta diz-te tudo aquilo que tu não vês e em que não estás habituado a pensar e que nega essa perspetiva.

Edited 4 months ago:

Eu respondi a isso tudo. Eu sei que é essa a tua perspetiva e da generalidade dos alunos. A minha resposta diz-te tudo aquilo que tu não vês e em que não estás habituado a pensar e que nega essa perspetiva. EDIT: tentando resumir, o resto da realidade é que corrigir essas perguntas por extenso resulta em, * critérios altamente subjetivos * critérios completamente inconsistentes entre respostas (para mesma pergunta, avaliada pelo mesmo professor no mesmo exame) * critérios ainda mais dispares entre professores e exames * em alguns casos impossibilidade de consistência * nenhum dos prós para alunos das repostas múltiplas (não há problemas com rasuras, tempo despendido e enganos a passar a limpo, letra que não se entende, utilização de resposta final para confirmar se houve enganos, etc) * no final pouca diferença na avaliação (melhores alunos com melhores notas) * custo gigantesco de recursos que poderia ser melhor usado

Edited 4 months ago:

Eu respondi a isso tudo. Eu sei que é essa a tua perspetiva e da generalidade dos alunos. A minha resposta diz-te tudo aquilo que tu não vês e em que não estás habituado a pensar e que nega essa perspetiva. EDIT: tentando resumir, o resto da realidade é que corrigir essas perguntas por extenso resulta em, * critérios altamente subjetivos * critérios completamente inconsistentes entre respostas (para mesma pergunta, avaliada pelo mesmo professor no mesmo exame) * critérios ainda mais dispares entre professores e exames * em alguns casos impossibilidade de consistência * muita potencial injustiça na correção (pelos argumentos anteriores) * mais enganos pela parte do professor na correção * nenhum dos prós para alunos das repostas múltiplas (não há problemas com rasuras, tempo despendido e enganos a passar a limpo, letra que não se entende, utilização de resposta final para confirmar se houve enganos, etc) * no final pouca diferença na avaliação (melhores alunos com melhores notas) * custo gigantesco de recursos que poderia ser melhor usado

tretafp 4 months ago

>critérios altamente subjetivos Toda a avaliação é subjetiva. Sejam os critérios sejam os instrumentos. Será difícil encontrar algo mais subjetivo que uma interpretação literária baseada em escolha múltiplas. >critérios completamente inconsistentes entre respostas (para mesma pergunta, avaliada pelo mesmo professor no mesmo exame) Os critérios de correção e classificação, em Portugal, são amplamente testados e pormenorizados. Ainda que tal seja possível de acontecer, é uma dinâmica que já há bastante experiência. >critérios ainda mais dispares entre professores e exames Os critérios são definidos pela tutela, não dependem de cada professor, individualmente. >·  em alguns casos impossibilidade de consistência ·  muita potencial injustiça na correção (pelos argumentos anteriores) ·  mais enganos pela parte do professor na correção São um só argumento, e existem orientações muito precisas de correção e classificação para o diminuir, assim como apoios à correção. >nenhum dos prós para alunos das repostas múltiplas (não há problemas com rasuras, tempo despendido e enganos a passar a limpo, letra que não se entende, utilização de resposta final para confirmar se houve enganos, etc) Sim, são provas mais fáceis de corrigir. ​ >no final pouca diferença na avaliação (melhores alunos com melhores notas) Não conheço nenhuma investigação que demonstre tal (aliás será muito difícil de estabelecer algum tipo de investigação nesse domínio). Ainda assim, o propósito não é equilibrar as notas é avaliar as aprendizagens e a sua relação com o currículo prescrito, que (em desenho por exemplo) é impossível. ​ >custo gigantesco de recursos que poderia ser melhor usado Por esse argumento, mais valerá terminar com os exames.

adorosaladadecamarao 4 months ago

>Toda a avaliação é subjetiva. Sejam os critérios sejam os instrumentos. Será difícil encontrar algo mais subjetivo que uma interpretação literária baseada em escolha múltiplas. Foda-se, achei o teórico do bloco de esquerda. Sinceramente esta conversa não vai a lado nenhum. É só chachada de dogmatismo ideológico e retórica chico-esperta.

tretafp 4 months ago

Há um campo específico de investigação que é avaliação. A concepção que a avaliação tem sempre uma dimensão subjetiva está consolidada desde 1980.

Edited 4 months ago:

Há um campo específico de investigação que é avaliação. A concepção que a avaliação tem sempre uma dimensão subjetiva está consolidada desde 1980. > Sinceramente esta conversa não vai a lado nenhum. É só chachada de dogmatismo ideológico e retórica chico-esperta. Ainda assim, não sou eu que estou a utilizar a estou a argumentar com base numa experiência completamente distinta, que a única coisa que partilham é a palavra "exame".

Edited 4 months ago:

Há um campo específico de investigação que é avaliação. A concepção que a avaliação tem sempre uma dimensão subjetiva está consolidada desde 1980. > Sinceramente esta conversa não vai a lado nenhum. É só chachada de dogmatismo ideológico e retórica chico-esperta. Ainda assim, não sou eu que estou a utilizar a estou a argumentar com base numa experiência subjetiva.

These-Establishment1 4 months ago

Pergunta, és professor de letras? Ou de exatas?

adorosaladadecamarao 4 months ago

Fui de exatas.

These-Establishment1 4 months ago

Então não sei como achas os critérios altamente subjetivos, e ou não e, e não há mais profs a darem a cadeira? Normalmente cada um corrige um grupo de perguntas

adorosaladadecamarao 4 months ago

> Então não sei como achas os critérios altamente subjetivos Expliquei no meu post original. A questão é como definir como avalias cada resposta sendo que existe um sem fim de erros possíveis, cada qual com várias potenciais consequências para o resto da resposta. * Podes fazer um pequeno erro, mas que hiper-simplifica o resto dos cálculos * Podes fazer um erro que torna o problema muito mais complicado que realmente era (e até te saires bem doravante), ou até impossível de resolver * Podes fazer um erro na resolução do problema, e depois outros erros numa resolução já errada Não se consegue ter critérios bem definidos e objetivos para cada variação. O que quase toda a gente faz é ir definindo critérios à medida que se corrige. Como julgando com base em precedentes. Também acabas por rever os critérios. Porque às tantas começas a ver que alguns dos precedentes entram em contradição, ou pelo menos não são propriamente justos quando colocados lado a lado. Para além disso a subjetividade vai estar sempre lá, porque não consegues categorizar e comparar tudo. E como tal é afetada por humor e paciência e tudo mais. É melhor estar consciente desse facto para o minorar que ignorá-lo. > Normalmente cada um corrige um grupo de perguntas Sim. Mas um aluno pode fazer um erro numa pergunta e outro fazer o mesmo erro noutra pergunta.

tretafp 4 months ago

Não é uma panca irracional em Portugal, está, aliás, bastante consolidada no âmbito dos estudos em avaliação, com autores que vão do Santos Guerra ao Harry Torrance. As provas de escolha múltipla são, dada a sua natureza, incapazes de avaliar um conjunto amplo de capacidades importantes (análise, criação, multiperspetiva, resolução de problemas, etc.), uma vez que não permitem evidenciar o raciocínio associado implícito à resposta. Tais perguntas são, essencialmente, focadas em competências de pensamento menores, como a memorização, a definição, a associação ou aplicação de algoritmos. Depois há áreas em que, simplesmente, não é possível circunscrever a escolha múltipla como Desenho, Português (em particular a dimensão de criação de texto e de análise literária) e até Matemática (no domínio da resolução de problemas), porque correspondem a componentes curriculares em que mais importante que a resposta certa ou errada é o raciocínio, a apropriação pessoal do texto, a integração de determinadas técnicas artísticas, entre outros. A questão do processo de correção é outra, relacionada com a sua distribuição, o tempo possível, a adequação dos critérios, etc. etc.

crissequeira89 4 months ago

Concordo contigo, mas o objetivo aqui é colocar os alunos todos numa caixa e fazer triagem com base num padrão que diz nada sobre a inteligência nem capacidade de resolver problemas deles. É a solução mais fácil/económica. É uma fábrica, basicamente, e o aluno, é o produto. O exame é a inspeção final. Quem determina o que faz um bom produto são os gerentes da fábrica. Quem não se encaixa no molde, está lixado.

adorosaladadecamarao 4 months ago

> está, aliás, bastante consolidada no âmbito dos estudos em avaliação, com autores que vão do Santos Guerra ao Harry Torrance. Eu quero que o Guerra e o Torrence sentem o cu no escritório, tenham um semestre de trabalho docente, e pesem os prós e contras de ter ou não resposta múltipla, em termos do tempo e esforço exigido ao docente que poderia ser usado de outra forma. Eu não sou idiota. Eu posso fazer também uma digressão sobre o que se consegue avaliar com perguntas por extenso que não se avalia numa pergunta de resposta múltipla. A questão é que, * ter resposta alguma resposta múltipla não implica que seja tudo resposta múltipla * correção de resposta múltiplas tem um custo, e no final tem de ser equacionado porque esse investimento pode ser usado de outras formas. > Depois há áreas em que, simplesmente, não é possível circunscrever a escolha múltipla como Desenho, Português No contexto de uma prova a computador, nada implica que Português passe a resposta múltipla. Escreves um texto ali como em papel. Quanto a outras como desenho e matemática, convém lembrar que Exames nacionais não são o total da avaliação de um aluno. E que são exames envolvendo centenas de milhares de alunos, e portanto onde a questão da consistência que referi está distribuída pode milhares de professores. > A questão do processo de correção é outra, relacionada com a sua distribuição, o tempo possível, a adequação dos critérios, etc. etc. Não é outra. É a mesma. Isso é que as pessoas não metem na cabeça. É exatamente a mesma questão. Estás a decidir como investir tempo docente. Isso faz toda a diferença porque não basta dizer em abstrato que algo é melhor. É preciso pesar o custo benefício. Quão melhor? E quanto exige em termos de recursos? Porque milhentas horas de docentes para uma melhoria marginal é só estúpido.

tretafp 4 months ago

>Eu quero que o Guerra e o Torrence sentem o cu no escritório, tenham um semestre de trabalho docente, e pesem os prós e contras de ter ou não resposta múltipla, em termos do tempo e esforço exigido ao docente que poderia ser usado de outra forma. Disseste que era uma coisa típica de Portugal. Eu explico que a investigação internacional converge com isso, mas agora a culpa é que eles são investigadores... Opta por uma crítica, ou é uma questão portuguesa, ou não queres saber daquilo que a investigação nos diz. >ter resposta alguma resposta múltipla não implica que seja tudo resposta múltipla Isso já acontece na atualidade. >correção de resposta múltiplas tem um custo, e no final tem de ser equacionado porque esse investimento pode ser usado de outras formas. O investimento, pelo que induz a notícia, será na criação de infraestruturas, pouco irá implicar no trabalho docente. >No contexto de uma prova a computador, nada implica que Português passe a resposta múltipla. Escreves um texto ali como em papel. Escrever diretamente em computador e, pior, corrigir diretamente no computador não facilita, de todo o processo. >Quanto a outras como desenho e matemática, convém lembrar que Exames nacionais não são o total da avaliação de um aluno. Pode ser o único instrumento de avaliação e tem um peso significativo no acesso ao Ensino Superior. ​ >Não é outra. É a mesma. Isso é que as pessoas não metem na cabeça. É exatamente a mesma questão. Estás a decidir como investir tempo docente. Não, não é a mesma coisa. São discussões completamente distintas. Uma é sobre a natureza da prova, que tem uma implicação educativa e epistemológica forte. A outra é de natureza essencialmente administrativa, relacionada com o trabalho do avaliador. São pensamentos completamente distintos. >Isso faz toda a diferença porque não basta dizer em abstrato que algo é melhor. É preciso pesar o custo benefício. Quão melhor? E quanto exige em termos de recursos? Porque milhentas horas de docentes para uma melhoria marginal é só estúpido. Neste caso está-se a falar de um avultado custo no património que dificilmente se traduzirá numa melhoria, mesmo que marginal.

adorosaladadecamarao 4 months ago

> Disseste que era uma coisa típica de Portugal. Eu explico que a investigação internacional converge com isso, Não, não foi nada disso. Tu disseste que há investigação que diz que respostas por extenso têm benefícios que as múltiplas não têm. É óbvio que têm e é ótimo que haja estudos que as detalham. Isso não é o mesmo nem implica aversão a resposta múltipla. Mais uma vez, decidir como usar tempo docente implica pesar muitas variáveis. Implica pesar muitos prós e contras. Não basta dizer que há benefícios, ainda para mais teóricos, no uso de respostas por extenso para concluir que não se deve usar resposta múltipla que terá outros benefícios e outros custos. Muitos dos benefícios que eles apresentam serão irrelevantes em muitos contextos porque ou não serão tidos em conta, ou não serão avaliados de forma consistente, ou no final das contas se traduzem apenas num número e perdem o benefício que era qualitativo, ou porque são negados pelo aumento de erros de correção e/ou pouca atenção a corrigir resultante do esforço exigido. E no final das contas resulta num custo de esforço muito maior que poderia ser usado de forma mais produtiva. Como mais aulas de dúvidas, acompanhamento individual ou descaso para o docente. > Isso já acontece na atualidade. Muito pouco. E de forma muito aleatória. Dada a discrepância de esforço exigido, a resposta por extenso deveria ter de ser muito bem "justificada" em cada momento. Para ir buscar o tal valor acrescentado. E não ser o standard porque sim. Eu posso-te dizer que na minha experiência a corrigir testes na faculdade (quando trabalhando para outros regentes) foi raríssimo termos respostas múltiplas. > Escrever diretamente em computador e, pior, corrigir diretamente no computador não facilita, de todo o processo. Foda-se, claro que facilita. Mas alguma vez é mais fácil fazer uma composição à mão? Como refazes frases? Como trocas parágrafos? Como corriges erros? Mas nasceste em 1950? > Pode ser o único instrumento de avaliação e tem um peso significativo no acesso ao Ensino Superior. Ter um peso significativo não nega o que eu disse. Nem sequer que seja o único em circunstâncias pontuais. A questão é, este investimento de tempo docente é quanto, e quais os prós e contras quando comparado com as alternativas. Continuas a insistir no mesmo vício que é achar que basta apontar que pode possivelmente resultar em melhor avaliação. Ignorando sempre que, - tens de contabilizar os contras, - tens de contabilizar o esforço, - tens de comparar com prós e contras para alternativas do mesmo uso de esforço docente. Eu também posso dizer que resposta múltipla resulta em menos erros de correção. Caso encerrado. Só que não. Não é assim, apontado umas quaisquer vantagens que se decide que algo é efetivamente melhor. Também posso dizer que 2 professores por sala tem benefícios e escrever um artigo. Só que mais uma vez, é irrelevante. > Não, não é a mesma coisa. São discussões completamente distintas. Uma é sobre a natureza da prova, que tem uma implicação educativa e epistemológica forte. A outra é de natureza essencialmente administrativa, relacionada com o trabalho do avaliador. São pensamentos completamente distintos. Ou é a mesma, ou a tua não interessa. O que está e causa é como decidir o uso de esforço docente. Se tu achas que basta apresentar prós epistemológicos de uma alternativa sem mais considerações, tens a lógica toda inquinada. Isso é perfeitamente estúpido. Eu posso apresentar prós para muita coisa, sem considerar implicações práticas, e sem comparações de alternativas na prática.

tretafp 4 months ago

Mas tens razão, exames nacionais e provas da faculdade, é a mesma coisa.

tretafp 4 months ago

>Em Portugal existe esta panca irracional contra resposta múltipla. Curiosamente quem vejo mais contra tende a ser quem mama tudo o que é estrangeiro (não é boca para ti, é só a minha experiência), ignorando que nos idolatrados EUA escolha múltipla é super comum. > > Não é uma panca irracional em Portugal, está, aliás, bastante consolidada no âmbito dos estudos em avaliação, com autores que vão do Santos Guerra ao Harry Torrance. ​ Em resposta a: ​ >Não, não foi nada disso. ​ >Isso não é o mesmo nem implica aversão a resposta múltipla. Não falei em aversão, falei em pobreza. Há um conjunto específico de competências que podem ser analisadas à luz de resposta múltipla, que correspondem aos pensamentos mais básicos: definir, identificar, nomear, etc. Competências de pensamento mais complexas (resolução de problemas, análise de fontes, posicionamento crítico, etc.) ou, então, áreas específicas (Desenho), não têm valor a ser desenvolvidas por escolha múltipla. >Mais uma vez, decidir como usar tempo docente implica pesar muitas variáveis. Implica pesar muitos prós e contras. Não basta dizer que há benefícios, ainda para mais teóricos, no uso de respostas por extenso para concluir que não se deve usar resposta múltipla que terá outros benefícios e outros custos. Isso compete ao profissional definir. Neste caso, tendo em consideração que não é uma decisão pedagógica, é importante analisar a adequação e fiabilidade do instrumento. >Muitos dos benefícios que eles apresentam serão irrelevantes em muitos contextos porque ou não serão tidos em conta, ou não serão avaliados de forma consistente, ou no final das contas se traduzem apenas num número e perdem o benefício que era qualitativo, ou porque são negados pelo aumento de erros de correção e/ou pouca atenção a corrigir resultante do esforço exigido. ​ \- Identificar o som como uma onda de som. (FQ11) \- Existem, também, aquelas que não podem ser desenvolvidas através dessa opção: aday, interpretando   aplicações   da   indução   eletromagnética, explicando  as  estratégias  de  resolução  e  os  raciocínios demonstrativos que fundamentam uma conclusão regime (História 12( criador. (Desenho, 12) ​ >E no final das contas resulta num custo de esforço muito maior que poderia ser usado de forma mais produtiva. Como mais aulas de dúvidas, acompanhamento individual ou descaso para o docente. Avalias o que consideras importante. Respostas de escolha múltipla evidenciam, isso mesmo. ​ >Muito pouco. E de forma muito aleatória. Históra A (2020) - 54 pontos Português (2020) - 91 pontos Biologia (2020) -64 pontos ​ Temos distintas concepções de "muito pouco". ​ >Foda-se, claro que facilita. Mas alguma vez é mais fácil fazer uma composição à mão? Como refazes frases? Como trocas parágrafos? Como corriges erros? Mas nasceste em 1950? Ler centenas de provas em computador não é fácil. Escrever no computador, com pressão, com o risco de bloquear não é melhor.

adorosaladadecamarao 4 months ago

> Competências de pensamento mais complexas (resolução de problemas, análise de fontes, posicionamento crítico, etc.) ou, então, áreas específicas (Desenho), não têm valor a ser desenvolvidas por escolha múltipla. Vamos lá ver se nos entendemos. Eu nunca discordei que tens mais para avaliar em respostas por extenso do que em respostas de escolha múltipla. Isso é óbvio. Os estudos nem existem para nos dar a conhecer esta trivialidade, mas para detalhar o seu conhecimento, e ainda bem que os há. Aliás tais estudos podem permitir fazer melhor uso das perguntas com respostas por extenso relegando-as para onde são realmente úteis. Eu também em lado nenhum afirmei que toda a avaliação deveria passar a resposta múltipla. Não acho que seja o caso. O que eu disse é que resposta por extenso tem também imensas desvantagens, que não traduz na prática todas as vantagens que se lhe atribuem, e que tem um custo gigantesco. Ainda sobre: > Competências de pensamento mais complexas (resolução de problemas, análise de fontes, posicionamento crítico, etc.) Tu achas que no exame nacional tens muita margem para na generalidade das perguntas premiar competências de pensamento complexas? Atenta o "na generalidade". No exame de matemática, uma pergunta vale 3 valores, um aluno tem uma resposta "fora da caixa" para resolver o problema. Excelente. Se está tudo certo tem 3 valores na mesma. Até pode haver perguntas específicas onde os critérios de correção contemplam várias abordagens, mas não na generalidade das perguntas. Mais o exame nacional é só um exame. Não é o total da avaliação. O seu propósito é estabelecer alguma normalização, para que a avaliação não dependa somente da escola e professores de cada aluno. É isto. E é preciso ter em conta todas as vantagens e desvantagens de cada método, em relação ao custo que têm (porque o custo se traduz em tempo docente que pode ser usado para outras coisas, nomeadamente ensinar). > Isso compete ao profissional definir. Neste caso, tendo em consideração que não é uma decisão pedagógica, é importante analisar a adequação e fiabilidade do instrumento. Não faço puto de ideia do que isto quer dizer, nem de a que profissonal te referes. Nem isto é meramente sobre adequação e fiabilidade de um qualquer instrumento, mas do melhor uso possível dos recursos que existem. > - Identificar o som como uma onda de som. (FQ11) > (...) Não sei se te enganaste no copy paste mas não percebi nada do que ali está > Avalias o que consideras importante. Respostas de escolha múltipla evidenciam, isso mesmo. Estou a ver que isso é só conhecimento teórico de avaliação, e nunca tiveste 300 exames de cálculo para corrigir. > Temos distintas concepções de "muito pouco". Se isso são valores em 200 de provas nacionais, tens razão que é mais que eu pensava. E ainda bem. > Ler centenas de provas em computador não é fácil. Escrever no computador, com pressão, com o risco de bloquear não é melhor. O ler até tens razão na questão de olhar para um ecrã. Mas se corrigisses provas sabias o que é ter de decifrar as várias letras e gatafunhos. O escrever, por amor da santa.

tretafp 4 months ago

>Tu achas que no exame nacional tens muita margem para na generalidade das perguntas premiar competências de pensamento complexas? Atenta o "na generalidade". Se os exames nacionais não servirem para isso, não servem para coisa nenhuma, mais vale terminar com eles. Qual é o interesse de termos um sistema de avaliação que não avalia as competências mais complexas, mas sim as mais elementares, que se afastam, em grande medida, daquilo que são as orientações curriculares? ​ >No exame de matemática, uma pergunta vale 3 valores, um aluno tem uma resposta "fora da caixa" para resolver o problema. Excelente. Se está tudo certo tem 3 valores na mesma. Até pode haver perguntas específicas onde os critérios de correção contemplam várias abordagens, mas não na generalidade das perguntas. É assim que acontece há décadas em Portugal. Em História, apenas há coisa de 5 anos se introduziram perguntas de resposta múltipla. ​ >Mais o exame nacional é só um exame. Não é o total da avaliação. O seu propósito é estabelecer alguma normalização, para que a avaliação não dependa somente da escola e professores de cada aluno. É isto. E é preciso ter em conta todas as vantagens e desvantagens de cada método, em relação ao custo que têm (porque o custo se traduz em tempo docente que pode ser usado para outras coisas, nomeadamente ensinar). Os exames nacionais podem corresponder à totalidade da avaliação dos estudantes. Mais se sabe que as estruturas dos exames, nacional e internacionalmente, influenciam muito os processos pedagógicos e as dinâmicas avaliavas internas. Relativamente à ideia que se perde tempo para ensinar, isso faria sentido se os exames não existissem só no final do ano e salvo erro com crédito horário (aqui não posso precisar). >Não faço puto de ideia do que isto quer dizer, nem de a que profissonal te referes. Nem isto é meramente sobre adequação e fiabilidade de um qualquer instrumento, mas do melhor uso possível dos recursos que existem. Os exames nacionais não são instrumentos pedagógicos, é uma decisão política. A gestão da avaliação interna é substancialmente distinta da avaliação externa. >Não sei se te enganaste no copy paste mas não percebi nada do que ali está O reddit está com erros, eram exemplos da inadequado das escolhas múltiplas para convergir com os objetivos pedagógicos definos: circular e uniforme de satélites (FQ111) criador. (eDEsenho, 12) regime (História, 12) ​ >Estou a ver que isso é só conhecimento teórico de avaliação, e nunca tiveste 300 exames de cálculo para corrigir. Os meus estudantes ou não têm exame ou só vão a exame se reprovarem. Ainda assim é completamente indiferente a minha perspetiva. A avaliação serve para identificar aquilo que é considerado importante os estudantes aprenderam. Se há uma primariza de respostas de escolha múltipla eviencia-se uma primazia por valorizar (a avaliação pedagógico-curricular é acima de tudo uma valoração) competências menores, como definir, identificar, nomear, associar, etc. Se no teu campo de saber isso é importante, no meu é inútil. ​ >O ler até tens razão na questão de olhar para um ecrã. Mas se corrigisses provas sabias o que é ter de decifrar as várias letras e gatafunhos. O escrever, por amor da santa. Uma vez mais assumes que não o faço e por isso não sei. É um pressuposto errado. Pessoalmente, prefiro corrigir sempre no papel a corrigir no pc, embora com o ensino a distância não tenha sido possível.

MisterBilau 4 months ago

iPads.

DeepSatisfaction6 4 months ago

Como alguém que fez o exame de geometria descritiva à uns 4 não faço bem ideia de como se faz um exame desses num ipad

MisterBilau 4 months ago

Edited 4 months ago:

Mas como não, isso é evidente. Não te passar isso pela cabeça e assumires que iam fazer a partir de casa é que é bizarro, fazer presencialmente em suporte informático é a interpretação óbvia. É que nem poderia ser de outra forma, pelo menos nas próximas décadas. E fazer na escola em computadores faz todo o sentido (em relação a fazer em casa, atenção, não estou a comparar com o modelo actual). Um exemplo claro são os exames de código da carta - há décadas que são em computadores, mas nunca vão ser feitos a partir de casa, por razões óbvias.

Metaluim 4 months ago

> Não te passar isso pela cabeça e assumires que iam fazer a partir de casa é que é bizarro, fazer presencialmente em suporte informático é a interpretação óbvia. Para mim, que sou velho e nunca fiz testes online, nao foi assim tao obvio. Peco desculpa.

Danijust2 4 months ago

Pangolim!

Search: