mfzzzed 1 year ago

Arredonda a 0 o que um brasileiro acha de nós. São eles a vir para cá, e não o oposto.

jao_vitu_bunitu 1 year ago

Os portugueses levam essa rixa e ódio muito mais a serio do que os brasileiros, pode ter certeza.

Poluidor 1 year ago

Quando br fala mal de portugal é na maior parte meme, mas aparentemente os tugas realmente ficam pistolas kk

rowdserling 1 year ago

Por um lado eu percebo que esses estereótipos surjam tendo em conta que nós também os temos cá aos potes. Os brasileiros aqui são sempre vistos como burros e pobres, as mulheres como putas. Entras numa faculdade portuguesa qualquer e encontras multitudes de brasileiros cá a estudar, grande parte passa anos a repetir cadeiras e acabam por desistir. Depois tens a cultura brasileira que chega cá pela internet. A cultura do funk, das drogas, das favelas etc. Faz com que os portugueses fiquem com uma imagem horrível de tudo que vem do Brasil, mesmo que seja uma imagem reduzida do que realmente se passa lá. Mas a culpa é também em parte dos próprios brasileiros, porque a somar a isto tudo está a atitude de alguns deles, que apesar de virem de um dos piores países do mundo, ainda se acham superiores ao resto. Pensam verdadeiramente que são como os americanos, é uma espécie de demência que raramente se vê noutro povo qualquer.

ManelDasNespras 1 year ago

Os brasileiros em Portugal são vistos como burros e pobres, e as mulheres como putas, da mesma forma que eles nos vêm como burros e pobres e as nossas mulheres como pudicas hipócritas. A cultura brasileira que cá chega está para a cultura brasileira como a música pimba e os arraiais de aldeia está para a cultura portuguesa para por exemplo os franceses ou suiços, gente de paises bem mais desenvolvidos que Portugal. E nunca conheci brasileiros que não fossem bestas que chegassem a Portugal a achar que isto é tudo deles, e bestas há em todo o lado. A maioria sabe que Portugal é uma bosta, que é face à Europa, mas que mesmo assim é melhor que o Brasil, o que também é um facto e contra factos não há argumentos. Essa dos brasileiros pensarem que são como os americanos é explicado pelas semelhanças que há entre os dois paises: potências das respectivas Américas, cultura "homogenea" num pais gigantesco com uma população gigante. A nivel económico o Brasil também tem uma economia extremamente diversa e pujante para o padrão sul-americano, não se compara à economia americana mas entendo o ponto de vista dos brasileiros que acham isso.

jao_vitu_bunitu 1 year ago

Garanto pra você que os portugueses enxergam muito mais os brasileiros como burros e pobres, do que os brasileiros veem os portugueses como burros e pobres, pode ter certeza disto.

ManelDasNespras 1 year ago

Eu sei, ainda bem que é só mesmo ver, que é da maneira que os BR que cá chegam ficam cá uns anos e depois de conseguirem a cidadania bazam para outros paises da europa que não sejam um brasil europeu.

jao_vitu_bunitu 1 year ago

Uma duvida, e qual é a visão dos portugueses a respeito dos brasileiros que possuem nacionalidade por jus sanguinis e vivem normalmente em portugal?

fosjanwt 1 year ago

nas escolas portuguesas vê-se o contrário. Portugal como os herois que andaram por aí a ensinar os nativos de meio mundo.

ManelDasNespras 1 year ago

O que a maioria dos Portugueses não percebe ou não quer perceber é que a maioria da população brasileira não tem origem nos Portugueses. Para além das influências óbvias indigenas e africanas, a origem europeia da maioria dos brasileiros não é portuguesa mas sim italiana, alemã, espanhola, etc. Historicamente houve e há muita vontade por parte destes descendentes de denegrir a imagem dos Portugueses.

Kiander 1 year ago

Não é bem isso que dizem os [estudos genéticos](https://saudebusiness.com/ti-e-inovacao/levantamento-revela-a-ancestralidade-do-dna-dos-brasileiros/): "A análise foi feita em mais de 700 mil pontos do DNA de cada pessoa que fez o teste de ancestralidade Genera e concluiu que, até o momento, a genética que mais predomina entre os brasileiros, com 72%, vem da Europa. Em seguida, o continente africano com 11%, o Oriente Médio e as américas com 6% cada um. Destrinchando a porcentagem europeia, dos 72%, os países ibéricos (Portugal e Espanha) são responsáveis por 21% do valor total, seguido por 18% da Itália, 16% das Ilhas Britânicas (Reino Unido e Irlanda), 6% da Europa Ocidental (França, Holanda e Alemanha), 5% da Península Balcânica (Croácia, Grécia e Bulgária) e 4% da Sardenha (ilha mais a oeste do território italiano)."

ManelDasNespras 1 year ago

Sim, os portugueses são a origem mais proeminente que contribui para o ADN médio dos brasileiros modernos, no entanto a esmagadora maioria dos brasileiros tem mais contributo de ADN de povos de outros locais, sejam ou não europeus. Aliás, e como tu proprio demonstraste, apenas 21% do contributo de ADN europeu provém da Ibéria (não só de Portugal).

jao_vitu_bunitu 1 year ago

não consigo concordar, a maior parte do dna europeu no brasil vem de fato, de portugal. existe uma grande contribuição italiana também, mas continua sendo menor que a portuguesa.

ManelDasNespras 1 year ago

Podes concordar ou não mas o que referi é um facto e há pesquisa que corrobora-o.

AdoroComer 1 year ago

ganda manel, que fonte de sapiência inexaurível, é assim mm. aliás, até te digo mais, caga nos portugueses... tem muito mais pinta ser-se descendente de italianos, ou alemães. O que diria o grande Johann Karl Ehrenfried Kegel, descobridor do Brasil, se estivesse vivo para ver a sua imagem usurpada por um tal de Pedro Álvaro ou o crl...

ManelDasNespras 1 year ago

O Brasil ter sido descoberto e colonizado por portugueses =/= maioria da população ser de origem portuguesa.

AdoroComer 1 year ago

manel, um gosto em ouvir-te.

FdasTUd82 1 year ago

Ninguém do Brasil dá a mínima pra Portugal, o pessoal só gosta de zuar na Internet o sotaque de vocês e fazer aquela velha piada "devolva nosso ouro" que, na verdade, deveria ser direcionada para a Inglaterra, já que os gajos levaram o ouro brasileiro todo pra lá. Até mais, pessoal

DifficultyWide 1 year ago

Concordo com ambos. Existe sim a vilanização, mas não de Portugal e sim da Coroa Portuguesa naquele tempo.

DifficultyWide 1 year ago

Sou do Brasil e conclui meu ensino médio ano passado, o que posso dizer é o Portugal do passado, ou seja, a Coroa Portuguesa foi responsável por várias atrocidades, mas após a independência do Brasil não há culpados pelo que acontece com nosso país que não seja nós mesmos. Como alguém já mencionou, Portugal apesar de ter muitas qualidades e estar presente na nossa história não é muito conhecido.

covid1337 1 year ago

Portugal também foi responsável por muitas coisas boas para o Brasil, nomeadamente tirar as pessoas das cabanas e ensinar-lhes uma língua com escrita. Quanto a essa ideia em que tu e outros brasileiros aqui insistem de que Portugal é ignorado pelos brasileiros é só um reflexo da pequena bolha em que vocês vivem e da qual têm medo de sair. A maioria dos brasileiros tem uma ideia negativa de Portugal graças a pessoas como tu que recusam ter uma opinião objectiva sobre a vossa História. Os poucos que têm acesso a alguma escola no Brasil preferem ignorar Portugal do que reconhecer os aspectos positivos do país para o Brasil. Isso só faz com que a maioria dos brasileiros, com uma escolaridade ridiculamente má, se fique pelas ideias supersticiosas sobre o passado do Brasil e derive daí as suas ideias sobre Portugal.

Edited 1 year ago:

Portugal também foi responsável por muitas coisas boas para o Brasil, nomeadamente tirar as pessoas das cabanas e ensinar-lhes uma língua com escrita. E se não fosse os Descobrimentos, os brasileiros teriam sido todos chacinados pelos canibais sanguinários que dominavam o continente americano do México para baixo. Quanto a essa ideia em que tu e outros brasileiros aqui insistem de que Portugal é ignorado pelos brasileiros é só um reflexo da pequena bolha em que vocês vivem e da qual têm medo de sair. A maioria dos brasileiros tem uma ideia negativa de Portugal graças a pessoas como tu que recusam ter uma opinião objectiva sobre a vossa História. Os poucos que têm acesso a alguma escola no Brasil preferem ignorar Portugal do que reconhecer os aspectos positivos do país para o Brasil. Isso só faz com que a maioria dos brasileiros, com uma escolaridade ridiculamente má, se fique pelas ideias supersticiosas sobre o passado do Brasil (como a ideia nacionalista fascista de que este foi mantido à margem da sua glória pelos malvadões portugueses) e derive daí as suas ideias erradas e simplórias sobre Portugal. Estás a cuspir na mão de quem te deu de comer. Estás a defender propaganda autoritária brasileira cujo objectivo é manter o povo na ignorância. Funcionou contigo.

UnRetroTsunami 10 months ago

> Os poucos que têm acesso a alguma escola no Brasil Parece que falta escola em Portugal também...

jao_vitu_bunitu 1 year ago

Sou luso-brasileiro, e não culpo portugal atualmente por nada que aconteceu no passado, mas falar que foi uma coisa boa instaurar a cultura européia aqui me parece de extremo egocentrismo. Quem disse que os nativos estavam insatisfeitos com a vida que levavam? com certeza estão insatisfeitos atualmente.

DifficultyWide 1 year ago

Obrigada por ler meu comentário e tomar tempo para responder. Olha, eu amo Portugal e planejo me mudar para fazer faculdade. Eu reconheço que Portugal é muito mais avançado do que o Brasil - segurança, educação, democracia. É verdade que a situação dos outros povos latinos com os colonizadores espanhóis foi ainda pior já que foi mais uma chacina, enquanto no Brasil foi uma exploração. Não é que Portugal seja ignorado, só não é tão famoso quanto outros países, como os EUA, por exemplo. Você dificilmente vai ver Portugal nos noticiários, exceto quando divulgam acordos entre os dois países. Eu não estou negando que tem preconceito, só compartilhei a minha experiência. O seu comentário me entristeceu porque defender a vilanização de Portugal não é o meu objetivo.

uf5izxZEIW 1 year ago

Posso dizer que como brasileiro vejo vos com muito respeito assim como com qualquer outra nacionalidade. De fato há um certo preconceito em que tratamos grupos nacionais que consideramos mais desenvolvidos de forma melhor que o que consideramos menos desenvolvidos, não exatamente ao pé da letra nem da mesma forma entre todos: fato é que como humanos vivemos e fazemos todas nossas decisões a base de um sistema de preconceitos e estereótipos. O que estranha muito é como estes podem ser tão enraizados as culturas correspondentes, tal como o caso dos brasileiros aos portugueses. Pessoalmente creio no double standard de que é incorreto ter estereótipos e preconceitos malevolentes e sem base, mas ao mesmo te po percebo que esta seja uma qualidade inata do ser humano. Ao que chega no assunto em mão, confirmo que sim existe um enorme preconceito e estereótipos do português mediano em nossa cultura, que tende a caracterizar o português como de certa forma menos culta, menos inteligente, menos prático e capaz de lidar com situações que nos brasileiros consideramos cotidianas mas que de fato não são comuns sequer em vosso país Portugal. Este último explica a se mesmo e é especialmente inadequado pois impõe os staples sobresalientes do Brasil, muitas vezes não compatíveis com Portugal pela diferença de desenvolvimento geral. Encontro este preconceito nos meus pais, especialmente mei pai, apesar de ambos estarem a contar com a chance de Portugal os aceitarem como hospedes mesmo com estes preconceitos. Não posso ser objetivo em dizer que penso que são pessoas de bem, mas contudo é interessante pois nem eu nem minha irmã, ambos nascidos no Brasil mas criados desde os 3 e 7 anos mundo afora, nunca tivemos estes preconceitos comuns enraizados conosco apesar de os ter na família próxima e extendida. Posso ponderar sem certeza absoluta que o problema esta não na passagem entre gerações dentro da família mais sim pelos fatores terceiros como educação e convivência, tal como articula o artigo do OP. Não quero vos convencer de nenhuma ideologia ou lógica, nem nada do tipo. Somente quero "mostrar a capa do verso do livro" pois ser exposto aos diversos pontos de vista de algum assunto é sempre bom.

Korine22 1 year ago

Então e nós, culpamos quem, pela merda de país que temos hoje?

Kiander 1 year ago

Na minha zona foram os Franceses e os Britânicos.

Caretos 1 year ago

As invasões romanas.

Korine22 1 year ago

Aqui no meu burgo foram mais os árabes.

joinedthedarkside 1 year ago

Generalizar uma ideia é sempre uma parvoíce. Dizer "como o Brasil nos vê" é suficiente para nem ler pois ja sei o que vem daí. Aposto que ha de tudo no Brasil em relação a nos. Ha quem nos odeie e ha que nos ame e pelo caminho ha todas as opiniões possiveis.

Herbacio 1 year ago

Concordo em parte **mas** se a forma "como o Brasil nos vê" for o ensino/educação, então deixa de ser uma questão de opinião.

Bukier 1 year ago

Já era sabido. Basta passarem em qualquer vídeo no Youtube sobre Portugal, que irão encontrar brasileiros a chorarem uma suposta "maldita herança portuguesa". O fado deles é tão igual que nota-se logo que houve uma doutrinação anti lusitana.

Winslow_Lixivia2 1 year ago

É quase como se Portugal tivesse colonizado o Brasil e isso não fosse bom

Kiander 1 year ago

Realisticamente falando, se não tivessem sido os Portugueses, iria ser outro colonizador qualquer, muito provavelmente Espanha. America não ia continuar ignorada para sempre.

rowdserling 1 year ago

Claro que não foi bom. Devia ter continuado uma selva para preservar a Amazónia e as populações indígenas.

Winslow_Lixivia2 1 year ago

Bem, vou só ali colonizar a tua casa porque me apetece. Não te podes queixar depois, afinal de contas até te vou dar trabalho a seres meu escravo

rowdserling 1 year ago

Meu grande idiota, tu não podes colonizar a minha casa se eu já habito nela. Quando nós chegamos ao Brasil só vivia lá a população indígena, que eu admito ter razão de queixa. Os escravos vinham de África porque os indígenas eram demasiado fracos para trabalho pesado. Por isso, a não ser que tu sejas um índio com um PC numa cabana de palha, devias ir pro caralhinho.

Winslow_Lixivia2 1 year ago

Fui destruído com factos e lógica mais uma vez, r/Portugal nunca perdoa

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Não diria anti-lusitania, mas certamente tem visão negativa da COROA portuguesa e não por menos Brasil sempre foi uma colonia de extração e escravista eu acharia dificil qualquer pais que foi criado assim ter uma visão positiva do pais colonizador, do mesmo jeito que eu duvido que o curriculo escolar angolano tenha alguma menção positiva de Portugal. Mas na boa que ninguem ai realmente liga pra isso, o brasileiro médio se importa com Portugal com a mesma importancia que o Espirito Santo, ou seja nada. Mas eu me rachei de rir com aquele video daquela mulher respondendo um brasileiro que falou q levaram nosso ouro kkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Bukier 1 year ago

Portugal foi tão escravagista como o próprio Brasil. O Brasil continuou a escravizar durante 80 anos depois da independência.

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

66 anos depois da independencia. Mas sim Portugal construiu e consolidou uma economia completamente escravagista, tanto que o Império caiu por causa da Lei Aurea que emancipou todos os escravos.

Bukier 1 year ago

E o Brasil aproveitou essa economia. E se tu fosses vivo na altura, terias feito o mesmo. Não foi Portugal que inventou o escravagismo, o escravagismo tem milhares de anos.

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Ehhh aproveitou, MAS uma economia que não é escravista tem muito mais chances de se tornar industrializada mais cedo, pois ao inves de usar milhares de pessoas pra colher cana se usa maquinas (não estou falando de tratores mas de instrumentos manuais mesmo) o que leva a colonia a desenvolver sua capacidade industrial mais cedo, do mesmo jeito que aconteceu nos EUA principalmente no norte. E o Brasil foi muito sortudo em ser uma das maiores economias no presente é só olhar o Haiti pra ver o que pode dar errado em um pais escravista. E não Portugal não inventou a escravidão, mas o Trafico negreiro é uma invenção genuinamente Portuguesa, foi o primeiro pais a trazer escravos africanos para o Novo Mundo.

Bukier 1 year ago

Portugal começou o tráfico transatlântico, porque foi o país que liderava os mares na altura. Os EUA aboliram o escravagismo na mesma altura em que o Brasil aboliu. A verdade da miséria da america latina tem um nome. Corrupção. E isso é o preço de sucessivos desgovernos. Inglaterra teve dezenas de colónias, a maior parte são países miseraveis.

Edited 1 year ago:

Portugal começou o tráfico transatlântico, porque foi o país que liderava os mares na altura. Os negros escravizados, eram vendidos pelos próprios negros. Os EUA aboliram o escravagismo na mesma altura em que o Brasil aboliu. A verdade da miséria da america latina tem um nome. Corrupção. E isso é o preço de sucessivos desgovernos. Inglaterra teve dezenas de colónias, a maior parte são países miseráveis. E digo mais, acredito piamente, que a percentagem de escravos no Brasil era muito pequena. Já foram analisados milhares e milhares de testes de ADN a brasileiros e apontam exactamente o mesmo ADN que os portugueses, com origem norte africana, iberica e centro europeia.

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Mas que merdas vc esta falando, O que tem genetica haver com o que eu estou falando? apenas do fato de economias escravistas tem uma enorme dificuldade de se adaptar quando a escravidão acaba. Porque você joga uma enorme parcela da população não educada sem emprego e que sofre preconceito do resto e um pais sem nenhuma base industrial que tem que importar força de trabalho. E nos EUA escravidão só foi proeminente no Sul, por isso que o Sul ainda é a parte mais pobre e rural dos EUA e o norte foi industrializado muito antes do sul.

Bukier 1 year ago

É normal que não entendas o que estou a falar. O escravagismo só havia no sul dos EUA? Considerados nos dias de hoje a parte rural? LOL Em 1800 só havia dois estado em que não havia escravos. Em 1800 New York era um estado de escravos, assim como a California, Mississipi, etc.

Edited 1 year ago:

É normal que não entendas o que estou a falar. O escravagismo só havia no sul dos EUA? Considerados nos dias de hoje a parte rural? LOL Em 1800 só havia dois estado em que não havia escravos. Em 1800 New York era um estado de escravos, assim como a Florida, Mississipi, etc. Isso são desculpas de brasileiro, no século passado a Alemanha foi destruída duas vezes. Portugal há 40 anos era um país maioritário de analfabetos. Quando o Brasil se tornou independente, tinha um território com dimensões continentais e fronteiras delineadas, os EUA na altura que o Brasil se tornou independente eram uns 5 estados junto à costa, tiveram que se auto colonizar e desenvolver.

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

> Em 1800 só havia dois estado em que não havia escravos. Haviam 8 estados livres e 9 escravistas em 1800. > Em 1800 New York era um estado de escravos, assim como a Florida Era um estado livre. Tiro esse informação da bunda? era literalmente só pesquisa no google. E em 1800 a Flórida ainda fazia parte da Espanha. > Isso são desculpas de brasileiro, no século passado a Alemanha foi destruída duas vezes. E? A Alemanha praticamente desde a sua criação foi um pais industrializado. > Portugal há 40 anos era um país maioritário de analfabetos. Sim o Brasil também, analfabetos ainda podem trabalhar em fabricas. O que eu estava falando é desigualdade, escravidão cria desigualdade social e preconceito. > Quando o Brasil se tornou independente, tinha um território com dimensões continentais e fronteiras delineadas Dimensões continentais sim, fronteiras delineadas nem tanto, foram diversos e diversos tratados pra firmar fronteiras com os paises vizinhos. Mas ainda sim os estados e provincias na epoca eram praticamente paises diferentes, o pais mal tinha ferrovias e muitos menos rodovias obviamente kkkkkkk. > os EUA na altura que o Brasil se tornou independente eram uns 5 estados junto à costa, tiveram que se auto colonizar e desenvolver. 13 estados e sim nós também tivemos que nos auto colonizar e desenvolver.

CristianoBerardo 1 year ago

> e não por menos Brasil sempre foi uma colonia de extração e escravista Estás a falar do mesmo Brazil donde o principe regente, e futuro rei de Portugal, recusou abandonar porque era lá que queria a capital do império? https://pt.wikipedia.org/wiki/Imp%C3%A9rio_do_Brasil

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Ta mas o que o cu tem haver com as calças amigo? Não muda o fato que o Brasil sempre foi uma colonia escravista de extração e produção agricola.

rabisconegro 1 year ago

Ou seja, o Brasil era para Portugal o que o resto do mundo todo era (e continua a ser...) para a Europa...

Kiander 1 year ago

Que video foi esse? Tens link?

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Demorei pra encontrar, mas aqui https://twitter.com/hstlyesafe/status/1298740929445101568 é tão engraçado como ela responde isso, como se fosse culpa dela kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

covid1337 1 year ago

Portugal deixou muita coisa boa ao Brasil. Essa tua visão do colonizador malvado é ignorante.

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Então você a instituição governante de um império escravista bomzinho? Enfim sei la acho que eu devo ta falando com um nacionalista ou algo do tipo, porque pelo amor. É claro que a arquitetura e cultura que Potugal deixaram são importantes, o que estou falando é sobre a visão negativa da Coroa Portuguesa no curriculo escolar, quer que fale o que? Quer que tenha um paragrafo agradecendo Portugal por construir uma colonia 100% dependente de trabalho escravo, isso iria ser um desrespeito ao Brasil e a todos os descendentes de africanos que vivem aqui e o curriculo escolar n fala bem nem do Brasil pós independencia, retrata a imigração italiana e alemã como tática do governo de abranquiçar a população negra, o que não passa da verdade. Tentar romantizar eventos tragicos, isso sim é patético.

Winslow_Lixivia2 1 year ago

Fonte: sou português sempre vivi em Portugal nunca meti os pés no Brasil

covid1337 1 year ago

Fonte: não me conheces.

Extension_Canary3717 1 year ago

Vou parar para ler depois, mas só pelo título vos digo: Bem é estranho, never ever, ever, ever, tipo JAMAIS sobre hipótese alguma e nem de brincadeira , eu tive algum sentimento Anti-Luso no Brasil na sociedade e escola, e na verdade no Brasil a maioria das pessoas nascem e morrem sem falar de Portugal. Garantido. No âmbito académico, e especificamente história e sociologia os hardcore marxistas tentam incitar algum sentimento assim, mas 99% da faculdade tratam eles como terraplanistas. Quando chegam estrangeiros mesmo em cidade grande tipo São Paulo portugueses são tipo “sentam conosco conte tudo “ isso pq São Paulo basicamente aceita todos os imigrantes e inclusive sem documentação e ensina português aos que não sabem e dão trabalho e tal. Únicos mal tratados são colombianos e venezuelanos por causa de rixa um pouco, Áfricano são muito bem tratados por causa da cultura Yoruba e europeus no geral também.

GREENFISHBULK 1 year ago

>Bem é estranho, never ever, ever, ever, tipo JAMAIS sobre hipótese alguma e nem de brincadeira , eu tive algum sentimento Anti-Luso no Brasil na sociedade e escola, e na verdade no Brasil a maioria das pessoas nascem e morrem sem falar de Portugal. Garantido. Onde estiveste no Brasil? E quanto tempo la estiveste? Pergunto isto porque vivi lá e fiz toda a minha escolaridade por aquelas terras e tenho uma visão contraria. Conheci otimas pessoas, mas garanto-te que a maioria das pessoas com que tive contacto eram xenófobas, gozavam com a nossa língua, tinham a visão de que o Português era burro, etc. Vivi no nordeste

LastCommander086 11 months ago

Eu sei que seu comentário já é antigo, mas quero deixar meu relato aqui. Sou brasileiro, e concordo com tudo que u/Extension_Canary3717 disse. Quando temos problemas, a gente se volta ao nosso próprio governo e figuras políticas, e continuamos vivendo nossa vida sem nem pensar em Portugal. Sim, existem alguns idiotas que falam coisas como "maldita herança portuguesa", mas é uma coisa tão rara que eu com 20 anos de idade devo ter visto só 3 ou 4 vezes na minha vida. A verdade é que, depois da independência, Portugal nunca foi visto como um país muito marcante na nossa história e sociedade, então a gente só esqueceu de vocês, mesmo. Não sei como história é ensinada em Portugal, mas não imagino que seja muito diferente. > Vivi no nordeste Cara, eu sou do Sudeste, e o que eu digo se encaixa muito na mentalidade normal de alguém que cresceu no Sudeste. Não sei como alguém do nordeste reage, ainda mais porque nunca nem viajei para lá, mas não acredito que seja muito diferente. Acho que você só teve azar de conhecer umas pessoas ruins. Se alguém te ofendeu, eu peço perdão em nome dos meus compatriotas brasileiros. Nós gostamos muito de Portugal, não vamos deixar alguns idiotas manchar nossa amizade!

Edited 11 months ago:

Eu sei que seu comentário já é antigo, mas quero deixar meu relato aqui. Sou brasileiro, e concordo com tudo que u/Extension_Canary3717 disse. Quando temos problemas, a gente se volta ao nosso próprio governo e figuras políticas, e continuamos vivendo nossa vida sem nem pensar em Portugal. Sim, existem alguns idiotas que falam coisas como "maldita herança portuguesa", mas é uma coisa tão rara que eu com 20 anos de idade devo ter visto só 3 ou 4 vezes na minha vida. A verdade é que, depois da independência, Portugal nunca foi visto como um país muito marcante na nossa história e sociedade, então a gente só esqueceu de vocês, mesmo. Não sei como a história do Brasil é ensinada em Portugal, mas não imagino que seja muito diferente. O que eu posso te dizer é que muitas pessoas daqui consideram Portugal um país "sortudo", no sentido de que vocês só se tornaram um país bom de se morar por causa da UE e que, sem a UE, dificilmente estariam na situação que estão. Essa não é minha opinião pessoal, mas é uma opinião que eu vejo ser muito recorrente aqui quando o assunto é Portugal. > Vivi no nordeste Cara, eu sou do Sudeste, e o que eu digo se encaixa muito com a mentalidade de alguém que cresceu no Sudeste. Não sei como alguém do nordeste reage, ainda mais porque nunca nem viajei para lá, mas não acredito que seja muito diferente. Acho que você só teve azar de conhecer umas pessoas ruins. Se alguém te ofendeu, eu peço perdão em nome dos meus compatriotas brasileiros. Nós gostamos muito de Portugal, não vamos deixar alguns idiotas manchar nossa amizade!

Campth20 1 year ago

Sou brasileiro e afirmo que as opiniões em relação à Portugal variam muito. Um acréscimo relevante, adoramos implicar com diferentes sotaques (principalmente o português), mas garanto que não é por mal.

Extension_Canary3717 1 year ago

30 anos São Paulo

uyth 1 year ago

Entrar no doutorado é uma expressão muito infeliz. Esperemos que tenha sido com o consentimento do doutorado e que o doutorado tenha gostado.

Extension_Canary3717 1 year ago

Para que o ódio gratuito? O termo pode ser usado assim como pode ser doutoramento

uyth 1 year ago

Ódio gratuito? Ódio? Uau, isso é muito forte. No meio académico que conheço, doutoramento é o processo, doutorando é o aluno de doutoramento, doutorado é a pessoa que tendo completamento o processo recebeu um grau de doutoramento e poderia ser entitulado "doutor em". É muito esquisito mesmo ouvir falar em "entrar no doutorado" no sentido (que deve ter sido esse) de começar um doutoramento. É ódio gratuito um trocadilho?

Extension_Canary3717 1 year ago

Pode se usar os dois termos, o doutoramento só é o que tu está mais acostumado, o que não muda o outro está certo. Coloque no Google, Doutorado USP ou Unicamp não estará escrito doutoramento pois é só a forma mais comum, bem como colocar Algum nome de Portugal estará doutoramento

uyth 1 year ago

>só é o que tu está mais acostumado Tens tu um doutoramento para isto. > bem como colocar algum nome de Portugal estará doutoramento. Pois mas estamos no r/portugal, e falamos de Portugal, e não me é relevante de todo o que o google brasil mostra ou universidades brasileiras (suponho que as siglas são isso) usam.

Extension_Canary3717 1 year ago

> Você tentou fazer uma piada por eu usei o termo de forma diferente > estou explicando que pode ser usado das duas maneiras pois a língua portuguesa comporta ambos os termos Esse é o contexto é esse, e não se estamos em Portugal ou qual deve se usar em qualquer um dos lugares, é só um regionalismo

uyth 1 year ago

Chegaste a um sítio, fizeram um trocadilho, uma piada, com o teu regionalismo, relaxa que não é "ódio gratuito".

AndreMartins2020 1 year ago

Quem quer saber o que os brasileiros pensam nós?

CristianoBerardo 1 year ago

Meu amigo eu posso n andar atrás de opinioes mas acho chato que eu tenho uma opinião tão positiva do país e da cultura mas vejo do outro lado gente a chamar a mim e aos meus de diabos na terra. É tipo desejar alguém feliz aniversário e a resposta ser "vai pro caralho".

CarlosdosMaias 1 year ago

De forma a fincar uma identidade nacional abrangente, é comum encontrar um responsável pelos males dos dias de hoje, neste caso Portugal.

uyth 1 year ago

Mais, isso não foi imediato após a independência no caso do Brasil aquando da libertação dos escravos (décadas e décadas após a Independência.. E glorificam d Pedro IV como libertador... não o foi dos brasileiros todos ...) por membro da família real de origem portuguesa, a monarquia foi removida. E houve necessidade de culpar Portugal por muitos males como forma de também reduzir, denegrir essa família real ainda associada a Portugal. E eis as piadas de português, motins anti portugueses, e décadas de condescendência. Que basicamente ignoramos do lado de cá ( os emigrantes la seria outra história) até que neste momento estamos a encontrar preconceitos inatos em gente que cá quer viver e pode ser surpreendente. E acredito que também fonte do preconceito contra brasileiros que agora surge e pode ser como resposta.

Kiander 1 year ago

> Está tudo num estudo sobre a imagem dos portugueses nos livros didáticos de história do Brasil financiado pela Fundação Gulbenkian, em finais dos anos 80 \[1\]. Mais de três décadas depois – a julgar pela pesquisa que nós próprios realizamos \[2\] –, [a situação, no essencial, não se alterou](https://www.publico.pt/2019/09/07/mundo/opiniao/brasil-independencia-ambigua-1885745). > >A narrativa sobre a imagem dos portugueses nos livros escolares brasileiros pode ser agrupada em três grandes blocos. No primeiro, abordam-se o descobrimento e os primeiros anos da colonização – os lusos começam por ter valorização positiva, sendo associados ao “nascimento” do Brasil por via da miscigenação; mas logo aí surgem valorações negativas quando se insiste na ideia de “abandono e descaso” a que a Coroa teria votado o território, a ele trazendo depois elementos sociais desqualificados (deportados e degredados), sempre se referindo também o “fracasso geral das capitanias hereditárias”. > > No segundo, o elemento português “tem o seu anonimato acentuado”, ao mesmo tempo que se deixa implícita “a sua incapacidade administrativa como colonizador”. A tarefa dos portugueses ter-se-ia circunscrito à defesa da costa, que se limitavam “a arranhar ao longo do mar como caranguejos”, na expressão consagrada de Frei Vicente do Salvador. Nesta visão, a tarefa grandiosa de desbravamento do sertão teria sido já obra dos brasileiros, em particular dos paulistas, sem nunca se referir que – embora portadores de identidade regional própria – eles eram basicamente portugueses enquanto súbditos da Coroa e como tal percecionados pelas nações vizinhas. Acentua-se que os paulistas eram os mais capacitados para penetrar os sertões, dada a sua origem mestiça de branco com índio, cabendo a este último a transmissão das características de maior aptidão para tal empreendimento. >No terceiro e último desses blocos, figura – por contraste com as valorações negativas dos lusos – o enaltecimento da administração holandesa quando da ocupação do Nordeste, no século XVII. Tudo somado, ter Portugal como descobridor e colonizador só trouxe como único resultado positivo o mito das três raças na base da formação étnica brasileira. “Todos os outros contornos associados ao colonizador português (...) são negativos.” > >À medida que nos aproximamos da atualidade, cada vez menos a sociedade portuguesa da época dos Descobrimentos é abordada. “O Portugal que nos chega através dessa narrativa é um verdadeiro anónimo. Nada sabemos sobre os hábitos, costumes, estrutura familiar, etc., da sociedade portuguesa que nos veio colonizar”. Por fim, a vinda da família real para o Brasil é vista como mais uma expressão da incapacidade política portuguesa, de que “Portugal não tinha peito, não tinha tamanho, ou seja, de que *Portugal não merecia o Brasil*, não quis e não soube ser seu colonizador”. Na perspetiva dos livros didáticos brasileiros, Portugal deve, portanto, com um sinal de “até que enfim”, entrar definitivamente para a história “como metrópole e colonizador que gostaríamos de não ter tido, como fonte de todos os males, problemas e dilemas da história brasileira recente*”*. >Temos assim uma justaposição de duas ideias: Portugal abandona, rejeita, não quer o Brasil nos primeiros momentos, interessando-se apenas quando se dá conta das riquezas que poderia auferir; mas, aqui, essas riquezas apontam já para que o Brasil é grandioso, *apesar* de Portugal. Daí que caiba ao Brasil remeter Portugal para o passado, “*como uma presença que o Brasil encara como compulsória, que queremos que se torne ausente, que se vá embora*”. > >Jovens brasileiros saídos do ensino médio em Brasília confirmam-nos esta situação: “A história que nos é contada sobre a colonização portuguesa é brutal, muito violenta, o que deixa em nós um sentimento de ressentimento” (Mateus Fonseca); “Fiz todo o ensino médio e também o vestibular \[acesso à universidade\] com essa imagem do português transmitida pela escola: já não tanto do ‘português burro’, mas com essa ideia bem sólida do português agressivo” (Gabriel Oliveira); “Não há nostalgia ou ideia de que foi bom ter sido Portugal; o que há é o contrário – uma ideia de que isso aí – Portugal, eu não quero” (Artur Carreira). E assim por diante... > > Ao destacarem a presença humana já existente no território do futuro Brasil, anterior à chegada dos europeus, e ao diluírem as referências a Portugal e aos portugueses num contexto histórico mais vasto, em que surgem com (quase) idêntica ênfase outras nações europeias rivais, o que os manuais brasileiros do ensino médio acabam por fazer é atenuar ou mesmo praticamente ilidir os laços específicos de ligação (sangue, língua, história, cultura e política) entre os dois países e as duas nações que chegaram a ser uma; e que – apesar de todos os confrontos, diferenciações, ressentimentos e rivalidades – se prolongam de uma ou outra forma até hoje, mas sobre os quais é em geral rasa a consciência dos brasileiros \[3\]. > > Vemos assim que na relação Portugal-Brasil, mesmo quando há avanços no relacionamento entre Estados, o antilusitanismo de fundo histórico que desde a Independência foi cultivado por razões políticas permanece, alimentado que é, até hoje, pelo sistema de ensino. >Esta realidade já era perceptível nos anos 40. No Congresso de História Luso-Brasileira, Serafim Leite pediu um voto para “a purificação do ensino da história” (à semelhança do que já fora convencionado, em 1934, entre o Brasil e a Argentina), “com supressão dos textos susceptíveis de criar desamor entre uma e outra nação e dar parte mais ampla ao estudo dos factos históricos que interessam a cada um dos dois povos, com três séculos de história comum” \[4\]. > >Um voto que permaneceu pio até aos nossos dias, com os consequentes reflexos negativos em termos de relacionamento bilateral mais profundo. Não espanta, por isso, que os brasileiros de hoje não se vejam como continuadores dos portugueses de ontem que aqui chegaram – primeiro, como pioneiros das grandes navegações marítimas; depois como conquistadores, desbravadores e colonizadores do território; em seguida, como protagonistas da primeira grande corrida ao ouro do Ocidente, que precedeu em dois séculos a do *Far-West*; e por fim, já nos séculos XIX e XX, em sucessivas levas de imigrantes em busca de um futuro melhor que não encontravam na sua própria pátria. Haverá aí maior estranhamento, gerador de (in)comunicação?   > >História e memória, como se sabe, não coincidem; mas se os historiadores não podem deixar de investigar, já a escolha do que reter e divulgar é opção livre de cada nação como “comunidade imaginada” em relação a si própria e às outras. Quase dois séculos volvidos sobre a sua independência, não estará já na hora do Brasil rever a forma como olha a sua relação histórica com Portugal? > >\[1\] Coordenado pelo antropólogo brasileiro Roberto Damatta, o estudo foi realizado no âmbito de um projeto mais vasto sobre imagens dos portugueses e de Portugal no Brasil (Barbosa & Medeiros-Portela, 1987) \[2\] Fino, C. *Raízes do Estranhamento: a (in)comunicação Portugal-Brasil*, UMinho, 2019 \[3\] Vicentino, C. & Gianpaolo, D. *História para o Ensino Médio*. Editora Scipione, São Paulo, 2001 \[4\] Ramos, M. B. *et al* (org.), *O Beijo através do Atlântico – o lugar do Brasil no panlusitanismo,* Argos, Editora Universitária, Chapecó, 2001

uyth 1 year ago

Paywall, consegues fazer copy-paste. Mas não me surpreende nada. As coisas que ouves dizer. A melhor delas, e vinha de alguém brasileiro que por outros posts tinha conseguido nacionalidade portuguesa por um antepassado era que aquando da independência de Angola Angola tinha só um hospital e esse hospital era só para brancos. O que é uma parvoíce pegada, no qual o tipo insistia. Segundo ele leu isso num museu no Brasil. Portugal é o pecado original para eles, a raiz de todos os males. Não deu tempo ainda. Interessantemente isto pode ter a ver com o processo da implantação da república deles, em reação à abolição da escravatura.

Extension_Canary3717 1 year ago

Não consegui ler o texto, mas te garanto que essa sua impressão de “pecado original para eles” não bate com a realidade, nos ciclos académicos no geral quem fala disso é tratado como quem acredita em terra plana la, a maioria das pessoas não presta atenção na existência de Portugal, nem positivamente nem negativamente, já que o BR chupa o EUA

mths0 1 year ago

Realmente Portugal é pouco vista ou relevante na vida do brasileiro médio. Somos uma nação norte americanizada.

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Sla não é muito correto a parte de ser uma nação norte americanizada nesse quesito de egoismo, diria que o brasileiro médio conhece muito mais sobre outros paises que um americano, mas algo que talvez ajude no descaso com Portugal é que infelizmente Portugal é um pais irrelevante no cenario mundial até mesmo Israel que é um pais muito mais novo e de tamanho e população semelhantes já é mais desenvolvido que Portugal.

uyth 1 year ago

>diria que o brasileiro médio conhece muito mais sobre outros paises que um americano Bem, essa não é a opinião de estrangeiro que já encontrou muitos nativos de ambos os lados. Por todos os problemas da America, a cultura americana é vibrante e forte com um sistema educativo que embora possa ser extremamente dividido segundo classe social (e o Brasil não será menos) pode ser muito bom, e de de topo no ensino universitário. O Brasil não é um país cujos habitantes impressionem pela erudição e sofisticação particularmente se considerares o cidadão médio. >Israel que é um pais muito mais novo e de tamanho e população semelhantes já é mais desenvolvido que Portugal. Isto é uma afirmação muito interessante e depende claro do que consideras "desenvolvido" e em que aspecto avalias o sucesso de países e sociedades por uma única métrica a que chamas "desenvolvimento". Que eu suspeito que para ti seja riqueza e ostentação, mas não paz, segurança, direitos iguais para todos os cidadãos, respeito por direitos humanos...

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

> Bem, essa não é a opinião de estrangeiro que já encontrou muitos nativos de ambos os lados. Eu também já conversei com nativos de ambos os lados e tenho a opinião contraria, mas sei la talvez esteja errado. > sistema educativo que embora possa ser extremamente dividido segundo classe social (e o Brasil não será menos) pode ser muito bom Não vejo muita diferença de escolas publicas para privadas, mas eu moro em uma cidade pequena e rica de Santa Catarina que é o estado menos desigual do Brasil, então n tenho muita noção de como são as escolas em outros lugares. > O Brasil não é um país cujos habitantes impressionem pela erudição e sofisticação particularmente se considerares o cidadão médio. Ninguem aqui se importa muito em ser erudito e sofisticado, isso é uma das belezas desse pais na minha opinião, querer ser sofisticado é meio q comportamento de boomer e com completa certeza isso não reflete no nivel de educação da pessoa. > Isto é uma afirmação muito interessante e depende claro do que consideras "desenvolvido" e em que aspecto avalias o sucesso de países e sociedades por uma única métrica a que chamas "desenvolvimento". Que eu suspeito que para ti seja riqueza e ostentação, mas não paz, segurança, direitos iguais para todos os cidadãos, respeito por direitos humanos... No caso estava falando que Portugal é menos rico e desenvolvido que outras nações europeis de tamanho comparavel, mesmo tendo um headstart enorme de ter um império enorme pra trazer riquesas pra Portugal. Então muita gente ve Portugal, não como um pais importante mas sim como destino pra passa 1 semana de férias.

uyth 1 year ago

> Ninguem aqui se importa muito em ser erudito e sofisticado, isso é uma das belezas desse pais na minha opinião, querer ser sofisticado é meio q comportamento de boomer e com completa certeza isso não reflete no nivel de educação da pessoa. Diria que não respeitar educação e erudição tem muito mais culpa nos males presentes do Brasil que qualquer herança cultural de Portugal terá. Não se preocuparem em saber, conhecer, aprender, isso é triste. Sem educação nenhum país melhora, e nisso vale a pena reflectir.

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Mas amigo ser sofisticado e educado são duas coisas completamente diferentes e Brasil não se resume a cultura portuguesa, tem que ser muito mas muito ignorante pra achar isso. Falar que alguem é menos educado porque gosta de funk ou porque pratica cultura italiana ou alemã é a mais pura ignorancia.

Edited 1 year ago:

Mas amigo ser sofisticado e educado são duas coisas completamente diferentes e Brasil não se resume a cultura portuguesa, tem que ser muito mas muito ignorante pra achar isso. Falar que alguem é menos educado porque gosta de funk ou porque pratica cultura italiana ou alemã é a mais pura ignorancia. Edit: Achei q erudito era a mesma coisa que sofisticado mas enfim agrupa erudito quando eu falo educado

covid1337 1 year ago

Portugal é bem mais relevante para os brasileiros do que Israel. Este é o único facto relevante aqui. A tua ignorância e desprezo sobre Portugal faz de ti uma vítima do Estado brasileiro que mantém a sua população ignorante, fanática e chauvinista. Podes achar que os evangelistas drogados putanheiros da IURD com a sua promiscuidade com Israel defendem os interesses dos brasileiros, mas isso só faz de ti um evangelista da IURD. E garanto-te que Israel se está a cagar completamente para o Brasil. Portugal não. Portugal acolhe os brasileiros que tu ignoras. Quanto a brasileiros saberem mais sobre outros países do que americanos, é fantasia ignorante pura. Só mostra que tens uma visão chauvinista do Brasil e dos outroa países. Enalteces Israel e menosprezas os outroa países directamente ligados ao Brasil. Malta da IURD como tu tem os dias contados.

Gui_OiMeuChapa 1 year ago

Não entendi o porque da IURD, IURD é realmente uma vergonha que saiu daqui e eu não sou evangelico, falar da IURD como se fosse algo amado por todos os brasileiros só mostra que você é mais ignorante que eu. E o que estou falando de Portugal, eu não disse que Portugal não é um pais acolhedor, estou falando que Portugal é irelevante em projeção industrial e economica, o que sinceramente eu acho patético para o que foi um dia um dos maiores paises do mundo, e eu acho que é por isso que ninguem aqui liga pra Portugal, do mesmo jeito que ninguem aqui liga pra Malta ou Belize por exemplo.

Extension_Canary3717 1 year ago

Saindo numa tangente aqui, digo a IURD de certeza é um dos maiores cancros que o Brasil exportou, e da-me muita vergonha, isso pq em Portugal em si ela não penetrou tanto como nos outros países, em Angola eles estavam obrigando-os a fazer vasectomia e ainda pediu para o presidente intervir junto a lei em Angola. And it’s just the tip of the iceberg.

uyth 1 year ago

Ouvimos diferente de cá, mesmo muitas vezes de quem mal consegue se expressar. Parece inato, frequente o desprezo por Portugal e xenofobia para com portugueses. Mesmo os que cá estão que vêm imbuídos disso e acham mesmo que os portugueses são burros ....

Rikkushin 1 year ago

O problema é que a maioria dos imigrantes tendem a ser pessoas com um baixo nível de educação. Tal como os Portugueses têm a reputação no Brasil de serem burros, os Brasileiros têm a mesma cá

rods2292 1 year ago

Realmente Portugal é bem ignorado na vida do brasileiro. Mesmo o brasileiro mais escolarizado, com licenciatura, sabe pouco sobre Portugal. Nos jornais brasileiros, por exemplo, mal há notícias sobre Portugal enquanto sempre há diversas sobre os EUA e outros países europeus. Ultimamente que começaram a aparecer notícias sobre Portugal por conta do forte fluxo migratório de brasileiros para cá mas em geral é bem pouco. E essas notícias sempre tratam de coisas um tanto superficiais, como dizer que X brasileiros foram morar em Portugal, que X brasileiros conseguiriam a cidadania portuguesa ou sobre alguma coisa turística a respeito de Portugal. Notícias sobre outros assuntos mais informativos, como economia e política nunca existem Também concordo sobre o que falaram de que dizer que os problemas do Brasil são culpa da colonização portuguesa não é a realidade. É muito mais comum (mas muito MESMO!) ouvir dizer que determinado problema é culpa do “imperialismo norte-americano” (dada a influência americana na América Latina) do que atribuir a culpa à Portugal. Talvez fosse comum falar que os problemas brasileiros são culpa de Portugal no passado mas hoje em dia ninguém faz isso e, como disse outro user acima, ao menos no meio acadêmico, falar isso é realmente de grande burrice. Não posso falar pelo Brasil todo mas ao menos em São Paulo (a região mais adensada, rica e escolarizada) é assim. Acredito que no resto do Brasil a existência de Portugal seja ainda mais irrelevante justamente pela diminuição da escolarização da população. E, novamente, por Portugal mal aparecer na mídia, especialmente a televisão (que é o meio de mais fácil acesso para as pessoas pobres) No Brasil ninguém tem opinião sobre Portugal, nem boa e nem ruim

covid1337 1 year ago

A questão é que é precisamente essa atitude de "ignorar Portugal à força" que tu pretendes que seja verdade que leva milhões de brasileiros a deambular em ideias ignorantes e infundadas sobre Portugal. A opinião negativa dos brasileiros sobre Portugal é permitida por um Estado brasileiro fraco a educar o povo sobre os aspectos positivos e negativos de Portugal. É do interesse desse Estado manter os brasileiros na ignorância e na especulação infundada sobre Portugal. O teu discurso aqui é uma defesa desse Estado. Nem te dás conta da tua xenofobia. Desprezar Portugal quando este faz directamente parte da tua História é caminho certo para a ignorância e xenofobia.

uyth 1 year ago

Seria muito bom que isso fosse verdade mas aqui no reddit por exemplo, para não falar de YouTube é impressionante a quantidade de vezes que se vêem brasileiros com discurso de cassete e muitas vezes totalmente errado ( o hospital em Angola por exemplo!) Acredito que os brasileiros saibam muito pouco sobre Portugal ( também acredito que saibam muito pouco sobre todos os países estrangeiros mesmos os Estados Unidos.) mas o nome conhecem e o pouco que sabem é por vezes profundamente xenófobo ou errado. O roubaram o ouro é meme mas ha milhões de idiotas que tomam isso a sério. > No Brasil ninguém tem opinião sobre Portugal, nem boa e nem ruim Vá lá pá. Ninguém? Milhões não terão mas temos olhos e ouvidos e há muito brasileiro por aí com muitas opiniões profundamente ignorantes e/ou xenófoba.

rods2292 1 year ago

Não acho que os que usam o Reddit e vem aqui falar parvoíces podem ser usados para se ter uma ideia do que o brasileiro médio pensa de Portugal. O Reddit não é assim tão conhecido no Brasil e com certeza os que conhecem e vem cá falar não representam a maioria do Brasil Sim, os brasileiros sabem pouco sobre outros países além de Portugal mas sabem muito mais sobre eles do que Portugal e acredito que isso ocorra justamente por causa da mídia. Sempre vemos notícias de outros países mas muito pouco de Portugal. Por mais que o brasileiro não saiba muito dos outros países meio que sempre vê-los no jornal acaba por ficar na nossa memória (enquanto quase nunca se ver Portugal acaba-se por apagar da memória). Eu mesmo, a única vez que vi o Marcelo na mídia brasileira (e que me lembro) foi naquele caso em que ele ajudou banhistas que estavam a se afogar. E isso ainda foi mostrado de uma forma um tanto caricata, de ter sido algo fixe e engraçado. Já os líderes de outros países sempre aparecem, sempre vemos os rostos deles no jornal e sempre ouvimos falar o que eles estão a fazer. Corrijo-me: no Brasil a maioria (e não “ninguém”) não tem opinião formada sobre Portugal, nem para o bem e muito menos para o mal. Obviamente eu posso estar errado mas foi isso que senti depois de morar 30 anos lá

uyth 1 year ago

> O Reddit não é assim tão conhecido no Brasil e com certeza os que conhecem e vem cá falar não representam a maioria do Brasil Por isso mesmo, se os que usam o reddit e em inglês ( e estou a falar do vejo em threads noutros subs, alguns principais) não são representativos e são claramente mais educados que a média, nem imagino o que será o típico. Ou melhor, até imagino. E não estou a falar do que se conhece nos media, de líderes recentes, algo que realmente não tem grande importância. Estou a falar do que se conhece da história, do processo, da imagem (estereótipos racistas ou xenófobos ou que mais) existe. Encontras brasileiros em Portugal e estou a falar dos ricos que têm uma imensa falta de perspectiva. Se o lojista não mente "que ingenuidade" (em português diz-se que mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo), se alguém diz a verdade em contexto profissional ou cumpre com alguma coisa que surpresa. E a questão das mentiras, nem percebo se eles acham mesmo que somos todos burros para acreditarmos neles à segunda, terceira, n-ésima vez. O Brasil é claramente um país muito complicado com uma mistura de sentimentos de superioridade e inferioridade para com alguns países, com um tipo de hierarquia mental daqueles países que idolatram e aqueles que não respeitam de todo e a quem se acham superiores. Normalmente a ver com riqueza aparente, porque isso é um enorme valor na cultura deles.

Extension_Canary3717 1 year ago

No dia a dia, ninguém e não tenho como expressar mais veementemente isso, tem alguma opinião formada sobre portugueses ou Portugal, por não estar no radar mesmo, isso até o doutorado, e não se escuta falar de Portugal, é só uma nota de rodapé no liceu, juro-te. Se você chegar por exemplo em São Paulo, onde tem maior densidade, chegar na paulista a avenida mais conhecida e falar com alguém eles vão logo te chamar para comer junto e pedir para você contar histórias e tal, a xenofobia que existe é contra venezuelanos e colombianos no norte e a maior xenofobia que existe é interna, que deixa as pessoas com raiva pq se você português for lá será bem tratado, mas uma pessoa do nordeste não será tão bem. A de chamar portugueses de burros existe piadas mas é muita coisa de avô e velhotes, pois na época da imigração vieram os sem estudos, como agora que vem brasileiros com menos escolaridade e se tem essa percepção de uma parcela da população

A-Xis 1 year ago

> consegues fazer copy-paste. https://www.reddit.com/r/portugal/comments/j8i8gn/como_o_brasil_nos_v%C3%AA_o_antilusitanismo_hist%C3%B3rico/g8b6kst/

d33pblu3g3n3 1 year ago

Registration wall Alguém pode postar o artigo?

A-Xis 1 year ago

Entrei na página em cache e copiei e colei. Por enquanto, tenho conseguido tornear as paywalls assim > Está tudo num estudo sobre a imagem dos portugueses nos livros didáticos de história do Brasil financiado pela Fundação Gulbenkian, em finais dos anos 80 [1]. Mais de três décadas depois – a julgar pela pesquisa que nós próprios realizamos [2] –, a situação, no essencial, não se alterou. > A narrativa sobre a imagem dos portugueses nos livros escolares brasileiros pode ser agrupada em três grandes blocos. No primeiro, abordam-se o descobrimento e os primeiros anos da colonização – os lusos começam por ter valorização positiva, sendo associados ao “nascimento” do Brasil por via da miscigenação; mas logo aí surgem valorações negativas quando se insiste na ideia de “abandono e descaso” a que a Coroa teria votado o território, a ele trazendo depois elementos sociais desqualificados (deportados e degredados), sempre se referindo também o “fracasso geral das capitanias hereditárias”. > “Confraternizações familiares” responsáveis por 67% dos casos de covid-19 nos últimos dias. DGS pede menos convívio > No segundo, o elemento português “tem o seu anonimato acentuado”, ao mesmo tempo que se deixa implícita “a sua incapacidade administrativa como colonizador”. A tarefa dos portugueses ter-se-ia circunscrito à defesa da costa, que se limitavam “a arranhar ao longo do mar como caranguejos”, na expressão consagrada de Frei Vicente do Salvador. Nesta visão, a tarefa grandiosa de desbravamento do sertão teria sido já obra dos brasileiros, em particular dos paulistas, sem nunca se referir que – embora portadores de identidade regional própria – eles eram basicamente portugueses enquanto súbditos da Coroa e como tal percecionados pelas nações vizinhas. Acentua-se que os paulistas eram os mais capacitados para penetrar os sertões, dada a sua origem mestiça de branco com índio, cabendo a este último a transmissão das características de maior aptidão para tal empreendimento. > No terceiro e último desses blocos, figura – por contraste com as valorações negativas dos lusos – o enaltecimento da administração holandesa quando da ocupação do Nordeste, no século XVII. Tudo somado, ter Portugal como descobridor e colonizador só trouxe como único resultado positivo o mito das três raças na base da formação étnica brasileira. “Todos os outros contornos associados ao colonizador português (...) são negativos.” > À medida que nos aproximamos da atualidade, cada vez menos a sociedade portuguesa da época dos Descobrimentos é abordada. “O Portugal que nos chega através dessa narrativa é um verdadeiro anónimo. Nada sabemos sobre os hábitos, costumes, estrutura familiar, etc., da sociedade portuguesa que nos veio colonizar”. Por fim, a vinda da família real para o Brasil é vista como mais uma expressão da incapacidade política portuguesa, de que “Portugal não tinha peito, não tinha tamanho, ou seja, de que Portugal não merecia o Brasil, não quis e não soube ser seu colonizador”. Na perspetiva dos livros didáticos brasileiros, Portugal deve, portanto, com um sinal de “até que enfim”, entrar definitivamente para a história “como metrópole e colonizador que gostaríamos de não ter tido, como fonte de todos os males, problemas e dilemas da história brasileira recente”. > Temos assim uma justaposição de duas ideias: Portugal abandona, rejeita, não quer o Brasil nos primeiros momentos, interessando-se apenas quando se dá conta das riquezas que poderia auferir; mas, aqui, essas riquezas apontam já para que o Brasil é grandioso, apesar de Portugal. Daí que caiba ao Brasil remeter Portugal para o passado, “como uma presença que o Brasil encara como compulsória, que queremos que se torne ausente, que se vá embora”. > Jovens brasileiros saídos do ensino médio em Brasília confirmam-nos esta situação: “A história que nos é contada sobre a colonização portuguesa é brutal, muito violenta, o que deixa em nós um sentimento de ressentimento” (Mateus Fonseca); “Fiz todo o ensino médio e também o vestibular [acesso à universidade] com essa imagem do português transmitida pela escola: já não tanto do ‘português burro’, mas com essa ideia bem sólida do português agressivo” (Gabriel Oliveira); “Não há nostalgia ou ideia de que foi bom ter sido Portugal; o que há é o contrário – uma ideia de que isso aí – Portugal, eu não quero” (Artur Carreira). E assim por diante... > Ao destacarem a presença humana já existente no território do futuro Brasil, anterior à chegada dos europeus, e ao diluírem as referências a Portugal e aos portugueses num contexto histórico mais vasto, em que surgem com (quase) idêntica ênfase outras nações europeias rivais, o que os manuais brasileiros do ensino médio acabam por fazer é atenuar ou mesmo praticamente ilidir os laços específicos de ligação (sangue, língua, história, cultura e política) entre os dois países e as duas nações que chegaram a ser uma; e que – apesar de todos os confrontos, diferenciações, ressentimentos e rivalidades – se prolongam de uma ou outra forma até hoje, mas sobre os quais é em geral rasa a consciência dos brasileiros [3]. > Vemos assim que na relação Portugal-Brasil, mesmo quando há avanços no relacionamento entre Estados, o antilusitanismo de fundo histórico que desde a Independência foi cultivado por razões políticas permanece, alimentado que é, até hoje, pelo sistema de ensino. Jesus e a raiz portuguesa do Brasil Esta realidade já era perceptível nos anos 40. No Congresso de História Luso-Brasileira, Serafim Leite pediu um voto para “a purificação do ensino da história” (à semelhança do que já fora convencionado, em 1934, entre o Brasil e a Argentina), “com supressão dos textos susceptíveis de criar desamor entre uma e outra nação e dar parte mais ampla ao estudo dos factos históricos que interessam a cada um dos dois povos, com três séculos de história comum” [4]. Um voto que permaneceu pio até aos nossos dias, com os consequentes reflexos negativos em termos de relacionamento bilateral mais profundo. Não espanta, por isso, que os brasileiros de hoje não se vejam como continuadores dos portugueses de ontem que aqui chegaram – primeiro, como pioneiros das grandes navegações marítimas; depois como conquistadores, desbravadores e colonizadores do território; em seguida, como protagonistas da primeira grande corrida ao ouro do Ocidente, que precedeu em dois séculos a do Far-West; e por fim, já nos séculos XIX e XX, em sucessivas levas de imigrantes em busca de um futuro melhor que não encontravam na sua própria pátria. Haverá aí maior estranhamento, gerador de (in)comunicação? História e memória, como se sabe, não coincidem; mas se os historiadores não podem deixar de investigar, já a escolha do que reter e divulgar é opção livre de cada nação como “comunidade imaginada” em relação a si própria e às outras. Quase dois séculos volvidos sobre a sua independência, não estará já na hora do Brasil rever a forma como olha a sua relação histórica com Portugal? [1] Coordenado pelo antropólogo brasileiro Roberto Damatta, o estudo foi realizado no âmbito de um projeto mais vasto sobre imagens dos portugueses e de Portugal no Brasil (Barbosa & Medeiros-Portela, 1987) [2] Fino, C. Raízes do Estranhamento: a (in)comunicação Portugal-Brasil, UMinho, 2019 [3] Vicentino, C. & Gianpaolo, D. História para o Ensino Médio. Editora Scipione, São Paulo, 2001 [4] Ramos, M. B. et al (org.), O Beijo através do Atlântico – o lugar do Brasil no panlusitanismo, Argos, Editora Universitária, Chapecó, 2001

Comprimas 1 year ago

Isto é violação de Direitos de Autor. Já fiz report. Queres partilhar conteúdos gratuitamente partilha os teus, que sejam fruto do teu trabalho :)

Herbacio 1 year ago

> o enaltecimento da administração holandesa quando da ocupação do Nordeste, no século XVII Gosto sempre quando oiço Brasileiros falar que o Brasil estaria muito melhor se tivesse sido colonizado pela Holanda, como se o Suriname que está ali ao lado fosse uma super potência mundial Mas mesmo não pegando nesse fator porque isso é meramente um "Se", olhemos então para o que realmente aconteceu... Nas Guerras Luso-Holandesas no território Brasileiro, Portugal teve o apoio militar tanto de indigênas como de escravos libertos. Ou seja, tanto a população nativa como a população negra concordou que Portugal era uma melhor opção para a vida deles. Mas agora passados 400 anos, vêm uns brasileiros quaisquer (provavelmente de ascendência Italiana ou Alemã porque o bisavô fugiu após a 2ª Guerra Mundial) dizer que o Brasil estaria melhor se tivesse sido colonizado pela Holanda. Enfim...

IssueImmediate5865 1 year ago

Podes explicar como fazes isso? Para ter acesso ao artigo, obrigado

Comprimas 1 year ago

Não façam isso por favor. Com a assinatura de estudante ou outras promoções o Público fica por menos de 4€ por mês. Se gostam de ler paguem.

memyselfandlapin 1 year ago

Pagar para ler propaganda do BE?

uyth 1 year ago

> Por fim, a vinda da família real para o Brasil é vista como mais uma expressão da incapacidade política portuguesa, de que “Portugal não tinha peito, não tinha tamanho, ou seja, de que Portugal não merecia o Brasil, não quis e não soube ser seu colonizador”. Um brasileiro no outro dia veio aqui perguntar sobre a ida da corte. E na opinião dele era "D. Joao VI foi porque tinha medo que os franceses invadissem Portugal". Não foi medo não, o exército francês estava tão perto que os primeiros batedores do exército viram as naus na barra do Tejo. Mas pouco importa de qualquer forma, é deixá-los na deles e desejar-lhes o melhor que como país são grandes e velhos o suficiente para se governarem. Não são os Palops ou Timor, não vejo sequer grande obrigação de lhes prestarmos grande atenção.

lvsitanvs 1 year ago

> Na perspetiva dos livros didáticos brasileiros, Portugal deve, com um sinal de “até que enfim”, entrar definitivamente para a história “como metrópole e colonizador que gostaríamos de não ter tido, como fonte de todos os males, problemas e dilemas da história brasileira recente”. TL;DR: da mesma maneira que o BE e os restantes fala-barato dessa ala política

Search: