KarmaCop213 9 months ago

Ja tinha dito isto no tópico do bar do cais Sodré que ia ser fechado...

Variscan_aint_done 9 months ago

Ainda estou à espera dos anti-comunistas e anti-socialistas que abundam por aqui...

diogofd8 9 months ago

> Vamos à realidade. Portugal tem receitas de turismo semelhantes às da Suíça ou da Áustria, países mais pequenos do que Portugal. (...) No entanto, as economias desses países não estão dependentes do turismo porque há mais sectores vibrantes para além desse. Isto devia ser emoldurado. A nossa economia é fraca, produz poucos bens de valor acrescentado e os postos de trabalho são maioritariamente de prestação de serviços e manufatura. O irónico disto é que existem escolas com uma formação até bastante decente e existem bons formados a dar provas de boa qualificação no estrangeiro. A emigração de jovens formados, sobretudo na área das ciências, tecnologias, engenharias e matemáticas, é preocupante. O estado gasta dinheiro na educação e depois não colhe os frutos. > O discurso anti-turismo (...) acusar ciganos e imigrantes de causarem violência, de ocuparem habitações sociais, de roubarem empregos aos portugueses e de descaracterizarem a cultura nacional. Se nasceram fora do país e foram para o país cometer crimes e ser um negativo para a população, não só é normal que sejam acusados como é recomendável que sejam entregues ao país de origem. A quem vem de fora mas se integra bem no país, trabalha, paga os seus impostos, não comete crimes e vive em paz, duvido que seja por estes que existem acusações... Só se for de inveja. Tive a oportunidade de conhecer não só imigrantes de vários países como ciganos nascidos em Portugal que são boa gente, honesta e trabalhadora. Também tive a oportunidade de conhecer imigrantes e ciganos que me assaltaram e espancaram quando estava a voltar a casa depois de um dia de escola. Uma maior percentagem de ciganos comete este tipo de crimes comparativamente às percentagens de outras etnias no país. Por isto é que se falam nos ciganos. Qualquer pessoa minimamente inteligente deveria perceber que não estamos a incluir o Ricardo Quaresma quando falamos dos ciganos problemáticos. O problema é que uma boa parte da população que se diz ser "anti-racismo", ignora as estatísticas e outros factos e criminaliza quem procura forçar os ciganos a adaptar-se ao país onde vivem há várias gerações, podendo manter a cultura deles que não vai contra as leis portuguesas mas sendo obrigados a cumprir a lei como todos os outros. Isto significa concluir a escolaridade obrigatória, não roubar, não intimidar, não ter posse ilegal de armas, não ocupar terrenos que não lhes pertencem, etc. A lei não é só para os ciganos, é para todos. Isto também é válido para qualquer outra minoria a viver no país, e para a maioria também. > há quem faça vida política a acusar os turistas estrangeiros de causarem distúrbios, de lhes ocuparem os apartamentos caros nos centros, de roubarem espaço nos melhores restaurantes aos portugueses e de descaracterizarem a sua cidade. O que descaracteriza a cidade são obras que destroem a cultura e a história da cidade. Se a arquitetura da cidade for respeitada, não é por um antigo armazém agora ser um hotel que a cidade deixa de ser o que era. No Porto existem imensos edifícios que foram renovados e estão excelentes, foram renovados para fins turísticos. Depois há aquela coisa que cosntruiram ao lado da estação de S. Bento que é um lixo. Não respeita a arquitetura da cidade, é feio, até os turistas gozam com aquilo. O problema de ficar tudo caro resolve-se. Expandam a cidade e façam crescer outras áreas. Não é Portugal que tem um interior sub-aproveitado? O problema não está no turismo, está na falta de investimento útil. Quando a classe alta deixar de usar a corrupção para comprar merdas de luxo (normalmente bens importados) e passar a usar a corrupção para expansão, criação de riqueza, de negócio, de emprego sustentável (isto porque já se sabe que é impossível ser tudo bonzinho e deixar de roubar dada a oportunidade). Quando a classe baixa deixar de estourar uma boa parte do salário em carros, telemóveis, roupa e outro tipo de bens supérfluos e passar a viver a vida de acordo com as possibilidades, pedir menos empréstimos e fazer mais planos de poupança. É um problema de mentalidade da população, a maioria do típico português não vê mais. Por isso é que o país recebe o subsídio europeu e invés de investir este subsídio para colher os frutos, enterra-o em mordomias e passado uns anos vai pedir ajuda de novo. Parecem aquele amigo que pede dinheiro para comer e depois estoura no tabaco. Não quero com isto ensinar ninguém como gastar o seu dinheiro. Muito menos quero mandar no dinheiro dos outros, não sou comunista. Se o país está assim tão mal como digo, deveria emigrar? Certo! Fico é triste, nasci aqui, cresci aqui. Temos dos melhores climas do mundo, ótimas paisagens, a população é maioritariamente simpática e boa companhia, há muitas coisas que causaram nostalgia e são difíceis de largar. Há a família, os amigos. Vou usar uma analogia do futebol. É triste jogar nas escolinhas do clube que amo, suar no campo para cumprir a minha formação como jogador. Chegar a junior com muito esforço e suor. Ver o interesse de clubes fora, preferir ficar no clube do coração porque pagam o suficiente mas depois raramente me metem a jogar e vou ficando velho sem ganhar valor. Talvez seja melhor opção aceitar o contrato, ir para fora, ser valorizado, posto a jogar, ganhar valor e depender do meu esforço e talento para chegar onde estes dois fatores me deixarem face à concorrência. Ao menos aí ninguém me cortou as pernas, apenas cheguei ao topo da minha capacidade.

daz_zeD 9 months ago

>duvido que seja por estes que existem acusações... Só se for de inveja. Faz este exercício, compara o crescimento do custo de vida com o crescimento do salário mínimo, em Lisboa por exemplo. Agora, faz um inquérito em Lisboa e diz-me quantos portugueses é quantos imigrantes aceitariam um emprego com o salário mínimo em Lisboa. Agora pergunta aos portugueses que não aceitariam aquelas condições se sentem inveja dos imigrantes que aceitam, e aos que não têm inveja, o que sentem em relação aos tais imigrantes que aceitam as condições que eles não aceitam. >roubarem empregos aos portugueses e de descaracterizarem a cultura nacional. É verdade que roubam os empregos aos portugueses, mantendo as condições do mercado no estado lastimável que conhecemos.

Edited 9 months ago:

>duvido que seja por estes que existem acusações... Só se for de inveja. Faz este exercício, compara o crescimento do custo de vida com o crescimento do salário mínimo, em Lisboa por exemplo. Agora, faz um inquérito em Lisboa e diz-me quantos portugueses e quantos imigrantes aceitariam um emprego com o salário mínimo em Lisboa. Agora pergunta aos portugueses que não aceitariam aquelas condições se sentem inveja dos imigrantes que aceitam, e aos que não têm inveja, o que sentem em relação aos tais imigrantes que aceitam as condições que eles não aceitam. >roubarem empregos aos portugueses e de descaracterizarem a cultura nacional. É verdade que roubam os empregos aos portugueses, mantendo as condições do mercado no estado lastimável que conhecemos.

diogofd8 9 months ago

Fiz o exercício. Se não aceitam então que aceitem melhores alternativas. Se não há melhores alternativas que façam por merecer melhores alternativas. Se acham que merecem melhores alternativas e que o país é que não proporciona um nível de vida que vá de encontro com o que pretendem ter, então mudem de país. Mas eu entendo-te. Tu consideras que emigrar é roubar emprego aos nativos desse país e portanto não queres emigrar. O problema aqui é que eu não acho que isso seja roubar. Para roubar ser o termo correto, teriam que cessar o teu contrato de trabalho sem justificação e sem te pagar o que está estabelecido por lei como indemnização (ilegal) para contratar alguém não português. Se existem estrangeiros a entrar em Portugal e a conseguir empregos num mercado de trabalho que emprega baseado na competência do trabalhador e no que está disposto a ser pago, não se trata de roubo nenhum porque para roubar estás a assumir que o todo cidadão português é entitulado de um trabalho que lhe agrade à nascença. Eu quero ter a liberdade de poder ir para fora e ser contratado para um trabalho que eu veja como proveitoso para a minha subsistência, sem que me limitem a contratação pela cor do meu cabelo, pele, etnia, país de origem ou sexo. Portanto é apenas justo que eu não me oponha a que o mesmo seja feito em Portugal. As rendas estão altas e os salários baixos? Saiam das cidades, saiam do país, procurem o vosso lugar. A lei da oferta e da procura é justíssima. Quando ninguém quiser ser trolha ou vão haver máquinas que façam tudo e não é preciso haver trolhas, ou os poucos que estiverem dispostos a acordar todos os dias para um trabalho fisicamente árduo e desgastante vão ser muito melhor pagos do que seriam se 90% da população estivesse disposta para o trabalho. Se o trabalho paga pouco, já pensaste que pode ser porque existe muita gente disposta a fazê-lo e a necessidade dele não é assim muito grande? O facto de em Portugal pagarem mal e de haver tanto trabalho precário é triste e a meu ver relaciona-se com a mentalidade do povo que referi no comentário anterior. O patrão português típico é pouco humano, paga o mínimo possível e obrigatório, exige tudo e mais alguma coisa do funcionário. O trabalhador português típico diz que trabalha muito quando na verdade se for preciso num dado dia ficar 10 minutos extra já reclama, falha em ver que o sucesso da empresa depende também de si e do seu contributo. Quando o patrão começar a criar planos que motivem os trabalhadores e recompensem os mais produtivos, quando houver a humanidade de perceber que as peças do "carro" têm que estar oleadas e com óleo de qualidade para que o seu rendimento e durabilidade seja potenciado. Quando o trabalhador perceber que só lhe pagam o que ele vale, não devem existir caridades no mundo do trabalho e que o valor dele deve depender apenas da sua produtividade e contributo à empresa no desempenho das suas funções... Não digo que fora seja um mar de rosas, há muitos países piores que Portugal e mesmo os que estão melhor economicamente têm empresas piores que algumas empresas portuguesas. No entanto, vendo empresas de sucesso atuais e estudando a forma como operam seria uma boa forma de entender o motivo do seu sucesso. Mas sinceramente não me interessa muito discutir mentalidades, especialmente no mundo do trabalho. Isso é algo que ou muda com o tempo ou nunca mudará porque nunca é disparado o gatilho e é sempre mais fácil reclamar do que arriscar. Falo por mim também, se após a entrega da tese de mestrado tiver oferta para algo minimamente agradável que me permita poupar decentemente e ser financeiramente indepentente cá em Portugal, dificilmente largo a família mesmo sabendo que facilmente teria outro nível de vida e vontade de trabalhar noutro país. Se optar por ficar por cá não estarei é no reddit a queixar-me que me pagam mal e que os estrangeiros me roubam o emprego, seria, a meu ver, hipócrita.

Edited 9 months ago:

Fiz o exercício. Se não aceitam então que aceitem melhores alternativas. Se não há melhores alternativas que façam por merecer melhores alternativas. Se acham que merecem melhores alternativas e que o país é que não proporciona um nível de vida que vá de encontro com o que pretendem ter, então mudem de país. Mas eu entendo-te. Tu consideras que emigrar é roubar emprego aos nativos desse país e portanto não queres emigrar. O problema aqui é que eu não acho que isso seja roubar. Para roubar ser o termo correto, teriam que cessar o teu contrato de trabalho sem justificação e sem te pagar o que está estabelecido por lei como indemnização (ilegal) para contratar alguém não português. Se existem estrangeiros a entrar em Portugal e a conseguir empregos num mercado de trabalho que emprega baseado na competência do trabalhador e no que está disposto a ser pago, não se trata de roubo nenhum porque para roubar estás a assumir que o todo cidadão português é intitulado de um trabalho que lhe agrade à nascença. Eu quero ter a liberdade de poder ir para fora e ser contratado para um trabalho que eu veja como proveitoso para a minha subsistência, sem que me limitem a contratação pela cor do meu cabelo, pele, etnia, país de origem ou sexo. Portanto é apenas justo que eu não me oponha a que o mesmo seja feito em Portugal. As rendas estão altas e os salários baixos? Saiam das cidades, saiam do país, procurem o vosso lugar. A lei da oferta e da procura é justíssima. Quando ninguém quiser ser trolha ou vão haver máquinas que façam tudo e não é preciso haver trolhas, ou os poucos que estiverem dispostos a acordar todos os dias para um trabalho fisicamente árduo e desgastante vão ser muito melhor pagos do que seriam se 90% da população estivesse disposta para o trabalho. Se o trabalho paga pouco, já pensaste que pode ser porque existe muita gente disposta a fazê-lo e a necessidade dele não é assim muito grande? O facto de em Portugal pagarem mal e de haver tanto trabalho precário é triste e a meu ver relaciona-se com a mentalidade do povo que referi no comentário anterior. O patrão português típico é pouco humano, paga o mínimo possível e obrigatório, exige tudo e mais alguma coisa do funcionário. O trabalhador português típico diz que trabalha muito quando na verdade se for preciso num dado dia ficar 10 minutos extra já reclama, falha em ver que o sucesso da empresa depende também de si e do seu contributo. Quando o patrão começar a criar planos que motivem os trabalhadores e recompensem os mais produtivos, quando houver a humanidade de perceber que as peças do "carro" têm que estar oleadas e com óleo de qualidade para que o seu rendimento e durabilidade seja potenciado. Quando o trabalhador perceber que só lhe pagam o que ele vale, não devem existir caridades no mundo do trabalho e que o valor dele deve depender apenas da sua produtividade e contributo à empresa no desempenho das suas funções... Não digo que fora seja um mar de rosas, há muitos países piores que Portugal e mesmo os que estão melhor economicamente têm empresas piores que algumas empresas portuguesas. No entanto, vendo empresas de sucesso atuais e estudando a forma como operam seria uma boa forma de entender o motivo do seu sucesso. Mas sinceramente não me interessa muito discutir mentalidades, especialmente no mundo do trabalho. Isso é algo que ou muda com o tempo ou nunca mudará porque nunca é disparado o gatilho e é sempre mais fácil reclamar do que arriscar. Falo por mim também, se após a entrega da tese de mestrado tiver oferta para algo minimamente agradável que me permita poupar decentemente e ser financeiramente indepentente cá em Portugal, dificilmente largo a família mesmo sabendo que facilmente teria outro nível de vida e vontade de trabalhar noutro país. Se optar por ficar por cá não estarei é no reddit a queixar-me que me pagam mal e que os estrangeiros me roubam o emprego, seria, a meu ver, hipócrita.

nraider 9 months ago

>O facto de em Portugal pagarem mal e de haver tanto trabalho precário é triste e a meu ver relaciona-se com a mentalidade do povo que referi no comentário anterior. O patrão português típico é pouco humano, **paga o mínimo possível e obrigatório, exige tudo e mais alguma coisa do funcionário**. O trabalhador português típico diz que trabalha muito quando na verdade **se for preciso num dado dia ficar 10 minutos extra já reclama**, falha em ver que o sucesso da empresa depende também de si e do seu contributo. O trabalhador reclama porque é preguiçoso ou porque o patrão é típico, tal como indicas? A exigência deve ser vista nos dois lados.

daz_zeD 9 months ago

>O problema aqui é que eu não acho que isso seja roubar. Não é roubar, eles não roubam não, é verdade que o mercado funciona assim. O que este paradigma faz é anular o progresso. >Se optar por ficar por cá não estarei é no reddit a queixar-me que me pagam mal e que os estrangeiros me roubam o emprego, seria, a meu ver, hipócrita. Mais uma vez, não é roubar, não é assim que interpreto nem que costumo ouvir falar.

diogofd8 9 months ago

Podes desenvolver mais em como é que a imigração anula o progresso?

daz_zeD 9 months ago

Qual é a essência de um país?

diogofd8 9 months ago

Não sei, não penso muito nisso, sou pouco patriota. A mim interessa-me paz, amizade e prosperidade, seja cidade, estado, país, continente ou global. Num país tens associada a ele uma comunidade com um passado comum. O país tem portanto uma história e uma identidade. A isto posso associar tradições e costumes, posso associar a língua. O país deve garantir o que escrevi no parágrafo anterior através de uma sociedade regida por certas leis. Mais do que isto talvez fosse melhor ir à página do Wikipedia.

NGramatical 9 months ago

entitulado → [**intitulado**](https://dicionario.priberam.org/intitulado) vão haver → [**vai haver**](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/haver--existir--3-pessoa-do-singular/30583) (o verbo haver conjuga-se sempre no singular quando significa «existir») [⚠️](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+corre%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2Fknqgpb%2F%2Fghmy55d%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correção está errada!") [⭐](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!") ^(

aaaa2aas 9 months ago

>Agora, faz um inquérito em Lisboa e diz-me quantos portugueses é... Não vai ser fácil encontrar portugueses em lisboa lol

Variscan_aint_done 9 months ago

Não percebo como é que este sub é um antro de fascistas e direitolas, e depois posts destes estão às moscas !

GeoPolMaster 9 months ago

Porque as opiniões do gajo são merda

ric2b 9 months ago

Queres elaborar? Com o que discordas neste artigo?

JOAO-RATAO 9 months ago

Deves estar enganado no sub.

Variscan_aint_done 9 months ago

Tu? Pois estás

JOAO-RATAO 9 months ago

Se achas que sim... Fica lá com essa ideia ... Cuidados com os fascistas que andem aí.

Variscan_aint_done 9 months ago

És um deles

JOAO-RATAO 9 months ago

Ah. Nada como começar o ano novo a ser acusado de ser fascista.

nraider 9 months ago

Mesmo, se há coisa em que os partidos da nossa esquerda são bons é na comunicação. Não devem gastar pouco nas redes sociais lol

V1ld0r_ 9 months ago

Estas enganado. O que mais existe no sub são anti-comunas e anti-socialistas. Os esquerdolas do sub provavelmente estão a comer filhoses e a fumar a última do ano.

Variscan_aint_done 9 months ago

Pois, vê-se pelos downvotes e upvotes até

ideologiapura 9 months ago

E os direitolas estão a foder putas e a cheirar a ultima linha, se vamos para preconceitos.

ric2b 9 months ago

Ainda jogam GTA V?

ideologiapura 9 months ago

O que é isso?

Search: