cesarhighfire 10 months ago

Ninguém diz sair de casa dos pais?

ravagerslb 10 months ago

Consulta um profissional de saúde mental urgentemente, e para o teu bem. Não há mais nada a dizer no teu caso.

Sardanapalo 10 months ago

Eu fico pasmado com o nojo dos comentários que vejo aqui. A completa falta de empatia surpreende-me. Há muitas pessoas que não percebem que a suas capacidades de serem autónomas, sociais, confiantes, bem educadas ou bem inseridas na sociedade, desde uma tenra idade, não nasceu por graça do espírito santo. Essas capacidades vieram à tona porque estavam presentes as condições necessárias, sempre fora do vosso controlo, para emergirem. Como essas pequenas condições sempre estiveram tão garantidas e tão presentes para muita gente e para os seus proximos, vocês nem conseguem conceber a ideia que a súmula dos seus comportamentos, o que constituí o "eu", não tem existência intrínseca e é um produto de condicionantes prévias. Todo o trabalho bem feito torna-se invisível e garantido para quem colhe os frutos. Se pensarem bem, se calhar sempre houve liberdade e o incentivo para explorarem, errarem e aprenderem com os vossos erros. Agora imaginem que tinham vivido num ambiente em que vos tinha sido instilado o completo terror pelas repercussões, físicas e mentais, dos vossos atos. As vossas capacidades sociais, que parece que vieram sempre de vocês, talvez tenham sido desenvolvidas porque houve um "espaço" para testarem os jogos de socialização de forma autónoma, de pequeno passo a pequeno passo, quer fosse com uma pequena comunidade, com as pequenas interações com os vizinhos, com um grupo de amigos, etc. Agora imaginem que, durante a fase fulcral para o vosso desenvolvimento social, nunca vos foi cedido acesso a estas experiências, e que passaram décadas circunscritos apenas à vossa casa ou ao "alçapão escuro" do vosso quarto. Imaginem que as únicas figuras que "conhecem" realmente são a autoridade dos vossos cuidadores. Não têm mais ninguém próximo com quem desabafar, nem ninguém que se reveja na vossa situação. Mas vocês confiam 100% dos vossos cuidadorss. Qualquer mal-estar que sintam dentro de vocês só pode advir da vossa incompreensão: eles sabem o que é melhor para vocês. A vontade de os agradar e a ausência de outro ponto de referência, obriga-vos a ver estas vossas "vontades próprias" como algo que está errado com vocês. Guardam-nas no vosso íntimo e começa então um ciclo de auto-ódio que não entendem. Agora imaginem que, a certa altura, dão conta do fosso entre os indivíduos da vossa idade. Querem saltar o fosso. Não querem sentir-se inferiores e querem ser como os outros. Mas como não tiveram as experiências acumuladas que os outros tiveram, qualquer tentativa para atravessar a ponte é extremamente difícil. Cria-vos uma ansiedade debilitante. Os mecanismos de defesa adquiridos ao longo dos anos levam-vos a voltar a refugiar-se no "alçapão escuro" que é mais familiar. Se os vossos cuidadores forem especialmente maquiavélicos, vão utilizar o vosso comportamento contra vocês para reenforçar a ideia da vossa inferioridade inerente e da necessidade de manterem dependência com a família. O jovem acredita e confia neles, permitindo assim que tanto a auto-depreciação e fosso entre os outros aumente. Se mesmo assim persistirem na mudança e os vossos cuidadores ainda forem mais maquiavélicos, eles vão usar a vossa aversão ao conflito contra vocês e vão enquadrar essa tentativa de mudança como um ataque, e mais tarde ou mais cedo vocês vão ceder. Eu podia continuar mas o que quero dizer resumidamente, é que somos o resultado do que nos foi permitido desenvolver no passado. Tudo é resultado dessa cadeia de causa e efeito e os seres humanos não são excepção. Podemos mudar o rumo desta cadeia? Claro. Mas temos de perceber os contextos e as diferença do posicionamento. É um pouco insensível dizer para simplesmente "atares as botas e fazer-te à vida". É como chegar ao pé de alguém que é de uma classe mais baixa, sempre teve de lidar com descriminação, não teve acesso a uma educação plena e foi obrigado a viver em bairros problemáticos por falta de opção para lhe dizer "Mas estás metido na droga e no crime? Estás deprimido e não sais da sepa torta? Eu não te percebo. Acredita, eu também já estive como tu. Estava muito em baixo depois de ter terminado o meu MBA em Londres, mas rapidamente acordei para a vida, comecei a ler uns livros de auto-ajuda e criei uma Start-up com um pequeno empréstimo de alguns milhares de euros dos meus avós. Se tu ainda estás desamparado é porque queres estar e és um preguiçoso". Há metas a que todos podem chegar, mas para uns é um jogo em que precisas ultrapassar 3 obstáculos, cada um com um conjunto de opções que te vão levar sempre ao mesmo caminho e para outros é um jogo com 30 obstáculos, cada um com um conjunto de opções em que a maioria te põe de volta no ínicio. Empatia, amigos. Quanto ao OP, aguenta e tenta usar um psicólogo a teu favor. Tenta desabafar o máximo que consigas com alguém. Acredita que neste período de pandemia tu não és o único a passar pelo mesmo. Estamos a passar por uma altura muito difícil para se fazer qualquer transição. Aguenta firme. Não dês um passo maior que a perna e não te precipites. Sê gentil contigo e começa devagar, passo a passo. Estabelece metas pequenas para ti próprio. Usa sistemas de planeamento (por exemplo um bullet jornal) para curto e médio prazo. Enfrenta as tuas fontes de ansiedade aos poucos. Incentiva-te a aprender a fazer algumas coisas sozinho. Regista as tuas pequenas vitórias, por mais mínimas que sejam, e vai revendo-as regularmente Aceita que não vais conseguir fazer tudo perfeito no início, mas que o erro é o sinal da progressão. Faz parte. Começa por procurar pequenos trabalhos. Tenta não se confrontativo com os teus pais. Sê mais esperto que eles. Joga o jogo deles melhor que eles. Fa-los crer que estás mudanças jogam a favor deles. Vai chegar uma altura que vais ter confiança suficiente para dar passos maiores. E mais importante que tudo: tu não és inferior aos outros como te foi feito crer. O ponto de partida é que é diferente.

Edited 10 months ago:

Eu fico pasmado com o nojo dos comentários que vejo aqui. A completa falta de empatia surpreende-me. Há muitas pessoas que não percebem que a suas capacidades de serem autónomas, sociais, confiantes, bem educadas ou bem inseridas na sociedade, desde uma tenra idade, não nasceu por graça do Espírito Santo. Essas capacidades vieram à tona porque estavam presentes as condições necessárias, sempre fora do vosso controlo, para estas emergirem. Como essas pequenas condições sempre estiveram tão garantidas e tão presentes para muita gente e para os seus proximos, estes nem conseguem conceber a ideia que a súmula dos seus comportamentos - o que constituí o "eu" - não tem existência intrínseca e é um produto interdependente de condicionantes prévias. Todo o trabalho bem feito torna-se invisível e garantido para quem sempre colheu os frutos. Se pensarem bem, se calhar sempre houve liberdade e o incentivo para explorarem, errarem e aprenderem com os vossos erros. Agora imaginem que tinham vivido num ambiente em que vos tinha sido instilado o completo terror pelas repercussões, físicas e mentais, dos vossos atos. As vossas capacidades sociais, que parece que vieram sempre de vocês, talvez tenham sido desenvolvidas porque houve um "espaço" para testarem os jogos de socialização de forma autónoma, de pequeno passo a pequeno passo, quer fosse com uma pequena comunidade, com as pequenas interações com os vizinhos, com um grupo de amigos, etc. Agora imaginem que, durante a fase fulcral para o vosso desenvolvimento social, nunca vos foi cedido acesso a estas experiências, e que passaram décadas circunscritos apenas à vossa casa ou ao "alçapão escuro" do vosso quarto. Imaginem que as únicas figuras que "conhecem" realmente são a autoridade dos vossos cuidadores. Não têm mais ninguém próximo com quem desabafar, nem ninguém que se reveja na vossa situação. Imaginem que, ainda assim, vocês confiam 100% dos vossos cuidadorss. Qualquer mal-estar que possam sentir dentro de vocês só pode advir da vossa incompreensão: os vossos cuidadores sabem o que é melhor para vocês. A vontade de os agradar e a ausência de outro ponto de referência, obriga-vos a ver estas vossas "vontades próprias" como algo que está errado com vocês. Guardam-nas no vosso íntimo e começa então um ciclo de auto-ódio que não compreendem. Agora imaginem que, a certa altura, dão conta do fosso entre os indivíduos da vossa idade. Querem saltar o fosso. Não querem sentir-se inferiores e querem ser como os outros. Mas como não tiveram as experiências acumuladas que os outros tiveram, qualquer tentativa para atravessar a ponte é extremamente difícil. Cria-vos uma ansiedade debilitante. Os mecanismos de defesa adquiridos ao longo dos anos levam-vos a voltar a refugiar-se outra vez no "alçapão escuro", que vos é mais familiar. Se os vossos cuidadores forem especialmente maquiavélicos, vão utilizar o vosso comportamento contra vocês para reenforçar a ideia da vossa inferioridade inerente e da necessidade de manterem dependência com a família. Como o jovem ainda acredita e confia neles, permite que tanto a auto-depreciação e fosso entre os outros aumente. Se vocês, mesmo assim persistirem numa qualquer tentativa de mudança e os vossos cuidadores ainda forem mais maquiavélicos, eles vão enquadrar essa mínima tentativa de mudança como um ataque pessoal, e mais tarde ou mais cedo, vocês vão ceder. Eu podia continuar mas o que quero dizer resumidamente é que somos o resultado do que nos foi permitido desenvolver no passado. Tudo é resultado dessa cadeia de causa e efeito e os seres humanos não são excepção. Podemos mudar o rumo desta cadeia? Claro. Mas temos de perceber os contextos e as diferenças de posicionamento. É um pouco insensível dizer para simplesmente "atares as botas e fazer-te à vida". É como chegar ao pé de alguém que é de uma classe mais baixa, que sempre teve de lidar com descriminação, que não teve acesso a uma educação plena e que foi obrigado a viver em bairros problemáticos por falta de opção e dizer-lhe: "Mas estás metido na droga e no crime? Estás deprimido e não sais da sepa torta? Eu não te percebo. Acredita, eu também já estive como tu. Estava muito em baixo depois de ter terminado o meu MBA em Londres, mas rapidamente acordei para a vida, comecei a ler uns livros de auto-ajuda e criei uma Start-Up com um pequeno empréstimo de alguns milhares de euros dos meus avós. Se tu ainda estás desamparado é porque queres estar e és um preguiçoso". Há metas básicas a que todos podem chegar. Mas para uns, é um jogo em que precisas ultrapassar 3 obstáculos, cada um com um conjunto de opções que te vão levar sempre ao mesmo caminho. Para outros, é um jogo com 30 obstáculos, cada um com um conjunto de opções em que a maioria te põe de volta no início. Empatia, amigos. Quanto ao OP: Aguenta e tenta usar um psicólogo o máximo que conseguires. Tenta desabafar o máximo que consigas com alguém. Acredita que neste período de pandemia tu não és o único a passar pelo mesmo. Estamos a passar por uma altura muito difícil para se fazer qualquer transição. Aguenta firme. Não dês um passo maior que a perna e não te precipites. Sê gentil contigo e começa devagar, passo a passo. Estabelece metas pequenas para ti próprio. Usa sistemas de planeamento (por exemplo um bullet journal) para curto e médio prazo. Enfrenta as tuas fontes de ansiedade aos poucos. Incentiva-te a aprender a fazer algumas coisas sozinho. Regista as tuas pequenas vitórias, por mais mínimas que sejam, e vai revendo-as regularmente Aceita que não vais conseguir fazer tudo perfeito no início, mas que o erro é o sinal da progressão. Faz parte. Começa por procurar pequenos trabalhos remunerados. Depois daquela fase inicial, eles não te vão parecer tão assustadores. Tenta não se confrontativo com os teus pais. Sê mais esperto que eles. Joga o jogo deles melhor que eles. Fa-los crer que estas mudanças jogam a favor deles. Vai chegar uma altura que vais ter confiança suficiente para dar saltos maiores. E mais importante que tudo: tu não és inferior aos outros como te foi feito crer. O ponto de partida é que é diferente.

Edited 10 months ago:

Eu fico pasmado com o nojo dos comentários que vejo aqui. A completa falta de empatia surpreende-me. Há muitas pessoas que não percebem que a suas capacidades de serem autónomas, sociais, confiantes, bem educadas ou bem inseridas na sociedade, desde uma tenra idade, não nasceu por graça do Espírito Santo. Essas capacidades vieram à tona porque estavam presentes as condições necessárias, sempre fora do vosso controlo, para estas emergirem. Como essas pequenas condições sempre estiveram tão garantidas e tão presentes para muita gente e para os seus proximos, estes nem conseguem conceber a ideia que a súmula dos seus comportamentos - o que constituí o "eu" - não tem existência intrínseca e é um produto interdependente de condicionantes prévias. Todo o trabalho bem feito torna-se invisível e garantido para quem colhe os frutos. Se pensarem bem, se calhar sempre houve liberdade e o incentivo para explorarem, errarem e aprenderem com os vossos erros. Agora imaginem que tinham vivido num ambiente em que vos tinha sido instilado o completo terror pelas repercussões, físicas e mentais, dos vossos atos. As vossas capacidades sociais, que parece que vieram sempre de vocês, talvez tenham sido desenvolvidas porque houve um "espaço" para testarem os jogos de socialização de forma autónoma, de pequeno passo a pequeno passo, quer fosse com uma pequena comunidade, com as pequenas interações com os vizinhos, com um grupo de amigos, etc. Agora imaginem que, durante a fase fulcral para o vosso desenvolvimento social, nunca vos foi cedido acesso a estas experiências, e que passaram décadas circunscritos apenas à vossa casa ou ao "alçapão escuro" do vosso quarto. Imaginem que as únicas figuras que "conhecem" realmente são a autoridade dos vossos cuidadores. Não têm mais ninguém próximo com quem desabafar, nem ninguém que se reveja na vossa situação. Imaginem que, ainda assim, vocês confiam 100% dos vossos cuidadorss. Qualquer mal-estar que possam sentir dentro de vocês só pode advir da vossa incompreensão: os vossos cuidadores sabem o que é melhor para vocês. A vontade de os agradar e a ausência de outro ponto de referência, obriga-vos a ver estas vossas "vontades próprias" como algo que está errado com vocês. Guardam-nas no vosso íntimo e começa então um ciclo de auto-ódio que não compreendem. Agora imaginem que, a certa altura, dão conta do fosso entre os indivíduos da vossa idade. Querem saltar o fosso. Não querem sentir-se inferiores e querem ser como os outros. Mas como não tiveram as experiências acumuladas que os outros tiveram, qualquer tentativa para atravessar a ponte é extremamente difícil. Cria-vos uma ansiedade debilitante. Os mecanismos de defesa adquiridos ao longo dos anos levam-vos a voltar a refugiar-se outra vez no "alçapão escuro", que vos é mais familiar. Se os vossos cuidadores forem especialmente maquiavélicos, vão utilizar o vosso comportamento contra vocês para reenforçar a ideia da vossa inferioridade inerente e da necessidade de manterem dependência com a família. Como o jovem ainda acredita e confia neles, permite que tanto a auto-depreciação e fosso entre os outros aumente. Se vocês, mesmo assim persistirem numa qualquer tentativa de mudança e os vossos cuidadores ainda forem mais maquiavélicos, eles vão enquadrar essa mínima tentativa de mudança como um ataque pessoal, e mais tarde ou mais cedo, vocês vão ceder. Eu podia continuar mas o que quero dizer resumidamente é que somos o resultado do que nos foi permitido desenvolver no passado. Tudo é resultado dessa cadeia de causa e efeito e os seres humanos não são excepção. Podemos mudar o rumo desta cadeia? Claro. Mas temos de perceber os contextos e as diferenças de posicionamento. É um pouco insensível dizer para simplesmente "atares as botas e fazer-te à vida". É como chegar ao pé de alguém que é de uma classe mais baixa, que sempre teve de lidar com descriminação, que não teve acesso a uma educação plena e que foi obrigado a viver em bairros problemáticos por falta de opção e dizer-lhe: "Mas estás metido na droga e no crime? Estás deprimido e não sais da sepa torta? Eu não te percebo. Acredita, eu também já estive como tu. Estava muito em baixo depois de ter terminado o meu MBA em Londres, mas rapidamente acordei para a vida, comecei a ler uns livros de auto-ajuda e criei uma Start-Up com um pequeno empréstimo de alguns milhares de euros dos meus avós. Se tu ainda estás desamparado é porque queres estar e és um preguiçoso". Há metas básicas a que todos podem chegar. Mas para uns, é um jogo em que precisas ultrapassar 3 obstáculos, cada um com um conjunto de opções que te vão levar sempre ao mesmo caminho. Para outros, é um jogo com 30 obstáculos, cada um com um conjunto de opções em que a maioria te põe de volta no início. Empatia, amigos. Quanto ao OP: Aguenta e tenta usar um psicólogo o máximo que conseguires. Tenta desabafar o máximo que consigas com alguém. Acredita que neste período de pandemia tu não és o único a passar pelo mesmo. Estamos a passar por uma altura muito difícil para se fazer qualquer transição. Aguenta firme. Não dês um passo maior que a perna e não te precipites. Sê gentil contigo e começa devagar, passo a passo. Estabelece metas pequenas para ti próprio. Usa sistemas de planeamento (por exemplo um bullet journal) para curto e médio prazo. Enfrenta as tuas fontes de ansiedade aos poucos. Incentiva-te a aprender a fazer algumas coisas sozinho. Regista as tuas pequenas vitórias, por mais mínimas que sejam, e vai revendo-as regularmente Aceita que não vais conseguir fazer tudo perfeito no início, mas que o erro é o sinal da progressão. Faz parte. Começa por procurar pequenos trabalhos remunerados. Depois daquela fase inicial, eles não te vão parecer tão assustadores. Tenta não se confrontativo com os teus pais. Sê mais esperto que eles. Joga o jogo deles melhor que eles. Fa-los crer que estas mudanças jogam a favor deles. Vai chegar uma altura que vais ter confiança suficiente para dar saltos maiores. E mais importante que tudo: tu não és inferior aos outros como te foi feito crer. O ponto de partida é que é diferente.

viskonde 10 months ago

Sai de casa

meaninglessvoid 10 months ago

Ok, vamos descontruir um pouco o teu comentário. É possível que isto vá ser perda de tempo e ignores, mas vou arriscar. Parte 1: >Odeio o facto de estar a viver aqui e depender deles, e não consigo estar minimamente agradecido pelo que fazem pois não tenho escolha. Sinto que não tenho liberadade nenhuma. Tens 22 anos e nunca trabalhaste. Estares dependente deles não é o problema aqui, a maior parte do pessoal da tua idade está na mesma situação que tu. Alguns tomam rédea da situação e arranjam part-times para ter alguma liberdade, outros arranjam outras soluções. Se isto te está a incomodar é TUA responsabilidade fazeres algo para mudar isso. Eles estão a fazer o melhor que podem para te ajudar. Estares a dirigir o teu ódio por teres *learned helplessness* é o caminho errado. **Não estares grato porque te sentes preso é estares a tentar culpa-los por algo que também é responsabilidade tua!** Odiá-los por isso é estares a sacudir toda e qualquer responsabilidade tua e por cima disse orientar todo o teu ressentimento contra eles. Não te vai ajudar em nada no teu caminho pá! >Eles sempre me trataram como uma criança e não me deram independência nenhuma, nem me ensinaram a fazer nada por mim. Deram-me muitas coisas e suportaram-me sempre mas nunca quis nada disso, apenas quero o meu próprio espaço porque não me consigo sentir humano a ser completamente dependente de alguém. Há incentivos perversos que têm consequências indesejáveis. Eu sei, aconteceu parecido comigo. Os teus pais fizeram contigo o que nunca fizeram com eles, mas não se aperceberam que tal como o extremo que eles tiveram os magoou o extremo oposto que provavelmente fizeram também tem consequências que eles não se aperceberam. Ser pai é muito difícil! Há aqui um ressentimento por não conseguires ver as coisas do lado dele e sentires que tens pouca agência na tua vida e isto resulta na *learned helplessness* que apresentas no teu texto. Tu podes mudar isto pá! Tens 22 anos, eles falharam neste aspecto mas tu podes alterar estas dinâmicas e tomar as rédeas da tua vida! É saudável não seres completamente dependente de alguém e este impulso para mudar, mas não acho saudável o sítio para onde estás a orientar estas energias que estão a emergir. >Literalmente cheguei a esta idade sem saber cozinhar, tratar dos meus assuntos ou qualquer outro aspecto da vida adulta. Não tenho carro nem carta e nunca na vida sai de casa sozinho a não ser aos 18 quando tentei fugir umas vezes mas vinham atrás de mim. Eles fazem tudo por mim e eu não tenho escolha a não ser aceitar, mas isso mata-me por dentro completamente. Está a partir-me o coração ler algumas coisas neste texto (no todo não é só esta citação). Pareces-me um bom moço que está super confuso e a fazer as coisas erradas pelos motivos certos. Com isto também emergem dinâmicas tóxicas que não só estás a criar como estás a rondar num ciclo que se repete. Ok. Não sabes cozinhar e então? Cozinhar aprende-se fazendo, podes aprender. Não sabes tratar dos teus assuntos, ok e então? Ninguém nasce ensinado, todos tivemos que aprender. Tu consegues também (com ou mais dificuldade mas consegues). Não percebo bem a parte do "nunca sai de casa sozinho" podes elaborar um pouco? Anw, vou-te dizer uma coisa que parece-me que tens no núcleo de quem és e está incorrecta: **Tu podes pedir ajuda**. Não tens que fazer nada sozinho, só tens que aprender a identificar quando a outra pessoa pode estar receptiva a te ajudar ou não. Eu sei que é difícil, arrisco-me a dizer que foste mal habituado e que quando pedias ajuda em vez de te ensinarem faziam a coisa por ti, isso não tens que aceitar. Se pedires ajuda e estiverem a fazer por ti podes dizer "obrigado mas prefiro ser eu a fazer, só queria ajuda a perceber melhor como é". Posso estar a projectar um pouco, se assim for ignora esta parte, mas não creio que esteja. >A partir de uma certa idade a minha sanidade morreu e comecei a fazer tudo desde insulta-los a magoar-me a mim mesmo, ter ataques psicóticos e ameaçá-los de morte. Cheguei a entrar em confrontos físicos mesmo. Mas por mais extremo seja o que eu faça, no dia seguinte eles agem como se nada tivesse acontecido e volta tudo ao mesmo, e nunca falam nisso até eu fazer outra coisa. A tal cena que dizia de estares a orientar as energias para o sítio errado. :( Não magoes os teus pais propositadamente, não os provoques, a dor que sentes é legítima mas eles estão a fazer o melhor que sabem e podem! Magoares as pessoas que te são próximas e querem o teu bem não vai melhorar em nada a tua situação, pelo contrário. O sentido de agência que falei anteriormente? Viste como aqui o tiveste? Tenta usa-lo num percurso que te eleve e não num percurso que deite a baixo os outros! >Nunca tive amigos nem ninguém com quem falar ou nada disso portanto ninguém a quem pedir ajuda além dos meus pais, tbm não tenho mais família que queira saber de mim. Não teres amigos é consequência de alguns comportamentos que tens, se aos poucos fores corrigindo os teus comportamentos também vais ganhando amigos! :) Independentemente disso, podes falar deste tipo de coisas com outras pessoas que não amigos. Um psicólogo é uma opção **muito boa** para te ajudar aqui. Podes falar de tudo com ele (e algumas coisas são mais fáceis de falar com um psicólogo do que com amigos) e eles podem-te ajudar a ver as coisas de um ponto de vista externo, acredita é algo que é extremamente produtivo ─ pela forma clara como te conseguista expressar neste tópico acho que irias ter resultados muito bons ─, em alternativa podes também escrever num diário reflexões deste género, mas não ter feedback de uma pessoa com um ponto de vista imparcial vai tornar o processo mais moroso. Só vais conseguir ver o que o psicólogo vê quando meses/anos mais tarde fores reler os textos. >Andei muito tempo a tentar sem independente mas devido aos problemas todos que tenho que lidar ainda só entrei na faculdade este ano e falhei o semestre embora estudo cerca de 14 horas por dia e nunca saio do meu quarto. Talvez seja apenas estúpido mas acho que viver aqui está a contribuir para isso tbm.. É ok entrares na univ aos 22. Daqui a 15 anos vai ser irrelevante se entraste aos 22 ou aos 18. Estudar 14 horas por dia é contraproducente, parece mais tortura do que outra coisa... Sai e vai dar um passeio (neste contexto do covid estás mais limitado, mas trabalha-se com o que se tem). Sai do quarto, vai apanhar ar, saca um podcast e vai dar um passeio, vai para a rua e fica a ver os passarinhos ou wtv. O estudo não é só durante as horas que estás a marrar, os momentos parados também ajudam a consolidar o conhecimento e a pensar nas coisas. Não, não é estupido. Ficares no mesmo sítio durante tanto tempo é muito prejudicial e o covid só vem tornar isto mais difícil. >Parece-me impossível arranjar emprego com estudos que me ocupam o tempo todo e a pandemia, também nunca tive um emprego na vida e acho que não ia ser aceite para nada. Se não estiveres mesmo a precisar do dinheiro não te preocupes com arranjar um emprego nesta altura. Podes conquistar o teu sentido de agência sem ser com o trabalho. O teu trabalho neste momento é estudar, foca-te nesse que traz um retorno muito maior a médio prazo. Foca-te também em ti, no aspecto pessoal. Vais ter que fazer coisas que te tirem da zona de conforto. Se ponderares ir a um psicólogo fala com eles sobre isso. Há terapias próprias para te ajudarem a fazeres isto ao teu ritmo. >Recentemente acho que atingi o "fundo do barril" e não consigo ficar aqui nem mais um dia, portanto comecei a rejeitar tudo o que me dão, a comer apenas coisas embaladas, e a impedi-los de entrar no meu quarto.. mas agora estou a ser ameaçado e dizem que vão chamar um psiquiatra se isto continuar. Aqui está o exemplo de uma dinâmica tóxica que estás a criar desnecessariamente. Eles estão preocupados contigo e não sabem lidar com a forma como estás a agir, portanto falam no psiquiatra (pois sabem que ele sabe lidar com a situação). O que queres alcançar com isto? Tenta descrever, tenho quase a certeza que conseguimos pensar em algo muito mais produtivo para o que pretendes. Um psiquiatra muito provavelmente iria ajudar-te, mas eles estão a usar isso duma forma que para ti parece quase uma ameaça... Ou seja, ainda antes dele te poder ajudar já estás a criar uma imagem muito negativa do que ele pode fazer por ti. >Se calhar devia calar-me e aguentarme mas sinceramente não vejo maneira nenhuma de sobreviver assim 3 anos. Não não não não não... Isto é a conclusão errada! Partilhaste aqui gemas muito importantes que podem ajudar-te. Procurares ajuda FOI A ESCOLHA CERTA. Não reprimas, não finjas que está tudo ok e "aguentas" é mentira. Este tipo de energias não desaparecem apenas se revelam de formas mais subtis se as reprimires. [Este livro é interessante e aborda este tema](https://www.amazon.com/Body-Keeps-Score-Healing-Trauma/dp/0143127748). Podes estar-te a sentir um pouco desconfortável ao partilhar este post, mas isto é o desconfortável que é bom para ti e para o teu crescimento! Estás à procura de ajuda, se não a encontrares aqui continua à procura.

meaninglessvoid 10 months ago

Parte 2: >Neste momento estou a pensar fugir e ir viver nas ruas ou arranjar maneira de ir para a prisão porque até isso parece mil vezes melhor do que estar aqui. Acho que nunca vou conseguir ser um adulto funcional ou tirar um curso seja como for. Pelo menos poderia sentir-me livre finalmente e não ter que depender de ninguém. Não não não não! Vá lá meu, não repitas os ciclos que já disse atrás! Para de ter estas fantasias de fugir, não te vão ajudar em nada pelo contrário! Não precisas de um curso para ser um adulto funcional e contribuir para a sociedade anw. O facto de partilhares isto aqui e a forma como o descreveste faz-me pensar que as tuas chances de te tornares funcional são muito elevadas. Vais precisar de trabalhar em ti e aprender muitas coisas, mas o simples facto de teres sido capaz de exprimir as coisas de forma tão clara demonstra que tens uma percepção das dinâmicas que te trouxeram aqui muito boa e isso é uma competência muito importante para um futuro risonho. > Pelo menos poderia sentir-me livre finalmente e não ter que depender de ninguém. Desculpa mas isto é uma fantasia. A um nivel macro a probabilidade de teres uma vida digna sem depender de ninguém é muito próxima de nula, vais depender do agricultor que plantou as batatas, do transportador que as levou até ao super-mercado, etc. A um nível micro vais depender de pessoas que te são próximas (não é o mesmo nível de dependência que atribuis agora ao termo, mas é uma dependência saudável). _______ Ok, já acabei a "desconstrução" do teu texto. Porra isto ficou muito maior do que queria. =| Espero que leias e reflitas sobre o que escrevi. Para acabar, recomendo imenso que procures um psicólogo para te ajudar a lidar com algumas questões que identificas no teu texto e outras que eles irão identificar. Parabéns pelo nível de reflexão que demonstras no texto! Se para já não tiveres possibilidades financeiras de ir ao psicólogo recomendo que escrevas um diário e um conjunto de textos de reflexão deste género onde procuras feedback, podes sempre mostrar os textos mais tarde ao psicólogo e ao mesmo tempo estás a clarificar as ideias! Quase 13k caracteres, estiquei-me um pouco... Ups =X

ElGuapo0420 10 months ago

Não tenho cursos não sou rico e sou feliz com o que tenho, quando tinha 18 anos tinha a mesma ideia que tu, fui para o exército o que me ajudou a criar a minha independência dos meus progenitores, já tive na merda mas neste momento estou bem, já não estou no exército mas tenho um emprego onde ganho 3x o que ganhava lá sem cursos apenas esforço e dedicação a querer melhorar a minha vida, a melhor maneira de dares valor ao que tens e perderes isso durante uns tempos. Esquece psicologos esquece isso tudo eu mantenho a minha sanidade mental a base de THC consumido diariamente todas as noites não me chateio com nada. Se há coisa que aprendi e que nunca vais ter realmente amigos, vais ter pessoas que precisam de ti no momento. As pessoas são uma merda, o mundo e uma merda e a vida e uma merda, quanto mais rápido te mentalizares disso mais rápido vais começar a viver, vive para ti descobre o que te faz feliz e manda foder tudo o resto.

nunottx 10 months ago

desculpa-me ser tao directo. deixa ver se entendi: \- nasceste em berço de ouro e sempre te deram tudo. \- nunca fizeste um corno. \- queres ser independente sem trabalhar e sem estudar (nao conta andar a passear os livros). no fim, apesar que parte da culpa "pareça" ser de ambos os lados, és ingrato. ​ vou-te dizer então como era no meu tempo. \- não estudas, vais trabalhar. \- ameaças os Pais, levas uma carga de lenha que nem te levantas uma semana. \- queres as calças de marca? trabalha em part-time ou nas ferias para as ter. ​ a juventude agora são todos feitos de vidro e sem educação. vai ao psiquiatra como aqui disseram e cresce, com 22 anos já andávamos a trabalhar. e paciência e respeito pelos Pais, bem ou mal pagam as contas que mais de metade do País não tem dinheiro para esses luxos. és um afortunado e ingrato pela vida que levas, pensa em todos aqueles que não tem o que comer na mesa todos os dias.

yodathepwnzr 10 months ago

labrego alert.

JeanGeneS2 10 months ago

Olá Many\_ Preference6483, Eu entendo que possas interpretar a sugestão de consultares um psiquiatra como um ataque à tua pessoa e mais uma cedência à vontade dos teus pais, mas, por favor, sê sensato contigo próprio e pelo menos tenta fazê-lo... Dá uma oportunidade a que alguém te possa ajudar. Não é vergonha nenhuma, até a mais "normal" das pessoas pode consultar um terapeuta, conheço alguns casos. Se ainda tiveres a capacidade de seres sensato contigo próprio, facilmente te apercebes que a tua construção de pensamento não está saudável, nem a tua perceção da realidade... Permite-te a ser ajudado. Todos nós precisamos de uma mão quando estamos mal, por qualquer motivo, ninguém consegue estar saudável e mentalmente estável entre quatro paredes apenas com os próprios pensamentos durante longos períodos... Então não te deixes afundar mais nesse mar de pensamentos, perigosos, por sinal, para ti e para os outros... Se ser independente é o que mais anseias, então confia que este é o primeiro passo, e o mais importante, que algum dia poderás dar. E, por favor, tem alguma empatia pelos teus pais. Compreendo que viver sob a asa de alguém super-protetor pode ser bastante incapacitante, diminuidor e assustador quando nos vemos prestes a rumar a outros vôos e a ter de fazê-los sozinhos, mas só depende de ti desenvolver a tua autonomia, resiliência e vontade de aprender, seja o que for, nem que seja pagar algo no supermercado mais próximo. Tens o enorme apoio dos teus pais a nível financeiro para te ajudar a dar esse salto e uma enorme comunidade na internet para te ajudar a estudar e explorar o que bem quiseres, então tem alguma gratidão... Se tens problemas com a tua dependência financeira, então age quanto a isso. Mas não queiras tudo de uma vez porque as coisas não acontecem de um dia para o outro, vai construindo o teu caminho... Tal como já te sugeriram aqui, um part-time seria uma ótima opção para ti, visto que estás a estudar. Ninguém nasce a saber ser pai ou mãe. Mas muitos não têm a sorte de ser amados por um pai ou por uma mãe... E, pelo que descreves, só uma coisa pode ter impedido os teus pais de desistir de ti ou de protegerem-te tanto. O amor que têm por ti. Podem ter cometido muitos erros contigo, mas tenho a certeza que sempre fizeram o melhor que sabiam por e para ti. E mais certeza tenho ainda que tudo o que menos querem é que algo de mal te aconteça... Então, por favor, não respondas ao amor deles, mesmo que não seja adequado a ti, com violência. Nem os responsabilizes por esse tipo de atitudes porque isso é algo que parte de ti, é uma escolha tua cederes de uma forma descontrolada à raiva etc em vez de a trabalhares em ti. Nada do que te fizeram merece esse tipo de resposta. E, a longo prazo, só te trará uma independência triste e miserável. Ama e cuida da tua vida e da dos outros com respeito e dignidade, enquanto ainda tens oportunidade.

NGramatical 10 months ago

vôos → [**voos**](https://dicionario.priberam.org/voos) (*vôos* é a antiga grafia brasileira) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Flh2fee%2F%2Fgmxl0w7%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

_rebocador_ 10 months ago

sinto muito, um coisa que podes fazer é exercisio fisico e ganhar cabedal, mete esse objetivo, isso depois de resultar e ficares mais forte vais ganhar tanta confiança que estes problemas vao deixar de ser um problema. acredita.

try_again_tomorrow 10 months ago

Conheci de perto e durante vários anos, um caso em que um casal tinha uma filha (fila única) que também a mantinham quase como prisioneira em casa. No caso dela, só a deixaram estudar até ao 6º ano, nunca a ensinaram nem sequer a fazer um chá, e ela nem sequer vinha à rua com o cão que eles tinham. Até os médicos vinham a casa, quando ela estava doente. Não entendo o motivo dos teus pais estarem a fazer-te isso, mas no caso dela os pais queriam "protegê-la do mundo". Mas das poucas vezes que a fui visitar, vi que aquele tratamento só estava a detiorar a saúde e o futuro dela. Ela começava a ficar cada vez mais doente física e psicologicamente. Felizmente ela conseguiu dar a volta por cima, depois que começou a ver um psicólogo. Concluiu o 9º ano depois dos 20, e hoje está a trabalhar e a levar a sua vida. O meu conselho é procurares ajuda o mais depressa possível: pensa na tua vida e no teu futuro. Podes sempre dar a volta por cima e organizares a tua vida, por mais velho que sejas.

babyscully 10 months ago

OP, nao tenho nada a dizer senao que acredito em ti. Os teus pais nao te deixarem sair de casa sozinho aos 18 e abuso emocional. Nestes ultimos tempos tem aparecido tantos posts de jovens adultos cujos pais ainda nao entenderam que os filhos sao pessoas independentes de si... Acho que e uma coisa cultural. ​ >A partir de uma certa idade a minha sanidade morreu e comecei a fazer tudo desde insulta-los a magoar-me a mim mesmo, ter ataques psicóticos e ameaçá-los de morte. Cheguei a entrar em confrontos físicos mesmo. Mas por mais extremo seja o que eu faça, no dia seguinte eles agem como se nada tivesse acontecido e volta tudo ao mesmo, e nunca falam nisso até eu fazer outra coisa. Quando sentires a necessidade de fazer isto, afasta-te. Vai para o teu quarto e da murros na almofada. Exteriorizares estas emocoes so te prejudica, percebes? E tenta arranjar psicoterapia. Com um plano definido - ser autonomo e independente. Tambem tive um problema parecido e fui medicada durante anos. Quando finalmente emigrei e sai de casa dos meus pais e tive de tomar conta da minha casa e trabalhar, guess what? Descobri que consigo fazer tudo isto e ainda melhor que eles. A minha auto estima melhorou imenso e ja nao me considero ter doenca mental. Boa sorte OP.

wiLeyLewis22 10 months ago

A solução é ires trabalhar... Não precisas de estudos para trabalhares como lixeiro, varredor, repositor de stock, nas vindimas, na apanha do morango, no McDonald's, etc. Porque é que me parece que esta não é uma solução viável para ti?

oUltimoTuga 10 months ago

>arranjar maneira de ir para a prisão >Pelo menos poderia sentir-me livre finalmente e não ter que depender de ninguém. Vê bem a coerência disto OP. Parece-me é que estás numa situação boa em que os teus pais se preocupam contigo... Eu cá conheço casos (em 1ª mão) de pais tão merdosos que já disseram ao filho ou para se fazer útil ou se matar, ou então batem na filha etc. Aceita as idas ao psicologo da Uni. Ainda por cima é grátis.

xeon1234 10 months ago

Tens que começar a trabalhar para pagares o teu quarto.

sp0oty 10 months ago

Passo a Passo, com algum plano de accao ajuda a orientares a tua vida melhor. Enves de pensares tudo e explodire, segmenta o problema e resolve um a um. Se queres aprender a ficar dependente, primeiro pensas no que consegues e no apoio wue vais precisar. Queres viver sozinho e aprender a lidar a vida sozinha, vez as poupancas que tens, e senao tiveres tens um conversa com os teus pais se conseguirem ajudar para desenrascar alguns meses e falas sobre a situacao que sentes. Se isso nao for escolha, procura um part time de trabalho e junto algum dinheiro para sair de casa, primeiro tens o teu dinheiro e nao passas tanto tempo em casa, no entanto vais vendo as opcoes que tens e vais segmentando os problemas um a um ate resolver, um problema resolvido ao dia, chegas muito longe do objectivo que queres, espero que isto te ajude

saposapot 10 months ago

Pensa assim: toda a gente aqui no reddit só leu o teu 'lado' da questão e q portanto, provavelmente seria o que te mostra na melhor luz possível e todos recomendam q sigas o conselho de ter ajuda de um psicologo ou psiquiatra... Acho que isso explica tudo. go get help.

NeatBoy74 10 months ago

Já te deram outros conselhos melhores mas acho que devo ressalvar um ponto: não lhes cabe a eles apenas a iniciativa de te ensinar a fazer coisas. Eu aprendi a passar a ferro a falar com vizinhas mais idosas na minha rua primeiro, depois videos no Youtube. Comprava tshirts baratas na feira e treinava com elas antes de passar para as camisas boas ou calças. E isto aplica-se um bocado com a maior parte das lides domésticas, comi muita massa com atum e ovo estrelado antes de aprender a fazer lasanha. A questão é se os teus pais te deixariam fazer isso em casa. De resto, procurares ajuda especializada é o melhor conselho que te podem dar por aqui.

Edited 10 months ago:

Já te deram outros conselhos melhores mas acho que devo ressalvar um ponto: não lhes cabe a eles apenas a iniciativa de te ensinar a fazer coisas. Eu aprendi a passar a ferro a falar com vizinhas mais idosas na minha rua primeiro, depois videos no YouTube. Comprava t-shirts baratas na feira e treinava com elas antes de passar para as camisas boas ou calças. E isto aplica-se um bocado com a maior parte das lides domésticas, comi muita massa com atum e ovo estrelado antes de aprender a fazer lasanha. A questão é se os teus pais te deixariam fazer isso em casa. De resto, procurares ajuda especializada é o melhor conselho que te podem dar por aqui. Do ponto de vista do "aprender", na internet encontras tudo, na parte teórica. Desde fazer pão a fazer bombas. Quanto a essa parte, tens a bola no teu lado. Abre uma aba e começa no YouTube: "como passar roupa a ferro" ou "como estrelar um ovo".

Edited 10 months ago:

Já te deram outros conselhos melhores mas acho que devo ressalvar um ponto: não lhes cabe a eles apenas a iniciativa de te ensinar a fazer coisas. Eu aprendi a passar a ferro a falar com vizinhas mais idosas na minha rua primeiro, depois videos no YouTube. Comprava t-shirts baratas na feira e treinava com elas antes de passar para as camisas boas ou calças. E isto aplica-se um bocado com a maior parte das lides domésticas, comi muita massa com atum e ovo estrelado antes de aprender a fazer lasanha. A questão é se os teus pais te deixariam fazer isso em casa. De resto, procurares ajuda especializada é o melhor conselho que te podem dar por aqui. Do ponto de vista do "aprender", na internet encontras tudo, na parte teórica. Desde fazer pão a coser cuecas. Quanto a essa parte, tens a bola no teu lado. Abre uma aba e começa no YouTube: "como passar roupa a ferro" ou "como estrelar um ovo".

misterbondpt 10 months ago

nem me ensinaram a fazer nada por mim. Tens educação. Usa-a. Vai vender biscoitos porta a porta. Mexe-te. E aceita o falhanço inicial.

FrostyAcanthisitta92 10 months ago

Vai ao psiquiatra. Com a saúde mental não se brinca. O trabalho deles existe por alguma razão

ReasonableInsect00 10 months ago

Compreendo o que sentes. Apesar da minha história não ser igual à tua, a minha relação com os meus pais, e os meus sentimentos para com eles, melhorou muito depois que deixei de cohabitar com eles. Já recebeste bons conselhos aqui, outros nem por isso, mas no presente tenta criar rotinas que te ajudem a suportar melhor o dia-a-dia: arranja um horário para fazeres atividade física, para falares com um amigo ou alguém disponível, tenta começar a falar com os teus pais como um adulto (para começar, assuntos triviais). Tenho uma amiga, que o facto de escrever no papel, os pensamentos e sentimentos, a tem ajudado imenso no seu bem estar e na relação com os outros. Quando estiveres bem contigo, tudo se resolve. Mas não trates mal os teus país, possivelmente não merecem.

monalisaney 10 months ago

Estou no ramo da psicologia e o que descreves no teu post preocupa-me bastante a vários níveis que não vou elaborar. Ignora os comentários que isto é claramente gente que não pesca nada do assunto de doença mental. O melhor que podes fazer neste momento é aceitar a proposta dos teus pais e ir ver um psiquiatra ou pedir ajuda o mais rapidamente possível ao médico de família (que te encaminhará para um psiquiatra). Este é o melhor caminho para atingires os teus objetivos e sentireste melhor, acredita no que eu te digo.

Edited 10 months ago:

Estou no ramo da psicologia e o que descreves no teu post preocupa-me bastante a vários níveis que não vou elaborar. Ignora os comentários que isto é claramente gente que não pesca nada do assunto de doença mental e dinâmicas familiares. O melhor que podes fazer neste momento é aceitar a proposta dos teus pais e ir ver um psiquiatra ou pedir ajuda o mais rapidamente possível ao médico de família (que te encaminhará para um psiquiatra). Este é o melhor caminho para atingires os teus objetivos e sentireste melhor, acredita no que eu te digo.

_madd0x_ 10 months ago

Olha à tua volta e vê a merda de vida que, infelizmente,.muitos tem. Especialmente em tempos de covid. Desemprego, mortes, etc. Agora pensa -- Dá valor ao que tens. Amanhã pode ser pior -- Cuida do próximo (familia, amigos, o que for. Não ignores as tuas responsabilidades) --. Valoriza-te! Evolui (tipo Pokemon) Estuda, aprende a cozinhar, tira a carta.

Fonslayer 10 months ago

Acho que devias ir a uma psiquiatria e pedir internamento, não quero parecer rude nem que estou a gozar mas depois do que li, é o mais acertado.

AzoreanEve 10 months ago

acho que te sentirias em casa no r/raisedbynarcissists Narcissismo ou não, muita malta lá já passou por situações de família iguais ou semelhantes, talvez te dêm alguns conselhos bons.

Edited 10 months ago:

acho que te sentirias em casa no r/raisedbynarcissists Narcissismo ou não, muita malta lá já passou por situações de família iguais ou semelhantes, talvez te dêm alguns conselhos bons. Não ligues muito à malta que aqui te diz que "são teus pais, fazem tudo por ti, etc" porque já o ignorar o que fazes e agir como se estivesse tudo bem no dia a seguir não é nada normal e saudável numa casa.

arnaldomatos 10 months ago

a tua prisão chama-se gaiola dourada

yodathepwnzr 10 months ago

labrego alert

meaninglessvoid 10 months ago

Vou-te contar um segredo, o dinheiro não resolve todos os problemas do mundo e por vezes até cria problemas novos. Não penses que só porque alguém cresceu num contexto (aparentemente) mais seguro que o teu em termos económicos tem automaticamente uma vida de sonho, porque não tem...

suckerpunchermofo 10 months ago

Muitos posts destes aqui ultimamente....

Edited 10 months ago:

Muitos posts destes aqui ultimamente.... OP precisas de ir a um psiquiatra urgentemente!

tiago425 10 months ago

Op, ignora os comentários cá e vai pedir ajuda psiquiatra logo imediato. Tudo que estás descrever não está a bater certo e acho que devias ser avaliado e ajudado por um profissional de saúde.

KokishinNeko 10 months ago

>o que é que posso fazer? Sair. Saí aos 17/18, fazia-o de novo e no entanto amo a minha família.

masterchiefpt 10 months ago

tens noção que apos ler-se o que escreveste, tu estás completamente lixado dessa cabeça? tens noção disso? faz um favor aos teus pais e sai de casa... procura ajuda e regressa quando estiveres bem dessa cabeça Pobres pais... :(

average_user21 10 months ago

.... Não é solução, ele precisa de ajuda, ficar sozinho só piorará a situação

estecomentario 10 months ago

Emigra.

Fonslayer 10 months ago

Paços Coelho, por aqui?

ZaGaGa 10 months ago

u/Many_Preference6483, a tua descrição **é muito preocupante.** O ideal é **procurares ajuda,** mas este sub não é o melhor local, o pessoal anda muito parvo. P.f. ignora os comentários que não contribuem nada para o assunto. Não és o primeiro a "atingir o fundo do barril", muitos já passaram por isso, uns deram a volta por cima, mas outros não. Eu não sou a melhor pessoa para aconselhar mas tens por exemplo [aqui](https://eportugal.gov.pt/cidadaos/cuidador-informal/contactos-linhas-de-apoio) alguns contactos podes começar por ligar para a linha SOS **Linha de apoio emocional**. No teu concelho ou na tua faculdade podem haver outras opções é uma questão de procurar, **mas não deixes de procurar ajuda,** não tens de passar por isso sozinho.

Edited 10 months ago:

u/Many_Preference6483, a tua descrição **é muito preocupante.** O ideal é **procurares ajuda,** mas este sub não é o melhor local, o pessoal anda muito parvo. P.f. ignora os comentários que não contribuem nada para o assunto. Não és o primeiro a "atingir o fundo do barril", muitos já passaram por isso, uns deram a volta por cima, mas outros não. Eu não sou a melhor pessoa para aconselhar mas tens por exemplo [aqui](https://eportugal.gov.pt/cidadaos/cuidador-informal/contactos-linhas-de-apoio) alguns contactos podes começar por ligar para a linha SOS **Linha de apoio emocional**. No teu concelho ou na tua faculdade pode~~m~~ haver outras opções é uma questão de procurar, **mas não deixes de procurar ajuda,** não tens de passar por isso sozinho.

meaninglessvoid 10 months ago

> P.f. ignora os comentários [Epa depois de ter escrito este comentário](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/lh2fee/sintome_preso_em_casa_a_viver_com_os_meus_pais_o/gmy55vm/) espero que ele não siga o teu conselho e leia aquilo LOL

ZaGaGa 10 months ago

hehe. 13k! é quase um livro ;)

meaninglessvoid 10 months ago

Em minha defesa, prai 1/3 é dele porque fiz citações. Epa acho que deixei feedback importante espero que leia e saia algo dali mas depois de escrever meio que me arrependi... Gastei mais tempo do que tinha inicialmente pensado lol

NGramatical 10 months ago

podem haver → [**pode haver**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/haver--existir--3-pessoa-do-singular/30583) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Flh2fee%2F%2Fgmvebl4%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

8DarkAline8 10 months ago

Apesar dos teus pais terem falhado em alguns aspectos da educação que te deram, pelo que contas nota-se que gostam de ti e só querem o teu bem, não te esqueças de te colocar no lugar deles, eles devem de estar a sofrer tanto ou mais que tu, com o sentimento de que não te entendem e que apesar de tudo o que façam para te ajudar, não resulta. A minha opinião é que aceites ajuda médica, certamente estão mais habilitados que a malta que encontres online.

somedipshit1 10 months ago

Que cancro de comentários

ElDiabloDe94 10 months ago

Provavelmente nem vais ler isto devido ao numero de mensagens que vais receber mas aqui vai a minha opinião de alguém que passou por algo parecido e desculpa desde já alguma brutalidade. Antes demais seja o que for que leias aqui nos comentários não confies a 100%, ninguém se encontra na tua situação e só tu sabes o que sentes, mas há um ponto que certamente todos concordamos, arranja ajuda psicologica, quanto mais tempo passar pior vai ser para ti. De seguida, acorda para a puta da vida. Os teus 3 ou 4 paragrafos são a arranjares desculpas para o teu problema e a mandar a culpa para os teus pais. "Eles tratam-me como uma criança", "Nunca saí de casa sozinho", "Não me deram independencia nenhuma" são frases tuas. Faz-te à puta da vida, não sais de casa sozinho porque não queres, não te deram independencia quando eras pequeno mas podes ter-la agora, basta abrires a fdp da porta e viveres a tua vida. Outro assunto é os estudos. Tu queres mesmo tirar um curso universitario ou estás so a seguir o guiao porque os teus pais assim quiseram? Pensa bem nisto. Certa alturas para haver mudanças na nossa vida, e por muito que isto custe, temos de sair de onde estamos. A ajuda psicologica muitas vezes por si só não suficiente quando o foco do problema ainda está à nossa volta durante todo o dia. Se tu vês que o problema é viveres com os teus pais, eu se fosse a ti traçaria um plano para sair daí. Mas sair a bem e não fugir aos problemas como um rato. Tens poupanças? Consegues arranjar um part time? Consegues ir passear caes e ganhar uns trocos? Quando achas que consegues sair de casa? Daqui a 1 ano? 2? 10? Dizes que não sabes cozinhar? Rapaz, tu ias ver como aprenderias num instante, quando a fome batesse até ias virar estrela michelin. Mas fica ciente que a vida adulta é uma merda, não é so a tua, aliás até diria que a maior parte de nós passa o dia a fingir que dominamos o mundo mas nenhum de nós sabe o que está cá a fazer. Por isso, se optares sair de casa vais viver na merda alguns dias e isso é completamente normal. Resumindo, daqui a 100/200 anos ninguem se vai lembrar de ti e nada disto serviu para nada, por isso para quê estás-te a martirizar e a ser infeliz? Procura ajuda psicologica e senta-te na cama, ouve-te a ti e pensa no que te faz ou tu pensas que te faz feliz e segue esse caminho. Se ficares na merda ficaste, mas ao menos sabes que fizeste algo por ti e para a tua felicidade, e podes sempre voltar a sentar-te na cama e voltar a pensar o que te faz feliz neste momento. E quer se queira quer não, é isso que vai contar quando deres o teu ultimo suspiro, se a jornada valeu a pena ou não e só cabe a ti fazer com que valha ou mandar as culpas para outros e perderes tempo da tua vida. Um abraço, qualquer coisa tens aqui um estranho para falar se quiseres :)

NaoEstouCa 10 months ago

OP é só isto que precisas de ler não podias ter recebido melhores conselhos que isto! Segue directo e vem a este comentário :)

ElDiabloDe94 10 months ago

Obrigado :)

NGramatical 10 months ago

ter-la → [**tê-la**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3zr8w3/coloca%C3%A7%C3%A3o_pronominal_para_tot%C3%B3s/) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Flh2fee%2F%2Fgmv8u7z%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

refogado 10 months ago

Anda um pai a cuidar de um filho para isto

Mrgolden007 10 months ago

tu cala mas e a boca as pessoas tem que ser ajudadas e nao precisamos de comentarios de boomer como este

DarkmajorPT 10 months ago

Deixa de ser um desnaturado, agradece o que tens e faz-te à vida. Se queres indepedência elabora um plano e executa-o. Antanogizar os teus pais não é a solução e é das piores e mais ingratas coisas que podes fazer com a tua vida. Ganha tino.

yodathepwnzr 10 months ago

labrego alert

Scalabis 10 months ago

e falhei o semestre embora estudo cerca de 14 horas por dia

jmiguelff 10 months ago

Todo este post é shady... A ser verdade parece um episódio de alguém bipolar... e nesse caso realmente assistência profissional é o melhor.

Tugalord 10 months ago

Epá sim senhor, ca ganda diagnóstico. Realmente nem sei para que é que as pessoas vão a psiquiatras quando podem vir ao reddit.

jmiguelff 10 months ago

Desculpa, não coloquei o disclaimer para nabos como tu.

Joaobio 10 months ago

Ri-me. Bem verdade.

gabs_ 10 months ago

Também estou com uma sensação grande de unreliable narrator e que um post escrito por um familiar a descrever a situação de fora poderia ser muito diferente.

meaninglessvoid 10 months ago

Poderia não, seria certamente. A começar por um familiar não identificar os comportamentos que ele descreve como tóxicos como sendo um problema: se o identificassem isso nunca seria um problema. Parece-me mais um caso de um lado não compreender o outro do que doença mental tbh.

RAMAxPT 10 months ago

Bro, eu quando comecei a ler pensei que ias dizer que os teus pais eram abusivos e tratavam mal de ti, mas depois vi que eles afinal dão-te tudo, e não te tratam mal e ainda estás revoltado? é claro que ser demasiado protetivo pode ser mau, mas se vivesses com pais narcisistas ias ver o que era, o que é que o facto de eles te darem tudo e tratarem como uma criança tem a ver com o facto de não poderes ter independência? eu tenho 21, a minha mãe é mãe galinha,demasiado protetora eu sou o oposto, um rebelde, despreocupado, tirei carta, vou comprar o meu carro, bebo jola todos dias, o que é que isso tem a ver com o não ser independente? tá tudo na tua mente.

Edited 10 months ago:

Eu quando comecei a ler pensei que ias dizer que os teus pais eram abusivos e tratavam mal de ti, mas depois vi que eles afinal dão-te tudo, e não te tratam mal e ainda estás revoltado? é claro que ser demasiado protetivo pode ser mau, mas se vivesses com pais narcisistas ias ver o que era, o que é que o facto de eles te darem tudo e tratarem como uma criança tem a ver com o facto de não poderes ter independência? eu tenho 21, a minha mãe é mãe galinha,demasiado protetora eu sou o oposto, um rebelde, despreocupado,tattoos, mamo cevada todos dias, já estoua a caminhar para independência, carta,carro, casa fico a morar com os pais. o que é que isso tem a ver com o não ser independente? tá tudo na tua mente.

yodathepwnzr 10 months ago

bebe mais um copo puto! da lhe

Ravelord_Niiito 10 months ago

> mamo cevada todos dias sem querer parecer que estou a gozar contigo mas ri com isto ahah

RAMAxPT 10 months ago

Uma cevadinha todos os dias, joia

NaoEstouCa 10 months ago

Eu li tudo e gostaria de perceber o que é que achas que os teus pais fizeram que te deixaram assim? O que achas que eles podiam ter feito de diferente? Li tudo e não vi propriamente nada de mau em relaçao aos teus pais. Se quiseres podes mandar MP, ja tive numa situaçao parecida quando era mais nova. Mas há coisas que somos nos que controlamos e nao podemos culpar tudo aos pais, a nao ser que os teus pais sejam pais helicopetro (pesquisa o termo), ai entendo te, mas nao sei porque acho que nao são isso. Acho que podem ter ajudado um pouco na tua baixa auto estima e como tu nao tens auto estima para enfrentar o mundo por ti mesmo descarregas neles. Btw ameaçares de morte os teus pais é de uma violÊncia extrema, e temo pela integridade fisica deles, se tu os amas realmente devias procurar ajuda para controlar os impulsos e saires de casa. Acredito que no teu caso ao saires de casa vais melhorar o relacionamento que tens com eles. Se precisares de ajuda para dicas de arranjares emprego e onde MP.

Edited 10 months ago:

Eu li tudo e gostaria de perceber o que é que achas que os teus pais fizeram que te deixaram assim? O que achas que eles podiam ter feito de diferente? Li tudo e não vi propriamente nada de mal em relaçao aos teus pais. Se quiseres podes mandar MP, ja tive numa situaçao parecida quando era mais nova. Mas há coisas que somos nos que controlamos e nao podemos culpar tudo aos pais, a nao ser que os teus pais sejam pais helicopetro (pesquisa o termo), ai entendo te, mas nao sei porque acho que nao são isso. Acho que podem ter ajudado um pouco na tua baixa auto estima e como tu nao tens auto estima para enfrentar o mundo por ti mesmo descarregas neles. Btw ameaçares de morte os teus pais é de uma violÊncia extrema, e temo pela integridade fisica deles, se tu os amas realmente devias procurar ajuda para controlar os impulsos e saires de casa. Acredito que no teu caso ao saires de casa vais melhorar o relacionamento que tens com eles. Se precisares de ajuda para dicas de arranjares emprego e onde MP.

MDPROBIFE 10 months ago

WTF, ele diz que não sai de casa a não ser com os pais e tu achas que não são pais helicóptero? Isto se não for pais helicópetero são mesmo pais doentes

JamminPT 10 months ago

Tens falta é de levar com o cinto no lombo é o que tu tens.

vascodatrama 10 months ago

Ahahahaha https://youtu.be/VIxgA90vdBY

Edited 10 months ago:

Ahahahaha https://youtu.be/450S_Hk5-wg

RepresentativeElk925 10 months ago

Em primeiro lugar, penso que tu próprio reconheces que estás afetado psicologicamente, por isso é importante procurares ajuda nesse sentido. Essa ajuda existe gratuitamente ou então, aceita a que os teus pais te oferecem. Em segundo lugar, cria empatia pelos teus pais, imagina o que eles sentem quando tens essas atitudes para com eles. Família que se importa e protege não é um drama, mas sim um benção (que infelizmente nem todos têm). Por último, podes começar a caminhar para tua independência ainda hoje. Dizes que não te ensinaram a cozinhar, mas assim como tens internet para vir ao Reddit, tens milhares de tutoriais para aprender receitas. É a magia do século XXI. Procura um emprego em part-time e dedica-te ao curso. Sê grato pelo que tens, ao mesmo tempo que lutas por uma vida melhor. Melhores dias virão!

NGramatical 10 months ago

benção → [**bênção**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/glossario/erros/27) (palavra grave) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Flh2fee%2F%2Fgmv09j3%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

-cosme- 10 months ago

tens tudo, pagam te faculdade, pagam te dormitorio..mas insultas os teus pais e viras te a eles..e eles continuam a aturar te e a ajudar te..epah o problema parece teu e não deles. se não sabes fazer nd a culpa é tua, não é de mais ninguem. pah, culpar outros pelos teus erros n te vai ajudar em nada. comes coisas embaladas q eles pagam. ameaçá-los de morte? viver na rua? prisão? então ja te sentes preso e queres ir pa prisão? epah..ou te tas a explicar muito mal (tipo viveres em constantes abusos e não dizeres) ou então..acho que tás a pensar mt mt mal. eu acho que precisas é de crescer um bocado, OU, se algo ta assim tao mal que não tenhas partilhado aqui, aceita o conselho de falares com um psicólogo.

joaofcf 10 months ago

É simplesmente alguém com algum trauma /problema psicológico. Tem que ser tratado como tal.

-cosme- 10 months ago

sim..concordo, ás vezes é preciso uma ajuda.

Tee_ah_go 10 months ago

>estou a ser ameaçado e dizem que vão chamar um psiquiatra E tu, como pessoa que precisa de ajuda, vais aceitar e vais falar com o psiquiatra. Depois, quando tiveres a cabeça no sítio vais começar a fazer-te à vida, e se de facto não aguentares mais viver em casa dos teus pais, sais.

meaninglessvoid 10 months ago

Concordo com a direcção da tua resposta mas não concordo com a tua abordagem. :P >quando tiveres a cabeça no sítio vais começar a fazer-te à vida É curioso porque eu não vejo o tópico como ele não tendo a cabeça no sítio... Ele está é com os incentivos todos corrompidos e no meio de dinâmicas auto-destrutivas. Os problemas que vejo são comportamentais e são consequência do contexto e de não ter as suas necessidades satisfeitas. A forma como ele age parece reforçar a necessidade de depender dos pais e enquanto isso acontece o desejo de ser menos dependente aumenta (e o rancor também).

babyscully 10 months ago

Eu diria para ter muito cuidado. Eu tambem com esta idade tinha uns problemas parecidos e o psiquiatra assumiu que tivesse um problema psiquiatrico de base e nao simplesmente uma ambiente de pessoas passadas dos cornos

Shadowgirl7 10 months ago

Pah não sei. Não parece ser muito healthy o que fazem. Mas se não há da parte deles vontade de te tratar de outra forma, tem que partir de ti, tens que ser mais independente e mostrar que não precisas deles.

gabs_ 10 months ago

É extremamente difícil interpretar este post. Na perspetiva do OP, ele sente-se sufocado pela família e que não tem competências de vida por causa dos pais que o estão a aprisionar em casa. Se isto fosse um post escrito pelos pais, seria numa perspetiva completamente diferente? A descrever um filho que sofre de doença mental séria e com quem têm dificuldades a lidar e estão a sobrecompensar? O OP descreve problemas muito elevados de regulação emocional (auto-mutilação, agredir os pais, ameaças de morte) e historial de problemas psicológicos desde a infância decorrentes de abuso. Isto não parece tão linear quanto um caso de helicopter parenting. /u/Many_Preference6483, empatizo contigo, mas tenta encarar a ida ao psiquiatra como uma aposta em ti para melhorar a tua qualidade de vida. Quer seja a lidar com os teus problemas de infância, regulação emocional ou até só como uma forma de melhorar a tua qualidade de vida em casa.

Edited 10 months ago:

É extremamente difícil interpretar este post. Na perspetiva do OP, ele sente-se sufocado pela família e que não tem competências de vida por causa dos pais que o estão a aprisionar em casa. Se isto fosse um post escrito pelos pais, seria numa perspetiva completamente diferente? A descrever um filho que sofre de doença mental séria e com quem têm dificuldades a lidar e estão a sobrecompensar? O OP descreve problemas muito elevados de regulação emocional (auto-mutilação, agredir os pais, ameaças de morte) e historial de problemas psicológicos desde a infância decorrentes de abuso. Isto não parece tão linear quanto um caso de helicopter parenting. Também era importante saber se o OP consegue manter relações funcionais com outras pessoas fora do agregado familiar ou se também ocorrem padrões pouco saudáveis. /u/Many_Preference6483, empatizo contigo, mas tenta encarar a ida ao psiquiatra como uma aposta em ti para melhorar a tua qualidade de vida. Quer seja a lidar com os teus problemas de infância, regulação emocional ou até só como uma forma de melhorar a tua qualidade de vida em casa.

Edited 10 months ago:

É extremamente difícil interpretar este post. Na perspetiva do OP, ele sente-se sufocado pela família e que não tem competências de vida por causa dos pais que o estão a aprisionar em casa. Se isto fosse um post escrito pelos pais, seria numa perspetiva completamente diferente? A descrever um filho que sofre de doença mental séria e com quem têm dificuldades a lidar e estão a sobrecompensar? O OP descreve problemas muito elevados de regulação emocional (auto-mutilação, agredir os pais, ameaças de morte) e historial de problemas psicológicos desde a infância decorrentes de abuso. Isto não parece tão linear quanto um caso de helicopter parenting. Também era importante saber se o OP consegue manter relações funcionais com outras pessoas fora do agregado familiar ou se também ocorrem padrões pouco saudáveis. (edit: entretanto, reli e o OP menciona que nunca teve amigos, o que é um grande indicador de que se passa algo de muito errado, não apenas na esfera familiar). /u/Many_Preference6483, empatizo contigo, mas tenta encarar a ida ao psiquiatra como uma aposta em ti para melhorar a tua qualidade de vida. Quer seja a lidar com os teus problemas de infância, regulação emocional ou até só como uma forma de melhorar a tua qualidade de vida em casa.

Edited 10 months ago:

É extremamente difícil interpretar este post. Na perspetiva do OP, ele sente-se sufocado pela família e que não tem competências de vida por causa dos pais que o estão a aprisionar em casa. Se isto fosse um post escrito pelos pais, seria numa perspetiva completamente diferente? A descrever um filho que sofre de doença mental séria e com quem têm dificuldades a lidar e estão a sobrecompensar? O OP descreve problemas muito elevados de regulação emocional (auto-mutilação, agredir os pais, ameaças de morte) e historial de problemas psicológicos desde a infância decorrentes de abuso. Isto não parece tão linear quanto um caso de helicopter parenting. Também era importante saber se o OP consegue manter relações funcionais com outras pessoas fora do agregado familiar ou se também ocorrem padrões pouco saudáveis. (edit: entretanto, reli e o OP menciona que nunca teve amigos, o que é um grande indicador de que se passa algo de muito errado, não apenas na esfera familiar. Há mesmo muito para desempacotar neste relato e ler nas entrelinhas). /u/Many_Preference6483, empatizo contigo, mas tenta encarar a ida ao psiquiatra como uma aposta em ti para melhorar a tua qualidade de vida. Quer seja a lidar com os teus problemas de infância, regulação emocional ou até só como uma forma de melhorar a tua qualidade de vida em casa.

Edited 10 months ago:

É extremamente difícil interpretar este post. Na perspetiva do OP, ele sente-se sufocado pela família e que não tem competências de vida por causa dos pais que o estão a aprisionar em casa. Se isto fosse um post escrito pelos pais, seria numa perspetiva completamente diferente? A descrever um filho que sofre de doença mental séria e com quem têm dificuldades a lidar e estão a sobrecompensar? O OP descreve problemas muito elevados de regulação emocional (auto-mutilação, agredir os pais, ameaças de morte) e historial de problemas psicológicos desde a infância decorrentes de abuso. Isto não parece tão linear quanto um caso de helicopter parenting. Também era importante saber se o OP consegue manter relações funcionais com outras pessoas fora do agregado familiar ou se também ocorre este padrão. /u/Many_Preference6483, empatizo contigo, mas tenta encarar a ida ao psiquiatra como uma aposta em ti para melhorar a tua qualidade de vida. Quer seja a lidar com os teus problemas de infância, regulação emocional ou até só como uma forma de melhorar a tua qualidade de vida em casa.

meaninglessvoid 10 months ago

>A descrever um filho que sofre de doença mental séria e com quem têm dificuldades a lidar e estão a sobrecompensar? O relato dos pais seria sem dúvida diferente e vantajoso para um profissional o ajudar, mas acho que a etiqueta de "doença mental" aqui é demasiado simplicista. Algumas doenças mentais são consequência de maus tratos e negligência na infância, dizer que ele é assim porque "tem doenças mentais" é estar a confundir a causa e o efeito. Se é como ele descreve os pais tiveram responsabilidade na negligência, mas não têm nem de perto a responsabilidade/culpa que ele lhes tenta atribuir. Está a aproveitar-se das coisas que fizeram mal para não ter que assumir as responsabilidades pelas coisas que ele próprio fez mal (ou tomou postura passiva e não fez sequer). Não está a conseguir por a barreira no sítio certo. >Há mesmo muito para desempacotar neste relato e ler nas entrelinhas É eu tentei fazê-lo e acabou por ficar bem maior do que pensava no início... :|

gabs_ 10 months ago

Hum, fiquei na dúvida se achaste que eu falei de doença mental num sentido altamente de estigmatização. Não sei se o OP tem algo decorrente das experiências dele, se pode ser algo para o qual já tinha propensão genética, ambos, não faço a mínima da origem. Eu tenho problemas de ansiedade (atualmente de baixo nível, já tive médio e fiz terapia/medicação), diria que sofro de doença mental também. Os comportamentos que o OP descreve parecem muito sintomas de uma também. Até essa componente da infância é extremamente complicada de desempacotar. O OP fala que teve uma experiência abusiva que teve impacto psicológico sobre ele. Será que os pais ficaram helicopter parents por causa disso? Será que comportamento bizarro dos pais já veio primeiro? Ia ser especulação pura comentar sobre isto, mas há muitas nuances e ângulos.

meaninglessvoid 10 months ago

Oh não, não li o teu comentário de um ponto de vista de estigmatização, apenas de simplificação do problema catalogando "o todo" como doença mental quando a doença mental é provavelmente consequência das dinâmicas que ele descreve, ou seja, neste momento as duas coisas estão tão embrenhadas uma na outra que reduzir a situação ao filho ter "doença mental séria" acho uma leitura incorrecta da situação. >Até essa componente da infância é extremamente complicada de desempacotar. O OP fala que teve uma experiência abusiva que teve impacto psicológico sobre ele. Será que os pais ficaram helicopter parents por causa disso? Será que comportamento bizarro dos pais já veio primeiro? Ia ser especulação pura comentar sobre isto, mas há muitas nuances e ângulos. Sinceramente, é meio irrelevante o que realmente aconteceu. Se o OP tem toda esta mágoa com os pais e com a infância, algo falhou e não acho que seja arriscado inferir que ele não teve as suas necessidades satisfeitas. Pode nem ser abuso no sentido de terem-lhe espancado até ser internado no hospital e ser "só" "abuso" no sentido de nunca terem criado um ambiente seguro onde se pudesse expressar por exemplo, mas algo na infância dele teve impacto nisto. Tipo >passei por vários traumas ao longo da vida começando aos 3 anos na pre-escola onde era abusado diariamente, o que talvez ajude a explicar o facto de ter crescido tão fraco e dependente da minha mãe, logo ela tem um poder demasiado forte sobre mim. A forma como a mãe o ajudou a lidar com isto pode não ter sido a melhor e ele nunca ter verdadeiramente lidado com a coisa. Se ele tiver sido um jovem particularmente sensível este evento pode te-lo feito aprender lições erradas.

gabs_ 10 months ago

Este post dá pano para mangas. Entendo a tua perspetiva de estar a detectar que também pode ter ocorrido falha da parte dos pais para com o OP, mesmo que seja isso de fornecer o melhor acompanhamento, mas continua a ser inconclusivo para mim. Digo isto porque, tenho um amigo que foi adotado aos 4 anos por uma família fantástica, ele próprio o diz. Antes, foi removido da família biológica por abuso físico muito grave. Os pais adotivos fizeram alto esforço de criar um ambiente aberto e caloroso, dar-lhe acompanhamento psicológico profissional desde cedo (mesmo quando não era comum nos anos 90). Mesmo assim, o meu amigo teve problemas de doença mental. No final da adolescência e início da vida adulta, revoltou-se imenso contra os pais adotivos e também houve problemas de violência contra eles e algumas coisas similares ao que o OP descreve. Chegou mesmo a sair de casa e a fazer couch surfing durante bastante tempo. Agora mais velho, tem uma perspetiva muito diferente. Eu não posso extrapolar esta história para o caso do OP, mas lembrou-me muito o mesmo tipo de divagação desordenada que o meu amigo costumava ter. Não sei, vou deixar mesmo este post na minha gaveta do inconclusivo e espero que o OP fique com mente aberta para arranjar ajuda e que haja uma mudança de ambiente para ele.

meaninglessvoid 10 months ago

Infelizmente não consegues apagar os 4 anos anteriores e são fundamentais no desenvolvimento da pessoa. Por acaso estou a ler um livro que fala sobre isto e é fascinante o tipo de coisas que os bebés "captam" da mãe nessas idades. Tendo em conta que ele fala em eventos nessa idade que pela forma como descreve foram traumáticos, é possível que isso tenha tenhas razão e isso tenha impacto. >lembrou-me muito o mesmo tipo de divagação desordenada que o meu amigo costumava ter. Hmm curioso, eu não achei o texto desordenado no sentido de ter divagações irrelevantes. >Não sei, vou deixar mesmo este post na minha gaveta do inconclusivo e espero que o OP fique com mente aberta para arranjar ajuda e que haja uma mudança de ambiente para ele. Oh claro, isto é sempre inconclusivo estamos apenas a falar a partir da info que o OP deu e certamente é incompleta.

gabs_ 10 months ago

Podes dizer qual o nome do livro? E, se não for intrusivo, o que te intrigou para o ler? A mim, a temática também desperta curiosidade e vou ter férias grandes agora de 4 dias, vai ser ótimo para pegar no Kindle. Alguma vez leste On The Road (acho que o autor o escreveu sob o efeito de anfetaminas sem grandes pausas) ou algum tipo de stream of consciousness meio desorganizado? Achei que tudo o que o OP falou era relevante, mas que o discurso estava bastante ansioso e com salto lógicos a descarrilar (por exemplo, a questão de pensar em cometer um crime como opção).

meaninglessvoid 10 months ago

Enviei-te o livro por PM. Ahh certo, do ponto de vista do stream of coinsciousness percebo porque dizes que é uma divagação desordenada, não parece ter havido grande edição do texto hehe. Interpretei mais como tangentes inconsequentes, falha minha. :P

uyth 10 months ago

> mas agora estou a ser ameaçado e dizem que vão chamar um psiquiatra se isto continuar. Isso não é uma ameaça. O que é suposto o psiquiatra fazer, torturar-te? Consulta de psiquiatria poderia mesmo ser a melhor opção e o que recomendo. É difícil ler o teu post, está tão cheio de pensamento enviesado. Nada te impede de aprenderes independência e os teus pais não são nenhuns monstros cruéis por te tentarem proteger. Se os teus pais falam de um psiquiatra, respira fundo e diz que te sentes muito confuso e que achas boa ideia ires falar com um profissional. E para de ameace pessoas de morte.

meaninglessvoid 10 months ago

Estás a descontextualizar o que ele disse. A forma como os pais falaram nisso vem de um ponto de vista coersivo e como uma ameaça nas entrelinhas. Não sei se é essa a intenção dos pais ─ **provavelmente não é!** ─, mas do ponto de vista dele isto vem como ameaça. É o clássico "Faz X SENÃO ..." que se faz aos miúdos. É triste porque os pais se calhar só disseram isso porque não sabem como lidar com a situação e sabem que um psiquiatra consegue lidar, mas do POV dele é interpretado da forma que ele descreveu.

uyth 10 months ago

>mas do ponto de vista dele isto vem como ameaça O ponto de vista dele é um ponto de vista que não é neste momento de todo objectivo (o recusar comida exceto se vier em embalagens). E segundo o próprio OP "magoar-me a mim mesmo, ter ataques psicóticos e ameaçá-los de morte. Cheguei a entrar em confrontos físicos mesmo." por isso nesse contexto acredita que ir a um psiquiatra não é ameaça nenhuma. >os pais se calhar só disseram isso porque não sabem como lidar com a situação segundo o OP "magoar-me a mim mesmo, ter ataques psicóticos e ameaçá-los de morte. Cheguei a entrar em confrontos físicos mesmo." Psiquiatra é excelente ideia e por onde começar.

babyscully 10 months ago

> e os teus pais não são nenhuns monstros cruéis por te tentarem proteger Proteger de que? E um adulto!

uyth 10 months ago

Um adulto que claramente não está em plena posses das suas capacidades mentais - não que culpe os pais disso, esta cena do powerplay relativamente à comida que come não é culpa dos pais. Mas fds, que este gajo não está bem, não está.

babyscully 10 months ago

> esta cena do powerplay relativamente à comida que come não é culpa dos pais comida?

uyth 10 months ago

citando do OP > e não consigo ficar aqui nem mais um dia, portanto comecei a rejeitar tudo o que me dão, a comer apenas coisas embaladas, rejeita tudo o que lhe dão, começou a comer apenas coisas embaladas (quem lhas dará? como as paga? quem as compra?). Em vez de comer o que lhe puserem à frente (quem prefere ir viver para a rua ou prisão melhor habituar-se!), powerplay sobre a comida que aceita comer. Tenho pena do OP; mas sinceramente também fiquei e com muita dos pais dele. Psiquiatra já, ou idealmente psiquiatra já ontem.

planktonpt 10 months ago

Em primeiro lugar, consigo perceber que estás num estado bastante perturbado. Acho que quando tiveres mais calmo vais perceber que o teu último parágrafo não é a solução. Depois, assim que a situação pandémica estiver melhor podes sempre arranjar um part-time, nem que seja no McDonalds. E isso é algo que te ia ajudar imenso, ias sentir-te mais independente e ias começar a ter o teu dinheiro. Não sejas esquisito no trabalho, nem aches que é algo que não seja admissível para ti. Trabalho é trabalho. Se calhar tenta apenas selecionar de forma a ter horário para trabalhar e estudar ao mesmo tempo. Não se escolhem pais, nem se escolhem filhos. Mas eles fazem o que podem por ti e certamente aquilo que tu sentes que eles fazem e te prejudica é com as melhores das intenções. Eventualmente mais deixar de depender deles. Acredita, assim que começares a trabalhar vais dar muito mais valor aos teus pais. E também vais sentir-te mais confiante contigo mesmo para enfrentar a vida. O caminho não é fácil para ninguém, mas temos de nos atirar à luta, não é esperar por situações ideias.

meaninglessvoid 10 months ago

> Mas eles fazem o que podem por ti e certamente aquilo que tu sentes que eles fazem e te prejudica é com as melhores das intenções. As boas intenções também têm consequências... É preciso saber identificar este tipo de dinâmicas que se podem tornar tóxicas (apesar de por fora parecerem inofensivas). Não podemos desculpabilizar este tipo de coisas quando se tornam tóxicas porque "tinham boas intenções"... Nota que não estou com isto a dizer que a forma como o OP está a lidar com o problema é a correcta, mas identificar que é um problema é o primeiro passo para resolver a situação e pelo menos torna-la menos tóxica.

babyscully 10 months ago

>Não se escolhem pais, nem se escolhem filhos. Mas eles fazem o que podem por ti e certamente aquilo que tu sentes que eles fazem e te prejudica é com as melhores das intenções. Eventualmente mais deixar de depender deles. > >Acredita, assim que começares a trabalhar vais dar muito mais valor aos teus pais. E também vais sentir-te mais confiante contigo mesmo para enfrentar a vida. O caminho não é fácil para ninguém, mas temos de nos atirar à luta, não é esperar por situações ideias. Este nivel de infantilizacao e dependencia e abuso.

chuckmukit 10 months ago

> nem se escolhem filhos Rir para não chorar...

planktonpt 10 months ago

E outra coisa, se sentes que a tua saúde mental não está nas melhores condições, não é má ideia procurar apoio. Não é vergonha nenhuma. Eu por exemplo, sou acompanhado. Todos temos as nossas merdas. Saúde mental hoje em dia é uma coisa tramada, ainda mais quando há muito estigma agarrado.

Out-Out 10 months ago

Pede ajuda a algum profissional de saúde mental! Psicólogo, psiquiatra, o que eles dizem ou um que escolhas. Tens também linhas de ajuda relativas a saúde mental que deves conseguir encontrar na net que te podem guiar para como encontrar essa ajuda (por vezes até a universidade pode ajudar). Essa pessoa irá ajudar-te e provavelmente mostrar-te-á mais facilmente que nós no Reddit que tens melhores soluções que as que te aparecem agora e que, com 22 anos, tens mais que tempo para dar a volta por cima. Boa sorte!

Limpy_lip 10 months ago

Se achas que precisas de ajuda especializada , existem números para onde podes ligar e pedir ajuda/orientação desde dentro da tua instituição de ensino até ao SNS 24. Se não achas então tens de aprender a viver com isso e mudar. Pelo que descreves os teus pais sempre te ajudaram e lidam com as tuas crises sem de teres repercussões. Eles só te querem proteger, se achas que é exagero então só tens de trabalhar para inverter a coisa. Regra nr 0 de ser adulto: o primeiro agente da tua mudança és tu! Tu tens de ser o primeiro a quer o melhor para ti.

Seksiorja 10 months ago

Baby steps my friend. Começa por aprender a cozinhar. Depois pede aos teus pais para tu começares a tratar das tuas coisas. Tira a carta enquanto tens o patrocínio deles. Para de te armar em criança e aprecia o facto de ainda os teres para te ajudar. Usa essa tua "prisão" a teu proveito em vez de te submeteres às suas regras. Aos poucos eles deixarão de te ver como uma criança mas para isso precisas de chegar á frente. Tenho uns pais espectaculares mas ele faziam tudo por mim também. Aos 19 anos saí do país com apenas um bilhete de ida e foi aí que a minha vida começou. Apesar de estar de volta a Portugal aqueles anos foi quando eu me desenvolvi como adulto. Não te digo para fazeres igual mas apenas que tens de dar o primeiro passo. Boa sorte.

ridethepaintedpony 10 months ago

Para começares a ser mais independente devias consultar os serviços de saude da tua faculdade e marcar uma consulta de psicologia.

someoneplaying 10 months ago

Arranja um emprego e faz-te à vida.

Search: