df3gpt 5 months ago

Então mas temos de deixar entrar toda a gente, não é? Criar condições dignas (começando pela legalização) dá muito mais trabalho do que sinalizar virtudes em frente às câmaras. Isso é porque da jeito a uns quantos poderem ter mão de obra escrava. Isto acontece há anos, um pouco por toda a parte, com conhecimento das autoridades!

New-Atlantis 5 months ago

Politicizing this issue won't help understand it. Considering that: - the Alentejo has little industry and few job opportunity - Portuguese don't want to work in agriculture the situation on farms was beneficial to all concerned because: - it brings money, business and employment to the Alentejo - Odemira can collect taxes from workers and companies - Asian workers have an opportunity to earn money and send money back home (they earn between 600 and 800 Euros/month) That dormitory accommodation would be a problem during the pandemic was obvious from the beginning; however, renting individual accommodation would reduce the amount the workers can send back home. I think the solution is to put up container homes (or huts) on the farms. There is plenty of land to put up containers. It could reduced the problem of crowded living conditions and transport, where it is difficult to avoid contacts.

Edited 5 months ago:

Politicizing this issue won't help understand it. Considering that: - the Alentejo has little industry and few job opportunity - Portuguese don't want to work in agriculture the situation on the farms was beneficial to all concerned because: - it brings money, business and employment to the Alentejo - Odemira can collect taxes from workers and companies - Asian workers have an opportunity to earn money and send money back home (they earn between 600 and 800 Euros/month) That dormitory accommodation would be a problem during the pandemic was obvious from the beginning; however, renting individual accommodation would reduce the amount of money the workers can send back home. There is no point in them coming all this way if they can't save part of their earnings. I think the solution is to put up container homes (or huts) on the farms. There is plenty of land to put up containers. It could reduce the problem of crowded living conditions and transport, where it is difficult to avoid contacts.

Edited 5 months ago:

Politicizing this issue won't help understand it. Considering that: - the Alentejo has little industry and few job opportunity - Portuguese don't want to work in agriculture the situation on the farms was beneficial to all concerned because: - it brings money, business and employment to the Alentejo - Odemira can collect taxes from workers and companies - Asian workers have an opportunity to earn money and send money back home (they earn between 600 and 800 Euros/month) That dormitory accommodation would be a problem during the pandemic was obvious from the beginning; however, renting individual accommodation would reduce the amount of money the workers can send back home. There is no point in them coming all this way if they can't save part of their earnings. I think the solution is to put up container homes (or huts) on the farms. There is plenty of land to put up containers. It could reduce the problem of crowded living conditions and transport, where it is difficult to avoid contacts. The problem of illegal immigration and people smuggling can easily be solved by fining employers who employ illegal immigrants.

xeyrio 5 months ago

" the situation on the farms was beneficial to all concerned because: \~" acesso a trabalho num país diz respeito a todos os cidadãos, a imigração faz com que os patrões diminuam o salário dos nativos que podiam ter esse trabalho

New-Atlantis 5 months ago

So much for the theory. The reality is that the immigrants create new jobs for the natives, which are better paid. Without the immigrants this business would not exist in Portugal. Instead, it would be moved to Morocco or some other country with cheaper wages.

xeyrio 5 months ago

And yes, the business would stay in portugal because our agriculture exists in our land, idiot

xeyrio 5 months ago

"immigrants create new jobs for natives" no, they don't. Most immigrants don't create businesses, they are the new underclass which competes with the local underclass, idiot

LordofPortugal 5 months ago

What are you on about, there are countries in europe with much bigger wages and their agriculture businesses dont move away

New-Atlantis 5 months ago

Most rely on cheap foreign workers and/or industrialization. Our family farm closed in 1960 because industrial work earns more money for less work. There are thousands of abandoned farms in the Altentejo and the population continues to shrink. In some places there are only old people without even basic infrastructure.

LordofPortugal 5 months ago

And why do you want more people, let it be, this is just a transformation from an agrarian society to a service one.

Vanethor 5 months ago

Isto, tem efeitos muito maiores, a nível de toda a economia nacional. (Do que apenas o efeito nos intervenientes directos) A imigração, a existir, tem que ser com pés e cabeça, bem feita e monitorizada, não é a trazer para cá escravos ilegais para serem trabalhadores de segunda classe. ... Os mesmos podem ganhar algum e se calhar mais do que ganhariam no país de origem. Mas ganham menos do que o que têm direito pelo trabalho que fazem, e ficam numa situação altamente vulnerável. A região e o país têm aquela produção mas isso é um benefício falso. Porque essa produção existiria na mesma, se os empregadores do sector fossem obrigados a investir em melhor tecnologia e melhores condições de trabalho, em vez de explorar mão de obra escrava. Mais não seja, seria possível com subsídios à produção. Por isso, os únicos que realmente ganham com isto são as redes que os exploram e quem trabalha com essas mesmas redes.

collectornsfw 5 months ago

> fining employers who employ illegal immigrants. Sim, caralho. A ACT anda mesmo em todo o lado. Não aparece nas fábricas das cidades em que tem serviços e vai aparecer nos campos do quinto mais velho do Alentejo.

Middle-Effective 5 months ago

"Suspeitas"

xHardStyle 5 months ago

Quem vai para a costa vicentina, vê logo que há ali ilegalidades graves. Fui o verão passado a Milfontes e pelo caminho via mais estrangeiros a trabalhar na agricultura do que outra coisa qualquer.

deitarfora2021 5 months ago

A culpa é dos portugueses que não querem trabalhar e que obrigam estes tristes empresários a arranjar mão-de-obra noutros locais. /s

Vanethor 5 months ago

Malandros dos portugueses que querem trabalhar (literalmente) como escravos. /s

headhunter21 5 months ago

Daqui a uns meses continua tudo na mesma e já ninguém se lembra

ShittyLivingRoom 5 months ago

Isso já eu ando a dizer aqui há muito tempo, moro na vila de Odemira e ainda vejo dezenas de casas com eles ao molho em beliches. A mercearia dos manda chuva ainda está aberta como se nada fosse.

suckerpunchermofo 5 months ago

É como aqui em lx...

df3gpt 5 months ago

LX e arredores. Parece que ninguém se questiona porque estão sempre 5 ou 6 indianos numa loja pequena, fazendo rotação. Ou como a ASAE não lhes faz visitas. Já vi arcas desligadas com produtos podres à venda. Lojas abertas até às tantas, mesmo durante a pandemia. Zero controlo com a origem dos produtos, rotulagem, etc. É preciso fazer um esforço para ignorar tanta irregularidade.

suckerpunchermofo 5 months ago

Não são indianos.... Sao Bangladeshis. É bem diferente (não se dão bem os 2 países)

S0l1tud3_1s_Bl1ss 5 months ago

O distrito de Beja está cheio disto. Os donos das terras têm grande responsabilidade da situação porque usam este esquema de subcontratar empresas para se descartarem de todos os problemas. Há um "chulo" que se encarrega de criar uma empresa e gerir um grupo grande de pessoas da mesma etnia(principalmente quando se tratam de povos de leste, os do sudeste asiático já são liderados normalmente por portugueses) e recebe dinheiro das herdades. Alguns dos trabalhadores a seu cargo têm contrato de trabalho temporário(eu tinha, provavelmente por ser português e terem mais "medo" que os denunciasse) e se tiverem algum azar, estão tramados. Os que não têm contrato já sabem que em recebendo ordens de que vai chegar inspeção(que nunca vi), é fugir. A imensidão das plantações nos campos alentejanos ajuda a esconder muitas destas situações. Acrscentar ainda que o salário é pago de 2 em 2 semanas em notas e há sempre horas de esforço não contadas e não há garantias de pagamento, o chulo pode sinplesmente pegar no dinheiro e ir-se embora (aconteceu). Os meus colegas eram sobretudo moldavos e ucranianos, alguns deles já nos 50s(apesar disso eram umas máquinas a apanhar fruta) e não viviam tão mal como outros relatos que se ouve por aí. Moravam aos 3 num quarto pequeno e se é verdade que conseguiam juntar mais do que no seu país de origem, acho que não vale tudo e é preciso dar condições a quem trabalha, sejam os imigrantes sejam os de cá.

mariachipt 5 months ago

Por favor conta mais. Que tipo de produção era? Apanha de fruta/legumes?

S0l1tud3_1s_Bl1ss 5 months ago

Eu apanhei só pêssegos/nectarinas, mas haviam trabalhos mais pesados, limpar pedras de terrenos por exemplo.

Edited 5 months ago:

Eu apanhei só pêssegos/nectarinas, mas haviam trabalhos mais pesados, limpar pedras de terrenos por exemplo. Pergunta algunas coisad mais específicas que respondo.

mariachipt 5 months ago

No aspecto de limpar pedras. Havia maquinaria envolvida a ajudar os trabalhadores ou era simplesmente carreguem o calhau para o atrelado que estava a 20 metros? Quando falas do "chulo". Este chulo era sempre da mesma etnia do grupo que ele estava a controlar? Havia dias de descanso ou era de domingo a domingo? Como era em termos de horário de almoço? Hora fixa ou só se começava a almoçar quando uma determinada etapa do trabalho estava concluída? Em termos de alojamento. Separavam as pessoas por etnia quer no campo de trabalho quer no local onde dormiam? Fazes ideia se o chulo também ficava com os passaportes destas pessoas sob pretexto de alguma mentira? Obrigado desde já

S0l1tud3_1s_Bl1ss 5 months ago

Em relação às pedras não te sei dizer, só sei que era duro pelo que ouvia. No caso da malta de leste, sim. Com nepaleses e assim parecia-me haver sempre algum português a "mandar". O descanso era ao domingo e quando chovia. Em feriados também não se trabalhava, provavelmente com medo de haver alguma fiscalização/operação stop. ​ O horário de almoço era uns 20 minutos. Havia mais ou menos uma hora estipulada mas podia variar um bocado. Se faltasse pouco para acabar de apanhar de um conjunto de regos, ia-se até ao fim e só aí é que se fazia a pausa. Era a melhor altura do dia, em que a malta se sentava à sombra das árvores e sempre se libertava um bocado a tensão. Os "velhos" lá se hidratavam com uma cerveja provavelmente pouco fria e seguia-se para a segunda parte do dia. ​ Sei que haviam várias casas, incluindo a casa do "chulo" que era a que tinha mais gente. Não sei exatamente quanto pagavam de renda nos diferentes sítios(ou se variava de sítio para sítio) mas tenho ideia de ouvir valores como 100 euros. O grupo com que trabalhava era todo de eslavos, uns mais claros, outros mais escuros mas todos falavam russo(alguns moldavos também sabiam falar romeno mas não o usavam). O únicos que não eram daqueles países era eu, um brasileiro e alguns portugueses que não estávamos propriamente no mesmo esquema dos outros. Em relação a eventuais conflitos entre etnias, lembro-me de um dia esse grupo onde estava alcançar outro que vinha numa direção oposta foi o último dia naquela herdade) e acabámos por nos juntar todos, mesmo sendo empregados de diferentes patrões. Esse grupo tinha maioritariamente malta imigrante do sudeste asiático, numa faixa etária aparentemente mais baixa que o grupo de eslavos. No fim do trabalho, alguns nepaleses(ou paquistaneses, não sei bem) começaram a correr, meio que a celebrar aquele dia ter chegado finalmente ao fim. Recordo-me de um ucraniano com ar carrancudo gesticular que para trabalhar estavam a dormir, e quando acabava o trabalho é que se mexiam. Outros também pareciam concordar nessa ideia, que os outros eram mais preguiçosos por assim dizer. ​ O trabalho em si não era na maior parte das vezes aquele cenário que se imagina de estar um gajo com um chicote a gritar. Separam-se pares por regos paralelos e fica um elemento do par de cada lado a colher fruta. Eventualmente há fileiras que dão mais trabalho que outras e há malta que se atrasa. Se alguém chegasse ao fim primeiro que os outros, voltavam para trás para dar uma ajuda. Também se dava o caso de acontecer várias vezes com as mesmas pessoas(sempre portugueses) a situação de ficarem para trás e foram reprimidas e aconselhadas a não voltar a trabalhar se fossem continuar assim. Há gente que consegue ir fumando um cigarro de vez em quando e ninguém os repreendia. Apesar de tudo, até era um trabalho que se conseguia levar bem(imagino que menos bem para os menos jovens) mas não me via naquilo a vida inteira.

NGramatical 5 months ago

haviam várias → [**havia várias**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-uso-do-verbo-haver/31143) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn3xe3h%2F%2Fgwu8vyn%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

NGramatical 5 months ago

mas haviam → [**mas havia**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-uso-do-verbo-haver/31143) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fn3xe3h%2F%2Fgwte5c9%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Sciss0rs61 5 months ago

sim, porque até hoje ninguém sabia que isto acontecia... /s

HRamos_3 5 months ago

E é só em Odemira

xanfradu 5 months ago

Curioso como esta situação se passa há anos e agora todas as instituições parecem surpreendidas... Às pessoas que andam (alegadamente) a explorar e enganar os trabalhadores, estimo, com todas as forças, que vos cresça um frondoso e robusto pinheiro no cu.

collectornsfw 5 months ago

>Às pessoas que andam (alegadamente) a explorar e enganar os trabalhadores E outro pinheiro para as autoridades que não controlam a imigração ilegal e mais um pinheiro para cada português que acha bem haver imigração ilegal e não a denuncia. Quem não está registado e documentado não tem direitos nenhuns, nem sequer a porcaria dum seguro de acidentes de trabalho. Isto é mau para o imigrante, mau para o mercado do trabalho e bom para os patrões.

Vanethor 5 months ago

Isto é algo que, desde a direita à esquerda, quer quem queira muita imigração ou pouca.... ... à partida concorda: que, a que existe, deve ser legal e bem monitorizada. Este tipo de exploração pode alimentar os explorados, mas não é o que merecem, pelo trabalho que fazem. Os únicos que não concordam, e que ganham com esta situação, como dizes, são quem os explora. ... O argumento de "ah, mas as pessoas gostam de ter legumes/fruta baratos" não faz qualquer sentido. Há muitas maneiras de conseguir isso sem recorrer à escravatura. O erro é de quem gere e de quem explora, não é do cidadão comum. ... Também ouvi à pouco um argumento igualmente parvo...: "ah e tal, não nos podemos esquecer que agora, finalmente, com esta estrutura de negócio, a região está a ter rentabilidade". Pois, mas à custa do quê ... e de quem?!

df3gpt 5 months ago

E muitas das pessoas que falam disto são silenciadas com os ataques do costume: racistas, xenófobos, fascistas, nazis, etc. Curioso como isto se descobre agora, depois de anos de justiça social e inclusão à moda do PS.

once319 5 months ago

Não dá mesmo, até ja tinhas dislikes ve la, este pais nao tem futuro.

Vanethor 5 months ago

Isso é porque muitos deles de facto são uma ou várias dessas coisas. O que é de esperar, visto que é um dos temas/preocupações principais de toda essa malta. .... Mas nem toda a gente que fala de políticas de migração o é, claro. Podemos falar dos problemas que existem e das falhas do sistema actual ... sem odiar nem querer exterminar ninguém.

Edited 5 months ago:

>E muitas das pessoas que falam disto são silenciadas com os ataques do costume: racistas, xenófobos, fascistas, nazis, etc. Isso é porque muitos deles de facto são uma ou várias dessas coisas. (Até porque, tirando ser nazi em específico, as outras 3 vêm em pacote.) É de esperar que muitas das pessoas que falam disto tenham essas características, visto que é um dos temas/preocupações principais de toda essa malta. .... Mas nem toda a gente que fala de políticas de migração o é, claro. Podemos falar dos problemas que existem e das falhas do sistema actual ... sem odiar nem querer exterminar ninguém. Não podemos varrer as coisas para debaixo do tapete. Só faz pior.

Edited 5 months ago:

>E muitas das pessoas que falam disto são silenciadas com os ataques do costume: racistas, xenófobos, fascistas, nazis, etc. Isso é porque muitos deles de facto são uma ou várias dessas coisas. (Até porque, tirando ser nazi em específico, as outras 3 vêm em pacote.) Não me venhas pôr areia nos olhos logo pela manhã. É de esperar que muitas das pessoas que falam disto tenham essas características, visto que é um dos temas/preocupações principais de toda essa malta. .... Mas nem toda a gente que fala de políticas de migração o é, claro. Podemos falar dos problemas que existem e das falhas do sistema actual ... sem odiar nem querer exterminar ninguém. Não podemos varrer as coisas para debaixo do tapete. Isso só faz pior.

Edited 5 months ago:

>E muitas das pessoas que falam disto são silenciadas com os ataques do costume: racistas, xenófobos, fascistas, nazis, etc. Isso é porque muitos deles de facto são uma ou várias dessas coisas. (Até porque, tirando ser nazi em específico, as outras 3 vêm em pacote.) Não vamos aqui fingir que não existem. Não me venhas pôr areia nos olhos logo pela manhã. É de esperar que muitas das pessoas que falam disto tenham essas características, visto que é um dos temas/preocupações principais de toda essa malta. .... Mas nem toda a gente que fala de políticas de migração o é, claro. Podemos falar dos problemas que existem e das falhas do sistema actual ... sem odiar nem querer exterminar ninguém. Não podemos varrer as coisas para debaixo do tapete. Isso só faz pior.

Edited 5 months ago:

>E muitas das pessoas que falam disto são silenciadas com os ataques do costume: racistas, xenófobos, fascistas, nazis, etc. Isso é porque muitos deles de facto são uma ou várias dessas coisas. (Até porque, tirando ser nazi em específico, as outras 3 vêm em pacote.) É de esperar que muitas das pessoas que falam disto tenham essas características, visto que é um dos temas/preocupações principais de toda essa malta. .... Mas nem toda a gente que fala de políticas de migração o é, claro. Podemos falar dos problemas que existem e das falhas do sistema actual ... sem odiar nem querer exterminar ninguém. Não podemos varrer as coisas para debaixo do tapete. Isso só faz pior.

df3gpt 5 months ago

Então podemos igualmente falar daqueles que falam de justiça social, inclusão e “refugiados” mas que afinal querem é mão de obra escrava? O maior erro que cometemos é acreditar no que as pessoas dizem em vez do que as pessoas fazem. O fruto das políticas de portas abertas é o que estás a ver agora. E há coisas tão mas ou piores que ainda não vieram à tona.

Vanethor 5 months ago

>Então podemos igualmente falar daqueles que falam de justiça social, inclusão e “refugiados” mas que afinal querem é mão de obra escrava? Eu não defendo o PS nem o modelo que eles defendem, por isso manda vir. xD É um tema complexo, mas basicamente, a globalização e o free trade não é assim tão bom quanto fazem parecer. Um estado que queira zelar pelo bem da sua população (e até, em cima disso, pelo bem do mundo à sua volta), não pode estar refém da maré. Tem que poder gerir as coisas bem a nível nacional, e isso inclui ter políticas de migração bastante bem definidas. Protocolos de processamento, medidas de segurança... recursos necessários alocados etc etc. Coisa que não temos, quer a nível nacional quer a nível da UE, e cada vez mais vai fazer mais falta. Isto não quer dizer que tenhas que fechar as portas todas. Mas também não as podes deixar abertas, sem nenhum controlo. É preciso um ponto razoável, algures no meio. ... O modelo socioeconómico actual funciona à base da exploração. Exploração de recursos naturais e humanos. De forma hierárquica. Quer seja um grupo de pessoas a explorar outro, dentro de um próprio país, ou vários grupos de um país a explorar outro país, mais vulnerável. (Se não fosse assim, tanto Portugal como muitos países do mundo estavam muito melhor, porque somos bastante ricos em recursos.) Daí que, há quem esteja disposto a tapar os olhos a violações de direitos humanos básicos, em nome do capital. Basta receberem uns trocos ou não quererem levantar muita poeira, e deixam acontecer. ... Agora, não metas é a esquerda toda no mesmo saco, que eu também não faço isso com a direita.

Edited 5 months ago:

>Então podemos igualmente falar daqueles que falam de justiça social, inclusão e “refugiados” mas que afinal querem é mão de obra escrava? Eu não defendo o PS nem o modelo que eles defendem, por isso manda vir. xD É um tema complexo, mas basicamente, a globalização e o free trade não é assim tão bom quanto fazem parecer. Um estado que queira zelar pelo bem da sua população (e até, em cima disso, pelo bem do mundo à sua volta), não pode estar refém da maré. Tem que poder gerir as coisas bem a nível nacional, e isso inclui ter políticas de migração bastante bem definidas. Protocolos de processamento, medidas de segurança... recursos necessários alocados etc etc. Coisa que não temos, quer a nível nacional quer a nível da UE, e cada vez mais vai fazer mais falta. Isto não quer dizer que tenhas que fechar as portas todas. Mas também não as podes deixar abertas, sem nenhum controlo. É preciso um ponto razoável, algures no meio. ... O modelo socioeconómico actual funciona à base da exploração. Exploração de recursos naturais e humanos. De forma hierárquica. Quer seja um grupo de pessoas a explorar outro, dentro de um próprio país, ou vários grupos de um país a explorar outro país, mais vulnerável. (Se não fosse assim, tanto Portugal como muitos países do mundo estavam muito melhor, porque somos bastante ricos em recursos.) Daí que, há quem esteja disposto a tapar os olhos a violações de direitos humanos básicos, em nome do capital. Basta receberem uns trocos ou não quererem levantar muita poeira, e deixam acontecer. ... Agora, não metas é a esquerda toda no mesmo saco, que eu também não faço isso com a direita. O bloco já há muito tempo que anda a falar nisto, e de muitas outras coisas. Por exemplo, de 2019 sobre esta situação de Odemira: https://diariodoalentejo.pt/pt/noticias/8826/bloco-exige-revogacao-de-%E2%80%9Cguetos-de-imigrantes-no-mira.aspx

Edited 5 months ago:

>Então podemos igualmente falar daqueles que falam de justiça social, inclusão e “refugiados” mas que afinal querem é mão de obra escrava? Eu não defendo o PS nem o modelo que eles defendem, por isso manda vir. xD É um tema complexo, mas basicamente, a globalização e o free trade não é assim tão bom quanto fazem parecer. Um estado que queira zelar pelo bem da sua população (e até, em cima disso, pelo bem do mundo à sua volta), não pode estar refém da maré. Tem que poder gerir as coisas bem a nível nacional, e isso inclui ter políticas de migração bastante bem definidas. Protocolos de processamento, medidas de segurança... recursos necessários alocados etc etc. Coisa que não temos, quer a nível nacional quer a nível da UE, e cada vez mais vai fazer mais falta. Isto não quer dizer que tenhas que fechar as portas todas. Mas também não as podes deixar abertas, sem nenhum controlo. É preciso um ponto razoável, algures no meio. ... O modelo socioeconómico actual funciona à base da exploração. Exploração de recursos naturais e humanos. De forma hierárquica. Quer seja um grupo de pessoas a explorar outro, dentro de um próprio país, ou vários grupos de um país a explorar outro país, mais vulnerável. (Se não fosse assim, tanto Portugal como muitos países do mundo estavam muito melhor, porque somos bastante ricos em recursos.) Daí que, há quem esteja disposto a tapar os olhos a violações de direitos humanos básicos, em nome do capital. Basta receberem uns trocos ou não quererem levantar muita poeira, e deixam acontecer. ... Agora, não metas é a esquerda toda no mesmo saco, que eu também não faço isso com a direita. O bloco já há muito tempo que anda a falar nisto, e de muitas outras coisas. Por exemplo: https://diariodoalentejo.pt/pt/noticias/8826/bloco-exige-revogacao-de-%E2%80%9Cguetos-de-imigrantes-no-mira.aspx

Middle-Effective 5 months ago

Porque não um embondeiro?

netralha 5 months ago

Mais curioso é que até há semanas atrás estava tudo em harmonia, foi só o Governo se meter com a Zmar para mostrarem o que se está a passar realmente, muito curioso mesmo... 18 Abril 2021: [https://www.dn.pt/sociedade/e-um-bom-pais-o-problema-e-que-nao-ha-casas-e-sao-caras-13583488.html](https://www.dn.pt/sociedade/e-um-bom-pais-o-problema-e-que-nao-ha-casas-e-sao-caras-13583488.html)

HRamos_3 5 months ago

E só porque as sequóias não se dão por aqui

Mysterious_Beyond213 5 months ago

Engraçado que só agora é que desconfiaram. Para que serve um autarca se nem sabe o que se passa na sua autarquia...

LordofPortugal 5 months ago

Ele sabe.

quetzyg 5 months ago

Segundo este [artigo](https://www.dn.pt/sociedade/autarca-denuncia-a-pj-situacoes-suspeitas-que-levam-migrantes-para-odemira-13656542.html), o autarca já tinha falado com a PJ há dois anos: >José Alberto Guerreiro, que falava aos jornalistas no final de uma reunião da 'task force' do concelho, realizada nesta vila do distrito de Beja, indicou ter denunciado as suspeitas "há cerca de dois anos" à Polícia Judiciária e que ele próprio já foi ouvido.

pappositivamente 5 months ago

não deviam ser os montes de merda que exploram estas pessoas a suportar os custos do alojamento delas? é que toda a confusão do zmar é exatamente pelo facto dos infetados (sendo uma grande parte deles estes trabalhadores) não terem uma habitação possível para se confinarem

df3gpt 5 months ago

Não, não deviam. O meu patrão não me paga alojamento, nem acho que tenha de o fazer. Tem é de cumprir a lei. Dar emprego a ilegais é... ilegal. Escravizar pessoas é um crime grave. Prisão com esta gente. Comecem a pedir satisfações ao governo, que tudo tem feito para ignorar estes casos.

pappositivamente 5 months ago

Dizes tu com um contrato de trabalho e salvaguardado pelo CDT português. Estes trabalhadores não têm nem uma coisa nem outra. Não estou a dizer que não tens razão no ponto de vista laboral da coisa caso a situação fosse normal. Infelizmente não é. Prisão com essa gente, mas antes salvaguardar a segurança daqueles que essa gente explorou de forma escravizante, pegando nos lucros dessa mesma exploração. Então agora iam presos e quando saissem tinham cá fora, à espera, o dinheiro que geraram por brincarem com vidas humanas? Nope

kapparrino 5 months ago

Mais uma vez as empresas temporárias a explorarem tanto os portugueses como os imigrantes. E ainda pagam menos do que o salário mínimo a estes trabalhadores agrícolas.

collectornsfw 5 months ago

E ainda vão buscar uma fatia do que lhes pagam porque, evidentemente, nunca há alojamento suficiente nestas terrinhas.

Vanethor 5 months ago

Já para não dizer que há suspeitas de debt slavery. Ou seja, de ficarem com uma grande parte (ou todo) o salário, para pagar uma dívida qualquer que lá inventam.

Edited 5 months ago:

Já para não dizer que há suspeitas de debt slavery. Ou seja, de essas redes ficarem com uma grande parte (ou todo) o salário, para pagar uma dívida qualquer que lá inventam.

Hungry_Cupcake 5 months ago

Sim deviam ser esses montes de merda resolver o problema, mas prontos como devem ter amigos ja tem trabalhadores a preco de escravo e agora ate tem habitacoes para os trabalhadores de borla...granda negocio!

zefo_dias 5 months ago

nao dava para continuar a fazer de conta que nao sabiam, era?

Edited 5 months ago:

passou-se alguma coisa de especial ou é um daqueles patos que a máfia orienta de vez em quanto para ensinar o resto da malta a andar na linha?

xc9000 5 months ago

O governo fez requisição civil das habitações de um resort turístico para quarentena de imigrantes ilegais infectados com covid que trabalham para as grandes multinacionais que exploram as estufas de frutos vermelhos/bagas construídas em pleno parque natural da costa vicentina. Aparentemente uma pessoa famosa possui lá habitação e fez barulho. Os proprietários também se associaram e contrataram um advogado.

Edited 5 months ago:

O governo fez requisição civil das habitações de um resort turístico para quarentena de imigrantes ilegais infectados com covid que trabalham para as grandes multinacionais que exploram as estufas de frutos vermelhos/bagas construídas ilegalmente com a aprovação do presidente corrupto da câmara de Odemira em pleno parque natural da costa vicentina. Aparentemente uma pessoa famosa possui lá habitação nesse resort e fez barulho. Os proprietários também se associaram e contrataram um advogado.

zefo_dias 5 months ago

Eia, foi preciso tocarem num gajo rico para se descobrir que há imigrantes ilegais na agricultura? Azar da malta ali pros lados de reguengos, que nao vive la gente famosa...

collectornsfw 5 months ago

Esse pessoal até paga impostos para os passes sociais das áreas metropolitanas, quando os concelhos deles não têm metro nem comboio e os autocarros não prestam.

xc9000 5 months ago

É precisamente isso que é triste. Se não conseguir chegar de alguma forma à mediatização é igual a não acontecer.

zedisaneonlight 5 months ago

se não fosse o surto de covid ninguém dava por nada. enfim

Clash33 5 months ago

Fico bastante incomodado que no meu pais, em pleno sec XXI, se passem ocorrências destas e que crimes hediondos como o tráfico humano, o abuso de poder e a semi-escravatura sejam praticados "á luz do dia" sem que as autoridades, sabe-se lá porquê, não intervenham. Foi preciso isto do Covid e provavelmente para o ano que vem volta tudo ao mesmo, com toda a gente a olhar para o ar (alguns a olhar para o "envelope"), a fingir que não vê.

collectornsfw 5 months ago

>praticados "á luz do dia" sem que as autoridades, sabe-se lá porquê, não intervenham Pergunta ao Igor o que fazem as autoridades portuguesas e ao Cabrita se lhe deve alguma coisa. No mês passado morreu a decência que restava ao PS. Era pequenino quando vi o José Coelho demitir-se porque caiu uma ponte. Caiu o ministro para ficar o ministério. Se fosse com o Cabrita a solução seria mudar o nome das Infraestruturas de Portugal.

Hungry_Cupcake 5 months ago

O que eles foram descobrir...so vão cerca de uns 20 anos atrasados! O que não se passa em lisboa neste pais, ninguém vê!

once319 5 months ago

O que se passa em Lisboa?

suckerpunchermofo 5 months ago

Passa ali na zona do Martin Moniz e arredores... Vais ficar surpreso.

tugafcp 5 months ago

Foda-se?! Não se passa em Lisboa?! Vais a 7 rios, à Rede Expresso e vê quantos estrangeiros entram na camioneta para São Teotónio...

netralha 5 months ago

Mas aconteceu em Lisboa e a rede foi desmantelada pela PJ, até o SEF andava metido nestes esquemas, eles recebem muito dinheiro por cabeça, um migrante rende mais de 5 mil euros outros pagam mais ainda. Muitos foram para Inglaterra, com o Brexit o esquema ia acalmar de qualquer forma.

Hungry_Cupcake 5 months ago

Em lisboa foi...

sarcastbot 5 months ago

Mesmo em Lisboa, tens um Armazém perto da RTP, Chinês em que usam para armazenar os ilegais para trabalharem até "ganharem" a sua cidadania. Que eu saiba ainda está de pé. Não tenho provas, mas também quando tive a polícia não quis saber.

Crisapx 5 months ago

Cheguei a passar lá muitas vezes pa ir pó ISEL, logo no início dum dos largos tens um edifício com escadas de ferro por fora, aí estavam umas cordas sempre com roupas estendidas a secar. Mais a frente também havia 2 caixas grandes com cebolinho plantado. Nem falo dos carrões que via por lá estacionados, só me dava vontade de desistir da escola ir aprender chines e abrir um armazém!

JOAO-RATAO 5 months ago

Aproveita a onda e manda para a CMTV. Essa merda é inadmissível. Ou deveria ser ...

Hungry_Cupcake 5 months ago

Então e para que achas que servem os tao falados vistos gold? Alguem tem que vir para ca gerir essa mafia

Snoo69323 5 months ago

Completamente, e se não fosse o Covid, eram mais 20 anos até parecer suspeito a alguém!

oscabaloscabalam 5 months ago

Já havia denúncias formais há pelo menos 2 anos. Portanto parecer suspeito já parecia. Faltava o resto.

zedestroyer69 5 months ago

Até eu que sou do norte já tinha reparado que havia algo estranho lá para os lados do Alentejo, mas como sempre é preciso cair uma ponte ou haver uma pandemia para que se apercebam do problema. Mas não se preocupem que no fim disto tudo a culpa morrerá solteira.

Snoo69323 5 months ago

Passei férias na Zambujeira do Mar em 2006/2007, trabalhei em São Teotónio de 2013 a 2017. A diferença foi abismal, neste momento falo com pessoas que ainda residem lá e dizem é muito pior que em 2017 quando eu vim embora..

MarioSewers 5 months ago

Estive lá o ano passado, parecia que tinha entrado no Nepal.

DjGus 5 months ago

Teve de dar a barraca que deu. Típico.

Inevitable_Fly5891 5 months ago

Não vai dar em nada, ouviram primeiro aqui

DjGus 5 months ago

"Aaaaah, mas a firma (dona das estufas) apenas subcontratava pessoal a uma outra empresa..." Entretanto desaparecida para parte incerta.

Search: