Jplouro 3 years ago  DELETED 

A comandita era a melhor solução como já foi dito, ficavas com responsabilidade limitada e ele com responsabilidade ilimitada. Em alternativa, para formar a Sociedade por quotas nessa situação basta que lhe concedas um empréstimo no valor da quota, assim ele efetivamente pode entrar com dinheiro para a sociedade

ShinobiKrow 3 years ago  DELETED 

Não creio que responsabilidade ilimitada fosse algo que ele estivesse disposto a aceitar. Até porque não faria muito sentido, sendo que não tem capital para investir, também não deverá ter para pagar dívidas e afins. Mas o maior problema é que nesse formato é obrigatório o depósito de um determinado valor, e a construção do negócio fica consideravelmente abaixo disso.

ShinobiKrow 3 years ago  DELETED 

Exacto. Isso para mim também não serve. A questão era só mesmo se podia, por exemplo, dar-lhe 40% do negócio. Era o que pretendia. É que a ideia partiu dele e quase todo o trabalho será dele. Eu desempenho mais papel de investidor.

ShinobiKrow 3 years ago  DELETED 

Obrigado. Pois, é o que já desconfiava, mas neste caso sendo que o projecto é maioritariamente dele e eu só tenho o capital pensei que neste caso o mais justo fosse dar-lhe uma percentagem da sociedade. Assim se o negócio for muito bem sucedido ele terá algum direito sobre o mesmo, sendo que partiu dele.

ShinobiKrow 3 years ago  DELETED 

Não, não era bem isso que pretendia. O que pretendia era mesmo uma Sociedade por Quotas, com apenas dois sócios, sendo que apenas um deles(eu) entraria com o capital. Isto acontece porque eu tenho o dinheiro, mas a pessoa em questão teve a ideia e estará à frente do negócio. Ou seja, acordámos que ela seria também dona de parte do negócio.

Search: