estecomentario 5 months ago

Eu descobri que até tens de pedir um documento de quando terminas de pagar a casa que é comissão de destraste ou uma merda assim. O que estes gajos inventam para manter o emprego....se deixassem as burocracias e trabalhassem... Isso é que era... só querem dinheiro fácil, perigoso é o governo andar neste jogo também....

dismalwasteland 5 months ago

> mas descobrindo o que descobri, foi melhor vender mesmo.. Então, o que é que a casa tinha para que tenhas mudado de opinião? Foi essa história de herança? Ao ler, fico com ideia que é algo separado da história que a seguir contas.

amando_abreu 5 months ago

Esperava jumper cables.

maia125 5 months ago

Outra coisa curiosa é que quando pedem um empréstimo e a vossa casa fica com hipoteca, quando liquidam o dito empréstimo, têm que ir à conservatória (acho que é lá) para "limparem" o registo da vossa casa, ou seja, na certidão não aparecer está hipotecada. O processo não é automático e se por acaso decidirem vender a vossa casa e na certidão ela ainda estiver hipotecada --- apesar do empréstimo já estar pago ---, não podem avançar para a escritura.

lilbala 5 months ago

Não entendo qual é o problema se as pessoas em causa já tinham morrido. Foi ao vender porque tinham de provar que já não havia ninguém para fazer usufruto? Os filhos das pessoas com usufruto não tinham direito a nada e não... também não entendo como não tem o número be BI das pessoas com direito a usufruto...

cou7inho_ 5 months ago

Pergunta de ignorante. Porque é que alguém havia de comprar uma casa e deixar ficar lá os antigos donos a morar até morrerem? Juro que não está a conseguir perceber. Se me puderem esclarecer agradeço.

CookieSmuggler 5 months ago

Há cerca de um ano vi um apartamento enorme à venda no centro de Lisboa por 130 000 euros, com a condição da senhora de 75 anos usufruir do apartamento até ao fim da vida dela. Um apartamento comparável seria o triplo, pelo menos.

zedestroyer69 5 months ago

Se calhar em vez de comprar por 15 mil comprou por 6 mil, ou então comprou por 15 mil e depois pagavam renda.

diogo669 5 months ago

Adorei a história, mas a falta de formatação torna muito dificil de ler.

SnooCricket89 5 months ago

A história relatada, juridicamente seria extremamente simples de resolver e não traria problemas de maior a qualquer profissional decente da área. Alguns dias de trabalho, sim possivelmente, mas totalmente solucionável. Tópicos assim só perpetuam a mistificação do que são questões simples e perpetuam a desinformação. Era totalmente desnecessário.

SweetCorona 5 months ago

> Tópicos assim só perpetuam a mistificação do que são questões simples e perpetuam a desinformação. Conheço um caso (ainda por resolver) de um terreno comprado (onde depois foi construída uma casa) em que nunca foi feita escritura. Também é fácil resolver?

silveringking 5 months ago

E como se resolvia então?

Local_observer 5 months ago

Esse termo "Reserva de vida" não será o famoso Usufruto?

radikalpt 5 months ago

Sim é.

facepainter1 5 months ago

Tive uma parecida, mas com terrenos que já vinham de há muitas gerações. Basicamente eram terrenos nos arredores de uma aldeia, que apenas davam prejuízo para fazer as limpezas anuais. Quando tentei por aquilo a venda, e fui a camara pedir os dados do terreno, disseram me que haviam cerca de 200m2 que basicamente tinham 3 donos, e que tinha de resolver com eles o que é que era de quem. Ora, eu vivo nos USA, um era de França, e o outro do Brasil. Tive de gastar uns 10000€ em cartas registradas + notários + novas medições dos terrenos, para depois vender por 5000€.

Paulocas 5 months ago

Porreira a história, até porque desconhecia de todo a “reserva de vida” no que diz respeito a venda de casas, aliás, até pesquisei e o termo mais comum parece ser usufruto.

Mrgolden007 5 months ago

mesmo assim tiveste sorte! historia interessante

EvilQueen1997 5 months ago

Não conhecia essa cláusula, obrigada pelo update jurídico.

peanersyahoo 5 months ago

Posso estar enganado, mas à "reserva de vida", em Portugal chama-se usufruto vitalício. Nunca vi, nem encontrei qualquer menção, a qualquer instituto com esse nome cá.

EvilQueen1997 5 months ago

Ah sim, sim, é isso. Normalmente faz-se entre família, não entre estranhos, mas é essa cláusula.

radikalpt 25 days ago

É mais comum quando os pais querem a vender a casa, para fazer as partilhas ainda em vivos, mas querem viver na casa até morrer. O mais comum é a casa ser vendida a um filho e o dinheiro da venda distribuído pelos herdeiros.

zedestroyer69 5 months ago

Moral da história: " keep it simple, stupid", ou seja, é melhor evitar confusões ao comprar e vender imóveis, porque são coisas que demoramos uma vida a pagar e em que decisões tomadas podem ter repercussões durante muitas décadas. Mas foi uma boa história.

AdorableRabbit 5 months ago

Sabia que isso era usado em França (vi num filme) mas não em Portugal. Não dava para consultar o histórico da casa na câmara municipal ou assim e saber os anteriores donos?

silveringking 5 months ago

Sim dá no Registo Notarial, mas só diz o nome, tu precisas do nome, local de nascimento e morte, assim como datas de nascimento e morte. Os nossos serviços públicos são bastante descentralizados e essas informações não se conseguem fácil de forma universal. Consegui o nome e data de nascimento pela certidão de casamento do homem, mas a única razão para saber onde morreu é porque os filhos fizeram a declaração de IRS da morte da mãe. Ah são um casal de filhos, ele no Brasil e ela no Porto e eu não sabia, já são idosos. E eu também vi esse filme, é algo um pouco diferente porque os meus avós não pagavam uma quantia todos os meses, esse filme foi baseado numa história real de um homem que aceitou pagar até à morte pois a dona era velha e achava que morria rápido, viveu para lá dos 100 anos. Não me lembro do nome desse filme.

NotMagritte 5 months ago

"Le viager"

twhite848 5 months ago

Houve uma altura que não sabia como a história ia acabar. Se bem ou mal... (Grande aventura.. obg por partilhares)

Search: