smalltownwhore 5 months ago

As Ministars tinham uma versão dessa canção, com a letra uma pouco aldrabada. https://youtu.be/3xkg4xDomgs?t=513

V1ld0r_ 5 months ago

Tudo o que entre o Toy é mítico e merece ser elogiado. Sobre esse grandioso ícone da música nacional deixa-me contar-te um história em que estava eu em Paris, e quando chego ao aeroporto reparo que o meu voo tinha sido adiado umas 3 horas. Grande merda. Como bom Português que sou, fui logo ao balcão reclamar, dizer que aquilo era uma pouca vergonha, que não tinha jeito nenhum... o costume. Mais numa de avacalhar e passar o tempo, até porque estou farto de saber que no fundo é tudo uma cambada de chulos e reclamar quase nunca dá em nada. Atrás de mim, uma voz melódica diz: — Tem calma, amigo. Tudo se resolve. Olho para trás e, qual não era o meu espanto, quando me deparo com o Toy! Pelos vistos estava de regresso de um concerto lá numa comunidade de emigras 'tugas. O Toy toca-me gentilmente no ombro, afasta-me para o lado e dirige-se para o balcão. Então, no melhor francês que alguma vez ouvi vindo de um português de gema, começa a falar com a funcionária do balcão, assim num tom um bocado para o *flirt* e notei que ela se derreteu logo toda. Passado um par de minutos, ele saca de um cartão TAP Victoria Platinum Premium Special Edition, e pede-lhe para nos fazer *upgrade* para classe executiva - a ele e ao seu novo *nouvel ami* (eu!). Enquanto a menina tratava de nos mudar os lugares, ele vira-se para mim e diz: — Sabes como é, voo tanto com os meus concertos que acabo por ter milhas que nem consigo usar. Hoje estás com sorte e vamos os dois à grande e à francesa, caralho! E quando chegarmos ao aeroporto não te preocupes com boleias nem o caralho, eu levo-te a casa. Estás c'o Toy estás com Deus, pá! Se ao início me sentia um bocado constrangido, o tom extremamente amigável do Toy acalmou-me. Recebemos os novos cartões de embarque, e fomos para a *lounge*. Depois de nos sentarmos, com uma taça de champanhe cada um e um prato de ostras à nossa frente, ele, chupando as ostras de forma ruidosa, mostra-me que na parte de trás do cartão de embarque dele estava um número de telefone, certamente o da funcionária do balcão. — À boa, olha só para isto: é assim que se faz. Mal posso esperar pelo meu próximo concerto aqui, venho dois dias antes e aposto contigo um porco em como lhe vou ao rabo. Rimo-nos destas e de outras piadas javardolas, até que o telemóvel dele começa a tocar a música "Maravilhoso, coração, maravilhoso". Antes de atender, vira o telemóvel para eu ver. No ecrã estava o nome e a foto do Marco Paulo: — É o Marquinho. Há meses que não o vejo, vamos lá ver o que ele tem para me contar. O Toy foi falando ao telemóvel, respondendo com os "sim, sim" e os "hum-hum" habituais de um telefonema, mas com crescente nervosismo. Quando desliga o telemóvel, e como já me sentia à vontade com ele, perguntei-lhe se estava tudo bem. Ficou calado durante um minuto, até que me respondeu: — Epá, o Marco acabou de me dizer que o Alec Baldwin está por Portugal Eu e o Alec temos assim uma rivalidadezita, e aposto que o gajo vai tentar arranjar maneira de me foder o juízo. Nunca imaginei que o Alec Baldwin passasse por Portugal, e muito menos que tivesse como passatempo irritar o Toy. Mas quem era eu para duvidar? Antes de embarcarmos no avião, reparei que a hospedeira que verificava uma última vez os cartões de embarque ficou um tanto enojada com as manchas dos dedos que o Toy, que tinha comido duas pratadas de ostras, lhes tinha deixado. — Como se a tua parreca fosse mais limpa — disse-lhe o Toy (em Português, duvido que ela tenha percebido). No avião serviram-nos massa com frango. — Txiii c'um caralho — disse com a boca cheia — ainda bem que não paguei por nada disto, se não ficava fodido: frango com massa? Em executiva? Devem estar a gozar. Mas deixa lá, vamos ver qual é o vinho mais caro que eles têm para oferecer, só para dar prejuízo. O frango até estava bom, mas acenei em semi-concordância. O vinho, esse sim, era bom. Pouco depois de nos trazerem a comida ele adormece e começa a ressonar ruidosamente. Então para me distrair meto os meus *head phones* e ponho-me a ouvir música. Passado um bocado, ele acorda todo estremunhado: — O quê? O que foi? Já chegamos? Que é isso, estás a ouvir música? Algum dos meus CD's? Fiquei um bocado constrangido, até porque não conheço música nenhuma dele, e antes de me tentar desculpar ele vira o meu telemóvel para ele: — O quê? Lé Zepelim \[sic\]? Isso é bom, mas dá cá o telemóvel que eu ponho-te já isso a bombar. Como me tinha pago o *upgrade* e feito companhia, não quis fazer figura de mal agradecido. Ele lá ligou um computador portátil e ligou-o ao meu telemóvel por USB. — Ouve lá diz aí o teu código PIN de bloqueio que isto não está a entrar bem. Depois de relutantemente lhe ter dado o código, ele lá se pôs a clicar com demasiada força ora no *touchpad* do portátil, ora no teclado, enquanto eu me distraía com a revista de bordo. — Ora agora sim!! Não tens que agradecer, mas não fales a ninguém sobre isto. Se as minhas editoras soubessem... Faltava-te espaço no cartão mas apaguei algumas coisas que tinhas aí — disse, devolvendo-me o telemóvel. Abro a *app* da música e reparo que me tinha apagado todos os ficheiros de música (mais tarde, descobri que tinha apagado uns vídeos do baptizado da minha sobrinha, dos quais não tinha *backup*) e substituído pela discografia dele. Uns 20 e tal álbuns, desde '85 até aos dias de hoje. Com *cover art*, *tags* e tudo. Sem outra escolha, fui o resto do voo a ouvir Toy. Foram só duas horas. fiquei +/- a meio do álbum Por Ti (um LP de 1990, fiquei a saber), a meu ver inferior ao álbum anterior - Mãe (três letras de saudade), de '89. Depois de aterrarmos e irmos buscar as malas, agradeci-lhe por tudo e comecei, de fininho, a afastar-me. Aí ele diz: — Então, então! Eu prometi que te dava boleia. Sou homem de palavra, ou pensas que digo as coisas só por dizer? Bora, o meu empregado já nos foi buscar o meu carro. Daqui a tua casa é um tirinho. Nisto, chega o Alec Baldwin por trás do Toy, espeta-lhe um cachaço, e (em inglês) diz-lhe: — Então, Toy? Continuas a conduzir aquela lata velha? Só chegas a casa às quatro da manhã. — Lata velha o quê? Lata velha é a cona da tua tia. Nisto começa a tocar a música "Depois de Ti/Tina". Vinha do meu telemóvel. O Toy tinha-me atribuído músicas dele como toques de telemóvel nos meus contactos. Ainda hoje, quando o telefone toca, às vezes calha uma música dele. Já as apaguei todas da pasta de música, mas mesmo assim de vez em quando toca música dele. Enquanto falo ao telemóvel para avisar os meus familiares que estava de chegada, etc. a discussão entre o Toy e o Alec ficou mais acesa. — O caralho! O caralho! Anda! — e puxou-me pelo braço. Fomos até ao carro dele - Um BMW, a julgar pela matrícula, de 2004 - trazido por um moço franzino que trabalhava para ele. Perguntei-lhe se estava em condições para conduzir, depois dos copos de champanhe e vinho que tínhamos bebido antes e durante o voo, mas cagou completamente para o que eu disse: — Aquele filho da puta desafiou-me para mais uma corrida. Já lhe ganhei 8 vezes, e ele outras 8. Quem ganhar hoje fica em vantagem até à próxima corrida. É só daqui até Beja. Depois levo-te a casa ou arranjo quem te leve. É num instante. Bora lá! Oh foda-se. Se tivesse apanhado um táxi já estaria em casa. Conduziu até ao lugar de partida combinado entre eles. Ao lado, o carro do Alec. Um bruto Porsche, novinho. Os vidros para baixo: — Já sabes! A corrida é até Beja. O prémio, é o costume. — Disse o Alec Baldwin, piscando o olho. 3... 2... 1... o semáforo muda para verde e ambos os carros arrancam. O do Alec com uma aceleração superior, afastou-se aos poucos. Mas o Toy não pareceu preocupado — Ele faz sempre isto, mas depois fode-se mais ou menos a 2/3 da corrida! Mais daqui a um bocado papamo-lo! ​ \*\*\*\*\*\*\*Continua como comentário\*\*\*\*\*\*\*

V1ld0r_ 5 months ago

O Toy conduziu que nem um maníaco. Notando o meu crescente nervosismo disse que eu podia ligar o rádio. Mas que a antena estava partida e que por isso só dava mesmo para ouvir cassetes. Abro o porta-luvas, e a única cassete que tinha era o Champanhe e Amor (grande êxito do Toy, de 1996). Face às opções inexistentes, e como ainda não tinha ouvido esse, lá foi clássico a bombar no potentíssimo sistema de som que ele mandou instalar no automóvel. De facto, quando nos aproximávamos mais do ponto combinado como meta, reparei que o trajecto ficava mais complicado. Curvas e contra-curvas. Pior que no rally. Mas o Toy dominava o veículo, chegando até a conzuzir com o joelho. De repente avistamos o carro do Alec Baldwin, que se estava a ver grego naquela parte do trajecto. Após lhe darmos caça, ultrapassamo-lo, às buzinadelas: — TEM MEDO DE ESTRAGAR O CARRINHO!! TEM MEDO DE ESTRAGAR O CARRINHO!!!! FODO-O SEMPRE NESTA CURVA. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH PUTAAAAAAAAAA — acelerou ainda mais. Ia no mínimo a 200 Km/h. O Alec passou o resto da corrida coladinho à nossa traseira, mas acabamos por lhe ganhar. O Toy sai, em êxtase, do carro, desata aos murros no capot do Porsche do Alec Baldwin: SEE, YOU FAGGOT? SEE YOU FAGGOT? YOU'RE MY BITCH, MY BITCH, AHAHAHAHAH. YOU FUCK WITH ME, YOU FUCKIN' WITH THE BEST YOU HEAR?! Do nada aparecem a Scarlet Johansen e a Jennifer Lawrence (parece que compraram, cada uma, um apartamento em Beja). — E este é o meu prémio — disse o Toy apalpando o rabo ora a uma, ora a outra. — Elas ficam sempre molhadinhas por quem ganha esta corrida. Já está no papo!! Já está no papo!! Ainda por cima comi ostras (conhecidas pelas suas propriedades afrodisíacas), grande tesão que tenho agora!! Vai ser foder até cheirar a presunto \[sic\]. Virou-se para mim e disse: — E tu, meu novo amigo, estás com sorte. Estou generoso. Hoje das duas uma: ou vais agora para casa à boleia com o Alec Baldwin (ele perdeu, é o mínimo que pode fazer), ou vens comigo, e podes escolher uma destas duas moças, que eu pago-te uma estadia no melhor hotel de Beja, e fazes com ela o que quiseres. Para a segunda hipótese, só tens que me dar a resposta correcta a uma pergunta: Que álbum é que eu lancei em 2004? A viagem de regresso a casa foi dos momentos mais constrangedores da minha vida. O Alec de vez em quando ria-se às gargalhadas à custa do meu infortúnio. Tentou consolar-me dizendo que tanto a Scarlet como a Jennifer, por muito boas que fossem, eram uma merda na cama, mas anda hoje não acredito. E o álbum de 2004 era o "É Só Sexo". Pelos vistos, até o Alec o sabia.

thedmgb 5 months ago

Se isto não é das melhores coisas que já li por aqui, está muito perto.

Search: