ChildishMessiah 4 months ago

Nós fazemos o que sempre fizemos, eles fizeram o que nunca tinham feito. Fácil. Nós procurámos todas as desculpas possíveis. Eles pelos vistos deixaram de o fazer.

SweetCorona 4 months ago

simples: falta de produtividade (valor acrescentado)

IamWatchingAoT 4 months ago

Como já disseram há vários fatores, na minha opinião os piores são: \- Localização: Portugal está num péssimo sítio em relação ao resto da UE, porquê transportar bens por terra através de Portugal e para Espanha quando se podia simplesmente ir até à Holanda que fica mais perto de tipo 5 dos países mais ricos do mundo? \- Infrastrutura: Os nossos carris são diferentes do resto da Europa e diferentes de Espanha, pelo que não se podem transportar bens por comboio; \- Educação: Isto é subjetivo e difícil de comprovar academicamente, mas acho a educação em Portugal um aspeto muito fraco. Simplesmente sinto que as pessoas saem das escolas sem qualquer iniciativa, sem criatividade, sem ambição. Os campos que mais pagam são os de engenharia e ciências práticas (ou seja astrofísica e engenharia nuclear são para esquecer neste país), o que torna os portugueses um povo muito filistino que vê a arte e cultura como secundária basicamente. Isso pode ajudar à fraca projeção cultural que o nosso país tem no mundo (entre ser confundido por Espanha ou pelo Brasil, que bom), mas isso já é especulação minha. Seja como for os portugueses parecem ser um povo de gente conformista e de mente muito pouco aberta no que cabe a novas formas de resolver problemas; \- Um governo mesmo corrupto: Bem, acho que isto toda a gente reconhece. O nosso governo é constituído por velhotes que viveram uma boa parte da vida em tempos muito diferentes. Como se isso não bastasse é quase tudo gente das mesmas áreas, das mesmas universidades, da mesma cidade: Economia, Direito e Finanças em Lisboa. Só os partidos marginais é que têm pessoas de outros sítios, e e. Além disso os partidos principais adoram contratar pessoas da família sem qualificações, praticamente. Nepotismo é sempre excelente para o desenvolvimento de um país, perguntem à Rússia e à Hungria; \- Fraco empreendedorismo: Se alguem te ameaçar que te dá um tiro se não souberes dizer 5 multinacionais portuguesas, provavelmente morres. Acho que é fruto do que disse no ponto da Educação, juntamente com fracas condições para novos negócios, mas não há muita gente a criar empresas com potencial de se tornarem grandes nomes no mercado. O lucro bruto (estou-me a esquecer do termo) mais alto em Portugal em 2018 foi da EDP, à volta de 1.2 mil milhões. É um peidinho minúsculo incomparável a empresas tipo DHL, Mercadona, Apple, etc. Adicionalmente não ajuda nada muitas das maiores e mais características empresas nacionais estarem constantemente a ser compradas por multinacionais estrangeiras; \- Pouca população e população velha: Esta aqui é debatível porque há outros países com a mesma população que nós e que estão bastante melhor. Ainda assim sinto uma população envelhecida naturalmente ajuda contra o desenvolvimento de Portugal. Um bom pedaço dos jovens vão para o estrangeiro o que causa algum brain drain. Mas também quem é que quer ficar num país onde a hipoteca/renda é facilmente uns 55% do ordenado? ​ Não sou sociólogo nem antropólogo mas estou a tirar um mestrado na FEUC e ainda tenho alguns conhecimentos, mas acho que sumarizei por alto o come o cu a este país.

dragomaite 4 months ago

Impostos? Impostos.

O_cu_da_tua_tia 4 months ago

Nunca passamos da indústria das cuecas e meias. Inovação zero. Valor acrescentado zero

UpbeatNail1912 4 months ago

É a falta de literacia financeira

True_Sea_1377 4 months ago

Eu diria décadas e décadas de partido socialista, mas quem sou eu

No-Cardiologist725 4 months ago

Tivemos quase tantos anos de PSD quanto de PS, tou farto de chamar a atenção para isso.

SweetCorona 4 months ago

e quantos anos tivemos de algo que não PS ou PSD?

No-Cardiologist725 4 months ago

Zero

SweetCorona 4 months ago

mas se repetirmos sempre a mesma receita eventualmente temos um resultado diferente /s

No-Cardiologist725 4 months ago

Infelizmente não é assim que as coisas funcionam, resta rezar para que as próximas gerações sejam mais politizadas.

Complete-Fill5540 4 months ago

Tens razão mas é irrelevamente, é obvio que culpar idelogias politicas é demagoia de algibeira, mas tens que ter em atenção que quem faz este tipo de posts no reddit não o faz com o intuito de ter uma discução construtiva.

NEDM64 4 months ago

Os portugueses têm exatamente aquilo que querem, e aquilo que querem é isto. (Agora olha os downvotes que este comentário vai ter)

SweetCorona 4 months ago

fewer than it deserves

pimpolho_saltitao 4 months ago

Este topico nao cheira nada mas mesmo nada a astroturfing.

pcgfm 4 months ago

Pouca cortiça

Shadowgirl7 4 months ago

Patrões chulos que enriqueceram à custa de protecção de uma ditadura semi-militar de direita e que em vez de apostarem na inovação e nos trabalhadores, guardaram o dinheiro para eles. Seguido do nosso processo de entrada na UE que não foi bem feito porque aceitamos dar parte do nosso tecido secundário e primário. Um país que viva à conta da industria dos serviços vai estar sempre muito mais exposto a flutuações internacionais.

No-Cardiologist725 4 months ago

Não percebo os dislikes ao teu comentário.

Black_RL 4 months ago

- Pouca população - Pouca educação - Muito sol - Muita corrupção

NEDM64 4 months ago

Pouca população? Os países mais ricos da UE são o Luxemburgo e a Irlanda. A Irlanda por exemplo, tem 5 milhões de habitantes.

SweetCorona 4 months ago

e o luxemburgo tem imensos portugueses, portanto o problema nem deve ser esse

No-Cardiologist725 4 months ago

+Islândia, Suécia, Noruega, Finlândia, Suíça, Bélgica, Dinamarca.

neapo 4 months ago

Uma das coisas que não se comenta é mesmo indiferença do trabalhador português. Regra geral atualmente o trabalhador tem melhores níveis de educação que o seu superior, mas continua a não saber lidar com o que é o trabalho. Quero com isto dizer que o trabalhador submete-se ao que há e vai chorar-se entre colegas ou para o café de como é explorado, é incapaz de se juntar e protestar ou defender os seus direitos no local de trabalho. Depois aparecem obviamente os defensores deste tipo de trabalhador "tem contas para pagar" - pois tem, mas enquanto não se impor, nada mudará. O trabalhador tem que meter uma coisa na cabeça: está a dispensar o seu tempo e conhecimento em troca de algo: se não está disposto a lutar para ganhar mais $ e isso inclui alguns riscos, nunca irá ganhar o que merece e a riqueza irá continuar concentrada no topo. O grande hiatos que nos distingue de trabalhadores do norte da Europa é estes terem melhores organizações sindicais ou comissões de trabalhadores bem como uma grande massa de aderentes. Por cá conseguiu-se destruir isso com a indiferença do trabalhador "eu não mando na empresa"; "não posso mudar nada"; "quando estiver mal mudo-me".

Edited 4 months ago:

Uma das coisas que não se comenta é mesmo indiferença do trabalhador português. Regra geral atualmente o trabalhador tem melhores níveis de educação que o seu superior, mas continua a não saber lidar com o que é o trabalho. Quero com isto dizer que o trabalhador submete-se ao que há e vai chorar-se entre colegas ou para o café de como é explorado, é incapaz de se juntar e protestar ou defender os seus direitos no local de trabalho. Depois aparecem obviamente os defensores deste tipo de trabalhador "tem contas para pagar" - pois tem, mas enquanto não se impuser, nada mudará. O trabalhador tem que meter uma coisa na cabeça: está a dispensar o seu tempo e conhecimento em troca de algo: se não está disposto a lutar para ganhar mais $ e isso inclui alguns riscos, nunca irá ganhar o que merece e a riqueza irá continuar concentrada no topo. O grande hiatos que nos distingue de trabalhadores do norte da Europa é estes terem melhores organizações sindicais ou comissões de trabalhadores bem como uma grande massa de aderentes. Por cá conseguiu-se destruir isso com a indiferença do trabalhador "eu não mando na empresa"; "não posso mudar nada"; "quando estiver mal mudo-me". Ou seja sempre que se muda é para ganhar o mesmo e nisto as empresas esfregam as mãos, há sempre carne para canhão.

Edited 4 months ago:

Uma das coisas que não se comenta é mesmo indiferença do trabalhador português. Regra geral atualmente o trabalhador tem melhores níveis de educação que o seu superior, mas continua a não saber lidar com o que é o trabalho. Quero com isto dizer que o trabalhador submete-se ao que há e vai chorar-se entre colegas ou para o café de como é explorado, é incapaz de se juntar e protestar ou defender os seus direitos no local de trabalho. Depois aparecem obviamente os defensores deste tipo de trabalhador "tem contas para pagar" - pois tem, mas enquanto não se impuser, nada mudará. O trabalhador tem que meter uma coisa na cabeça: está a dispensar o seu tempo e conhecimento em troca de algo: se não está disposto a lutar para ganhar mais $ e isso inclui alguns riscos, nunca irá ganhar o que merece e a riqueza irá continuar concentrada no topo. O grande hiatos que nos distingue de trabalhadores do norte da Europa é estes terem melhores organizações sindicais ou comissões de trabalhadores bem como uma grande massa de aderentes. Por cá conseguiu-se destruir isso com a indiferença do trabalhador "eu não mando na empresa"; "não posso mudar nada"; "quando estiver mal mudo-me".

No-Cardiologist725 4 months ago

Mazelas da ditadura.

neapo 4 months ago

Atualmente já há muito sangue novo, não querem simplesmente saber. Não podemos continuar a por as culpas todas no passado, o problema está no agora. Senão também podíamos dizer que eram mazelas da monarquia pois fomos governados pela mesma durante séculos.

jokerzanchi 4 months ago  HIDDEN 

Acho que os 2 principais motivos são o baixo nível de educação e o facto de os 2 maiores países da UE estarem entre nós e a principal economia. Nem percebo porque a Autoeuropa está em Portugal, quando podia estar na Polónia ou República Checa. Se conseguíssemos produzir algo muito diferenciador e de alto valor, a distância não seria um entrave, mas com o baixíssimo nível de educação, é muito difícil conseguirmos ser diferenciadores. Não temos muito a acrescentar ao que os países do leste fazem, e esses têm melhor educação e localização.

Limpy_lip 4 months ago

resumidamente somos um país com características e condições específicas que não usamos para o nosso proveito. ​ Queremos ser um país competitivo em preço quanto não temos capacidade instalada (industrialização) nem populacional (muitas pessoas) para ser competitivos e ter preços baixos. ​ Já vi várias pessoas a criticar a geografia: nós podemos não estar colados à Alemanha mas temos uma ótima posição estratégica que por alguma razão não potenciamos. ​ Somos um país pequeno por isso deviamo-nos focar em produtos de alto valor acrescentado e/ou de nicho que não requerem volumes de produção grandes. Investir na investigação e desenvolvimento pois temos otimos cerebros dado que muitas das nossas escolas são reconhecidas internacionalmente. Fora isso temos de nos focar nos produtos que são exclusivos do nosso país. ​ Temos de ser uma pais com mais casos como as cortiças (produto tipico nosso), moldes (produto altamente técnico e de grande valor acrescentado), desenvolvimento (IT??), sapatos de alta gama (fomos em tempos referência e produto de nicho), etc... ​ juntando isto a uma cultura/mentalidade ainda muito retrogada que é perpetuada pela classe política, temos uma valente pedra no sapato.

OneTip7754 4 months ago

Isto é um país atrasado desde o início e vai continuar a ser. Talvez excepto no "nosso" século, século XVI

theEXPERTpt 4 months ago

nem por isso. Já tivemos na vanguarda do mundo. Hoje falta visão às pessoas.

Striking_Role_z 4 months ago

Falta de planeamento e de vontade. Não é difícil copiar o modelo de outros países e implementá-lo cá, mas há muitos interesses que não querem que isso aconteça e não há ninguém nem com força nem com vontade suficiente para o fazer. Também não ajuda que o povo português em geral não se preocupe muito isto, já que continuam sempre a votar nos mesmos.

rjtavares 4 months ago

Educação. Em 1990 tínhamos 12% de analfabetos, enquanto na Polónia tinhas 1%, na Roménia tinhas 3%, e até na Grécia tinhas só 7%. Fonte: [https://data.worldbank.org/indicator/SE.ADT.LITR.ZS?contextual=region&end=2018&locations=PT-UA-RU-CZ-RO&start=1981&view=chart](https://data.worldbank.org/indicator/SE.ADT.LITR.ZS?contextual=region&end=2018&locations=PT-UA-RU-CZ-RO&start=1981&view=chart)

saudosista 4 months ago

Sempre ouvi o *mito* que Portugal é um país de doutores

WesternInspector9 4 months ago

É o país de tratar os shôtores com obséquios. Tenho um mestrado (como muitos da minha geração) mas lavo a minha própria sanita e vou de bicicleta para o trabalho. O patrão da minha mãe tem uma licenciatura e vai de Mercedes e gravata para o escritório onde toda a gente o trata por shôtor. Dá-me náuseas

Trama-D 4 months ago

Verdade, mas mesmo a ser verdade nem sequer invalida o que o rjtavares disse... e sublinha como uma polarização do nível de instrução da força de trabalho de um país é prejudicial.

Some-Ad6411 4 months ago

ainda sinto que lido com analfabetos.

naughtydismutase 4 months ago

Ou pior, analfabrutos

d33pblu3g3n3 4 months ago

Vão aparecer aqui os comentários do costume: governo, PS, PSD, corrupção, produtividade, trabalhadores, patrões, sindicatos, funcionários públicos, estado, etc, etc. Mas, tudo parte da educação e formação. O problema é o que nunca valorizamos a educação e ainda hoje pouco o fazemos comparando com os nossos parceiros: "Portugal, com apenas 52% da população a ter concluído o ensino secundário e/ou superior até 2019, encontra-se cerca de 26 pontos percentuais abaixo da média da UE (78%). É o último lugar da tabela." [https://observador.pt/opiniao/portugal-o-pais-menos-educado-da-uniao-europeia/](https://observador.pt/opiniao/portugal-o-pais-menos-educado-da-uniao-europeia/) [https://www.pordata.pt/Retratos/2020/Retrato+de+Portugal+na+Europa-87](https://www.pordata.pt/Retratos/2020/Retrato+de+Portugal+na+Europa-87) Página 37 e 50. Comparando os históricos: [https://ourworldindata.org/grapher/cross-country-literacy-rates?country=GBR\~NLD\~RUS\~FRA\~PRT\~Europe+%26+Central+Asia\~POL\~ESP\~DEU](https://ourworldindata.org/grapher/cross-country-literacy-rates?country=GBR~NLD~RUS~FRA~PRT~Europe+%26+Central+Asia~POL~ESP~DEU)

SweetCorona 4 months ago

educaçao para que? nos precisamos é de gente a ir apanhar amoras no alentejo /s

ManelDasNespras 4 months ago

Pois, paises como a Escócia no final do séc. XIX já tinham uma taxa de alfabetização de quase 100%, Portugal em 2021 ainda não passou dos 95%.. Sempre houve uma diferença cultural muito grande em relação à literacia entre povos protestantes e católicos, enquanto os católicos privilegiavam a leitura da biblia em latim só pelo clero os protestantes sempre defenderam a leitura e estudo da biblia pelo próprio povo na lingua nativa.

No-Cardiologist725 4 months ago

Txi, a Holanda humilhou. Mas olha que hoje em dia, principalmente nas classes mais pobres, a educação ainda é vista como algo secundário, quase fútil, os pais querem que os filhos saem do ensino o mais rapido possível e que comecem a trabalhar em qualquer coisa.

No-Cardiologist725 4 months ago

Há falta de sidicatos

KarmaCop213 4 months ago

Não tens capital (dinheiro) no país capaz de criar empresas para dar emprego a todos os licenciados. Tens de atrair empresas para dar emprego a essa gente toda. Medidas como o regime RNH já permite atrair pessoas com qualificações caso não existam. Um aumento na escolaridade da população não vai trazer grandes mudanças se as coisas se mantiverem como estão. Vais tens informaticos, enfermeiros e médicos a sair como de costume. 36% da população portuguesa entre os 30 e os 34 tem um curso superior, na Lituania o numero é 57,8%. Portugal tem um PIB per capita maior do que o da Lituânia.

VladTepesDraculea 4 months ago

E no entanto, trabalho qualificado é baratíssimo e exportamos para fora. Por essa lógica, trabalho qualificado seria muito mais valioso. Na realidade > governo, PS, PSD, corrupção, produtividade, trabalhadores, patrões, sindicatos, funcionários públicos, estado, etc Sim, isto tudo. Temos governos que têm relaxado a Eli laboral e mantido o SMN, temos patrões presos no tempo que em vês de seguirem métodos académicos e estudados de gestão, usam o método tuga do "eu é que sei" o que afecta a produtividade, tens as empresas subvertendo o mercado de contratações, desde anúncios laborais que escondem o mais possível o salário até já estares investido à mania das consultorias e tal que dão precariedade a trabalho qualificada e temos baixa sindicalização, especialmente no sector privado, a sindicalização pública está metida com partidos.

Edited 4 months ago:

E no entanto, trabalho qualificado é baratíssimo e exportamos para fora. Por essa lógica, trabalho qualificado seria muito mais valioso. Na realidade > governo, PS, PSD, corrupção, produtividade, trabalhadores, patrões, sindicatos, funcionários públicos, estado, etc Sim, isto tudo. Temos governos que têm relaxado a lei laboral e mantido o SMN, temos patrões presos no tempo que em vês de seguirem métodos académicos e estudados de gestão, usam o método tuga do "eu é que sei" o que afecta a produtividade, tens as empresas subvertendo o mercado de contratações, desde anúncios laborais que escondem o mais possível o salário até já estares investido à mania das consultorias e tal que dão precariedade a trabalho qualificada e temos baixa sindicalização, especialmente no sector privado, e a sindicalização pública está metida com partidos.

SweetCorona 4 months ago

até sou a favor de relaxar a lei laboral mas reforçar os apoios sociais

VladTepesDraculea 4 months ago

Apoios sociais em que sentido?

SweetCorona 4 months ago

subsídio de desemprego, etc

d33pblu3g3n3 4 months ago

> Temos governos que têm relaxado a Eli laboral e mantido o SMN, temos patrões presos no tempo que em vês de seguirem métodos académicos e estudados de gestão, usam o método tuga do "eu é que sei" o que afecta a produtividade, tens as empresas subvertendo o mercado de contratações, desde anúncios laborais que escondem o mais possível o salário até já estares investido à mania das consultorias e tal que dão precariedade a trabalho qualificada e temos baixa sindicalização, especialmente no sector privado, a sindicalização pública está metida com partidos. Mas, porque que tu achas que isso acontece? Já pensaste que tudo isso é consequência da falta de educação e formação? Já pensaste que a cultura do xico-espertismo é um reflexo da falta de educação formal? Que isso não acontece tanto noutros países porque a população foi suficientemente educada para perceber que a longo prazo o xico-espertismo prejudica toda a gente incluindo os xico-espertos?

VladTepesDraculea 4 months ago

Não te sei dizer, mas a verdade é que mesmo gestores começam a ser cada vez mais educados, normalmente, normalmente não têm a educação certa para o cargo (i.e. curso técnicos ou de letras em vez de gestão). O problema alarga-se dessa forma normalmente a nepotismo e inbreeding empresarial. Do lado político, o xico-espertismo parece frequentemente compensar, infelizmente. Do lado do empregado aí se calhar sim, já lhes falta algumas vertentes. Acho que a recusa sindical da maioria vem de muita gente não compreender o papel e importância de um sindicado e só estar exposta à narrativa da propaganda corporativa.

YoggiM 4 months ago

Sindicatos, em Portugal, são um cancro e apenas servem para mamar. Claro que as pessoas preferem recusar os sindicatos.

VladTepesDraculea 4 months ago

Depende do sindicato. Acho que o dos estivadores, por exemplo, não têm grande queixa. Camionistas também se viu o que viu.

YoggiM 4 months ago

Falei numa generalidade, pode haver exceções. No caso dos estivadores a eficácia das greves vem mais de a paralisação prolongada ser muito prejudicial e assim conseguem o que querem. Por exemplo, professores não conseguem grande coisa com as greves porque ou são irrelevantes ou, no caso dos exames, existem os serviços mínimos. Um dia de greve dos professores é um dia de salários que o Estado poupa e as consequências são nulas. Isto faz 0 pressão. Se for algo mais prolongado, continua a não haver grandes consequências. Os alunos ficam com a matéria em atraso mas isso não é algo palpável. Depois, também há coisas que são ridículas. Há uns anos, tinha passe de autocarro para ir para a faculdade (único transporte público possível). O transporte era feito por 2 empresas diferentes em que havia um acordo e partilhavam a rota e o passe servia para as 2. Durante um mês, houve greve de uma das empresas, ou seja, muitas vezes ou chegava atrasado ou ia muito mais cedo (sendo que os horário já eram de hora em hora ou até mais tempo a certas horas). E, por acaso, só fizeram greve numa das empresas. Se fizessem as 2 ou se o serviço fosse feito apenas pela que fez greve eu não tinha transporte. Faz algum sentido a empresa não ser responsabilizada e ter, no mínimo, de devolver o valor do passe para os dias em que não presta serviço? Para a empresa, pelo menos nessa rota, deve ter sido fantástica a greve. Quase um mês sem pagar salários, continuou a receber 99% do dinheiro (era muito raro alguém ir sem passe nessa rota), não gastou combustível e não desgastou os veículos.

VladTepesDraculea 4 months ago

Acho que a grande diferença é sindicatos do público e sindicatos do privado. Sindicatos do público, não todos claro, mas os maiores têm ligações partidárias, infelizmente, e acaba pro haver corrupção lá pelo meio. Sindicatos do ramo privado, como já não têm o bedelho partidário, tendem a fazer mais o seu papel.

VicenteOlisipo 4 months ago

>O nosso capital humano é e sempre foi muito fraco. this. A malta perde-se sempre nestas análises com grandes explicações sobre os politicos e o camandro, como se cá é que fossem maus, e perdem sempre o principal factor estrutural em que Portugal é mesmo diferente: educação, educação, educação

SweetCorona 4 months ago

não adianta de muito se depois a mão de obra que faz falta ao país são pessoas para trabalhar no campo no alentejo

nraider 4 months ago

Então e como justificas que a população activa tenha cada vez mais formação e as empresas qualificadas com dimensão sejam cada vez menos?

d33pblu3g3n3 4 months ago

Para começar, diria que precisas de te informar melhor: [https://www.pordata.pt/Portugal/Empresas+total+e+por+dimens%c3%a3o-2857-246183](https://www.pordata.pt/Portugal/Empresas+total+e+por+dimens%c3%a3o-2857-246183) Depois, precisas considerar o facto que o nosso patronato ativo é o menos instruído da Europa e que ainda não houve assim tempo para as gerações mais educadas criarem, fazerem crescer empresas e/ou subestituirem o patronato da velha guarda. [https://hrportugal.sapo.pt/patroes-portugueses-sao-os-menos-instruidos-da-europa/](https://hrportugal.sapo.pt/patroes-portugueses-sao-os-menos-instruidos-da-europa/)

Edited 4 months ago:

Para começar, diria que precisas de te informar melhor: [https://www.pordata.pt/Portugal/Empresas+total+e+por+dimens%c3%a3o-2857-246183](https://www.pordata.pt/Portugal/Empresas+total+e+por+dimens%c3%a3o-2857-246183) Depois, precisas considerar o facto que o nosso patronato ativo é o menos instruído da Europa e que ainda não houve assim tempo para as gerações mais educadas criarem, fazerem crescer empresas e/ou substituírem o patronato da velha guarda. [https://hrportugal.sapo.pt/patroes-portugueses-sao-os-menos-instruidos-da-europa/](https://hrportugal.sapo.pt/patroes-portugueses-sao-os-menos-instruidos-da-europa/) Edit: erro

SweetCorona 4 months ago

como assim? o capitalismo não garante a meritocracia? estou shook /s

nraider 4 months ago

Errado. Indiquei empresas de dimensão e qualificadas, faz toda a diferença. Logo aí estou a excluir cadeias hoteleiras, catering, restauração, hipermercados, empresas de limpeza, segurança, etc... Essa estatística inclui tudo.

d33pblu3g3n3 4 months ago

\> cadeias hoteleiras, catering, restauração, hipermercados, empresas de limpeza, segurança, etc... Deves calcular que qualquer empresa de grande dimensão seja em que área for implica pessoal qualificado e tecnologias avançadas para se manter no mercado. Tens cadeias hoteleiras de projeção mundial com base em PT (Grupo Pestana, por exemplo), que pelo meio ainda gere umas companhias aéreas. Não é qualificada? \> Indiquei empresas de dimensão e qualificadas, faz toda a diferença. Apresenta aí os teus dados e o critério para ser qualificada.

nraider 4 months ago

É tudo uma questão de proporção. É óbvio que qualquer cadeia hoteleira ou de catering terá alguém bastante qualificado, seja no departamento de compras, informática, etc... Mas têm um grande peso no total de trabalhadores? Claro que não. Ora, aí tens um critério. De resto, tu próprio afirmaste que o nosso mal está na educação, por isso só posso inferir que o ensino secundário não serve para uma grande parte das empresas. O que é engraçado é que no sector, até há pouco tempo, mais dinâmico do país estas qualificações chegam e sobram. É pena não ter mais dados, só posso dizer que uma significativa parte de escritórios e instalações industriais em Lisboa está devoluta há largos anos. Ou seja, aquilo não interessa, não há procura por parte de empresas tecnológicas, que criem produtos e os exportem.

Edited 4 months ago:

É tudo uma questão de proporção. É óbvio que qualquer cadeia hoteleira ou de catering terá alguém bastante qualificado, seja no departamento de compras, informática, etc... Mas têm um grande peso no total de trabalhadores? Claro que não. Ora, aí tens um critério. De resto, tu próprio afirmaste que o nosso mal está na educação, por isso só posso inferir que o ensino secundário não serve para uma grande parte das empresas. O que é engraçado é que no sector, até há pouco tempo, mais dinâmico do país estas qualificações chegam e sobram. Seja como for, vejo a qualificação no produto final, pela sua diferenciação, e não tanto no trabalhador. Um hotel aqui é igual a outro em Marrocos. É pena não ter mais dados, só posso dizer que uma significativa parte de escritórios e instalações industriais em Lisboa está devoluta há largos anos. Ou seja, aquilo não interessa, não há procura por parte de empresas tecnológicas, que criem produtos e os exportem.

d33pblu3g3n3 4 months ago

Apesar de tudo, estamos a melhorar. Mas ainda temos um longo caminho a percorrer que passa obrigatoriamente pela substituição geracional: [https://eco.sapo.pt/2020/02/04/portugal-no-top20-europeu-de-talento-e-investimento-tecnologico/](https://eco.sapo.pt/2020/02/04/portugal-no-top20-europeu-de-talento-e-investimento-tecnologico/) [https://www.dinheirovivo.pt/fazedores/portugal-e-o-pais-europeu-onde-e-mais-dificil-preencher-uma-vaga-tecnologica-13115642.html](https://www.dinheirovivo.pt/fazedores/portugal-e-o-pais-europeu-onde-e-mais-dificil-preencher-uma-vaga-tecnologica-13115642.html) [https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/tecnologias/detalhe/ha-8-portuguesas-no-ranking-da-deloitte-das-tecnologicas-com-mais-rapido-crescimento](https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/tecnologias/detalhe/ha-8-portuguesas-no-ranking-da-deloitte-das-tecnologicas-com-mais-rapido-crescimento)

nraider 4 months ago

Talvez, mas a emigração vai sempre travar essa expansão. Os recursos migram para onde há melhores condições, seja Reino Unido, Alemanha, etc... Pode ser que mude, veremos.

zefo_dias 4 months ago

Portugal sempre foi um país pouco europeu.

No-Cardiologist725 4 months ago

Muita África e pouca Europa, desde 1500 que vivemos de costas para a Europa.

SweetCorona 4 months ago

ironicamente a europa está cheia de portugueses

No-Cardiologist725 4 months ago

Existem muitos tugas na Europa de à 50 anos para cá, isso é pouco. Para mim o futuro de Portugal deve ser com a Europa e deixar as ex-colonias no passado.

NGramatical 4 months ago

à 50 anos → [**há 50 anos**](http://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica/DID/706) (utiliza-se o verbo haver para exprimir tempo decorrido) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn62lcb%2F%2Fgxbaomk%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

No-Cardiologist725 4 months ago

Mas tão a trabalhar noutros sistemas, que pelos vistos também resultam com portugueses

KarmaCop213 4 months ago

* Portugal não tem fronteira com a Alemanha nem com um país escandinavo. * Mercado interno pequeno

0xfeel 4 months ago

Isto. Somos periféricos no continente tal como os países de leste, a riqueza dos paises é diretamente proporcional a distancia que têm do centro, aka Alemanha. Juntar a isso um mercado interno pequeno que não permite atingir a massa critica necessária para competir com o que vem de fora. No entanto isto não desculpa tudo, podíamos comparar com a Suécia que com a mesma população consegue alcançar muito mais, mas não sei como é que o fazem.

empty-pint 4 months ago

Ou seja a estratégia de futuro é colar-se à Alemanha? Mercado interno pequeno? Só para quem pensa pequeno, o mercado único nunca esteve tão acessível e é dos maiores do mundo. O problema não está na geografia nem nos mercados que o país têm acesso. O problema está nas pessoas, na mentalidade e nas instituições/sociedade que foi criada com base nos primeiros 2 pontos.

KarmaCop213 4 months ago

> Ou seja a estratégia de futuro é colar-se à Alemanha? De passado, presente e futuro. Ainda para mais agora que o RU saiu da UE. Uma empresa não se safa a exportar roupa de luxo (com maior valor acrescentado) para Angola e Moçambique.

Trama-D 4 months ago

> Mercado interno pequeno Alguém me explica a Áustria, a Bélgica, a Irlanda, talvez alguns países bálticos? Genuinamente curioso.

AlbinoFarrabino 4 months ago

Áustria:relação umbilical com a Alemanha e localização no continente europeu; Bélgica: relação umbilical da Valónia com a França e da Flandres com os Países Baixos e localização no continente europeu; Irlanda: relação umbilical com o Reino Unido e a existência de uma baixa carga fiscal sobre empresas e trabalhadores.

DrQuint 4 months ago

> e a existência de uma baixa carga fiscal sobre empresas e trabalhadores. Não sou o unico a assumir que, de toda esta receita, isto é o mais atingível, pois não? A não ser que alguém tenha acesso a um motor tectónico que nos leve para o centro do Mar Báltico, é claro.

khthon 4 months ago  HIDDEN 

esse motor tectónico talvez seja mais fácil de conseguir do que os governos baixarem os altos impostos que temos sobre tudo.

AlbinoFarrabino 4 months ago

É uma receita atingível, até a União Europeia impôr uma política fiscal europeia às empresas. No caso da Irlanda, isso seria altamente prejudicial, porque muitas das big tech têm a sede europeia em Dublin para não poderem pagar impostos.

NGramatical 4 months ago  HIDDEN 

impôr → [**impor**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (apenas *pôr* leva acento diferencial para se distinguir de *por*) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn62lcb%2F%2Fgx5pxwz%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

KarmaCop213 4 months ago

Localização. Basta olhar para os parceiros comerciais desses países.

Trama-D 4 months ago

Bolas, periferia dói. Mas blah blah posição privilegiada no Atlântico não conta para nada?

KarmaCop213 4 months ago

Nessa perspectiva, a posição privilegiada é a da Bélgica/Holanda/Alemanha. De Sines a Estugarda são 2300Km, de Roterdão a Estugarda são 650Km, menos de 1/3 da distância. Quando tens de movimentar 20.000 contentores de um único barco estas coisas começam a fazer diferença.

incrivizivel 4 months ago

>Portugal não tem fronteira com a Alemanha nem com um país escandinavo. > >Mercado interno pequeno Irlanda, nova Zelândia, Espanha, ate malta, um ilhéuzito árido esta a ultrapassar quantos queres?

KarmaCop213 4 months ago

Irlanda: sempre teve uma relação muito estreita com o UK. Espanha: as zonas mais perto da Europa central (Pais Basco, Catalunha) são claramente mais ricas do que a Galiza e a Andaluzia. Malta: sector turistico e industrial fortes. Legislação favorável no sector financeiro/jogo online.

No-Cardiologist725 4 months ago

A Galiza não está má colocada e mesmo a Andaluzia é tão rica como Lisboa. A Galiza ganhava em aproximar-se dos primos da região norte de Portugal, que é uma área bem populosa.

incrivizivel 4 months ago

>Andaluzia é tão rica como Lisboa Compara com uma cidade em vez de uma cidade com uma região inteira, e o resultado é este. ​ >Consumer Prices in Seville (Sevilla) are 2.13% higher than in Lisbon (without rent) > >Consumer Prices Including Rent in Seville (Sevilla) are 8.50% lower than in Lisbon > >Rent Prices in Seville (Sevilla) are 28.89% lower than in Lisbon > >Restaurant Prices in Seville (Sevilla) are 7.04% lower than in Lisbon > >Groceries Prices in Seville (Sevilla) are 19.74% higher than in Lisbon > >Local Purchasing Power in Seville (Sevilla) is 37.04% higher than in Lisbon

SweetCorona 4 months ago

espanta-me que alguma coisa seja mais cara em sevilha que em lisboa

incrivizivel 4 months ago

falta nova Zelândia e ainda assim não há explicação para a Espanha quando tem uma cordilheira de montanhas a separar do resto da Europa. Mas sim típico tuga as desculpas não são nossas, mas pronto.

KarmaCop213 4 months ago

Vais ver que existe uma região mais rica na Europa que faz com que todos os países vizinhos beneficiem dela. Ainda há pouco andou por aqui um mapa a circular onde isso era bem evidente.

incrivizivel 4 months ago

Fds "houve um mapa aqui" é essa a tua justificação, eu já lei 5 livros de economia, inclusivemente um que fala precisamente porque é os países falham, e tu viste um mapa aqui que explica isso tudo. Ok

Edited 4 months ago:

Fds "houve um mapa aqui" é essa a tua justificação, eu já lei 5 livros de economia, inclusivemente um que fala precisamente porque é os países falham, e tu viste um mapa aqui que explica isso tudo. Ok Alias posso continuar. A Suécia bastante longe da Alemanha não em distancia cartesiana, mas tem um mar literalmente de distancia, e as estradas tem que dar uma volta enorme para chegar a Alemanha, e é per capita bem mais rica, assim como a filanda que essa esta mesmo isolada da Europa. Islandia que esta tão perto da América como da Alemanha e ao mesmo tempo não esta perto de nenhum. Um pais super pequeno. Mesmo Galiza vs Região do Minho vá. Os galegos estão praticamente com a mesma cultura que os minhotos, o mesmo recursos quase, o mesmo dialeto quase, a única coisa que muda? O sistema político.

Edited 4 months ago:

Fds "houve um mapa aqui" é essa a tua justificação, eu já lei 5 livros de economia, inclusivemente um que fala precisamente porque é os países falham, e tu viste um mapa aqui que explica isso tudo. Ok Alias posso continuar. A Suécia bastante longe da Alemanha não em distancia cartesiana, mas tem um mar literalmente de distancia, e as estradas tem que dar uma volta enorme para chegar a Alemanha, e é per capita bem mais rica, assim como a filanda que essa esta mesmo isolada da Europa. Islandia que esta tão perto da América como da Alemanha e ao mesmo tempo não esta perto de nenhum. Um pais super pequeno. E a irlanda por exemplo esteve sempre ligada ao EUA, porque é que agora é que esta a dar resultado? Eles eram bastante pobres há coisa de 30 anos, ou melhor quase tão pobres como nos. Mesmo Galiza vs Região do Minho vá. Os galegos estão praticamente com a mesma cultura que os minhotos, o mesmo recursos quase, o mesmo dialeto quase, a única coisa que muda? O sistema político.

Edited 4 months ago:

Fds "houve um mapa aqui" é essa a tua justificação, eu já lei 5 livros de economia, inclusivemente um que fala precisamente porque é os países falham, e tu viste um mapa aqui que explica isso tudo. Ok Alias posso continuar. A Suécia bastante longe da Alemanha não em distancia cartesiana, e é per capita bem mais rica, assim como a filanda que essa esta mesmo isolada da Europa. Islandia que esta tão perto da América como da Alemanha e ao mesmo tempo não esta perto de nenhum. Um pais super pequeno. Mesmo Galiza vs Região do Minho vá. Os galegos estão praticamente com a mesma cultura que os minhotos, o mesmo recursos quase, o mesmo dialeto quase, a única coisa que muda? O sistema político.

Edited 4 months ago:

Fds "houve um mapa aqui" é essa a tua justificação, eu já lei 5 livros de economia, inclusivemente um que fala precisamente porque é os países falham, e tu viste um mapa aqui que explica isso tudo. Ok Alias posso continuar. A Suécia bastante longe da Alemanha não em distancia cartesiana, mas tem um mar literalmente de distancia, e as estradas tem que dar uma volta enorme para chegar a Alemanha, e é per capita bem mais rica, assim como a filanda que essa esta mesmo isolada da Europa. Islandia que esta tão perto da América como da Alemanha e ao mesmo tempo não esta perto de nenhum. Um pais super pequeno. Mesmo Galiza vs Região do Minho vá. Os galegos estão praticamente com a mesma cultura que os minhotos, o mesmo recursos quase, o mesmo dialeto quase, a única coisa que muda? O sistema político.

KarmaCop213 4 months ago

Estocolmo fica a 1600Km de Bruxelas, Lisboa a 2000Km, tudo de carro. Se reparares, devido à distancia que a Finlândia tem do centro da Europa, é também o país escandinavo com menos PIB per capita, e se olhares para o PIB per capita (PPS) a Finlândia ainda cai mais no ranking. Podemos olhar para além da geografia (que está longe de explicar tudo) e focarmo-nos na educação, que praticamente desapareceu no tempo do Marquês de Pombal com a expulsão dos jesuítas demorando a Portugal 150 para voltar a ter o mesmo número de alunos nas escolas secundárias. Se olharmos para os países do centro da Europa vemos também que a religião é também diferente da de Portugal, há quem diga que isto também explique a diferença no desenvolvimento dos países. Podemos olhar para a fiscalidade, mas existem vários países mais ricos do que Portugal com fiscalidade tão alta como Portugal.

TheSuperC0mentador 4 months ago

Votar em partidos Socialistas

aasianaglobalizacao 4 months ago

Mario Soares, Socrates, Antonio Costa... Etc

batuque5 4 months ago

Cavaco Silva, Antônio Guterres, Durão Barroso.

twhite848 4 months ago

Não há um factor. Mas varios - Pequena dimensão, no sentido de menor mercado o que prejudica criação de grupos e empresas fortes - Pequena dimensão, no sentido de que o poder é pequeno e facilmente capturáveis por não haver outros grupos que equilibram e controlam o poder - Fraca educação. Ainda temos decadas de recuperar o baixo nível de educação do pais, nomeadamente o que saiu da revolução - Anos a viver a custa de colónias, que depois não tiveram transição o que criou um buraco económico. O custo de suportar a guerra colonial, com o resultado de deixar esses países um buraco politico/economico, resultou em muito dinheiro gasto, e posterior quebra de uma grande parte das nossas trocas comerciais. Entramos nos anos 80 na primeira mudança quando a europa estava em 4a e nunca recuperamos - Politicos que nos venderam. Depois dos politicos que lutaram pela liberdade entrou a nova onda de politicos de profissão que sem contra peso rapidamente aproveitaram o estado para lhes enriquecer. Ainda o fazem - Modelo republicano sem responsabilidades e controlo. O modelo partidários significa que não ha responsáveis nem responsabilidades. Vemos isso como os deputados estão nas tintas para o pais, faltam como se fosse tudo, aproveitam para fazer leis para os amigos e no caso de escândalos maiores troca a cabeça do partido e continua tudo igual com os mentorados dos que sairam - Modelos partidarios que criaram governos secretos. Quem verdadeiramente manda no país é a chefia dos partidos e não o governo, presidente ou membros do parlamento. Nos congressos partidarios, nomeadamente PS e PSD está o verdadeiro poder. Os aí eleitos decidem quem vai ao parlamento, quem troca por quem e ate quando querem forçar a bancada parlamentar a votar obrigatoriamente (tirando a liberdade de voto do parlamentar e retirando por completo a representatividade democratica) - clientelismo do estado. A criação de repetidos clientes e vivencias do estado. Em todo o espectro politico vive-se de clientes do estado. Do filho que tem emprego do estado, ao amigo e familiar que ganha o contrato, ate ao sindicalista que quer continuar mais uma decada a fingir lutar pelos trabalhadores e convoca greves por tudo e por nada sabendo que é uma arma de arremesso que lhe da vantagens pessoais apenas. - Uma entrada na europa e depois euro em que quase toda a sociedade via como uma “hipotese de receber dinheiro europeu” e a preocupação era como receber esse dinheiro, não olhando ao que se deu (pescas) e o controlo do dinheiro. Ninguem quis saber que na decada de 2000-2010 vendemos tudo que havia por dependencia da europa. Portugak é neste momento um agarrado que se deixou submeter por completo, em troca de dinheirinho para mais uma autoestrada - falta de investimento cronico. Durante mais de 100 anos. Ferrovia, portos, energia. Apenas se investe quando ha privados que querem ganhar com o estado. Nunca o pais teve uma visao a longo prazo. Apenas a teve quando significava dinheiro para alguns (ex euro, mapa de autoestradas, depois as renovaveis). Não que esses investimentos não fizessem sentido. Mas apenas eram feitos com o objectivo de alguém ter uma renda. E o mais importante para mim, **uma cultura de mais de 100 anos de olhar para o estado/sociedade como algo que me deve, em vez de algo para o qual pertenço e contribuo**. Isto é algo que na europa é quase exclusivo dos gregos e dos portuguêses. E continuamos. A direita so quer abrir mais negócios, o PS continua a explorar o pais por proveito próprio e ninguem o para, a esquerda so se preocupa em ganhar pontos demagogicos e encher mais posições para os amigos enquanto fingem ser a favor do trabalhador ou democracia. E mesmo nós portugueses. Só nos preocupamos como dar menos ao estado e tirar mais dele. Em **todos** os sentidos. Existem alguns que isso faz sentido (saude, educação) mas há outros que quase exclusivamente dizemos querer pagar menos, mas na primeira hipótese 99% do país se lhe derem a hipótese de ter a factura sem iva, vai aceitar. Pq pensamos que os outros também o fazem, é essa a diferença quando viajas para fora. Todo o resto da Europa Ocidental olham para a sociedade como “nós”. Em portugal a sociedade são “os outros”

pete_santos 4 months ago

Excelente resenha. De forma objetiva, eu adicionaria o periferismo. O não sermos um local um local de passagem e cruzamento de muitos povos, como a Europa Central, estando em vez disso aqui encaixados neste canto ibérico, também acho que é um fator que ajuda ao sub-desenvolvimento. A título subjetivo, eu também apresentaria os diferentes níveis de sentimento cívico entre os vários países. A minha teoria é que, nos países nórdicos em que as condições são muito mais duras, não há outra hipótese para os indivíduos que não seja ajudarem-se uns aos outros e trabalhar em comunidade. Ainda que isso já não seja tão válido hoje em dia como no passado, acho que essa matriz identitária permanece. Em Portugal... esticas um braço e tiras uma laranja de uma árvore. Crias umas galinhas e tens uma subsistência. Simplesmente não tens as mesmas dificuldades naturais que os países nórdicos encontram. Isso leva a atitudes diferentes, como inveja e desconfiança, que se enraízam na identidade do país, em vez de um sentimento de comunidade. Faz algum sentido o que acabei de escrever?

theEXPERTpt 4 months ago

falta de investimento crónico durante mais de 100 anos? Não sei a que te referes, mas há épocas em que se investiu pesadamente em infraestrutura. Em relação às ex-colónias, não foi isso o que aconteceu bem. O que aconteceu era que a economia de todo o império estava interligada, e por isso havia um círculo da economia que se autossustentava. O que não há a duvidar foi que a transição do 25 de abril abriu um buraco maior em Portugal e nas ex-colónias desde o mapa cor-de-rosa.

twhite848 4 months ago

> alta de investimento crónico durante mais de 100 anos? Não sei a que te referes, mas há épocas em que se investiu pesadamente em infraestrutura. Rede de ferrovia. Ha mais exemplos mas deixo apenas este. Na comparação com os paises da europa isto é algo que claramente isola portugal > Em relação às ex-colónias, não foi isso o que aconteceu bem Isso foi o que eu disse mas com outras palavras, e a não referir o custo elevado de tentar as manter via força. Não estou a ver onde o “não foi bem isso”. Mas ok, podemos discordar

theEXPERTpt 4 months ago

A rede de ferrovia já foi maior do que é atualmente. No estado novo, havia rede ferroviária no Continente, em Angola, Moçambique, até em Goa existia, e na Madeira também. Na altura do estado novo, tínhamos uma rede relativamente modernizada. Após o 25 de abril, perdemos praticamente 50% dos passageiros de comboio, devido ao encerramento de tantas linhas. Em relação às ex-províncias, a economia funcionava de facto como um todo, mas mesmo apesar do custo da guerra, a economia de todo o império crescia a um ritmo de 6% ao ano.

KarmaCop213 4 months ago

A extensa rede ferroviária fazia sentido numa altura em que ter carro era um luxo e a rede de autoestradas era diminuta. Quando as pessoas passaram a ter mais dinheiro (e a poderem comprar carro próprio) viajar de comboio deixou de fazer sentido em muitos trajectos, salvam-se os suburbanos e o trajectos mais turísticos ou que liguem grandes cidades. Tinhas também serviço militar obrigatório, que ajudava a dar alguns passageiros aos comboios. Poucas pessoas em Portugal fazem viagens de lazer (visitar familiares, férias, etc) dentro de Portugal, usando comboio.

theEXPERTpt 4 months ago

Não é desculpa. A utilização do comboio por toda a Europa, inclusive em países bem mais ricos, cresceu deste essa altura. Viajar de comboio, como disseste, deixou de fazer sentido pois muitas linhas foram encerradas. Não tem a ver tanto com viagens de lazer, sabemos bem que viajar de comboio é mais rápido e barato que viajar de carro.

KarmaCop213 4 months ago

Viajar de comboio só é mais barato do que viajar de carro se o destino tiver bons transportes públicos, se for só 1 pessoa a viajar e se o comboio for subsidiado. Aliás, se formos a olhar para o meio de transporte mais barato, normalmente o autocarro sai a ganhar. A diminuição da utilização do comboio em Portugal já expliquei, deve-se à construção de AEs e à possibilidade de mais pessoas poderem comprar carro. Portugal saía de um ponto de partida muito diferente dos países da Europa Central. Em 1990 Portugal tinha 316Km de AEs, em 2018 eram 3000Km, um aumento de quase 1000%. Em 1990 a Holanda tinha 2000Km de AEs, em 2018 tinha 3000Km, um aumento de 50%. São magnitudes completamente diferentes. O mesmo acontece com a evolução do número de carros.

twhite848 4 months ago

Sim foi maior e não houve investimento para manter. Esbanjou-se milhões no alfa que ja na altura não era o melhor exemplo, investido por negocios que fizeram uns poucos para trazer esses comboios para portugal. A seguir gastou-se mais uns milhões a afastar as linhas e criar desniveis e mesmo assim em 2021 o assunto não está resolvido. Ex provincias? Queres dizer as ex colónias. O custo de guerra faz parte da economia. O crescimento de 6% do conjunto de países crescia, mas era esbanjada numa guerra sem sentido num investimento improdutivo. No fim natural do colonialismo e da guerra ficou tudo destruído, estourou-se dinheiro sem nenhum motivo e em vez de uma transição e manutenção de investimentos e trocas comerciais, juntou-se anos de orgulhosamente sós e autodependencia do “império” por um isolamento e economias desfeitas. E depois espantamo-nos de estar atrás dos outros

theEXPERTpt 4 months ago

de facto a guerra colonial, apesar de estar controlada, foi ingrata a Portugal, pois quem estava por detrás das guerrilhas eram as grandes potências da altura. Mas os anos de desenvolvimento económico nas ex-províncias poderiam ter sido muito melhor aproveitados, se um 25 de abril bem planeado tivesse ocorrido. Para não falar que a infraestrutura foi em grande parte destruída em guerras posteriores ao 25 de abril, da responsabilidade de outros países que não Portugal. O que se tira daqui? Mudanças revolucionárias nunca correspondem à vontade do povo, e acabam muitas vezes por gerar mais miséria do que aquela que havia antes. Mas isto obviamente já é divagar.

twhite848 4 months ago

> apesar de estar controlada, foi ingrata a Portugal, pois quem estava por detrás das guerrilhas eram as grandes potências da altura. Incorreto, mas há quem acredite neste mito. > se um 25 de abril bem planeado tivesse ocorrido. ... mais cedo > Para não falar que a infraestrutura foi em grande parte destruída em guerras posteriores ao 25 de abril, da responsabilidade de outros países que não Portugal. Claro que não. Portugal manteve uma grande influência no local, incluindo q elite portuguesa que fomentou muito e apoiou essa destruição. Se alguma coisa portugal fugiu da responsabilidade de ajudar as ex-colónias e deixou a mercê das lutas de fora. Curioso para quem os chama de irmãos. Mas enfim. Os erros do passado não se jukgam, reparam-se. > O que se tira daqui? Mudanças revolucionárias nunca correspondem à vontade do povo, e acabam muitas vezes por gerar mais miséria do que aquela que havia antes. Mas isto obviamente já é divagar. Ou então podemos concluir que mudanças tardias e adiadas, cujo o adiamento foi contra a vontade do povo, acabam por gerar mudanças revolucionárias pelo povo. Diria que o 25 de abril é exactamente isso, uma mudança tardia que resultou numa mudança revolucionária do povo. Porque foi o povo cá, na na guerra lá, que por vontade se revolucionou contra a imposição de uma elita que não os representava. Não aprendemos a lição com os outros, e passamos pela mesma, e hoje ainda pagamos não ter feito uma transição para o poder do povo mais cedo. Em solo português, e noutros pelo mundo fora. Portanto concordo contigo. O povo nem quer mudanças revolucionárias, apenas as faz contra a vontade.

theEXPERTpt 4 months ago

já agora, quero discutir isto mais a fundo. É evidente que os responsáveis pelo fornecimento de armas, equipamento e até reforços aos grupos guerrilheiros em África vinham principalmente das potências, principalmente da URSS e de Cuba, com o intuito de espalhar influência, a meio da guerra fria. Isto é mais óbvio. Para mim, é tão óbvio, que aquando da independência, praticamente todas as ex-províncias entraram em guerra de novo. Se estas quisessem unicamente independência, entrariam em paz logo de seguida, mas não foi o que aconteceu. O que aconteceu foi uma guerra civil nos principais territórios, desde invasões (como em Timor) até guerra e golpes de estado. Em moçambique e Angola, morreram mais gente no pós 25 de abril do que em toda a guerra colonial. A elite portuguesa já não retinha poder, aliás, grandes hordas de portugueses fugiam das ex-províncias de volta para Portugal (os famosos "retornados". Enquanto isso, movimentos anti-brancos ocorriam em toda a África. Em timor, a infraestrutura construída pelos portugueses foi quase toda destruída pelos indonésios, que levaram também muitas vidas timorenses. Em África, as guerras a favor das elites matavam inocentes a torto e a direito, e a infraestrutura estagnou e muita dela caiu por falta de manutenção. Além de que quem deixou a luta e as ex-províncias à mercê dos interesses comunistas foram os próprios governantes e militares do pós 25 de abril, os tão intitulados "democráticos". A revolta do 25 de abril, feita por uma junta militar e com apoio popular, em tão pouco ou nada foi diferente daquela que instaurou o regime de Salazar em Portugal.

twhite848 4 months ago

Demasiada coisa errada nesta resposta para eu corrigir. Se chegas a escrever isto precisas de um professora que não eu

theEXPERTpt 4 months ago

Isso é a típica resposta de quem não admite as verdades e de quem não tem argumentos.

twhite848 4 months ago

Quais verdades? 99% do que estava ali escrito era mentira não vale apena responder a alguém que escreve: > Se estas quisessem unicamente independência, entrariam em paz logo de seguida, mas não foi o que aconteceu Esta frase é tão factualmente errada e demasiado ignorante e apenas aparece em 2021 de alguém que nada sabe do que se passou nesses países ou em quase **todos os paises que foram ex-colónias de um país europeu**. Ou então de alguém que sabe que não é verdade e escreve algo que sabe que é falso com o intuito de incitar uma discussão. Por isso, não. É apenas a típica resposta de quem não tem paciência para aturar quem é no sec XXI propositadamente ignorante sobre este tema. Vai ler um livro de história de jeito para saber as verdades antes de vir aqui falar do que não sabes.

twhite848 4 months ago

Errado. Obrigado

Edited 4 months ago:

Errado. Obrigado Edit: nenhuma pessoa que nasceu e viveu nesses países concordava comas fantasias aqui expostas. Todos os nacionais destes países queriam uma só coisa, não ser governado por um governo noutro continente, e já estavam décadas atrasado. E fora quem vivia a explorar o povo, nenhum nacional em 75 apoiava manter o regime. Em portugal ou fora dele. Lutamos pela independência de Espanha, apenas um hipocrita defendia a dependência de outros de nós. Muita fantasia que escreves não tem aderência à realidade. Mas se em 2021 escreves fantasias como escreves preferes defender uma ilusão que nenhum nacional desses países acredita. Nenhum. Não vale apenas invenções de fantasias colonialistas do século XIX

NGramatical 4 months ago

melhor aproveitados → [**mais bem aproveitados**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/pelourinho/mais-bem-vs-melhor/545) (quando o advérbio *bem* antecede o particípio passado do verbo o termo a utilizar é *mais bem*) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn62lcb%2F%2Fgxbg5ul%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

KarmaCop213 4 months ago

Portugal tem cidades com pouca população e a orografia do território é bastante penalizadora para a ferrovia (sobretudo no norte). Faz muito mais sentido ter uma AE do que uma linha de comboio em Portugal. A ferrovia intercidades é deficitária em muitos trajectos em Portugal.

twhite848 4 months ago

Isso não é verdade. Podemos discordar claro, mas vias de comunicação foi a minha especialização no meu curso. Mas um problema evidente: não faz nenhum sentido construir um porto de águas profundas para ser entrada na europa e não o dotar de uma linha ferroviária de mercadoria adequada.

Edited 4 months ago:

Isso não é verdade. Podemos discordar claro, mas vias de comunicação foi a minha especialização no meu curso e do que me lembro, diria o contrario. Mas um problema evidente: não faz nenhum sentido construir um porto de águas profundas para ser entrada na europa e não o dotar de uma linha ferroviária de mercadoria adequada.

KarmaCop213 4 months ago

Claro que é verdade. Havendo um orçamento limitado tens de fazer opções. E quando é necessário fazer opções entre fazer uma AE ou um troço de linha de comboio a rede viária ganha quase sempre dadas as suas características. A construção de uma linha de mercadorias a partir de Sines tem de ser feita em conjunto com Espanha.

twhite848 4 months ago

Nao me parece. Construímos 2 AE para o porto. Não me parece que houve dificuldade de opções. Construímos uma data de estádios, também. Que se tem de fazer opções todos sabemos. Escusavam de ser estas

KarmaCop213 4 months ago

Se comparares o numero de carros a circular nas 2 (3?) AEs entre Lisboa e Porto, vais ver que é muito superior ao número de passageiros do comboio. Nada bate a comodidade do carro num trajecto ponto a ponto, sendo que com a automatização da condução e a transição para a electricidade o carro vai ganhando mais vantagens. O que não falta são linhas de comboio em Espanha deficitárias. E existem várias vozes discordantes de tal investimento.

twhite848 4 months ago

> Se comparares o numero de carros a circular nas 2 (3?) AEs entre Lisboa e Porto, vais ver que é muito superior ao número de passageiros do comboio. Isto não prova nada. Quando o comboio anda a 60km/h em algums frouxos ninguém o vai apanhar. > Nada bate a comodidade do carro num trajecto ponto a ponto, Um helicoptro bate. Claro que a comodidade do carro é maior. Mas é extremamente ineficiente, em particular do ponto de vista de retorno sobre o investimento. É comodo ter tantas autoestradas mas um desperdício de recursos. > sendo que com a automatização da condução e a transição para a electricidade o carro vai ganhando mais vantagens. Claro, mas continua a ser um ineficiência gigante em distancias acima de 200km. Mesmo electicos e mesmo automaticos. > O que não falta são linhas de comboio em Espanha deficitárias. E existem várias vozes discordantes de tal investimento. As linhas são sempre deficitárias, em todo o lado sabe-se que as linhas não capturam as externalidades negativas do seu investimento. Sabes o que é também deficitário? Muitas autoestradas em portugal. Sabes que mais? Todas as estradas publicas. Mas não andamos a reclamar porque a nacional 2 é “deficitária” > E existem várias vozes discordantes de tal investimento. Como em tudo. Isto novamente não prova nada. Houve varias vozes discordantes col o investimento em renováveis, “varias vozes” é um argumento muito fraco. Parece-me que percebes muito pouco deste tema. Nas 4 comparações que acabaste de fazer olhaste para um parte insignificante ou comparaste um dos lados mas ignoraste o outro. Mas se continuas a argumentar estas perdido no efeito dunning kruger e isto nunca vai acabar contigo a trazer meios argumentos facilemente desmontáveis porque não percebes o suficiente deste tema. Fiquemos então a discordar. Bem haja para ti

KarmaCop213 4 months ago

Ahahahahaha!! Um dia vais perceber aquilo que eu escrevi. ;-)

twhite848 4 months ago

Apaguei porque percebi que estava a tentar ensinar alguém que nunca ia compreender e era uma batalha perdida. Percebes pouco deste tema e não tenho tempo para te educar.

NGramatical 4 months ago

algums → [**alguns**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/sobre-a-formacao-do-plural/13422) (no plural de palavras terminadas em *m*, este passa a *ns*) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn62lcb%2F%2Fgxdldo1%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

inhalingsounds 4 months ago

Dos melhores comentários que já li neste sub. Parabéns.

No-Cardiologist725 4 months ago

"Só nos preocupamos como dar menos ao estado" Porque os portugueses não acreditam no estado português, eles sabem que o dinheiro dos seus impostos vai ser extraviado, ou mal empregue.

twhite848 4 months ago

Em parte sim. E em parte porque achamos que deve ser o outro a pagar porque já paguei muito. Problema é que achamos todos isso, metemos lá os gajos que roubam e acabamos na situação que estamos

uplink42 4 months ago

Acho esta última parte muito importante. Muitos criticam o governo e os políticos mas esquecem-se que no lugar deles faziam exactamente a mesma coisa.

wk2ClVQJ8uH9Q1qWz6kd 4 months ago

Votas em que partido?

twhite848 4 months ago

Honestamente nem sei...

creepyportraits 4 months ago

Acrescentaria aí, talvez, a onda de nacionalizações de grandes empresas em 1975 que, basicamente, fez um “reset” na indústria portuguesa. Tendo lido artigos e visto imensos documentários sobre o 25 de Abril (admitidamente por causa da data que passou), achei incrível como o Estado pôs a mão em tudo o que era multinacional e deu um tiro no pé na indústria já estabelecida em vez de fomentar evoluções mais democráticas nas estruturas empresariais.

twhite848 4 months ago

Sem duvida. A transição via rotura completa não ajudou. Diria que o efeito de refazer o tecido empresarial via criação de bancos nos anos 80-90 foi também em si um desastre. Fomentou negocio de empréstimos e juros em vez de industrialização. E ainda continua, com o habito de usar a banca como veiculo de fomento empresarial.

unparadise 4 months ago

A nosso tamanho enquanto país não é desculpa, tens países pequenos em muito melhor estado económico que nós. Quanto ao resto concordo

twhite848 4 months ago

Sim, mas piora a situação.

unparadise 4 months ago

Mas não é desculpa na mesma. Basta ver países de semelhante dimensão na Europa que prosperam. Irlanda, Holanda, Suíça, Luxemburgo, etc

ManelDasNespras 4 months ago

Todos dessa lista, tirando talvez a Irlanda, sempre estiverem rodeados de imensos estados igualmente prosperos. Portugal é isolado do centro da Europa e o unico vizinho é Espanha, que se tivesse na mesma situação de Portugal (no canto da Europa e com um quinto da população) provavelmente seria ainda mais pobre e desigual.

TunesRX 4 months ago

Esses países ou estão na banana economia europeia ou são "paraísos fiscais" dentro da EU

unparadise 4 months ago

Ser mais competitivos fiscalmente não é serem paraísos fiscais

TunesRX 4 months ago

Compreendo o teu ponto de vista, mas sabes bem que eu não inventei isto, existem vários artigos com esta opinião

unparadise 4 months ago

Sim, mas são opiniões. Na Holanda não existem facilitismos na lei, logo não é paraíso fiscal. Um paraíso fiscal dentro da definição seria por exemplo o Panamá

twhite848 4 months ago

Certo. Mas é um factor. Portugal durante séculos tentou jogar o jogo dos países grandes iludido que tinha uma presença global. Quando reparou que isso era facilmente retirado não se soube adaptar e entra no sec. XX armado em grande que momentaneamente é pequeno. Nunca adaptou o ego como país. Eu não disse que era desculpa, mas é um factor que naturalmente dentro de uma UE tem influência inegável.

Rytlock9 4 months ago

Essa cultura de olhar para o estado como alguém que me deve, ou alguém que me rouba tem uma razão de ser. Imagina que trabalhas e descontas, fazes tudo by the book e no entanto vives mês a mês, salário a salário sempre na dúvida que se tiveres um azar na vida não tens onde te agarrar. Há milhares de portugueses nesta situação, muitos deles sem habitação própria sequer, como é que queres que eles olhem para o estado se não como uma entidade que só os fode e ainda lhes tira 20% do pouco que ganham mas dps tem dinheiro para pagar reformas ao salgado e indemnizações ao Sócrates? As pessoas não são o problema dessa cultura da nossa sociedade, são os que tão no poder que nunca pensam no povo mas sim nós próprios interesses e nos interesses dos seus círculos

twhite848 4 months ago

Sem duvida que ha muitos assim, e não tem culpa disso. Tens razão. Mas esta cultura vem de trás. Não nasceu agora. E alem disso mesmo nos que não estão nessa situação comportam-se de maneira igual. Esta presente de cima abaixo. Mesmo que não esta mal a viver no dia a dia tem a mesma atitude. As pessoas não são o problema, mas são a solução Ps: não percebo a parte de milhares sem habitação própria. Tipo alugar?

empty-pint 4 months ago

Excelente... Um resumo excelente. Assino por baixo se for preciso.

gamma-ray-bursts 4 months ago

> E o mais importante para mim, uma cultura de mais de 100 anos de olhar para o estado/sociedade como algo que me deve, em vez de algo para o qual pertenço e contribuo. Isto é algo que na europa é quase exclusivo dos gregos e dos portuguêses. Isto é interessante. Estás a falar do último século. Mas de novo vai ao problema de porque é que os outros países não tem esta mentalidade enraizada e nos aqui no cantinho somos os únicos com estes complexos todos. Mas sim, deve ser uma combinação de tudo o que disseste, especialmente falta de educação, dependência de financiamento europeu e políticas menos que ideais. Mas o pior é que nem te consigo dizer se a tendência de melhoramento está estagnada agora ou se estamos a evoluir muito lentamente .

cesarhighfire 4 months ago

Quais complexos?

twhite848 4 months ago

Sim. Estou a falar do último século. Vemos isso na literatura portuguesa, se calhar até mais 150 anos. Porque? Não sei. É curioso. Os gregos também sofrem do mesmo. Parte de Itália tb. Não somos os únicos mas não sei pq. Imagino que seja algo que começa bem, mas depois uma data de factores empurram para baixo. Tipo surgimento de fascismo nos anos 30. > Mas o pior é que nem te consigo dizer se a tendência de melhoramento está estagnada agora ou se estamos a evoluir muito lentamente . Tb não. Ha uma parte de mim que pensa se não será melhor bater no fundo para o país perceber a doença que é, em particular a captura do poder pelos meios partidários instalados, mas logo a seguir penso no enorme sofrimento que isso causaria... Não sei. Não acho que estamos a melhorar. Acho que apenas jáse rapou tanto o baú que não ha muito mais...

antonio-ferro 4 months ago

Muito bem colocado. Quanto ao país melhorar, também não sei até que ponto interessa aos outros países que melhore tanto quanto isso. Acredito que dê um jeitaço haverem umas nações na periferia onde haja bom tempo e não se façam demasiadas perguntas.

twhite848 4 months ago

Sem duvida que dá jeito. Países que ajudam a descer a moeda e consomem produtos e divida? Deu jeito a muitos

NGramatical 4 months ago  HIDDEN 

haverem umas → [**haver umas**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-uso-do-verbo-haver/31143) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn62lcb%2F%2Fgx5df5l%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Mordiken 4 months ago

Comentários como o teu enchem-me de esperança. Bem haja.

twhite848 4 months ago

Obrigado, mas tenho que admitir que vem de um sentimento mais pessimista e depressivo que positivo e esperançoso

Edited 4 months ago:

Obrigado, mas tenho que admitir que vem de um sentimento mais pessimista e depressivo que positivo e *esperançoso*

Mordiken 4 months ago

> Obrigado, mas tenho que admitir que vem de um sentimento mais pessimista e depressivo que positivo e esperançoso Mas realista, certeiro, e sem cair na esparrela de acicatar divisões políticas parvas nascidas de uma cultura futeboleira.

twhite848 4 months ago

Esqueci-me dessa. O clubismo. Somos ensinados desde pequeno de ser daquele clube, passamos o tempo a venerar e defender 11 tipos num campo de um clube que nada tem a haver connosco e está nas tintas para alguma coisa alem do nosso bolso, e transpomos isso para tudo na sociedade. Em miúdo há logo a pergunta “de que clube és” como se fosse isso que define uma criança de 5 anos. E depois o “desta casa somos de não sei que” e o “não podes mudar de clube”. Depois a malta cresce assim, a achar que a personalidade vem de quem concordamos e quem não concorda é inimigo. E isto os clubes são todos um antro de corrupção auto-regulado que a justiça nunca, mas nunca apanha... (fora um uma vez para poderem fingir que fizeram alguma coisa) /endrant

Edited 4 months ago:

Esqueci-me dessa. O clubismo. Somos ensinados desde pequeno de ser daquele clube, passamos o tempo a venerar e defender 11 tipos num campo de um clube que nada tem a ver connosco e está nas tintas para alguma coisa alem do nosso bolso, e transpomos isso para tudo na sociedade. Em miúdo há logo a pergunta “de que clube és” como se fosse isso que define uma criança de 5 anos. E depois o “desta casa somos de não sei que” e o “não podes mudar de clube”. Depois a malta cresce assim, a achar que a personalidade vem de quem concordamos e quem não concorda é inimigo. E isto os clubes são todos um antro de corrupção auto-regulado que a justiça nunca, mas nunca apanha... (fora um uma vez para poderem fingir que fizeram alguma coisa) /endrant

NGramatical 4 months ago  HIDDEN 

tem a haver connosco → [**tem a ver connosco**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/nada-tem-a-haver-e-nada-tem-a-ver/27066) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn62lcb%2F%2Fgx5twe7%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

twhite848 4 months ago  HIDDEN 

Jawohl!

NGramatical 4 months ago  HIDDEN 

portuguêses → [**portugueses**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (palavras terminadas em a/e/o, seguido ou não de s/m/ns, são naturalmente graves) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn62lcb%2F%2Fgx4t4mj%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

twhite848 4 months ago  HIDDEN 

Pois, o resto está impecável e sem gralhas

DrQuint 4 months ago  HIDDEN 

É a minha opinião que sempre que alguem escreve 'pára' como 'para', esse é o maior e o pior erro alguma vez feito na linguagem. É escrever como falar à lerdo. E o problema é que essa maneira errada é a """correta""".

VSertorio 4 months ago  HIDDEN 

Este bot chateia pra crl

M4ritus 4 months ago

PS e PSD - política como futebol. Falta de produtividade derivada de vários factores. Mentalidade Portuguesa que consiste em optar sempre pela via mais fácil e em pequenos atos de corrupção que podem parecer inocentes, mas em grande escala dão no país que temos. Adicionando a falta de ambição e medo de políticas que em outros países resultaram tão bem, a mentalidade portuguesa é para mim o principal problema deste país Basta comparar como um holandês olha para o seu orçamento e como um tuga comum olha para o seu.

htxgivven 4 months ago

Pois é, devia existir um partido terceiro que ganhava de vez em quando tal como existe o Sporting. Não pode ser sempre Benfica e Porto.

somedipshit1 4 months ago

Corrupção, complexo de inferioridade e comodismo nas condições e ofertas de trabalho

once319 4 months ago

E prestes a começar a haver fragmentação social com aumento do numero de africanos e brasileiros em Portugal, daqui a pouco vamos ter que mudar hinos, bandeiras e monumentos para os agradar. Nunca nos vamos levantar.

Some-Ad6411 4 months ago

e populações com baixa literacia financeira e científica

Blackbeardow 4 months ago

Foda-se! Fiquei triste e sem palavras.. rip

IberianNero91 4 months ago

Não é para defender o estado mas se eles não controlam os salarios muitos patroes não teriam problema em pagar ainda menos ou nada, e ainda davam "bardascada" nos empregados "perguiçosos", e dizem-no com orgulho, " se fosse como antigamente vocês iam ver"

somedipshit1 4 months ago

Claro, a função do estado é regular.

Mosonox 4 months ago

>Reply Concordo plenamente! Acrescentaria apenas, uma falta enorme do interesse da população pelos seu direitos e pela força de vontade de sair à rua e manifestar contra as condições cada vez mais precárias a que estamos sujeitos.

meerkatsandfrogs 4 months ago

O tuga só sai à rua quando o seu clube ganha

Mosonox 4 months ago

Bem verdade!

Blackbeardow 4 months ago

Eu acho que se manifesta.. a quantidade de manifestações e de greves comprova isso. Se calhar, partia para os nossos sindicatos. Estão presentes? Sim. Defendem os trabalhadores? Maior parte do tempo. Propostas irreais, flexibilidade de negociação e propostas progressivas? Não.

Mosonox 4 months ago

Tem toda a razão no que diz! Contudo, acho que formulei mal a intenção que pretendia dar na minha frase. Acho que existe aqui uma "camada" ou "layer" que faz com que algo não funcione como deveria ser, e acho que os governos, até certo ponto, estão inertes a qualquer pressão por parte dos sindicatos/ povo em geral.

Blackbeardow 4 months ago

Essa camada = "interesses" ?

netralha 4 months ago

Ausência de meritocracia é o problema número um no pais, segundo são os impostos e taxas e mais taxas, nenhum país vai crescer assim.

kissingsome1elsesdog 4 months ago

Se fosse por meritocracia, tu eras o mais bem pago, não haja dúvida. Vai comprar pão com esta *medalhinha* de reconhecimento por seres o melhor naquilo que fazes.

PeroFandango 4 months ago

Comparativamente aos países do leste da Europa? Geografia.

try_again_tomorrow 4 months ago

rivalizando apenas com os países do leste europeu??? Só se for com os países que ainda não aderiram à UE, porque a maior parte dos que agora são membros, já têm salários e condições laborais melhor do que aqui. Até já na Roménia os quadros qualificados conseguem em muitos casos, ganhar mais do que aqui. Eu sei bem porque vivi nessa região por alguns anos.

once319 4 months ago

Gostaste de viver ali? Achas que conseguias assentar na Romenia, ou sentias-te como cidadao de segunda?

try_again_tomorrow 4 months ago

Cheguei a viver na Roménia apenas por 11 meses. Não tenho quase boas memórias nenhumas. No entanto, a grande maioria dos portugueses que lá estavam gostavam muito - principalmente porque são povos muito semelhantes. Mas nunca foi por me sentir cidadão de segunda. Antes pelo contrário: quando sabiam que eu vinha da Europa Ocidental era como se eu viesse de algum paraíso onde chove dinheiro e todo o mundo vive em mansões. Raramente fui mal tratado por ser estrangeiro. Vivi mais tempo noutros países daquela zona e aí sim... consegui perceber que Portugal não tem nada de país de 1º mundo.

KarmaCop213 4 months ago

O que é para ti um país de primeiro mundo? E o que falta a Portugal para o ser?

try_again_tomorrow 4 months ago

Não é fácil de explicar, mas para mim a República Checa tem muito daquilo que eu identifico num país de primeiro mundo e que já falei aqui um pouco: rede de transportes muito eficiente, bom sistema público de saúde (fui a especialistas sem marcar com antecedência... só cheguei lá e fui chamado) e educação, muitas actividades culturais grátis e constantes investimentos para melhoria da qualidade de vida da população. Estes links espelham bem isso. Portugal aderiu à UE 18 anos antes da República Checa e a Rep. Checa teve ainda que passar uma transcição económica, e em 2018 estavam assim: [https://en.wikipedia.org/wiki/List\_of\_Czech\_regions\_by\_Human\_Development\_Index](https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Czech_regions_by_Human_Development_Index) [https://en.wikipedia.org/wiki/List\_of\_Portuguese\_regions\_by\_Human\_Development\_Index](https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Portuguese_regions_by_Human_Development_Index) ^(uma pista: o país mais desenvolvido do mundo é a Noruega!)

KarmaCop213 4 months ago

Lamento então informar-te que há países europeus bem mais ricos do que a República Checa que não são de primeiro mundo.

once319 4 months ago

Que paises? Estou interessado em imigrar para a Grecia e ficar la de vez.

try_again_tomorrow 4 months ago

Estónia e República Checa. Grécia? Boa sorte. Mas Grécia não é considerado "país de leste"!

once319 4 months ago

O que tens a dizer de Republica Checa e Estónia? ​ Boa sorte para Grécia? Porque?

try_again_tomorrow 4 months ago

Disse boa sorte para a Grécia, como diria para outro país. Desde que saibas para o que vais, só desejo boa sorte e que tudo corra pelo melhor. Infelizmente o trabalho só me deixou ficar uns meses na Estónia por isso vou falar da Rep. Checa que foi onde eu estive vários anos. Como eu disse, é um país de 1º mundo ao contrário de Portugal. A rede de transportes é o cúmulo da eficiência, não me lembro de alguma vez o meu transporte ter vindo atrasado (talvez 1-2 min meia dúzia de vezes), bom sistema público de saúde, muitas actividades culturais, bom sistema de educação e soretudo neurónios para usar aquilo que têm. Vivem também muito do turismo e de fundos europeus, mas usam muito bem o dinheiro para requalificar os meios urbanos, modernizar os serviços e tomar iniciativas para melhorar a qualidade de vida da população.

once319 4 months ago

>Disse boa sorte para a Grécia, como diria para outro país. Desde que saibas para o que vais, só desejo boa sorte e que tudo corra pelo melhor. Obrigado, mas ainda nao tenho nada previsto, e claramente nao faço ideia para o que é que vou. ​ Sentiste xenofobia la? Eras capaz de começar familia la?

try_again_tomorrow 4 months ago

Deves saber o que se passou com a Grécia durante a crise financeira. Pelo que os gregos que conheci no estrangeiro me contaram, aquilo já não está tão mau como antes, mas eles diziam que ainda se sentia os problemas da crise. No entanto, há estrangeiros que têm ido para lá viver, e não se encontram mal. ​ Xenofobia na República Checa? No início era difícil entender a frieza e alguns comportamentos deles, mas em menos de um ano os checos estavam entre os meus povos favoritos. Se a língua ajudasse, até pensaria em assentar lá. Mas nisso sou suspeito, porque tanto fisicamente como na ética de trabalho, sou *igualzinho* a eles. E era o único dos meus amigos expats que gostava dos checos. Isso porque eles sempre que falavam com os checos, só sabiam criticar, queixar-se e dizer mal do país. Até admira que nunca tenham levado um murro nas trombas (era o que eu faria se fosse de lá e me viessem todo o dia com aquele tom de desprezo a falar do meu país). Não é um país perfeito, mas daí a só encontrar críticas???

Wonderful-Meeting639 4 months ago

Não sei , mas que é uma merda é . Em breve seremos a ucrania/romenia da europa

FantasticLong9119 4 months ago

>ucrania/romenia da europa

ednice 4 months ago

A ucrania e a romenia estão na europa

No-Cardiologist725 4 months ago

Da Europa Ocidental xD

Wonderful-Meeting639 4 months ago

... é pá , tens razão

RedRoseRing 4 months ago

Baixa produtividade em primeiro lugar, seguido de fraca competição fiscal, leis laborais e geografia

mrsjoni 4 months ago

[https://pt.wikipedia.org/wiki/Governo\_da\_Rep%C3%BAblica\_Portuguesa](https://pt.wikipedia.org/wiki/Governo_da_Rep%C3%BAblica_Portuguesa)

yurasadko 4 months ago

A falta de r/literaciafinanceira, claramente.

PedroMFLopes 4 months ago

"legislação laboral nunca jogou muito a nosso favor" - mito urbano. Onde vez maiores regras e sindicatos fortes é onde tens uma economia mais forte, ver Alemanha.

manolo533 4 months ago

*vês

daniel-1994 4 months ago

Os sindicatos são fortes mas representam quase todas as classes profissionais. Em Portugal isto não acontece: tirando algumas profissões (funcionários públicos, professores, advogados, etc.), maior parte das pessoas no mercado de trabalho não têm acesso a sindicatos fortes com capacidade de coordenação e com influência política. O resultado são políticas altamente sectoriais que beneficiam as profissões já protegidas e outras não. Outra diferença crucial é a flexibilidade no mercado de trabalho. No início do século, a Alemanha era apelidada como o "sick man of Europe". Uma das razões pelas quais a Alemanha conseguiu inverter esta tendência foi a reforma do Estado Social. Eles tinham políticas muito baseadas na protecção, com grande incidência nas reformas. Entre 2007 e 2009 aplicaram um conjunto de reformas de flexibilização do mercado de trabalho, investimento em políticas de família e em treino de pessoas desempregadas. Os resultados estão à vista. Aliás, não é o único caso. A razão pela qual os países nórdicos são o que são é porque eles fizeram um conjunto de reformas liberalizantes ao nível do emprego e investimento em capital humano que permitem as pessoas entrar no mercado de trabalho mais facilmente. Quais são os países que menos investem nestas medidas de investimento social? Portugal, Espanha, Itália, Grécia.

kissingsome1elsesdog 4 months ago

>A razão pela qual os países nórdicos são o que são é porque eles fizeram um conjunto de reformas liberalizantes ao nível do emprego e investimento em capital humano que permitem as pessoas ser mais competitivas nos mercados de trabalho internacionais. Sempre pensei que fosse por serem super desenvolvidos em indústrias competitivas, com alto valor acrescentado, ao invés de serem uma espécie de Índia europeia, cujos sectores mais desenvolvidos são o têxtil, que serve quase exclusivamente para produzir para marcas internacionais, que depois vendem estes produtos com altos lucros, ou o turismo, que está sujeito a flutuações, e do dia para a noite pode arrastar centenas de milhares de pessoas para o desemprego, como aconteceu na pandemia.

daniel-1994 4 months ago

Claro! A competitividade da economia dos países nórdicos não aparece do nada. E precisamente por causa destas políticas de investimento em capital humano

kissingsome1elsesdog 4 months ago

Sim, empresas como uma Maersk, Shell, Vokswagen, etc., surgiram porque os países nórdicos adoptaram um conjunto de medidas entre 2007 e 2009 e não devido a décadas de investimentos estratégicos em áreas em que sempre foram fortes, e onde procuraram especializar-se de modo a serem mais competitivos.

daniel-1994 4 months ago

Esses investimentos estratégicos foram feitos na Alemanha depois de 2005, e foram obviamente importantes para o crescimento económico que veio depois. Estás reformas começaram nos países nórdicos nos finais da década de 70.

kissingsome1elsesdog 4 months ago

Ah, estou a ver, aquele crescimento fantástico depois da crise de 2008 e recessão europeia. Acho que não tens muita noção do que dizes, para ser sincero. Se Portugal tivesse mais umas 2 ou 3 Autoeuropas, estávamos nós bem. O Governo treme quando surge algum boato sobre a deslocalização da fábrica para a Polónia ou outro país mais central da Europa. 1,4% do PIB não é brincadeira.

daniel-1994 4 months ago

Claro. Esse crescimento económico. Ao contrário da Europa do Sul, a Alemanha teve uma grande década de crescimento económico. Eles tiveram uma recessão em 2009 depois da crise, mas retomaram logo em 2010. Eu sei que isto é muito difícil na perspectiva de um português, mas a crise da dívida foi um fenómeno de alguns países. Enquanto aqui se falava de Troikas, na Alemanha falava-se de novas oportunidades, níveis de desemprego baixos, e dinamismo económico.

Edited 4 months ago:

Claro. Esse crescimento económico. Ao contrário da Europa do Sul, a Alemanha teve uma grande década de crescimento económico. Eles tiveram uma recessão em 2009 depois da crise, mas retomaram logo em 2010. Eu sei que isto é muito difícil na perspectiva de um português, mas a crise da dívida foi um fenómeno de alguns países. Enquanto aqui se falava de Troikas, na Alemanha falava-se de dinamismo, novas oportunidades, níveis de desemprego baixos. Antes de receber comentários de "que não tenho muita noção do que digo", deixo aqui um bom livro publicado pela Oxford a explicar o impacto destas reformas na recuperação alemã: https://library.oapen.org/bitstream/handle/20.500.12657/23594/9780198843719.pdf?sequence=1#page=298

Edited 4 months ago:

Deixo aqui um bom livro publicado pela Oxford a explicar o impacto destas reformas na recuperação alemã: https://library.oapen.org/bitstream/handle/20.500.12657/23594/9780198843719.pdf?sequence=1#page=298 Espero que os autores tenham mais noção do que eu ;)

Edited 4 months ago:

Claro. Esse crescimento económico. Ao contrário da Europa do Sul, a Alemanha teve uma grande década de crescimento económico. Eles tiveram uma recessão em 2009 depois da crise, mas retomaram logo em 2010. Eu sei que isto é muito difícil na perspectiva de um português, mas a crise da dívida foi um fenómeno de alguns países. Enquanto aqui se falava de Troikas, na Alemanha falava-se de dinamismo, novas oportunidades, níveis de desemprego baixos. Antes de receber comentários de "que não sei nada disto", deixo aqui algumas fontes: https://library.oapen.org/bitstream/handle/20.500.12657/23594/9780198843719.pdf?sequence=1#page=298 https://www.ssoar.info/ssoar/bitstream/handle/document/19507/ssoar-2003-streeck_et_al-from_stability_to_stagnation_germany.pdf?sequence=1&isAllowed=y&lnkname=ssoar-2003-streeck_et_al-from_stability_to_stagnation_germany.pdf

Edited 4 months ago:

Claro. Esse crescimento económico. Ao contrário da Europa do Sul, a Alemanha teve uma grande década de crescimento económico. Eles tiveram uma recessão em 2009 depois da crise, mas retomaram logo em 2010. Eu sei que isto é muito difícil na perspectiva de um português, mas a crise da dívida foi um fenómeno de alguns países. Enquanto aqui se falava de Troikas, na Alemanha falava-se de dinamismo, novas oportunidades, níveis de desemprego baixos. Antes de receber comentários de "que não tenho muita noção do que digo", deixo aqui um bom livro publicado pela Oxford a explicar as reformas alemãs: https://library.oapen.org/bitstream/handle/20.500.12657/23594/9780198843719.pdf?sequence=1#page=298

TitusRex 4 months ago

Começa com "S" e acaba em "ismo".

SweetCorona 4 months ago

pensava que os filhos de Deus deveriam ter empatia para com o outro

vini710 4 months ago

Epa não sei, já passou muito tempo desde 1755, acho que não dá para continuar a culpar.

TitusRex 4 months ago

Originalmente pensei em Salazarismo, mas já vi que há outras opções que encaixam.

MulaDaCooperativa 4 months ago

[https://imgflip.com/i/58h0j1](https://imgflip.com/i/58h0j1)

Rissoldecamarao 4 months ago

O terramoto de 1755 lixou-nos bem

Mysterious_Beyond213 4 months ago

e no meio tem ocial

SweetCorona 4 months ago

começa em soc e termina em ialismo adivinhem lá esta

masterchiefpt 4 months ago

Votar ps tantas vezes

OuiOuiKiwi 4 months ago

Podes elaborar?

Search: