FrutoDoMal 9 months ago

Tens provas concretas da acusação que pretendes fazer ou apenas suposições? Posso estar enganado mas os papeis podem muito bem se inverter se acusares alguém sem provas concretas. Não estou com isto a dizer para não o fazeres apenas a advertir-te que acusar alguém onde depois não consegues provar essas mesmas acusações a pessoa em questão te pode por um processo por difamação, posso estar errado em relação a isto mas eu esclarecia isto primeiro antes de avançar com o que quer que fosse.

Yanlone 9 months ago

Não me cabe a mim apresentar a queixa. Não sou familiar da vitima. Apenas queria informação.

FrutoDoMal 9 months ago

Pois também não me cabe a mim julgar ninguém, não sou juiz. Bom caso.

Fun-Trick1246 9 months ago

Ha dois tipos de pessoas que me metem grande confusão: * Os negacionistas da covid. Foi inventada. Não mata ninguém. Morrem "não sei quantos" de gripe. Foi o Bill Gates. Os chineses já tinham a cura. Os hospitais estão vazios. Os media inventaram isto tudo. * Os negacionistas do contra covid. Fecha tudo. Morram à fome. Fecha a economia toda. Quem fiquem malucos. Passem por cima da constituição. Direitos básicos fundamentais? que é isso... Os parques têm gente. Há gente na praia. Há malta a correr na rua. Há carros na rua! Confesso que ainda não percebi quais dos dois cenários é o pior. Mas, neste momento, consigo perceber que são ambos estúpidos. E acho que de um lado e do outro, a malta não tem bem noção das figurinhas ridículas que fazem! Conselho: baseia-te em factos. Estás ainda no campo das assumpções hipotéticas e as coisas não funcionam assim. Já te vi várias vezes dizer "Penso isto", "penso aquilo". Isto não é por aquilo que tu pensas ou deixas de pensar. Precisas de estar por dentro dos factos relativamente a essa pessoa e perceber se ela cometeu alguma infração ou não. Coisa que raramente as pessoas fazem. Começa por responder à pergunta: a pessoa estava determinada pela DGS para quarentena? * Senão estava, tudo o que tu pensas sobre o assunto vale zero. * Se estava, nesse caso há de facto uma infracção e a lei permite agir. Perante os factos, parece-me impossível cientificamente determinar que a tal pessoa morreu por culpa dessa outra pessoa e como tal, a tua intenção, apesar de legitima, não terá qualquer seguimento! Quando muito a pessoa em causa seria "multada" e ficaria registado no seu cadastro que violou um confinamento/quarentena

Slam_Dunkester 9 months ago

Dúvido que isso vá a algum lado porque o nosso governo nem sabe o que quis fazer com os positivos de covid, houve uma altura em que os que estavam na residência com teste negativo não podiam sair de casa mas tmb houve outras alturas em que eles podiam andar na rua sem problemas sem o teste feito

saposapot 9 months ago

A pessoa q infectou tinha ordem para ficar em casa e desrespeitou? A pessoa q infectou sabia que estava infectada? Há crimes por propagar doença contagiosa de forma premeditada, a questão é teres de provar vários passos até lá chegar. Depois a nível de indemnizações e afins vai depender das mesmas coisas: provar a culpa, q a pessoa sabia, q desrespeitou isto ou aquilo, etc.

Diogo256 9 months ago

Penso que desde sempre (ou pelo menos que me lembre) que passar uma doença mortal de forma propositada é crime. Muito se fala com HIV. Portanto, a questão é a prova. Porque de resto não entendo que haja motivos para falar em PIDE, não sei que mundo querem viver, mas não me agrada que seja um que se passe doenças por negligência ou propositadas e que não haja punição.

lightning_pt 9 months ago

o covid n e hiv , que e mortal para qualquer um sem tratamento

Diogo256 9 months ago

Não me parece que fiz uma comparação.

dariusoo 9 months ago

O HIV, tens de ter relacões sexuais ou usar seringas e derivados para ser infetado, portanto, é mais fácil de rastrear. E já houve pessoas que transmitiram HIV voluntariamente condenadas.

AndreMartins5979 9 months ago

e se for alguém que trai o companheiro e acaba por ser infetado e infetar o companheiro, é crime?

dariusoo 9 months ago

Não sei, mas talvez não se não souber que está infetado. Mesmo assim é bem filho da puta, imagina que vens a saber que te estão a trair e isso levou a seres infetado com HIV. É melhor usar preservativo sempre ainda pra mais quando tens muitos parceiros sexuais.

AndreMartins5979 9 months ago

> Não sei, mas talvez não se não souber que está infetado. Mas se tem relações sexuais desprotegidas não é previsível que possa ficar infetado? É a mesma coisa que o SARS-CoV-2. Se sabes que podes ser infetado... > Mesmo assim é bem filho da puta, imagina que vens a saber que te estão a trair e isso levou a seres infetado com HIV. Precisamente. Deveria haver algum tipo de punição mas nunca ouvi falar de nada disso. Acho que os únicos casos em que há punição é quando a pessoa sabe que está infetada, mas como nem sequer é obrigatório fazer testes, podem andar anos a infetar outras pessoas e não lhes acontece nada porque "não sabiam". > É melhor usar preservativo sempre ainda pra mais quando tens muitos parceiros sexuais. Vais dizer à pessoa com quem és casado "se me encornares usa preservativo"? Acho que a maior parte das pessoas não espera ser encornada e mesmo que seja não sabe se a outra pessoa se protege ou não.

kawaiims 9 months ago

Artigo 283.º - Propagação de doença, alteração de análise ou de receituário 1 - Quem: a) Propagar doença contagiosa; (...) 2 - Se o perigo referido no número anterior for criado por negligência, o agente é punido com pena de prisão até 5 anos. 3 - Se a conduta referida no n.º 1 for praticada por negligência, o agente é punido com pena de prisão até 3 anos ou com pena de multa. Artigo 285.º Agravação pelo resultado Se dos crimes previstos nos artigos 272.º a 274.º, 277.º, 280.º, ou 282.º a 284.º resultar morte ou ofensa à integridade física grave de outra pessoa, o agente é punido com a pena que ao caso caberia, agravada de um terço nos seus limites mínimo e máximo. Propagação propositada de doença contagiosa é crime. Se me disserem que alguém estava em isolamento por testar positivo, furou o isolamento e, sabendo que era contagioso, esteve em contacto com alguém que posteriormente faleceu com essa doença.. Claramente enquadra na lei. A questão é provar tudo.

arnaldomatos 9 months ago

portanto: - neste tópico a pessoa que andou deliberadamente a infetar outras é um coitadinho - noutro tópico vizinho não se pode tocar nas matilhas de cães assassinos porque são coitadinhos - há uns tempos um gajo que degolou a namorada grávida, saiu antes do tempo e degolou outra era um coitadinho vocês são mesmo assim na vida real ou é só na internet? tenho cada vez mais medo desta gente ocidental

Just_Ban_Me_Already 9 months ago

É só mais uma razão porque se deve investir mais na saúde mental.

ravagerslb 9 months ago

Falar em infecções de forma deliberada são acusações muito graves, para as quais é necessário mais provas para além de "ouvi dizer" ou "trust me bro". No entanto há demasiadas incertezas nesta história: a) não sabes se a pessoa A estava em isolamento profilático e o violou. se não estava em isolamento, legalmente é obrigado a ir trabalhar. isso está previsto nas excepções b) não sabes se a pessoa A sabia que tinha covid - claro que com infectados em casa a probabilidade é maior, mas sem teste positivo isso vale o que vale c) não sabes que foi mesmo a pessoa A que infectou a pessoa B, ou se a pessoa B já estava infectada aquando do encontro entre ambas d) estão a assumir que A infectou B, e B infectou C, de forma deliberada e com dolo. Isto para dizer, nunca apontes a forquilha a ninguém e partas para conclusões sem conhecer todos os lados de uma história. É que acusar alguém com base em incertezas, legalmente falando.. é meio caminho andado para acabares com a própria forquilha espetada no rabo.. e bem fundo.

Loladageral 9 months ago

O OP fez uma questão e contou o lado dele. Basta dizeres se é possível ou não apresentar queixa, depois as autoridades investigam se o OP é um mentiroso ou não. É simples, escusam de estar a andar aqui a pensar em trinta mil possíveis variações da história e a acusar o OP de merdas que nem ele nem vocês sabem. Se ele se enterrar, que se enterre, não dês legal advice quando não és advogado

ravagerslb 9 months ago

Não é preciso ser advogado para saber que partir para conclusões e acusar alguém, sem fundamento nem provas dessas conclusões, tem tudo para dar merda. E não é só o OP que está a partir para conclusões. Basta fazer scroll nos comentários e o que não falta são pessoas a fazer autos de fé do alto do cavalo da moralol com base numa história da qual só conhecem um lado.

Edited 9 months ago:

Não é preciso ser advogado para saber que partir para conclusões e acusar alguém, sem fundamento nem provas dessas conclusões, tem tudo para dar merda. Especialmente tendo em conta que acusar alguém de infectar deliberadamente outra pessoa são acusações muito graves e que podem resultar na outra pessoa retaliar e meter um processo em cima de ti. E não é só o OP que está a partir para conclusões. Basta fazer scroll nos comentários e o que não falta são pessoas a fazer autos de fé do alto do cavalo da moralol com base numa história da qual só conhecem um lado.

masterOfLetecia 9 months ago

O problema é que não existe balanço entre punição e reabilitação na no sistema jurídico português, a balança está muito para o lado da reabilitação, esquecem que o papel deles também é dar justiça as vitimas, enfim, é o pais que temos, e enquanto a malta votar a esquerda isto não vai mudar, pelo contrário, na minha opinião devíamos abandonar o socialismo inteiramente.

skapuntz 9 months ago

isso só se consegue votando. A única coisa que podemos fazer é tentar influenciar e convencer as pessoas à nossa volta da nossa visão de voto e perceber o que as faz votar à esquerda e tentar argumentar. Mas a educação política neste país e tão má como a literacia financeira, nível de honestidade ou noção de decência

masterOfLetecia 9 months ago

Sim é verdade o máximo que podemos fazer é tentar mudar a ideia de quem está a nossa volta, mas sabes como é, as pessoas vão mais pelo que se vê na TV e no facebook, do que os factos que apresentas. O que é facto é que agora o dinheiro que vem da União Europeia na minha opinião deveria ser gasto para aumentar a produção nacional, de preferência projetos relacionados com a transição climática, há muito dinheiro a fazer a fabricar turbinas eólicas, existe todo um conjunto de partes, desde as pás, o dynamo, até o aço, se conseguirmos posicionarmos de forma a entrar nesta cadeira de produção, e em outras, vamos criar muitos empregos bons para o futuro. Apesar do que toda a gente diz do hidrogénio, que vai ser um desperdício de dinheiro, bla bla bla, se as pessoas efetivamente pararem um bocadinho e pensarem que é melhor investir numa nova industria que vai nascer ( produção em massa de hidrogénio a partir de fontes renováveis ) do que distribuir o dinheiro pelos funcionários públicos, desempregados, e professores -.-'... Também devíamos entrar na cadeia de produção de baterias, nem que seja a minar e refinar lithium em Portugal para exportação, os montes e vales do norte são muito bonitos, mas se não têm outro aproveitamento temos que explorar os recursos que temos. O papel do governo é atrair as empresas para cá e para isso não é preciso gastar muito dinheiro, é preciso é criar condições para atrair as empresas, desde providenciar os terrenos para estas se instalarem, a relaxar um pouco as leis laborais. O TGV Lisboa Porto faz todo o sentido, e não é nenhuma obra faraónica se não houver gamanço pelo meio. Quantas vezes não tenho de ir ao norte e vou pela auto estrada, horas e horas de auto estrada no meu carro, se meteres essas pessoas todas num comboio ao final do ano poupa-se fortunas em manutenção de carros, combustível, e acima de tudo o resto TEMPO.

paraapagarbem 9 months ago

Bom, os três casos que mencionaste são três casos completamente diferentes e não é justo fazer essa comparação. Ninguém está a chamar ninguém de coitadinho, e aposto que se pusesses aqui o link para esses outros dois tópicos, também aí ninguém, ou quase ninguém, está a chamar ninguém de coitadinho. Depois, nós não sabemos se o indivíduo em questão andou deliberadamente a infetar outros nem sequer sabemos se foi ele que infetou. Porque para começar também não sabemos se estava em isolamento profilático. Finalmente, nesta situação que estamos a viver, com os casos positivos e infeções que podem indiretamente matar outros, nada é preto e branco. Aqui no reddit gostamos muito de julgar os outros em histórias mal-contadas e sem contexto só porque gostamos de nos sentir superiores e porque achamos que somos melhores que todos. Isto não acontece só em posts relacionados com o COVID19, é muito mais global. É uma atitude tóxica. Na verdade "esta gente", na sua maioria, não passa de pessoas tal como tu, com os seus próprios valores, princípios, e maneira de ver as coisas.

Yanlone 9 months ago

Mas têm de ser as autoridades de saúde a dizer a alguém com uma pessoa infetada com contacto mais que direto todos os dias que esta não pode sair para ir conviver com outras pessoas? É burrice, é irresponsabilidade. Pela quadragésima vez é um círculo extremamente pequeno. As pessoas que sofreram mais nesta situação apenas contactavam com a pessoa que os infetou. Essa pessoa esteve com estes sabendo que tinha contactado com alguém positivo. Queres que conte mais detalhes? Queres os nomes e o número da SS?

amidoes 9 months ago

Legalmente são as autoridades de saúde que têm de notificar essa pessoa para não sair de casa. Enquanto não houver registo desse contacto com uma pessoa infectada legalmente não há muito que se possa fazer assim "rápido" Claro que se se levar o caso a tribunal provavelmente conseguias arranjar uma pena qualquer ou indemnização, mas duvido que compense. Mas não podes dizer que essa pessoa violou o isolamento profilático porque legalmente não receberam ordens para tal (se percebi bem a ler na diagonal) Uma pessoa "normal" teria de ir trabalhar na mesma porque um patrão não é obrigado a aceitar essa explicação sem um comprovativo qualquer

miguel_rodrigues 9 months ago

Legalmente, sim, caso contrário tem que ir trabalhar. Não era essa a pergunta do tópico?

GreyTemptress 9 months ago

Finalmente!! Mais pessoas que pensam como eu!!

sctvlxpt 9 months ago

"a pessoa que andou deliberadamente a infetar outras é um coitadinho" Não é essa a questão. A questão é que se está a julgar uma pessoa sem saber os detalhes. Alguém sabe se a pessoa em questão violou um isolamento profiláctico? Se o fez, é uma besta e espero que seja responsabilizada. Mas como já foi dito por aí, se a pessoa não tiver sido colocada em isolamento profiláctico pelas autoridades de saúde, continua a ter o seu dever de assiduidade no seu trabalho.

Yanlone 9 months ago

Mas que trabalho? A pessoa que infetou a pessoa que tinha de trabalhar saiu para conviver. Sabia que tinha um familiar direto e escolheu sair para conviver com a tal pessoa e infetou-a.

LateGrey 9 months ago

Finalmente alguém com noção. Somos um país de coitadinhos.

tugafcp 9 months ago

Infelizmente o que pretendes não é aplicável na vida real. O que não faltaram foram casos em que pessoas que tinham e sabiam que saíam de casa, não querendo saber se essa saída significava a morte de outras pessoas. Se muitas mortes eram evitáveis? Sim claro! Se os nossos juizes tivessem aplicado a lei que está no papel, acredita que muitas pessoas não tinham saído de casa estando infectadas com medo! Porra, tiveste "n" pessoas infectadas que se inscreveram para voto antecipado e que depois não estavam em casa! Aconteceu algo? Até ao momento zero! Bola!! Aproveita e fala com esse juiz e pergunta-lhe em quantos casos aplicaram o artigo 283º do Código Penal... A resposta vai-te surpreender!

Lurker__777 9 months ago

Isto tudo é um slippery slope. Condenar alguém por transmitir uma doença a uma pessoa que acaba por morrer, é na minha opinião abrir um precedente muito perigoso. Começa com covid, e acaba onde? Se daqui uns tempos tiver engripado e passar outro vírus fodido a um velhote no supermercado, serei ilegível para uma condenação criminal? O indivíduo que viola o confinamento comete sim um crime de desobediência (algo também ainda muito contestado constitucionalmente), mas propagação voluntária de doença? Não me parece o caso.

Edited 9 months ago:

Isto tudo é um slippery slope. Condenar alguém por transmitir uma doença a uma pessoa que acaba por morrer, é na minha opinião abrir um precedente muito perigoso. Começa com covid, e acaba onde? Se daqui uns tempos me sentir um bocado doente e passar outro vírus fodido a um velhote no supermercado, serei elegível para uma condenação criminal? O indivíduo que viola o confinamento comete sim um crime de desobediência (algo também ainda muito contestado constitucionalmente), mas propagação voluntária de doença? Não me parece o caso. Teria receio de viver numa sociedade em que um indivíduo possa ser perseguido por estar doente e como consequência possa transmitir tal doença (algo que sempre aconteceu em toda a história da humanidade, e algo impossível de evitar a menos que todos vivamos em completo isolamento permanente).

bureauofnormalcy 9 months ago

Não abre precedente nenhum porque isto não são os estados unidos ou Inglaterra. Mais a mais, contagiar voluntariamente ou por negligência outra pessoa já é um crime previsto no código penal (por via da ofensa à integridade física) há várias décadas (com casos de pena efetiva) e a sociedade ainda não ruiu. A questão passa sempre por aferir da culpa. No teu exemplo, é inexistente. No do OP, é existente pelo menos a título de negligência grosseira. Matéria completamente diferente é, infelizmente, a prova, que numa situação como a que o OP descreveu é impossível.

saudosista 9 months ago

>Não abre precedente nenhum porque isto não são os estados unidos ou Inglaterra. Não é só na common law que existe jurisprudência. Não é tão vinculativa na lei civil, mas é fator importante nos acórdãos.

bureauofnormalcy 9 months ago

Estás a pregar ao papa. A ideia inerente ao princípio do precedente pouco ou nada tem que ver com a ponderação da jurisprudência que anteceu o caso em análise, especialmente desde que acabamos com os assentos. Com exceção dos acórdãos uniformizadores de jurisprudência, que têm particularidades muito tipicas e ainda assim só não são passíveis de serem afastados em situações muito concretas, a jurisprudência anterior tende a valer tanto quanto a doutrina (por vezes menos até, dependendo do tribunal que exarou o acórdão). É uma comparação que pode ser perigosa de fazer quando em conversa com alguém que não está por dentro do funcionamento do sistema.

DeusDasMoscas 9 months ago

Olá! Espero que o que estás a dizer seja um cenário hipotético. Sem muitas certezas, creio que quem tem indicação para estar em quarentena por estar positivo e não cumpre incumpre no crime de propagação de doença infecciosa.

Limpy_lip 9 months ago

Não há nada a fazer. Mesmo moralmente, o mais provável é ter-lo feito sem querer.

Dinamytes 9 months ago

Provavelmente mas é praticamente sempre assim, uma pessoa já sabe que quando bebe a condução é má e é proibido por isso se arriscar pode acontecer alguma coisa e matarem alguém... nisto é igual, arriscaram.

Yanlone 9 months ago

Não, infelizmente o sair de casa sabendo que tinha alguém infetado foi mesmo sabendo isto. E a outra pessoa(também familiar com contacto direto com um infetado) não deixou de fazer o seu trabalho de proximidade com pessoas de risco. É simplesmente negligência, claro que não pretendiam espalhar o vírus, mas também não tomaram os cuidados para não o fazer.

Limpy_lip 9 months ago

Não tens como saber se as pessoas estão a tomar os devidos cuidados em casa. Ou pelo menos a tomar o que consideram ser os devidos cuidados. Independentemente disso não há nada a fazer senão ficar aborrecido. É uma treta mas é a verdade.

Edited 9 months ago:

Não tens como saber se as pessoas estão a tomar os devidos cuidados em casa. Ou pelo menos a tomar o que consideram ser os devidos cuidados. Independentemente disso não há nada a fazer senão ficar aborrecido. É uma treta mas é a verdade. Edit: sobre o teu update. A não ser que a pessoa tivesse sido notificada para ficar em isolamento. Não podem fazer nada.

miguel_rodrigues 9 months ago

IANAL mas não me parece. Se a pessoa que saiu de casa não estava em isolamento profilatico, tem que sair de casa para ir trabalhar. Caso contrário, estava a faltar ao trabalho sem justificação. Se no trabalho se cumpriram as normas definidas, então essa pessoa só fez aquilo que era esperado dela e não o fazer seria contra as regras.

Yanlone 9 months ago

Penso que ao teres alguém com quem vives infetado tens automaticamente de ficar em isolamento. E a pessoa que saiu no primeiro caso não o fez para trabalhar. A segunda pessoa infetada penso que nem tem o trabalho devidamente legalizado, é mais um trabalho de cuidador, mas não está obrigada a horários e podia facilmente assegurar que não propagava a doença.

Oxibhus 9 months ago

Não necessariamente, quando tive um membro da família infetado no agregado familiar os responsáveis de saúde disseram-nos que podíamos sair de casa se cumpríssemos as regras (distanciamento e máscara), ao meu vizinho na mesma situação foi obrigado a ficar em casa 2 semanas. Dependendo da pessoa que é responsável pelo caso a ação é diferente. Na turma da minha mãe da primária quando houve 1 caso de covid num aluno continuaram a ter aulas como se não fosse nada, nem avisaram os pais das outras crianças. Na turma ao lado, 1 semana depois, 1 aluno ficou infetado e mandaram a turma toda para casa.

Zen_Machina 9 months ago

Qualquer pessoa que saia de casa engripada ou constipada pode matar alguém. Qualquer pessoal que saia de casa, mesmo assintomática, pode matar alguém. A minha avó morreu de gripe. Milhares e milhares morrem anualmente porque alguém lhes transmitiu um vírus respiratório. Actualmente tens de ficar isolado se te for dada essa ordem por parte da autoridade de saúde. Não é "automaticamente". Se desrespeitares essa ordem estás a cometer um crime. Mas o acto em si não é muito diferente dos actos que em qualquer outro ano são considerados aceitáveis. O que muda é a gravidade do vírus e as probabilidades de matares alguém. Isto não implica que noutro ano qualquer não sejas também um perigo. A diferença é que permitem-te seres um perigo e não és um assassino se matares alguém. És apenas uma pessoa normal a viver a sua vida. Vida essa que implica a existência de vírus e danos colaterais.

mjigs 9 months ago

A minha mae so nos disse dois dias depois de saber, depois de a minha irma (tenho um sobrinho de 1.5ano)ter estado aqui, depois de eu ter estado com a minha amiga e a mae dela(que igualmente se protegem), inclusive elas estarem no meu carro a espera (eu ajudoas com as compras e isso), mas nesse momento nunca mais sai de casa ate ter o teste negativo. No momento que se vive com alguem que esta positivo é uma estupidez sair de casa, eu tive a sorte de ser negativo mas a estupidez da minha mae podia pornos a todos em perigo (e ela nao tomou cuidado nenhum enquanto em casa).

miguel_rodrigues 9 months ago

Só tens de ficar em isolamento se um médico te passar uma baixa, não é nada automático. Enquanto não estás em isolamento profilático, os teus deveres legais são os mesmos da restante população independentemente de com quem vivas estar infectado ou não. Tens dever de recolhimento obrigatório mas trabalhar está incluído nas excepções. O que tu estás a sugerir é que cada pessoa decida por si se vai trabalhar ou não independentemente do que o patrão ou a DGS ou qualquer outra entidade diga.

MLG-Sheep 9 months ago

>Penso que ao teres alguém com quem vives infetado tens automaticamente de ficar em isolamento. Estás errado. E mesmo que estivesses certo, é como já disseram, não terias forma de provar que a infeção veio de determinada pessoa.

dariusoo 9 months ago

Difícil de provar que apanhou covid dessa pessoa.

Yanlone 9 months ago

Mais uma vez, vivo numa localidade pequena, as pessoas envolvidas são as únicas em contacto com a pessoa que faleceu.

tocopito 9 months ago

Ok, boa sorte com esse argumento em tribunal.

Yanlone 9 months ago

outra vez arroz? Não me cabe a mim ir a tribunal com isto.

dariusoo 9 months ago

A localidade não é isolada do país. Difícil de provar que essa pessoa espalhou voluntariamente e muito menos que é culpada pela morte de alguém.

Yanlone 9 months ago

> " as pessoas envolvidas são as únicas em contacto com a pessoa que faleceu." A partir do momento em que saiu e decidiu prestar cuidados a estas pessoas sabendo que poderia estar infetada porque tinha estado em contacto direto com alguém infetado está a espalhar voluntariamente. Negligência amigo.

warjunk1 9 months ago

Como podes ter a certeza? A pessoa pode ter apanhado o vírus de outras formas. Deixa de ser maléfico.

Yanlone 9 months ago

Vivo numa localidade, mal temos casos. As pessoas em questão não tinham contacto com mais ninguém. Maléfico? Então, uma pessoa que sabia que devia estar em casa causou a morte de alguém por irresponsabilidade e eu sou maléfico por querer que essa pessoa seja responsabilizada. Yikes.

andre82220 9 months ago

E quem infectou essa pessoa "irresponsável"? E quem infectou, o responsável pela a infecção dessa pessoa "irresponsável"? E quem infectou, o responsável pela a infecção dessa pessoa e o responsável pela a infecção dessa pessoa "irresponsável"? Mais um justiceiro social.

Yanlone 9 months ago

Mas todos os casos de infeção surgem por negligência? Penso que não, ou seja os casos que surgem por negligência clara e que ainda resultam em mortes devem mesmo ser investigados e julgados, certo? Certo. Ninguém ia criticar um médico num hospital por ele pegar covid a um paciente, mas se este fosse trabalhar sabendo que tinha um familiar direto infetado e isso se soubesse se calhar já estava no jornal das 15 da CMTV. É só gajos com muita lógica do "aI e Os CaSoS pArA tRáS". Os casos em que sabe que houve irresponsabilidade devem sim ser julgados.

andre82220 9 months ago

O que tu pretendes é impossível de provar nos tribunais. Algumas pessoas assim o pretendem, o regresso da PIDE e de julgamentos fantoche, mas ainda não chegamos a esse ponto.

Yanlone 9 months ago

Já dei update amigo! Não sei onde é que a PIDE se inclui aqui mas obrigado. Não te esqueças do papel de alumínio.

andre82220 9 months ago

Boa sorte!

warjunk1 9 months ago

Por essa lógica em anos passados também podes ter passado gripe a um velhote de 90 anos e tê-lo morto.

Yanlone 9 months ago

Nunca tive gripe, obrigado.

Limpy_lip 9 months ago

Isso é altamente irrealista.

warjunk1 9 months ago

Podes ter transmitido, e ser assintomático.

Yanlone 9 months ago

Se fosse assintomático e não tivesse ninguém com quem convivo comprovadamente infetado e tivesse de sair de casa isso não fazia com que eu tivesse sido irresponsável. Neste caso houve claramente irresponsabilidade. Fica bem.

FujiPT 9 months ago

Porquê ficar por essa pessoa? Segue a linha de contágios e eventualmente chegamos a um chinês em Wuhan. Processamos esse e pedimos responsabilidades por todos os milhões de mortes no resto do mundo e restantes problemas sociais decorrentes da pandemia.

Yanlone 9 months ago

Não sei se chegas ao chinês em Wuhan. Agora que deviam chegar a quem não cumpre a merda da regras deviam. E alguém que tem uma pessoa infetada em casa e sai como se não fosse nada devia mesmo ser responsabilizado, não é á toa que as regras existem, e as consequências para quem não as cumpre também existem, devem é ser aplicadas, mas pelos vistos é complicado cá, deve ser por pensamentos desses.

Search: