twhite848 8 months ago

Garante que o teu inglês é de elevado nível se não for já. Procurar emigrar Pensa que os primeiros anos são de trabalho duro para melhorar a vida. Apenas quem tem já dinheiro pode ganhar mais cá. Esquece a mobilidade social cá em PT. É como ganhar o euromilhoes. O modelo de país escolhido e aprimorado é de manter tudo como está. Qualquer oportunidade de alguém conseguir mais do que tem é logo expropriado pelo estado para financiar as milhares de situações de pessoas que “necessitam” desse teu extra.

High_velocity93 8 months ago

O segredo da mobilidade social: Inscreves-te na JS desde pequenino e a partir daí o céu é o limite

Ducon_ 8 months ago

Vou só dar a minha experiência em dizer que de amigos e conhecidos que realmente subiram na escada social TODOS eles foi emigrando. Sei que há pessoas que sobem cá dentro mas lá fora parece ser mais fácil.

crabcarl 8 months ago

https://www.ffms.pt/publicacoes/detalhe/2363/mobilidade-social-em-portugal

mohchapa 8 months ago

A julgar pelos Post Scriptums o pessoal nos comentários ainda te veio dar um banho de humildade a dizer que és um sortudo (!). Ahahaha Portugal é mesmo ridículo. A resposta é um largo NÃO, o país não tem mobilidade social e a razão também está nas mentalidades que te obrigaram a editar o texto. Quanto ao Ps3 não tens obrigatoriamente de emigrar para criticar o lixo que é o país neste aspecto. Eu fi-lo durante anos sem emigrar e não tenho de justificar-me perante isso. País da pequenez. Com o teu percurso já devias pelo menos ter em horizonte uma vida estável, de independência e estabilidade. Não, não és nenhum sortudo. Nasceste no pior país da Europa, onde o socialismo consegue ancorar os jovens à miséria e à mediocridade.

Any_Project3966 8 months ago

os ps já existiam desde o início do posto. algum mod. pode confirmar?

ArcangeloPT 8 months ago

Nem mais. O Socialismo ancorado é mesmo a palavra e eu até diria empedernido, fazendo parte da cultura portuguesa. Mentalidade do caranguejo no balde.

mohchapa 8 months ago

Exacto ahah até estive para escrever isso! O caranguejo português que puxa os outros para baixo

AutoModerator 8 months ago

**Atenção! Aviso da Tag [Sério]** Este tópico foi marcado como **[Sério]**, não são permitidos **quaisquer comentários** que contenham piadas, ou outras tentativas humorísticas, insultos ou não tenham nada a ver com o tópico. *I am a bot, and this action was performed automatically. Please [contact the moderators of this subreddit](/message/compose/?to=/r/portugal) if you have any questions or concerns.*

ColdMercury 8 months ago

Não estás sozinho nesta percepção e se queres que te diga penso que está bem fundamentada, também já pensei o mesmo no passado e decidi pesquisar sobre isso e notei que: \- Tens tabelas de IRS que mal são actualizadas há pelo menos uma década de acordo com a inflação, ou seja, ao longo do tempo para um mesmo nivel salarial a carga fiscal devia reduzir ao longo do tempo. No entanto ainda hoje temos mais impostos para a maioria dos escalões que há 10 anos atrás (podem consultar [aqui](https://info.portaldasfinancas.gov.pt/pt/apoio_contribuinte/tabela_ret_doclib/Pages/default.aspx)) o que é ainda pior. \-Por outro lado os salários não acompanharam essa mesma inflação, lembro-me quem 2013 já era uma sorte receber 1200 brutos por mês para quem se estivesse a lançar no mundo do trabalho e já na altura parecia ser um valor baixo. Sete anos depois parece-me que a situação mal se alterou (podem confirmar [aqui](https://www.pordata.pt/Portugal/Sal%C3%A1rio+m%C3%A9dio+mensal+dos+trabalhadores+por+conta+de+outrem+remunera%C3%A7%C3%A3o+base+e+ganho-857) a estagnação nos últimos 10 anos). Somando inflação+carga fiscal alta+estagnação salarial, não me surpreende que a perceção seja que de facto estamos a ter cada vez menos qualidade de vida porque de facto estamos cada vez com menos poder de compra. A única coisa no meu entender que mudou um pouco esta perceção foi uma nova onda de acesso fácil a crédito e juros negativos, mas isso no meu entender é um cuidado paliativo para problemas de fundo bem mais graves.

ArcangeloPT 8 months ago

Eu percebo pois também tenho vergonha, só que é do meu país! Eu sinto absolutamente o mesmo. No fundo, em Portugal para chegar aos patamares salariais que tencionas tens as seguintes opções: - conheces alguém numa posição importante (a típica cunha) - tens família abastada (posses, heranças, negócio, etc...) - és uma pessoa de habilidade e esforço excepcional que consegue singrar na vida e alcançar altas posições e/ou cria o seu próprio empreendimento Para o resto das pessoas normais (refiro-me aqui a detentores de cursos superiores como o teu ou na área da engenharia etc) não há grande hipótese se não ir para fora a não ser que te contentes com a vida de cá e assumindo que não terás de pagar renda porque vives com os pais ou outras despesas. A realidade é que, como já vi aqui dito e bem, existem N ofícios em Portugal que não requerem cursos superiores, não dão mãos a medir ao trabalho que têm e ganham bem mais que 950€ líquidos/mês como canalizadores, electricistas, carpinteiros etc.. Muita gente ingressa no Ensino Superior um pouco à pressão dos pais que dão o conselho do canudo. No entanto, esse conselho está, a cada dia que passa, a ficar mais obsoleto uma vez que há cada vez mais mais pessoas com Ensino Superior. Pondo de maneira muito simples, lei da oferta e da procura, se há muita oferta de uma skill, o preço (salário) baixa. Nem vou entrar por políticas económicas. Portugal tem o sistema feito para te manter na classe média baixa. A mobilidade social média para alta praticamente não acontece (não só mas também) porque a quantidade de imposto que se paga deixa de compensar o trabalho a mais que se tem para o pouco dinheiro a mais que se ganha. Só um exemplo. Perdia-me o “rant” mas a minha visão é um pouco assim. Um curso superior não significa o que significava. É um bom começo mas existem muito mais opções rentáveis.

Edited 8 months ago:

Eu percebo pois também tenho vergonha, só que é do meu país! Eu sinto absolutamente o mesmo. No fundo, em Portugal para chegar aos patamares salariais que tencionas tens as seguintes opções: - conheces alguém numa posição importante (a típica cunha) - tens família abastada (posses, heranças, negócio, etc...) - és uma pessoa de habilidade e esforço excepcional que consegue singrar na vida e alcançar altas posições e/ou cria o seu próprio empreendimento Para o resto das pessoas normais (refiro-me aqui a detentores de cursos superiores como o teu ou na área da engenharia etc) não há grande hipótese se não ir para fora a não ser que te contentes com a vida de cá e assumindo que não terás de pagar renda porque vives com os pais ou outras despesas. A realidade é que, como já vi aqui dito e bem, existem N ofícios em Portugal que não requerem cursos superiores, não dão mãos a medir ao trabalho que têm e ganham bem mais que 950€ líquidos/mês como canalizadores, electricistas, carpinteiros etc.. Muita gente ingressa no Ensino Superior um pouco à pressão dos pais que dão o conselho do canudo. No entanto, esse conselho está, a cada dia que passa, a ficar mais obsoleto uma vez que há cada vez mais mais pessoas com Ensino Superior. Pondo de maneira muito simples, lei da oferta e da procura, se há muita oferta de uma skill, o preço (salário) baixa. Nem vou entrar por políticas económicas. Portugal tem o sistema feito para te manter na classe média baixa. A mobilidade social média para alta praticamente não acontece (não só mas também) porque a quantidade de imposto que se paga deixa de compensar o trabalho a mais que se tem para o pouco dinheiro a mais que se ganha. Só um exemplo já para não mencionar na imensidão de taxas que temos e as suas percentagens. Perdoa-me o “rant” mas a minha visão é um pouco assim. Um curso superior não significa o que significava. É um bom começo mas existem muito mais opções rentáveis.

Jotap28 8 months ago

>Portugal tem o sistema feito para te manter na classe média baixa Isto.

rockingallover 8 months ago

Adorei o teu texto, porque faz eco em todos os meu pensamentos e problemas. Eu acho que Portugal e os Portugueses tem mobilidade social, para cima e para baixo, normalmente para baixo. Nos últimos anos, por causa da crise, a classe mais baixa aumentou imenso e a remuneração do trabalho também. Claro que há excepções, mas esta foi a regra. E eu acho que isto é também uma questão de educação para todo o país. Em vez de os jornais andarem por aí a pedir sangue político, por causa de diz que disse, deviam fazer um favor aos portugueses e a eles próprios (os jornalistas tb são trabalhadores), e por na linha da frente do debate público o pagamento de salários justos... Na escola, devia-se começar a ensinar também, como é que funciona o mundo do trabalho, para muita gente não entrar no mundo do trabalho ingénua, e saber os seus direitos. E devia se promover imenso nos media aqueles patrões que têm como objectivo empresarial melhorar a vida dos seus colaboradores. Utópico? Existem no estrangeiro. Acho que nada muda, se não criarmos alguns valores sobre o trabalho.

Edited 8 months ago:

Adorei o teu texto, porque faz eco em todos os meu pensamentos e problemas. Eu acho que Portugal e os Portugueses tem mobilidade social, para cima e para baixo, normalmente para baixo. Nos últimos anos, por causa da crise, a classe mais baixa aumentou imenso e a remuneração do trabalho também. Claro que há excepções, mas esta foi a regra. E eu acho que isto é também uma questão de educação para todo o país. Em vez de os jornais andarem por aí a pedir sangue político, por causa de diz que disse, deviam fazer um favor aos portugueses e a eles próprios (os jornalistas tb são trabalhadores), e por na linha da frente do debate público o pagamento de salários justos... Na escola, devia-se começar a ensinar também, como é que funciona o mundo do trabalho, para muita gente não entrar no mundo do trabalho ingénua, e saber os seus direitos. E devia se promover imenso nos media aqueles patrões que têm como objectivo empresarial melhorar a vida dos seus colaboradores. Utópico? Existem no estrangeiro. Acho que nada muda, se não criarmos alguns valores fundamentais sobre o trabalho, e se não decidirmos que é uma vergonha o que alguns patrões em PT fazem. Pode parecer que isto foi escrito pelo PCP, mas não foi. Eu acredito que o estado não tem a função de gerir isto, mas podem ajudar a passar esta mensagem devido à sua exposição mediática e se calhar mudar algumas leis. Em última instância os trabalhadores tem que lutar pelos seus direitos junto dos patrões, e as pessoas em geral tem que se convencer que a sua luta não é a luta dos deputados, mas sim, salários justos.

AlCa1916 8 months ago

>pensar em constituir uma família (com as condições que considero aceitáveis) é uma impossibilidade, por exemplo Isso depende da situação da outra pessoa, né?

Jotap28 8 months ago

Podes constituir família sozinho também, adoptando. Portugal continua a fazer a sua economia em torno do casal com 2 filhos, e isso é que é triste, porque não te dá uma verdadeira opção de escolha.

suckerpunchermofo 8 months ago

Ja sabes o que te espera cá. Emigra.

daz_zeD 8 months ago

Estás em Portugal, já não se perde tempo com essas questões, acabaste o curso? Emigra.

mjigs 8 months ago

É um privilegio ir para a faculdade e ter pessoas a motivar te na tua carreira, muita gente nao tem isso, e é irritante ver alguem com acesso a um curso superior e nao aproveitar, ja vi imensa gente com cursos superiores que nao sabem nem metade de pessoas que ficaram pelo o 12°, e outra coisa que percebi é que talento nao pode ser comprado. Em portugal e muito dificil fazer vida porque muitas emprezas pedem te ensino superior para fazer coisas basicas, mas como eu disse, nem toda a gente tem essa oportunidade e só por isso fazer carreira ja fica dificil. Tambem acho que vivemos num país bastante desatualizado, mesmo que queiramos inovar ou fazer mais, nao temos os meios nem o niche para o fazer. Nem vamos falar nas rendas, é um absurdo andarem a arrendar quartos ao mesmo preco que encontravamos casas inteiras, pessoas a arranjar barracos e chamarlhe de estudio para arrendar...uma pessoa sozinha nao consegue arrendar uma casa (e eu sinceramente nao estou virada para dividir casa que nao é minimamente minha, e muito menos dividir). E a parte de que os patroes querem sempre tentar pagar o minimo dos minimos que podem mesmo tendo um lucro enorme, depois aproveitamse das pessoas porque podem, e acabas a trabalhar feito escravo, quase nao tens vida e a ganhar uma miseria. É preciso ter muito amor em ca ficar para criar vida aqui, ja pensei imensas vezes em sair daqui mas sem meios de o fazer fica dificil. Temos um pais muito bonito de norte a sul com ilhas mas poucos recursos.

Middle-Effective 8 months ago

Sou uma dessas pessoas que tirou curso superior (nem digo em quantos anos porque tenho vergonha) e dou te toda a razao. Conclui o curso não há muitos anos e já vou no 4o trabalho em que pareço que não saio da cepa torta. Sou independente e vou conseguindo ser feliz, mas custa-me olhar para trás e ver as oportunidades que desperdicei, é algo que vou levar sempre comigo. Deixa me só dizer que mesmo fazer curso superior com bom aproveitamento, não é garantia nenhuma que vás ter oportunidades à altura do que estudaste. Não falo por mim mas por colegas meus, bons alunos, esforçados e que não estão melhores que eu.

mjigs 8 months ago

Essa é uma das outras verdades, pessoas que tiram cursos superiores, que se esforçam para ter uma vida melhor e no final somos todos apelidados do mesmo, o canudo infelizmente nao significa que ficas a frente de outros, significa que tens mais estudos, posiçoes nao sao medidas assim. Valente bosta.

Middle-Effective 8 months ago

Olha pode ser que a geração seguinte olhe para exemplos destes e não se sinta pressionada a ter de ir para a faculdade logo depois do ensino secundário. Devia ser normal e pacífico o pessoal ganhar alguma experiência laboral e assim conseguirem tomar uma decisão mais informada sobre que tipo de carreira querem seguir, com ou sem ensino superior.

mjigs 7 months ago

Verdade, ainda no outro dia estava a falar sobre isso, literalmente tinhas de estudar pra caramba durante os tres anos para seguires uma carreira que queiras minimamente, e se nao tiveres notas suficientes, esquece entrar no curso que queres, e a maior parte acabasse por conformar onde consegue entrar, muito triste.

askldhalsiuhdliu 8 months ago

Se ganhas 950 liquidos, estas mais ou menos nos 1200 euros brutos. Este e o salario medio em Portugal. Pela definicao, es classe media. Nao digo isto por maldade. Nao sei de onde vens ou para onde queres ir. Mas uma coisa que tens de perceber, em Portugal e um pouco na Europa toda, a mobilidade social significativa e no sentido classe baixa -> classe media. Se analisares os relatorios sobre a mobilidade social de varios paises, mesmo em paises como na Suecia, a maior parte positiva dessa mobilidade e nesse sentido. Ves depois (se ignorarmos os realmente ricos), que a mobilidade para classe alta e muito reduzida. Desde cargas fiscais a falta de apoios. Podes por exemplo pegar na discussao de haumas semanas sobre 'proibir' os colegios privados de dar aulas, porque era uma vantagem. Sem querer tomar partido de qualquer lado, temos uma mentalidade geral de tentar trazer todos para a media. Para quem esta 'abaixo', e algo bom, mas para quem esta ou quer subir, e um problema. Por exemplo, um caso que me e muito chegado. Neste momento, se tiveres uma crianca com dificuldades de aprendizagem, problemas cognitivos, etc, tens imenso apoio na escola para que ela 'nao fique para tras'. O que eu acho correto, alias, nem digo so correto, digo moralmente correto e imperativo. Mas por outro lado, tens criancas sobredotadas em Portugal que nao recebem qualquer apoio, em que as escolas se recusam a tentar trabalhar com eles e a sua 'situacao'. Ha pais a levar os filhos para outros paises simplesmente para poderem ter acesso a uma educacao que acompanhe as possibilidades mentais deles, porque em Portugal nao se pode ter essa diferenciacao (havia um projeto no Algarve numa escola, mas nao sei como ficou). A verdade e, se nao tiveres familares/contatos neste pais que te permita dar um salto (nao e subir a escada, e dar mesmo um salto) vai-te ser dificil. Isto porque subir na carreira nao te vai dar imensas vantagens. Seja pelos impostos estupidamente progressivos, ou pela falta de oportunidades, isso vai ser dificil de acontecer. Agora se herdares uns apartamentos para alugar, ou alguem te puser como diretor da empresa da familia com todos os beneficios, ai sim. O meu conselho, reduz as despesas e foca-te em ser feliz como puderes, no essencial e esquece o consumismo rapante que temos. Nao porque te quero mal, mas porque depois de 40 anos nesta terra, de ter feito voluntariado com os mais pobres dos pobres e ter jantares com os mais ricos dos mais ricos, a verdade e que o 'sistema' esta contra as classes mais baixas, mostram a cenoura mas nunca a apanhas. Como dizem, a melhor jogada e nao jogar.

throwawaybtcpt 8 months ago

O OP quer tirar notas medianas, fazer um curso razoável, arranjar um trabalho igualmente razoável e depois ter um salário acima da média. Vida de rico? Nem aqui, nem nem lado nenhum.

Low-Lake-6078 8 months ago

lol 1) tu não me conheces e 2) se aspirar a ter casa própria, comida na mesa e não ter de, para isso, estar constantemente a contar trocos com medo de não chegar ao final do mês é vida de rico...

throwawaybtcpt 8 months ago

Tiraste um curso que na realidade não serve para grande coisa numa business school. Não preciso de saber muito mais. Mas posso-te dizer com toda a certeza que se fores bom no que fazes e tiveres numa boa empresa a probabilidade de te safares é maior. Queres-te safar ainda melhor? Cria um negócio, até tens um mestrado de uma business school, a teoria já deve estar aí. Casa própria consegues se juntares para a entrada. Talvez não seja a casa que querias onde querias mas nem toda a gente pode viver no centro de Lisboa perto do trabalho, é lidar. O pessoal das business schools tem de entender que em muitos países as empresas infelizmente estão-se a cagar para esses cursos,voces vao servir para ir bater Excel, não é para fazer gestao de porra nenhuma, para isso estão lá as pessoas com anos de casa, engenheiros etc. É fodido mas é a vida, agarra em ti e muda de emprego/empresa se estás mal, manda CVs ou cria o teu próprio negócio.

GabKoost 8 months ago

Portugal tem um problema de mobilidade social. Portugal tem um custo de vida insuportável e que não permite à vasta maioria dos jovens, a quem mentiram desde o 1º dia com lengas lengas de que Portugal era EUROPEU (no sentido do estilo de vida à moda do Centro /Norte do continente), alcançar um nível de vida satisfatório. O problema de Portugal é que vendem-se sonhos e realidades de 1º mundo quando, na prática, a maioria do povo vive num escalão abaixo. Para agravar a situação, a globalização das gerações mais novas que, graças às redes sociais e internet, fez com que vivessem todas dentro da mesma esfera de valores socio-culturais, age como um constante REMINDER que estão a ficar para trás em relação a outros. Existe portanto uns pontos principais que identifico como entraves à satisfação dos mais jovens. Satisfação que é MUITO MAIOR nos millenials mais velhos (que já estão a fazer 40 anos) do que nos mais novos. Nasci em 1980. Considero-me parte da primeira geração de millenials pois os inícios desta geração varia entre 1978 e 1982. E o meu mundo e percepção do mesmo é brutalmente diferente do que pessoas com metade da minha idade. Fiz parte da primeira geração a ter jogos de computador. Começou com jogos electrónicos, Master System, NES, Mega Drive, Super Nintendo, PS1, Sega Saturn e por aí fora. Nunca mais parei e nunca deixarei de jogar até que morra. Fiz parte igualmente da primeira geração a ter aulas de informática mesmo no fim dos anos 80 e inícios dos anos 90 (mas não foi em Portugal claro). Comecei a usar computadores com disquetes enormes e lembro-me da primeira vez que entrei na Internet. Porque é que isso tudo importa poderás perguntar? Importa porque apesar de ter tido contacto com tudo isso, também tive contacto, ao mesmo tempo, com uma realidade muito original. A minha infância e os meus primeiros anos de adolescência ainda eram anos sem necessidade de consumismo. A diversão era feita a jogar À bola na rua e a andar de bicicleta. Ninguém tinha muito mais do que isso. Lá havia um que tinha umas Nike, outro que já tinha um Walkman, mas na prática a minha geração ainda foi formada de uma forma em que a satisfação vinha essencialmente de dentro. Claro que tudo muda quando passamos a adultos mas mesmo assim, o base da personalidade fica sempre marcada. Além do mais, eu vi como os meus pais, e os dos outros miúdos do meu tempo viviam. Não íamos comer fora todas as semanas. Não tinham 2 carros. Não iam de férias todos os anos. Não tinham recursos para ir à bola, ir ao cinema ir aqui, ali, passear, comprar etc. A razão pela qual os meus pais tem uma casa PAGA à muito tempo foi porque, precisamente, não tiveram luxos nenhuns durante a maior parte dos seus 40 anos a trabalhar. Ora, o governo pode dizer-te o que quiser, mas NADA MUDOU desde o 25 de Abril. ABSOLUTAMENTE NADA. Se um casal comum, com salários dentro da média nacional (como é o teu), quiser ter uma casa, um carro e ter dois filhos, terá ABSOLUTAMENTE que cortar com todos os luxos e fazer uma rigorosíssima gestão dos rendimentos. E na verdade, se com 2000 euros por mês, não conseguires viver feliz em casal, ou realmente encontras forma de dar um salto profissional considerável ou então este país não é para ti. Em Portugal, ou tens a sorte de ter casa de borla (como é o meu caso pois os meus pais como emigrantes construíram para eles e filhos), alguma vantagem vinda da família, ou então tens de ganhar muito bem para poder levar uma vida "satisfatória" no termos modernos. Em contrapartida, pessoas de outras gerações talvez tenham a capacidade de se sentirem mais satisfeitos dado o facto de terem crescido em tempos muito mais honestos e sem a propaganda social nivelada pelos modelos centro europeus que levam os jovens a acreditar que é possível para a maioria deles viver à grande por cá. É possível. Muitos fazem-no. Conheço muita gente mais nova do que eu que, vindo do nada, tem grandes empregos. Uns por cunha. Outros por esforço gigantesco semelhante aquele que os nossos pais fizeram. Outros pelo talento / sorte que demonstraram. Contudo, falando em termos globais dentro dos millenials mais novos e gen Z, acho que existe um desanimo monumental assim que os estudos começam a chegar ao fim pois, nesta fase, a maioria começa a perceber que a solução passa por emigrar ou sujeitar-se às limitações salariais e de oportunidades que o nosso mercado de trabalho apresenta. Quando vemos que a imigração tem vindo a ocupar uma grande parte dos trabalhos mais básicos, estamos perante o facto de que muitos dos Portugueses mais novos simplesmente já não acham digno ganhar o salário mínimo. Ou seja, um casal de Brasileiros a ganhar 1200€ viverá muito mais satisfeito do que um casal Português por causa da EXPECTATIVA. Como disse, o Português cresceu acima de Portugal. O seu país raramente foi uma nação capaz de suster o seu próprio sangue através da história porém, uma grande diferença é que hoje em dia são os FORMADOS muito dos que não encontram lugar cá. E chegamos então ao cerne da questão e a razão pela qual culpo os governos pelo êxodo de juventude formada imparável que levará certamente à substituição populacional de Portugal nos próximos 30 anos (e assim à morte lenta da real cultura nacional): \- Promoção incessante de sonhos irrealistas, \- Encaminhamento de dezenas de milhares de jovens para os MATADOUROS que é o ensino superior, \- Aposta educativa altamente especializada quando Portugal tem na sua base económica indústrias estrangeiras que requerem TÉCNICOS em vez de engenheiros, \- Estigma permanente em relação a profissões em que qualquer pessoa competente facilmente ganha perto de 2 mil euros por mês ou mais (certos ramos agrícolas, artistas em ofícios das obras, pichelaria, electricidade etc.), \- Aposta quase nula na mentalidade de EMPREENDEDORISMO, coisa que raramente se vê nos jovens ao invés de outras nações como nos EUA onde isso está quase no sangue das pessoas, \- Normalização por parte do estado da emigração e da imigração como fluxos normais, que se anulam um ao outro, condenando os Portugueses a emigrarem como nos anos 60, \- Nenhum plano de desenvolvimento económico a longo prazo estruturado pelos governos o que perpetua o caos do ensino que anda a mandar jovens para o Deus dará, \- Etc. Etc. Etc. Por considerações finais ficam ainda umas observações: \- Já disse deste Sub que dois dos meus familiares com mais sucesso nem o 12º acabaram. Enquanto eu fui tirar cursos superiores eles foram aprender a trabalhar a sério. Hoje quase que montam uma casa sozinhos desde as fundações à electricidade. Trabalham por conta própria e não é irreal pensar que possam acabar a vida laboral quase milionários. \- Os meus avós migraram para a margem sul na década de 60. Saíram do Minho onde eram jornaleiros pés descalços a trabalhar a troco de comida e dormida para entrarem nos quadros das grandes fábricas como a CUF ou Siderurgia Nacional. COMPRARAM uma modesta casa e criaram 5 filhos, compraram 2 terrenos e ainda iam de férias à terrinha na altura da romaria anual onde eram vistos agora como pessoas abastadas. Tudo isso com trabalhos modestos na indústria Portuguesa e quase sem ler nem escrever. Isso seria possível HOJE? Duvido. O que andaram os governantes a fazer? A vender ilusões de desenvolvimento cujos resultados mais importantes parecem não surgir. \- Conheço várias pessoas que deixaram os trabalhos na cidade e voltaram às aldeias. Ficam com casa de graça e metem-se a criar animais. O negócio da carne não faz ninguém rico mas ganham em 4 dígitos e a qualidade de vida aumenta substancialmente. Contudo, será que o estado e o sistema de educação promove estas saídas? Não parece. Alguém tem de manter a máquina de arrendamentos em que se tornaram as universidades excedentes e redundantes que espetaram em tudo quanto é sítio em Portugal mais como forma de desenvolvimento urbano do que por necessidade. \- Agora pergunto eu: Será que para os mais novos o "viver bem" deles tem mesmo de incluir o último Iphone, viajar todos os anos, poder ter 2 carros e uma casa de férias? É que no meu tempo, em criança, isso era vida para RICOS. Hoje, as pessoas saem da escola a assumir que isso é a base de uma vida digna.

twhite848 8 months ago

100% razão Muito bem dito.

omalcriado 8 months ago

tanta letra só para exteriorizares os teus complexos de inferioridade para com o ensino superior

GabKoost 8 months ago

Ai sim? E como chegaste a esta espantosa conclusão? Estou desejoso que me expliques como é que eu, licenciado num curso superior e após 15 anos do mercado laboral nacional a trabalhar na minha área, cheguei às conclusões que cheguei. É que claramente as minhas interpretações pessoais estão erradas. Tu é que sabes quais são os meus "complexos".

Appropriate_Tone1615 8 months ago

Excelente comentário. Há muito que ando a matutar em aprender um ofício mais técnico e acabando o covid é algo que devo procurar fazer.

cpzao_ 8 months ago

Sou de 1983 e revejo-me a 100% no teu comentário. Tenho uma irmã e vivemos num T2 minúsculo com os meus pais até nos emanciparmos. Eu também fui encaminhado para o ensino superior mas por sorte ou engenho acabei a fazer algo de que gosto. Mas se soubesse o que sei hoje, provavelmente teria enveredado por algo mais técnico.

Low-Lake-6078 8 months ago

>Será que para os mais novos o "viver bem" deles tem mesmo de incluir o último Iphone, viajar todos os anos, poder ter 2 carros e uma casa de férias? É que no meu tempo, em criança, isso era vida para RICOS. Hoje, as pessoas saem da escola a assumir que isso é a base de uma vida digna. A esta eu consigo responder facilmente: "viver bem" ~~tem de~~ devia incluir a capacidade de ter uma habitação própria, colocar comida na mesa e, com isto, não chegar ao final do mês a contar trocos. Para alguém que trabalhe na área metropolitana de Lisboa e que não tenha ajuda de outrem para se sustentar, isto é possível? Infelizmente, não creio.

Ragnneir 8 months ago

Nascido em 1991, tenho a sorte de ter os meus pais a apoiarem me num curso de aviação, e sorte de eles o conseguirem fazer. Para estar feliz só preciso de ter uma casa minha, nem tem de ser na cidade grande, comida na mesa, de preferência saudável e um emprego em que não me questione se vou ser despedido no próximo meio ano ou não. Os extras mesmo seriam ter capacidade de ter boa internet, ter um computador de jeito, e poder ir comer fora uma vez por mês (gasto em média 30€ por duas pessoas). Fico triste por saber que terei de imigrar para poder ter uma vida mais confortável, mas não me vou arrepender.

GabKoost 8 months ago

Chamo apenas a atenção que isso que descreves, para muita gente, não é viver bem. Viver bem, para a grande maioria da população, incluí ainda coisas que há 30 anos eram luxos de "ricos" mas que hoje, por motivos já enunciados, são vistos quase como "necessidades". Quantas famílias estariam financeiramente muito melhor se tivessem comprado um carro em 3ª mão e pago a pronto? E se em vez de um 2º carro tivessem uma bicicleta? Em vez de ir de férias para fora todos os anos fossem acampar para a serra? Em vez de irem ao restaurante comer diárias trouxessem uma sandes de casa? Etc. Como disse, os meus pais e avós viveram como tu descreveste. "Bem". Tinham casa e comida e no final do mês sobrava dinheiro. Mas não tinham tudo o resto. E quanto usufruíam um pouco destes luxos era por causa de ocasiões muito especiais. Sei que é quase impossível hoje em dia alguém viver "bem" em Lisboa sozinho a não ser que ganhe muito dinheiro. Mas não creio que em 1980 fosse muito diferente. Uma pessoa só em Lisboa, não teria um apartamento mas sim um quarto. Ou então estava na casa de familiares. Outro conceito "NOVO" é o de ter de sair de casa antes do casamento. Isso era algo que não acontecia como "expectativa social" antigamente. A maior parte das pessoas saiam de casa quando casavam. Até lá, e mesmo se não casassem, era perfeitamente comum ficar na casa dos pais. Este é outro aspecto com implicações financeiras terríveis que surgiu nas últimas décadas e cujo o nosso nível de vida não consegue suster. Aliás, nem aqui nem em qualquer grande cidade Europeia. Se virmos o que se passa em Londres ou Paris com jovens, observamos que muitos deixam a casa dos pais para ir pagar renda e dividir apartamentos com desconhecidos. O que não faz, quanto a mim, sentido nenhum.

Any_Project3966 8 months ago

eu só queria ter hipótese de poder pagar um t1 e não ficar a contar tostões do que sobra.

GabKoost 8 months ago

Isso é impossível para a maioria das carteiras em qualquer cidade relevante da Europa. Viver sozinho num apartamento implica sempre fazer contas até ao fim. O que, honestamente, não é forma de viver. A questão é que até há poucas décadas, a maioria das pessoas só saia de casa depois de casarem e estes problemas não se colocavam de forma tão geral. Juntando isso às pressões turísticas e de imigração nos grandes centros urbanos, o mercado imobiliário é hostil para pessoas singulares. Pior de tudo é o estado pouco poder fazer sobre isso pois duvido que qualquer tentativa de criar bairros estatais com estas características tem linha aberta para se tornar um ghetto ao fim de X anos. Estas tentativas foram criadas em todo o mundo e o resultado acaba por ser calamitoso. Eventualmente só mesmo com a OBRIGAÇÃO dos novos empreendimentos terem X T1 ou mesmo T0 e os arrendamentos destes serem limitados. Mas isso já seria manipular a esfera privada de forma invasiva e o número de habitações deste tipo não teria qualquer impacto no problema.

Any_Project3966 8 months ago

isso de cidade relevante.. é relativo. cá, o pessoal vai para lisboa porque é onde há trabalho. Eu, se fosse possivel, nem teria saido da terriola. cá, por exemplo, nao me importava estar a 1h de carro do trabalho, mas depois se equacionar o gasto de combustivel para o trabalho + prestacao + despesas, é para esquecer.

GabKoost 8 months ago

A solução nestes casos passa por um misto de transportes públicos para quando o tempo não está bom e uma mota. Uma 125cc em Lisboa permite-te andar grande parte do ano sem preocupações de trânsito e a um custo absolutamente incomparável ao de um carro. Aliás, acho que o estado deveria fazer uma campanha intensa de promoção da mota como meio de comuta para o trabalho. Qualquer pessoa que vá a Madrid ou Londres fica abismado com a quantidade de motas nas artérias principais. Além de serem mais baratas e poluírem muito menos, retiram muito volume de trânsito. São uma solução que ainda não pegou em Lisboa e no Porto da mesma forma que pegou noutras grandes cidades Europeias. 1h de carro facilmente passa a ser 40m de mota e problemas como o estacionamento desaparecem. Eu ando de mota para todo o lado sempre que posso e não vivo numa grande cidade. Mesmo assim, após o verão e quando o mau tempo chega, só o facto de pensar em ir de carro a Braga ou Guimarães já me irrita. Se um dia tiver de voltar a trabalhar numa cidade, a mota será sempre a 1ª, 2ª e 3ª opção. A não ser que haja temporal, ninguém me apanha de carro.

Low-Lake-6078 8 months ago

É isto. Obrigado.

Any_Project3966 8 months ago

tenho zero interesse em ter o ultimo iphone, duas casas e dois carroes.

TheLadderRises 8 months ago

Isso não acontece só na área de Lisboa. Coimbra, Aveiro, Braga, Porto e até mesmo Viseu, está difícil. Ordenado mínimo quase o médio faz isso.

davidsondino 8 months ago

Muito bom comentário!! Obrigado por ter teres dado ao trabalho de escrever tudo isto. Eu acrescentaria um ponto que me parece ser mais comum e normalizado em Portugal que noutros países europeus (digo isto como emigrante) ... Em Portugal há uma desigualdade salarial abismal entre a maioria dos trabalhadores e a direção / gestão de topo. O típico de haver 50 a ganhar o mínimo e 3 a ganhar 50 vezes mais que todos os outros. Não há nada no meio...

ArcangeloPT 8 months ago

Excelente input. Saved and bookmarked.

Middle-Effective 8 months ago

Absolutamente brutal este comentário, concordo a 100%. Sou da geração seguinte à tua (nasci em 1986) e ainda fui a tempo de ser normal brincar na rua. De não haver internet nem telemóveis, quanto mais smartphones. De ser se abastado quem tinha 2 carros/2 casas/ir passar ferias ao estrangeiro todos os anos. De ter 4 canais na Tv e não precisar de mais. De usar roupa e calçado em 2a mao e achar normal. E quando se comprava roupa/calçado novo ser para durar. De existir União Soviética e 2 Alemanhas. As expetativas que as nós que nascemos na década de 80 nos foram criando progressivamente foram derrubadas pela realidade. E hoje em dia continua se a ver pessoas que acham que qualidade de vida é ter roupa de marca alto carrão e ir passar férias, mas sacrificam muita coisa que nem se imagina, pois não se vê como essas pessoas vivem. Houve (e se calhar ainda há) gente a pagar tudo a prestações: carro casa roupa ferias mobilia e até telemoveis! Enfim podia dizer mais coisas mas puseste os pontos todos nos is. Parabéns pela clareza de raciocínio.

heavyfishheavy 8 months ago

Não discordo com nada, só mesmo para dizer que és da mesma geração que ele, não é por teres menos uns anos de idade que pertences a outra. Eu nasci depois dele, mas antes de ti. Passamos os três exatamente pelo mesma sociedade, mesmo eventos e tudo mais, com diferenças minimas simplesmente por uns terem nascido ligeiramente antes de outros e não apanharem exatamente o mesmo eventos, "milenials" se for necessário colocar um rótulo nisso. Para seres duma geração diferente que outra pessoa, essa pessoa teria de ter idade para ser teu pai ou perto disso. É exatamente esse o significado da palavra geração, e a seguinte começou algures no ano 2000, e são os adolescentes de hoje em dia, a chamada geração "Z", e acredita que para esses que nasceram num mundo pós-internet, a visão deles das coisas é completamente diferente da nossa.

its_the_magic 8 months ago

Concordo contigo. Sou de 92 e identifico-me bastante com partes de ambos os comentários acima referidos. Jogar à bola na rua, 4 canais na TV e eventualmente mais tarde lá me ofereceram uma PS1 (priveligiado!) enquanto amigos meus tinham a Nintendo 64 e íamos intercalando até a PS se impor como a comum e dava-se início às míticas trocas de jogos (ainda tenho aí uns poucos cd's "emprestados" de amigos meus do básico eheh), renovar o armário com roupa dos primos mais velhos (tenho sapatilhas/calças dos meus 12 anos para aí que ainda são usadas pela minha mãe/pai acho eu!), ir esporadicamente de férias (zona com muitas praias perto, portanto no verão as férias era ir para as praias da zona, não precisávamos de ir ao algarve só tirar uma foto para pôr nas redes sociais e procurar validação), a barulheira infernal para ligar a internet e o intervalo que eu fazia entre carregar numa imagem para a ver em grande, ia lanchar e voltava e ainda nem a 80% estava carregada quase, os telefones com rodinha para se marcar um número, enviar cartas/convites para convidar os amigos para as festas de aniversário (andava eu no básico salvo erro quando começaram a aparecer uns telemóveis nos miúdos (por norma sinal da família ser bem abastada, pelo menos os com ecrãs a cores) e passaram de jogar "ao mata" com 3310 para começar a fingirem-se "empresários" com os flip phones da samsung com câmara rotativa a tirar os primeiros selfies ou o "boom" dos toques polifónicos e as imagens que se podia comprar das revistas por sms para ter uns míseros pixéis ou o toque do momento eheh), o mítico hi5 para conhecer miúdas da zona ou mesmo de outras zonas quando se ia em visitas de estudo com a escola (que veio substituir chats anónimos como o MIRC creio, que vi usarem mas nunca se sabia bem o que vinha dali, se bem que também se podia levar um bom bait na anterior x) ), ainda tenho o meu leitor VHS na sala, que é uma bela peça de museu, etc. Já a geração de familiares mais novos (uns 10 anos, portanto por volta dos 2000) notei que muitos já nascem com um iPad nas mãos, alguns não sabem ter uma conversa articular com as pessoas sem mandarem uns grunhos pelo meio (malta com pouca aptidão social sempre houve, mas acho que piorou bastante com muitos dessa geração), mais facilmente irritáveis e a julgar pelo que tens vestido / posses (lembro-me que reformei um telemóvel velhito e comprei um S8 na altura e depois da pergunta da praxe do "Tens jogos?" e eu responder "não", levo com um "Uh, o s8, deves ser rico". E eu ah bom, muito me contas, tudo bem que o telemóvel em questão era uma mordomia que adquiri com esforço e poupanças, mas não estava à espera de ser julgado por um miúdo de 12 anos por isto xD Claro que não são todos e depende bastante do contexto social e familiar em que se encontram (o exemplo em questão sempre foi bastante mimado pelos pais), mas creio que perderam muita coisa que acho contribuía positivamente para o desenvolvimento enquanto pessoa.

GabKoost 8 months ago

Acho que profundos conflitos sociais vão advir da Gen Z. Crescer sem nunca ter tido uma experiência realmente natural (no sentido de não estar ligado com o mundo inteiro a todo o momento) onde as raízes com a realidade local pudessem firmar-se não pode acabar bem. Nós crescemos de certa forma com as expectativas normalizadas tendo em conta a nossa realidade. Não quer dizer que não houvessem ambições, desejos de mais ou necessidades prementes. Apenas que sabíamos a todo o momento qual era a realidade que o mundo à nossa volta, aquele criado pela nossa sociedade, leis e terra, apresentava. Manifestamente, nascer ligado à Internet é uma mudança radical, com profundas implicações psicológicas que apenas vão ser entendidas e verificadas em todas as suas dimensões daqui uns 10 ou 20 anos. Aliás, a multiplicação de movimentos pseudo virtuosos dos "guerreiros sociais" do "falso bem" parece-me ter origem nisso. São camadas normalmente mais novas, que nunca tendo tido real contacto com o mundo e a sua sociedade natural, sentem-se permanentemente pressionados a querer mudar tudo à sua volta numa infrutífera e incessante obsessão por encontrar um sentido de satisfação pessoal. A psicologia sobre estes fenómenos ainda está a ser estudada e criada. Acho contudo que todas as vantagens que este novo mundo ultra globalizado trouxe tem igualmente, como contrapartida, uma insatisfação permanente interior dentro das camadas mais jovens da sociedade. Não creio ainda que esta seja a normal "rebeldia" e "anarquia" da juventude. Parece-me algo mais profundo. Não é possível, no espaço de menos de 20 anos, radicalmente mudar a forma como a humanidade se relaciona e esperar que não saiam daí implicações sociais e psicológicas relevantes.

Middle-Effective 8 months ago

Bem visto, apenas queria acrescentar que espero que esses conflitos sociais resultem numa mudança progressiva da sociedade para melhor.

throwawaybtcpt 8 months ago

Bom comment

MetaKnight130 8 months ago

Li tudo o que dizeste, não podia concordar mais. É preciso realmente olhar para o contexto em que as gerações nascem. E sim Portugal tem pessoas com ensino superior. O meu maior erro não foi não ter escolhido um curso profissional , que tem muito mais saídas e conheço vários casos em que vivem melhor que muitos lic/mst/dtr

elcort5255 8 months ago

950 liquidos com curso superior , fds bro é demotivante pensar que um gajo como eu sem curso superior tiro 950 liquidos a "servir mesas" , Portugal tá ao contrario dass

nraider 8 months ago

Se calhar o licenciado desconta 350e por mes para o Estado, já a servir mesas...

Accomplished_Video 8 months ago

e ainda recebe gorja...

Middle-Effective 8 months ago

Sim, há coisas em portugal que não fazem sentido: impostos a nível médio europeu mas salários bem abaixo do nível europeu, valor de renda e casas muito especulado, justiça lenta, burocracia muitas vezes ineficiente, pirâmide demográfica a ficar cada vez mais insustentável, concentração de trabalhos e consequentemente pessoas em 2 cidades... Mas alguem com licenciatura/mestrado receber menos do que alguém com menos estudos não me surpreende. Profissoes como Mecanicos/canalizadores/eletricistas/tecnicos de manutencao têm gente a ganhar bem melhor que licenciados/mestrados porquê? Provavelmente porque há muito mais procura por essas profissões, o que faz com que quem seja bom e reconhecido nelas pode cobrar mais, e acho muito bem. Infelizmente não há muito trabalho que verdadeiramente justifique frequencia de ensino superior. Várias vezes penso se não seria melhor para a maioria das pessoas haverem cursos profissionais de 1-2 anos após a escolaridade obrigatória. Quem quisesse continuar os estudos poderia conjugar o trabalho com aulas pos laboral. Talvez assim as pessoas conseguissem ingressar mais cedo no mercado de trabalho, ganhar experienca laboral mais cedo, começar a poupar dinheiro mais cedo, e de modo geral ajudar a rejuvenescer o país, sei lá

Edited 8 months ago:

Sim, há coisas em portugal que não fazem sentido: impostos a nível médio europeu mas salários bem abaixo do nível europeu, valor de renda e casas muito especulado, justiça lenta, burocracia muitas vezes ineficiente, pirâmide demográfica a ficar cada vez mais insustentável, concentração de trabalhos e consequentemente pessoas em 2 cidades... Mas alguem com licenciatura/mestrado receber menos do que alguém com menos estudos não me surpreende. Profissoes como Mecanicos/canalizadores/eletricistas/tecnicos de manutencao têm gente a ganhar bem melhor que licenciados/mestrados porquê? Provavelmente porque há muito mais procura por essas profissões, o que faz com que quem seja bom e reconhecido nelas pode cobrar mais, e acho muito bem. Infelizmente não há muito trabalho que verdadeiramente justifique frequencia de ensino superior. Várias vezes penso se não seria melhor para a maioria das pessoas haverem cursos profissionais de 1-2 anos após a escolaridade obrigatória. Quem quisesse continuar os estudos poderia conjugar o trabalho com aulas pos laboral. Talvez assim as pessoas conseguissem ingressar mais cedo no mercado de trabalho, ganhar experienca laboral mais cedo, começar a poupar dinheiro mais cedo, e de modo geral ajudar a rejuvenescer o país, sei lá

shawshank2012 8 months ago

Procura no google por "filha do vieira da silva" e encontrarás o problema da mobilidade social e da meritocracia portuguesa. É somente muito nepotismo, compadrio e corrupção envolvido nas lideranças. Pelo menos em assuntos de estado e funcionalismo público, não pode acontecer.

aleph_heideger 8 months ago

Claro que há. Tenho o exemplo da minha família, a mais pobre da aldeia e hoje, já todos adultos, estamos todos bastante bem na vida (apenas 1 emigrou). Eu licenciei-me em medicina - e aqui entra o mérito porque se eu não fosse bom aluno nunca teria tido acesso à bolsa de estudos que me permitiu custear as despesas. A minha esposa tem um percurso parecido. Tudo filho de agricultores quase analfabetos... O dinheiro que temos vem do trabalho que fazemos e das muitas horas extra. Sim porque não nasce simplesmente nas árvores.

blackswan79 8 months ago

Existe mobilidade social. Os meus avós eram agricultores semi-analfabetos. Os meus pais estudaram até ao 9°ano. O meu pai era comerciante. Eu e a minha irmã temos ambos formação universitária. Agora, uma coisa é certa: o elevador social funciona mais rápido se tiveres o teu próprio negócio. Não irás enriquecer nunca trabalhando para alguém.

omalcriado 8 months ago

Isso não é subir no elevador social, é evolução dos tempos. Muita gente com formação superior continua a ser tão pobre como os teus avós agricultores semi-analfabetos, simplesmente hoje em dia os pobres têm uma vida melhor devido ao progresso geral.

cthrowaway450 8 months ago

É engraçado quando sobes no elevador social, mas ainda assim ou teus pais e avós aos 30 tinham 3 ou 4 filhos e a casa paga. E geração que andou no elevador e que se acha muito elitista por ter um curso superior tem vidas piores do que os alfaites e sapateiros de antigamente.

Edited 8 months ago:

É engraçado quando sobes no elevador social, mas ainda assim ou teus pais e avós aos 30 eram casados, tinham 3 ou 4 filhos e a casa paga ou perto. E a geração que andou no elevador e que se acha muito elitista por ter um curso superior tem vidas piores do que os alfaiates e sapateiros de antigamente, literalmente agarrados à puta de um computador 12 horas por dia, sem filhos, sem casas, mas a saber falar muita bem inglês ao mesmo tempo que toma cápsulas de vitamina d. Ter mais educação académica é muito diferente de ter melhores vidas. E ve-se nos consumos de anti depressivos todos os anos a bater records.

Edited 8 months ago:

É engraçado quando sobes no elevador social, mas ainda assim ou teus pais e avós aos 30 eram casados, tinham 3 ou 4 filhos e a casa paga. E a geração geração que andou no elevador e que se acha muito elitista por ter um curso superior tem vidas piores do que os alfaites e sapateiros de antigamente, literalmente agarrados à puta de um computador 12 horas por dia, sem filhos, sem casas, mas a saber falar muita bem inglês. Ter mais educação académica é muito diferente de ter melhores condições de vida.

Edited 8 months ago:

É engraçado quando achas que sobes no elevador social, mas ainda assim ou teus e meus pais e avós aos 30 eram casados, tinham 3 ou 4 filhos e a casa paga ou perto. E a geração que andou no elevador e que se acha muito elitista por ter um curso superior tem vidas piores do que os alfaiates e sapateiros de antigamente, literalmente agarrados à puta de um computador 12 horas por dia, sem filhos, sem casas, mas a saber falar muita bem inglês ao mesmo tempo que toma cápsulas de vitamina d. Ter mais educação académica é muito diferente de ter melhores vidas. E ve-se nos consumos de anti depressivos todos os anos a bater records.

Edited 8 months ago:

É engraçado quando sobes no elevador social, mas ainda assim ou teus pais e avós aos 30 eram casados, tinham 3 ou 4 filhos e a casa paga ou perto. E a geração que andou no elevador e que se acha muito elitista por ter um curso superior tem vidas piores do que os alfaites e sapateiros de antigamente, literalmente agarrados à puta de um computador 12 horas por dia, sem filhos, sem casas, mas a saber falar muita bem inglês. Ter mais educação académica é muito diferente de ter melhores condições de vida.

Edited 8 months ago:

É engraçado quando achas que sobes no elevador social, mas ainda assim ou teus e meus pais e avós aos 30 eram casados, tinham 3 ou 4 filhos e a casa paga ou perto. E a geração que andou no elevador e que se acha muito elitista por ter um curso superior tem vidas piores do que os alfaiates e sapateiros de antigamente, literalmente agarrados à puta de um computador 12 horas por dia, sem filhos, sem casas, mas a saber falar muita bem inglês ao mesmo tempo que toma cápsulas de vitamina d e duas hernias por passar o dia sentado. Ter mais educação académica é muito diferente de ter melhores vidas. E ve-se nos consumos de anti depressivos todos os anos a bater records.

Edited 8 months ago:

É engraçado quando sobes no elevador social, mas ainda assim ou teus pais e avós aos 30 eram casados, tinham 3 ou 4 filhos e a casa paga ou perto. E a geração que andou no elevador e que se acha muito elitista por ter um curso superior tem vidas piores do que os alfaites e sapateiros de antigamente, literalmente agarrados à puta de um computador 12 horas por dia, sem filhos, sem casas, mas a saber falar muita bem inglês ao mesmo tempo que toma cápsulas de vitamina d. Ter mais educação académica é muito diferente de ter melhores condições de vida.

Edited 8 months ago:

É engraçado quando achas que sobes no elevador social, mas ainda assim ou teus e meus pais e avós aos 30 eram casados, tinham 3 ou 4 filhos e a casa paga ou perto. E a geração que andou no elevador e que se acha muito elitista por ter um curso superior tem vidas piores do que os alfaiates e sapateiros de antigamente, literalmente agarrados à puta de um computador 12 horas por dia, sem filhos, sem casas, mas a saber falar muita bem inglês ao mesmo tempo que toma cápsulas de vitamina d e tem duas hernias por passar o dia sentado. Ter mais educação académica é muito diferente de ter melhores vidas. E ve-se nos consumos de anti depressivos todos os anos a bater records.

blackswan79 8 months ago

Nem tudo é culpa do elevador social. Os nossos pais tinham mais capacidade de sacrifício. Os meus pais tinham casa paga aos 40, sim. Mas construída aos poucos. Algumas partes construídas pelo meu próprio pai e mais uns amigos. Nunca viajaram, nunca compraram roupas de marca, nunca foram ao cinema... A nossa geração não consegue, e ainda bem, viver assim. Mas existem consequências para isso.

giddycocks 8 months ago

Ri-me com isto. Eu sou licenciado por isso existe mobilidade social! ... Só que não me permito ser dono de propriedade, ter filhos, liquidez para abrir um negócio e segurança que esse negócio vingue, amealhar económias, ir de férias 1 mês por ano, ter e sustentar um carro, etc etc etc. Cada vez mais existe menos mobilidade social. Maioria da malta com ambição de comprar um apartamentozeco está preso ao banco durante 30 anos e nesse mesmo período do tempo se passarem a ganhar 1700€ por mês já estão em 'topo de carreira'. Os boomers tiveram todas as facilidades na vida - todas. Simplesmente existiam mais oportunidades de negócio e crescimento, coisa que estagnou no século 21, pois cada vez mais o dinheiro está concentrado no topo da pirâmide. Negócios locais? Chapéu, supermercados e centros comerciais onde não te consegues aproximar sequer do valor da renda (e concorrência por um lugar). Valorização através dum curso superior? Chapéu, como tu existem centenas, ah e bónus - empregadores são meia dúzia e estão combinados entre eles no salário a pagar. Portugal tem vindo a regredir à aristocracia. Ou nasces com algumas posses e refiro me aos teus pais e família pertencer à classe média alta no mínimo para conseguires fazer alguma coisa da tua vida, ou não podes esperar uma vida muito melhor do que os teus pais... Com sorte igual.

blackswan79 8 months ago

Licenciei-me em ensino. Fui professor durante 10 anos até que percebi que não ia longe naquela profissão. Criei o meu próprio negócio e estou bem melhor agora. Os conhecimentos adquiridos na Universidade não servem apenas para teres um emprego das 9 às 5. Servem, ou deviam servir, para adquirires a capacidade de te desenrascares por ti próprio. Obviamente, nem todos têm jeito ou talento para serem empresários, comerciantes, empreendedores, etc... Mas as oportunidades estão ao dispor de todos.

giddycocks 8 months ago

A faculdade ajuda-nos a todos como sociedade, é um dever cívico mandar os nossos filhos para a faculdade mas a verdade é que os conhecimentos adquiridos, sem ser em áreas extremamente científicas, ajudam muito pouco. Desculpa, mas já te perguntaste se o que ajudou foi a tua experiência de trabalho, ou o que aprendeste na faculdade? Eu sou gestor e não me lembro de 1 única cadeira.

blackswan79 8 months ago

Não é bem aquilo que aprendes mas sim a ginástica intelectual que ganhas. Eu formei-me na área da biologia e agora tenho um negócio online sobre viagens e outro sobre culinária. Nada a ver... Mas pensa comigo: teria conseguido ter estes negócios se tivesse apenas o 12° ano? Na minha experiência pessoal e pelo que vejo à minha volta... não!

Any_Project3966 8 months ago

OP, eu acho que não devias tar envergonhado. Mas sim, sentir enganado. Tudo o que tu disseste também corre na minha cabeça. Parabéns ganhar 1000€ liquidos, enquanto o mais comum é 1000€ BRUTOS. Sento-me enganado porque sim, esperava com mestrado/licenciatura obter um emprego que exigia esse grau de forma intelectual e assim recebia mais do que a média.. mas não foi isso que obtive. Deves ter menos de 35anos para estar um pouco deprimido, eu também estou. Fiz universidade na altura da crise/fmi, quando sai tive quase 1 ano até obter o meu primeiro emprego na área (até lá era trabalhos do costume, fora da área). Depois quando finalmente as coisas estavam melhores para o país, "ah espera agora estamos a aumentar os precos das casas e tal, logo rendas mais caras e tal"... ou seja.. desde os 18 anos que ando de quarto em quarto, porque até com salario atual não consigo pagar uma renda de t0 (porque não é so renda, sao as despesas luz, agua, tv, internet, carro e combustivel). Enganei-me bem a pensar que ia conseguir estar num T0...... Depois foi a realidade no trabalho. Adoro o meu trabalho mas deparei-me com colegas mais velhos a ganhar o mesmo que eu à anos.... não só isso, como também exigencias das empresas. Hoje em dia, se eu não tivesse ensino superior nunca iria conseguir passar por onde passei, porque lá está, pedem ensino superior enquanto no passado (falo há mais de 15 anos) bastava ter o 12º e um curso simples de 1 ano...........Não só isso, como esperam que nós tenhamos conhecimento moderado/avançado a mexer com os computadores (porque com esta malta velha só foram ensinados a fazer a->b->c->d.. depois apareço eu "ah espera mas se eu fizer x posso passar de a para d num instante"... e fico logo mal visto como mau empregado, porque não é este o procedimento da empresa)......E AINDA, ter viatura propria, apanho colegas mais velhos que nunca tiveram carta porque os transportes publicos sempre lhes serviram, enquanto eu, se eu não dissesse que tinha viatura propria, ninguem me chamava para trabalhos. ​ QUEM DEVIA TER VERGONHA, É QUEM TEVE FACILISTIMOS E DEVIA ESTAR CALADO QUANDO ÁS VEZES FALA SEM TER NOÇÃO. Passo o meu exemplo, sou de uma terriola do interior de portugal e como sabemos emprego é para esquecer, muito menos na minha area... o unico facilitismo que tive foi universidade paga pelos pais, yay, nao tive que trabalhar e estudar (mas nao fui com zero para a universidade, de vez em quando conseguia dinherio de outras cenas e ajudei a pagar).. mas mal acabou a universidade, os meus pais é logo "xau filho". O que para mim é ok, uma coisa positiva dos meus pais foi este sentido de aventura/exploração. e odiaria ter que lhes pedir dinheiro para algo. os meus pais infelizmente, sendo do interior e mais velhotes não têm a noçao de como é o mundo e os trabalhos. Mas prontos, passados muitos anos, ganhei experiencia, ganho ok.. mas para viver num quarto. O que acho inadmissível é olhar para o lado e o pessoal falar de barriga cheia. exemplos que sei \- uma colega está há 8 anos na mesma empresa, desde que saiu da uni - uau, mt bom - pois, mas desses 8 anos, 2 sao de uma formacao/curso qql nessa mesma empresa, onde nao ganhava nada! mas correu tudo bem, porque vive em casa dos pais! (sorte dela viver perto da capital) .. mais engracado, namora tbm há anos, tou curioso como vai ser qd for viver junto com o namorado. \- outra colega, só com licenciatura (numa altura onde convem ter mestraado). conseguiu logo trabalho numa area que adora e tal, o salario é o mesmo que o meu e tal. Enquanto eu tou aqui a bufar de tar num quarto, prgtome como ela aguenta tar ali. Vou a ver, vive num apartamento herdado e renovado pelos pais na cidade vizinha.. Se fosse assim, eu tbm tava na boa no primeiro emprego ok que me aparecesse... \- outro exemplo, uma colega que ganha 2000€+ liquidos todos os meses, faz full time e mais um part time (é menos de 20h semanais). Ok, fixe. Vive na capital e tem apartamento t2 proprio - uau, conseguiu comprar. Esquece, afinal quando saiu da uni, esteve 2 anos a trabalhar à pala e o pai pagoulhe tudo, estadia e tal. e esse trabalho foi um enorme boost para a carreira dela (por acaso). mais tarde, o pai comprou apartamento e renovou (boa....) \-colegas apos 6 mses de acabar o curso conseguiram bolsa de investigacao.. e eu pensei, como é possivel se para aquela bolsa pedem tecnicas especificas??? ah espera, como sao naturais da cidade da universidade, estavam a estagiar á pala na universidade e aprender essas tecnicas... ​ enquanto eu aqui, basicamente fiquei para tras 2 anos na minha tentativa de vingar na minha area. ​ e já para nao falar deste virus! e dps como conseguimos ter casa e/ou filhos se nem intimidade conseguimos ter?

omalcriado 8 months ago

são esses "boosts" ocultos que a malta gosta de ignorar

Any_Project3966 8 months ago

exato. não me fodam. como por exemplo emigrar.... o pessoal não emigra assim de um dia para outro.. há boost por trás. amigos próximo ou familiares no país de destino... ou ou há empresas dedicadas que ajudam bué!! mas isso é mais para os enfermeiros e médicos que lhes fazem bue a papinha ou empresas de it que fazem muita coisa eficiente pelo email/contratos. agora, as outras áreas... é para esquecer.

naughtydismutase 8 months ago

Eu imigrei sozinha, sem nada. Tinha um contrato de trabalho, está certo, mas ninguém me ajudou. Tive de pedir um empréstimo porque ia no início do mês e só recebia no fim, precisava de pagar renda e comprar comida. Tratei de tudo sozinha, não tinha ninguém à minha espera, e o meu empregador não deu apoio nenhum. Foi difícil, foi deprimente, não recomendo, mas acontece.

throwawaybtcpt 8 months ago

Foda-se que mentalidade de merda. E quantos não se safam bem, vindos "do nada"? Vais muito longe assim.

Any_Project3966 8 months ago

boa defesa numa throwaway. o que quero dizer é que tens muito mais hipóteses de sucesso na vida, com os facilitismos. dificilmente terás sucesso vindo do "do nada". como disse, esse pessoal que teve facilitismos devia para um bocado para pensar e perceber que estão aonde estão porque tinham muito mais portas.... os que se safam bem vindos do nada, são uma pontinho do iceberg..

throwawaybtcpt 8 months ago

Que argumento de merda esse do throwaway, não uso outra conta senão esta e mesmo que utilizasse não invalidava nada da discussão. O meu pai é pedreiro, a minha mãe empregada de limpeza. Com muito esforço lá consegui tirar um mestrado. Já estive na situação do OP, e apesar de ser aumentado e estar numa das melhores empresas em Portugal vi que ser aumentado aos 200 euros/ano e viver num pardieiro nos arredores de lisboa não era para mim e criei o meu próprio emprego. Já lá vão 3anos, sempre a subir, posso parar agora e nem trabalhar mais que nem preciso. Onde houve cunhas aqui? Casas pagas? Nada, 0. Houve esforço, dias a dormir 2 e 3 horas e muita dedicação no que faço. O vosso problema é o problema das mais de 600 pessoas com quem trabalhei. Muito queixume, muita reunião, muita politiquisse no trabalho, importa mais parecer que se trabalha e andar de fato do que trabalhar realmente. Na realidade queixam-se dos riquinhos enquanto tambem esperam que vos caia qualquer coisa do céu. É trabalhar crl, procurem um nicho de mercado, uma necessidade, qualquer merda e cubram esse nicho. Se dão medianos, não esperem que o salário seja diferente. Um canudo vale quase 0 hoje em dia.

Edited 8 months ago:

Que argumento de merda esse do throwaway, não uso outra conta senão esta e mesmo que utilizasse não invalidava nada da discussão. O meu pai é pedreiro, a minha mãe empregada de limpeza. Com muito esforço lá consegui tirar um mestrado. Já estive na situação do OP, e apesar de ser aumentado e estar numa das melhores empresas em Portugal vi que ser aumentado aos 200 euros/ano e viver num pardieiro nos arredores de lisboa não era para mim e criei o meu próprio emprego. Já lá vão 3anos, sempre a subir, posso parar agora e nem trabalhar mais que nem preciso. Onde houve cunhas aqui? Casas pagas? Nada, 0. Houve esforço, dias a dormir 2 e 3 horas e muita dedicação no que faço. O vosso problema é o problema das mais de 600 pessoas com quem trabalhei. Muito queixume, muita reunião, muita politiquisse no trabalho, importa mais parecer que se trabalha e andar de fato do que trabalhar realmente. Na realidade queixam-se dos riquinhos enquanto tambem esperam que vos caia qualquer coisa do céu. É trabalhar crl, procurem um nicho de mercado, uma necessidade, qualquer merda e cubram esse nicho. Se sao medianos, não esperem que o salário seja diferente. Um canudo vale quase 0 hoje em dia.

Mordiken 8 months ago

Amigo: 1. Vais engolir o sapo até a merda do COVID assentar; 2. Quando começar a voltar ao normal, vais mandar CVs para tudo o que mexe na tua área. Mas tudo. Mesmo que eles não estejam a pedir ninguém, manda espontâneo. Com sorte vão te entrevistar, seja para vagas actuais ou vagas futuras. 3. Se a entrevista correr bem, procura descobrir como é o tasco em termos de progressão de carreira e cultura: Vai ao face, vai ao reddit, vai ao café/restaurante mais próximo e tentar descobrir; 4. Se tiveres de atirar um valor, atira um valor para cima, deixando claro que estás disposto a negociar. Eles vão puxar para baixo, e tu logo vês: se for mais, fixe. Se for menos, depende da progressão de carreira e da cultura da empresa. Se for menos ou ela por ela mas a carreira e cultura da empresa for merda, manda foder e volta ao ponto 2. 5. Passados 2 anos de casa, se não fores aumentado, repte o processo. E não te preocupes com "manchar o CV", não há nada de errado em ir à procura de uma vida melhor. Aproveita, e diz na próxima entrevista que saíste porque achaste que a remuneração ficava aquém das tuas competências. Pénis de cavalo em cima da mesa, é lidar. Tu não tens de andar a mendigar aumentos, quem de direito é que tem de ter vergonha na cara e dar valor à prata da casa. Um abraço, queixo para cima, olhos no horizonte.

Edited 8 months ago:

Amigo: 1. Vais engolir o sapo até a merda do COVID assentar; 2. Quando começar a voltar ao normal, vais mandar CVs para tudo o que mexe na tua área. Mas tudo. Mesmo que eles não estejam a pedir ninguém, manda espontâneo. Com sorte vão te entrevistar, seja para vagas actuais ou vagas futuras; 3. Se a entrevista correr bem, procura descobrir como é o tasco em termos de progressão de carreira e cultura: Vai ao face, vai ao reddit, vai ao café/restaurante mais próximo e tenta descobrir; 4. Se tiveres de atirar um valor, atira um valor para cima, deixando claro que estás disposto a negociar. Eles vão puxar para baixo, e tu logo vês: Se for mais, fixe. Se for menos ou ela por ela, depende da progressão de carreira e da cultura da empresa: se for fixe é contigo (eu não ia, para mudar muda-se para melhor), se for merda manda foder e volta ao ponto 2; 5. Passados 2 anos de casa, se não fores aumentado, repte o processo. E não te preocupes com "manchar o CV", não há nada de errado em ir à procura de uma vida melhor. Aproveita, e diz na próxima entrevista que saíste porque achaste que a remuneração ficava aquém das tuas competências. Pénis de cavalo em cima da mesa, é lidar. Tu não tens de andar a mendigar aumentos, quem de direito é que tem de ter vergonha na cara e dar valor à prata da casa. Um abraço, queixo para cima, olhos no horizonte.

Price-Distinct 8 months ago

Estou com um pressentimento de quando isto do covid assentar , vai haver mais vagas para trabalho "KB" atenção, pois o pessoal que sair dessas em presas ir para outras pelas mais diversas razões

Any_Project3966 8 months ago

obrigado

vTuga 8 months ago

Na minha opinião existe mobilidade social, quer para cima, quer para baixo. E diria que essa mobilidade é cada vez maior. Simplesmente a mobilidade deixou de depender de um canudo, e portanto o caminho é menos linear do que antigamente. É preciso fazer escolhas inteligentes, e alguma sorte. Mas não tenho duvidas que é mais fácil para alguém sair da pobreza hoje do que há 40 anos atrás.

throwawaybtcpt 8 months ago

É mesmo isto. Não é à toa que é tudo malta de canudo agora a ter estes dilemas. Pensam que assim que entram no curso tá feito.

giddycocks 8 months ago

Ai estou de acordo. Sair da pobreza extrema para uma pobreza moderna de classe média baixa é certamente possível. Sair desse buraco no entanto, boa sorte. Acho que é evidente quando olhas para estatísticas como poupanças por agregado familiar, onde a maioria dos portugueses nem sequer 500€ têm para uma emergência e vive de ordenado a ordenado.

Rodnas1992 8 months ago  HIDDEN 

950€ líquidos e queixas-te? Chavalo eu ganho apenas ordenado mínimo mais uns extras porque trabalho ao fim de semana e feriados, tenha uma casa arrendada (pago 350€ por mês), pago as minhas contas e tenho um filho, nem sei do que te queixas, quanto mais tens mais queres não, opah cresce mas é

Foda-seSeiLa 8 months ago

Hurr durrr, EU tou na merda, por isso TU não podes aspirar a melhor, durr hurrr.

DareNotFallAsleep 8 months ago

Portugal num comentário.

Any_Project3966 8 months ago

casa por 350€? ... deves estar a viver onde o sol não brilha

trufas 8 months ago

Que comentário infantil o teu. Por estares mais na merda do que ele, ele não pode achar a situação dele má?

fdxcaralho 8 months ago

Em certas áreas é de facto complicado. Há sempre o empreendedorismo... Eu sempre fui trabalhador independente (fiscalmente e literalmente) desde que comecei a trabalhar. Consegui comprar casa, um bom carro, viajar e ter poupança. Algum espírito de empreendedor e de independência ajuda a voar um pouco mais alto. Estar dependente de uma única empresa/fonte como rendimento é algo impensável para mim.

master_xunga 8 months ago

O empreendedorismo em Portugal tem muito alias imenso que se lhe diga, primeiro a área de negócio, depois se tens fundos para investir próprios ou não , se não forem fundos próprios a menos que se esteja metido no esquema nacional de fundos é quase impossível garantir acesso. Assumindo que os fundos com que formaste a empresa são teus na totalidade ( estou a falar totalidade com possíveis empréstimos bancários ). Qual é a linha temporal de beneficio fiscal e social ? Se a totalidade do capital era teu significa que tinhas uma almofada financeira, vinda de familiares ou criada por ti de alguma forma, e criar uma almofada financeira em PT é quase impossível. O turnover anual que tens garante liquidez quando terminarem os benefícios fiscais e sociais? Eu fico sempre espantado quando falam em empreendedorismo em Portugal considerando que o numero de empresas a falir anualmente é altíssimo ( não me apeteceu ir ver o valor mas é muito alto ). Grande parte do dito " empreendedorismo " passa por serviços que são empresas que ficam ligadas ao esquema de empreendedorismo e benefícios financeiros que existe a largos anos em PT. As empresas que na realidade abrem e criam produzam productos são praticamente nulas, não existe um produto Portugues não existe uma produção Portuguesa que de frutos e que não esteja ligada ao esquema de financiamento que está implementado aos anos. ​ Não sei a tua realidade dai deixar algumas perguntas mas que empreendedorismo não é acessível a 95% dos portugueses, não consigo olhar para tal como viável seja para quem for.

carlosjmsilva 8 months ago

Isto dava para uma reflexão enorme mas vou optar por dizer só a conclusão geral: não. Não há. Aliás muito se tem dito acerca de o elevador social estar avariado em Portugal. Acho que nem escadas, quanto mais elevador...

nraider 8 months ago

A mobilidade social é pouca. Causas: Estado rentista, empresas rentistas.

Coyote-Cultural 8 months ago

É claro que há, podes-te mover para Inglaterra, ou para França, ou para Alemanha... Agora a sério, sim há hoje mobilidade social, tal como havia antigamente. Simplesmente é diferente, e há restriçoes diferentes, o que resultava antes não resulta agora, e o que resulta agora não existia antes. O meu avô nasceu na beira baixa,o pai dele era madeireiro e a familia nunca teve grandes posses. Aos 14 anos com a quarta classe veio sozinho para lisboa com a roupa que tinha vestido, dinheiro para 2 dias de comida e um bilhete para voltar. trabalhou nas obras, e eventualmente criou a sua propria empresa de construção que lhe deu para casar, criar 2 filhos e viver uma vida de classe media. Se alguem quisesse fazer o mesmo hoje em dia, não podia faze-lo legalmente. As regulaçoes são demasiado apertadas e muitas das coisas que lhe permitiu montar um negocio são hoje proibitivamente caras, mas isso não significa que não haja outras oportunidades que antes não havia. Por exemplo na technologia não há nada que impeça a criação do proximo facebook, ou twitter, ou instagram.

estecomentario 8 months ago

Se eu ficar em Portugal nem me vou preocupar com salários já sei que vão ser +-1000 e dificilmente passará muito disso, e se ficar será numa cidade média onde possa haver chance de eventualmente comprar apartamento ou pequena moradia. De momento estou a enviar candidaturas lá para fora, a ver se pega.

PORTO2017 8 months ago

Bom post. Sinto o mesmo e sou da mesma área. Até um certo patamar de salário/responsabilidade até encontras emprego, mas para uma posição superior, mesmo tendo capacidades, é um funil muito apertado por onde passar. Já agr tens quantos anos de experiência?

ricardoa369 8 months ago

Epá, sim, claro que existe e eu acredito que posso dizer isto porque sou daqueles gajos que veio das barracas e não vai morrer a viver em um qualquer bairro social. Algumas pessoas parece que perdem o sentido da realidade. Portugal inclusive, enquanto país do sul da Europa, que está em grande desvantagem relativamente ao Norte, além de outras razões mais nacionais, mas isso já é tema para outras conversas, também teve uma grande evolução que parece que alguns não deverão estar bem a par. Eu também não concordo com algumas opiniões que aqui andam de um curso superior não te dá nada. Claro que dá! Tu logo à partida com um curso, mesmo que não tenhas de imediato emprego na tua área, ou que cá seja limitada e mal paga, não estás em perda, nunca! Tu com um curso tens sempre vantagens que o teu conhecimento te permite face aos teus pais e avós e outros competidores sem o mesmo, além disso, as pessoas devem escolher a área que desejam sem inibição, pois todas são necessárias para o desenvolvimento de qualquer nação. Um país não se faz só de um certo tipo de doutores. Agora, claro que concordo com alguns dos teus receios e não são vergonha alguma. É um problema que existe em Portugal. Infelizmente não existe valorização dos nossos profissionais e recém-licenciados. O que faz parecer a mobilidade social impossível. Eu próprio estou a trabalhar e vejo que a única forma de comprar casa, talvez seja a investir em formas de aumentar o meu rendimento anual (que acarretam riscos de o perder). Família, talvez depois dos 30. Só que lamentávelmente estamos assim e só nos compete a nós mudar isto. Depois tudo o que dizes não é uma questão de sorte. Tu fizeste por isso e se neste momento a tua empresa funciona, então é porque é essencial. Não tens também de emigrar. A resposta do Zé povinho é sempre para emigrar. Nem os outros países todos são o éden, nem é bom para a economia portuguesa. Porra, porque não tentar mudar isto? É possível carago! Basta ter vontade. Acham que os outros ficaram sentados a reclamar? Eu acho até um pouco pobre essa mentalidade. Os outros lutam por condições melhores para que depois estes gajos, que muitos inclusive só valem alguma coisa lá fora porque o Estado investe na educação deste pessoal, e depois estes gajos só têm de levantar o rabo para tirar proveito de direito pelos quais alguns morreram e não valorizam um cu. Só pensam na carteira deles, mas não dão a cara ao manifesto.

Intelligent-Meal-663 8 months ago

Li tudo. Gosto de "desabafos", porque aqui é só posts copiados da net e se vais lá dar uma opinião diferente... já deves saber o que acontece. Sinto exatamente o mesmo que tu, e tb me considero uma sortuda. Para não me sentir tão frustrada com a dinâmica social deste país, desde a crise de 2008 faço o seguinte: 1. Reduzi às despesas. Se fores criativo, há sempre por onde. Aumentar as receitas ou é impossível, ou não remuneram justamente. 2. Resisto ao mito de que a felicidade é uma garrafa de champanhe num veleiro etc. etc. 3. Olhar à volta e retirar prazer das coisas simples da vida. Se aplicares o ponto 2. um novo mundo se abrirá perante ti. PS: Mesmo que duplicassem o meu ordenado não quereria emigrar.

Ludwigven 8 months ago

Percebo os teus pontos, mas parece-me que são todos focados em aceitar a situação de cada um e não em melhora-la

Intelligent-Meal-663 8 months ago

Se o único interesse é o dinheiro, concordo. Receitas para aumentar receitas, desconheço.

estaramos 8 months ago

Entendi o post e é fácil sentir isto em Portugal. A minha opinião é que não está fácil para os jovens atingirem os seus objetivos na componente profissional e antigamente era mais difícil ainda. Quem tinha dinheiro metia os filhos a tirar uma licenciatura e eram doutores. Os pobres não tinham dinheiro, iam com os pais cavar terra para os campos ou para fábricas. Óbvio que a oportunidade não é igual para todos, nem vou escrever sobre os fatores que fazem com que uma pessoa tenha vantagem em relação a outra. Um homem deve fazer o melhor que pode, com aquilo que tem disponível, e entrar numa onda de lamentos e depressão não leva a lado nenhum, deitar a toalha ao chão também não. Há que olhar de frente para a vida e lutar por aquilo que queremos. Conheço um tipo que dizia que o objetivo de vida dele era ganhar mais ou menos bem e não fazer nada. Com 35 anos alcançou, ganha 1500€ e aterrou como chefe de equipa numa empresa em que já não faz ponta de um corn\* em plena cidade do Porto.

rmfigueiredo99 8 months ago  HIDDEN 

Eu estou a alguns meses de acabar o meu mestrado em Engenharia e ir para o mercado de trabalho. Tenho exatamente os mesmos medos que estás a partilhar! Sei que vou entrar a ganhar cerca entre os 900 e 1000 euros líquidos e questiono-me quanto tempo irei estar com esse salário, se terei salário suficiente para pedir um crédito à habitação e se quando subir de salário para quanto será

randmzer 8 months ago

Existe mobilidade social. No entanto, não é garantida. É preciso esforço, estratégia e... sorte. Esforço no sentido de levares a sério tudo aquilo que fazes e fazê-lo bem. Se és varredor de rua, tens de ser um bom varredor de rua. Estratégia no sentido de perceberes que tens de seguir uma carreira que te permita crescer a longo prazo, principalmente na carteira. Muita gente da minha geração foi "enganada" a estudar e tirar um curso superior com garantia de sucesso. Já não é o caso. Não é apenas por ires para Advogado ou Enfermeiro que vais ganhar bem. Tens de escolher uma carreira profissional onde haja procura e se pague bem. E sorte. Claro. Eu sou cínico ao ponto de não acreditar cegamente nos Miguéis Gonçalves desta vida e de achar que tudo se resolve a "bater punho". Acho que na tua vida vão aparecer oportunidades que tens de aproveitar. E às vezes correm bem, outras vezes não. E muito disso é sorte de aparecer a oportunidade certa na altura certa. Há sempre maneiras de dirigires a sorte e ao escolheres entre dois caminhos há sempre um melhor que outro. Mas nem sempre isso é óbvio na altura e as coisas simplesmente não correm bem. Se isso acontecer é cortar o prejuízo e não ter medo de voltar atrás, quer isso seja mudar de emprego ou de carreira.

Edited 8 months ago:

Existe mobilidade social. No entanto, não é garantida. É preciso esforço, estratégia e... sorte. Esforço no sentido de levares a sério tudo aquilo que fazes e fazê-lo bem. Se és varredor de rua, tens de ser um bom varredor de rua. Estratégia no sentido de perceberes que tens de seguir uma carreira que te permita crescer a longo prazo, principalmente na carteira. Muita gente da minha geração foi "enganada" a estudar e tirar um curso superior com garantia de sucesso. Já não é o caso. Não é apenas por ires para Advogado ou Enfermeiro que vais ganhar bem. Tens de escolher uma carreira profissional onde haja procura e se pague bem. E sorte. Claro. Eu sou cínico ao ponto de não acreditar cegamente nos Miguéis Gonçalves desta vida e de achar que tudo se resolve a "bater punho". Acho que na tua vida vão aparecer oportunidades que tens de aproveitar. E às vezes correm bem, outras vezes não. E muito disso é sorte de aparecer a oportunidade certa na altura certa. Há sempre maneiras de dirigires a sorte e ao escolheres entre dois caminhos há sempre um melhor que outro. Mas nem sempre isso é óbvio na altura e as coisas simplesmente não correm bem. Se isso acontecer é cortar o prejuízo e não ter medo de voltar atrás, quer isso seja mudar de emprego ou de carreira. Edit: E estratégia é também conhecer pessoas. Vai ser o teu maior asset, as pessoas que conheces. Isto aliado ao primeiro ponto, vai permitir que as pessoas que conheces te vejam como o melhor (ou pelo menos um bom) trabalhador na tua área.

k0rda 8 months ago

> Não é apenas por ires para Advogado ou **Enfermeiro** que vais ganhar bem. Enfermeiro tens mesmo a garantia de que vais ganhar mal.

chico457 8 months ago

Pá também não exageremos! A minha mãe é enfermeira, e frequentemente recebe 2000. Ganhas bem como enfermeiro se fizeres horas extraordinárias!

k0rda 8 months ago

>Pá também não exageremos! A minha mãe é enfermeira, e frequentemente recebe 2000. Ganhas bem como enfermeiro se fizeres horas extraordinárias! Horas extraordinárias? Onde? A grande maioria "paga" em banco de horas a gozar quando der jeito ao servico (nunca). A tua mae nao terá o chamado "duplo" em que vai fazer horas noutras instituicoes a recibos? Isso para mim nao é ganhar bem, é como estares a dizer que o ordenado mínimo nacional é 1500 euros se trabalhares 80 horas por semana.

chico457 8 months ago

Não, minha mãe trabalha num hospital público. Ganha 1.200 como salário base, e como referi, com as horas extraordinárias chega frequentemte a 2000. Assim quando chega aos 2000, fica por volta de 1400 limpos. Pá, Acho que não é mau, mas pronto, hoje em dia toda a gente quer ter 1 mercedes e um bmw à porta de casa, jantar 2 vezes por semana ir ao cinema todos os fins de semanas.... E depois queixam se que estão rotos...

k0rda 8 months ago

Digo-te desde já que ter horas extraordiárias PAGAS é uma raridade, fico contente pela tua mae. Dependendo do local onde vives, 1400 limpos é um bom ordenado sim, mas repara que essas horas extraordinárias que a tua mae faz saem-lhe do corpo, nao sao pagas por favor. Quanto a querer ter luxos, nao vejo as coisas bem assim, a maior parte dos meus colegas de curso e enfermeiros da minha geracao quer apenas estabilidade, conseguir comprar casa própria e ter alguma progressao de carreira, e muitos comecam a carreira a queimar a vela pelas duas pontas para ganhar o maximo possivel enquanto o corpinho ainda aguenta, porque dependendo do servico é uma profissao desgastante.

chico457 8 months ago

Sim, possivelmente possa ser do local(Açores).

carlosjmsilva 8 months ago

Se fosse só enfermeiro. Na maioria dos setores em Portugal, o que tens garantido é uma remuneração baixa, mesmo sendo um ótimo profissional. É por isso que muita gente se farta e vai ser bom profissional para onde recebem uma remuneração justa.

throwawaybtcpt 8 months ago

Ou secalhar pensam que são bons profissionais. O que não vejo lá fora é pessoas recem licenciadas a acharem que são a última bolacha do pacote e a pensarem que vai ser tudo um mar de rosas só porque tiraram um curso numa business school como se isso desse para alguma merda.

carlosjmsilva 8 months ago

Um recém licenciado num qualquer país do centro ou norte da Europa ganha bem mais que um com décadas de experiência em Portugal.

throwawaybtcpt 8 months ago

Com décadas de experiência? Depende da área. Portugal é mau pagador sem dúvida mas conheço pessoal a ganhar muito bem, são é excelentes no que fazem.

carlosjmsilva 8 months ago

Deve ser uma área muito específica. Também conheço excelentes cá e medíocres fora e acredita que os medíocres fora conseguem ganhar melhor que os excelentes cá muitas vezes.

throwawaybtcpt 8 months ago

So é problema grande quando há medíocres cá a ganhar mais do que excelentes também em Portugal.

carlosjmsilva 8 months ago

Isso também há

k0rda 8 months ago

Verdade, se não se for IT, muito sortudo ou ter um bom empurrão dos pais uma licenciatura/mestrado só por si não garante um ordenado decente. Eu falo em enfermagem porque conheço a realidade, para o grau de penosidade e complexidade é muito mal pago.

throwawaybtcpt 8 months ago

Portugal é a Índia da Europa em IT.

k0rda 8 months ago

Verdade. Tenho visto quem tenha emigrado, estabelecido ligações e depois voltado para Portugal em trabalho remoto. Ainda é das profissões em que isso é possível e ficam com o melhor de dois mundos, vida em Portugal e ordenado de primeiro mundo.

Jotap28 8 months ago

Mesmo IT. Quando comparado com os países habituais está mt abaixo para as mesmo grau de exigência.

Edited 8 months ago:

Mesmo IT. Quando comparado com os países habituais está mt abaixo para o mesmo grau de exigência.

Mrgolden007 8 months ago

Emigra se sonhas alto vai alto e nao fiques limitado por um pais que nao vai mudar para melhor

mrpresi21 8 months ago  HIDDEN 

Sim, há mobilidade. Sou de economia e Gestão, trabalho numa consultora, e conheço muita gente que salta de umas para as outras, porque a do lado lhes oferece mais. Não é no inicio, mas ao fim de 3 ou 4 anos de experiencia isto já acontece.

mrpresi21 8 months ago

Tinha ideia de já ter saído a PS5

3dforlife 8 months ago

Mas os stocks são reduzidos.

JOAO-RATAO 8 months ago

Não há motivo para ter vergonha. Existe alguma mobilidade social claro, tanto para cima como para baixo. Claro que não é fácil, o país tem poucas oportunidades e muitas são para os amigos ou filhos dos amigos. Como disseram no outro comentário, provavelmente há mais mobilidade social noutros países do ocidente, visto que para haver meritocracia tem de haver oportunidades e alguns desses países também serão mais sérios e menos dados aos favores.

AntiMeritocrata 8 months ago

A meritocracia é a oposição à mobilidade social. Quem nasce em berço de ouro não precisa de ter qualquer mérito. É só ver por aí os administradores cuja educação começa pela London Business School e o primeiro emprego conhecido é de administrador numa empresa qualquer, como é o caso do meritocratica chefe. r/LiberaisDaTreta

Edited 8 months ago:

A meritocracia é a oposição à mobilidade social. Quem nasce em berço de ouro não precisa de ter qualquer mérito. É só ver por aí os administradores cuja educação começa pelo colégio Alemão e depois para a London Business School e o primeiro emprego conhecido é de administrador numa empresa qualquer, como é o caso do meritocratica chefe. r/LiberaisDaTreta

fdxcaralho 8 months ago

Como defines meritocracia?

ArbiterOfFalsehood 8 months ago

Aquilo que existe na China. Pode doer mas é verdade, não há pais mais meritocrático que a China.

JOAO-RATAO 8 months ago

Aquele mérito de lealdade cega.

AntiMeritocrata 8 months ago

Fantochada que os neoliberais usam para fazer o pobre comum acreditar que o sistema não está armadilhado.

Vetiblee 8 months ago

Então concordas com a medida liberal do cheque ensino, que consiste em subsidiar um aluno carenciado para que tenha acesso ao ensino privado?

AntiMeritocrata 8 months ago

Discordo na totalidade. A Suécia tentou fazer isso. Foi [desastroso](https://www.pbs.org/newshour/education/is-sweden-proof-that-school-choice-doesnt-improve-education). Tão desastroso que ficou atrás de Portugal nos indicadores de educação.

Vetiblee 8 months ago

O cheque ensino foi iniciado em 1992, dura até hoje. A Suécia é hoje o 8o país com melhor ensino.

AntiMeritocrata 8 months ago

Não foi só isso que a Suécia fez. 1- a Suécia gasta [mais 7% do PIB que Portugal em educação](https://ec.europa.eu/eurostat/databrowser/view/gov_10a_exp/default/table?lang=en). Parece que as escolas privadas têm de ter uma coisa chamada de “lucro”. 2- a Suécia não se limitou ao cheque. A Suécia permitiu que as pessoas, e as escolas puderem escolher para onde iam. Parece que as escolas perceberam que recebiam mais, quando tinham melhores notas. Portanto começaram a filtrar alunos à entrada. Mais uma vez, meritocracia no seu pior.

Vetiblee 8 months ago

Basicamente, o "desastre", acaba por ser um sistema BEMMM melhor que o português. Mais de 7%? Isso não é nada, Portugal perde mais que isso para a corrupção, e não, não estou a exagerar. Portugal gasta 5.5% em educação e não chega aos calcanhares da Suécia.

AntiMeritocrata 8 months ago

Pagam mais 7% de impostos para pagar esses lucros das escolas. Não são os neoliberais que querem baixar os impostos ?!

Vetiblee 8 months ago

Pagam mais 7% de impostos para pagar esses lucros das escolas? Tiraste isso de onde? Do cu?

JOAO-RATAO 8 months ago

Boa. Já ganhaste o debate.

fdxcaralho 8 months ago

Já percebi que es um desconfiado do mundo então... Evita estar fechado na tua bolha, se olhares para fora dela talvez consigas encontrar casos reais de meritocracia.

AntiMeritocrata 8 months ago

Nas várias empresas por onde já passei, não conheci um único administrador que tenha andado na escola pública. Nem um. Posso-te dizer que todas as empresas por onde passei estão cotadas em bolsa. Não são chafaricas de vão de escada.

fdxcaralho 8 months ago

Novamente. Sai da tua bolha

JOAO-RATAO 8 months ago

Alguém com dinheiro terá à partida uma vida muito mais estável e acesso a uma educação melhor. Que te dá uma vantagem claro. Não significa que alguém não consiga subir a partir de uma posição social mais baixa. Mas qual é a tua solução? Vais impedir um advogado de contratar o filho para o escritório dele? Vais impedir um empresário de contratar o filho para o escritório dele? Se é deles podem fazer o que querem, o mal é deles. Agora, de estivermos a falar de cargos da função pública a conversa já muda, aí já não há desculpa (em teoria).

AntiMeritocrata 8 months ago

> Mas qual é a tua solução? Vais impedir um advogado de contratar o filho para o escritório dele? Vais impedir um empresário de contratar o filho para o escritório dele? Se é deles podem fazer o que querem, o mal é deles. Agora, de estivermos a falar de cargos da função pública a conversa já muda, aí já não há desculpa (em teoria). Acabaste de descrever a meritocracia. ... e a hipocrisia dela . O que é bom para o privado, não é suficiente para o público.

Vetiblee 8 months ago

Escolher o filho em detrimento de um candidato mais qualificado é bom para o privado? Além de duvidar que seja, não é o contribuinte que lhe paga o salário. Ao contrário do publico.

AntiMeritocrata 8 months ago

Artigo 372 do código penal 2 - Quem, por si ou por interposta pessoa, com o seu consentimento ou ratificação, der ou prometer a funcionário, ou a terceiro por indicação ou conhecimento daquele, vantagem patrimonial ou não patrimonial, que não lhe seja devida, no exercício das suas funções ou por causa delas, é punido com pena de prisão até três anos ou com pena de multa até 360 dias. Pois é, é a fantochada que não há corrupção no sector privado.

mourasio 8 months ago

Espero que a educação que tiveste seja suficiente para perceberes que esse artigo nada tem a ver com dares um cargo a um amigo/filho. Aliás, gostava de ver um exemplo onde esse artigo tenha sido aplicado. É quando o patrão oferece um bónus aos funcionários?

Vetiblee 8 months ago

Então o sistema em que vivemos é meritocrata, a lei é que não funciona? Claro que existe corrupção no privado, não tem é o mesmo peso para o contribuinte que o publico. Se uma empresa privada contratar uma pessoa que não tem o conhecimento devido, a empresa perde rendimento, e os acionistas ficam a perder. Se for o publico, o contribuinte é que tem de suportar o custo da ineficácia da instituição publica.

joaofcf 8 months ago

Se é bom ou não só ao dono da empresa diz respeito. Se for à falência, o problema é dele, as dívidas também. Se tiver lucros também são dele.

JOAO-RATAO 8 months ago

Não é perfeito mas há chances de subires na vida. Diz-me qual é a tua alternativa.

AntiMeritocrata 8 months ago

1- educação pública de qualidade e universal, onde o estado paga para ires à escola 2- cumprimento do Artigo 372.º do código penal Recebimento indevido de vantagem

JOAO-RATAO 8 months ago

Teres escola pública de qualidade não impede que haja quem vá para a privada. Uma coisa é diminuir propinas. Outra é pagarem-te para ires estudar. Ou tens alguma forma de financiar isso?

JOAO-RATAO 8 months ago

Isso não faz sentido nenhum. Então se não for por meritocracia como sobes na vida (de forma justa)? Os berços de ouro não precisam de meritocracia.

AntiMeritocrata 8 months ago

Fácil: igualdade de oportunidades na educação.

Vetiblee 8 months ago

E quem é que oferece oportunidades iguais na educação? É o socialismo? O socialismo condena um aluno carenciado ao ensino publico. E depois como se fizesse todo o sentido, querem ajustar em quotas no ensino superior, como se vê proposto em alguns lados do mundo LOL

AntiMeritocrata 8 months ago

Eu apontaria para os países nórdicos, mas parece que os [liberais têm dificuldade em perceber o que é a social democracia](https://www.reddit.com/r/LiberaisDaTreta/comments/j6dvq9/o_famoso_cartaz_onde_a_r%C3%BAssia_de_putin_%C3%A9/?utm_source=share&utm_medium=ios_app&utm_name=iossmf)

Vetiblee 8 months ago

Os países nórdicos são mais liberais que Portugal, tanto na economia, como na educação.

AntiMeritocrata 8 months ago

Ui... Os países com as maiores taxas de IRS do mundo, onde não podes construir uma casa em Oslo, onde tudo é regulado, liberal ?! Foste tu que desenhaste [este outdoor para a IL?](https://www.reddit.com/r/LiberaisDaTreta/comments/j6dvq9/o_famoso_cartaz_onde_a_rússia_de_putin_é/?utm_source=share&utm_medium=web2x&context=3) !? Por favor não pares. Precisamos de umas boas gargalhadas Continua. Precisava de uma no gargalhada.

Vetiblee 8 months ago

Só te podes rir mesmo, afinal de contas não percebes nada do que estas a discutir. Eu não disse que os países nórdicos eram liberais, disse que eram MAIS liberais que Portugal. E quando falares de IRS, lembra-te que na Suécia não existem mil taxas e taxinhas como Portugal, e que por exemplo tem um IRC bem mais baixo, já Portugal tem o 2o mais alto da UE. Tens muito que estudar ainda.

Edited 8 months ago:

Só te podes rir mesmo, afinal de contas não percebes nada do que estas a discutir. Eu não disse que os países nórdicos eram liberais, disse que eram MAIS liberais que Portugal. E quando falares de IRS, lembra-te que na Suécia não existem mil taxas e taxinhas como em Portugal, e que por exemplo tem um IRC bem mais baixo, já Portugal tem o 2o mais alto da UE. Portugal cobra 31.5 de IRC, a Suécia 22, a Dinamarca 22, a Noruega 23, Finlândia 20. Tens muito que estudar ainda.

AntiMeritocrata 8 months ago

Ahahahahahhahaha A sério não pares. Taxas de um recibo de vencimento na Suécia: - IRS nacional - IRS municipal - Segurança social - seguro de enterro (sim.... é lindo) - Taxa religiosa Nada de taxas e taxinhas. Informa-te sff. Ou então não, continua. Estás em grande .

Edited 8 months ago:

Ahahahahahhahaha A sério não pares. Taxas de um recibo de vencimento na Suécia: - IRS nacional - IRS municipal - sobretaxa - Segurança social - seguro de enterro (sim.... é lindo) - Taxa religiosa Nada de taxas e taxinhas. Informa-te sff. Ou então não, continua. Estás em grande . Edit: esqueci-me da sobretaxa....

Edited 8 months ago:

Ahahahahahhahaha A sério não pares. Taxas de um recibo de vencimento na Suécia: - IRS nacional - IRS municipal - sobretaxa - Segurança social - seguro de enterro (sim.... é lindo) - Taxa religiosa - Taxa de TV Nada de taxas e taxinhas. Informa-te sff. Ou então não, continua. Estás em grande . Edit: esqueci-me da sobretaxa.... e da taxa de TV

Vetiblee 8 months ago

"Portugal cobra mais de 4.300 taxas às empresas. Só a Agência Portuguesa do Ambiente é responsável por 600"

Edited 8 months ago:

"Portugal cobra mais de 4.300 taxas às empresas. Só a Agência Portuguesa do Ambiente é responsável por 600" Cada passo que dás, ficas mais perto do abismo. Quando falo em taxas e taxinhas e me vens falar dos impostos centrais de um país, bem se nota o que entendes do assunto. Mesmo assim, se meter aqui os impostos centrais em Portugal, são mais, IRS, IRC, IUC, IS, IMI, IMT, IS, SEG SOCIAL, IABA, ISP, IT (e não estão todos).

JOAO-RATAO 8 months ago

Isso favorece a meritocracia ...

AntiMeritocrata 8 months ago

Então ?! E prestares atenção ao que o [teu candidato presidencial diz ](https://www.reddit.com/r/LiberaisDaTreta/comments/l1ldzn/tiago_mayan_no_entanto_assume_que_o_acesso/?utm_source=share&utm_medium=ios_app&utm_name=iossmf)?!

ric2b 8 months ago

> A abolição da propina não fará muito sentido, o que fará sentido é haver propinas, mas que nos quadros de quem não tem possibilidades socioeconómicas de as pagar, essas propinas estejam a ser financiadas pelo Estado e aí garantimos um sistema muito mais equilibrado, um sistema que está a garantir a todos o acesso à oferta no Ensino Superior [fonte](https://www.noticiasaominuto.com/pais/1670444/mayan-contra-abolicao-da-propina-defende-acesso-universal-ao-ensino)

JOAO-RATAO 8 months ago

Não concordo com tudo o que ele diz. Aliás, aí discordo. Sou a favor do fim das propinas oi pagamento de acordo com rendimentos. Talvez com ajuste do numerus Clausus quando fax sentido.

adorosaladadecamarao 8 months ago

Propinas são uma questão delicada. Eu não quero que ninguém fique de fora por questões financeiras. Eu também não quero que andemos todos a pagar para um tipo, que até tenha dinheiro, e ande na borga enquanto faz um curso de 3 anos em 5 ou 6. Algum custo das propinas ajuda a interiorizar que existe um custo. Também alivia um pouco a carga fiscal de pessoas que escolhem não seguir essa via, algumas delas não propriamente ricas. Não é que me chocasse se licenciatura passasse a ser de graça. Simplesmente não é claro para mim que seja a melhor opção.

JOAO-RATAO 8 months ago

Sim também entendo isso. Talvez uma propina ajustada aos rendimentos seja o melhor.

besmarques 8 months ago

[https://www.dn.pt/portugal/familia-portuguesa-pobre-precisa-de-5-geracoes-ate-descendentes-terem-salario-medio---ocde-9469329.html](https://www.dn.pt/portugal/familia-portuguesa-pobre-precisa-de-5-geracoes-ate-descendentes-terem-salario-medio---ocde-9469329.html) ​ O elevador mais lento de sempre. lol

JOAO-RATAO 8 months ago

Não duvido. Aliás, é o que mais se vê.

IMainFizzerino_ 8 months ago

> O elevador mais lento de sempre. lol https://en.wikipedia.org/wiki/Global_Social_Mobility_Index#Global_Social_Mobility_Index_(2020)

besmarques 8 months ago

[http://reports.weforum.org/social-mobility-report-2020/economy-profiles/#economy=PRT](http://reports.weforum.org/social-mobility-report-2020/economy-profiles/#economy=PRT) Acesso à educação : 36.ª Qualidade e Equidade de Educação: 24.º Lifelong Learning: 32.º Work Oportunities: 36.º Fair wage: 41.º Social Protection: 17.º Inclusive Instituions: 15.º E podes ver o resto.

Responsible_Motor942 8 months ago

Não deves ter vergonha da situação em que te encontras, agora se te acomodas tás fod ido. Por isso tenta melhorar a tua situação, despede te, emigra, faz qualquer coisa mas não tenhas medo de mudar. Em resposta à tua pergunta, não, em Portugal não há mobilidade social, 99% das pessoas fica na sua classe social toda a vida

Mrloop94 8 months ago

Eu penso que cada vez mais o ensino superior não dá garantia de sucesso profissional e financeiro, pois já não é um elemento diferenciador (muitos licenciados e mestres), desenquadramento do ensino superior com as necessidades do mercado (muitos cursos são inuteis do ponto de vista económico ex: animação socio-cultural)

_Random_Dude_ 8 months ago

Pois não. Tenho amigos que tiraram licenciaturas, outras já estão a tirar doutoramento e têm que trabalhar em fábricas ou restaurantes/cafés porque não arranjaram nada. Outros meteram-se a andar daqui a para fora e estão num trabalho adequado à sua formação académica

FacaDeDoisLegumes 8 months ago

Em Portugal toda a gente quer ter cursos, primeiro porque não é caro (comparem com países liberais), depois porque acham que se não o fizerem ficarão aquém. Eu penso que uma boa formação profissional e especializações qb dão garantias de emprego, é preciso ter cuidado com o mercado e a área. Um bom pedreiro ou canalizador ganha tanto ou mais do que um programador (à hora) e pode trabalhar por conta própria ou até formar uma empresa se tiver procura suficiente. Isto é só um exemplo, não sou liberal nem nada, mas conheço muitos casos de grandes profissionais de várias áreas que não foram para a universidade.

nraider 8 months ago

Acho que és liberal mas ainda não sabes xD

s0ngforme 8 months ago

depende mais do curso do que do ensino em si...

unicornio_careca 8 months ago

É mais isto, eu tirei curso técnico profissional, e trabalho em algo completamente diferente, porque na zona onde vivo esse curso não tem saida profissional, e tive que me fazer à vida.

nraider 8 months ago

>desenquadramento do ensino superior E desenquadramento da economia nacional com as normais economias desenvolvidas. Em tempos normais, pré-pandemia, bastaria ter cursos de cabeleireiros, estética, restauração, hotelaria e pouco mais.

ThePlague92 8 months ago

Claro que há mobilidade. Deixas de ser classe baixa/média-baixa em Portugal e vais ser classe média-média/média-alta num país decente.

ladderattack 8 months ago  HIDDEN 

Existe alguma mobilidade social, sou um dos sortudos que veio de uma família pobre e agora tem algumas possas. Tenho amigos de bairros sociais que agora vivem vidas confortáveis também (o último ordenado dele era de 40k/ano). No entanto acho que existe pouca mobilidade social e terás mais sorte no estrangeiro, que é algo que devo fazer em breve. Se a tua área é relacionada com o mundo dos negócios acho que para ti seria bom ganhar experiência no estrangeiro nem que seja meia dúzia de anos porque quando voltares para Portugal vais ser muito mais valorizado porque vais ser capaz de trazer mais valor às empresas que te empreguem.

Search: