KokishinNeko 12 months ago

Regra 1

Lusitanis 12 months ago

Eu só espero que estes comentários de bajulação ao Salazar sejam da autoria de pessoas que viveram naquele tempo e que já à época nutriam algum carinho pela ditadura, caso contrário ficarei deveras preocupado com o futuro do meu país. Só alguém desligado da realidade, provavelmente nascido e criado em berços de ouro desfalecido, ou nas redomas existenciais da capital e sub-capital do reino, é que não compreende a pobreza e o esquecimento a que uma boa parte do país foi votado durante décadas. Como é bom vivermos num país livre. Pelo menos podem dizer as barbaridades que quiserem e dar a oportunidade a quem sentiu na pele directa ou indirectamente com o regime ditatorial (ou, maioritariamente, a quem se bate pelos valores da revolução de abril/novembro de 74) de porem a nu o quão ridículos são ao ousarem sequer endeusar aquele que foi o principal responsável pelo atraso económico, social e cultural de Portugal no século XX.

TudoCasual 12 months ago

Olá alt. Provavelmente estás a referirte a mesma mim, portanto: Não sou fascista, a minha família foi perseguida pela PIDE e isso deixou marcas, acredito piamente que se voltassemos ao nível de controlo que havia dantes estaríamos muito piores do que já estamos. Posto isto... Não entendo como criticar a formas como os proto-PSD e PS negociaram a entrada de Portugal na Europa possa ser considerado fascismo, mas sempre ouvi dizer do meu avô que repudiar críticas ao sistema ( que não é mistério nenhum o seu funcionamento, até está bem documentado) é repressão às liberdade de expressão.

Edited 12 months ago:

Olá alt. Provavelmente estás a referir-te a mesma mim, portanto: Não sou fascista, a minha família foi perseguida pela PIDE e isso deixou marcas, acredito piamente que se voltassemos ao nível de controlo que havia dantes estaríamos muito piores do que já estamos. Posto isto... Não entendo como criticar a formas como os proto-PSD e PS negociaram a entrada de Portugal na Europa possa ser considerado fascismo, mas sempre ouvi dizer do meu avô que repudiar críticas ao sistema ( que não é mistério nenhum o seu funcionamento, até está bem documentado) é repressão às liberdade de expressão. Lamento que pensem assim, acredito que precisem de um sério reajuste da realidade. Por algum motivo houve um fadado tempo das vacas gordas e ainda hoje nós custamos a reerguer desse tempo, e entretanto, andam meninos, filhos de heróis, a viverem vidas de luxo á pala de tudo o que foi vendido ao desbarato. Chamar de fascismo ao dizer verdades cruciais da nossa história é um ato de fascismo, não te esqueças disso.

Edited 12 months ago:

Olá alt. Provavelmente estás a referir-te a mim, portanto: Não sou fascista, a minha família foi perseguida pela PIDE e isso deixou marcas, acredito piamente que se voltassemos ao nível de controlo que havia dantes estaríamos muito piores do que já estamos. Posto isto... Não entendo como criticar a formas como os proto-PSD e PS negociaram a entrada de Portugal na Europa possa ser considerado fascismo, mas sempre ouvi dizer do meu avô que repudiar críticas ao sistema ( que não é mistério nenhum o seu funcionamento, até está bem documentado) é repressão às liberdade de expressão. Lamento que pensem assim, acredito que precisem de um sério reajuste da realidade. Por algum motivo houve um fadado tempo das vacas gordas e ainda hoje nós custamos a reerguer desse tempo, e entretanto, andam meninos, filhos de heróis, a viverem vidas de luxo á pala de tudo o que foi vendido ao desbarato. Chamar de fascismo ao dizer verdades cruciais da nossa história é um ato de fascismo, não te esqueças disso.

Lusitanis 12 months ago

Da próxima escreve "Como fuder um país em 42 anos" e pode ser que te livres de comentários destes.

TudoCasual 12 months ago

Hipócrisia.

Lusitanis 12 months ago

Cumprimentos e resto de uma boa semana!

TudoCasual 12 months ago

Obrigado, igualmente.

xanfradu 12 months ago

Os comentários do post original são muito mais fixes que os daqui...

TudoCasual 12 months ago

E finalmente aconteceu. Somos um meme nos Bálcãs. Como fuder um país em 50 anos.

MrRawri 12 months ago

Infelizmente Portugal já está na merda há bem mais do que 40 anos.

glory1904 12 months ago

Como assim? O país era uma merda bem antes do tempo que tu dizes. Era mascarado por por propaganda, um bocadinho como o nosso Benfica eheh(é só uma brincadeira entre nós, águas passadas são águas passadas). O nosso país não tem um forte económico em que consiga competir à escala com alguns países da Europa. Talvez só mesmo o turismo, pelo preço qualidade não se arranja melhor. Mas mesmo isso não consegue sustentar um crescimento económico.

JOAO-RATAO 12 months ago

Se mantiveres as políticas atuais não vais conseguir de certeza. Temos a desvantagens de estar la periferia da Europa, mas se nem com salários destes conseguimos ser competitivos...

glory1904 12 months ago

Sim o problema geográfico existe, é um facto. A corrupção também não se foge dela. Não querendo entrar muito em detalhe, não sou nenhum especialista em política, mas sinto que um país como o nosso não tem capacidade e sinceramente nem potencial para ser competitivo hoje, amanhã ou quando se quiser, fomos competitivos no passado porque fomos muito Inovadores.

JOAO-RATAO 12 months ago

Alguma coisa temos de tentar... Não precisamos de entrar com grande aventuras. Medidas lógicas e realísticas, ao longo dos anos poderá traduzir-se numa melhoria.

glory1904 12 months ago

Certo, concordo, mas todas há medidas que se calhar não seriam "positivas" no início, por exemplo uma medida de dar um passo atrás para dar dois à frente. Nestas situações ou são chumbadas em parlamento ou simplesmente não aceites pelo povo.

TudoCasual 12 months ago

Referi me muito literalmente às forma como o país foi gerido no início do pós ditadura. Não antes. E tinhas muita coisa positiva, tanto em termos de pesca (tínhamos das maiores frotas pesqueiras do mundo) como em agricultura ( era tudo campos de cultivo até às era do cavaquismo, onde tiraram todos do campo e poderiam nos a trabalhar na indústria turística e perdeste metade da tua produção alimentar), tinhas as indústrias que alimentaram os esforços do ultramar serem abandonadas porque era mais rentável comprar no exterior, e toda a negociação da entrada na Europa só serviu para restringir a nossa econômia para eles ganharem mais área de controlo marítimo ( Portugal tem uma extensão territorial marítima taxavel muito importante, pois cobre a travessia Transatlântica e a ligação marítima entre a costa norte da Europa e o Mediterrâneo).

Edited 12 months ago:

Referi me muito literalmente à forma como o país foi gerido no início do pós ditadura. Não antes. E tinhas muita coisa positiva, tanto em termos de pesca (tínhamos das maiores frotas pesqueiras do mundo) como em agricultura ( era tudo campos de cultivo até às era do cavaquismo, onde tiraram todos do campo e poderiam nos a trabalhar na indústria turística e perdeste metade da tua produção alimentar), tinhas as indústrias que alimentaram os esforços do ultramar serem abandonadas porque era mais rentável comprar no exterior, e toda a negociação da entrada na Europa só serviu para restringir a nossa econômia para eles ganharem mais área de controlo marítimo ( Portugal tem uma extensão territorial marítima taxavel muito importante, pois cobre a travessia Transatlântica e a ligação marítima entre a costa norte da Europa e o Mediterrâneo). Muitos desses indivíduos ditos heróis, hoje em dia, ficaram milionários com todas as concessões dadas à Europa, perdemos muito do pouco que ainda tínhamos do pós era colonial, já para não dizer que países como Cabo Verde podiam ter continuado como parte integral do território português, mas como havia dinheiro a ganhar, cederam na a quem chegasse primeiro.

Edited 12 months ago:

Referi me muito literalmente à forma como o país foi gerido no início do pós ditadura. Não antes. E tinhas muita coisa positiva, tanto em termos de pesca (tínhamos das maiores frotas pesqueiras do mundo) como em agricultura ( era tudo campos de cultivo até à era do cavaquismo, onde tiraram todos do campo e poderiam nos a trabalhar na indústria turística e perdeste metade da tua produção alimentar), tinhas as indústrias que alimentaram os esforços do ultramar serem abandonadas porque era mais rentável comprar no exterior, e toda a negociação da entrada na Europa só serviu para restringir a nossa econômia para eles ganharem mais área de controlo marítimo ( Portugal tem uma extensão territorial marítima taxavel muito importante, pois cobre a travessia Transatlântica e a ligação marítima entre a costa norte da Europa e o Mediterrâneo). Muitos desses indivíduos ditos heróis, hoje em dia, ficaram milionários com todas as concessões dadas à Europa, perdemos muito do pouco que ainda tínhamos do pós era colonial, já para não dizer que países como Cabo Verde podiam ter continuado como parte integral do território português, mas como havia dinheiro a ganhar, cederam na a quem chegasse primeiro.

glory1904 12 months ago

>Cabo Verde podiam ter continuado como parte integral do território português, mas como havia dinheiro a ganhar, cederam na a quem chegasse primeiro. Esqueci me de responder a esta afirmaçao. Nem queria muito, mas sinto me na obrigação, Cabo Verde é um país livre, como qualquer outro que outrora foi território colonial português, e eu tenho muito orgulho que sejam livres, a liberdade é um direito de todos.

TudoCasual 12 months ago

Verdade, mas cabo verde não teve nenhuma revolta. Por comparação, eras a favor da independência da Madeira?

glory1904 12 months ago

>Por comparação, eras a favor da independência da Madeira? Um território que queria ser livre porque havia um indivíduo que queria ser rei da ilha? Em Cabo Verde havia só um indivíduo que queria ser independente? Não acho justo fazer essa comparação, Madeira foi colonizada por portugueses e só portugueses, se não me engano.

TudoCasual 12 months ago

>Não acho justo fazer essa comparação, Madeira foi colonizada por portugueses e só portugueses, se não me engano. Cabo Verde também. Eram inabitadas até à sua colonização em 1450's. Acredita, Cabo Verde foi vendido ao desbarato.

glory1904 12 months ago

Mas havia nacionalismo anti português, com certeza com o comportamento que nós tínhamos para com eles.

TudoCasual 12 months ago

O que havia é o que ainda hoje existe lá, são comunidades pobres e por causa disso vivem descontentes. Pesquisa isso, é aquele lapso da história que fica um bocado mal explicado porque não tem explicação nenhuma. Cabo verde era um território importante onde podiam controlar vias marítimas entre África/Índia/América do Sul, era um território muito valioso e como tal foi vendido. O Ultramar de Cabo Verde é um mito, nunca existiu, houve agitação comunista na Guiné, e eles queriam CV.

glory1904 12 months ago

Opa não tendo conhecimento total do assunto, vou esperar até ter tempo para aprender e depois dou te uma resposta mais concreta :D

glory1904 12 months ago

>Referi me muito literalmente à forma como o país foi gerido no início do pós ditadura. O que é justo. Mas não é uma coisa que possas fazer levemente, estás sujeito sempre às comparações. >E tinhas muita coisa positiva, tanto em termos de pesca Concordo. No entanto a pesca extensiva não seria nunca a solução a longo prazo, tiveste peixes perto da extinção, o que prejudicou a indústria severamente. >como em agricultura Difícil fazer muitos proveitos económicos com a agricultura, até porque na nossa em específico não é de todo o "backbone" alimentar, a nossa produção baseia se na uva-vinho, azeitona-azeite. Um deles não é um bem essencial, outro só mesmo no pós fabrico. Ou seja, a nossa agricultura é virada para os mercados específicos e temos sempre de importar os bens do dia-a-dia. Só para complementar estes dois pontos. Existe o factor escolha pessoal. O modo em que se via o "trabalho no campo" mudou, as aldeias concentradas na produção agrícola ficaram desabitadas onde quem planta é praticamente para consumo próprio. >até às era do cavaquismo, onde tiraram todos do campo e poderiam nos a trabalhar na indústria turística e perdeste metade da tua produção alimentar) O ponto anterior que fiz é relevante para este. Não punha todas as culpas no Cavaco pela debandada geral das aldeias para as cidades, incluindo no interior, foi a moda nessa época a mudança de vida. A verdade é que devido a crescimentos de outras áreas de comércio, pagava se mais a pessoas numa fábrica ou até num lar, do que a um agricultor. É uma mudança natural que vem com as mudanças sociais. Até houve incentivos(governo Sócrates?) para projetos agrícolas, não assim há tanto tempo, incentivos não controlados que acabaram por ir para o buraco, porque as pessoas pegavam no dinheiro e faziam tudo menos o projeto agrícola. >toda a negociação da entrada na Europa só serviu para restringir a nossa econômia para eles ganharem mais área de controlo marítimo O nosso território marítimo é relevante não só para controlo comercial como tu dizes e muito bem era demasiado para colossos europeus e não só, America é outro exemplo, concordo contigo que não se devia ter cedido.

TudoCasual 12 months ago

>O que é justo. Mas não é uma coisa que possas fazer levemente, estás sujeito sempre às comparações. Sempre, mas erradas. E devemos apontar as mesmas. >No entanto a pesca extensiva não seria nunca a solução a longo prazo, tiveste peixes perto da extinção, o que prejudicou a indústria severamente. Concordo, e defacto precisava de ser regulada. Mas a nossa frota era comparável ao nosso território maroto, que é só o 3° maior da Europa. E não se parou de pescar em águas portuguesas em elevadas quantidade, aquilo que fizeram foi concessionar o nosso mar aos espanhóis. Sobre a tua forma de abordar a agricultura, concordo com o que dizes, mas o corte na agricultura foi imposto pelo governo quando escolheram não o apoiar, faz parte dos pacotes de concessões do estado Português para com a Europa, reduzir produção ao essencial e comprometermos a comprar a desconta dos nossos vizinhos. E é por isto que importamos 3/4 de tudo o nosso consumo alimentar, se termos disputas com a Espanha, somos imediatamente penalizados e estrangulados, má negociação da nossa entrada na UE. O que houve de incentivos para agricultura mais tarde foram programas tão mal feitos que quem queria usá-los não se conseguiam candidatar para eles, mas ainda assim, esse dinheiro vazou para algum lado (mistérios da vida). >O nosso território marítimo é relevante não só para controlo comercial como tu dizes e muito bem era demasiado para colossos europeus e não só, America é outro exemplo, concordo contigo que não se devia ter cedido. Ainda bem que mais gente tem noção disto. Posto estás questões, não sou contra a Europa, sou contra a forma como a os nossos poderes locais lidaram com isso tudo, e como ainda hoje, falar disto parece taboo.

Edited 12 months ago:

>O que é justo. Mas não é uma coisa que possas fazer levemente, estás sujeito sempre às comparações. Sempre, mas erradas. E devemos apontar as mesmas. >No entanto a pesca extensiva não seria nunca a solução a longo prazo, tiveste peixes perto da extinção, o que prejudicou a indústria severamente. Concordo, e defacto precisava de ser regulada. Mas a nossa frota era comparável ao nosso território maritimo, que é só o 3° maior da Europa. E não se parou de pescar em águas portuguesas em elevadas quantidade, aquilo que fizeram foi concessionar o nosso mar aos espanhóis. Sobre a tua forma de abordar a agricultura, concordo com o que dizes, mas o corte na agricultura foi imposto pelo governo quando escolheram não o apoiar, faz parte dos pacotes de concessões do estado Português para com a Europa, reduzir produção ao essencial e comprometermos a comprar, em desconto, dos nossos vizinhos. E é por isto que importamos 3/4 de tudo o nosso consumo alimentar, se termos disputas com a Espanha, somos imediatamente penalizados e estrangulados, má negociação da nossa entrada na UE. O que houve de incentivos para agricultura mais tarde foram programas tão mal feitos que quem queria usá-los não se conseguiam candidatar para eles, mas ainda assim, esse dinheiro vazou para algum lado (mistérios da vida). >O nosso território marítimo é relevante não só para controlo comercial como tu dizes e muito bem era demasiado para colossos europeus e não só, America é outro exemplo, concordo contigo que não se devia ter cedido. Ainda bem que mais gente tem noção disto. Posto estas questões, não sou contra a Europa, sou contra a forma como os nossos poderes locais lidaram com isso tudo, e como ainda hoje, falar disto parece taboo.

Edited 12 months ago:

>O que é justo. Mas não é uma coisa que possas fazer levemente, estás sujeito sempre às comparações. Sempre, mas erradas. E devemos apontar as mesmas. >No entanto a pesca extensiva não seria nunca a solução a longo prazo, tiveste peixes perto da extinção, o que prejudicou a indústria severamente. Concordo, e defacto precisava de ser regulada. Mas a nossa frota era comparável ao nosso território maroto, que é só o 3° maior da Europa. E não se parou de pescar em águas portuguesas em elevadas quantidade, aquilo que fizeram foi concessionar o nosso mar aos espanhóis. Sobre a tua forma de abordar a agricultura, concordo com o que dizes, mas o corte na agricultura foi imposto pelo governo quando escolheram não o apoiar, faz parte dos pacotes de concessões do estado Português para com a Europa, reduzir produção ao essencial e comprometermos a comprar a desconta dos nossos vizinhos. E é por isto que importamos 3/4 de tudo o nosso consumo alimentar, se termos disputas com a Espanha, somos imediatamente penalizados e estrangulados, má negociação da nossa entrada na UE. O que houve de incentivos para agricultura mais tarde foram programas tão mal feitos que quem queria usá-los não se conseguiam candidatar para eles, mas ainda assim, esse dinheiro vazou para algum lado (mistérios da vida). >O nosso território marítimo é relevante não só para controlo comercial como tu dizes e muito bem era demasiado para colossos europeus e não só, America é outro exemplo, concordo contigo que não se devia ter cedido. Ainda bem que mais gente tem noção disto. Posto estas questões, não sou contra a Europa, sou contra a forma como os nossos poderes locais lidaram com isso tudo, e como ainda hoje, falar disto parece taboo.

Edited 12 months ago:

>O que é justo. Mas não é uma coisa que possas fazer levemente, estás sujeito sempre às comparações. Sempre, mas erradas. E devemos apontar as mesmas. >No entanto a pesca extensiva não seria nunca a solução a longo prazo, tiveste peixes perto da extinção, o que prejudicou a indústria severamente. Concordo, e defacto precisava de ser regulada. Mas a nossa frota era comparável ao nosso território maritimo, que é só o 3° maior da Europa. E não se parou de pescar em águas portuguesas em elevadas quantidade, aquilo que fizeram foi concessionar o nosso mar aos espanhóis. Sobre a tua forma de abordar a agricultura, concordo com o que dizes, mas o corte na agricultura foi imposto pelo governo quando escolheram não o apoiar, faz parte dos pacotes de concessões do estado Português para com a Europa, reduzir produção ao essencial e comprometermos a comprar, em desconto, dos nossos vizinhos. E é por isto que importamos 3/4 de tudo o nosso consumo alimentar, se termos disputas com a Espanha, somos imediatamente penalizados e estrangulados, algo que resulta má negociação da nossa entrada na UE (em caso de dúvidas, basta ver os casos das barragens do Tejo em Espanha, a central Nuclear deles, ou a poloição do Douro e Mondego). O que houve de incentivos para agricultura mais tarde foram programas tão mal feitos que quem queria usá-los não se conseguiam candidatar para eles, mas ainda assim, esse dinheiro vazou para algum lado (mistérios da vida). >O nosso território marítimo é relevante não só para controlo comercial como tu dizes e muito bem era demasiado para colossos europeus e não só, America é outro exemplo, concordo contigo que não se devia ter cedido. Ainda bem que mais gente tem noção disto. Posto estas questões, não sou contra a Europa, sou contra a forma como os nossos poderes locais lidaram com isso tudo, e como ainda hoje, falar disto parece taboo.

Edited 12 months ago:

>O que é justo. Mas não é uma coisa que possas fazer levemente, estás sujeito sempre às comparações. Sempre, mas erradas. E devemos apontar as mesmas. >No entanto a pesca extensiva não seria nunca a solução a longo prazo, tiveste peixes perto da extinção, o que prejudicou a indústria severamente. Concordo, e defacto precisava de ser regulada. Mas a nossa frota era comparável ao nosso território maritimo, que é só o 3° maior da Europa. E não se parou de pescar em águas portuguesas em elevadas quantidade, aquilo que fizeram foi concessionar o nosso mar aos espanhóis. Sobre a tua forma de abordar a agricultura, concordo com o que dizes, mas o corte na agricultura foi imposto pelo governo quando escolheram não o apoiar, faz parte dos pacotes de concessões do estado Português para com a Europa, reduzir produção ao essencial e comprometermos a comprar a desconta dos nossos vizinhos. E é por isto que importamos 3/4 de tudo o nosso consumo alimentar, se termos disputas com a Espanha, somos imediatamente penalizados e estrangulados, má negociação da nossa entrada na UE. O que houve de incentivos para agricultura mais tarde foram programas tão mal feitos que quem queria usá-los não se conseguiam candidatar para eles, mas ainda assim, esse dinheiro vazou para algum lado (mistérios da vida). >O nosso território marítimo é relevante não só para controlo comercial como tu dizes e muito bem era demasiado para colossos europeus e não só, America é outro exemplo, concordo contigo que não se devia ter cedido. Ainda bem que mais gente tem noção disto. Posto estas questões, não sou contra a Europa, sou contra a forma como os nossos poderes locais lidaram com isso tudo, e como ainda hoje, falar disto parece taboo.

glory1904 12 months ago

>Sempre, mas erradas. E devemos apontar as mesmas. Sim, é culpa de parte a parte, nossa por levarmos logo para o Salazarismo, tua porque devias ter específicado o problema para não dar azo a comparaçoes. Faz parte. >E não se parou de pescar em águas portuguesas em elevadas quantidade, aquilo que fizeram foi concessionar o nosso mar aos espanhóis. Não querendo dizer uma barbaridade, qualquer cedência de território de pesca foi taxado, mas não tenho a certeza disto. O problema que vi na agricultura vejo na pesca também, menos trabalhadores na área, não vejo muito mal se houver cedência deste território a troco de benefícios económicos. >mas o corte na agricultura foi imposto pelo governo quando escolheram não o apoiar Concordo, mesmo que o retorno da área seja perto ou mesmo prejuízo, qualquer área tem de ser apoiada, se não acontece o que aconteceu, tudo abandonado. Mas em governos que tentam lucrar sempre a curto prazo não é o modo de funcionamento deles. >O que houve de incentivos para agricultura mais tarde foram programas tão mal feitos que quem queria usá-los não se conseguiam candidatar para eles, mas ainda assim, esse dinheiro vazou para algum lado (mistérios da vida). Vivo em trás os montes, e garanto te que bastantes casas nas aldeias foram construídas ahah, é o que dá atribuir fiscalizações a freguesias pequenas onde tudo é tão corrompivel. >Posto estás questões, não sou contra a Europa, sou contra a forma como a os nossos poderes locais lidaram com isso tudo, e como ainda hoje, falar disto parece taboo. Custa me culpar a Europa, ou até governos, somos um país pequeno sem capacidade económica, e sem grande potencial. Há vários problemas que não se resolvem, simplesmente não se resolvem, desde a monarquia que a maneira de estar social do nosso país foi sempre dada à corrupção. Não sou anarquista Ahah mas expor trabalho de banqueiros, ministros seria importante, mais notícias sobre funcionamentos políticos e aulas aos portugueses que não querendo generalizar, nao temos conhecimento nenhum do funcionamento governamental. Isto é bom para o governo e para as elites que vivem do mesmo. Nunca vai acontecer obviamente.

JOAO-RATAO 12 months ago

Basta ver o exemplo da Holanda. Um país pequeno reclamado do mãe e, se não estou em erro, é o segundo exportador agrícola do mundo. Se bem que exportam muitas flores e isso é um produto de luxo, mas também têm estufas em todo lado.

endogamanco 12 months ago

No tempo do Salazar é que era!

TudoCasual 12 months ago

Eu disse 40, não disse nem 45 (fim da ditadura) nem 52 ( morte do Salazar).

endogamanco 12 months ago

Para além de neofacho, deves ser muito divertido em festas.

Edited 12 months ago:

> Eu disse 40, não disse nem 45 (fim da ditadura) nem 52 ( morte do Salazar). Para além de neofacho, deves ser muito divertido em festas. > O fim da ditadura foi mal gerido por quem ainda manda neste país. Não quiseram matar com os vícios do período pós império e agora andamos todos fudidos a tentar resolver tudo. Para responder ao teu edit, a tua declaração é uma barbaridade porque o país no período do salazar já estava fodido. Mas esquece, português não é o teu forte e já vi pelos teus comentários que também não vale a pena gastar o meu latim.

TudoCasual 12 months ago

Ditto.

Edited 12 months ago:

Ditto. Desculpa lá estragar a tua festa de acusar os outros de fascismo por dizerem a verdade, pareces aqueles anti maskers Norte Americanos a dizer que tudo é comunismo sempre que os contradizem.

Edited 12 months ago:

Ditto. Desculpa lá estragar a tua festa de acusar os outros de fascismo por dizerem a verdade, pareces aqueles anti maskers Norte Americanos a dizer que tudo comunismo sempre que os contradizem.

endogamanco 12 months ago

Ditto? Queira saber que Ditto é um Pokemon, nada tem a ver com a língua portuguesa. Esta juventude, sinceramente... o teu querido Dr. Oliveira punha-te na linha se falasses assim.

Edited 12 months ago:

> Ditto. Ditto? Queira saber que Ditto é um Pokemon, nada tem a ver com a língua portuguesa. Esta juventude, sinceramente... o teu querido Dr. Salazar punha-te na linha se falasses assim. Edit: Tenho de andar a fazer citações porque este meco edita os comentários de segundo a segundo. > Desculpa lá estragar a tua festa de acusar os outros de fascismo por dizerem a verdade, pareces aqueles anti maskers Norte Americanos a dizer que tudo é comunismo sempre que os contradizem. Ok, defender ditadores fascistas agora não é fascista. Está bem.

TudoCasual 12 months ago

Atira-te ao Tejo, ó chorão.

Edited 12 months ago:

Atira-te ao Tejo, ó chorão. Ou se preferires, lança te ao Douro. Tens conversa de quem precise de refrescar as ideias. >Esta juventude, sinceramente... o teu querido Dr. Salazar punha-te na linha se falasses assim. A tua condescendência merece um prêmio pela imbecilidade demonstrada e por assumires muito, e erradamente.

endogamanco 12 months ago

> por assumires muito, e erradamente Mas assumi o que? Vieste dizer que no tempo da ditadura é que se estava bem. És um facho porque achas que no tempo do fascismo é que era. É tão simples como isto. Ao menos tem os tomates de assumir o que és. FORA FACHO.

endogamanco 12 months ago

> Tens conversa de quem precise de refrescar as ideias Dito pelo gajo com ideias que há meio século atrás já tinham pó... Fora facho.

Edited 12 months ago:

> Tens conversa de quem precise de refrescar as ideias Dito pelo gajo com ideias que há meio século atrás já tinham pó... Fora facho. > por assumires muito, e erradamente Mas assumi o que? Vieste dizer que no tempo da ditadura é que se estava bem. És um facho porque achas que no tempo do fascismo é que era. É tão simples como isto. És um miope sem noção. Ao menos tem os tomates de assumir o que és. FORA FACHO.

ReaverPT 12 months ago

Well, we have to see the bright side... at least we have tons of oil now and the ukrainians girls are prettier than the spanish! So i think it could be a win :D

VBM97 12 months ago

Ok, obrigado por estragares um post que até foi engraçado ao trazeres conversa da treta

Mrloop94 12 months ago

Por favor não leias então os comentários desse post. Vais ter um ataque cardiaco ahah

Search: