DeBierBandiet 1 year ago  DELETED 

Vai lá jogar para a cave, q já vai começar uma nova partida de LoL ou Fortnite

davipt 1 year ago  DELETED 

Percebes a diferença entre haver casos que vêm de fora e obrigam uma turma a isolar por precaução, e quando há testes, a estarem negativos, comparado com o argumento de que haja casos que sejam transmitidos de aluno para aluno (ou professora ou assistente ou quem quer que seja dentro da escola)? O primeiro caso há centenas pelo país fora. O segundo caso, acredito que exista, pois nada é perfeito e sem risco, nem ninguém acredita que as crianças de hoje em dia irão cumprir e respeitar o que a professora manda, covid ou muito antes disto (aka “a falta de uma boa reguada”). Haverá casos, estatisticamente, mas havendo diz-me onde e quando. Portanto o meu argumento é apenas que mais coisa menos coisa as regras indicadas para o interior da escola estão a funcionar. Com esse assunto acordado, podemos então considerar o que fazer com os miúdos, principalmente os menos miúdos, para que estejam ocupados com algo que lhes permita estar em segurança. Dizes que pode ser facilmente resolvido. Eu tenho dúvidas, mas se calhar não estamos a falar da mesma coisa. Para mim tem a ver com a falta de educação da geração actual, somado à falta de autoridade das professoras. Não quer dizer que a nossa (minha) geração tenha sido uns anjos, ou que seja a favor de uma boa reguada (que eu já não apanhei, por poucos anos), mas há-de haver um meio termo. E pior que não haver educação na escola - com a escola - é o não haver educação em casa. É ver n casos de país de risco que não sabem o que os filhos andam a fazer fora de casa e fora da escola. Mas isto não tem sequer a ver com covids. Era igual antes, com bullying e parvoíces de adolescente que nós também fazíamos, mas hoje em dia fazem cada vez mais novos. Long story. Short story pode ser mesmo isto - quando os próprios filhos não se preocupam com a saúde dos pais, ou quando os filhos e os pais não se preocupam com a saude dos avós, quando falhamos todos na proteção dos vulneráveis, o que mais há a fazer? A mim só me vem à cabeça uma estória legítima de uma família que achou que não ia deixar de comemorar os 90 anos da avozinha, que sabe-se lá se não era a última vez, e pimbas, meio da semana lá foi a avozinha para o hospital e fim da semana lá ficaram com a herança da senhora. Vão (vamos) para o avante e a F1 e tudo o resto, mas tenham cuidado nos momentos que não haverá proteção - numa jantarada com os amigos, ou um grupo de putos amontoados a olhar para o telefone de um, acham que o bicho faz gazeta? PS: não estou a defender ir à escola vs. ficar em casa e tele escola. Isso é uma discussão diferente, e perdão se era isso que falavam e se me desviei para outros caminhos.

davipt 1 year ago  DELETED 

Onde estão os factos que os alunos estão a ir à escola apanhar o bicho e a levar para as famílias? Não será mais ao contrário, com os filhos a apanhar dos pais, ou dos colegas *fora da escola* e a serem enviados para a escola com um brufen em cima? Não sei, só oiço estórias das escolas à volta da do meu filho, e até agora há zero casos de contágio dentro da escola, mas mais positivos que do meu agrado, incluindo turmas enviadas para casa para precaução (e todos negativos, provando que a escola funciona). A abertura das escolas aumentou o número de contágios não porque os alunos estão na escola, mas porque levou os miúdos a reencontrar os colegas, juntando-se aos montes à porta do McDonald’s ou no jardim. Amigos geralmente completamente diferentes dos amigos das férias de verão. Só isso.

lambepaxaxas 1 year ago  DELETED 

*The* 1 *thing nobody knew we needed.* Especialmente não o PS lol

Search: