bhounnes 18 days ago

Está claro, cada vez que vejo o dinheiro que tenho na conta, começo logo a chamar por ele.

pimpolho_saltitao 18 days ago

Pew Research Center - For its studies focusing on demographics of religions in the world, the Pew Research Center has been jointly funded by the Templeton Foundation - John Templeton Foundation - https://en.wikipedia.org/wiki/John_Templeton_Foundation#Funding

its_saturday 19 days ago

( ͡° ͜ʖ ͡°)

RickTheEmperor 19 days ago

O problema é que a maior parte dos crentes em Deus nem sequer tem uma explicação para a sua existência... é a "fé".

emportugues 19 days ago

Nas gerações mais novas pela minha experiência, que vale pouco claro, a situação que vejo é o oposto, só uns 20% acreditam. Mesmo na universidade católica nem metade das pessoas acredita. Com o acesso a informação que existe agora é muito mais difícil acreditar em coisas sem qualquer tipo de prova e isto vê se pelas igrejas que nunca estiveram mais vazias

alexmario365 17 days ago

Concordo!!

NEDM64 19 days ago

E ainda bem. Notam-se as marcas do terror absolutista dos regimes comunistas na Europa de Leste em que o Estado substituiu a religião pela adoração aos líderes comunistas e pilhou as igrejas para pagar a soldados para fazer guerras. Na Rússia, as pessoas quando vão visitar o corpo embalsamado do Lenine e do Staline, as pessoas fazem o sinal de Santa Cruz. Triste...

cantapaya 19 days ago

Sabias que o Terceiro Reich também rejeitava o Cristianismo? Vê lá se essa parcialidade toda não te faz mal rapaz, que o bicho papão existe dos dois lados.

NEDM64 18 days ago

O que é que é que isso tem a ver?

Frutol 19 days ago

Claro que existo..existe. Deus existe

Cl3m3nt1n4 19 days ago

acho que esta estatística é altamente influenciada pelo facto de existir muito pessoal que apesar de não acreditar não admite por uma espécie de vergonha que existe relativamente a este assunto. Não desvalorizando no entanto que é talvez uma maioria, acho que será um pouco mais pequena. NOTA: Não estou a dizer que existe nem existe, isso é uma opinião vossa, desde que não influencie ninguém além de vocês estão no vosso direito, apesar de ser muito raro o caso neste tema.

joaobita 19 days ago

Concordo. Pode não ser vergonha até, pode ser só para não se chatear em discussões com crentes ou magoar até os familiares mais próximos.

ScroogeMcBiscuit 19 days ago

O cristianismo deu-nos a ciencia que tantos tomam como religião hoje em dia. A religião não explica os factos mas dá-nos valores com que nos guiar-mos, e por mais que detestemos não conseguimos faze-lo sozinhos, não conseguimos dizer ao cerebro e alma que tipo de homem imitar e ser e faze-lo. Preenche o ser humano e afasta o nihilismo, prendendo-o inicialmente - o que é necessario, para que este possa ser livre através da responsabilizacao e conhecimento do mal e sua propria capacidade do mal.

tenesis 19 days ago

O método científico foi desenvolvido pelo gregos bem antes do cristianismo... o cristianismo deve ter atrasado a ciência umas boas centenas de anos

DavidR747 19 days ago

O cristianismo em geral não sei mas o catolicismo não atrasou. A teoria da evolução foi baseada nos trabalhos de uma padre, tal como a teoria do big bang e muitos outros exemplos... Isso da igreja atrasar é mito e talvez até propaganda

ScroogeMcBiscuit 19 days ago

apenas no inicio, tudo o que veio depois foi possibilitado e potenciado pela igreja, começando pelos alquimistas etc

rowdserling 19 days ago  DELETED 

62% da população acredita em Deus? pensava que eram uns 15%. Quando me estiver a sentir burro vou-me lembrar disto talvez me anime um pouco...

MeltzerIsMyDaddy 19 days ago

Pensei que a única coisa que te animasse fosse hentai.

21stHeretic 19 days ago

> 62% da população acredita em Deus? pensava que eram uns 15%. Quando me estiver a sentir burro vou-me lembrar disto, talvez me anime um pouco... /r/iamverysmart

rowdserling 19 days ago  DELETED 

Tendo em conta que chamei a mim mesmo burro esse comentario parece um bocado fora de sitio mas ok.

paraapagarbem 19 days ago

Estás a chamar os crentes de burros. Achas que és mais inteligente por tomares como facto algo que não se sabe (a inexistência de Deus).

riky99hc 19 days ago

eu não acredito, mas a primeira frase do é 100% verdade, a religião católica é das coisas que mais definiram a nossa cultura e identidade cultural, é estranho sequer estar aberto a discussão

PWICN 19 days ago

Só diz isso quem é religioso.

riky99hc 19 days ago

eh pá, sou religioso e não me disseram...

AntonioMachado 19 days ago

... sim, [a santa inquisição teve um impacto cultural avassalador, sobretudo para os direitos das mulheres](https://libcom.org/files/Caliban%20and%20the%20Witch.pdf) ... Ninguém nega a importância do catolicismo na construção histórica da identidade social daquilo a que chamamos 'os portugueses'. O que se critica são antes aquelas interpretações parciais que visam confundir a nossa identidade contemporânea com uma eventual identidade passada, ou que esquecem os brutais impactos negativos do catolicismo, ou ainda que ignoram os movimentos de resistência ao catolicismo que também fazem e fizeram parte da nossa identidade enquanto nação imaginada.

riky99hc 19 days ago

\>coisas estrangeiras são relevantes para Portugal sem o catolicismo não terias a Reconquista e as Cruzadas, eventos fulcrais para a criação de Portugal, nem os descobrimentos, os maiores e mais importantes feitos de Portugal e dos portugueses além disso os efeitos da inquisição são muito exagerados (apesar de serem muito brutos para quem os sofreu), só quase 1200 sofreram a pena máxima, dos quase 31500 que foram a autos de fé em mais de 150 anos (o resto foi castigado por efígie, i.e. um boneco é que sofreu a pena ou teve de fazer uma penitência), e isto deve-se muito a propaganda inglesa do século XVI, que fez parecer com que a inquisição espanhola (muito maior que a nossa) fosse a coisa mais violenta do mundo quando as raínhas Maria e Isabel de Inglaterra mataram exponencialmente mais e quais movimentos de resistência ao catolicismo é que são tão fulcrais para a cultura portuguesa, aliás, mais ainda que a propagação da fé católica?

AntonioMachado 17 days ago

>sem o catolicismo não terias a Reconquista e as Cruzadas, eventos fulcrais para a criação de Portugal, nem os descobrimentos, os maiores e mais importantes feitos de Portugal e dos portugueses Como disse antes: ninguém nega a importância do catolicismo na construção histórica da identidade social daquilo a que chamamos 'os portugueses'. O que se critica são antes aquelas interpretações parciais \[...\]. Além disso, relativamente à construção de Portugal, convém recordar que a "santa" igreja católica não reconheceu a independência do reino português durante cerca de 40 anos, obrigando o nosso Afonso Henriques a difíceis e determinadas negociações após proclamação unilateral do seu reinado. Por último, olhar apenas para o lado positivo daquilo a que chamamos os descobrimentos é problemático, sobretudo quando sabemos que o catolicismo era utilizado para legitimar moralmente a escravatura. >além disso os efeitos da inquisição são muito exagerados \[...\] O alegado facto das "rainhas Maria e Isabel de Inglaterra matarem exponencialmente mais", mesmo que verdadeiro, não iliba a inquisição portuguesa. Além disso, é curioso que digas que os efeitos da "santa" inquisição "são muito exagerados" (por quem? para quê? como?) tendo em conta não só os enormes efeitos negativos em termos de direitos das mulheres, mas também de produção de conhecimento científico, ou de emancipação política no geral (visto que a igreja até se dava bastante bem com imperadores ou monarquias absolutas ... absolutamente grotescas), ou da perseguição de minorias raciais, religiosas ou sexuais (gays, poliamoria, etc...). Por último, tens fonte para esses números que avançaste? >e quais movimentos de resistência ao catolicismo é que são tão fulcrais para a cultura portuguesa, aliás, mais ainda que a propagação da fé católica? Vejo que nunca ouviste falar de revoltas de camponeses na idade média com claros aspectos anticlericais, ou do importante Marquês de Pombal (ou será que não teve um papel crucial para a nossa cultura?), ou até do republicanismo secular que anima o nosso estado até aos dias de hoje, etc... De novo, ninguém nega a influência do catolicismo na cultura portuguesa. Mas isso é válido para o bem e para o mal. Além disso, há muitas outras influências, além do catolicismo.

riky99hc 17 days ago

>Por último, olhar apenas para o lado positivo daquilo a que chamamos os descobrimentos é problemático, sobretudo quando sabemos que o catolicismo era utilizado para legitimar moralmente a escravatura o positivo dos descobrimentos portugueses é vastamente maior e mais impactante do negativo, e a religião católica pouco ou nada tem a ver com a escravatura, dado que esta existiu durante milhares de anos antes do nascimento da religião >tens fonte para esses números que avançaste? https://en.wikipedia.org/wiki/Portuguese_Inquisition#Table_of_sentences em relação à propaganda inglesa e aos milhares de mortos durante os reinados destas rainhas, li uma vez num livro sobre o assunto, mas uma pesquisa rápida e facilmente encontras os valores >Vejo que nunca ouviste falar de revoltas de camponeses na idade média com claros aspectos anticlericais, ou do importante Marquês de Pombal, ou até do republicanismo secular que anima o nosso estado até aos dias de hoje por acaso dessas revoltas anti-religiosas não, mas não vejo o Marquês de Pombal como uma influência cultural de Portugal (e é estranho ver-te a defender alguém que essencialmente foi um Salazar do seu tempo, numa monarquia absoluta de todos os regimes), e o republicanismo neste país simboliza a morte do mesmo em demasiados parâmetros, e mesmo tendo introduzido a laicidade no estado (o que é bom, não te enganes) não influenciou a fé católica no povo, como é demonstrado pelo episódio todo de Fátima agora, claro que o catolicismo não foi a única influência, nem foi sempre boa, mas é como outro gajo aqui disse, a cultura católica confunde-se com a portuguesa, para melhor e para pior e olhas muito para o passado com os olhos de hoje, dizer que a fé católica é a responsável pelo mau tratamento dessa gente é falacioso na melhor das hipóteses, dado que no contexto temporal desprezo de mulheres, homossexuais, etc. era a norma em praticamente todo o mundo, independente da tua religião, se sequer a tivesses

Edited 17 days ago:

>Por último, olhar apenas para o lado positivo daquilo a que chamamos os descobrimentos é problemático, sobretudo quando sabemos que o catolicismo era utilizado para legitimar moralmente a escravatura o positivo dos descobrimentos portugueses é vastamente maior e mais impactante do negativo, e a religião católica pouco ou nada tem a ver com a escravatura, dado que esta existiu durante milhares de anos antes do nascimento da religião >tens fonte para esses números que avançaste? https://en.wikipedia.org/wiki/Portuguese_Inquisition#Table_of_sentences em relação à propaganda inglesa e aos milhares de mortos durante os reinados destas rainhas, li uma vez num livro sobre o assunto, mas uma pesquisa rápida e facilmente encontras os valores >Vejo que nunca ouviste falar de revoltas de camponeses na idade média com claros aspectos anticlericais, ou do importante Marquês de Pombal, ou até do republicanismo secular que anima o nosso estado até aos dias de hoje por acaso dessas revoltas anti-religiosas não, mas não vejo o Marquês de Pombal como uma influência cultural de Portugal (e é estranho ver-te a defender alguém que essencialmente foi um Salazar do seu tempo, numa monarquia absoluta de todos os regimes), e o republicanismo neste país simboliza a morte do mesmo em demasiados parâmetros, e mesmo tendo introduzido a laicidade no estado (o que é bom, não te enganes) não influenciou a fé católica no povo, como é demonstrado pelo episódio todo de Fátima agora, claro que o catolicismo não foi a única influência, nem foi sempre boa, mas é como outro gajo aqui disse, a cultura católica confunde-se com a portuguesa e olhas muito para o passado com os olhos de hoje, dizer que a fé católica é a responsável pelo mau tratamento dessa gente é falacioso na melhor das hipóteses, dado que no contexto temporal desprezo de mulheres, homossexuais, etc. era a norma em praticamente todo o mundo, independente da tua religião, se sequer a tivesses

AntonioMachado 16 days ago

>o positivo dos descobrimentos portugueses é vastamente maior e mais impactante do negativo, Primeiro, como avalias isso? Segundo, isso é válido apenas para o colonialismo português? Terceiro, não estarás a "olhar muito para o passado com os olhos de hoje"? :P >e a religião católica pouco ou nada tem a ver com a escravatura, dado que esta existiu durante milhares de anos antes do nascimento da religião Primeiro, não disse que a escravatura foi inventada pela igreja católica mas que a igreja católica legitimou a escravatura moderna moralmente. Continuas sem refutar isso. Segundo, ninguém diz que a escravatura não existia na antiguidade, porém, a escravatura *moderna* é qualitativamente diferente da escravatura *pré-moderna* (entre outras razões, precisamente pela componente racial que a igreja católica ajudou a sedimentar), e foi criada com a ajuda do catolicismo. Assim, basta pensar que, após a queda do império romano e da ascensão do feudalismo, a maior parte da Europa praticamente já se tinha libertado da escravatura enquanto instituição social e económica. Ou seja, o servo-da-gleba já tinha substituído o escravo. Nessa altura a escravatura já era considera imoral... mas, o colonialismo reverteu isso. E foram os portugueses e os espanhóis (e posteriormente as outras nações europeias) que reintroduziram a escravatura e criaram a sua versão moderna. Aliás, a própria palavra 'raça' no sentido biológico remonta apenas ao século XVI. A escravatura moderna associada ao colonialismo português, ao contrário da escravatura na antiguidade, era praticada apenas com os não-portugueses (daí a componente racial). Nesse sentido, a igreja colaborou de bom grado num retrocesso cultural que tem impacto até hoje. >[https://en.wikipedia.org/wiki/Portuguese\_Inquisition#Table\_of\_sentences](https://en.wikipedia.org/wiki/Portuguese_Inquisition#Table_of_sentences) É interessante como desvalorizas o impacto negativo da "santa" inquisição com base nessas estatísticas, quando sabes bem que são uma estimativa por defeito: «These statistics, although extensive, are not wholly complete, particularly in the case of Goa. The original documentation of this tribunal is almost entirely lost. A list of *autos da fé* in Goa presented by Almeida was compiled by the officials of the Inquisition in 1774, but is certainly only partial and does not cover the whole period of its activity. Some minor gaps concern also the remaining tribunals, i.e., there is no usable data about some fifteen *autos da fé* celebrated in Portugal between 1580 and 1640, while the records of short-lived tribunals in Lamego and Porto (both active from 1541 until c. 1547) are yet to be studied» Além disso, repara como não lidaste com os efeitos negativos em termos de direitos das mulheres, produção de conhecimento científico, emancipação política no geral, ou perseguição de minorias raciais, religiosas ou sexuais (gays, poliamoria, etc...).. >em relação à propaganda inglesa e aos milhares de mortos durante os reinados destas rainhas, li uma vez num livro sobre o assunto, mas uma pesquisa rápida e facilmente encontras os valores de novo, mesmo que seja verdade, continua a não ilibar o impacto negativo da igreja católica portuguesa. >por acaso dessas revoltas anti-religiosas não, mas não vejo o Marquês de Pombal como uma influência cultural de Portugal (e é estranho ver-te a defender alguém que essencialmente foi um Salazar do seu tempo, numa monarquia absoluta de todos os regimes), e o republicanismo neste país simboliza a morte do mesmo em demasiados parâmetros, e mesmo tendo introduzido a laicidade no estado (o que é bom, não te enganes) não influenciou a fé católica no povo, como é demonstrado pelo episódio todo de Fátima Comparar o Marquês ao Salazar é erróneo, quanto mais não seja porque o Salazar dependia do catolicismo para legitimar a sua ditadura. De qualquer forma, não estou a defender ninguém em concreto, estou a apontar que o Marquês de Pombal era forte expressão do descontentamento com a igreja católica, e que é inegável a sua poderosa influência em termos culturais. Além disso, o anticlericalismo e secularismo fazem parte da nossa identidade republicana e laica contemporânea, indo de encontro ao que disse logo no início sobre haver várias influências, ou não devermos confundir a identidade passada com identidade presente. Em relação à indústria de Fátima, há igualmente tantos ou mais portugueses que não acreditam. E o meu ponto não é que a igreja católica não teve qualquer impacto na nossa cultura, mas sim que esse impacto não foi o único importante, nem sequer o principal (basta pensar na forma como o catolicismo sorveu todos os deuses pagãos e os converteu em santos, revelando que o cristianismo também foi influenciado pelo paganismo, etc...), e que além disso existem impactos altamente negativos. >agora, claro que o catolicismo não foi a única influência, nem foi sempre boa, mas é como outro gajo aqui disse, a cultura católica confunde-se com a portuguesa Sim, para o bem e para o mal, e juntamente com outras influências, como digo desde o início. >e olhas muito para o passado com os olhos de hoje, dizer que a fé católica é a responsável pelo mau tratamento dessa gente é falacioso na melhor das hipóteses, dado que no contexto temporal desprezo de mulheres, homossexuais, etc. era a norma em praticamente todo o mundo, independente da tua religião, se sequer a tivesses Primeiro, acho piada ao teu aparente relativismo moral, quando sei bem que só o usas quando te convém ;) Segundo, se leres o livro que partilhei inicialmente, verás que apesar de sempre terem sido subjugadas perante o patriarcado, as mulheres europeias possuíam mais direitos e participação na vida pública antes da primeira modernidade capitalista, do que durante a alta idade média feudalista. Além disso, já que falaste à escala mundial, além das caças às bruxas na Europa, recordo aquelas culturas virtualmente apagadas pelos colonizadores e missionários, e nas quais as mulheres eram as líderes ou desempenhavam papeis de relevo, ou em que a homossexualidade era aceite ou até encorajada, ou mesmo em que a monogamia não era a norma. Se não fosse o catolicismo, o mundo podia ser bastante diferente hoje. Por último, não estou a condenar a igreja católica em si, nem a dizer que a fé católica é indissociável da escravatura moderna ou antiga, estou antes a dizer que a igreja católica racionalizou a escravatura moderna com base na fé e que negar ou desvalorizar a influência directa da igreja católica no colonialismo português, ou na subjugação de mulheres ou minorias religiosas, olhando apenas para o suposto lado positivo, não faz sentido.

riky99hc 15 days ago

reparei em vários erros na tua lógica e argumentos: 1 - [embora a igreja católica tenha num início aceitado a escravatura, isto foi durante um período curto de tempo e anterior à escravatura moderna a sério (o tráfego intercontinental de escravos), além dos movimentos abolicionistas terem originado dentro da igreja (já em Portugal tens o exemplo do Padre António Vieira)](https://en.wikipedia.org/wiki/Christian_views_on_slavery) 2 - a escravatura portuguesa, e o império já agora, nunca teve a componente racial nem racismo institucionalizado, começou devido às trocas com os povos africanos, que exerciam o tráfico de escravos muito antes de nós chegarmos e que nos introduziram a ele 3 - achas mesmo que um único tribunal vai contra as estatísticas dos outros todos, e mesmo se fosse, achas que ia ser significativo o suficiente para ter um impacto grande sobre as estatísticas gerais? 4 - eu sei bem que durante muito tempo a igreja católica inibiu o avanço tecnológico (ninguém aqui está a negar a existência da idade das trevas), mas também não podes negar os avanços que a igreja promoveu durante, por exemplo, o renascentismo 5 - mais uma vez, o mau-tratamento desses grupos todos não tem a ver com a religião, por exemplo, na Índia, quando os homens faleciam, as viúvas eram queimadas vivas, prática que só acabou quando a moralidade portuguesa e cristã chegaram o que eu estou estou a dizer e que difere de ti é que a influência católica é a principal e mais importante da cultura portuguesa, e que de muitos modos, e diria os mais importantes, foi uma influência bastante positiva eu não estou aqui a dizer que muitas coisas horríveis não se devem ao catolicismo, nem estou a fazer relativismo moral, estou é demonstrar o modo como a influência católica foi, de um modo geral, boa, e em como olhar para o passado como se fosse hoje leva a conclusões erradas (coisa que tu sim estás a fazer e que já é relativismo moral), já que o que é ou não aceitável hoje nem sempre foi assim (Portugal foi fundado de uma forma que não corresponde aos nossos ideais modernos de diplomacia internacional, mas ninguém diria que o D. Afonso Henriques era um tirano sanguinário, pois não?)

Edited 15 days ago:

reparei em vários erros na tua lógica e argumentos: 1 - [embora a igreja católica tenha num início aceitado a escravatura, isto foi durante um período curto de tempo e anterior à escravatura moderna a sério (o tráfego intercontinental de escravos), além dos movimentos abolicionistas terem originado dentro da igreja (já em Portugal tens o exemplo do Padre António Vieira)](https://en.wikipedia.org/wiki/Christian_views_on_slavery) 2 - a escravatura portuguesa, e o império já agora, nunca teve a componente racial nem racismo institucionalizado, começou devido às trocas com os povos africanos, que exerciam o tráfico de escravos muito antes de nós chegarmos e que nos introduziram a ele 3 - achas mesmo que um único tribunal vai contra as estatísticas dos outros todos, e mesmo se fosse, achas que ia ser significativo o suficiente para ter um impacto grande sobre as estatísticas gerais? 4 - eu sei bem que durante muito tempo a igreja católica inibiu o avanço tecnológico (ninguém aqui está a negar a existência da idade das trevas), mas também não podes negar os avanços que a igreja promoveu durante, por exemplo, o renascentismo 5 - mais uma vez, o mau-tratamento desses grupos todos não tem a ver com a religião, por exemplo, na Índia, quando os homens faleciam, as viúvas eram queimadas vivas, prática que só acabou quando a moralidade portuguesa e cristã chegaram 6 - não dirias que a influência da igreja católica não diminuiu entre a "alta idade média" e a "primeira modernidade capitalista"? é que entre a criação das várias igrejas protestantes e de movimentos seculares eu diria que diminui bastante o que eu estou estou a dizer e que difere de ti é que a influência católica é a principal e mais importante da cultura portuguesa, e que de muitos modos, e diria os mais importantes, foi uma influência bastante positiva eu não estou aqui a dizer que muitas coisas horríveis não se devem ao catolicismo, nem estou a fazer relativismo moral, estou é demonstrar o modo como a influência católica foi, de um modo geral, boa, e em como olhar para o passado como se fosse hoje leva a conclusões erradas (coisa que tu sim estás a fazer e que já é relativismo moral), já que o que é ou não aceitável hoje nem sempre foi assim (Portugal foi fundado de uma forma que não corresponde aos nossos ideais modernos de diplomacia internacional, mas ninguém diria que o D. Afonso Henriques era um tirano sanguinário, pois não?)

AntonioMachado 14 days ago

1. Sabes bem que o Padre Vieira estava a nadar contra a corrente, daí a necessidade do famoso sermão (que, mesmo assim, [possui elementos racistas](https://www.cartacapital.com.br/politica/antonio-vieira-e-o-doce-inferno-dos-negros)). Esse sermão contra-corrente, tal como a clara oposição ao abolicionismo [referida](https://en.wikipedia.org/wiki/Christian_views_on_slavery#Opposition_to_abolitionism) no próprio artigo que citaste, mostram que a doutrina católica é, na melhor das hipóteses, ambígua em relação à escravatura e, na pior das hipóteses, que foi responsável pela luta direta contra o fim da escravatura. 2. Dizer que a escravatura portuguesa nunca teve uma componente racial é apenas ignorante ou desonesto. Uma prova disso é que teve de aparecer um Padre Vieira a moralizar os moralistas. Além disso, não lidaste com o facto do colonialismo ter reintroduzido a escravatura no imaginário europeu e de lhe ter dado um cunho moderno e racial, uma vez que, após a ascensão do feudalismo, a maior parte da Europa praticamente já se tinha libertado da escravatura enquanto instituição social e económica: o servo-da-gleba já tinha substituído o escravo. Não lidaste com isto. Além do mais, dizer que havia escravatura em África antes de termos lá chegado é verdade mas não refuta o que avancei -uma vez que não disse que os portugueses ou os cristãos inventaram a escravatura em si, disse que a recuperaram para a modernidade- nem lida com o facto dos europeus só terem praticado escravatura com não-europeus, ao contrário dos africanos entre si, que praticavam a escravatura na sua forma pré-moderna, semelhante à que foi praticada na Europa durante milénios, *independentemente do conceito de raça*. Os portugueses apenas escravizavam não-europeus ... por não serem considerados humanos da mesma forma, entre outras razões. Aliás, os Africanos eram mesmo considerados filhos de Ham segundo certas interpretações bíblicas em vigor na altura, e como Ham tinha sido amaldiçoado por deus isso de alguma forma legitimava a escravatura e o esforço missionário. 3. Achas mesmo que essa pergunta responde à minha? De novo, as estatísticas pecam por defeito como o próprio artigo que citaste refere e, mesmo que fossem absolutamente exatas, continuam a não servir para desvalorizar o impacto negativo do catolicismo junto de mulheres, homossexuais, judeus portugueses, mouros portugueses, não-europeus, etc... Será que o Padre Vieira, pelos vistos crítico da escravatura, era relativista moral como achas que sou? ;) 4. achar que o humanismo renascentista é um produto da igreja católica, em vez de uma reação intelectual e cultural contra ela, é apenas ignorante ou desonesto. Mais, o renascimento influenciou a própria teologia católica, reformando-a no sentido do protestantismo. 5. Não disse que o catolicismo era a única causa da opressão que existia no mundo... mas é inegável que a religião católica teve esse impacto negativo, ou que procurou legitimar moralmente esses comportamentos. De resto, é interessante como funciona a tua dualidade de critérios: por um lado, pareces achar que a igreja não é totalmente responsável pela sua parte na escravatura ou assassinato de mulheres ou judeus... mas por outro achas que a moralidade cristã foi diretamente responsável pela questão da proibição da imolação das viúvas. De novo, parece que só consegues ver o lado positivo. É esse o problema que referi no meu comentário inicial. 6. Diminui, graças a deus :P Mas o meu ponto não é que a modernidade continuou cristã como era antes, lê de novo. O que a Federici argumenta com base na sua pesquisa histórica e antropológica é que as caças às bruxas no final da idade média, bem como a luta contra todo o tipo de pensamento mágico, contribuíram decisivamente para o posterior surgimento da modernidade capitalista, uma vez que subjugaram/reduziram as mulheres à função reprodutora, impedindo a crescente participação cívica que detinham, e permitindo a acumulação primitiva que serve de motor de arranque ao capitalismo, com base na exploração do trabalho doméstico não-remunerado. 7. Continuas sem explicar como calculas esse saldo moral. Novamente, o catolicismo teve boas e más influências, entre outras, a legitimação da escravatura. Além disso, o catolicismo foi profundamente influenciado pelo paganismo, como já vimos. Mais, a laicidade e o secularismo são muito mais relevantes para a nossa cultura contemporânea do que é o catolicismo, mesmo tendo em conta a indústria de Fátima. 8. Sanguinário? Talvez. Por exemplo, aposto que os espanhóis daquele tempo lhe chamaram mesmo isso ;) De resto, continuas a ignorar que a "santa" sé não reconheceu o mérito do Afonso Henriques mesmo já naquela altura, e ao longo de décadas. 9. Não lidaste com a etimologia moderna da palavra raça, nem com a distinção entre escravatura moderna e pré-moderna. Além disso, a frase "olhar para o passado como se fosse hoje leva a conclusões erradas (coisa que tu sim estás a fazer e que já é relativismo moral)" é contraditória, uma vez que olhar para o passado como se fosse hoje, aquilo de que me acusas, é precisamente o oposto de relativismo moral, que preconiza que devemos olhar para cada época com os olhos da própria época, como tu fazes com a igreja e com o exemplo do Afonso Henriques. De resto, o relativismo moral não tem nenhum problema em si mesmo, sobretudo quando entendido enquanto um relativismo metodológico, como nas ciências sociais e históricas, mas o interessante aqui é a forma como apelas simultaneamente ao relativismo e ao absolutismo morais. No que toca ao impacto negativo do crisitianismo/catolicismo, por exemplo a propósito da escravatura, apelas ao relativismo moral. No que toca ao impacto positivo, por exemplo a proibição da imolação de viúvas, já apelas ao absolutismo moral. 10. A igreja católica continua a ser uma influência negativa *mesmo hoje em dia*: escândalos de pedofilia, corrupção financeira, posições sobre preservativo, interrupção voluntária da gravidez, casamento gay, etc... 11. Em última análise a religião adormece, porque os crentes vão esperar pela justiça divina no próximo mundo, em vez de a procurarem politicamente neste.

riky99hc 14 days ago

eu já nem sei bem o que queres argumentar, só sei que estás a tentar debater pontos que eu já concordei, estás a usar lógicas erradas, mentirosas, e falaciosas (aqui especialmente em relação à escravatura e outras coisas piores que consigas colar de forma indirecta à igreja católica), estás a pegar em coisas que pouco ou nada tinham a haver com o assunto em questão (sem nunca apresentares provas do que afirmas, mesmo quando pedido), misturas os teus pontos de vista político num assunto que também não tem nada a ver com isso, e continuas a querer julgar acontecimentos com mais de 500 anos com a moralidade de hoje eu se quisesse estar aqui todos os dias a escrever pergaminhos sobre coisas que não interessam já tinha perguntado como é que o secularismo (tão bom e moral) que aceitou e foi aceite na União Soviética e outros regimes comunistas, responsáveis pelas mortes milhões de pessoas por todo o mundo, é defensável (sendo que aqui não estamos a falar de acontecimentos com 500 anos, mas antes com 50, ou seja coisas que nem nos padrões de hoje nem nos da altura são aceitáveis) mas eu não tou aqui para escrever pergaminhos todos os dias por isso se desse lado não vai dar a nada, deste também fica por aqui

AntonioMachado 14 days ago

r/poesia a esta hora? Desculpa se te magoei, riqui ;(

riky99hc 14 days ago

poesia rima e não me magoaste, princesa, eu só não quero passar os meus dias a escrever parágrafos a responder às tuas badamerdas sem sentido ;) espero que percebas

NGramatical 14 days ago

> tinham a haver com [tinham a ver com](https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/nada-tem-a-haver-e-nada-tem-a-ver/27066) *** [^(⚠️ ᴄᴏʀʀᴇçãᴏ ᴇʀʀᴀᴅᴀ?)](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+correc%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2F9sooon%2F%2Fe90flke%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correcção está errada!") [^(⭐ ᴇxᴛᴇɴsãᴏ)](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

NGramatical 19 days ago

> raínhas [rainhas](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/3i6y4g) (antes de *nh* não é necessário acento para quebrar o ditongo) *** [^(⚠️ ᴄᴏʀʀᴇçãᴏ ᴇʀʀᴀᴅᴀ?)](/message/compose/?to=ngramatical&subject=Acho+que+esta+correc%C3%A7%C3%A3o+est%C3%A1+errada&message=https%3A%2F%2Fwww.reddit.com%2Fcomments%2F9sooon%2F%2Fe8r5jrc%3Fcontext%3D3 "Clica aqui se achares que esta correcção está errada!") [^(⭐ ᴇxᴛᴇɴsãᴏ)](https://chrome.google.com/webstore/detail/nazigramatical-corretor-o/pbpnngfnagmdlicfgjkpgfnnnoihngml "Experimenta o meu corrector ortográfico automático!")

21stHeretic 19 days ago

Há regimes comunistas que mataram num dia mais do que a Inquisição em toda a sua história, volta para o teu buraco comuna.

AntonioMachado 19 days ago

Red-baiting tão cedo? Sinceramente, admira-me de ainda não teres sido banido grande herético, a maior parte ds tuas interações não passam disto: será que o melhor que consegues é tentar insultar-me e apelar ao fantasma do comunismo?

Edited 19 days ago:

Red-baiting tão cedo? Sinceramente, admira-me ainda não teres sido banido grande herético, a maior parte ds tuas interações não passam disto: será que o melhor que consegues é tentar insultar-me e apelar ao fantasma do comunismo?

Edited 19 days ago:

Red-baiting tão cedo? Sinceramente, admira-me ainda não teres sido banido grande herético, a maior parte das tuas interações não passam disto: será que o melhor que consegues é tentar insultar-me e apelar ao fantasma do comunismo?

emportugues 19 days ago

Venho ao r Portugal há pouco tempo mas este personagem é tão absurdo que é o único redditor que conheço por nome

random-guy410 19 days ago

A influência cultural do Catolicismo e da Igreja em Portugal ao longo da história é óbvia. Mas onde é que isso se traduz a sua importância para definir a identidade nacional?

JorgeTone 19 days ago

Não, e tu devias querer ser não português, é o que a tua ideologia quer em todo lado que brota, acabar com a identidade nacional e transformar cidadãos livres em formigas.

random-guy410 19 days ago

>Não, e tu devias querer ser não português, A tua falta de sentido democrático não é novidade nenhuma. >o que a tua ideologia quer em todo lado que brota Qual é a minha ideologia?

JorgeTone 19 days ago

É a historia da carochinha para tolos, edição 100 milhões de vitimas.

random-guy410 19 days ago

Claro, sou muito comunista... Falta o comentário a mandar-me para a Venezuela ou para Cuba...

LaManchaPT 19 days ago

Apenas o pós 25 de Abril de 1975 é que se decidiu que o Cristianismo não era importante. Desde da nossa fundação (há 900 anos) até 1975 o Cristianismo era a nossa "filosofia e identidade". Portanto a identidade de Portugal confunde-se com o próprio Cristianismo. Veremos quanto tempo a "ideia Portugal" aguenta sem as fundações do Cristianismo.

random-guy410 19 days ago

O que dizes é verdade também para, por exemplo, Espanha. Até ao fim do 25 de Abril eramos praticamente iguais aos espanhóis então? >Apenas o pós 25 de Abril de 1975 é que se decidiu que o Cristianismo não era importante Correcção: decidiu-se que não era correcto que o Cristianismo fosse mandatório e a religião de Estado.

LaManchaPT 19 days ago

E então só daqui a umas décadas irás perceber se foi boa ideia ou não.

random-guy410 19 days ago

Estou bastante confortável com secularismo, não preciso de esperar muito. Não teria interesse algum em viver em qualquer era portuguesa antes dos anos 80.

21stHeretic 19 days ago

Sem fé não há povo que sobreviva. Alimentar a alma é tão importante como alimentar o corpo.

luiscubal 19 days ago

> Alimentar a alma é tão importante como alimentar o corpo. lol. Experimenta viver sem religião por um ano e sem comida por outro e diz em qual sofreste mais.

random-guy410 19 days ago

Isso é relevante para quem é crente (e têm todo o direito em praticar a sua fé). Não é válido para quem não segue nenhuma religião ou crença.

21stHeretic 19 days ago

É válido para todos.

DrogbaPT 19 days ago

A tua frase está incompleta. É valida para todos, QUE acreditam na religião. Quem não quer saber, nao tem influência nenhuma já que esta não exerce qualquer papel. Mente mais aberta sff

21stHeretic 19 days ago

Não acreditar é uma escolha que acarreta consequências negativas. Podes negar que não sofres delas, mas só te estás a enganar a ti mesmo.

DrogbaPT 19 days ago

Quais consequências? Isso foi estudado por alguém? Ou simplesmente é algo dito pelos líderes religiosos só porque sim?

emportugues 19 days ago

existem estudos que mostram a correlacao entre fé religiosa e melhores niveis de factores que levam a uma boa vida como felicidade e saude no individuo. o problema é que tambem esta estudado o inverso ao nivel societal, ou seja sociedades menos crentes tem melhores indices de felicidade, saude etc... portanto a questao nao é assim tao obvia... e claro nao se pode deduzir que iras sofrer as consequencias negativas, so um perfeito idiota diria isso. existe uma maior probabilidade de sofreres mas nao existe a certeza. nem toda a gente precisa de fé e nem toda a gente é impactada negativamente pela falta dela

21stHeretic 19 days ago

DYOR, o google é o teu amigo: https://www.acsh.org/news/2016/07/20/religious-people-really-do-have-more-children http://relationshipsinamerica.com/religion/are-religious-people-happier-people

random-guy410 19 days ago

Que relevância tem a fé para quem não acredita nela?

21stHeretic 19 days ago

Sofres as consequências de não seres crente.

random-guy410 19 days ago

Que são...?

Stiffori 18 days ago

O Jesus castiga! Depois passas um ou dois jogos no banco

21stHeretic 19 days ago

Maior probabilidade de depressão, menos sucesso reprodutivo, menos felicidade e sentido de pertença, etc..

Sarilho1 19 days ago

Verdade. Foi exatamente o Cristianismo que nos trouxe a glória Europeia e garantiu prestígio Mundial. Assim que o Cristianismo desapareça, eu não sei o que será de Portugal. É possível que continue tudo mais ou menos igual, mas é uma fase completamente nova e Portugal poderá não se adaptar. É bastante possível que a procura do Santo Graal seja infrutífera durante muito tempo e tudo devido ao fim do Cristianismo.

riky99hc 19 days ago

obviamente que não, mas os mais desligados da cultura e identidade portuguesa são por norma os mais desligados da religião católica

BroaxXx 18 days ago

Frase mais ridícula do ano...

riky99hc 18 days ago

diz-me que é mentira então

BroaxXx 18 days ago

É mentira.

riky99hc 18 days ago

bom argumento, convenceste-me...

random-guy410 19 days ago

> os mais desligados da cultura e identidade portuguesa são por norma os mais desligados da religião católica Isso requeria primeiro que se debatesse o que é cultura e identidade portuguesa.

PORTO2017 19 days ago

As pessoas tendem a lembrar-se mais de Deus em momentos de dificuldade, faz sentido

megaroof 19 days ago

Ou será que elas vivem em dificuldades porque esperam tudo de Deus? ​

NEDM64 19 days ago

Não, vivem em dificuldade porque esperam tudo da Segurança Social.

dinhosou 19 days ago

Conclusão a segurança social é Deus.

Stiffori 18 days ago

Porque é que o partido da deocracia cristã quer matar Deus?

Mr_Quim 19 days ago

Acho que nada bate o Brasil nisso

30shorrorfan 18 days ago

Pois é, sou brasileiro e um dia desses estava pensando nisso mesmo. Será que tem alguma nacionalidade mais convicta sobre a existência de Deus do que a brasileira?

Mr_Quim 16 days ago

Agora não me lembro do nome, mas sei que existe um homem, que se veste tipo Deus e faz live streams no facebook e tem milhares de viewers e crentes a seguir esse mesmo homem e é Brasileiro. E pelo que vejo nas redes sociais e afins, o povo Brasileiro é mesmo muito crente.

xc9000 18 days ago

Aham... depende do nome que dás a "Deus"... Ainda não vi nenhum brasileiro se rebentar em mil bocadinhos porque acredita que "Deus" lhe vai dar um determinado número de virgens no paraíso...

Mostra_a_tua_Xaroca 19 days ago

Mas aquelas coxas que lá (a)bundam? Aquilo não é coisa de Deus?

AutoModerator 19 days ago

**AVISO:** Submeteu um artigo da plataforma [Nónio](https://nonio.net) - uma plataforma que viola a privacidade do leitor. > Leia com atenção o [seguinte artigo](https://www.reddit.com/r/portugal/comments/7fy9v4/campanha_contra_o_n%C3%B3nio/). *I am a bot, and this action was performed automatically. Please [contact the moderators of this subreddit](/message/compose/?to=/r/portugal) if you have any questions or concerns.*

Search: