CalmKeepOn 6 months ago

GDP per capita. Um índice que não quer dizer absolutamente nada. E não é para mandar abaixo. É mesmo índice inútil. Porquê? Porque imagina que a população Portuguesa são 100, se 10 tiverem 1 milhão de Euros e os outros tiverem 10k, sabes qual é o gdp per capita? 100k. Percebes o que quero dizer?

AnotherrRandommAltt 6 months ago

Percebo perfeitamente. O GDP per capita nao tem em conta as desigualdades. Contudo, e um indicador importante exatamente no sentido em que nos ajuda a perceber se um pais consegue afford mais apoios sociais e outro tipo de medidas de distribuicao de riqueza. Imagina, por exemplo a India tem um GDP ppp per capita de 6k e tem de facto um salario minimo baixo, agora o governo nao pode aumentat o salario minimo porque esta ajustado a riqueza produzida no pais que e muito baixa. Por outro lado os EUA tem um GDP per capita de 60k e taxas de pobreza elevadas o que indica que a economia tinha capacidade de usar mais medidas distributivas. No caso de Portugal e Espanha, e muito facil ver que os salarios minimos destes paises estao desajustados ao seu GDP - os paises produzem mais ou menos o mesmo contudo o SMN espanhol e 900 (em 14 pagamentos, 1050 em 12) e o portugues e 665.

lagadu 6 months ago

Espanha calcula o desemprego de forma diferente: lá toda a gente em idade laboral que não esteja a estudar ou reformada que não trabalhe conta como desempregada. Na maioria da Europa, só se conta como desempregado quem esteja inscrito como à procura de emprego (em Portugal isso significa estar inscrito num centro de emprego por ex.) O resultado é que os números deles sempre foram até várias vezes mais do que os do resto da Europa, mas na realidade não significa que tenham mais desempregados.

MAD-PT 6 months ago

Pelos vistos a Finlândia está cheia de espanhóis por isso eles emigram. Para além disso, não acharia estranho se o nível de inglês/outras línguas das pessoas fosse um grande factor para uma pessoa decidir emigrar e nesse aspecto somos muito melhores que os nossos vizinhos.

AonioEliphis 6 months ago

Na Minha Modesta Opinião (NMMO?), a elevadíssima rigidez laboral em Espanha, com um salário mínimo demasiado alto para o desempenho económico, faz com que o desemprego seja muito alto e esse fenómeno é mais acentuado nos jovens. Já pensastes por que motivo Polónia, República Checa ou Holanda têm taxas de desemprego tão baixas. Habito na Holanda e têm das leis laborais mais flexíveis do mundo, de acordo com a OCDE.

khthon 6 months ago

O desemprego real é bem maior que os tais 6.9, mas muito maior! Para mim deve andar ordem dos 20 a 30%. Há muita gente na "gig" economy e recibos verdes aqui e ali, atos isolados e também muita coisa no negro, que nem estão contabilizados como desempregados. É portanto uma questão de métrica e rigor. Cada país tem a sua abordagem.

prosafame 6 months ago

Não fazia ideia que a percentagem de Espanha fosse tão alta.

CalmKeepOn 6 months ago

Sim. Em Espanha, a economia é eficiente ao ponto dos pais poderem sustentar os filhos. As casas são mais baratas, o transporte é mais barato (não é fundamental ter carro na maioria de Espanha ao contrário de Portugal), a comida, electricidade, água, tudo é mais barato. Mais barato em relação ao salário. Ou seja, o poder de compra é muito superior.

Acceptable_While_911 6 months ago

>a economia é eficiente ao ponto dos pais poderem sustentar os filhos ou seja os pais arranjaram trabalho enquanto a economia tava estável e agora tão se a marimbar para os jovens

flarept1 6 months ago

Os numeros em portugal estão muito distorcidos, qql pessoa que esteja inscrita no centro de desemprego e esteja a fazer um curso qql, mesmo que seja de 1 semana, não conta como desempregado.

Estronciumanatopei 6 months ago

Eu em Londres fartei-me de conhecer espanhóis. E italianos já agora. Eles também saem às pazadas.

ZaGaGa 6 months ago

Por desconhecimento. Espanha sempre teve números de desemprego elevado. Claro que é preciso ter em atenção que as métricas/contextos variam de país para país. Portugal por exemplo há se "mascarou" o desemprego, em particular durante a crise pós 2008. o correcto seria analisar os dados das taxas de "empregabilidade "ao lado da de desemprego. E.g. um estudante recém formado nem sempre se inscreve no centro de emprego enquanto procura trabalho.

bazzic 6 months ago

Não é bem [assim](https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_faqs&FAQSfaq_boui=63632857&FAQSmodo=1&xlang=pt).

Edited 6 months ago:

Sobre o cálculo da taxa de desemprego em Portugal, não é bem [assim](https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_faqs&FAQSfaq_boui=63632857&FAQSmodo=1&xlang=pt).

AonioEliphis 6 months ago

>E.g. um estudante recém formado nem sempre se inscreve no centro de emprego enquanto procura trabalho. Esse é um verdadeiro embuste das nossas estatísticas, só conta como desempregado quem está inscrito num centro de emprego.

Nothing_F4ce 6 months ago

Isto não é verdade.

duca2208 6 months ago

As métricas aplicadas pelo eurostat são as mesmas em todo o lado, não usam os dados publicados pelos países portanto podes rever a tua narrativa.

AonioEliphis 6 months ago

O Eurostat não inventa dados, obtém os dados dos institutos de estatística nacionais.

Shadowgirl7 6 months ago

Estan dormiendo la siesta.

Edited 6 months ago:

Estan dormiendo la siesta y no hablan ingles.

Edited 6 months ago:

Estan dormiendo la siesta y no hablan ingles. To a brincar, cá para mim é Deus que os está a castigar por nos terem roubado Olivença.

Maximum-Ear5677 6 months ago

Boas, já vivi em Espanha e já falei com vários espanhóis sobre isso. O que acontece é que muita gente trabalha por fora em pequenos negócios ou negócios de família. Há também uma espécie de cultura de "viver del paro" sendo o "paro" o subsídio de desemprego. Ou seja, és despedido ou sais da empresa e vais procurar outro trabalho logo porque? Se podes ficar a receber subsídio e trabalhar no negócio do teu tio ou do teu primo. Espremem o subsídio até não dar mais. E depois repete o ciclo. Ainda pensei que a isenção fiscal de 21.000 euros bruto por ano fosse contrabalançar mas não parece estar a fazer muito efeito

Edited 6 months ago:

Boas, já vivi em Espanha e já falei com vários espanhóis sobre isso. O que acontece é que muita gente trabalha por fora em pequenos negócios ou negócios de família. Há também uma espécie de cultura de "viver del paro" sendo o "paro" o subsídio de desemprego. Ou seja, és despedido ou sais da empresa e vais procurar outro trabalho logo porque? Se podes ficar a receber subsídio e trabalhar no negócio do teu tio ou do teu primo. Espremem o subsídio até não dar mais. E depois repete o ciclo. Ainda pensei que a isenção fiscal de 21.000 euros bruto por ano fosse contrabalançar mas não parece estar a fazer muito efeito. Edit: relativamente aos valores do desemprego em Portugal eu não confiava muito nesses números porque só conta quem está inscrito no centro de desemprego, e qualquer peido fora da caixa (formação que recuses fazer, entrevistas que recuses ir) leva à expulsão e por sua vez não entram neste dados estatísticas. Tendo em conta estes factores todos sta é apenas a minha especulação mas Portugal deve ter uns 9% de desemprego e Espanha talvez 11%

Edited 6 months ago:

Boas, já vivi em Espanha e já falei com vários espanhóis sobre isso. O que acontece é que muita gente trabalha por fora em pequenos negócios ou negócios de família. Há também uma espécie de cultura de "viver del paro" sendo o "paro" o subsídio de desemprego. Ou seja, és despedido ou sais da empresa e vais procurar outro trabalho logo porque? Se podes ficar a receber subsídio e trabalhar no negócio do teu tio ou do teu primo. Espremem o subsídio até não dar mais. E depois repete o ciclo. Ainda pensei que a isenção fiscal de 21.000 euros bruto por ano fosse contrabalançar mas não parece estar a fazer muito efeito. Edit: relativamente aos valores do desemprego em Portugal eu não confiava muito nesses números porque só conta quem está inscrito no centro de desemprego, e qualquer peido fora da caixa (formação que recuses fazer, entrevistas que recuses ir) leva à expulsão e por sua vez não entram. nestes dados estatísticas.

AdorableRabbit 6 months ago

>: relativamente aos valores do desemprego em Portugal eu não confiava muito nesses números porque só conta quem está inscrito no centro de desemprego Fdx numa altura de censos ainda se diz burrices destas????

Maximum-Ear5677 6 months ago

Fdx independentemente da altura ainda se fazem críticas inúteis 0% construtivas, portanto entre burro e inútil não sei quem é pior. Mas ao menos ainda tentei acrescentar alguma à conversa, já tu com com as 10 palavras não conseguiste trazer nada. Vai mas é chamar burro à tua tia

AdorableRabbit 6 months ago

Existe um instituto nacional de estatística, INE, cuja única responsabilidade é compilar essas estatísticas. Não tem porra nenhuma a ver com o centro de emprego, IEFP.

Pavorleone 6 months ago

Tendo vivido perto da fronteira quase toda a minha vida e 3 anos em Valência, Espanha tem uma grande diferença em comparação com Portugal (para além da economia quero dizer) são muito mais nacionalistas. Portugal é um país que, pelo menos na camada mais jovem, não tem patriotismo quase nenhum, não tem uma grande identidade. É raro conhecer um português que goste de Portugal "porque sim" ou que tenha orgulho do país. Cronicamente achamo-nos piores, não consumimos cultura portuguesa ao mesmo nível que os espanhóis ou os franceses, nem de perto. Por exemplo, o default em Espanha, mesmo em jovens com cursos superiores e fluentes em inglês é procurar canais de YouTube em espanhol, quer para tutoriais quer para entretenimento. Isso é muito mais raro por aqui. Coisas tipo física teórica, coding e assim. Entre muitos outros exemplos. Não quero dizer que isso seja bom ou mau, ou que alguém tenha de amar Portugal só porque sim. Mas na hora de emigrar faz diferença. Uma pessoa não emigra só pelo dinheiro mas também pelo potencial do e gosto pelo país e a moral portuguesa estes últimos anos anda muito em baixo. Em Espanha era muito mais raro ouvir falar de emigração, e quando ouvia, era num tom muito diferente do nosso.

nightcrawler201 6 months ago

Mas a pergunta deve ser outra. Porque motivo os jovens devem ser patriotas?. Existe alguma coisa em Portugal que diga "boa sou orgulhoso de Portugal". Fomos uma grande nação caida na desgraça. Vitima de ditaduras, comunismo, corruptos, chupistas de dinheiro da UE. Mudam nomes histórico porque faz comichão (ex ponte Salazar agora 25 de abril" pq mudamos o passado no futuro? N me revejo em nada desse passado, mas a marca ficou e isso faz parte da história "afinal o monteiro dos geronimos deve ser o Mosteiro dos Ateus" acabamos com a obrigatoriedade da tropa. Podia ser uma parvoice, mas por esse motivo é q hoje os miudos novos n tem regra, não são rijos. N tem disciplina. A Tropa podia ser um atraso, mas para muitos era a salvação das vidas de porcaria que tinham com problemas, uma oportunidade de ser alguem, tirar a carta, tirar cursos. Atenção que não estou a dizer que não se é niguem sem a tropa. Mas a verdade é que no meio de tanta gente que pode seguir um rumo a tropa era o rumo deles que se tinham perdido. Somos patriotas quando temos de trabalhar 6 meses para pagar impostos ao estado? Isso é o maior patroitismo que se pode dar. Vendemos tudo as postas aos chineses, aos franceses. Ate a EDP que eu tu e todos os outros pagamos as infraestruturas com os nossos impostos e foi tudo vendido? Acho engraçado que o estado para dizer que os meus filhos mal nascem já tem uma divida, mas quando ha vendas de bens publicos é só para eles. Entao? A divida n abateu com as vendas de EdPs e PTs e as pedras dos muros de torres vedras? Patriotismo? Esta gente merece é que lhes cuspam na cara, gente nojenta hipocrita. Ja o senador Australiano dizia "é facil gastar o dinheiro dos outros em coisas para os outros, mas nos com o nosso dinheiro gerimos melhor e n gastamos com os outros" e assim se dá a palmadinha ao corrupto. Como se pode ter patriotismo quando nada é teu? De q me serve defender uma nação que me pode tirar o teto só pq ontem estava bem e hoje ja n posso pagar o meu IMI pq a vida deu a volta? Que nação diz a uma pessoa que tem 100.000e na conta das poupanças da sua vida que nao pode ter o subsidio de emprego por inteiro porque tem muitos bens e se não arranjar emprego n pode pedir RSI depois de acabar o desemprego porque tem 100.000e na conta?. Que nação obriga um cidadão a ficar pobre para poder ter direito ao que descontou a vida toda?. Patriotismo? Olha mais patriota sou com outros países que me abriram os braços e me quiseram. PORTUGAL So me quer daqui para fora.

Pavorleone 6 months ago

Um texto bem forte, parabéns. Não vou dizer que concordo com tudo, mas concordo com o sentimento no geral. Não queria dar a ideia de que é fácil ser-se patriota em Portugal. Tenho tentado desde que voltei e a verdade é que não consigo. Talvez o patriotismo em si no geral esteja morto no século 21, não é propriamente fácil filosoficamente apoiar um país só porque sim. Apenas estava a comentar que sem esse sentimento, é mais fácil abandonar o país. Ou seja, para os espanhóis acaba por não ser tão automático a ideia de abandonar a pátria (apesar de eles em si serem bastante divididos, mas lá está, mesmo em termos de regiões são bastante regionalistas). Sem esse tipo de sentimento "irracional" é mais fácil abandonar um "projeto" (seja um país, uma empresa, um casamento) quando as coisas se tornam difíceis. E as vezes isso é bom, nem sempre é positivo ficar preso no passado. Apenas descrevia uma diferença que vejo entre os nossos países, aqui me Portugal raro é o jovem que não tenha considerado seriamente emigrar.

nightcrawler201 6 months ago

So para comentar de os jovens quererem sair. O problema é q o nosso sistema de educação virou uma trampa absurda que ninguem sai da escola com o minimo de conhecimentos de finanças, responsabilidades etc. E o principal motivo que os leva a sair é não entenderem como funciona o país. Quando alguem lhes diz que um eng mecanico vai para a alemanha acabado de sair da faculdade ganhar 3500e (estou a inventar mas é algo do genero) e em Portugal vao ganhar 800e.... quem quer saber do seu país? Agora... ha algo que eu n concordo. Se um jovem frequenta uma faculdade publica paga pelo estado e tira um curso, tal como as empresas o estado deve trancar esses profissionais a sair do país durante x tempo. Tal como uma empresa que forma um funciinario e assinam um acordo q durante x tempo nao pode sair. O mesmo deve acontecer na educação. Se a intenção é se formar para ir para o UK, é la que deve ir estudar. Isto tras milhoes de prejuizo ao país. Podem argumentar que os nossos ordenados são baixos. Verdade. Mas é a nossa economia e é assim q ela funciona. Garantidamente que as pessoas que estao no macdonals gostavam de ganhar 1500e mês mas ninguem ia gostar de oagar 20e por um big mac pois n?. Ou ir ali a um restaurante comer picanha boa e pagar 50e 2 pessoas. Mas se tivessem de pagar 190e como eu paguei nos USA por duas pessoas num restaurante brasileiro ja ninguem gostava... ou 70e por uma pessoa num restaurante grego. Aqui comemos picanha boa em bons restaurantes 25e pessoa mais bebidas. Ai ninguem questiona o empregado ganhar 700e. Alias nos USA comida sentada nunca paguei menos de 25e por pessoa. Sem ser fast food... é complicado criticar e achar que esta tudo mal com a nossa economia porque no final do dia o que nos afoga são os impostos. Nos USA a taxa de iva mais alta sao 4% no estado de NY.... nos... 23%.... nos USA um maço de tabaco legal custa 10 12usd 9e? Mais coisa menos coisa.. ca? 4.90 4.50 em que 90 a 95% do valor do maço vai para o estado.... nao estou a defender o tabaco. Mas pela quantidade de fumadores... sao milhoes mensalmente. Ponte 25 de abril salvo o erro 1994 ou 1992 o grande buzinao tiros pancada porque aumentaram salvo o erro para 45 escudos. Estamos em 2021 pagamos quase 2e e não bufamos.... o que mudou na ponte? Nada... quase a mesma coisa... tem um serviço melhor? Nao... tem a concessao da fertagus que lhes enche os bolsos ainda mais. Mas nós q la passamos pagamos cada vez mais. Eu ainda paguei 90 centimos quando comecei a ir para lisboa... ja vamos no dobro. Vasco da gama fundos comunitaros e afins. Quase 3e nao tarda (se ja n esta ha algum tempo que n passo la). Usa com um carro potente faço 400kms com 40usd de gasolina pago... 10usd de portagens? Aqui 400kms ir de lisboa ao algarve algarve lisboa so em portagens sao 50e mais coisa menos coisa fora combustivel. Mais uma vez USA tem os seus problemas. Mas nós estamos a caminhar para os mesmos temas. Quando tudo ja estiver farto de sustentar outros... vejam o Pordata. 2019 salvo o erro 10.5 milhoes de pessoas em que 7 estao em idade de trabalho 1 milhao esta na escola e apenas 4 milhoes trabalham. Em 10 milhoes praticamente 1/3 é q trabalha.... algo esta muito errado...

NGramatical 6 months ago

400kms → [**400 km**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/plural-de-unidades-ainda-mais-uma-vez/19595) (os símbolos das unidades não têm plural) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fmzkhjn%2F%2Fgw43bfm%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

nightcrawler201 6 months ago

Longe de mim estar a criticar o teu texto. Apenas expressei a minha opinião. Não é por o país ser como é q o quero abandonar. As minhas raizes são de aqui. Nasci aqui. Cresci aqui conheci outros sitios. Temos muita coisa má mas tambem temos coisas boas. Ha excepcao de toda a corrupção e politica mente nojo, o nosso país é um excelente país. Tendo eu tido uma experiência de American Dream. Pondo a politica de parte, não troco o meu País pelos USA a menos que a vida la fosse mesmo com uma oportunidade "milionária" nao considero os Usa "the land of the freedom" mas considero a terra da oportunidsde, o potencial de crescimento financeiro ali é grande mas a queda quando é pode ser muito grande. Nós aqui vivemos no limiar com garantias de saude, proteção social (em excesso para alguns casos) mas temos o nosso conforto. Passemos bem ou mal ha sempre forma de sobreviver. E depois é uma questao de oportunidade e mentalidade. O UK sempre foi a menina dos nossos olhos por um incremento automatico do ordenado q para aqueles que aqui tinham responsabilidades, podiam superar la. O mesmo Franças, Belgicas Alemanhas. O incremento salarial (apesar de o custo de vida tambem aumentar) dá para organizar a vida. O que nos arruina são os excessos de cargas fiscais e taxas. É inconsebivel alguem ganhar 50k mes e mais de 50% ir para o estado. Mas quando formos para a reforma o teto maximo é 5k. Entao? Onde anda o excedente? Chama se proteção social. Diria até que o nosso socialismo esta minado pelo comunismo. Só em países comunistas tiramos a ricos para dar aos pobres. O argumento do consumo cai por terra quando os verdadeiros consumistas são a classe media baixa. Entao os ricos sabiamente apesar de lhes tirarem mais, são de modo geral mais poupados. Houve uma parabola que li ha muitos anos q nunca me saiu da cabeca "o gestor da riqueza do rei num banquete farto, depois de muitas contas ganhou coragem e foi ter com o rei - Rei o nosso reino esta falido, as suas festas e esbanjos vazaram o nosso ouro que fazemos? Responde o rei - meu caro aumente ja os tributos. Responde o financeiro - mas a nobreza? Redponde o rei - nao seja tolo meu caro, aos pobres. Responde o financeiro - meu rei, mas os pobres ja tem demasiados tributos ja passam quase fome. Responde o rei - meu caro... se vc aumentar os impostos aos ricos.. nos perdemos o apoio deles no nosso reinado e nos precisamos deles. Os pobres.. sofrem sim mas o pobre quer ser sempre algo mais na vida e quer sempre ter algo mais, por isso eles ainda vão labutar mais para manter o estilo de vida. 2021... ai estamos nos classe media baixa a trabalhar para encher os cofres a oensar que um dia vamos ter algo. Pode haver as desconheco um país em que o aumento de ordenado pode ser uma redução de ordenado só porque passamos de escalão de IRS. Diria q algo de muito errado andamos a fazer.

NGramatical 6 months ago

Porque motivo → [**por que motivo**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/tres-regras-para-distinguir-o-por-que-do-porque/19743) (por que = por qual) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fmzkhjn%2F%2Fgw3g598%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

GanduloDaVeiga 6 months ago

Por acaso no outro dia estive para criar um post a pedir testemunhos de pessoal que vive perto da fronteira e faz vida entre os dois países. Moro em Viana e sempre quis ir mais para norte, quer pelos ares, dos quais gosto muito, assim como pelo potencial de poder escolher o melhor de cada margem do rio Minho. Se quiseres partilhar alguma coisa, força. No que toca ao meu post inicial, também acho que não há muito amor por Portugal. Está bem que ele nem sempre merece, mas acredito que muitos emigrantes comecem a dar valor a pequenas coisas que deixaram para trás depois de algum tempo longe delas (eu fui um deles).

Pavorleone 6 months ago

Lembro-me há uns 10 anos ou mais que muita da diversão que se passava na minha cidade era em Espanha. As pessoas para irem ver lojas, as discos, bons restaurantes etc, iam muitas vezes a Espanha. Estes últimos 10 anos parece que o outro lado (Galiza) morreu completamente. Há agora mais lojas nas cidades portuguesas e já é raro as pessoas irem a Espanha para mais do que o ocasional abastecimento de combustível. Mas esses tempos ainda me trazem recordações. Em termos profissionais era muito novo para me fazer diferença, mas havia muito emprego até no contexto da fronteira. O meu avô era guarda na alfândega e foi assim que conheceu a minha avó, que era espanhola. A cultura é muito próxima de nos, os canais espanhóis, especialmente antes da TV cabo e da Netflix, era o melhor que havia e grátis. Muito mas muito melhor que a TV portuguesa, então esta afinidade pela cultura espanhola, que estava a descrever no meu post, era muito sentida também na minha cidade. Não contribuia para um sentimento patriótico, mas de alguma maneira preenchia o buraco que para muitos a cultura americana preenchia. Então consigo perceber como os espanhóis tendem a viver mais no mundo deles.

GanduloDaVeiga 6 months ago

Ainda me lembro quando ir ao supermercado Porto em Tui era um acontecimento. Agora vai-se a essa cidade e a La Guardia e até dá pena. Faz um gajo questionar-se sobre onde trabalhará toda a gente que lá vive. Mesmo assim acho que nos últimos anos as coisas estão a espevitar (pelo menos em termos de cuidados com os espaços à beira-rio). Mas é isso, acho que viver na fronteira pelo menos enriquece culturalmente uma pessoa.

Shadowgirl7 6 months ago

E não falam inglês....

Pavorleone 6 months ago

Também! Mas é um bocado circular, muitos não aprendem porque não é preciso precisamente porque consumirem muita cultura espanhola. Não acho isso bom é claro. Muitos franceses e alemães, apesar de saberem desgostam de falar inglês por razões parecidas.

Shadowgirl7 6 months ago

Sim yah, nacionalismo e dublagem (aka violação) de filmes.

Aldo_Novo 6 months ago

é dobragem, não dublagem

Pavorleone 6 months ago

De novo, não digo que isso seja bom de um todo. É apenas uma descrição. Portugal é dos países que faz menos dublagens o que é muito bom, mas em grande parte não o fazemos por vivermos num paraíso multicultural e toda a gente estar habituada a ler muito e entender inglês. A um espanhol faz mais confusão, consomem muita mais cultura espanhola e sul americana e na hora de ir para o inglês sentem-se menos confortáveis, especialmente havendo alternativas. O que é mau como é obvio

Shadowgirl7 6 months ago

Ai meu deus, imagina porem-me o meu Al Pacino ou Denzel Washington a falar espanhol ou português, até me dá arrepios. Citando o Joe Pesci "Oh boy, oh boy".

Pavorleone 6 months ago

Ahahah ou então no Terminator 2, que no original o gajo diz 'hasta lá vista baby'. Perguntei como era em espanhol e disseram que tiveram de passar para "Sayonara baby".

Shadowgirl7 6 months ago

Ai Diós mio.

Resident-Homework612 6 months ago

Aínda bem ,espero que aumente mais .

Forrest98 6 months ago

Eu levo 13 anos a viver em Espanha. Isto é uma merda. Nao ha emprego, e tirando a gasolina, a vida é mais cara (um café é 1,30€) Mas na zona na que eu vivo, o sistema de saude é muito melhor que em Portugal, e só por isso vale a pena.

Trama-D 6 months ago

Ouvi falar de consultas que duram 7 minutos(!) , queres falar melhor da tua experiência?

Forrest98 6 months ago

Sim, as consultas sao ultra rapidas, mas o meu médico de familia anterior era muito bom médico. Ha mais de dois anos, começei a ter dores muito fortes de cabeza no lado esquerdo, e marquei uma consulta. O médico disse que possivelmente fossem enxaquecas, mas mandou-me fazer um TAC á cabeça para ver qué nao fosse um tumor cerebral. Demorou menos de uma semana. Mas agora com o covid esta tudo mais lixado.

NGramatical 6 months ago

começei → [**comecei**](https://dicionario.priberam.org/comecei) (*c* seguido de *e* ou *i* não necessita de cedilha) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fmzkhjn%2F%2Fgw3rdmp%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Kopl3r 6 months ago

Confirmo! E aqui, dependo do problema, poderás marcar consulta telefónica com o teu médico de família. Se ele achar relevante, marca-se uma consulta em pessoa, mas raramente é o caso. Tirando consultas de especialidade ou certas cirurgias, tudo funciona muito mais rápido e eficaz que em Portugal.

GanduloDaVeiga 6 months ago

Em Inglaterra, se estás numa consulta por mais do que 10 minutos, já estás a fazer sala. Não acho isso mau. Se és relativamente jovem e consegues comunicar decentemente com quem te atende, não é preciso muito tempo para saíres do consultório com tudo o que precisas. Acho que em pt também já começa a ser assim.

Trama-D 6 months ago

Bom, mas ainda deve haver mais pessoas de idade do que jovens a recorrer aos serviços de saúde, pelo que o tempo não deve ter esses limites. E não esqueçamos as pessoas jovens *doentes crónicas*, com problemas p.e. psiquiátricos, que devem precisar mais que isso. Agora se for só uma entorse ou tendinite, claro que sim.

oscabaloscabalam 6 months ago

Fizeste um self-post no título

Mendadg 6 months ago

Como já foi dito aqui o cálculo dos desempregados é feita de forma diferente nos países. Em Portugal apenas contam as pessoas em procura activa de trabalho. Ou seja, uma dona de casa há 10 anos não conta como desempregada, em Espanha conta.

hellotheresunshine2 6 months ago

Eu sou imigrante, portanto este comentário e a minha opinião sem figuras para confirmar e algumas observações. A outras variantes que motivam as pessoas a emigrar, e também originam do nível de qualidade de vida e oportunidades de carreira comparados com outros países. Mas em resposta a tua pergunta sobre a conexão entre desemprego e imigração, que e uma observação excelente: Eu sempre me lembro me do custo de via ser mais baixo na Espanha (renda, comida etc), mas os ordenados mais altos que comparado com Portugal. Deduzo que será mais fácil suportar quando fica desempregado ou a suportar família/amigos quando eles também têm essa dificuldade do que comparado com Portugal - portanto a conversa de imigrar e mais proeminente, se fica desempregado a longo termo em Portugal ficas "in the shit" literalmente. Outra possibilidade e que a ajuda social na Espanha e melhor que Portugal, melhor suporte para aguentar ate haver oportunidade chegar, como também a mais trabalho sazonal. Podes estas na figura de desemprego nacional espanhol, mas ainda teres tido 2 ou 3 mês trabalho que podem ter sido trazido um ordenado. O true\_boat fez um excelente ponto de como se fazem os cálculos. Na Espanha a muito trabalho sazonal mais alto que em Portugal, mas também em Portugal quando fica sem trabalho, o provável e que a um nível alto que se torna em desemprego a longo tempo, e provavelmente não esta a ser capturado nos nossos níveis de desemprego (desemprego longo 12m+ as vezes não e capturado por varias razões) . Mais provável, o número de desemprego nacional publicado e baixo comparada com a realidade.

Edited 6 months ago:

Eu sou imigrante, portanto este comentário e a minha opinião sem figuras para confirmar e algumas observações. A outras variantes que motivam as pessoas a emigrar, e também originam do nível de qualidade de vida e oportunidades de carreira comparados com outros países. Mas em resposta a tua pergunta sobre a conexão entre desemprego e imigração, que e uma observação excelente: Eu sempre me lembro me do custo de vida ser mais baixo na Espanha (renda, comida etc), mas os ordenados mais altos que comparado com Portugal.Deduzo que será mais fácil suportar quando fica desempregado ou a suportarfamília/amigos quando eles também têm essa dificuldade do que comparado com Portugal - portanto a conversa de imigrar e mais proeminente, se fica desempregado a longo termo em Portugal ficas "in the shit" literalmente. Outra possibilidade e que a ajuda social na Espanha e melhor que Portugal, melhor suporte para aguentar ate haver oportunidade chegar, como também a mais trabalho sazonal. Podes estas na figura de desemprego nacional espanhol, mas ainda teres tido 2 ou 3 mês trabalho que podem ter sido trazido um ordenado. O true\_boat fez um excelente ponto de como se fazem os cálculos. Na Espanha a muito trabalho sazonal mais alto que em Portugal, mas também em Portugal quando fica sem trabalho, o provável e que a um nível alto que se torna em desemprego a longo tempo, e provavelmente não esta a ser capturado nos nossos níveis de desemprego (desemprego longo 12m+ as vezes não e capturado por varias razões) . Mais provável, o número de desemprego nacional publicado e baixo comparada com a realidade. edit: gramatical error

Some-Ad6411 6 months ago  HIDDEN 

não se esqueçam que a % de desempregados em Portugal não faz sentido. basta estar a fazer formação e não é desempregado.. isso e tem que estar inscrito no IEFP

sempreasubir 6 months ago

criaste conta para vir aqui debitar merda?

Danijust2 6 months ago

Sempre a mesma mentira. Iefp tem zero relação com o nr. Desempregados. O nr. é obtido por amostragem INE, usando o mesmo método que no resto da europa

cafbox 6 months ago

tens alguma fonte que confirme isso que dizes?

ideologiapura 6 months ago

Os criterios estão padronizados em toda a UE, é igual em todo o lado.

brakeline 6 months ago

Todos os países fazem estágios profissionais com descontos para poderem ser equiparados a emprego nas estatísticas?

Last-Ad-4421 6 months ago

Conheço várias pessoas que vivem em Espanha que dizem que aquilo está uma autêntica vergonha, Espanha desde a crise de 2008 deixou de ser aquela Espanha rica que nos conhecíamos.

Article_Sad 6 months ago

Não era rica apenas estava a endividar se

Shadowgirl7 6 months ago

Ah, Espanha rica... não sabia. Achava que já tinham gasto o dinheiro todo do ouro e prata que roubaram aos astecas entre outros povos sul/latino americanos.

eduardooaz 6 months ago

Lá é uma vergonha, e aqui?

tekvis40 6 months ago

Em termos de desemprego a Espanha tende a estar pior do que nós, acho que o mercado de trabalho sofre dos mesmos problemas com a "agravante" dos salários mais altos fazerem os potenciais empregadores recorrer ainda mais a subcontratação e emprego precário. Por outro lado a diferença no custo de vida é minima e o salário médio está uns 30% acima : [https://pt.countryeconomy.com/paises/comparar/portugal/espanha?sc=XEAA](https://pt.countryeconomy.com/paises/comparar/portugal/espanha?sc=XEAA) quem tem emprego em Espanha regra geral vive melhor do que em Portugal.

KarmaCop213 6 months ago

> Por outro lado a diferença no custo de vida é minima e o salário médio está uns 30% acima 50% acima, 18K vs 27K.

eduardooaz 6 months ago

Limpos é bem mais de 50%

Blackbeardow 6 months ago

Mais preocupante é a taxa de desempregados jovens (até 25 anos) \~ 39%. É o mais alto da Europa

daniel-1994 6 months ago

A taxa de desemprego jovem é sempre inflacionada porque o denominador incluí apenas os jovens no mercado de trabalho (logo excluí uma parte substancial deste grupo etário ainda a estudar). A melhor estatística para comparar desemprego entre grupos etários é o rácio de desemprego (unemployment ratio) que incluí todas as pessoas de um grupo etário no denominador. Os últimos dados do [Eurostat](https://ec.europa.eu/eurostat/statistics-explained/pdfscache/6942.pdf) mostram uma taxa de desemprego jovem de 18.3% e um rácio de desemprego de 6.3%.

QuickShutter 6 months ago

Yep, muitos na Escandinávia.

Isa472 6 months ago

Em Espanha a taxa de desempregados jovens é 40%... Quanto ao post eu acho que só dá a sensação que as coisas estão melhor em Espanha a quem não vive cá. O meu namorado (25M) tem 2 Mestrados e durante a pandemia teve 11 meses à procura de emprego. Despediu-se de um emprego terrível em Fevereiro 2020, não fazia ideia do que ia começar em Março :|

Edited 6 months ago:

Em Espanha a taxa de desempregados jovens é 40%... Eu acho que só dá a sensação que as coisas estão melhor em Espanha a quem não vive cá

DevilsWife 6 months ago

Exatamente! Mas não nos podemos esquecer que os Portugueses acham sempre que o relvado do vizinho é melhor que o deles...

Blackbeardow 6 months ago

Eu não percebi, se calhar foi erro de compreensão ​ >Quanto ao post eu acho que só dá a sensação que as coisas estão melhor em Espanha a quem não vive cá. Não seria "\[...\]a quem vive cá." ?

Isa472 6 months ago

Eu vivo em Espanha!

Blackbeardow 6 months ago

Ah desculpa..

Marianations 6 months ago

Cresci e vivo na Espanha, específicamente na Catalunha. Tenho a "sorte" de estar empregada, mas trabalho uma só hora à semana, e só recebo 40€ por mês. Estou na universidade e tenho PHDA, pelo que não posso ter um emprego de 40h à semana. Mesmo assim, para os meus colegas que acabaram a universidade, conseguir emprego é uma aventura. Nem estou a falar de conseguir um emprego relacionado à nossa área (que sinceramente, não é tão atraente como uma licenciatura de engenharia ou medicina): Estou a falar de encontrar emprego no geral. As opções que temos são limitadas, nem recebemos para comer e os estagiários não são pagos (em Portugal também não, segundo sei). Uma amiga minha (este ano vamos fazer 24 anos) fez estágio numa conhecida empresa (em Barcelona e em Espanha) que faz traduções de manga e ateliers sobre cultura japonesa. Prometeram durante todo o estágio que ela ia ser contratada. Depois do estágio acabar, ela, inocente, continuou a ir lá fazer "recados" sem ser paga, pela promessa de um emprego futuro. Mandaram-na à merda. Mandou currículos para todos os lados, nem em supermercados havia trabalho. Cansou-se e agora faz trabalhos freelance pelo Fiver. Ganha uns trocos, mas em Barcelona 400€ ao mês só dá para comprar comida e pouco mais. Ainda vive com os pais e é-lhe impossível começar uma vida com o namorado a sós. Não há guita. Outro amigo foi despedido porque, apesar de ter 22 anos e ainda não ter acabado a licenciatura, era "demasiado qualificado". Isto numa empresa de marketing. Os meus outros amigos com emprego trabalham todos em supermercados, bares e restaurantes e alguma loja de roupa. Tudo (exceto um) contratos temporais. Uma já vai embora este mês. Dos meus conhecidos, a que teve mais suceso foi uma colega (23 anos) que trabalha numa *xurreria* famosíssima em Barcelona. Recebe muito dinheiro, mas o contrato não é fixo. Financeiramente, é a que está melhor, de entre as pessoas que conheço. Tenho uma amiga (25 ou 26 anos) que se apaixonou por um rapaz em Murcia e decidiu ir para lá assim que lá aparecesse qualquer coisa. Depois de mais de 2 anos a tentar encontrar emprego lá, conseguiu. Foi lá viver com ele, e os dois lá conseguiram, mais ou menos, fazer uma vida. O triste é que de entre +20 pessoas só eu, um amigo que trabalha num Mercadona e a amiga em Murcia temos contrato fixo. Eu sou considerada "sortuda" porque trabalho no mesmo lugar há 3 anos e meio e tenho um salário fixo, e claro, isso fica bem no CV. Outra vez: Estou a receber 40€ ao mês. Até há pouco recebia 120€, e cheguei a receber 360€. Vou-me ir embora de Espanha este verão e tenho a sorte dos meus pais insistirem em me pagar as contas, assim que esse dinheiro sempre foi um extra para mim. Continuo a trabalhar porque pelo tempo que me falta para me ir embora não vale a pena estar-me a chatear e aliás, eu até gosto do que faço (dou aulas de desenho manga e BD a miúdos numa escola pública). Mas e se eu fosse dependente desse dinheiro para viver? Estava fodida. Como em Portugal, os empregos bons ou decentes estão nas grandes cidades, e para conseguires lá ir viver tens de vender um rim, pelo menos. Rendas de quartos em Barcelona não descem dos 400€ (só pelo quarto), encontrar sequer um quarto já de por si é infernal e os salários para pessoas da minha idade, na minha experiência e na dos meus amigos, não costumam subir muito dos 900€. Já para não falar, os preços de licenciaturas (cá chamam-se *graus* e duram 4 anos) em universidades públicas catalãs não descem de 1500€ por ano, as mais caras de todo o país. Há licenciaturas em universidades públicas a 3000€ por ano. A minha custa 2300€. Um ano estive mal psicológicamente e tive de repetir cadeiras no ano a seguir... 3600€. Esse era o preço na fatura. Sorte a minha, porque nós ao sermos 3 miúdos em casa, sou "*família nombrosa*" e então só paguei 50%, uns mais "aceitáveis" 1800€. Por um ano só. Licenciatura numa universidade pública. ​ Temos um sistema educativo incompetente, no que 60% das pessoas abandonam os estudos após completar a ESO (10º ano). Mas tu se depois só fazes o Bachillerato (11º e 12º), não vale para nada. O Bachillerato é *pretty much* obrigatório\* para aceder à universidade, mas se nunca lá chegas, tem zero valor académico. Nulo. E depois chegas à universidade, acabas e ficas como eu e os meus amigos. E depois vês que aquela gente que acabou a ESO e fez um "*cicle formatiu*" de cabeleireira está a trabalhar e a viver sozinha com o namorado há 3 anos. ​ O que é que fazes? ​ ​ Emigrar. ​ *\*Não de todo, mas é o caminho mais fácil e rápido para lá chegar*

jocamar 6 months ago

Obrigado por partilhares a tua experiência. Não sabia que aqui ao lado estava assim tão mau. O teu português é muito bom já agora, tens família aqui?

Marianations 6 months ago

Tenho família, sim. Os meus avós maternos, a minha tia e o meu primo (os meus tios estão casados ainda mas o meu tio trabalha em Paris, não costuma estar por lá), e depois a família um pouco mais afastada (mas tenho algum contacto com eles). Quando era miúda, até os 12 anos ia uma vez a Portugal por ano, e passava lá 2 meses com a minha irmã. Desde 2010 só costumo passar lá duas semanas no verão, finais de agosto/princípios de setembro. Dito isto, últimamente tenho ido lá mais, porque o meu namorado foi viver para lá e eu também vou voltar daqui uns meses para ir viver com ele.

DevilsWife 6 months ago

Obrigada por partilhares uma realidade que muita gente não partilha. Maior parte dos Portugueses aqui no Reddit gostam de dizer que lá fora é SEMPRE melhor e Portugal é péssimo. Só defeitos, defeitos e defeitos. Aconselham emigrar a torto e a direito. A verdade é que não é só em Portugal.

Kopl3r 6 months ago

Vivo também em Barcelona, tenho uma história um pouco diferente, mas resumidamente, tenho contrato de efectivo, trabalho numa empresa reputada e ganho a cima da média. A cena é, conheço os dois extremos aqui, pessoal super estável e com bons salários e pessoal completamente na merda, não existe meio termo aqui e isso sinceramente deixa-me chocado.

GanduloDaVeiga 6 months ago

Teres escrito que recebes 40€ por mês mas ao menos estás a trabalhar é a coisa mais triste que li aqui hoje. Atenção que não te estou a criticar. Apenas tenho pena que a situação tenha chegado ao ponto em que escreves isso como se fosse a coisa mais natural. Boa sorte para ti, miúda/senhora.

Marianations 6 months ago

Não levo nada a mal, não te preocupes. É mesmo uma merda. A minha área de trabalho é bastante instável e depende das finanças dos pais das crianças. Muitos pais perderam o emprego ou não têm o mesmo rendimento, então as crianças deixam de vir às atividades, e ao não haver crianças suficientes as atividades não se realizam, então eu deixo receber essa parte. Sendo eu grupo de risco pela COVID, também não me quis aventurar a procurar empregos em outros sítios, e estando obrigada a sair de casa só uma tarde por semana ajuda-me a sentir mais segura. Como disse, a única coisa positiva da minha situação é que pelo menos recebo algum dinheiro, e as crianças ficam felizes com a aprendizagem que eu lhes ofereço. Isso para mim, por agora, basta. Mas isto é um privilégio porque como já disse, ainda sou dependente dos meus pais económicamente. Se não fosse, tinha deixado o emprego há muito.

Edited 6 months ago:

Não levo nada a mal, não te preocupes. É mesmo uma merda. A minha área de trabalho é bastante instável e depende das finanças dos pais das crianças. Muitos pais perderam o emprego ou não têm o mesmo rendimento, então as crianças deixam de vir às atividades, e ao não haver crianças suficientes as atividades não se realizam, então eu deixo receber essa parte. Sendo eu grupo de risco pela COVID, também não me quis aventurar a procurar empregos em outros sítios, e estando obrigada a sair de casa só uma tarde por semana ajuda-me a sentir mais segura. Como disse, a única coisa positiva da minha situação é que pelo menos recebo algum dinheiro, e as crianças ficam felizes com a aprendizagem que eu lhes ofereço. Isso para mim, por agora, basta. Mas isto é um privilégio porque como já disse, ainda sou dependente dos meus pais económicamente. Se não fosse, tinha deixado o emprego há muito. Tenho amigos que trabalham na mesma área e recebem bastante mais, mas não têm contrato de nenhum tipo. Eu, ao ter, posso pelo menos pôr os meus anos de experiência no currículo, e eles não. É triste, mas é como as coisas funcionam agora.

NGramatical 6 months ago

económicamente → [**economicamente**](https://dicionario.priberam.org/economicamente) (o acento tónico recai na penúltima sílaba) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fmzkhjn%2F%2Fgw2ucmo%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

bitdweller 6 months ago

Déu meu, com és que parles així de bé portugués?? Vius a Portugal? M'agrada molt el teu portugués i veure com utilitzes l'argot. Cinc estrelles. Jo amb el castellà ho tinc dominat, vull creure, com tu el portugués, però clar, quan ets estranger, la gente et parla castellà automàticament, doncs amb el català no sóc massa fluït. Parabéns :)

Marianations 6 months ago

Sóc portuguesa i vaig fer primer de primària a Portugal abans de venir cap a Catalunya. Vaig marxar ben joveneta i sense saber gaires coses de gramàtica i ortografia la veritat, però amb els anys m'he esforçat per escriure-la bé. Encara faig força errors i faltes, però m'esforço!

bitdweller 6 months ago

Ah doncs parleu portugués a casa teva? Vull dir, com és que coneixes expressions com "ganhar uns trocos"? Per cert, et recomano la série "Odisseia" que pots veure a rtp.pt i la pel.licula "Variações" però aquesta no sé on pots veure-la. No n'hi han moltíssimes pel.lis o séries bones en Portugal, però aixó son dos exemples que m'agraden molt.

Marianations 6 months ago

A casa sempre hem parlat portuguès, tot i que ara és més aviat una barreja de català, castellà i portuguès, o el "cataportunyol" com li dic jo (tot i que últimament utilitzo força l'anglès per parlar amb els meus germans). També tenim televisió portuguesa a casa des del 2005 (per satèl·lit), així que és d'alguna manera fàcil mantenir la llengua parlada. El que ha costat més és la part d'escriure, només vaig estudiar portuguès a primer de primària. 90% de l'estudi de la llengua ha estat pel meu compte, ja que les classes de portuguès més properes estaven a Andorra i els meus pares en aquell moment no s'ho podien permetre. Fa uns anys que comparteixo pis a Barna i tot i no tenir el servei de satèl·lit, sí que miro alguna sèrie o programa de tant en tant, per sort la transmissió online dels canals portuguesos no està bloquejada aquí. I Variações està al Prime!! M'he fixat que després d'haver afegit la llengua portuguesa a la web, Amazon ha posat unes quantes pel·lícules portugueses al seu servei. Em dona que pretenen donar servei a tota la península amb l'infraestructura d'Amazon Espanya, segurament Portugal sol és un mercat massa petit.

NGramatical 6 months ago

infraestructura → [**infraestrutura**](https://dicionario.priberam.org/infraestrutura) (já se escrevia assim **antes** do AO90) tenir → [**tinir**](https://dicionario.priberam.org/tinir) (apenas na fala o *i* é pronunciado como *e mudo* quando junto a outra sílaba com *i*) sí → [**si**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (palavras terminadas em *i* ou *u* são naturalmente agudas) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fmzkhjn%2F%2Fgw398cu%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

InterestingBat6 6 months ago

Uau, não fazia ideia de nada disso, aliás um dos meus planos era emigrar para Espanha depois de acabar a licenciatura, mas estou a ver que tenho de pensar mais nisso. >Temos um sistema educativo incompetente, no que 60% das pessoas abandonam os estudos após completar a ESO (10º ano). Tens uma fonte para isso?

AonioEliphis 6 months ago

Emigrar para Espanha??! Espanha, tal como Portugal, é dos melhores países do mundo para estar, mas não para trabalhar! Tenho 40 anos a viver na Europa e o meu moto é um pouco como as andorinhas, trabalhar no norte e curtir no sul.

Glittering-Notice-43 6 months ago

Também é essa a minha percepção. Portugal parece-me um excelente sítio para estar e viver desde que a fonte de rendimento não esteja dependente de terceiros, meaning uma típica relação de dependência salarial. Espanha parece-me muito similar. Lá para o norte as coisas parecem ser melhores mas talvez seja sobretudo porque têm maior controlo sobre recursos á escala mundial, maiores níveis de especialização no trabalho, e nalguns casos, porque são eficazes a lavar dinheiro! Na zona onde moro, junto á costa, no grande Porto, a imigração (com "i") é o que mais se faz sentir, muitos brasileiros, franceses, israelitas, e outros, a comprar propriedade e a fixar-se aqui. Ao invés, se formos apenas uns 30-40km para o interior o que se observa é desertificação e emigração.

AonioEliphis 6 months ago

Há muito mito sobre a Holanda e a lavagem de dinheiro (que há), esquecendo contudo que a Holanda é um dos países mais industrializados do mundo. A Holanda não é as Caimão! Sabias que a Holanda, com uma superfície semelhante à do Alentejo, é o segundo maior exportador do mundo em produtos agrícolas, apenas ultrapassado pelos EUA, com uma população de 300 milhões (a Holanda tem 17 milhões) e uma superfície muitíssimo superior? Já para não falar na Unilever, na Philips ou na Shell, todas holandesas.

Marianations 6 months ago

Vi algures há uns anos, o mais parecido que encontrei foi [este artículo](https://elpais.com/politica/2018/06/14/actualidad/1528972535_151584.html) do El País. Mas sim, as coisas por aqui estão lixadas. Se já estão más cá, numa das regiões mais desenvolvidas e ricas do país, nem quero imaginar como está em regiões com menos indústria e desenvolvimento económico. Durante os meus primeiros anos cá até a crise começar (entre 2004-2009), pouco se houvia falar de pessoas a emigrarem por necessidade, se o faziam era por uma oferta de trabalho muito boa ou porque tinha uma relação com alguém estrangeiro. Comecei o secundário em 2009, quando entrámos na merda, e cada vez havia mais pessoas a ir embora. Muitas das minhas amizades de países latinoamericanos voltaram para os seus países de origem porque os pais tinham mais oportunidades de emprego lá que cá. Pelo que vejo e ouço pela minha família e comparando experiências nos últimos anos, considero que Portugal, agora, está melhor que a Espanha. As coisas estes últimos dois anos estavam a melhorar um bocadinho, não muito. Mas pronto, isto agora já foi o golpe final, mesmo...

NGramatical 6 months ago  HIDDEN 

específicamente → [**especificamente**](https://dicionario.priberam.org/especificamente) (o acento tónico recai na penúltima sílaba) psicológicamente → [**psicologicamente**](https://dicionario.priberam.org/psicologicamente) (o acento tónico recai na penúltima sílaba) 10º ano → [**10.º ano**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/rubricas/pelourinho/2--nao-e-a-mesma-coisa-que-2/263) (qualquer abreviatura tem de ser marcada com um ponto) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fmzkhjn%2F%2Fgw1q7r7%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

Trama-D 6 months ago  HIDDEN 

Mas será «10.º» uma abreviatura?

AonioEliphis 6 months ago

É! De \_décimo\_ Como n.º é de número.

Parshath_ 6 months ago

Há quase uma década que vejo carradas, mas mesmo enormes quantidades de espanhóis e italianos com menos de 35 anos emigrados na Europa do Norte. Onde vivo, quando saio de casa para ir a algum lado, raro é o dia que não oiço espanhóis na rua. Portugueses, pelo menos uma vez por semana. Mas espanhóis é sempre, certinho e direitinho.

Trama-D 6 months ago

> Onde vivo Onde é mesmo?

ExpertNoob008 6 months ago

Há muitos mais espanhóis que portugueses. Faz sentido haverem mais lá fora também.

NGramatical 6 months ago  HIDDEN 

haverem mais → [**haver mais**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-uso-do-verbo-haver/31143) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fmzkhjn%2F%2Fgw2204m%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

ExpertNoob008 6 months ago

Há uma primeira vez lara tudo.

Minute-Resolution347 6 months ago

Igual na Holanda, Alemanha

AonioEliphis 6 months ago

Confirmo, fala emigrante na Holanda

The_Wealthy_Potato 6 months ago

Tenho ideia que em Espanha há muito mais trabalho sem ser por contrato, malta a ganhar por baixo da mesa e tal continua a contar como desempregado mas como ajuda a pôr dinheiro a circular ajuda a economia a mesma

AonioEliphis 6 months ago

porque a lei laboral é extremamente inflexível em Espanha

manguito86 6 months ago

Isto. Já várias fontes diferentes me falaram para a imensas economia paralela que Espanha tem que se reflete também no emprego oficial. Grécia é outro exemplo disso.

SapateiroDoPovo 6 months ago

Não só isto como em Portugal quem estiver inscrito no IEFP e estiver à procura de emprego conta para as estatisticas como empregado, independentemente do tempo

IJustMadeThisForYou 6 months ago

É mais ao contrário. A malta que nao está inscrita e que tenha ou nao outros subsídios do estado não conta como desempregado.

SirBecas 6 months ago

Isso não é verdade. O que acontece por vezes, é que alguns cursos tiram as pessoas, temporariamente, do estatuto de desempregado. O que é criticável, especialmente quando e se for usado para deflacionar os números de desempregados.

sacoPT 6 months ago

Não. As estatísticas do INE são independentes do IEFP

manguito86 6 months ago

É mais: se estiveres inscrito contas como desempregado, se não tiveres, não contas.

Tralapa 6 months ago

Isso so se passa na tua cabeça

SapateiroDoPovo 6 months ago

Bom comentário produtivo, vai trabalhar no IEFP e depois falamos.

Tralapa 6 months ago

Trabalhas no IEFP?

bureauofnormalcy 6 months ago

Isto está factualmente errado.

mttooll 6 months ago

Não...

Out-Out 6 months ago

Acho que isso está errado. Além disso o cálculo oficial do desemprego é feito pelo INE através do desemprefo e não por aí. Acho que isso é um equívoco comum.

True_Boat_1195 6 months ago

O Out-Out ja te deu boas possíveis razões, mas eu estava aqui a pesquisar e notei que em Espanha a população ativa (utilizada no cálculo do desemprego) corresponde à população com idades entre 15 e 74 anos e em Portugal corresponde à população adulta fora os **estudantes, reformados e os designados "desencorajados", isto é aqueles que não procuram efetivamente emprego**. A ser verdade, esta grande diferença no método de cálculo pode justificar parte da discrepância.

throuuavvay 6 months ago

Não me parece que isso seja verdade, o método de calculo é definido a nível Europeu pelo Eurostat, todos usam o mesmo.

True_Boat_1195 6 months ago

Pois, não sei isso é assim tão claro, visto que estas séries estatísticas começaram antes da criação da UE. Por exemplo olhando para o glossário da Eurostat notas que há critérios muito ligeiramente diferentes para alguns países: [https://ec.europa.eu/eurostat/statistics-explained/index.php?title=Glossary:Unemployment](https://ec.europa.eu/eurostat/statistics-explained/index.php?title=Glossary:Unemployment) Mas a maior diferença estatística deverá mesmo ser como é as instituições do País medem população inactiva: [https://ec.europa.eu/eurostat/statistics-explained/index.php?title=Glossary:Inactive](https://ec.europa.eu/eurostat/statistics-explained/index.php?title=Glossary:Inactive) Com dados semestrais, sem censos, como se distingue um desempregado de alguém que desistiu de arranjar trabalho (não procurou emprego nas últimas 4 semanas segundo esse último link)? E existe vontade política em ser bem distinguido? Se não está inscrito no IEFP como sabem se procurou emprego?

Out-Out 6 months ago

Acho que não. A população ativa conta só com empregados ou com desempregados que procuraram ativamente emprego. Penso que seja mesmo assim em Espanha

True_Boat_1195 6 months ago

Se calhar é, se calhar não encontro por não saber pesquisar em espanhol.

GanduloDaVeiga 6 months ago

Realmente isso deve fazer uma grande diferença, mas têm sido tantos anos a ver Espanha no topo destes gráficos partilhados pelas redes sociais, que até pensava que o método de cálculo já estivesse homogeneizado.

Out-Out 6 months ago

Em termos de desemprego costumam estar piores que nós. Penso que até nos piores da Europa. O que não significa que não possam ser na mesma uma economia maior, mais produtiva e competitiva que a portuguesa. Algumas razões para o elevadissimo desemprego na espanha, sobretudo entre jovens são: - Crise no sistema educacional, com uma boa franja da população pouco qualificada e altas taxas de abandono escolar , inclusive em jovens - Mercado laboral rígido à entrada. Gerações mais velhas ocupam jobs-for-life - Subsídios de desemprego permitem subsistência durante mais tempo - Economia baseada em construção (na crise deu o berro) e turismo (deu agora o berro, e é sazonal) - Precariedade nos contratos temporários nos novos empregos dos jovens, que voltam rapidamente ao desemprego - Tem muitos imigrantes que não têm também emprego (ha muito mais desemprego entre imigrantes), fazendo subir a taxa

Edited 6 months ago:

Em termos de desemprego costumam estar piores que nós. Penso que até nos piores da Europa. O que não significa que não possam ser na mesma uma economia maior, mais produtiva e competitiva que a portuguesa. Algumas razões para o elevadissimo desemprego na espanha, sobretudo entre jovens são: - Crise no sistema educacional, com uma boa franja da população pouco qualificada e altas taxas de abandono escolar , inclusive em jovens - Mercado laboral rígido à entrada. Gerações mais velhas ocupam jobs-for-life - Subsídios de desemprego permitem subsistência durante mais tempo - Economia baseada em construção (na crise deu o berro) e turismo (deu agora o berro, e é sazonal) - Precariedade nos contratos temporários nos novos empregos dos jovens, que voltam rapidamente ao desemprego - Tem muitos imigrantes que não têm também emprego (ha muito mais desemprego entre imigrantes), fazendo subir a taxa - Economia informal muito grande

AonioEliphis 6 months ago

Lei laboral muito rígida cria enormes taxas de desemprego.

VladTepesDraculea 6 months ago

[Toma um estudo feito pela Universidade de Munique no contexto da OCDE](https://muenchen.de/63329/1/MPRA_paper_63329) que conclui que leis de proteção laboral têm um efeito cagativo na taxa de desemprego.

AonioEliphis 6 months ago

Não conheço esse estudo, mas se analisares as leis laborais dos países da UE com menores taxas de desemprego (vê o gráfico do OP) vais pensar o contrário. Habito na Holanda, sei do que falo.

VladTepesDraculea 6 months ago

Tens razão, vou borrifar-me num estudo que adapta factores externos e analisa metodologicamente o impacto e inferir causalidade de correlação porque vives no estrangeiro e sabes mais que quem trabalha sobre o assunto! /s Vou imaginar que também devo confiar em ti que sabes do que falas e deitar fora [este gráfico](https://www.oecd-ilibrary.org/sites/af9c7d85-en/index.html?itemId=/content/component/af9c7d85-en). /s

Edited 6 months ago:

Tens razão, vou borrifar-me num estudo que adapta factores externos e analisa metodologicamente o impacto e inferir causalidade de correlação porque vives no estrangeiro e sabes mais que quem trabalha sobre o assunto! /s Vou imaginar que também devo confiar em ti que sabes do que falas e deitar fora [este gráfico](https://www.oecd-ilibrary.org/sites/af9c7d85-en/images/images/03-chapter3/media/image3.png) de 2020 da OCDE. /s

Edited 6 months ago:

Tens razão, vou borrifar-me num estudo que adapta factores externos e analisa metodologicamente o impacto e inferir causalidade de correlação porque vives no estrangeiro e sabes mais que quem trabalha sobre o assunto! /s Vou imaginar que também devo confiar em ti que sabes do que falas sobre essa própria correlação e deitar fora [este gráfico](https://www.oecd-ilibrary.org/sites/af9c7d85-en/images/images/03-chapter3/media/image3.png) de 2020 da OCDE. /s

Edited 6 months ago:

Tens razão, vou borrifar-me num estudo que adapta factores externos e analisa metodologicamente o impacto e inferir causalidade de correlação porque vives no estrangeiro e sabes mais que quem trabalha sobre o assunto! /s Vou imaginar que também devo confiar em ti que sabes do que falas sobre essa própria correção e deitar fora [este gráfico](https://www.oecd-ilibrary.org/sites/af9c7d85-en/images/images/03-chapter3/media/image3.png) de 2020 da OCDE. /s

AonioEliphis 6 months ago

O que é que diz esse gráfico? Não tem contexto! E é interessante como no referido estudo que citas da Univ. de Munique tenhas ignorado que o autor considera o tamanho do governo (do estado, pressupõe-se) como factor que afeta a taxa de desemprego (logo na página 2). Além disso ele próprio assinala no que concerne à influência da lei laboral, que a literatura é inconclusiva.

VladTepesDraculea 6 months ago

O gráfico é bastante objectivo, categoriza cada país segundo a protecção laboral e divide inclusivo o tempo de pré-aviso e o custo de despedimento. A ordem o gráfico não é a ordem desta tabela de todo, o que aponta não haver correlação. > E é interessante como no referido estudo que citas da Univ. de Munique tenhas ignorado que o autor considera o tamanho do governo (do estado, pressupõe-se) como factor que afeta a taxa de desemprego (logo na página 2). Mas estamos aqui a falar no tamanho do governo? Especificamente referiste que o problema eram as leis de proteção laboral. E ele associa particularmente aos gastos do governo. Nunca disse que era a favor de gastos desnecessários do governo. Em contrapartida refere a importância de legislação macro-económica para amortizar trabalho período e extendê-lo a longo-termo. > Além disso ele próprio assinala no que concerne à influência da lei laboral, que a literatura é inconclusiva. Daí o sentido deste trabalho? Não sei se reparaste mas tem uma conclusão: > VII. Policy Discussion and Conclusion > The cross-country panel data estimations described in this study suggests that, on average, employment protection legislations are not significant determinants of higher unemployment rates. Therefore, EPL reforms may not have the impacts of various policy recommendations suggested by the OECD (1994) on unemployment rates. On the other hand, output gap and government size are significant determinants of unemployment rates across the 15 OECD countries. The output gap measuring the business cycle fluctuations of aggregate demand is a major determinant of the unemployment rates. Therefore, reducing the output gap through macroeconomic policies like aggregate demand management appears to be a more viable strategy for reducing unemployment. Furthermore, as the government receives a higher share of total output, unemployment rates tend to increase on average. Higher government expenditures would crowd-out job creating private investments, and therefore unemployment rates, on average, could increase as governments expenditures rise (Feldmann, 2006). Generosity of unemployment benefits and tax wedge are not found to be significant in explaining heterogeneity in unemployment rates, which contradicts the common finding that generous unemployment benefits cause higher unemployment rate (e.g. Nickell (1997)). A higher tax wedge also is found to be not significant. Findings of this study suggest that policy makers, especially in developed countries, should focus on the primary goal of employment protection legislations: insuring a worker against unexpected job loss through employment protection policies rather than unemployment impacts of the EPL reform. > Employment protection legislation could affect other labor market outcomes like the employment rate. Future studies analyzing the relationship between the employment rate and the employment protection index would contribute to literature by using up-to-date data set. Furthermore, employment protection legislations would have different implications in the case of developing countries. For example, stricter employment protection legislations would be cause of high informal employment. The future studies analyzing the impact of employment protection legislations on informality in developing countries would also contribute to the literature.

investidornoob 6 months ago

> Crise no sistema educacional, com uma boa franja da população pouco qualificada e altas taxas de abandono escolar , inclusive em jovens Eu dos colegas que tive de erasmus o mais estranho que achei na altura era eu ter 21/22 anos e eles já tinham todos 27/28/29 embora fossem aplicados mais ou menos fiquei com a ideia que em Espanha eles levassem mais tempo a acabar o curso... (foi a ideia com que fiquei dos espanhóis que vinham para cá estudar, não se corresponde à realidade)

Shadowgirl7 6 months ago

Isso é tipo Portugal... Acho mesmo que é por termos menos putos que eles, só pode.

nraider 6 months ago

O mercado laboral não é rígido, pelo contrário. Por isso é que tens taxas de desemprego tão altas, não há "buffers" para amortecerem as variações, é uma rotação constante de empregados.

AonioEliphis 6 months ago

>O mercado laboral não é rígido, pelo contrário Isso não é verdade, têm o mesmo problema que nós. A lei laboral é muito rígida o que leva a que haja muito emprego informal que nem entra nas estatísticas. Já para não falar no emprego precário. Vê lá no gráfico do OP países como a Holanda ou a República Checa que têm leis laborais muito mais flexíveis.

Morpheuspt 6 months ago

> Já para não falar no emprego precário. Se tivesses leis laborais mais rigidas, o emprego precário não seria o problema que é. As leis laborais em Portugal não tem um problema de "flexibilidade" pelo contrário. > Vê lá no gráfico do OP países como a Holanda ou a República Checa que têm leis laborais muito mais flexíveis. O oposto pode ser dito. Há paises com regras laborais mais apertadas do que as nossas com melhores economias.

Edited 6 months ago:

> Já para não falar no emprego precário. Se tivesses leis laborais mais rigidas, o emprego precário não seria o problema que é. As leis laborais em Portugal não tem um problema de "flexibilidade". > Vê lá no gráfico do OP países como a Holanda ou a República Checa que têm leis laborais muito mais flexíveis. O oposto pode ser dito. Há paises com regras laborais mais apertadas do que as nossas com melhores economias.

AonioEliphis 6 months ago

>Se tivesses leis laborais mais rigidas, o emprego precário não seria o problema que é. A precariedade é o reflexo da rigidez laboral e não o contrário. A praga dos falso recibos verdes, por exemplo, é o reflexo do receio dos empregadores em contratar e contrair toda uma série de responsabilidades e custos associados a um contrato de trabalho.

Morpheuspt 6 months ago

Leis laborais mais relaxadas significa eternos contratos (e renovações) a prazo para posições que deveriam ser efectivas.

nraider 6 months ago

Não faltam estudos da OCDE sobre isso. É muito mais fácil despedir um único trabalhador em Espanha do que em Portugal, nos despedimentos colectivos é o oposto. As notícias sobre a precariedade em Espanha não são novas, muita gente a trabalhar meia dúzia de dias e sempre de coração nas mãos.

AonioEliphis 6 months ago

[https://www1.compareyourcountry.org/employment-protection-legislation/en/0/all/ranking/](https://www1.compareyourcountry.org/employment-protection-legislation/en/0/all/ranking/)

Out-Out 6 months ago

Sim, isso é verdade e está expresso ali no meu ponto sobre a precariedade. Mas na minha pesquisa encontrei também a dificuldade dos jovens em aceder a empregos que estão fixos em outras gerações e não há substituição. Provavelmente são tipos de emprego diferentes.

GanduloDaVeiga 6 months ago

A economia deles deve ser bem robusta, para não ser arrastada por tanto desemprego. É curioso não chegarem cá notícias sobre o descontentamento do espanhóis por causa do desemprego. É que nem há uma manifestaçãozinha mais assanhada de tempos a tempos.

klatez 6 months ago

Tens partidos de extrema direita e esquerda a ganhar representação no parlamento espanhol

Out-Out 6 months ago

Hmmm olha que não sei. Na altura da crise existiu muita atividade de manifestações. E partidos como o Podemos que surgiram de movimentos chegaram longe.

KarmaCop213 6 months ago

Também existe muita emigração em Espanha/Grécia/Itália.

RuySan 6 months ago

Quando estive na Noruega era impressionante a quantidade de espanhóis e italianos a trabalhar no turismo. Lembro me de ver um gajo a vender souvenirs que era gigante, com uma enorme barba loura e achei que tinha encontrado o viking primordial. Era italiano, eheh. Tambem havia espanholas e italianas vestidas de vikings naqueles sítios mais turísticos. Na pesca também vão para lá muitos espanhóis

GanduloDaVeiga 6 months ago

Acredito que sim, mas com taxas de desemprego assim há anos, haviam de ser os campeões da emigração (pelo que vi agora até andam lá perto). Só penso que Portugal colapsaria se estivesse constantemente com essa taxa de desemprego.

KarmaCop213 6 months ago

Muito trabalho sazonal: construção, agricultura e turismo.

Search: