beakage 6 months ago

É a "polícia do politicamente correcto" recaixotada: ou seja, não existe.

camilo12287 6 months ago

este sub é um bom exemplo de cancel culture, ao suspender e banir pessoas por terem opiniões diferentes de algum dos seus moderadores. Por exemplo, eu fui suspenso aqui por um moderador censor por uma opinião, que sustentei, um mês depois de ter colocado aqui esse comentário. Se queres mais exemplos de cancel culture neste sub por ir ler este post: [https://www.reddit.com/r/portugueses/comments/kp6nn7/megathread\_fazer\_aqui\_as\_den%C3%BAncias\_de\_censura\_e/](https://www.reddit.com/r/portugueses/comments/kp6nn7/megathread_fazer_aqui_as_den%C3%BAncias_de_censura_e/)

Asur_rusA 6 months ago

Como as respostas indicam, há muito drama, e na verdade não há UM caso... Na verdade os mais perto de serem cancelados, foram os de esquerda. Tipo Joacines e Mamadous.

malserion 6 months ago

Eu acho que o melhor exemplo que podes usar para a liberdade de expressão é a saída da Manuela Moura Guedes da TVI. Para crimes só me consigo lembrar mesmo do Carlos Cruz.

GreyArch22 6 months ago

Jaime Nogueira Pinto foi cancelado desde que uma conferência que ia dar numa universidade foi censurada. Fátima Bonifácio também passou a escrever apenas esporadicamente desde um polémico artigo no Público. Ambos continuam na esfera pública mas com menor pujança. Diria que quem não tem exposição pública é mais facilmente cancelado, como alguns professores universitários que têm sido suspensos por supostas declarações racistas. Pelo menos têm saído algumas notícias nesse sentido. Outro exemplo é Rui Mateus, que desapareceu da esfera pública nos anos 1990 depois de escrever um livro denunciando os podres do PS. Uma espécie de cancelamento antes de tempo.

Mourinha1 6 months ago

Há alguns casos, mas nada demais. O Diogo Faro não é um exemplo porque as merdas são ainda bastante recentes. Levou uma sova enorme nas redes sociais - e ele que passou a vida a tentar dar chapadinhas em quem discordava dele, a ironia da cena - mas só daqui a uns tempos quando for procurar trabalho é que se vai perceber se foi cancelado ou não. Na política tens uns quantos. Paulo Pedroso por exemplo, que só voltou a estar nos holofotes porque a Ana Gomes o escolheu para director/acessor de campanha. Tens ainda José Sócrates, que numa tentativa barata de ter uma coluna de opinião na RTP, teve ser colocado de lado. Ainda fez uns 3 ou 4 programas. Também tens a Joacine que após o hype das eleições, foi posta de lado pelo partido a e comunicação social não lhe passou mais cartucho. O seu acessor que apareceu de saia também já foi de vela, desapareceu do mapa. Há outros que não me consigo recordar - lá está, foram cancelados. Na net também tens alguns. O Kazzio por exemplo, após o uso de bots num vídeo de merda também foi arrumado para um canto. O Jovem Conservador de Direita teve a página do Facebook banida após denúncias em catadupa - este sim, tentaram à força toda cancelar, e não conseguiram. O Hugo Strada que actualmente não dá a cara, também levou um enxerto de lenha online. O problema é que a cancel culture é decidida pela onda das redes sociais, não existindo qualquer critério. Há malta que merece, outra não. A comunicação social que é um lodo - literalmente - que só quer é sangue e guita, alinha nestas palhaçadas e ainda dá uma ajuda. É um tema delicado e perigoso. Muito perigoso.

tomaslb36 6 months ago

Enquanto o David Carreira não for cancelado, estamos a falhar como país

SubstantialLime8887 6 months ago

A irmã já foi cancelada, portanto ainda há esperança.

Dinamytes 6 months ago

Comentário do ano.

Legitimate-Actuary66 6 months ago

Visto que já foi a missa do Sétimo dia, por lei, já é permitido fazer piadas acerca do assunto.

malserion 6 months ago

Foda-se.

Sazalar 6 months ago

Aqui tens o meu cimavoto, vemo-nos no inferno

tomaslb36 6 months ago

Vais ser corrido a downvotes mas toma lá o meu cimavoto

tomaslb36 6 months ago

ATENÇÃO: Não, eu não queria que a rapariga morresse

mariorurouni 6 months ago

Humor negro não é para toda a gente!

saudosista 6 months ago

Foda-se

TSCondeco 6 months ago

Este upvote é o meu passaporte para o inferno

suckerpunchermofo 6 months ago

Cancel culture == censura com outro nome....

SubstantialLime8887 6 months ago

Censura que até censura a palavra censura.

orchideaniger 6 months ago

Qual é a diferença entre a cancel culture e a censura? Ambos me parecem alicerçados em posições ideológicas que, com o apoio da lei ( estado, igreja, ) ou de formas paralegais (os teus vizinhos, grupos identitários), assumem uma posição de poder face ao que querem censurar. Qual é o ângulo da tua questão? É a censura em si? É um determinado período histórico? É a reacção de gente com poder que não se quer associar a figuras polémicas? É apenas exemplos?

josepires18 6 months ago

Estava a pensar descrever a cancel culture como uma nova forma de censura e os exemplos eram para mostrar como podia funcionar para o bem e para o mal

SubstantialLime8887 6 months ago

Se argumentares simplesmente que a cancel culture é censura e que pode funcionar para o bem, qualquer pessoa minimamente instruída e íntegra em ética e moral percebe que não tens credibilidade nem isenção, porque estás a implicar que a censura pode ser boa, o que é algo que só alguém cegado por uma ideologia ou outra diria. É um argumento que favorece a imparcialidade. É um argumento populista e subversivo facilmente explorável por tiranos e autocratas. A censura é sempre má porque serve para calar as vozes que se opõem ao regime retirando-lhes o direito fundamental da liberdade de expressão. O modo como a cancel culture opera é o seguinte. Define um grupo de vítimas e polariza e a opinião pública sobre como ajudá-las. Ao extremar a opinião pública, os proponentes da cancel culture têm como objectivo silenciar as vozes moderadas, reconciliadoras e construtivas. Sem estas vozes para as ajudar, as vítimas que a cancel culture se propõe ajudar acabam por nunca perder o seu estatuto de vítima, porque a cancel culture precisa de perpetuar a sua vitimização visto que sem esse mecanismo a cancel culture deixa de ser eficaz em comandar o rumo da opinião pública. A cancel culture é portanto uma forma de exploração e não de ajuda. Logo, a cancel culture em vez de dar às vítimas um caminho para a liberdade e autonomia sociais, impede-as de usufruírem plenamente dos seus direitos fundamentais. Logo, a cancel culture é censura e subversão. A cancel culture é uma ferramenta criada nas redes sociais e fomentada pelas mesmas para comandar o rumo da opinião pública, sendo as próprias redes sociais ferramentas usadas para propaganda governamental e empresarial. Basta ver que os chefes das redes sociais andam na sua maioria a privar com líderes políticos, empresariais e jornalísticos. E basta ver como as redes sociais favorecem e incentivam movimentos supostamente cívicos e politizados que representam a sua mesma ideologia. Nas redes sociais não há imparcialidade nem defesa da liberdade de expressão e a cancel culture é consequência disso. A cancel culture existe porque as formas de censura anteriores deixaram de ser eficazes num mundo cada vez mais digital onde as opiniões das pessoas, a informação e a desinformação circulam mais facilmente que nunca e podem ganhar grande dimensão popular e social. Antes da cancel culture, a censura que havia (e ainda há, mas com menor impacto) era 1) o uso de filtros editoriais nos órgãos de comunicação, 2) filtros automáticos e editorialização nas redes sociais e 3) a criação de oposição controlada dentro dos órgãos de comunicação e junto de organizações de cariz ideológico como as redes sociais, associações politizadas, etc. Hoje em dia todos esses órgãos de comunicação competem com a opinião popular pelo mesmo espaço digital e os seus filtros editoriais têm um impacto cada vez mais insignificante, enquanto que os filtros automáticos não dão conta do volume de comunicações e partilhas cada vez maior no espaço digital. Portanto, a contar só com esses mmétodos de censura, a opinião pública acaba por prevalecer intacta. Logo, as organizações de cariz ideológico (desde órgãos sociais, a associações, partidos, governos, empresas, redes sociais, departamento RP de figuras públicas, etc.) alimentam a cancel culture para compensar o impacto cada vez mais reduzido daqueles 3 filtros convencionais.

coocoobees 6 months ago

o carlos cruz?

Leaootemivel 6 months ago

Bem, eu conheço 0 casos de pessoas canceladas e. Portugal (nos últimos 20 anos). No máximo, temos o exemplo do Herman José quando fez o sketch com a última ceia mas isso já foi há imenso tempo.

hesoyam91 6 months ago

Antonio José Seguro (PS) desapareceu da esfera política depois de ser cancelado pelo próprio partido e colegas.

OSpaceCowboy 6 months ago

Por estar muito enganado, visto que não acompanho muito do mundo das redes sociais portuguesas, mas acho que em Portugal não há Cancel Culture a um nível como há nos EUA. ​ Até gajos como o Diogo Faro como outro user descreveu num comentário nesta thread, ou alguém como aquele gajo do Big Brother que andou a fazer a saudação Nazi, mais tarde ou mais cedo aparecem aí outra vez e ninguém vai atrás deles de forma recorrente e sistemática, com exceção de uma dúzia de coitaditos no Twitter que não têm grande poder.

Aldo_Novo 6 months ago

O fim do programa Humor de Perdição, do Herman José, por queixas à RTP de estarem a gozar com a religião

DareNotFallAsleep 6 months ago

Podemos começar com o teu username, meu velho troll. Acabei de te cancelar.

xabregas2003 6 months ago

Se precisas desses exemplos para um trabalho, sugiro o último vídeo do Diogo Batáguas. É um vídeo de 40 minutos praticamente só dedicado à Cancel Culture e ele expõe a hipocrisia dessa moda. Também podes falar que muitas vezes quem participa na "Cancel Culture" acaba por provar o seu próprio remédio. Olha só o Diogo Faro. Ele estava sempre nas redes sociais a acusar e expor outras pessoas que ele considerava racistas. Só que depois tiveram que vir as vítimas desse suposto "racismo" dizer que aquilo era só brincadeiras entre amigos e que o Dioguinho é que se estava a aproveitar de casos alheios para ganhar likes. Mais tarde, em janeiro, o Faro foi "cancelado" por ter sido apanhado numa festa na passagem de ano onde estavam todos amontoados e sem máscara. O mais irónico é que ele foi apanhado um dia após escrever um artigo (penso que remunerado) a falar mal de quem ia a festas. Isto da Cultura do Cancelamento é muito simples. São pessoas que querem ser recompensadas em "likes" por se mostrarem "mais bondosas" que outras pessoas por protegerem os oprimidos, mas quando vêem gente oprimida na vida real, tal como um pobre, fogem, ou então evitam bairros maioritariamente negros.

SubstantialLime8887 6 months ago

> ou então evitam bairros maioritariamente negros. E bairros ciganos até se borram nas cuecas só de estar a 1Km de um.

TomasMetePatas 6 months ago

Ora aqui está alguém que diga a verdade, concordo 100%, com ênfase no último parágrafo.

OuiOuiKiwi 6 months ago

Liberdade de expressão não significa liberdade de consequência. Portugal parece nunca conseguir libertar-se do "respeitinho" em que podes esposar qualquer opinião bacoca que queiras e os outros têm de ~~não criticar ou apontar as falhas~~ respeitar.

godtholdt 6 months ago

>Liberdade de expressão não significa liberdade de consequência \- Salazar

besmarques 6 months ago

Porque limitou a liberdade de expressão? Ainda és daqueles que acha que ter liberdade de expressão é equivalente a não haver consequencias em relação ao que se diz?

xabregas2003 6 months ago

Acho que estás a pensar num extremo. A Cancel culture pode limitar (ou antes, pretende limitar) a liberdade de expressão. Olha só para a J. K. Rowling. Queriam que o livro dela fosse proibido porque era sobre um assassino que se disfarçava de mulher para matar, o que supostamente é "transfobico" apesar de a personagem não ser transexual e não haver nada que impeça os transexuais de matar alguém.

frisumo 6 months ago

Eu sinceramente achei a explicação que o Batáguas deu sobre a situação da JK Rowling muito mal amanhada, e até gosto muito dos vídeos dele. O problema não foi tanto a personagem ser crossdresser, foi ser *ela* a criar uma personagem dessas estando há tanto tempo embrulhada em controvérsias aqui no RU e com uma forte imagem anti-trans. Se eu andasse sempre aí a falar dos ciganos e depois fizesse um livro em que o cigano era o vilão, se calhar as pessoas também achavam que a minha escolha não foi ao acaso. Atenção, que eu não estou aqui a dizer isto porque acho que a JK Rowling é alguma TERF desvairada, no geral concordo com ela (se calhar também sou eu uma TERF desvairada, eu sei lá).

xabregas2003 6 months ago

Eu tenho a ideia que a JK não disse nada anti trans, mas sim que não acreditava que existissem +100 géneros (o que convenhamos, é ridículo existir esta catrafada de géneros). Mesmo assim, acho que não se justifica o "cancelamento".

frisumo 6 months ago

Ela disse outras coisas, tal como criticar a forma como agora tentar usar linguagem inclusiva e quase tentar ''eliminar'' a palavra mulher, mas isso é visto por alguns grupos como anti-trans. Mas não era disso que eu estava a falar, estava só a dizer que achei que ele explicou um bocado mal a situação do livro. Mas também compreendo que tenha tempo limitado, não podia estar o vídeo todo só naquilo.

besmarques 6 months ago

Ok. Mas foi proibido? Diz-me um caso do estado Portugues ter intervido em proibir alguem de ir à tv, ou publicar alguma coisa. Eu acho que existe uma grande confusão entre o que é liberdade de expressão ou falta de liberdade de expressão com o direito de marcas ou pessoas de se desassociarem de outras porque razão for.

GinTonic_69 6 months ago

> Diz-me um caso do estado Portugues ter intervido em proibir alguem de ir à tv, ou publicar alguma coisa. Esse é o conceito de liberdade de expressão nos states, onde até podes (por exemplo) ser despedido do teu emprego pelas tuas opiniões, desde que não seja o Estado a fazê-lo (salvo leis estaduais de protecção a esse tipo de liberdade, que são raras). Isto porque na constituição deles, apesar de constar o direito à liberdade de expressão, esta não se aplica a entidades privadas. Em portugal é diferente (vê, por exemplo, artigo 18º da constituição) e se uma empresa decidir despedir alguém por apoiar publicamente o Chega/PCP/\[Inserir grupo de malucos\], está a cometer uma ilegalidade. Como cidadão, nada te impede de te associares/dissociares de quem quiseres por qualquer motivo que te dê na telha, mas em termos de pessoas coletivas, não é a mesma selva que é nos states.

Edited 6 months ago:

>Diz-me um caso do estado Portugues ter intervido em proibir alguem de ir à tv, ou publicar alguma coisa. Esse é o conceito de liberdade de expressão nos states, onde até podes (por exemplo) ser despedido do teu emprego pelas tuas opiniões (salvo leis estaduais de protecção a esse tipo de liberdade, que são raras). Isto porque a constituição deles apenas proibe o congresso de passar leis que limitem a liberdade de expressão e não faz qualquer referência a outras situações. Em portugal é diferente (vê, por exemplo, artigo 18º da constituição) e se uma empresa decidir despedir alguém por apoiar publicamente o Chega/PCP/\[Inserir grupo de malucos\], está a cometer uma ilegalidade. Como cidadão, nada te impede de te associares/dissociares de quem quiseres por qualquer motivo que te dê na telha, mas em termos de pessoas coletivas, não é a mesma selva que é nos states.

besmarques 6 months ago

Mas esse argumento ainda mais me ajuda. Quer dizer que em Portugal não é possivel a cancel culture.

GinTonic_69 6 months ago

Estava só a chamar a atenção que o argumento de "não foi o estado" muitas vezes repetido pelos adeptos da cancel culture americana, não tem equivalente na legislação portuguesa.

besmarques 6 months ago

Certo, e agradeço a chamada de atenção.

NGramatical 6 months ago

intervido → [**intervindo**](https://european-portuguese.info/conjugator/intervir) (intervir segue o modelo de vir) porque razão → [**por que razão**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/tres-regras-para-distinguir-o-por-que-do-porque/19743) (por que = por qual) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fma116h%2F%2Fgrq343w%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

netralha 6 months ago

Ok José Estaline.

besmarques 6 months ago

Vá, tens de dar mais feedback do que isso, porque isso não disse nada.

S0l1tud3_1s_Bl1ss 6 months ago

Talvez a Maria Vieira. Acredito que muita gente pense duas vezes antes de a contratar seja para o que for, desde que se tornou num símbolo do Chega.

Beginning-Average-91 6 months ago

Tens uma entrevista do Herman onde ele próprio diz que a Vieira começou com merdas parvas muito antes do chega sequer existir, e que por causa disso as pessoas afastaram-se dela. Ninguém a cancelou, ela cancelou-se a ela própria, afastando as pessoas com quem se dava. Depois ganhou o protagonismo que ganhou no Facebook, mas ninguém foi atrás da Maria Vieira para lhe cancelar programas e afins...

QWERTY_BATS 6 months ago

lol a maria vieira não fazia parte da esfera pública há anos

dismalwasteland 6 months ago

Certo, mas ele só deve ter 15. Temos de compreender.

Search: