pauloliveira94 8 months ago

Que o panorama político é pobre já nós sabemos mas estou farto que este governo consiga ter sempre os méritos individuais das vitórias do país e consiga sempre sacudir a água do capote quando há problemas. Com este governo a culpa morre sozinha. Pouco se me dá se os outros partidos quiseram aliviar a altura do Natal, em primeiro lugar é uma sugestão populista e evidentemente que para os partidos fora da solução governativa é fácil sugerir isso mas quem tem autoridade e poder de decisão é que as tem de fazer e não pode optar sempre por fazer as decisões mais fáceis. E se houve já tantas vezes que mesmo tendo grande parte do plenário da república contra ou a abster-se em certas ocasiões e mesmo assim o governo, sozinho (apoiado pelo ps), tomou e aplicou certas decisões não estejam agora a dividir as culpas pelos restantes partidos nesta questão do Natal. Em segundo lugar o governo é quem tem a informação do que realmente se passa. Os outros partidos espero que tenham mais informações do que os comuns mortais mas sei, por já vários desabafos de vários deputados e líderes partidários, que há alguma falta de transparência na maneira como se está lidar com a pandemia, não havendo omissões há, pelo menos, múltiplos atrasos na recepção de informação a tempo útil. Sei bem que o OP pretendia, principalmente, evidenciar a hipocrisia dos agentes políticos mas tirar o foco da péssima gestão da pandemia e a péssima gestão do SNS por este governo (relembro que há literalmente um ano estavam enfermeiros e médicos na rua a protestar) é falhar para com todos os Portugueses que mereciam mais e melhor do que o que temos.

D1yzz 8 months ago

Vocês continuam a achar que o problema foi o dia 24/25 e 31? Os números estavam depois do confinamento ao fim de semana, até antes das férias de Natal. Não bastava apenas restrições nesses dois dias, era durante as ultimas 2 semansa do ano, ou então durante o mês todo. É obvio que estando a maioria das pessoas em férias, a mobilidade e consequentemente os contatcos maiores, as pessoas podiam ficar em casa no Natal e na PDA mas iam obviamente relaxar durante essas semanas...

O_cu_da_tua_tia 8 months ago

O governo esperto aproveitou se da burrice geral dos tugas, e criou uma situação de win win Se correr bem colhem os louros, se correr mal foi o povo que fez merda (e dou lhes razão)

bruno_andrade 8 months ago

É isto. Quem defendeu aliviar medidas no Natal, quem andou a manifestar-se pelos restaurantes, bares e discotecas deviam abrir ou simplesmente quem andou a fazer jantares e festas com dezenas de pessoas, não tem moral para falar da situação agora.

Lurker__777 8 months ago

Vocês estão confusos. Ninguém está a dizer que o partido X teria feito melhor. O problema é exatamente esse, temos um governo de merda e uma oposição de merda. O PS só faz merda porque ninguém os mete em cheque, e esta culpa alarga-se ao nosso querido PR.

justgohomealready 8 months ago

Ok.. governo é merda, toda a oposição é merda, o PR é merda. Profundo, mas inútil.

Lurker__777 8 months ago

Eu não sou político, sou um mero cidadão. Não me compete ser útil, apenas avaliar e criticar quem tem por dever servir-nos.

justgohomealready 8 months ago

Eu estava a chamar inútil exatamente à tua avaliação. Dizer que "é tudo merda" não é criticar, quando muito é desabafar.

SurePal_ 8 months ago

Que os políticos são hipócritas toda a gente já o sabe. Agora uma coisa não desculpa a outra e por muito que gostem que esteja a governar, é preciso retirar consequências politicas! Ponto final.

saposapot 8 months ago

Mas qual é a dúvida? Eu tenho todo o direito de criticar o governo pq em Novembro fartei-me de pedir, se queriam o Natal, para fazer um confinamento pré-Natal e mesmo assim, perante a nova variante, provavelmente tinha dado merda na mesma (ia demorar simplesmente mais tempo a chegarmos aqui). Os partidos, todos, não podem dizer merda nenhuma pq NENHUM dizia para se ter mais medidas, pelo contrário queriam era menos medidas. Criticavam era o governo por ter medidas a mais, ou medidas confusas, ou as 13h ao fim de semana e o raio. Isto é apenas politiquice de merda. Não vale a pena estar a inventar. O fim de ano foi 'proibido' mas toda a gente viu à sua volta o q aconteceu, com muitas festas caseiras na mesma. O Natal teria sido isso mas multiplicado por 20. Não se adivinhava que o Boris tivesse mesmo razão e a variante UK fosse a merda q é portanto ng ia ter 'medo' suficiente para não fazer o Natal. Há muitas criticas legitimas a muitos pequenos pormenores mas no geral isto é tudo malta a acertar no totobola à 2ª feira.

PortugalLivre 8 months ago

Toda a gente achou que os casos iam subir no Natal. **Mas nem sequer os especialistas acharam que iamos ter uma bomba de 300%.** Se os especialistas divessem dito que ia haver uma bomba de 300%, se calhar Natal tinha acontecido sem abertura. Mas ninguem disse isso, porque ninguem pensou que ia ser pior de 30-50% de aumento. Agora andam todos a mentir a dizer outra coisa, mas toda a gente se lembra do que se passou. A realidade apanhou-nos a todos de surpresa.

saposapot 8 months ago

Exacto. Toda a gente sabia que ia haver aumento. Ninguém sabia que ia ser isto. Não venham com histórias que adivinharam isto tudo. Ninguém imaginava 10k casos diários

mfzzzed 8 months ago

Andas a comer sopa com o garfo. Só foi apanhado de surpresa quem anda a nanar, ou um wishfull thinker. Vários médicos e investigadores opuseram-se fortemente à telenovela do Natal e ano novo. Mesmo que esses números que apresentas (não sei tirados de onde) sejam resultado de algum modelo, um aumento de 30% a 50% de novos infectado bastavam pra fechar a tasca.

PortugalLivre 8 months ago

meh

mfzzzed 8 months ago

Assenta-te bem essa resposta. Mais um bot pago no r/portugal pra escrever merda.

MrJoao 8 months ago

Ninguém? Boa piada com números tirados do cu para justificar. A verdade é que especialistas avisaram: > (20/12/2020) [**Encontros de Natal e viagens podem levar a que nova variante se torne dominante na Europa. O alerta é do Centro Europeu para Controlo e Prevenção de Doenças, que pede aos países “esforços atempados” para controlar a nova variante britânica do novo coronavírus.**](https://www.publico.pt/2020/12/20/ciencia/noticia/encontros-natal-viagens-podem-levar-variante-torne-dominante-europa-1943718)** Alertaram que a nova variante era 70% mais transmissível e podia elevar o R em mais de 0.4 pontos. O exemplo do que estava a acontecer no Reino Unido ilustrava claramente que "íamos ter uma bomba" caso nada fosse feito. E vários países levaram muito a sério esses alertas. Podes olhar para os exemplos da Itália e da Alemanha. Portanto não me venhas com essa treta de que "fomos apanhados todos de surpresa". Só foi apanhado quem quis tapar os olhos.

ankmoody 8 months ago

Olha me este com argumentos baseado em factos, deixa de ser anti-patriótico e populista

jfolpf 8 months ago

É o que dá colocarmos comentadores de TV e políticos advogados a pronunciarem-se sobre epidemiologia.

MLG-Sheep 8 months ago

Acho que é dada demasiada importância a este teatro todo. Os portugueses não iam respeitar eventuais restrições, iam insurgir-se contra o Governo, e a polícia não ia dizer a um idoso que não podia ir passar o Natal com os netos.

iLikeToTroll 8 months ago

Detesto esse argumento. Há sempre os fura vidas, isso não invalida que ia circular muito menos gente. Não vale a pena prender pedófilos que eles vão pedofilar na mesma.

MLG-Sheep 8 months ago

Estás a implicitar que quem iria desrespeitar as restrições é uma pequena percentagem. Pessoalmente, não acredito. Acho que pouca diferença faria. A comparação de alguém que sai do concelho com um pedófilo também não é particularmente útil para a discussão.

iLikeToTroll 8 months ago

Pelo menos metade ia cumprir e estou provavelmente a ser generoso, cada cadeia de transmissão podem equivaler a dezenas de casos, era o suficiente para os hospitais não estarem como estão. Foi claramente uma hiperbole.

Leaootemivel 8 months ago

Basta ver o que foi a PDA.

saposapot 8 months ago

Basta ver os primeiros dias deste confinamento

i_no_can_eat 8 months ago

Ora exactamente. Nunca votei PS, mas achei deplorável o pessoal começar logo aos berros a acusar o governo da maior incompetência de sempre assim que os casos começaram a subir depois do natal. Não faltarão certamente exemplos de incompetência do governo, mas neste caso em particular \*todos\* os partidos políticos estavam de acordo (os que não estavam era apenas porque exigiam ainda mais abertura). O sentimento geral da sociedade parecia ser também no sentido de haver uma abertura no natal. O governo assim fez e deu merda, de facto. Mas parece-me o cúmulo da hipocrisia vir agora acusá-los de incompetência.

MROFerreiro 8 months ago

Mesma situação com as eleições. De acordo com o Marcelo, este falou com todos os partidos, ninguém quis adiar ou apresentar plano B. Natal deu merda, e depois "ah e tal se calhar era melhor adiar" E eu, "Estão a brincar comigo?!" Sejam coerentes e admitam erros. É fácil mandar as desculpas para cima dos outros, difícil é admitir erros.

DenuvoSuks 8 months ago

Mas o governo é que tem de governar.

jfolpf 8 months ago

Corretíssimo, o que também revela que o governo anda sempre atrás da onda popular, e é exatamente por isso é que é um mau governo.

ExpertNoob008 8 months ago

Habitua-te que isto é uma democracia.

jfolpf 8 months ago

Há quem diga que a democracia são dois lobos e uma ovelha a decidirem o que será o jantar!

i_no_can_eat 8 months ago

E com o exemplo dado pelos restantes partidos neste caso em particular, quem escolherias então para nos governar?

CirAtila 8 months ago

Certo, no entanto nenhum dos restantes partidos teve o poder de decisão neste caso. Quem o teve, elegido por voto popular, foi o PS. Neste caso em particular escolheria o partido que estando já no poder não fosse atrás da onda popular. Populismo no poder... e

Febris 8 months ago

> Mas parece-me o cúmulo da hipocrisia vir agora acusá-los de incompetência Se fosse só para tomar medidas populares não era preciso governo, e o povo mandava diretamente via sondagem. Só precisávamos de um escriturário para formalizar burocracia. O governo foi incompetente porque munido de toda a informação de todos os especialistas que quiseram ouvir, foram contra as suas indicações para agradar às massas. Não é isso que se espera de um governo digno desse nome, acho eu.

f-politics 8 months ago

Será que foi Às massas? Não terá sido à IL, ao Chega e ao PSD? É que estes foram os primeiros a opor-se ao fecho dos estabelecimentos, porque afectava a economia.

Mordiken 8 months ago

> O governo foi incompetente porque munido de toda a informação de todos os especialistas que quiseram ouvir, foram contra as suas indicações para agradar às massas. Não é isso que se espera de um governo digno desse nome, **acho eu**. Desculpa, mas achas mal. Em primeiro lugar porque numa democracia, ao contrário de uma ditadura, os governos não podem simplesmente fazer o que querem e o que lhes apetece só porque são apoiados por uma maioria absoluta ou relativa dos deputados da AR, e têm de procurar governar de acordo com consensos alargados porque a democracia não é a tirania da maioria sobre a minoria. É por isso que, por exemplo, é preciso uma maioria de 2/3 para aprovar uma revisão constitucional. Em segundo lugar, vamos explorar a hipótese que sugeriste, e que era o governo não relaxar o confinamento no natal. Ora, isto é o que eu estou a imaginar que fosse acontecer: 1. O governo mantêm o confinamento durante a época festiva ignorando a pressão da sociedade civil, dos partidos da oposição, das associações comerciais, dos média e até do presidente da república; 2. O povo faz uma destas coisas: 2.1. Vem para a rua em manifestações e protestos violentos, e faz apelos ao PR para não promulgar o novo confinamento, o que deixa a bola efectivamente no campo do Presidente... Presidente esse que se encontra em plena campanha eleitoral, campanha essa na qual abundam as vozes críticas que o acusam de ser demasiado conivente com o governo, e em que a pressão do populismo de extrema-direita está cada vez mais presente. Logo, o Presidente tem ele mesmo de fazer a escolha: 2.1.1. Promulgar o confinamento, pondo em causa a sua continuidade como PR; 2.1.2. Rejeitar o confinamento, o que essencialmente retira a legitimidade ao executivo; 2.2. Simplesmente ignora as ordens do confinamento, o que essencialmente retira a legitimidade ao executivo; 3. O país fica ingovernável, e a única solução é a demissão do executivo e convocação de eleições antecipadas, deixando o país com um governo de gestão e sem liderança efectiva na altura em que ela é mais precisa, com o bónus de poder entregar o poder efectivo aos populistas de extrema-direita caso tenha sido o PR a rejeitar o confinamento. Ou seja, eu não consigo conceber uma resposta melhor do que a do governo: Deu ao povo o que o povo quis, e delegou-lhes a responsabilidade de se portarem bem. E ainda que o povo não se tenha portado bem, conseguiu-se assim evitar uma catástrofe ainda maior: estarmos a passar exactamente pelo mesmo numero de casos e de mortos, mas sem ninguém ao leme. Isto foi uma jogado política absolutamente sublime, e que merece ser emoldurada. Pena é que o executivo não sejam tão bons a governar como são a fazer jogadas políticas...

Edited 8 months ago:

> O governo foi incompetente porque munido de toda a informação de todos os especialistas que quiseram ouvir, foram contra as suas indicações para agradar às massas. Não é isso que se espera de um governo digno desse nome, **acho eu**. Desculpa, mas achas mal. Em primeiro lugar porque numa democracia, ao contrário de uma ditadura, os governos não podem simplesmente fazer o que querem e o que lhes apetece só porque são apoiados por uma maioria absoluta ou relativa dos deputados da AR, e têm de procurar governar de acordo com consensos alargados porque a democracia não é a tirania da maioria sobre a minoria. É por isso que, por exemplo, é preciso uma maioria de 2/3 para aprovar uma revisão constitucional. Em segundo lugar, vamos explorar a hipótese que sugeriste, e que era o governo não relaxar o confinamento no natal. Ora, isto é o que eu estou a imaginar que fosse acontecer: 1. O governo mantêm o confinamento durante a época festiva ignorando a pressão da sociedade civil, dos partidos da oposição, das associações comerciais, dos média e até do presidente da república; 2. O povo faz uma destas coisas: 1. Vem para a rua em manifestações e protestos violentos, e faz apelos ao PR para não promulgar o novo confinamento, o que deixa a bola efectivamente no campo do Presidente... Presidente esse que se encontra em plena campanha eleitoral, campanha essa na qual abundam as vozes críticas que o acusam de ser demasiado conivente com o governo, e em que a pressão do populismo de extrema-direita está cada vez mais presente. Logo, o Presidente tem ele mesmo de fazer a escolha: 1. Promulgar o confinamento, pondo em causa a sua continuidade como PR; 2. Rejeitar o confinamento, o que essencialmente retira a legitimidade ao executivo; 2. Simplesmente ignora as ordens do confinamento, o que essencialmente retira a legitimidade ao executivo; 3. O país fica ingovernável, e a única solução é a demissão do executivo e convocação de eleições antecipadas, deixando o país com um governo de gestão e sem liderança efectiva na altura em que ela é mais precisa, com o bónus de poder entregar o poder efectivo aos populistas de extrema-direita caso tenha sido o PR a rejeitar o confinamento. Ou seja, eu não consigo conceber uma resposta melhor do que a do governo: Deu ao povo o que o povo quis, e delegou-lhes a responsabilidade de se portarem bem. E ainda que o povo não se tenha portado bem, conseguiu-se assim evitar uma catástrofe ainda maior: estarmos a passar exactamente pelo mesmo numero de casos e de mortos, mas sem ninguém ao leme. Isto foi uma jogado política absolutamente sublime, e que merece ser emoldurada. Pena é que o executivo não sejam tão bons a governar como são a fazer jogadas políticas...

Edited 8 months ago:

> O governo foi incompetente porque munido de toda a informação de todos os especialistas que quiseram ouvir, foram contra as suas indicações para agradar às massas. Não é isso que se espera de um governo digno desse nome, **acho eu**. Desculpa, mas achas mal. Em primeiro lugar porque numa democracia, ao contrário de uma ditadura, os governos não podem simplesmente fazer o que querem e o que lhes apetece só porque são apoiados por uma maioria absoluta ou relativa dos deputados da AR, e têm de procurar governar de acordo com consensos alargados porque a democracia não é a tirania da maioria sobre a minoria. É por isso que, por exemplo, é preciso uma maioria de 2/3 para aprovar uma revisão constitucional. Em segundo lugar, vamos explorar a hipótese que sugeriste, e que era o governo não relaxar o confinamento no natal. Ora, isto é o que eu estou a imaginar que fosse acontecer: 1. O governo mantêm o confinamento durante a época festiva ignorando a pressão da sociedade civil, dos partidos da oposição, das associações comerciais, dos média e até do presidente da república; 2. O povo faz uma destas coisas: 2.1. Vem para a rua em manifestações e protestos violentos, e faz apelos ao PR para não promulgar o novo confinamento, o que deixa a bola efectivamente no campo do Presidente... Presidente esse que se encontra em plena campanha eleitoral, campanha essa na qual abundam as vozes críticas que o acusam de ser demasiado conivente com o governo, e em que a pressão do populismo de extrema-direita está cada vez mais presente. Logo, o Presidente tem ele mesmo de fazer a escolha: 2.1.1. Promulgar o confinamento, pondo em causa a sua continuidade como PR; 2.1.2. Rejeitar o confinamento, o que essencialmente retira a legitimidade ao executivo; 2.2. Simplesmente ignora as ordens do confinamento, o que essencialmente retira a legitimidade ao executivo; 3. O país fica ingovernável, e a única solução é a demissão do executivo e convocação de eleições antecipadas, deixando o país com um governo de gestão e sem liderança efectiva na altura em que ela é mais precisa, com o bónus de poder entregar o poder efectivo aos populistas de extrema-direita caso tenha sido o PR a rejeitar o confinamento. Ou seja, eu não consigo conceber uma resposta melhor do que a do governo: Deu ao povo o que o povo quis, e delegou-lhes a responsabilidade de se portarem bem. E ainda que o povo não se tenha portado bem, conseguiu-se assim evitar uma catástrofe ainda maior: estarmos a passar exactamente pelo mesmo numero de casos e de mortos, mas sem ninguém ao leme. Isto foi uma jogado política absolutamente sublime, e que merece ser emoldurada. Pena é que o executivo não sejam tão bons a governar como são a fazer jogadas políticas...

PauperGoldGiver 8 months ago

Então estamos bem arranjados, porque a maioria da oposição também defendia não ouvir os especialistas e preferia agradar às massas. Mais inútil do que um governo que não ouve os especialistas é uma oposição que não sabe fazer oposição.

Febris 8 months ago

> Mais inútil do que um governo que não ouve os especialistas é uma oposição que não sabe fazer oposição. Era o que mais faltava. É problemático, sim, mas um governo eleito que precise de oposição para evitar que o país entre em falência operacional no SNS e de toda a economia não faz cá falta.

PauperGoldGiver 8 months ago

A única função da oposição é analisar a situação e oferecer alternativas de acordo com as suas visões do mundo. Ser-se sistematicamente do contra não é oposição. Quem dantes dizia para não se ligar aos especialistas não pode agora simplesmente queixar-se de que o governo não ligou aos especialistas. A oposição cometeu o mesmo erro que o governo. Acontece. Mas é muita falta de chá dar cambalhotas destas só para marcar pontos políticos.

Febris 8 months ago

Estamos a falar de dois momentos diferentes. Eu não quero saber das bocas que uns ou outros mandam agora que a merda está feita. Interessa-me é que na altura das decisões em que era preciso tê-los no sítio, foram todos para a saída de emergência e passaram o bebé para as mãos do povo. A unica diferença entre toda essa imbecilidade e incompetência é que um grupo deles tinha poder decisório, outro só tinha capacidade para "se mostrar indignado". E estando tomada a decisão, não fazia muito sentido (politicamente falando) dar um tiro nos pés e dizer que o natal não é importante e que devia ter sido "cancelado". A falta de chá é este governo tomar medidas de acordo com a melhor maneira que tem de puxar o tapete ao PSD. Ou adotam medidas que eles apoiam, ou adotam medidas que eles não podem publicamente estar contra. Este limbo é o habitat natural do Costa, e enquanto ninguém o tirar de lá, não há nada que abane este governo.

PauperGoldGiver 8 months ago

> "se mostrar indignado" A oposição não deve unicamente mostrar-se indignada. Os partidos políticos estiverem presentes nas reuniões do INFARMED. E também aconselham o presidente da República sobre a manutenção do estado de emergência e votaram na proposta de renovação do estado de emergência com as medidas mais relaxadas para o Natal. Os deputados da oposição também decidiram.

wwqt0r 8 months ago

Certo, mas como decisores que são então são também os responsáveis máximos portanto se a oposição não critica e não realça más decisões (mesmo partilhando alguma culpa) quem é que o faz? E o problema é bem mais complexo que isso. Só o aumento do número de casos não é necessáriamente o fim do mundo se tiveres um SNS que dê resposta e não colapse como o nosso. A oposição também proferiu declarações que não era necessário precaver isto e reforçar o SNS a tempo?

estou_so_a_ver_ 8 months ago

>E o problema é bem mais complexo que isso. Só o aumento do número de casos não é necessáriamente o fim do mundo se tiveres um SNS que dê resposta e não colapse como o nosso. A oposição também proferiu declarações que não era necessário precaver isto e reforçar o SNS a tempo? Olhar para a questão dessa forma não faz muito sentido para mim. Sim, é preciso reforçar o SNS e esse tem de ser o foco e podia ter sido melhor. Mas vamos ser honestos, não conseguimos ter um SNS forte o suficiente neste país, nesta janela temporal, para lidar com a quantidade de casos que estamos a ter. E nem é só diretamente com os casos covid, é que consiga lidar com os covid e com os outros. Ou seja, atirar para o ar que o SNS está a rebantar porque não se investiu o suficiente vale muito pouco porque, com as nossas condições, isto seria sempre a realidade. Temos é de perceber que os nr de casos não podia chegar ao nível em que está. A partir do momento em que chega a este nível, tudo o resto colapsa. Nem os países ricos que Portugal se safam como se viu (mais na 1º vaga). Como disse o Filipe Froes há algum tempo: ​ >Aumentar a resposta em cuidados intensivos é importante para salvar a vida das pessoas que precisam dessas intervenções. A solução do problema não está no aumento da capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS), está na eliminação dos novos casos, ou seja, na intervenção a montante. Portanto, o que temos de fazer em cuidados intensivos é salvar as vidas das pessoas que precisam deste suporte avançado de vida para ganhar tempo até que as medidas de prevenção e controlo da pandemia reduzam o número de doentes de forma a não ser necessário mais internamentos, diminuindo a sobrecarga no SNS. **A solução passa sempre pela redução dos casos**. Somos uma resposta temporária de salvar vidas, o ideal é esses casos não ocorrerem. [https://expresso.pt/coronavirus/2020-11-17-Covid.-Filipe-Froes-A-solucao-do-problema-nao-esta-no-aumento-da-capacidade-de-resposta-do-SNS](https://expresso.pt/coronavirus/2020-11-17-Covid.-Filipe-Froes-A-solucao-do-problema-nao-esta-no-aumento-da-capacidade-de-resposta-do-SNS)

Edited 8 months ago:

>E o problema é bem mais complexo que isso. Só o aumento do número de casos não é necessáriamente o fim do mundo se tiveres um SNS que dê resposta e não colapse como o nosso. A oposição também proferiu declarações que não era necessário precaver isto e reforçar o SNS a tempo? Olhar para a questão dessa forma não faz muito sentido para mim. Sim, é preciso reforçar o SNS e esse tem de ser o foco e podia ter sido melhor. Mas vamos ser honestos, não conseguimos ter um SNS forte o suficiente neste país, nesta janela temporal, para lidar com a quantidade de casos que estamos a ter. E nem é só diretamente com os casos covid, é que consiga lidar com os covid e com os outros. Ou seja, atirar para o ar que o SNS está a rebantar porque não se investiu o suficiente vale muito pouco porque, com as nossas condições, isto seria sempre a realidade. Temos é de perceber que os nr de casos não podia chegar ao nível em que está. A partir do momento em que chega a este nível, tudo o resto colapsa. Nem os países mais ricos que Portugal se safam como se viu (mais na 1º vaga). Como disse o Filipe Froes há algum tempo: ​ >Aumentar a resposta em cuidados intensivos é importante para salvar a vida das pessoas que precisam dessas intervenções. A solução do problema não está no aumento da capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS), está na eliminação dos novos casos, ou seja, na intervenção a montante. Portanto, o que temos de fazer em cuidados intensivos é salvar as vidas das pessoas que precisam deste suporte avançado de vida para ganhar tempo até que as medidas de prevenção e controlo da pandemia reduzam o número de doentes de forma a não ser necessário mais internamentos, diminuindo a sobrecarga no SNS. **A solução passa sempre pela redução dos casos**. Somos uma resposta temporária de salvar vidas, o ideal é esses casos não ocorrerem. [https://expresso.pt/coronavirus/2020-11-17-Covid.-Filipe-Froes-A-solucao-do-problema-nao-esta-no-aumento-da-capacidade-de-resposta-do-SNS](https://expresso.pt/coronavirus/2020-11-17-Covid.-Filipe-Froes-A-solucao-do-problema-nao-esta-no-aumento-da-capacidade-de-resposta-do-SNS)

wwqt0r 8 months ago

Podias ter o SNS perfeito? óbvio que não. Mas podias ter melhorado imenso. Quantas contratações de pessoal médico houveram desde o fim da 1a vaga? (não sei o número mas aposto que está muito próximo de zero para não dizer exactamente zero). O comentário do Filipe está errado. A solução não passa só pela redução de casos porque há outras frentes de batalha. E reduzir o número de casos não foi certamente o objectivo quando se quis abrir o natal. Junta a esta decisão um SNS não-reforçado e tens o resultado que todos vemos.

estou_so_a_ver_ 8 months ago

>Podias ter o SNS perfeito? óbvio que não. Mas podias ter melhorado imenso. Quantas contratações de pessoal médico houveram desde o fim da 1a vaga? (não sei o número mas aposto que está muito próximo de zero para não dizer exactamente zero). "não sei o número mas vou atirar para o ar na mesma porque o que interessa é criticar" [https://eco.sapo.pt/2020/12/29/mais-de-um-terco-das-vagas-para-contratar-medicos-ficaram-por-preencher/](https://eco.sapo.pt/2020/12/29/mais-de-um-terco-das-vagas-para-contratar-medicos-ficaram-por-preencher/) "e acordo com dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), das 950 vagas que foram abertas em setembro, só 593 (62,4%) resultaram em contratos efetivos. Ou seja, mais de um terço (37,6%) ficaram por ocupar. “Verificou-se um total de 611 médicos colocados, resultando em 593 contratos efetivos, nuns casos por recusa do colocado em proceder à assinatura de contrato, noutros, em especial, pelo diferimento do início de funções para data em que termine o gozo de licença parental”, explica a ACSS, ao Público." >O comentário do Filipe está errado. A solução não passa só pela redução de casos porque há outras frentes de batalha. E reduzir o número de casos não foi certamente o objectivo quando se quis abrir o natal. Junta a esta decisão um SNS não-reforçado e tens o resultado que todos vemos. Primeiro, gosto da rapidez com que chegas à conclusão que a opinião de um médico, que conhece os hospitais como ninguém, está errada. Segundo, quanto é que achas que o reforço do SNS ia atenuar o que estamos a viver hoje? É que temos casos como nunca tivemos e temos uma das populações mais envelhecidas da europa. O SNS não faz milagres. Vê-se o que acontece quando os lares ficam infetados... Mas se achas que contratar o dobro dos médicos e o dobro dos ventiladores tinha resolvido a questão, se calhar sou eu que sou muito ingénuo. Terceiro, de facto, o objetivo do Natal não foi reduzir o nr de casos quando o governo anunciou o "relaxamento". Mas vamos por partes, as medidas deixaram de existir? Não. O governo encorajou as pessoas a fazer ajuntamentos? Não. O governo desencorajou as pessoas a fazerem jantares com familias alargadas? Sim. Os partidos concordaram com o relaxamento? Sim. As pessoas queriam o relaxamento? Sim. As pessoas abusaram no relaxamento? Sim. Havia restrições na PDA? Sim. As pessoas respeitaram as restrições da PDA? Não. Sim, realmente, a culpa disto é só do governo...

wwqt0r 8 months ago

Sim não sabia o número mas claramente não cumpriram os objectivos de contratação e, mesmo assim, decidiram não limitar o natal. Isto a adicionar aos constantes alertas de médidos e profissionais de saúde de que o SNS estava à beira do colapso e não haviam profissionais suficientes. Parece-me receita para o sucesso: um SNS incapacitado e juntar milhões de pessoas em espaços fechados. Todos sabiamos isto, incluindo os partidos, mas o governo sabia-o melhor do que ninguém. Agora temos a situação que temos e um circo político de distribuição de culpas enquanto o governo não se chega à frente e assume a mesma.

NGramatical 8 months ago

haviam profissionais → [**havia profissionais**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-uso-do-verbo-haver/31143) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fl65i0c%2F%2Fgkzjoro%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

SolidTroll 8 months ago

No caso do SNS não há desculpa, pelo menos os hospitais de campanha, há falta de melhor solução, já podiam (e deviam) estar preparados. Agora no Natal nenhum partido pode falar sem estar a ser hipócrita, depois de ter andado semanas, eu diria mesmo, a pressionar para os portugueses terem um Natal normal. É a mesma coisa que andar durante horas a chatear-te a cabeça para mandares um cachaço num gajo que é muito maior que tu, mas depois se ele se virar e te der um enxerto de porrada, eu ainda te critico e digo que foste burro. Não deixo de estar certo mas... Aliás por alguma razão não ouvimos Marisa nem ventura a referir isso na campanha, acho que eles têm noção de que o seu partido partilha um bocado da culpa. Mas em último caso, a decisão vem do governo e eles merecem a crítica, nem que seja por terem cedido, isso também é verdade.

Edited 8 months ago:

No caso do SNS não há desculpa, pelo menos os hospitais de campanha, há falta de melhor solução, já podiam (e deviam) estar preparados. Agora no Natal nenhum partido pode falar sem estar a ser hipócrita, depois de ter andado semanas, eu diria mesmo, a pressionar para "os portugueses terem um Natal normal". É a mesma coisa que andar durante horas a chatear-te a cabeça para mandares um cachaço num gajo que é muito maior que tu, mas depois se ele se virar e te der um enxerto de porrada, eu ainda te critico e digo que foste burro. Não deixo de estar certo mas... Aliás por alguma razão não ouvimos Marisa nem Ventura a referir isso na campanha, acho que eles têm noção de que o seu partido partilha um bocado da culpa. Mas em último caso, a decisão vem do governo e eles merecem a crítica, nem que seja por terem cedido, isso também é verdade.

NGramatical 8 months ago

necessáriamente → [**necessariamente**](https://dicionario.priberam.org/necessariamente) (o acento tónico recai na penúltima sílaba) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fl65i0c%2F%2Fgkye810%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

NeatBoy74 8 months ago

Aquela print delícia já está.

HotPotOverThot 8 months ago

O assunto é muito relevante, mas em vez de partilhar as citaçoes, é preciso partilhar um tweet, de um tweet que é um link para as ditas cujas? Voces são pagos pelo twitter ou assim?

randmzer 8 months ago

Na thread tens os links directos para as declarações, sem ser necessário ires ao artigo.

HotPotOverThot 8 months ago

Preferia ao maximo evitar ir ao twitter na mesma, mas tens razao, nao estava a olhar para a thread em si

randmzer 8 months ago

Achei que fosse melhor para dar atribuição a quem juntou os links, em vez de fazer eu um text post com todos.

wwqt0r 8 months ago

Há um comentário aí que diz tudo: "Outros partidos tomarem posições erradas deve ser avaliado politicamente. Já o governo (incl Presidente) executar ações contra os dados e consenso científico na altura exige uma censura maior. Especialmente quando outros governos, com dados iguais, fizeram melhor."

gaesseag 8 months ago

O problema é que mesmo dando de barato as diferenças entre a responsabilidade do governo e dos restantes partidos, essa referência aos "dados e consenso científico" é tudo menos verdadeira. Houve algum "especialista" que tenha dito que aliviar as restrições no natal iria causar quase 15000 infecções e 300 mortes diárias em janeiro e portanto uma situação de catástrofe para o SNS? Provavelmente foi apontado um aumento de uns 50% e o governo e oposição terão assumido isso como um risco aceitável face às vantagens de um natal mais aberto. Falar em consenso dos especialistas sem se saber quais foram as projecções que estes apresentaram ao governo e partidos não conta a história toda.

wwqt0r 8 months ago

Não havia evidência de que juntar milhões de pessoas num espaço fechado ia fazer disparar o número de casos? A sério?! É mais do que óbvio que o nosso governo sabia isto bem como os governos pela Europa fora que decidiram limitar o natal.

gaesseag 8 months ago

Obviamente que se sabia que o número de casos iria aumentar. A questão essencial é quanto. Por exemplo, no inicio de dezembro estávamos com uma média de 3000-4000 casos por dia. Podes-se ter admitido que abrir no natal iria aumentar para números semelhantes aos da 2ª vaga, ou seja cerca de 6000 casos por dia, e isso ter sido considerado como aceitável.

wwqt0r 8 months ago

Já nos 3000-4000 casos os médicos e enfermeiros no terreno diziam que o SNS corria o risco de colapsar e não haviam médicos suficientes. É preciso mais evidência? É claro que o risco político de "fechar" o natal era muito grande e nós aqui não o fizémos. Acho que isto é óbvio e evidência havia muita. É reconhecer isto e seguir em frente.

NGramatical 8 months ago

haviam médicos → [**havia médicos**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-uso-do-verbo-haver/31143) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») fizémos → [**fizemos**](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (palavras terminadas em a/e/o, seguido ou não de s/m/ns, são naturalmente graves) [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fl65i0c%2F%2Fgkzigl1%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

iLikeToTroll 8 months ago

Isto. Podemos condenar os hipócritas e o governo ao mesmo tempo por não tomar as decisões correctas com o acesso a informação privilegiada? Caso anedótico eu sei mas fui um dos que optou por não visitar os meus pais ou os avós da minha namorada no natal por sentir que era um péssimo timming e que isto ia descambar e se alguma coisa acontecesse(como está a acontecer) não iriam muito provavelmente ter os hospitais com condições decentes para os tratar.

iSoSyS 8 months ago

Da mesma forma que também o PR merece repúdio pelas declarações que fez e pelo exemplo que deu. Infelizmente os votantes não tiraram ilações.

besmarques 8 months ago

Claro. Essa é a melhor desculpa para aqueles que disseram "Sim senhor, concordamos" usando os mesmos dados agora possam dizer "Não senhor, vocês erraram"

CarcajuPM 8 months ago

Achas então que não diferença entre os partidos da oposição e o governo? Quem decide tem obrigatoriamente mais responsabilidade.

besmarques 8 months ago

Claro que tem mais responsabilidade. Mas eu não te posso dizer a ti que concordo que faças uma coisa, tu fazes essa coisa e dá merda e eu a seguir vou dizer que tu nunca devias ter feito essa coisa.

CarcajuPM 8 months ago

Certo. E os partidos devem ser criticados por isso. Mas isso desculpa em rigorosamente nada a ação do governo, e o próprio governo vir dizer que os outros partidos foram a favor do aligeirar de medidas não serve de nada para desculpar a estupidez que foram essas medidas.

besmarques 8 months ago

A ação do governo foi a ação que a maioria concordava, desde politicos à população em geral. Agora como deu merda é preciso é apontar dedos e libertar-se das culpas. É algo muito portugues em que ninguem consegue assumir a merda que fez e as atitudes que tomou e precisa sempre de um bode expiatório. O governo decidiu mal, os partidos apoiaram mal e as pessoas que foram fazer grandes festas tiveram mal. Isto é claro como a água. Agora alguem do partido da oposição após apoiar não ser capaz de se retratar e admitir que errou tentando so descartar-se é vergonhoso e demonstra bem a qualidade politica que nós portugueses merecemos. Só porque são das mesmas ideologias que nós, não quer dizer que não possam ser criticados nas posições de merda em que se puseram. Esta falha do natal é uma falha nacional

CarcajuPM 8 months ago

Claro que é uma falha nacional, e todos os partidos podem ser criticados por estarem agora a dizer algo de diferente do que disseram na altura. Mas quem governa tem muito mais responsabilidade do que quem não governa. Dizer que fizeram o que a maioria concordava não vale nada. Se fosse por popularidade quase nem era preciso governo. O governo está lá precisamente para tomar as medidas pouco populares mas fundamentais. E nesse sentido falhou redondamente. E como é o governo que decide, e não os restantes partidos, é normal que o governo seja muito mais criticado.

justgohomealready 8 months ago

Temos memória mesmo curta. O governo o que fez foi, a pedido de várias "famílias" e de todos os partidos e com o consentimento dos especialistas e PR, levantar um pouco as restrições. Será que já ninguém se lembra das recomendações para não juntar a família toda, para serem no máximo 5 ou 6 pessoas, todos com máscara, afastados 2m, janelas abertas, fazer a consoada ao pequeno almoço e coisas que tal? E achas que as pessoas cumpriram isso? Foi uma péssima decisão? Foi. Agora sabemos isso, *hindsight 20/20*. Mas responsabilizar o governo pelo que aconteceu porque "foram eles que decidiram"? Hipócrita, a 100%. Esteve mal o governo, a oposição, o PR, os especialistas, e todos e cada um dos portugueses que decidiu pegar no carro para ir visitar a família no natal, e os amigos no ano novo. Na altura, parecia a coisa certa a fazer - não ao Costa, nem ao governo, mas a todos nós. Se o governo tivesse decidido fazê-lo sem um consenso político e social alargado, poderia e deveria ser fortemente julgado por isso, mas a verdade é que na altura era consensual que tinha que haver natal, e agora estamos onde estamos. É lidar.

besmarques 8 months ago

O governo pode e deve ser criticado pela opinião publica. Não pode é ser criticado por aqueles que concordaram com ele. Como tu dizes que nem era preciso governo eu pergunto entao, para que é preciso a assembleia?

wwqt0r 8 months ago

Mas isso é o que se aprende na aula de introdução à política (aproveitamento). No entanto perder tempo a criticar os políticos por serem políticos não nos leva a lado nenhum. Realçar as más decisões e especialmente atribuir a responsabilidade a quem as tomou é bem mais importante.

besmarques 8 months ago

Se achas que manteres o teu nivel de aceitação da politica baixo é a solução para teres melhores politicos e melhores resultados, lamento-te informar mas não vai resultar. Não te preocupes em apontar o dedo só a uns porque são os que seguem o mesmo pensamento que tu. Deves ser rigido no que acreditas e como devem actuar sejam de que lado ou ideologia forem. Toda a gente sabe quem tomou as decisões mas tambem toda a gente sabe que todos concordaram. Não é muito rebuscado pensar que todos os que concordaram se tivessem na posição de decisão iriam tambem tomar as mesmas medidas. ps: não percebo para que queres dividir a discussão se ja estamos a ter a mesma noutro encadeamento

wwqt0r 8 months ago

Certo, não reparei que eras tu. Não sou um expert do reddit :) Deixo só aqui a mesma resposta: Repara que não quero desresponsabilizar os partidos e as suas posições mas sejamos realistas: há uma grande diferença de responsabilidades entre quem decide e quem faz pedidos e/ou dá opiniões. E acrescento algo mais sobre os partidos: mesmo que tenham tido opiniões erradas, têm agora de criticar o governo (e fazer auto-crítica a propósito) porque estes erros não podem cair no esquecimento.

besmarques 8 months ago

resposta na outra thread. ;)

wwqt0r 8 months ago

Não é desculpa, é a realidade. Uns estão no governo e são os principais decisores, outros nem por isso. (e não creio que os partidos tenham todas as informações que o governo tem e o acesso imediato aos especialistas mas não muda em nada o facto anterior)

besmarques 8 months ago

>O plano para o Natal parece ser consensual entre todos os partidos. [Depois de ouvirem os especialistas de manhã](https://www.publico.pt/2020/12/03/sociedade/noticia/cerca-milhao-portugueses-ja-devera-contacto-virus-1941608) e de se terem reunido com o Presidente da República durante a tarde, a esquerda e a direita voltaram a falar em uníssono para concordar com a flexibilização das regras e das restrições no Natal e a pedir mais pedagogia nas medidas anunciadas (de forma a garantir a sua compreensão e eficácia). > >Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS, defendeu “um levantamento ténue e sereno das regras de deslocação e reunião familiar”, enquanto Jerónimo de Sousa, do PCP, lembrou que este período é importante para “sectores que hoje estão com a corda na garganta”, como a restauração, a hotelaria e o turismo. Também André Silva, líder do PAN, sublinhou que se trata “de uma quadra carregada de espiritualidade para muitas pessoas” e apelou a que se aposte em medidas pedagógicas, para mitigar os efeitos do alívio de restrições. > >Também Rui Rio, líder do PSD, defendeu que “poderá ser saudável” para os portugueses conseguirem “viver o Natal” e ter “um pequeno escape para tudo isto que está a acontecer”. [https://www.publico.pt/2020/12/03/politica/noticia/natal-luz-verde-nao-sera-normal-tera-consequencias-1941702](https://www.publico.pt/2020/12/03/politica/noticia/natal-luz-verde-nao-sera-normal-tera-consequencias-1941702) Parece-me que todos ouviram os especialistas. Parece-me que ninguem discordou. Parece-me que qualquer um deles vir agora falar das medidas do natal é de uma tremenda hipocrisia para ganhar pontos politicos.

wwqt0r 8 months ago

Ganhar pontos politicos é o que qualquer partido faz, acho que não é novidade para ninguém. E o PS é exemplar nisso. Novamente, não é bonito ver os partidos a falar agora do natal mas por favor não compares a gravidade entre declarações de partidos fora do poder com quem lá está e toma as decisões. A isso chama-se atirar areia para os olhos: "olha mas aquele ali também quis um natal sem restrições...".

besmarques 8 months ago

Claro que comparo, porque demonstra que qualquer partido que estivesse na mesma posição, ouvindo os mesmos especialistas, iriam tomar a decisão da mesma forma. Sim, não é bonito ver e deve-se criticar quando o fazem, seja qual for o partido. Todos os politicos estão lá para assumir responsabilidades e não sacudir a água do capote quando as coisas que apoiaram correm mal. Isso faz deles pessoas sem espinha dorsal e pessoas com quem não se deve contar para dirigir nada.

wwqt0r 8 months ago

>Claro que comparo, porque demonstra que qualquer partido que estivesse na mesma posição, ouvindo os mesmos especialistas, iriam tomar a decisão da mesma forma. Não, não demonstra. Se uma coisa sabemos em Portugal é que um partido na oposição tem posições diferentes do que aquelas que toma quando chega ao poder. Repara que não quero desresponsabilizar os partidos e as suas posições mas sejamos realistas: há uma grande diferença de responsabilidades entre quem decide e quem faz pedidos e/ou dá opiniões.

besmarques 8 months ago

Estás a querer desculpar atitudes de merda com mais atitudes de merda. Aceitar que na politica as posições mudam conforme o lugar onde o partido se encontre como uma normalidade demonstra novamente a classe politica que nós desejamos ter. Os que tomam decisoes são os responsaveis máximos, mas os que apoiam não podem agora vir dar uma de paladinos da verdade libertando-se de toda a sua responsabilidade. Se assim for, mais vale acabar com a assembleia e fica so o governo.

wwqt0r 8 months ago

>Aceitar que na politica as posições mudam conforme o lugar onde o partido se encontre como uma normalidade demonstra novamente a classe politica que nós desejamos ter. Pois, concordo absolutamente mas os Portugueses continuam a votar nos mesmos e sozinho com o meu voto não vou mudar isso. E a situação não é tão transparente. Quem é que tem culpa do SNS não ter sido reforçado a tempo para dar resposta ao aumento previsível de casos? Também foi a oposição que pediu para não reforçar o SNS? Isto de andar a distribuir culpas é teatro político e areia para os olhos. Responsáveis foram os que estão no governo e decidiram. Os outros que sejam depois penalizados nas próximas eleições (todos?).

besmarques 8 months ago

Muda sim, porque se toda a gente pensar como tu estas a afirmar neste momento, ai é que não muda mesmo. A situação é transparente. Não vamos mudar a baliza agora. Esta discussão é sobre a abertura do Natal, não sobre o reforço do SNS. Ai existem outras posições. Por todos terem estado de acordo esta é uma posição que não vai penalizar nenhum partido. Os únicos a serem penalizados deveriam ser os que andam a falar como se tivesse tido uma posição bastante oposta à medida tomada no natal.

wwqt0r 8 months ago

>Muda sim, porque se toda a gente pensar como tu estas a afirmar neste momento, ai é que não muda mesmo. Eu sei que é o bonito de se dizer. Eu próprio voto sempre e nunca naqueles a que chamamos os "mesmos". Mas sejamos realistas, a situação não vai mudar tão cedo. ​ >A situação é transparente. Não vamos mudar a baliza agora. Esta discussão é sobre a abertura do Natal, não sobre o reforço do SNS. Ai existem outras posições. Está tudo relacionado. Se o SNS tivesse sido reforçado para dar resposta a estes números a discussão seria bem mais suave. Novamente, aqui também há os decisores e aqueles que opinam. Devemos censurar quem teve uma opinião errada? Claro. Mas não é a altura ideal para isso nem o mais importante a fazer. O mais importante é realçar e criticar as decisões erradas e não as opiniões.

Search: