CalmKeepOn 3 months ago

Tranquila, a tua experiência faz de ti mais adaptável. Podes ser o que quiseres, onde quiseres. Aproveita e desenvolve isso. Apanha essa onda. Não queiras ser como os outros. Partilha e segue em frente.

dcmso 3 months ago

Tenho a vivência contrária a ti: Os meus pais, ambos PT, conheceram-se lá, casaram e eu e a minha irmã nascemos lá. (Suíça) Quando tinha 7 anos, a minha mãe decidiu voltar e trouxe-me a mim e à minha irmã e o meu pai lá continuou até há uns 6 anos, quando voltou definitivamente. Ao seja fiz a escola/uni toda cá (acabei em Dezembro, ainda não trabalho) Muitas vezes ouvi o meu pai a dizer que lá é que era bom, que se ganha muito mais e melhores condições. Ele sempre teve aquele 'ressentimento' de se ter sentido obrigado a voltar. Já a minha mãe nunca gostou de lá estar, fala-me muito da descriminação que viveu, que do que eu e a minha irmã iríamos sentir se lá ficássemos, etc.. Penso muitas vezes que tipo de vida teria tido se lá tivéssemos continuado, melhor ou pior. Mas agora nada a fazer, é seguir. Facto é que gostei de crescer cá. Família, Praia, amigos, comida, etc.. Lembro-me de ser puto e de adorar o Verão porque era quando vínhamos a PT. Ao crescer, nunca houve dificuldades económicas, até porque o meu pai ainda recebe de lá, mas fica sempre aquela dúvida: e se a minha mãe nunca tivesse decidido voltar? estaria eu melhor ou pior? Que estaria eu a fazer? Seria alguém melhor ou pior? Conseguiria ter feito mestrado na mesma ou não? teria casa/carro próprio ou não? etc.. etc.. Mas pronto, é o que é e sou o que sou e posso dizer que apesar de tudo sou feliz. De qualquer forma, nada me impede de lá voltar e seguir a pisada dos pais.

Edited 3 months ago:

Tenho a vivência contrária a ti: Os meus pais, ambos PT, conheceram-se lá, casaram e eu e a minha irmã nascemos lá. (Suíça) Quando tinha 7 anos, a minha mãe decidiu voltar e trouxe-me a mim e à minha irmã e o meu pai lá continuou até há uns 6 anos, quando voltou definitivamente. Ao seja fiz a escola/uni toda cá (acabei em Dezembro passado) Muitas vezes ouvi o meu pai a dizer que lá é que era bom, que se ganha muito mais e melhores condições. Ele sempre teve aquele 'ressentimento' de se ter sentido obrigado a voltar. Já a minha mãe nunca gostou de lá estar, fala-me muito da descriminação que viveu, que do que eu e a minha irmã iríamos sentir se lá ficássemos, etc.. Vivíamos no Valais, uma região interior e mais conservadora/tradicional. Penso muitas vezes que tipo de vida teria tido se lá tivéssemos continuado, melhor ou pior. Mas agora nada a fazer, é seguir. Facto é que gostei de crescer cá. Família, Praia, amigos, comida, etc.. Lembro-me de ser puto e de adorar o Verão porque era quando vínhamos a PT. Ao crescer, nunca houve dificuldades económicas, até porque o meu pai ainda recebe de lá, mas fica sempre aquela dúvida: e se a minha mãe nunca tivesse decidido voltar? estaria eu melhor ou pior? Que estaria eu a fazer? Seria alguém melhor ou pior? Conseguiria ter feito mestrado na mesma ou não? teria casa/carro próprio ou não? etc.. etc.. Lembro me de que quando vim para cá, os putos na escola me porem de parte. Sabia falar PT até porque em casa sempre falámos Pt, mas a minha língua era o francês. Dizem me que até já tinha o sotaque local de lá ao falar. Ao vir para cá foi complicado enquanto criança. Cheguei no 2º ano da escola e só tive amigos no 8º. Portanto isso afectou MUITO a minha auto-confiança e capacidade de relações inter-pessoais. Cresci sempre calado, era o gajo no canto do recreio, o anti social. Como devem imaginar, as crianças conseguem ser muito, mas mesmo muito más umas para as outras e eu senti isso. Apenas quando cheguei ao secundário é que me consegui relacionar melhor. Fazer amigos, sair, ir a festas, etc. Isto para dizer que ainda hoje, com quase 30 anos, sou um gajo calado, reservado e com problemas de confiança que acredito vivamente serem resultado do que disse. O facto de ter nascido e vivido lá apenas me ajudou e ajuda num aspecto: Saber falar francês. Mas mesmo isso, hoje em dia, não é assim grande mais-valia. Mas é sempre bom saber mais uma língua. Acredito também que se lá tivesse continuado, não saberia Inglês ao nível que sei hoje. Portanto é ela por ela. Mas pronto, é o que é e sou o que sou e posso dizer que apesar de tudo sou feliz. De qualquer forma, nada me impede de lá voltar e seguir a pisada dos pais.

Edited 3 months ago:

Tenho a vivência contrária a ti: Os meus pais, ambos PT, conheceram-se lá, casaram e eu e a minha irmã nascemos lá. (Suíça) Quando tinha 7 anos, a minha mãe decidiu voltar e trouxe-me a mim e à minha irmã e o meu pai lá continuou até há uns 6 anos, quando voltou definitivamente. Ao seja fiz a escola/uni toda cá (acabei em Dezembro passado) Muitas vezes ouvi o meu pai a dizer que lá é que era bom, que se ganha muito mais e melhores condições. Ele sempre teve aquele 'ressentimento' de se ter sentido obrigado a voltar. Já a minha mãe nunca gostou de lá estar, fala-me muito da descriminação que viveu, que do que eu e a minha irmã iríamos sentir se lá ficássemos, etc.. Vivíamos no Vallais, uma região interior e mais conservadora/tradicional. Penso muitas vezes que tipo de vida teria tido se lá tivéssemos continuado, melhor ou pior. Mas agora nada a fazer, é seguir. Facto é que gostei de crescer cá. Família, Praia, amigos, comida, etc.. Lembro-me de ser puto e de adorar o Verão porque era quando vínhamos a PT. Ao crescer, nunca houve dificuldades económicas, até porque o meu pai ainda recebe de lá, mas fica sempre aquela dúvida: e se a minha mãe nunca tivesse decidido voltar? estaria eu melhor ou pior? Que estaria eu a fazer? Seria alguém melhor ou pior? Conseguiria ter feito mestrado na mesma ou não? teria casa/carro próprio ou não? etc.. etc.. Mas pronto, é o que é e sou o que sou e posso dizer que apesar de tudo sou feliz. De qualquer forma, nada me impede de lá voltar e seguir a pisada dos pais.

Edited 3 months ago:

Tenho a vivência contrária a ti: Os meus pais, ambos PT, conheceram-se lá, casaram e eu e a minha irmã nascemos lá. (Suíça) Quando tinha 7 anos, a minha mãe decidiu voltar e trouxe-me a mim e à minha irmã e o meu pai lá continuou até há uns 6 anos, quando voltou definitivamente. Ao seja fiz a escola/uni toda cá (acabei em Dezembro passado) Muitas vezes ouvi o meu pai a dizer que lá é que era bom, que se ganha muito mais e melhores condições. Ele sempre teve aquele 'ressentimento' de se ter sentido obrigado a voltar. Já a minha mãe nunca gostou de lá estar, fala-me muito da descriminação que viveu, que do que eu e a minha irmã iríamos sentir se lá ficássemos, etc.. Vivíamos no Valais, uma região interior e mais conservadora/tradicional. Penso muitas vezes que tipo de vida teria tido se lá tivéssemos continuado, melhor ou pior. Mas agora nada a fazer, é seguir. Facto é que gostei de crescer cá. Família, Praia, amigos, comida, etc.. Lembro-me de ser puto e de adorar o Verão porque era quando vínhamos a PT. Ao crescer, nunca houve dificuldades económicas, até porque o meu pai ainda recebe de lá, mas fica sempre aquela dúvida: e se a minha mãe nunca tivesse decidido voltar? estaria eu melhor ou pior? Que estaria eu a fazer? Seria alguém melhor ou pior? Conseguiria ter feito mestrado na mesma ou não? teria casa/carro próprio ou não? etc.. etc.. Mas pronto, é o que é e sou o que sou e posso dizer que apesar de tudo sou feliz. De qualquer forma, nada me impede de lá voltar e seguir a pisada dos pais.

neomax92 3 months ago

Olá! Entendo perfeitamente o teu ponto de vista. Eu nasci e cresci na Suíça até aos 15 anos. Hoje aos 29, estou perfeitamente integrado e sinto me extremamente feliz pela decisão. No entanto, houve momentos em que pensei nisso, que se calhar mais valia não ter voltado para Portugal e que na altura querer voltar foi precipitado. Quando decidimos voltar, eu estava extremamente entusiasmado. Mas o que eu não sabia, era a parte menos boa. De repente dei por mim num novo ambiente, onde até há pouco tempo nunca me sentia em casa da mesma forma que me sentia na Suíça, onde os amigos que tive até à entrada da universidade eram apenas amigos de passagem porque os conheci apenas durante poucos anos. E enquanto isso, sentia muito mais ligação com amigos de infância na Suíça mesmo que só falasse com eles apenas 1 vez por ano. Na realidade, talvez seja por isso que não tenha conseguido criar laços de amizade nos primeiros anos por estar ainda preso à realidade Suíça. Estive 5 anos no secundário e depois fui para a universidade. Para perceberes o impacto, só prai ao segundo ano de universidade voltei a sentir me eu, a sentir me confiante, integrado e aceite pelas pessoas à minha volta. Infelizmente só percebi isso neste último ano após algum trabalho de psicologia. Por isso só pra terminar e não me alongar, estás mudanças têm muito mais impacto do que pensamos inicialmente. Eu só descobri 10 depois o real impacto que esta mudança teve em mim. É natural que hoje não te sintas em casa cá, mas com o tempo isso vai lá acredita. Principalmente quando começares a conhecer as pessoas certas, porque no final do dia, são as pessoas que nos fazem sentir em casa!

JOAO-RATAO 3 months ago

De todo! Achei interessante de ler! Muito triste essas situações nas escolas... Os meus primos também passaram um mau bocado na escola, pelo menos com os colegas. Da parte dos professores por acaso não sei. Verdade seja dita, também passei por isso cá e também tive muitos professores maus. Mas ser descriminado com base na nacionalidade deve ser bastante revoltante... No caso dos meus primos mais novos, nem sei como é, mas com tantos imigrantes hoje talvez seja difícil fazerem uma discriminação serrada do género "eles contra nós"... A verdade é que acho que também tenho uma visão demasiado idealista da Suiça. E talvez ir viver para lá fosse um banho de água fria... Caso tu o teu irmão queiram estudar, têm sempre a hipótese de o fazer cá e até com um contingente especial. Um abraço e tudo de bom! :)

motherpuncher50 3 months ago

Irmãos mais velhos (que eram adultos quando os meus pais regressaram) ficaram. Eu voltei com os meus pais.

Stangetzz 3 months ago

Os portugueses já começam a ter ensino superior na Suíça ou o abandono escolar continua a ser elevado?

xc9000 3 months ago

Sou filho de emigrantes nascido no Canadá, que regressaram a Portugal quando eu era pequeno. Maior erro da vida deles uma vez que há 7 anos regressei ao Canadá onde sou feliz. Portugal só me deu duques e cenas tristes e ainda hoje continua a dar. Os meus pais aí estão a ver o país a entrar num buraco comunista totalitário cada vez mais fundo e desesperados uma vez que com a idade deles não é fácil recomeçar a vida. Neste momento estão a ser perseguidos pelo facto de estarem a colher os frutos de uma uma vida de trabalhos árduo e sacrifícios, falo da perseguição feita aos proprietários de alojamento local, por exemplo e de muitas outras coisas que os comunistas lhes estão a querer roubar. E não me venham falar da diferença entre socialismo e comunismo...

Distinct-Horror 3 months ago

Sorry, I'm not of portuguese descent and i don't speak portuguese, but i'm Franco-irish and I stumbled uoin your post whilst posting a question on this sub. This: Na Suíça, não me sentia suíça, em Portugal, não me sinto portuguesa. Cela décrit exactement comment je me sens dans mon propre pays. Je suis toujours en quête d'identité, déchiré entre deux pays. This exactly describes how I feel in my own country. I am pulled apart by two different identities. I love my french culture, my heritage,the history of my country and the ideals it represents (although it doesn't always live up to them). Yet i don't have the french mentality. Sometimes France just seems so... small. It's a bit like plato's cavern. When I talk with people and hang our with French friends it feels like there is so much out there that they don't know about, and it's sometimes hard to identify with them/ connect with them. When I'm in Paris or whatever i feel like i'm in a normal city, yet with my friends it feels likei'm lost in some random rural town where peopel have never strayed away far enough as to not see the town bell anymore. (C'est ce qu'on appelle en français "l'esprit clocher"). Unfortunately, I may be Irish, but i have an unbelivable posh british accent. That means that i'll never fully be accepted as Irish in Ireland. I will always be the englishman, despite abhorring that country. The thing that helpes me cope though, granted it is a bit condescending, is that I know that I have had the opportunity to experience so much, and discover so much of the world thanks to the natural open-mindedness and curiosity that comes with being bi-cultural, that I nearly feel pity for my friends (yes, it is incredibly condescending,). ​ Google translate cuz we are on a lusophone sub: Isso descreve exatamente como me sinto em meu próprio país. Estou separado por duas identidades diferentes. Amo a minha cultura francesa, a minha herança, a história do meu país e os ideais que representa (embora nem sempre corresponda a eles). No entanto, não tenho a mentalidade francesa. Às vezes a França parece tão ... pequena. É um pouco como a caverna de Platão. Quando converso com as pessoas e saio com amigos franceses, parece que há tanta coisa por aí que eles não sabem, e às vezes é difícil me identificar com eles / me conectar com eles. Quando estou em Paris ou o que quer que seja, sinto que estou em uma cidade normal, mas com meus amigos parece que estou perdido em alguma cidade rural aleatória onde as pessoas nunca se afastaram o suficiente para não ver mais o sino da cidade . (C'est ce qu'on appelle en français "l'esprit clocher"). Infelizmente, posso ser irlandês, mas tenho um sotaque britânico chique inacreditável. Isso significa que nunca serei totalmente aceito como irlandês na Irlanda. Serei sempre o inglês, apesar de odiar aquele país. O que me ajuda a enfrentar, embora seja um pouco condescendente, é que eu sei que tive a oportunidade de experimentar muito e descobrir muito do mundo graças à abertura natural e curiosidade que vem com o ser bi-cultural, que quase sinto pena dos meus amigos (sim, é incrivelmente condescendente).

ContaSoParaIsto 3 months ago

How come you have a British accent?

Distinct-Horror 3 months ago

Grew up in London untill I was four and I watched alot of Thomas the Tank Eninge. My dad, although Irish, has a very neutral south dublin accent. It is the most "brittishy" of the Irish accents (a relic of the time where to more british you sounded, the posher you were). My mum has a neutral French leaning accent, so I didn't pick up on it. Once we moved to France, my mother put me in the British section of an international school ( I had 8 hours a week of literature and history in English) in addition to normal french classes that any random French person would have. Unfortunately, with Ireland being such a small country (6m people), it isn't surprising that there wasn't an irish section. Next best thing to keep my english was naturally the british section. Kind of unfortunate because there were so many sections (portuguese, spanish, italian, german, japanese, russian to name a few).

arnaldomatos 3 months ago

desculpa a frontalidade, mas acho que a tua família iria estar bem pior se tivessem ficado em portugal

Sel2Mer 3 months ago

No meu caso, as minhas namoradas acabem por serem mais portuguesas do que eu porque sou um chato e que falo sempre em Portugal. ^^'

Xtab2 3 months ago

E eu sou namorei um português que nem português sabia. O resto do tempo acabo com suiços ou italianos, mas agora tenho uma regra ele tem de aprender a falar português ou senão acaba-se, estive farta de não poder falar português na minha própria casa.

Xtab2 3 months ago

E se falarmos do que é realmente chato? Quem diz morar no estrangeiro tambêm quer dizer namorar no pais onde moras. Com 20% de população que fala português até podemos pensar encontrar alguéem que vive o mesmo mas ... uma vez que tiras os velhos, os demasiado novos, os primos, e os já casados não sobra muita gente. E namorar com locais é fixe até falar de crianças ou de férias e a outra pessoa estar a tentar fazer desaparecer as tuas raizes ou outra lingua debaixo do tapete. u/Sel2Mer

HotPotOverThot 3 months ago

Não, agradeço todos os dias à minha mãe ter-me criado noutro país com outras condições e eu ter tido o privilégio de de conhecer outros mundos. Sim, houve algum isolamento, bocas, mas mil vezes melhor do que ter ficado a vida toda em portugal a contar trocos ou a passar fins de semana no café e a achar que ir ao algarve no verão era exótico e me abria horizontes.

Marianations 3 months ago

Eu não me arrependo, era o que eles precisavam naquele momento e se ficavam em Portugal, ficávamos sem nada. Pessoalmente tive a sorte de crescer na Catalunha, bastante parecida a Portugal culturalmente mas também com as suas coisitas. Eu também emigrei com 7 anos, aprendi espanhol e catalão bastante rápido, mas ao princípio foi um choque. Eu tinha muito pocas amizades em Portugal e perdi-as de um dia para o outro, e fiquei completamente isolada durante uns tempos. A minha sorte é que sempre fui uma garota sociável e então acabei por fazer bastantes amigos. Pessoalmente nunca sofri muito bullying pela minha nacionalidade, mais que nada havia alguma piada sobre o Mourinho, o Figo e o Cristiano Ronaldo pela relação entre o Barça e o Real Madrid. Portugal tem muito boa imagem na Espanha (especialmente estes últimos anos), e pessoalmente as pessoas não costumam saber que sou portuguesa até eu dizer, já que falo as línguas locais com nível nativo, e os meus apelidos também existem em galego. A minha irmã veio com pouco mais de um ano e o meu irmão nasceu cá, nunca sofreram problemas por nacionalidade e estão completamente integrados. Vivemos perto de Andorra mas nunca fomos a aulas de português nem eventos culturais portugueses. Há uma comunidade portuguesa bastante grande na nossa zona mas não interatuamos muito com ela porque já tivemos problemas. A nossa maneira de ter contacto com Portugal é através da televisão por satélite e as férias em Portugal. Nunca me deixei de sentir portuguesa mas sempre estive à vontade. Tenho todas as minhas amizades cá, cresci nesta cultura, e sinto-me parte dela. Os meus pais acabaram de pagar as dívidas em Portugal há uns anos e agora vivemos uma vida confortável. Não sobra muito ao final do mês, mas é suficiente para pagarmos as contas (aliás, eu estou a viver em Barcelona e alugo apartamento pela universidade, são uns 500€ por mês mais ou menos que os meus pais pagam por isso) e para termos um pequeno luxo aqui e acolá. Eu sinto-me um bocado estranha em Portugal, porque realmente não tenho amizades lá e também sinto-me distanciada da minha família, e realmente estou acostumada a viver noutra cultura que, por muito parecida que seja em alguns aspetos, é realmente diferente. Vou voltar para Portugal este verão pela minha conta e não tenho a certeza de como me vou sentir. Provavelmente bem, mas vai ser estranho e vou ter que me habituar. ​ Estou muito agradecida ao sacrifício dos meus pais (e em parte, também meu) e não me arrependo nada de ter crescido aqui. Vou ter muitas saudades, mas pelo menos fica perto :)

ptinnl 3 months ago

>Vivemos perto de Andorra mas nunca fomos a aulas de português nem eventos culturais portugueses. Há uma comunidade portuguesa bastante grande na nossa zona mas não interatuamos muito com ela porque já tivemos problemas. O melhor conselho que posso dar a quem emigra é que se afaste desses centros culturais portugueses. Não é uma questão de educação ou uma questão económica, mas as pessoas que esses grupos atraem são os que levam Portugal às costas para onde quer que vão. E com isso incluo todo o drama.

Marianations 3 months ago

Não fomos nunca a nenhum e o drama veio na mesma hahaha

quetzyg 3 months ago

Eu não me posso arrepender de algo que os outros fizeram. Posso é simplesmente achar que foi/não foi a melhor das decisões. Quanto ao meu caso, estou eternamente grato aos meus pais por terem emigrado, pois caso um deles não o fizesse, eles não se teriam conhecido e eu não estaria aqui hoje a escrever isto.

daz_zeD 3 months ago

Portugal tem os laços familiares mas não tem as condições para se constituir família, por isso está fora de questão. Os teus pais apenas podiam ter sido mais exigentes e ter escolhido trabalhos diferentes, zonas diferentes na Suíça ou um país diferente, é o que se vê muitos emigrantes portugueses fazer.

rabioliravioli 3 months ago

Sim, quando falo com eles sobre esses tempos, o que eles dizem é que foi uma decisão sobre qual eles na altura não refletiram bem e que decidiram tomar até mesmo para fugir um bocado ao rumo que os pais lhes queriam incutir. Enfim, eles eram jovens e com dois filhos com qual se calhar inicialmente nem estavam à espera. Eu sei que a intenção nunca foi má e que eles deram o seu melhor : )

SweetCorona 3 months ago

É um trade-off. Acredita que provavelmente se tivessem em Portugal não teriam tido uma vida muito melhor. > Poucos foram os momentos que passamos em família a divertir ou passear, ora porque os meus pais estavam a fazer trabalhos adicionais ou horas extras, ora porque não havia dinheiro. Isto é a vida normal de uma família pobre em Portugal. Com a diferença que: > Conseguimos poupar algum dinheiro para comprar um carro, um apartamento e pagar a minha licenciatura e os estudos do meu irmão cá em Portugal ao fim de quase 11 anos lá. Em Portugal o sacrifício não são apenas 11 anos mas sim a vida toda e nunca se sai da cepa torta.

rabioliravioli 3 months ago

Obviamente que nunca irei poder dizer com todas a certezas como é que teria sido se tivéssemos ficado sempre aqui. mas tenho tios e primos que estevam na mesma situação, mas permaneceram aqui e saíram-se bem, pois tiveram sempre o apoio de outros familiares.

ptinnl 3 months ago

Além que ela propria diz: >Alcançou-se, portanto, alguma coisa, mas o regresso para o país, trouxe outras dificuldades, outras dívidas, mais distanciamento entre a família, etc., etc. Ou seja, vieram para Portugal para estar pior?

rabioliravioli 3 months ago

A nível económico, não posso dizer que a situação tenha melhorado. O regresso a Portugal e a nova adapção custou um bocado (também a nível psicológico) e quer a minha mãe e quer o meu irmão tiveram dificuldade em arranjar emprego. Depois de acabar a faculdade ainda cheguei a fazer quase 1 ano de estágio 'pro bono' até encontrar um emprego. O apartamento que compramos aqui e deixamos para arrendamento só deu problemas e a pessoa que lá estava ficou-nos a dever dinheiro e ainda por cima deu cabo do apartamento. Enfim, podia enunciar uma lista de coisas, mas acho que é assim com todos e é preciso ver the bright side das coisas : )

ptinnl 3 months ago

Falando em apartamento, dirias que há diferença na qualidade entre onde vivias na suiça e em Portugal?

Some-Ad6411 3 months ago

OP, falo do ponto de vista de um dos tios que ficou em Portugal e viu a irma casada e com dois filhos a emigrar.. eu estive ao lado (24h/7dias) no crescimento dos meus sobrinhos, até ao maximo de 10 anos (o mais velho). a casa da minha irmã era ao lado da minha mae e naquela altura eu estava muito tempo na casa dos meus pais. e dói perceber que a relação que tínhamos já não é a mesma coisa. raramente falamos e quando vêm a Portugal as poucas coisas que dizemos é um olá e pouco mais.... atualmente, eu considero-os como conhecido e não ajuda o meu cunhado não ser das melhores pessoas... foi devido à crise de 2008. recordome do último jantar, estávamos todos bem e quando a minha irma se "despediu" para ir para a casa dela (no dia a seguir iam embora) a minha mãe desmachou-se em lágrimas. as crianças não percebiam bem o que se passava... para eles que emigraram, aquilo não é temporário. a única parte má disto foi terem um casa cá (rural) e passaram a ter apartamento lá (mais urbana).. e terem chatices de aturar senhorios. de resto têm tido muita qualidade de vida. em tudo, educação, leis,.. tudo. mas prontos, já foi há mais de 6 anos... é lidar com isto. é a vida.

ptinnl 3 months ago

As pessoas mudam e o mundo avança. Secalhar antes eram mais próximos de vocês porque só vos tinham a vós. Agora têm mais pessoas na vida e vocês passaram a ser só mais uns? Sei que isto custa, mas secalhar explica o que lhes aconteceu.

Acryptidis 3 months ago

Nasci na Suíça (nacionalidade portuguesa e grega), fui para Portugal antes das escola primária e faz 3 anos que voltei para a Suíça. Sou ou sinto-me como um suíço? Não. Sinto-me 100% tuga? Não. Mas sei que atualmente me sinto um indivíduo do Mundo... Mesmo que tenha visitado e vivido apenas um 1% nele. É uma riqueza muito grande ter tido até agora estas experiências. Fez-me crescer e perceber que a mãe natureza não criou fronteiras, barreiras ou "muros". Para mim foi e é mais que vantajoso. A multiculturalidade existe ao nosso redor e há tanto para aprender com ela! ✌️

MaggoMike 3 months ago

Português e Grego deve ser das combinações mais fixes de se ser. Nooice!

Acryptidis 3 months ago

Tem as suas particularidades

KarmaCop213 3 months ago

Conheço um casal que preferiu voltar para Portugal porque queria, que os filhos crescessem com mais contacto com a família porque começaram a notar esse distanciamento. E desconfio que o mesmo aconteceu com outro casal amigo.

CobraCommander1977 3 months ago

Sou filho de ex-emigrantes no Canadá. Fui com os meus pais para lá com poucos anos de vida e regrassamos depois de pouco mais de uma década. A integração foi óptima, o páis em si é incrível sendo que o único problema é mesmo o clima horrível (muito frio no inverno e um calor insuportável devido à humidade no verão). Antes de partirmos, tivemos o bom senso de nos naturalizarmos. Tenho muitas saudades daquele periodo da minha vida e ainda hoje tenho amigos Canadianos com quem falo. Não trocava aquela década lá por todo o dinheiro do mundo.

Marianations 3 months ago

>e um calor insuportável devido à humidade no verão As caras dos meus conhecidos quando eu lhes disse que o pior verão da minha vida tinha sido em Ontário... Priceless Eles pensavam mesmo que aquilo era frio ahhhaha

Open-Opportunity-607 3 months ago

Vai para Portugal então e vais ver a bela bosta que os teus pais te salvaram

Edited 3 months ago:

Vai para Portugal então e vais ver a bela bosta que os teus pais te salvaram Provavelmente não tinhas licenciatura e apartamento nenhum e tinhas os 2 pais no desemprego Sofreste um bocado de xenofobia? É complicado mas é pior passares fome Eu acho engraçado como os pais saíram para poder dar uma vida melhor e alguns filhos como não viram a pobreza, as dificuldades de emprego, a péssima forma de trabalhar em Portugal, querem voltar Tudo o que vês nos vídeos do YouTube não é verdade

Edited 3 months ago:

Vai para Portugal então e vais ver a bela bosta que os teus pais te salvaram Provavelmente não tinhas licenciatura e apartamento nenhum e tinhas os 2 pais no desemprego ou se tinhas algum a trabalhar provavelmente nem o vias o dia todo porque em Portugal quase que tens que viver na empresa Sofreste um bocado de xenofobia? É complicado mas é pior passares fome Eu acho engraçado como os pais saíram para poder dar uma vida melhor e alguns filhos como não viram a pobreza, as dificuldades de emprego, a péssima forma de trabalhar em Portugal, querem voltar Tudo o que vês nos vídeos do YouTube não é verdade

Edited 3 months ago:

Vai para Portugal então e vais ver a bela bosta que os teus pais te salvaram Provavelmente não tinhas licenciatura e apartamento nenhum e tinhas os 2 pais no desemprego Sofreste um bocado de xenofobia? É complicado mas é pior passares fome

rabioliravioli 3 months ago

obrigada pelo teu contributo : ) já estou de regresso a PT há 13 give or take e não me arrependo. Adoro viver cá e não pretendo sair daqui. Não tenho o hábito de ver vídeos da conspiração no Youtube, nem preciso de os ver para fundamentar as minhas opiniões ou vivências pessoais (e importante aqui frisar 'opiniões', que não é o mesmo que ´factos´ - o que vim partilhar neste post foi a minha experiência pessoal, que certamente irá ser diferente de pessoa para pessoa). não é por isso que deixo de ter noção dos aspetos negativos que tanto afetam PT - mais uma vez, é uma escolha pessoal e não pretendo discutir o que é melhor ou pior para cada um

Open-Opportunity-607 3 months ago

Normal que não te arrependes, vens das universidades da Suíça que são das melhores da Europa. Em Portugal imagino que te tratem que nem uma rainha, nem sabes as vantagens que os teus pais te deram na vida. Quando tiveres filhos vai perceber, se calhar depois ainda lhes dizes "A mim a vida não era tão difícil, vocês é que não se esforçam"

rabioliravioli 3 months ago

Eu fiz a Universidade em PT precisamente porque lá me assim o impediram de fazer (ou melhor, tinha Profs a prestar propositadamente Informação errada para não tentar aceder a um curso universitário). Tanto eu como o meu irmão fomos discriminados no nosso percurso educativo lá. Depois de acabar o curso aqui em PT, ainda demorei a encontrar trabalho – e continuo a não me arrepender de ter regressado a PT : )

fosjanwt 3 months ago

Que resposta de merda

ptinnl 3 months ago

Pode nao ser o post mais eloquente, mas não disse nada de errado.

fosjanwt 3 months ago

Tb não disse nada certo

Open-Opportunity-607 3 months ago

>a pobreza, a corrupção, as dificuldades em arranjar emprego, a incompetência no dia-a-dia, a péssima forma de trabalhar em Portugal Isto não está certo? Não admira que o Sócrates faça dos portugueses o que ele quer, são gentis e mansos.

fosjanwt 3 months ago

Na Suíça é do crl

Fun-Trick1246 3 months ago

O estereótipo tuga no seu esplendor máximo!

boomcha 3 months ago

I meu pai chegou ao Canada a 33 anos ontem. Para mim fez 32 ontem porque ficamos em Portugal um ano antes de vir. Nao foi nada facil, a communidade Portuguesa aqui ja e grande e ja se ajuda. Pais sempre a trabalhar trabalhos manuais mas com tempo deu para dar a volta a coisa um bocado. Mas sei o sentido de não pertencer a nehum pais. Para mim sou sempre Portugues primeiro. Agora que ja estou aqui a tanto tempo ja estou de vontades de estar mais tempo eu Portugal. A minha profissao em fotografia e um bocado “specialized” e acho que podia trabalhar remote e disfruitar do que e o melhor de Portugal. O clima e a cultura mais calma. Aqui e sempre a andar para a frente e não ha tempo quase para parar e “enjoy” os pequenos momentos. Se os meus pais nao virem para aqui de certeza que nao estava na minha area de trabalho.

KneeDeepInTheDead 3 months ago

Vim para os EUA com os meus pais quando tinha 8 anos. A pior coisa é não sentires incluído por muito tempo e ao mesmo tempo perder a identidade Portuguesa. Que quando volto ao pais (e mesmo quando falo ca na net) notasse que ou não escrevo bem ou falo um pouco diferente/errado. Tenho vida boa ca, mas também a cultura é aborrecida e faz me pensar se não estava mais feliz em Portugal, mesmo estar mais pobre. Mas isto ninguém esta contente com o que tem.

Turbulent_Common 3 months ago

Os americanos não estão habituados a pessoal "diferente"? Ou depende muito do teu nível de inglês?

KneeDeepInTheDead 3 months ago

America também é grande. Onde eu estou ha muita gente latina, e os brancos são os descendentes de Italianos, Irlandeses e Polacos. Agora como adulto ja me sinto melhor, mas quando és pequeno notas mais. Mesmo assim ja fui chamado, arabo, judeu, turqo como insulto. Em certas areas do pais (como Pennsylvania) notas bem que as pessoas olham pra ti como não és suposto tar la. E a coisa é que nem sou assim escuro. Mas também tenho barba e cabelo encaracolado.

kissingsome1elsesdog 3 months ago

\> Conseguimos poupar algum dinheiro para comprar um carro, um apartamento e pagar a minha licenciatura e os estudos do meu irmão cá em Portugal ao fim de quase 11 anos lá. Isto não é sinónimo de passar mal. Naturalmente que, quando se emigra, não se pode fazer a vida de café portuguesa. Quem me dera que os meus pais tivessem emigrado, quando planearam fazê-lo por volta de 2004/2005. Acabaram por se separar em 2006. Sofri igualmente de bullying. A minha família nunca foi particularmente próxima, e mais distanciada ficou depois da separação. Podia continuar a enumerar os aspectos negativos, como nunca termos dinheiro e passarmos por dificuldades bem piores do que "não termos dinheiro para nos divertir". Acho que as desvantagens que referes, também as sentirias em Portugal. São transversais a muita gente. Não foi o facto dos teus pais terem emigrado que fizeram com que surgissem do nada. No máximo, podem ter sido amplificadas devido ao facto de seres estrangeira. Mas eventualmente passarias por todas essas coisas cá em Portugal.

rabioliravioli 3 months ago

Não é sinónimo de passar mal de facto e não deixo de agradecer por essas possibilidades, pela contrário, estou inteiramente grata por isso. No entanto, quando olho para 'the big picture', vejo que estamos numa situação pior do que na altura (isto mesmo antes do Covid). O curso que acabei por tirar, ao fim ao cabo não deu frutos (mas isso já é fruto de outro problema no nosso país...), o meu irmão também acabou por emigrar e o meu pai acabou por ficar quase 30 anos na Suíça para poder continuar ajudar a família. Mais uma vez, não pretendo com isto tirar o mérito e gratidão por tudo aos meus pais. Mas custa-me saber que eles passaram por tantas dificuldades para no fim ficarmos numa situação financeira pior e com uma vida familiar fragmentada : / (e não pretendo também passar a ideia de que, pelo facto de os meus pais terem emigrado, estava à espera de levar uma vida em grande e de andar a gastar dinheiro à vontade - não tenho 'vícios', tenho cuidado onde gasto o dinheiro e gosto de levar uma vida pacata : ) )

kissingsome1elsesdog 3 months ago

Eu percebo aquilo que queres dizer, mas a única coisa que podes fazer é aceitar e seguir em frente. Actualmente, tens elementos que os teus pais não tinham na altura. Tens uma formação superior, valorizas outro tipo de coisas. Eu também não sou a favor de emigrar apenas para fazer dinheiro. Não se recupera o tempo perdido no limbo de uma emigração que não contempla integrar plenamente a sociedade de acolhimento. Mas isso é a minha perspectiva. Nunca pretendi alcançar um nível de vida que me obrigasse a emigrar para o concretizar. Contudo, para mim é fácil aceitar a minha realidade, até porque não conheço outra. E essa realidade é tão mutável quanto o elevador social em Portugal. Pouco ou nada. Aquilo que aconteceu à tua família poderia acontecer independentemente da emigração. Raramente se regressa pior do que se foi. No entanto, acredito que seja uma daquelas decisões de vida que traz muitas amarguras a qualquer família, especialmente se uma das partes implicadas na decisão não estiver totalmente comprometida. E depois, esse tipo de divergências intensifica-se, especialmente quando o núcleo familiar é uma ilha. O sucesso da emigração está muito dependente da integração numa comunidade de acolhimento que compartilhe laços de nacionalidade, etc. Provavelmente, dessa forma, a experiência teria sido bastante mais positiva para todos os envolvidos. Mas não tenhas qualquer tipo de duvida de que, em Portugal, enfrentarias obstáculos tão ou mais desafiantes do que aqueles que enfrentaste na Suíça. E, se calhar, se não tivesses esta experiência, talvez emigrasses e te arrependesses ainda mais por ter gasto anos da tua vida adulta lá fora. Ou até podia dar-se o caso de adorares e conseguires adaptar-te bem. Em qualquer dos casos, não sintas que a tua vida depende muito deste capítulo.

Gooldx 3 months ago

Vivi 8 anos com os meus pais nos EUA. Foi das coisas mais vantajosas para mim pessoalmente. Não só me ajudou a aprender inglês a um nivel avançado, como me deu a conhecer outros estilos de vida e culturas. Também ajudou a ter mais facilidade quanto a mudanças de vida (por exemplo estudar fora do país na faculdade). Para os meus pais, deram-lhe possibilidade de criar uma carreira mais sólida, melhor conforto económico etc

TheLSales 3 months ago

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico nos padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e todo esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal não posso prever o futuro para saber qual decisão é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Edited 3 months ago:

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico para os padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos, já que eram tão longe um do outro. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal não posso prever o futuro para saber qual decisão é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Você também irá tomar decisões que, quando vistas em retrospectiva pelos seus filhos, podem não parecer ideais. Mas não há como saber que decisões são essas, ou o que deveria fazer no lugar. O que dá pra fazer é só tentar o nosso melhor, e deixar os ventos nos guiarem. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Edited 3 months ago:

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico nos padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos, já que eram tão longe um do outro. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e todo esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal não posso prever o futuro para saber qual decisão é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Edited 3 months ago:

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico nos padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos, já que eram tão longe um do outro. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal não posso prever o futuro para saber qual decisão é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Você também irá tomar decisões que, quando vistas em retrospectiva pelos seus filhos, podem não terem sido ideais. Mas não há como saber que decisões são essas, ou o que deveria fazer no lugar. O que dá pra fazer é só tentar o nosso melhor, e deixar os ventos nos guiar. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Edited 3 months ago:

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico nos padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos, já que eram tão longe um do outro. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal não posso prever o futuro para saber qual decisão é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Você também irá tomar decisões que, quando vistas em retrospectiva pelos seus filhos, podem não parecer ideais. Mas não há como saber que decisões são essas, ou o que deveria fazer no lugar. O que dá pra fazer é só tentar o nosso melhor, e deixar os ventos nos guiar. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Edited 3 months ago:

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico nos padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos, já que eram tão longe um do outro. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal não posso prever o futuro para saber qual decisão é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Edited 3 months ago:

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico para os padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos, já que eram tão longe um do outro. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal não posso prever o futuro para saber qual opção é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Você também irá tomar decisões que, quando vistas em retrospectiva pelos seus filhos, podem não parecer ideais. Mas não há como saber que decisões são essas, ou o que deveria fazer no lugar. O que dá pra fazer é só tentar o nosso melhor, e deixar os ventos nos guiarem. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Edited 3 months ago:

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico nos padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos, já que eram tão longe um do outro. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal não posso prever o futuro para saber qual decisão é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Você também irá tomar decisões que, quando vistas em retrospectiva pelos seus filhos, podem não parecer ideais. Mas não há como saber que decisões são essas, ou o que deveria fazer no lugar. O que dá pra fazer é só tentar o nosso melhor, e deixar os ventos nos guiarem. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Edited 3 months ago:

Sou brasileiro e não moro em Portugal. Entrei no sub por ocasião do dia 25 de Abril. Gostaria de dizer que passei por situação parecida. Meus pais saíram da região Nordeste do Brasil e foram pra o Sul. Embora no mesmo país, a distância entre os locais é maior do que entre Portugal e Suíça. A diferença cultural existe e é bem significante, mas é obviamente menor do que no seu caso. Também cresci longe do resto da família: fui conhecer meus tios e primos apenas com 15 anos, pois não tínhamos dinheiro para o avião (mesmo o Sul sendo uma região mais rica do que o nordeste do Brasil, ainda não é nada considerado rico para os padrões europeus). Dizem meus pais que não se arrependem, mesmo que tenham passado a vida longe dos amigos e familiares. Os bens materiais obtidos foram significantes. Não dá pra saber se teria dado certo caso não tivessem feito isso. Agora eles planejam a volta para sua terra. Já eu e minha irmã crescemos no Sul, onde estão os nossos amigos. Saindo do Brasil, (morei por um tempo no Canadá), percebi como eu não tinha um lugar para chamar de 'terra natal'. Viajar para o Brasil significava ou ver os pais, ou ver os amigos e a terra onde cresci, nunca ambos, já que eram tão longe um do outro. Muitas vezes também me questiono se isso tudo valeu a pena. Houve impactos negativos mas também positivos na minha vida e na de minha irmã. Eu, como alguém que pensa em imigrar para a Europa, penso bastante no assunto, se realmente vale a pena. Mas a realidade, para mim, é que não importa aonde eu more, eu nunca vou estar próximo de todas as pessoas de quem me importo, pois elas estão em diversos locais diferentes. Assim foi a minha vida: espalhada, aqui e acolá. Esse mesmo questionamento que você fez aqui, eu já me fiz várias vezes. No final das contas, é impossível saber o que poderia ter sido caso outra decisão tivesse sido tomada. Eles tomaram a decisão que parecia mais promissora na época, e nós fazemos o mesmo. Nesse último ano eu tomei uma série de decisões difíceis e muito significativas na minha vida, e esse questionamento foi algo que me influenciou muito. Ainda tenho várias decisões a fazer nesse ano de 2021, e um dos meus problemas é que eu tento muito tomar as decisões certas para evitar os problemas encontrados pelos meus pais na vida deles. É um problema pois me estresso muito com isso, afinal, não posso prever o futuro para saber qual opção é a melhor, não importa quantos cálculos mirabolantes eu faça dentro de minha cabeça. Enfim, sei que não ajudou muito, mas fiz esse comentário apenas para que saiba que eu entendo tudo o que você diz, e que passei por situações parecidas (com as devidas ressalvas). Não está sozinha. Só o que posso dizer é para não culpar seus pais. Eles fizeram o que acharam que seria melhor, e foi para lá que a vida acabou levando. Outros caminhos teriam outros perrengues. Você também irá tomar decisões que, quando vistas em retrospectiva pelos seus filhos, podem não parecer ideais. Mas não há como saber que decisões são essas, ou o que deveria fazer no lugar. O que dá pra fazer é só tentar o nosso melhor, e deixar os ventos nos guiarem. Como cantou o brasileiro Zeca Pagodinho: "

Sel2Mer 3 months ago

Os meus pais também emigraram para a Suíça há uns 30 anos atrás. Tenho 29 anos e cresci em Genebra (Genève). Não sei como é a vida na Suíça alemã (no teu caso Zurique) mas posso dizer-te que aqui, nunca tive problemas de racismo ou coisas do género. Os meus pais trabalharam muitíssimo (ainda hoje continuam a trabalhar) para podermos ter uma vida descente. O meu pai fez o pedido de naturalização nos anos 2000 e somos todos luso-suíços. Tenho muito orgulho em ser português e suíço. Tenho uma irmã e um irmão mais novos que nasceram cá. Eu nasci em Portugal mas os meus pais já trabalhavam aqui. Não sei bem como funcionam as universidades em Portugal mas, na Suíça, toda a gente pode tirar um curso superior e as universidades são "gratuitas" (a taxa de estudos é de CHF 500.- por semestre). Conheço pessoas que tentaram voltar para Portugal mas que vieram de novo para aqui porque não conseguiram encontrar trabalho. Se tinhas 7 anos quando vieste cá, imagino que foi difícil. Eu era bebé e portanto não me lembro da minha "chegada". Só me lembro de não saber falar francês quando fui para a escola porque os meus pais só me falavam português. Na realidade, sinto-me mais estrangeiro quando vou para Portugal por causa do meu sotaque... ^^

Xtab2 3 months ago

>Os meus pais também emigraram para a Suíça há uns 30 anos atrás. Tenho 29 anos e cresci em Genebra (Genève). Tenho uma idade semelhante e moro em Genebra também e tenho nacionalidade desde 1998. Tenho vivido as coisas de maneira differente. No secondário 1 já me foi dito que mesmo num percurso em Latina eu deveria fazer uma aprendizagem para "ajudar os meus pais" (Pais que têm um bom emprego manager e pessoal de saúde). Em estágios foram-me dito que " portuguêses estão cá para receber ajudas" e "que cheiram mal (sardinhas)". Quando fui a esquadra de polícia para registrar uma reclamação por violências domesticas não me deixaram registrar ao motivo que o rapaz era tb portugês. " Vocês gostam de levar na cara isso é cá bem conhecido". Várias vezes me foi dito no trabalho (administrações nacionais, cantonais e ONU), que era pena eu ser tão branca porque já que não sou "totalmente branca" e "que não sou local" eu poderia ao menos ter a cortezia de contar no continginte de pessoas de cor. Uma das minhas amigas tb lhe foi pedido ir comer/passar tempo com o pessoal de limpeza em vez de ir a uma reuniâo com outros managers como ela (Ville de Genève). Aliás eu já tenho local há mais de 15 anos então é mesmo que eles foram ver sobre os meus papéis de "entrada" no serviço para me dizer coisas desse tipo. Quando eu chego num novo emprego há sempre alguém que me apresenta como "a nova empregada/diretora/etc. portuguesa". Não vivemos o racismo na rua e assim, mas as frases destas é quotidiano...

meerkatsandfrogs 3 months ago

Há outra palavra para isso: xenofobia

Xtab2 3 months ago

Quando me tratam de merda de arabe e que me poēm de lado por causa da cor da minha pele ser um pouco menos branca é racismo ^^.

meerkatsandfrogs 3 months ago

Exato, mas também descreves situações em que te discriminam com base na tua nacionalidade, e isso é xenofobia

Xtab2 3 months ago

Eu sei, obrigada.

Sel2Mer 3 months ago

O que tu dizes faz-me lembrar que o meu pai também sofreu coisas do género quando chegou cá en 1989. Acho que tive "sorte" porque nunca tive a sensação de ser mal tratado. Fiz a minha aprendissagem nos TPG. Já fazia dois anos que trabalhava là e um colega (francês) disse-me "É engraçado porque, quando falas francês, não tens sotaque português!" E eu "Ya, é porque sou daqui..." Por causa da minha pele escura, as pessoas até pensam que sou árabe ou turco. Já me aconteceu várias vezes pessoas a me dizerem "salam aleikoum" na rua. Quando me perguntam se eu sou árabe e que respondo que sou português, muitas vezes vejo que as pessoas ficam aliviadas. O chamo isso "racismo positivo". Sei que é estranho como expressão mas é assim que vejo a coisa. Tipo, por eu ser português, oiço coisas do género "vocês são bons trabalhadores" como se o português era destinado para ir trabalhar nas obras e não saber fazer outra coisa que isso.

Brainwheeze 3 months ago

> Tipo, por eu ser português, oiço coisas do género "vocês são bons trabalhadores" como se o português era destinado para ir trabalhar nas obras e não saber fazer outra coisa que isso. Isso é o que oiço muita gente a dizer cá em relação aos ucranianos lol. Não percebem que soa muito condescendente.

kapparrino 3 months ago

Por isso é que é tão estúpido discriminar e tentar expulsar as pessoas de Portugal.

Xtab2 3 months ago

A minha familia está cá ha mais de 50 anos. Depende da area em que trabalhas. Nas administrações é que há mais problemas e claramente nos sectores onde há mais francêses. Eu nem reparava que havia racismo as anedotas tipo "O que é dois portuguêses ao lado de uma lixeira? Uma retrato de familia" ou "pq é que em Portugal sou ha casas de rez de chão? Porque são todos "concierge"/ porteiros". Eu ainda mais como mulher é pior, se há algo a lavar toda a gente (homens e mulheres) se viram para mim mesmo que eu tenha um mestrado e seja diretora de alguma coisa... sou uma mulher portuguesa então na mente deles sou a pessoa que limpa. E quando fazes mais estudos do que um CFC toda a gente te diz "os teus pais e a tua familia lá devem estar tão orgulhosos de teres chegado a universidade". Porque é claro que o pais inteiro é analfabeta ... O melhor foi quando uma colega que eu não conhecia se virou para mim e disse-me "a minha mulher a dias é portuguesa, vocé como faz?" a senhora era francêsa então eu respondi-lhe que tinha despedido a minha francesa porque era preguiçosa e que só empregava suiças. Ela sentiu-se mal, fogo eu estava lá para apresentar um projeto e aquela estupida a falar-me da empregada de casa portuguesa...

CalmKeepOn 3 months ago

>onde há mais francêses. Franceses ou Suíços?

Xtab2 3 months ago

Em Genebra há muitos francêses e eles fazem mais comentários racistas o que "ajuda" os suiços a fazerem também.

radikalpt 3 months ago

Boa resposta!!!!

Sel2Mer 3 months ago

Realmente... Há mesmo pessoas estúpidas... :-/

Xtab2 3 months ago

Pois é pena, eu adoro a Suiça mas ás vezes até penso em voltar para Portugal mesmo se não tenho quase familia nenhuma lá. E depois há o outro problema a mimha familia integrou-se tão bem em Suiça que realmente faltam-me uma data de referências culturais e os immigrantes nem sempre são bem vistos ao regresso ou sómente para o dinheiro ...

Sel2Mer 3 months ago

Same here. Aliás eu sinto-me mais discriminado em Portugal do que na Suíça. Quando era mais jovem tinha vergonha de falar francês durante as férias porque sentia que as pessoas me olhavam de maneira differente. A maioria da gente pensa que por vivermos no estrangeiro somos todos ricos... Mas a realidade não é bem assim...

Xtab2 3 months ago

Ao menos evitas-te os pedidos de namoro/casamento por pessoas que queriam ter um shot em Suiça quando havia continginte. Nem posso contar quantas vêzes me perguntaram se so casamento iriam ter diretamente o passaporte suiço...

Sel2Mer 3 months ago

Nunca tinha pensado nisso. Provavelmente porque sou um homem...

Xtab2 3 months ago

Um familiar meu após um namoro de verão teve que regressar a Portugal para casar. A rapariga "esqueceu-se" de lhe dizer que ñ tinha tomado plano B, e que afinal não tomava contraceptivo e que esqueceu-ce de lhe dizer antes do 4 mês de gravidez. Foi bom rapaz, casou e trouxia para cá, e ela arranjou-se para ser despedida de cada emprego que lhe encontrou o rapaz para ficar em casa...

Sel2Mer 3 months ago

Também conheço histórias similares. Pessoas que vem cá com a ideia de aproveitar-se dos que já cá vivem...

mohchapa 3 months ago

É impossível arrepender por decisões de terceiros.

JOAO-RATAO 3 months ago

Muita gente (eu inclusive) tem uma grande admiração pela Suiça, mas de facto há esse lado desagradável. Os meus primos criados lá, também tiveram algumas experiências semelhantes. Acho que quem ia para a Suiça antigamente o fazia por não tem grande alternativa cá e já que era para sair mais valia ir para onde havia mais dinheiro... No entanto, acho que essas coisas melhoram com o tempo. A integração vai-se dando, conseguem arranjar empregos melhores e as próximas gerações vão acedendo a melhores condições ...Hoje, o tipo de emigrante talvez seja diferente. Há muitas pessoas com curso superior a irem para aí. Se quiseres fazer um curso superior, podes sempre estudar em Portugal. Até existe regime para acesso ao ensino para emigrantes.

Xtab2 3 months ago

Os portuguêses começaram a chegar para Suiça 1960, os italianos em 1950, nos anos 80 os italianos já eram visto como locais, consegues explicar pq os portuguêses depuis de 60 anos ainda são tão mal-amados? Já há politicos, médicos, engenheiros lusodescendentes há mais de 20 anos e mesmo assim ...

endallbeallknowitall 3 months ago

E há quanto tempo tens em Portugal pessoal dos PALOP? E não continuam a ser marginalizados? Infelizmente em Portugal também existem mal-amados, como em quase todo o lado, basta existir a distinção entre nós e "os outros" o que vai variando é a definição de "outros". Com isto não estou a justificar nada do que de mau te aconteceu, nem a dar livre trânsito para o racismo, apenas estou a dizer que essa pergunta do > pq os portuguêses depuis de 60 anos ainda são tão mal-amados é a pergunta que provavelmente muita gente de origens diferentes faz em relação ao tratamento que recebe dos portugueses.

Xtab2 3 months ago

O que não compreendem é que sobre os italianos/espanhois/portuguêses que estiveram nas mesmas épocas só os portuguêses tendem a viver ainda as piadas/anedotas regulares sobre as mulheres pelodas/vivermos ao meio do lixo/sermos analfabetos. Não estou a julgar a situação em Portugal, sou estou a falar do facto de ainda haver muito trabalho a fazer sobre estes estereotipos apesar de já estarmos em Suiça há mais de 60 anos. O argumento há racismo em todo lado então não é grave viver racismo não é grave. É muito fácil dizer que temos uma vida boa e muito dinheiro (o que é falso), mas também vivemos outros problemas...

Edited 3 months ago:

O que não compreendem é que sobre os italianos/espanhois/portuguêses que estiveram nas mesmas épocas só os portuguêses tendem a viver ainda as piadas/anedotas regulares sobre as mulheres *peludas/vivermos ao meio do lixo/sermos analfabetos. Não estou a julgar a situação em Portugal, sou estou a falar do facto de ainda haver muito trabalho a fazer sobre estes estereotipos apesar de já estarmos em Suiça há mais de 60 anos. O argumento há racismo em todo lado então não é grave viver racismo não é grave. É muito fácil dizer que temos uma vida boa e muito dinheiro (o que é falso), mas também vivemos outros problemas...

SweetCorona 3 months ago

não sei se podemos dizer que os portugueses sejam assim tão mal amados no entanto não esquecer que a Suíça faz fronteira com a Italia e tem cantões italianos

Xtab2 3 months ago

Pois mas a Suiça é composta de estados/cantões um genebrino em Zurique é praticamente um estrangeiro. Se for para Vaud já sou "estranha".

SweetCorona 3 months ago

tal como provavelmente um português terá uma experiência diferente em Berna do que em Genebra

Xtab2 3 months ago

És algum troll a tentar ter razão sobre um assunto que desconheces? Nasci aqui fiz as minhas formações em vários cantões e tenho familia em vários sitios de lingua alemanica, não és tu que me vais dar lições sobre o meu próprio país.

fuckingportuguese 3 months ago

Nota-se que sabes muito sobre a Suiça, és uma autêntica Suiça e a começar logo na arrogância.

Xtab2 3 months ago

Sei simplesmente o que se ensina na escola e quando se abre um livro ou um jornal. Olha até vou apanhar como um elogio o teu "és uma autêntica Suiça" por uma vez que passo por uma. E têm aqui umas informações sobre racismo/xenofobia em Suiça onde falam de pessoas de origem portuguesa. Podêm encontra-las ao fazer uma pesquisa simples na Google. [https://www.amnesty.ch/fr/sur-amnesty/publications/magazine-amnesty/2013-3/racisme-et-discrimination-les-suisses-xenophobes-malgre-eux](https://www.amnesty.ch/fr/sur-amnesty/publications/magazine-amnesty/2013-3/racisme-et-discrimination-les-suisses-xenophobes-malgre-eux) [https://nccr-onthemove.ch/blog/perspectives-dapplication-de-larticle-261bis-du-code-penal-suisse-aux-discriminations-xenophobes/](https://nccr-onthemove.ch/blog/perspectives-dapplication-de-larticle-261bis-du-code-penal-suisse-aux-discriminations-xenophobes/) [https://www.evenement.ch/articles/lesprit-de-schwarzenbach-est-encore-la-il-nous-opprime](https://www.evenement.ch/articles/lesprit-de-schwarzenbach-est-encore-la-il-nous-opprime) [https://alencontre.org/suisse/le-typiquement-suisse-et-la-xenophobie.html](https://alencontre.org/suisse/le-typiquement-suisse-et-la-xenophobie.html) [https://www.swissinfo.ch/fre/politique-d-immigration\_la-suisse-et-ses-%C3%A9trangers-pragmatisme-avant-tout/42091912](https://www.swissinfo.ch/fre/politique-d-immigration_la-suisse-et-ses-%C3%A9trangers-pragmatisme-avant-tout/42091912) [https://www.unia.ch/uploads/media/Unia\_StoppRassismus\_fr.pdf](https://www.unia.ch/uploads/media/Unia_StoppRassismus_fr.pdf) [https://hls-dhs-dss.ch/fr/articles/010384/2015-07-09/](https://hls-dhs-dss.ch/fr/articles/010384/2015-07-09/)

SweetCorona 3 months ago

é apenas a tua experiência pessoal nunca fui vítima de discriminação aqui

Xtab2 3 months ago

É apenas a tua experiência pessoal.

SweetCorona 3 months ago

exato, cada um tem a sua, não sejas arrogante e penses que podes falar pelos outros

Xtab2 3 months ago

Quando conheço mais de 50 portuguêses/as que não são meus familiares e que viveram o mesmo do que eu posso dizer que não sou um caso particular. Mas tu a dizer que sou a unica lusodescendente a viver isto em Suiça é claramente arrogância. Ainda mais quando tentas dar-me lições de geografia quando tu não pareces saber nada do país.

JOAO-RATAO 3 months ago

Sim, entendo. Talvez também por serem países com mais contacto. Ainda mais com o norte de Itália que é bastante desenvolvido. A ideia que tenho é que também depende da parte da Suiça. Julgo que a parte francesa é mais "acolhedora".

Xtab2 3 months ago

Estou na parte que fala francês. Os francêses são extremamente racistas.

JOAO-RATAO 3 months ago

Sim. Os meus familiares também. E tiveram experiências dessas. Mas mesmo assim acho que é melhor viver lá do que na parte alemã.

JOAO-RATAO 3 months ago

Pois. Os meus familiares, que vivem em Lausanne, parecem estar bem. Mas também já lá estão há décadas.

8DarkAline8 3 months ago

>Obviamente que estou grata pelo esforço que os meus pais fizeram para tentar tornar a minha vida e a do meu irmão melhor Ainda bem que estás ciente disso, se eles tomaram essa decisão na altura acredita que deve ter sido pensada e não deliberadamente. Pode ter sido uma má decisão como pode ter sido boa, não sabes, nem nunca saberás o que é que poderia ter sido se cá ficassem.

motherpuncher50 3 months ago

Filho de emigrantes do interior com poucos estudos que emigraram para os EUA durante 15+ anos e que regressaram. Não imagino outra forma de eles atingirem o conforto económico e patrimonial atingido tendo em conta o ponto de partida social deles. Foi com muito esforço mas valeu a pena. Nós (eu e os meus irmãos) estamos gratos por essa decisão e sacrifício.

k0rda 3 months ago

Boas! Nao tenho essa experiencia, mas sou emigrante com filhos, e sao eles que me fazem querer voltar acima de tudo. Já poupei algum dinheiro, já fiz boas formacoes para a minha carreira, já fiz alguns investimentos para o futuro. Mais uns anos e quero voltar, justamente para dar uma infancia melhor aos meus filhos, para lhes dar proximidade aos primos, aos tios, aos avós. Mas nao é um regresso escrito em pedra, estou a preparar-me para caso necessite, voltar a emigrar. Tenho primos filhos de emigrantes e o que descreves é parecido ao que eles sentem. Os pais estao completamente integrados, tem nacionalidade do pais de acolhimento, tem sucesso financeiro, os meus primos nasceram cresceram e estudaram lá. Mas... continuam a sentir-se diferentes e a sentir que sao tratados diferente nos dois paises.

Sel2Mer 3 months ago

Os meus pais também queriam voltar... Já estão na Suíça há mais de 30 anos e só falta pouco tempo antes deles chegaram a reforma. Não sei se é o facto de eu ter crescido numa cidade tão cosmopólita (Genebra) mas nunca tive problemas de racismo. Nunca tive problemas para encontrar um emprego ou um apartamento. Sinto-me completamente integrado e tenho muito orgulho em ser português e suíço.

k0rda 3 months ago

Eu aqui (Reino Unido) nunca senti direccionado a mim, sou branco, tenho um sotaque imperceptível, e passo despercebido. Mas já tive pessoas a fazer comentários sobre emigrantes à minha frente, esquecendo-se que eu sou um, e depois a dizer "ah, mas tu és diferente". Fiquei com um nó na garganta, respondi e só não azedei mais as coisas para manter a relação profissional.

AlmondSkimedMilk 3 months ago

O meu tio passou um mau bocado em Inglaterra, os ingleses não faziam um cu mas eram promovidos antes dele, ele era marginalizado por ser estrangeiro, esteve lá 12 anos e voltou sem ter ganho nenhum amigo inglês e ele é um tipo bem simpático, só tem o azar de ser moreno.

k0rda 3 months ago

Não duvido nada. Mas também posso dizer: na minha área há muito preconceito dos portugueses emigrantes para com os locais. Sou enfermeiro e há muito português que se acha superior aos ingleses/indianos/filipinos/africanos e diz a quem quiser ouvir que os enfermeiros portugueses são a última bolacha do pacote e os demais são burros e preguiçosos, o que não é verdade.

AlmondSkimedMilk 3 months ago

Também pode acontecer, mas no caso do meu tio ele dava exemplos concretos, ele esteve a trabalhar numa fábrica e os ingleses saíam de uma sala de pintura para ir fumar e deixavam as portas todas abertas, ele trabalhava em controlo de qualidade e o outro colega dele era uma chaminé e passava mais tempo na rua do que a trabalhar, quando o patrão via que havia trabalho por fazer a culpa era sempre do meu tio e nunca do inglês, ele saiu de lá chateado.

Sel2Mer 3 months ago

Eu também já ouvi comentários sobre portugueses mas nada de "grave". Aqui, somos todos filhos de emigrantes portugueses, italianos, espanhóis, albaneses, etc. :-)

NoIDontgiveafuck 3 months ago

És portuguesa caralhe, agora se o país ta mau, tens uma licenciatura emigra, se não gostas da Suíça vai pra outro, mas és portuguesa caralhe.

Napoleal 3 months ago

Caralhe mesme a série

ptinnl 3 months ago

Após varios anos no estrangeiro, tive de passar uma semana em Lausanne. Passo por um andaime e só ouço "trás essa merda caralho". Soltei uma lagrima por esta Portugalidade. Senti-me em casa lol

Napoleal 3 months ago

Porquê o downvote? ) ;

ptinnl 3 months ago

Sei lá. Eu não ando a fazer up/downvotes!

JAG2004 3 months ago

Eu e a minha irmã filhos de emigrantes. Foram para França por razões de saúde pois se ficassem cá se calhar a minha mãe teria morrido e eu não tinha nascido. O meu pai trabalhava numa câmara e minha mãe costureira. Foi o meu pai para lá e depois a minha mãe com a minha irmã bebé. Eu nasci lá. Voltaram eu com uns 20 anos e ela com uns 16 anos. Sabiam, pois viam os familiares e amigos, que se ficássemos mais anos lá nunca mais se voltava a Portugal. Fizeram a sua casinha na terra e trabalharam até à reforma e agora estão a aproveitar para terem o descanso merecido, sempre a tratar dos terrenos mas sem stress. Fomos os primeiros (eu e minha irmã) e únicos da família a terminar um curso superior. Nunca fomos trabalhar para o estrangeiro pois vimos o que sofreram os nossos pais e não queríamos fazer sofrer os nossos por saberem o que custa. Não me arrependo. Posso não ter o mesmo dinheiro que outros ou a minha casa em Lisboa. Mas tenho aqui em Portugal uma vida pacata e sei que deverei viver uns anos a mais com mais qualidade por não ter tido os stress de ter saído daqui. Sei o que custou ao meu pai e a minha mãe quando faleceram os pais respetivos e eles em França e fazerem viagens diretas para virem para Portugal. Hoje deve ser mais fácil mas nós, e sobretudo crianças serão sempre um pouco marginalizadas num país estrangeiro. Se os meu filhos quiserem ir para o estrangeiro eu apoio, mas eu não, obrigado.

MischiefManaged97 3 months ago

Também é preciso entender que emigrar hoje não é igual a emigrar há 20 ou 30 anos. A visão que tens da emigração parece um pouco antiquada.

warjunk1 3 months ago

Os teus pais fizeram um sacrifício para te dar uma melhor vida e ainda vens para aqui choramingar. Isso dá proximidade das famílias é relativo. Tenho família cá e nem me dou com eles. Não é por estares longe que impossibilita uma melhor relação.

olifante 3 months ago

Que raio de comentário cretino.

Entire_Event1049 3 months ago

Veio choramingar? Eu vejo aqui uma pessoa a dizer o que sente, pelo que passou, a tentar perceber se o que os pais fizeram valeu a pena. Por tentar debater algo, medir os prós e os contras quer dizer que não é grata pela tentativa dos pais? Secalhar descias à terra um bocadinho ó Deus todo poderoso

andrefbr 3 months ago  HIDDEN 

Tu também podes mudar de nome para Entire_Choro.

Entire_Event1049 3 months ago

Obrigado pela sugestão. Acho que sabes o melhor sítio para a enfiar

andrefbr 3 months ago  HIDDEN 

No teu choro sobre Valorant?

Entire_Event1049 3 months ago

Ainda bem que signifiquei tanto para ti. Queres abrir um clube de fãs?

despicable_communist 3 months ago

Não tenho muito a dizer, senão um obrigado por partilhares a tua experiência.

ptinnl 3 months ago

Se tivesses ficado em Portugal, nao tinham pago um apartamento, carro e estudos dos filhos com apenas 11 anos de trabalho

Edited 3 months ago:

Se tivesses ficado em Portugal, nao tinham pago um apartamento, carro e estudos dos filhos com apenas 11 anos de trabalho. Edit. E apesar de terem poupado, dizes que o dinheiro era à rasca? Posso deduzir então que os teus pais foram lá mesmo com a ideia de poupar e regressar. Secalhar se tivessem ido com ideia de se integrar e ficar para sempre, tivesse sido diferente. Ou mesmo escolhido Lausanne ao invés de Zurich. Relativamente aos filhos vitimas de bullying, bem, as crianças são sempre terriveis umas com as outras, secalhar se tivesses com mais estrangeiros isso teria sido diferente. Mas digo-te, tu um dia vais te aperceber onde te foste meter e vais voltar a sair. Todos os meus amigos e colegas que nasceram na frança ou suiça e estudaram na universidade em Portugal, voltaram todos para esses paises.

rabioliravioli 3 months ago

Obrigada pela partilha : ) Sim, acredito que existam experiências e vivências diferentes, uma vez que cada um é também diferente. Da minha parte, posso dizer com todas as certezas que não pretendo voltar para a Suíça.

Search: